Lucas 9

Missão dos doze apóstolos

1 Jesus convocou seus doze discípulos, e lhes deu poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curarem enfermidades.

Comentário Cambridge

Jesus convocou seus doze discípulos. Isso foi no final das viagens missionárias aludidas em Mateus 9:35; Marcos 6:6. São Mateus apresenta um motivo comovente para a missão dos Doze. Foi porque Ele teve pena da multidão, que era como ovelhas atormentadas e ofegantes sem pastor, e como uma colheita não colhida por falta de trabalhadores (Mateus 9:36-38). Os apóstolos assim se tornaram, como seu nome indicava, emissários (sheloochim), e este foi um passo importante em seu treinamento.

e lhes deu poder e autoridade. Poder (dunamis) é a capacidade, e autoridade (exousia), o direito de agir. Veja Lucas 10:19; Apocalipse 13:7.

sobre todos os demônios. Em vez disso, sobre todos os demônios.

e para curarem enfermidades. A palavra não é iasthai, como em Lucas 9:2, mas therapeuein, ‘cuidar’; mas parece não haver nenhuma diferença essencial pretendida, a menos que seja facilitado. E ele os enviou para pregar o reino de Deus e para curar os enfermos. E disse-lhes:Nada levais para o caminho, nem varais, nem alforje, nem pão, nem dinheiro; nenhum tem duas camadas cada. E em qualquer casa em que entrardes, aí ficai e de lá partireis. E todo aquele que não vos receber, quando sairdes daquela cidade, sacudi o próprio pó dos vossos pés, para testemunho de que aponta para o curioso facto mencionado por Marcos de que ungiram os enfermos com óleo (Lucas 6:13; comp. Tiago 5:14). [Cambridge, aguardando revisão]

2 E os enviou para pregar o reino de Deus e para curar os enfermos.

Comentário do Púlpito

e para curar os enfermos. Marcos (Marcos 6:13), em seu breve relato desta missão dos doze, menciona o instrumento especial de seu poder sobre as doenças – os doze ungiram os enfermos com óleo e os curaram. É provável que o antigo costume cristão aludido por Tiago (Tiago 5:14), de ungir os enfermos com óleo, surgiu da direção de nosso Senhor aos seus apóstolos por ocasião desta missão. A prática foi continuada, ou possivelmente foi revivida, muito depois que o poder original relacionado a ela deixou de existir. Ele ainda sobrevive na Igreja Católica Romana no sacramento da extrema unção, que, de maneira bastante singular, é administrado quando todas as esperanças de recuperação do paciente da doença acabam. Ungir os enfermos com óleo era uma prática favorita entre os antigos judeus (ver Isaías 1:6 e Lucas 10:34). Deveria ser usado pelos doze como um remédio comum, possuindo, entretanto, em suas mãos um efeito extraordinário, e deveria ser, durante esta missão, o meio visível através do qual a influência Divina e o poder de curar tiveram efeito. Nunca lemos sobre Jesus em seus milagres usando óleo; sua prática usual parece ter sido simplesmente usar palavras. Às vezes, ele tocava no sofredor; em uma ocasião apenas lemos como ele misturou um pouco de barro com o qual ungiu os olhos cegos. [Pulpit, aguardando revisão]

3 E disse-lhes:“Não tomeis nada convosco para o caminho:nem vara, nem bolsa, nem pão, nem dinheiro, nem tenhais duas túnicas cada um.

Comentário Cambridge

E disse-lhes. Para um relato muito mais completo das instruções dadas aos Doze, veja Mateus 10:5-15. Algumas delas são registradas por Lucas como dadas também aos Setenta, Lucas 10:1-16.

nem vara. Ou um bastão (como N, A, B e muitos unciais). O plural pode ter sido introduzido frivolamente por algum copista que desejava evitar uma aparente discrepância com Marcos 6:8, “salvar apenas uma equipe”. Mateus também diz, ‘nem mesmo um bastão.’ Minuto e totalmente sem importância como a variação teria sido, pode ligar o fato de que nosso Senhor lhes disse não especialmente para procurar (μὴ κτήσησθε, Matt.) Essas coisas para a viagem; ou no fato de que falando em aramaico Ele usou a frase כי אם (kee im), que pode ser explicada ‘mesmo que você tenha um cajado, é desnecessário’.

nem bolsa – ou seja, carteira, uma bolsa carregada sobre o ombro para conter algumas datas ou outras necessidades comuns. 1Samuel 17:40.

nem pão – que eles geralmente levavam com eles, Lucas 9:13; Mateus 16:7.

nem dinheiro. Literalmente, “prata”. Lucas usa a palavra porque era o metal comum para cunhagem entre os gregos. Marcos usa “cobre”, a moeda romana comum.

nem tenhais duas túnicas cada um – ou seja, não carregue com você uma segunda túnica (cetone) – que de fato é um luxo raro entre os orientais pobres. (Ver com. Lucas 3:11.) Se usassem uma segunda túnica, só poderiam fazê-lo convenientemente vestindo-a (Marcos 6:9). Marcos acrescenta que deveriam usar sandálias e Mateus que não deveriam ter sapatos de viagem (hupodimata). O espírito geral das instruções é apenas:Siga em frente da maneira mais simples e humilde, sem obstáculos aos seus movimentos e em perfeita fé; e isso, como mostra a história, sempre foi o método das missões mais bem-sucedidas. Ao mesmo tempo, devemos lembrar que as necessidades dos Doze eram muito pequenas (ver com. Lucas 8:3) e eram garantidas pela hospitalidade aberta do Oriente (Thomson). [Cambridge, aguardando revisão]

4 E em qualquer casa que entrardes, ficai ali, e dali saí.

Comentário de F. L. Godet

Ao chegarem a uma cidade, deviam estabelecer-se na primeira casa a que obtivessem acesso (εἰς ἣν ἄν, em qualquer casa), o que, entretanto, não excluía a prudência e as informações comprovadas (Mateus); e, uma vez instalados em uma casa, deviam mantê-la e tentar torná-la o centro de uma obra divina naquele lugar. Aceitar a hospitalidade de várias famílias em sucessão seria o meio de criar rivalidade. Seria, pois, também desta casa, que foi a primeira a recebê-los, que eles teriam que partir ao sair do lugar:“até lá irdes”. A leitura da Vulg:“Não saia desta casa”, é uma correção errônea. Nas igrejas primitivas, o trabalho cristão concentrava-se em algumas casas, que continuavam a ser centros de atuação (comp. A expressão nas epístolas de Paulo:“A igreja que está em sua casa”). [Godet, aguardando revisão]

5 E a todo os que não vos receberem, quando sairdes daquela cidade, sacudi até o pó dos vossos pés, em testemunho contra eles'.

Comentário de F. L. Godet

O evangelho não se impõe aos homens; é um poder elástico, penetrando onde quer que encontre acesso e retirando-se onde quer que seja repelido. Este foi o modo de agir de Jesus durante todo o Seu ministério (Lucas 8:37; João 3:22).

Os judeus estavam acostumados, em seu retorno dos países pagãos à Terra Santa, a sacudir a poeira de seus pés na fronteira. Este ato simbolizou uma ruptura com toda participação conjunta na vida do mundo idólatra. Os apóstolos deveriam agir da mesma maneira em relação a quaisquer cidades judaicas que pudessem rejeitar em sua pessoa o reino de Deus. Καί, até a poeira. Por este ato simbólico, eles se livraram do fardo de todas as responsabilidades adicionais por conta do povo daquela cidade.

A expressão, para um testemunho, com o complemento ἐπ᾿ αὐτούς, sobre eles, evidentemente se refere ao julgamento por vir; em Marcos, o complemento αὐτοῖς, para eles, torna o testemunho um apelo imediato às suas consciências culpadas. [Godet, aguardando revisão]

6 Então eles partiram, e percorreram todas as aldeias, anunciando o Evangelho, e curando em todos os lugares.

Comentário Cambridge

anunciando o Evangelho. A palavra usada aqui é “evangelizar”, em Lucas 9:2 é “anunciar”.

curando. Nos outros evangelistas, os exorcismos são proeminentes. Marcos 6:13. O objetivo especial da missão dos Doze está claro em São Mateus. Nosso Senhor já estava pregando por quase um ano na Galiléia, e multidões ainda se aglomeravam diante dele. Ele sabia que logo seria compelido a se retirar e enviou os Doze para dar uma última oportunidade aos que O ouviram. [Cambridge, aguardando revisão]

7 E o tetrarca Herodes ouvia falar todas as coisas que ele fazia; e estava perplexo, porque alguns diziam que João tinha ressuscitado dos mortos;

Comentário de David Brown

perplexo – em uma perda, envergonhado.

alguns diziam que João tinha ressuscitado – Entre muitas opiniões, este foi o que o próprio Herodes adotou, pela razão, sem dúvida, mencionada em Marcos 6:14. [JFB, aguardando revisão]

8 e outros, que Elias havia aparecido; e outros, que algum profeta dos antigos havia ressuscitado.

Comentário Cambridge

que Elias havia aparecido. De acordo com a profecia de Malaquias 4:5. O verbo “apareceu” é usado em vez de “ressuscitar”, por causa da tradução de Elias para o céu. O Talmud está repleto da aparência esperada de Elias e de exemplos em que ele se mostrou a rabinos eminentes.

algum profeta dos antigos. Comp. Lucas 7:16; Deuteronômio 18:15; Números 24:17. Os judeus pensaram que Jeremias ou um dos outros grandes profetas (ver Lucas 9:19) poderia surgir para anunciar o Messias, João 1:21. Veja 2Es 2:10; 2Es 2:18, “Dize ao meu povo … Por tua ajuda enviarei os meus servos Isaías e Jeremias”; 1Ma 14:41, “Simão deveria ser sumo sacerdote … até que surgisse um profeta fiel”. Em 2Ma 2:4-8; 2Ma 15:13-16, Jeremias aparece em uma visão. Acreditava-se que ele revelaria o esconderijo da Arca, do Urim e do Fogo Sagrado. [Cambridge, aguardando revisão]

9 E Herodes disse:“A João mandei degolar; quem, pois, é este, de quem tais coisas ouço?” E procurava vê-lo.

Comentário Cambridge

E procurava vê-lo. Literalmente, “estava procurando que isso concorda com Lucas 23:8,” ele desejava vê-lo por um longo tempo. ” Lucas pode ter ouvido detalhes sobre Herodes de Chuzas (Lucas 8:3) quando ele estava com Paulo em Cesaréia Estratônio, ou de Manaen em Antioquia (Atos 13:1). A curiosidade de Herodes por Jesus não parece ter sido despertada antes desse período. Um tirano meio estrangeiro como ele, pertencente a uma casa detestada, muitas vezes tem pouca consciência do que está acontecendo entre as pessoas; mas a missão dos Doze em todas as direções e, portanto, possivelmente em Tiberíades, produziu efeitos que alcançaram seus ouvidos. Seu desejo de ver Jesus não foi satisfeito até o dia da crucificação, em parte porque nosso Senhor propositalmente se manteve fora de seu alcance, sentindo por ele um puro desprezo (“esta raposa”, Lucas 13:32), e por isso, entre outras razões, nunca tanto quanto entrou nas ruas poluídas e meio pagãs da nova cidade de Herodes, Tiberíades (que cobria parcialmente o local de um antigo cemitério); e em parte porque, após a notícia do assassinato de João, Ele parece ter imediatamente se retirado de todo o trabalho permanente em Genesaré. Durante a missão dos Doze, inferimos que Ele fez uma viagem sozinho a Jerusalém para a festa não nomeada de João 5:1, provavelmente a Festa de Purim. Durante esta visita ocorreu a cura do aleijado em Betesda. [Cambridge, aguardando revisão]

10 E quando os apóstolos, voltaram, contaram a Jesus todas as coisas que tinham feito. Então ele os tomou consigo, e retirou-se à parte a um lugar deserto de uma cidade chamada Betsaida.

Comentário Cambridge

contaram a Jesus todas as coisas que tinham feito. Este breve e escasso registro, ao qual nada é adicionado pelos outros evangelistas, contrasta tão fortemente com a jubilosa exultação dos Setenta por seu sucesso, que somos levados a inferir que o treinamento dos Doze ainda era imperfeito, e sua missão menos bem-sucedido do que o subsequente.

e retirou-se à parte. Os motivos – além da necessidade natural dos Doze e de nosso Senhor de descanso – foram (1) as interrupções incessantes da multidão, que não lhes deixava tempo nem para comer (Marcos 6:31), e (2) (como nós veja pelo contexto) a notícia do assassinato de João Batista e as indagações de Herodes sobre Jesus. Talvez possamos acrescentar (3) o desejo de manter em retiro a festa pascal que Ele não poderia celebrar agora em Jerusalém. Este evento constitui outra nova partida no ministério de Cristo.

a um lugar deserto de uma cidade chamada Betsaida. Existem aqui grandes variações nos manuscritos e a melhor leitura é para uma cidade chamada Betsaida. A omissão pode ser devido ao fato de que não havia nada que se aproximasse de “um lugar deserto” correspondendo a esta descrição perto da única Betsaida que era bem conhecida dos copistas, viz. o pequeno subúrbio de pescadores de Cafarnaum, a oeste do lago (Betsaida da Galiléia, João 12:21), Marcos 6:45. Isso também pode explicar a variação de ‘vila’ para ‘cidade’. Foi apenas recentemente que nos familiarizamos com a existência da outra Betsaida – Betsaida Julias (Marcos 8:22), ao norte do lago , outra ‘Casa dos Peixes’ recentemente embelezada por Herodes Filipe (Lucas 3:1) e batizada por ele em homenagem à bela mas perdulária filha de Augusto, Jos. Antt. xviii. 2, § I; B. J. 11. § 1. As ruínas desta cidade ainda existem em Telui (uma corrupção de Julias), e perto dela está a planície verde, estreita e isolada de El Batihah, que corresponde exatamente à descrição dos evangelistas. Esta importante descoberta, que explica várias dificuldades sérias deste Evangelho, deve-se a Reland (Palaest. P. 504), e nos mostra como as dificuldades seriam facilmente removidas se conhecêssemos todos os fatos. [Cambridge, aguardando revisão]

11 E quando as multidões souberam, seguiram-no. Ele as recebeu, e lhes falava do Reino de Deus, e curava aos que precisavam de cura.

Comentário Cambridge

quando as multidões souberam, seguiram-no. O milagre que se seguiu é um dos poucos narrados por todos os quatro evangelistas, Mateus 14:13-33; Marcos 6:30-52; Joao 6:1-21, e é mais importante pelo poder exibido, as doutrinas simbolizadas (Cristo, o pão da vida) e os resultados aos quais isso conduz (João 6). Combinando as narrativas, vemos que o embarque de Jesus para navegar de Cafarnaum ao norte de Betsaida havia sido notado pelo povo, e como é apenas uma vela de seis milhas eles contornaram a pé a cabeceira do lago para encontrá-lo. Ele mal teve tempo de retirar-se com Seus discípulos para uma das colinas quando uma multidão se reuniu na pequena planície que foi momentaneamente inchada pelas multidões de peregrinos que pararam para ver o Grande Profeta em seu caminho para a Páscoa em Jerusalém (João 6 :5), que o próprio Jesus não poderia atender sem perigo, devido à explosão causada pela cura do sábado do aleijado (João 5:1-16). Perto da tarde, Ele desceu a colina para a multidão para ensiná-los e curar seus enfermos. [Cambridge, aguardando revisão]

12 E o dia já começava a declinar. Então os doze se aproximaram dele, e lhe disseram:'Despede a multidão, para irem aos lugares e aldeias ao redor, se agasalhem, e achem o que comer; porque aqui estamos em lugar deserto'.

Comentário Cambridge

Então os doze se aproximaram dele. Eles temiam que, uma vez que o breve crepúsculo terminasse, a multidão faminta pudesse se perder ou sofrer algum dano, e alguma calamidade acontecesse que daria um novo controle contra Jesus. Só João nos diz que Ele sugeriu compassivamente a dificuldade a Filipe, observando com suave ironia a prova de sua fé; e que Filipe disse em desespero que custaria mais de 200 denários (como poderíamos dizer 10) para conseguir para eles, mesmo um mínimo de comida. Filipe era “de Betsaida”, mas isso não tinha nada a ver com o fato de nosso Senhor ter falado com ele, pois ele pertencia à Betsaida ocidental. [Cambridge, aguardando revisão]

13 Mas ele lhes disse:'Dai-lhes vós de comer'. E eles disseram:'Não temos mais que cinco pães e dois peixes; a não ser se formos nós mesmos comprar de comer para todo este povo'.

Comentário do Púlpito

Mas ele lhes disse:’Dai-lhes vós de comer’. Godet observa belamente que essa resposta, e o grande milagre que se seguiu, foi o resultado de um pensamento amoroso do Redentor. “João nos revelou (João 6:4). Era a época da Páscoa. Ele não podia visitar Jerusalém com seus discípulos, devido ao ódio virulento de que se tornara o objeto. Nesta reunião inesperada, semelhante o da nação de Jerusalém, ele percebe um sinal do alto, e determina celebrar uma festa no deserto como compensação pela festa da Páscoa ”.

Não temos mais que cinco pães e dois peixes; a não ser se formos nós mesmos comprar de comer para todo este povo. As linhas principais desta história são as mesmas em cada um dos quatro relatos que possuímos deste milagre; mas cada um dos quatro evangelistas fornece alguns pequenos detalhes que faltam nos outros. É claro que não havia tradição escrita original da qual todos tenham copiado. São João nos diz que era um garotinho que tinha essa provisão pequena e rústica. O menino provavelmente estava acompanhando os apóstolos, e este era sem dúvida o pouco estoque de comida que eles providenciaram para sua refeição frugal. Os pães de cevada eram a comida comum dos mais pobres na Palestina, e os dois peixes estavam secos, como era o costume comum do país; e esse peixe seco costumava ser comido com o pão. [Pulpit, aguardando revisão]

14 Porque havia ali quase cinco mil homens. Então disse aos seus discípulos:'Fazei-os se sentarem em grupos de cinquenta em cinquenta'.

Comentário do Púlpito

havia ali quase cinco mil homens. São Mateus acrescenta, “além de mulheres e crianças.” A multidão geralmente viera de uma distância considerável, sabemos; não haveria, comparativamente falando, muitas mulheres e crianças entre eles. Esses foram agrupados separadamente e, é claro, alimentados, mas não foram contados entre os cinco mil.

Então disse aos seus discípulos:’Fazei-os se sentarem em grupos de cinquenta em cinquenta’. “Jesus, mal averiguou que há cinco pães e dois peixes, fica satisfeito. Ele ordena que façam a multidão se sentar. Como se tivesse dito:’Eu tenho o que quero; a refeição está pronta; estejam sentados! ‘ Mas ele cuida para que seu banquete seja conduzido por uma ordem digna de Deus que o concede. Tudo deve ser calmo e solene; é uma espécie de refeição pascal. Com a ajuda dos apóstolos, ele senta seus convidados em filas de cinquenta cada (São. Mateus), ou em fileiras duplas de cinquenta, por centenas (Marcos). Este arranjo ordenado permitiu que os convidados fossem facilmente contados. São Marcos descreve de forma dramática o espetáculo impressionante apresentado por essas companhias regularmente formadas , cada uma consistindo em duas fileiras iguais e todas dispostas na encosta da colina. As pastagens naquela época estavam em toda a sua glória primaveril. SS. João e Marcos apresentam a beleza deste tapete natural. ‘Muita grama’ (São João); ‘na grama verde’ (São Marcos) “(Godet). Os detalhes pitorescos e vívidos de São Marcos mostram a testemunha observadora. As palavras traduzidas “em fileiras” (“eles se sentaram em fileiras”) significam literalmente que eram como canteiros de flores colocados na grama verde. As vestes orientais de cores vivas desses homens, quando se sentavam em longas filas, sugeriam a feliz comparação. [Pulpit, aguardando revisão]

15 E assim procederam, fazendo todos se sentarem.

Comentário de John Gill

Os discípulos não disputaram mais o caso com Cristo, mas obedeceram às suas ordens e reuniram a multidão em grupos, cem em um e cinqüenta em outro; e ordenou-lhes que se sentassem em seus grupos e fileiras distintas na grama verde. As versões árabe e etíope dizem “e todos se sentaram”; e assim é lido em algumas cópias da versão latina da Vulgata. [Gill, aguardando revisão]

16 Então ele tomou os cinco pães e os dois peixes e, olhando para o céu, abençoou-os e partiu-os, e os deu a seus discípulos, para os porem diante da multidão.

Comentário do Púlpito

A bênção foi a apresentação usual de uma piedosa família judia a uma refeição. Foi pronunciado pelo chefe da família. Uma fórmula comum era:”Que Deus, o Sempre Abençoado, abençoe o que ele nos deu!” Os pães de cevada dos judeus eram bolos largos e finos; estes geralmente estavam quebrados, não fora – daí a expressão “e freio”. Em SS. Marcos e Lucas, o tempo do verbo traduzido “deu”, no grego original, é imperfeito e significa “ele deu e continuou dando”. Isso fornece uma dica sobre a maneira de operar o milagre. Cada discípulo vinha a ele para um novo suprimento de pão. Foi, no entanto, como bem se disse, um milagre da mais alta ordem, um milagre de poder criativo, e é para nós inconcebível. Os evangelistas não fazem nenhuma tentativa de explicar isso. Eles evidentemente não se importaram em perguntar. Eles o viram e nos contaram como o viram em sua grandeza simples. Nem os discípulos nem as multidões parecem, a princípio, ter compreendido a natureza estupenda do ato. São João conta-nos o seu efeito sobre as multidões, que, quando vieram ver o que tinha sido feito, quiseram tomá-lo à força e torná-lo rei. Por um breve espaço, eles se convenceram de que no pobre Rabino da Galiléia haviam encontrado o Rei Messias – ninguém, exceto ele, poderia ter feito essa grande coisa. Eles estavam certos. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E todos comeram, e saciaram-se; e levantaram doze cestos de pedaços que sobraram.

Comentário do Púlpito

Uma lição muito impressionante do próprio Criador contra desperdício ou extravagância. São João nos diz expressamente que esta ordem de recolher os fragmentos de sua refeição emanava do próprio Jesus. Cuidado, parcimônia e economia nas coisas pequenas como nas grandes fazem parte dos ensinamentos do amoroso Mestre. De passagens como Marcos 6:37 e João 13:29, parece provável que os discípulos, agindo sob a direção de seu Mestre, tinham o hábito de distribuir, com base em sua abundância comparativa, comida para as pessoas nas aldeias que eram mais pobres. do que eles próprios. Foi, sem dúvida, para algum objeto sagrado como este que foi feita a cuidadosa coleta dos fragmentos que enchiam doze cestos. As “cestas” (cophinus) eram geralmente carregadas por judeus viajantes para evitar que sua comida contraísse poluição levítica em lugares gentios. Juvenal, em uma passagem bem conhecida (‘Sábado,’ 3:14), escreve sobre os judeus viajando pela Itália sem bagagem, exceto um pequeno feixe de feno para servir de travesseiro, e este cophinus, ou cesta, para seus Comida. Tão abundante foi a provisão criada por Jesus, que os fragmentos coletados excederam em muito o estoque original de comida que os discípulos deram a Jesus para abençoar, quebrar e distribuir entre os cinco mil e mais que foram alimentados naquela tarde memorável. Este milagre é o único em todo o ministério da Galileia que é contado por todos os quatro evangelistas. Evidentemente, teve um lugar de destaque no ensino dos primeiros dias. Racionalizar a interpretação no caso desse milagre é o único culpado. Depois de dezoito séculos de hostilidade incessante ao ensino de Jesus Cristo, nem mesmo uma explicação plausível para essa multiplicação milagrosa de pães e peixes foi encontrada por críticos adversos. Em nossos dias, Renan, seguindo a antiga interpretação de Paulus, simplesmente sugere que as multidões eram alimentadas por materiais fornecidos por elas mesmas. “Cada um tirava seu pequeno estoque de provisões da carteira; viviam com muito pouco” – uma explicação, como foi felizmente denominada, “ridiculamente inadequada”. Após a relação do grande milagre de alimentar os cinco mil, São Lucas omite em seu Evangelho uma variedade de incidentes e vários discursos contados em maior ou menor extensão pelos outros evangelistas. Por exemplo, o espanto reverente das pessoas quando a natureza do estupendo milagre em conexão com a criação dos pães e peixes relampejou sobre eles, – eles desejaram reconhecê-lo como o Rei Messias; o caminhar sobre o mar; o longo e importante discurso sobre o verdadeiro Pão em Cafarnaum, cujo texto foi o grande milagre tardio dos pães; a jornada entre os pagãos até Tiro e Sidon; o encontro com a mulher siro-fenícia; a alimentação de quatro mil, etc. Esses incidentes são relatados em Mateus 14-16:12; Marcos 6:45 – 8:80; João 6. Nenhum comentarista explicou satisfatoriamente a razão desta omissão de porções importantes do ministério público de nosso Senhor. O motivo da ação de São Lucas aqui provavelmente nunca será adivinhado. Devemos, no entanto, em todas as teorias que possamos formar sobre a composição desses Evangelhos, nunca perder de vista esse fato, que enquanto SS. Mateus e Pedro (Marcos) foram testemunhas oculares dos acontecimentos da vida, São Lucas, e seu mestre, Paulo, simplesmente reproduziu o que tinham ouvido ou lido. Podemos, portanto, supor que São Lucas exerceu maiores poderes discricionários ao lidar com materiais derivados de outros do que os outros dois, que desejavam, sem dúvida, reproduzir um resumo bastante geral dos atos de seu Divino Mestre. Em tal teoria da composição, uma lacuna na história como aquela a que estamos aludindo agora, no Evangelho mais eclético de São Lucas, pareceria dificilmente possível nos dois primeiros Evangelhos. Nós, é claro, não fazemos alusão aqui ao Quarto Evangelho; todo o plano e projeto de St. John era diferente daquele em que os três primeiros foram modelados. [Pulpit, aguardando revisão]

18 E aconteceu que, quando ele estava orando só, e seus discípulos estavam com ele, que ele lhes perguntou:'Quem as multidões dizem que eu sou?'

Comentário Cambridge

– em particular, como mostra o contexto.

as multidões; aqueles a quem Jesus ensinou, curou e alimentou, ou aqueles que parecem não ter estado muito longe. Os outros dois evangelistas situam esta cena memorável no bairro de Cesaréia de Filipe. Sua vida naquela época parecia um vôo contínuo. Ele não entrou em Cesaréia de Filipe. Ele sempre evitou cidades (com a única exceção de Jerusalém), provavelmente por Seu amor pelas imagens e sons da natureza, e por Sua aversão pela miséria apinhada e absorção mundana das comunidades urbanas; e Ele evitou especialmente essas cidades helênicas e híbridas, com seus ornamentos idólatras e população corrompida. Esse evento pode muito bem ser considerado o ponto culminante de Seu ministério. Ele agora havia conquistado a fé e a convicção deliberadas daqueles que haviam vivido em íntima relação com Ele e que, na continuação de Seu ministério, deveriam evangelizar o mundo. Veja Mateus 16:13-21; Marcos 8:27-31. [Cambridge, aguardando revisão]

19 E eles responderam:'Uns, João Batista; outros, Elias; e outros, que algum dos profetas antigos ressuscitou'.

Comentário do Púlpito

Foi uma resposta estranha, esse relato da crença popular a respeito de Jesus. Houve por um longo período entre as expectativas do povo, mais ou menos definidas, de que alguns dos grandes heróis nacionais reapareceriam para retomar sua obra incompleta e desempenhar o papel em Israel de arautos do glorioso Rei Messias. A crença popular a respeito de Jesus era que ele era um deles. Alguns pensaram em Elijah. Os dois milagres de criar pães e peixes para uma grande multidão faminta sugeriram especialmente essa ideia. Havia uma semelhança sombria, mas não irreal aqui com o milagre bem lembrado de Elias, trabalhado para a viúva Sarepta e seu filho, com a botija de óleo e o barril de farinha que não faltou (1Reis 17:14). As palavras de Malaquias (Malaquias 4:5) apontavam na mesma direção. A imagem do Batista assassinado recentemente esteve presente com alguns. As palavras de Herodes, já comentadas, apontam para esta, talvez, crença generalizada. Jeremias seria um exemplo provável de “um dos antigos profetas”. A tradição já havia afirmado que o espírito daquele grande havia passado para Zacarias; certamente outra transmigração semelhante era possível. Jeremias, dizia a tradição popular, escondera com segurança a arca, o tabernáculo e o altar de incenso em algum lugar da montanha onde Moisés morreu pelo “beijo de Deus”. Ele já havia aparecido para o bravo e patriótico Judas Maccabaeus em uma visão como um homem de cabelos grisalhos e excessivamente glorioso, como alguém orando pelo povo como seu guardião-profeta, e havia dado ao valente herói de Maeeabae uma espada de ouro de Deus. Era uma dessas velhas formas heróicas, tão amada por Israel, mais uma vez na carne, que o povo acreditava que Jesus era. [Pulpit, aguardando revisão]

20 E disse-lhes:'E vós, quem dizeis que eu sou?' E Pedro respondeu:'O Cristo de Deus'.

Comentário do Púlpito

E o Mestre ouviu, aparentemente sem comentários, a esta resposta, que lhe contou o que as pessoas diziam dele, e então continuou:”Mas vocês, meus discípulos, que sempre estiveram com ele, digam, o que pensam de mim ? ” Pedro, como representante dos outros naquela pequena companhia escolhida, responde:“Acreditamos que és mais do que qualquer profeta, herói nacional ou precursor do Messias; pensamos que és o próprio Messias”. retrata lindamente o estado de espírito dos discípulos nesta conjuntura. “Sem dúvida, a verdadeira luz sobre o assunto frequentemente brilhava nas trevas de suas mentes (ver João 1:29, 33, 34, 41, 45, 49, etc.). Mas, embora o brilho tenha seguido o brilho, em flashes que revelaram o Illimitable, as trevas iriam sempre, mais ou menos, fechar-se novamente. Eles não puderam evitar. Foram testemunhas de uma “humilhação” que não conseguiram conciliar com as noções que herdaram em relação ao poder e pompa de o Messias. No entanto, era evidente que ele era totalmente diferente de todos os outros rabinos. Ele era o Mestre dos mestres e um mistério além e acima. Um brilho interno estava continuamente surgindo. Era glorioso; era único. Seu caráter era transcendentemente nobre e puro. Ele não havia, além disso, obstruído auto-afirmações sobre eles. Ele os havia deixado, em grande parte, para observar por si próprios; e eles estavam observando. ” Foi, de fato, da parte desses débeis discípulos uma expressão pura e elevada do efeito produzido em seus corações pelo ensino de Jesus Cristo. Mas embora esses homens, posteriormente tão grandes, tivessem alcançado esta grande concepção de seu adorado Mestre, embora somente eles, entre as multidões, através do triste véu colorido de sua baixa propriedade, pudessem ver brilhar a glória da Divindade, ainda assim eles não puderam compreender ainda a concepção de um Messias sofredor, e apesar de todos os ensinamentos do Mestre, a cruz e a Paixão os tornaram incrédulos novamente. Foi necessária a Ressurreição para completar a educação da fé. [Pulpit, aguardando revisão]

21 Então ele os alertou, e mandou-lhes que não dissessem a ninguém,

Comentário do Púlpito

Não teria sido uma tarefa difícil para os discípulos expressarem sua convicção sincera de que o grande Profeta era de fato o tão esperado Rei Messias, e assim elevar as agitadas multidões a qualquer grau de entusiasmo. Pouco tempo atrás, movidas pelo milagre dos pães, as multidões quiseram coroá-lo Rei pela força. Esse não era o tipo de homenagem que Jesus buscava; além disso, qualquer entusiasmo assim evocado teria morrido rapidamente, e uma reação hostil teria se estabelecido quando as grandes esperanças estimuladas pela ideia do Rei Messias foram desmentidas pela vida de sofrimento e abnegação que Jesus severamente se propôs. viver até o seu amargo fim. Esta vida ele esboçou para eles na linguagem severa do próximo versículo. [Pulpit, aguardando revisão]

22 dizendo:'É necessário que o Filho do homem sofra muitas coisas; que seja rejeitado pelos anciãos, pelos chefes dos sacerdotes, e pelos escribas; que seja morto, e que seja ressuscitado ao terceiro dia'.

Comentário Cambridge

É necessário que o Filho do homem sofra muitas coisas. Era necessário dissipar imediatamente as crus concepções messiânicas do esplendor e vitória terrestres nas quais haviam sido educados, e substituir a verdade de um sofrimento pela de um Messias triunfante.

que seja rejeitado pelos anciãos, pelos chefes dos sacerdotes, e pelos escribas – ou seja, por cada uma das três grandes seitas que formavam o Sinédrio Judeu; por todos os que até então eram considerados autoridades religiosas do país.

e seja morto. O modo de morte e a entrega aos gentios foram horrores culminantes que Ele misericordiosamente reteve até a última viagem a Jerusalém, Mateus 20:19. Até então, Ele só havia falado de Sua morte em indícios vagos e distantes, João 2:19; João 3:14; João 6:51. Sua revelação foi progressiva, pois eles foram capazes de suportar. Mateus 9:15; Mateus 10:38; João 3:14; Mateus 16:4; Mateus 16:21; Mateus 17:22; Mateus 20:18; Mateus 26:2. [Cambridge, aguardando revisão]

23 E dizia a todos:'Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia sua cruz, e siga- me.

Comentário do Púlpito

Antes de esboçar a vida que os verdadeiros discípulos de um Rei Messias sofredor devem levar na terra, nosso Senhor parece ter dado conhecimento sobre um de seus discursos públicos. Embora sua grande popularidade estivesse agora em declínio, até o fim ele foi evidentemente ouvido por multidões, se não com entusiasmo, certamente com curiosidade ávida e impaciente. O sermão, do qual temos um esboço nos próximos cinco versículos, e o assunto do qual foi, “Sem cruz, sem coroa”, foi pregado evidentemente para as massas. Isso fica claro nas palavras iniciais de Lucas 9:23. O sermão foi evidentemente um discurso difícil e, sem dúvida, ofendeu amargamente muitos dos ouvintes. “Se alguém quer”, isto é, desejar, “vir após mim, para me seguir para onde eu vou” (Jesus estava indo para o seu reino), “que esse homem esteja preparado para abrir mão da comodidade e conforto terrenos, e esteja pronto para suportar os sofrimentos que certamente cairão sobre ele se ele lutar pela santidade”. Essa prontidão para desistir da facilidade, essa disposição para suportar o sofrimento, será um assunto, eles devem se lembrar, da experiência cotidiana. A terrível comparação com a qual o Senhor carregou sua severa lição foi, naturalmente, sugerida a ele pela visão clara que ele tinha do terrível fim de sua própria vida terrena – um fim tão próximo, embora os discípulos nem tenham o imaginado. A cruz não era uma imagem desconhecida para os judeus que naquele dia ouviram o Mestre. A sombria procissão de ladrões e rebeldes contra Roma, cada um condenado levando para o lugar da morte a cruz na qual deveria sofrer, era uma imagem tristemente familiar em sua terra infeliz. [Pulpit]

Comentário Cambridge

E dizia a todos. A palavra “todos” implica o fato mencionado por Marcos (Mar 8,34), que antes de continuar seu discurso Ele chamou as multidões que se encontravam a uma pequena distância.

tome cada dia (“Por amor de ti, somos entregues à morte continuamente”, Romanos 8:36. “Dia após dia, morro”, 1Coríntios 15:31) sua cruz. Uma vaga insinuação da iminência ainda não revelada de Sua crucificação, e uma continuação da lição de que seguir a Cristo não significava ganhos terrenos, mas completo auto sacrifício (Lucas 14:26-27; At  14:22). [Cambridge]

24 Pois quem quiser salvar sua vida a perderá; porém quem, por minha causa, perder a sua vida, esse a salvará.

Comentário de David Brown

a salvará – “Está disposto a economizar”, empenhados em salvar. A essência dessa máxima depende – como frequentemente em tais ditos importantes (por exemplo, “Deixe os mortos enterrarem os mortos”, Mateus 8:22) – no duplo sentido ligado à palavra “vida”, um inferior e um superior, o natural e o espiritual, temporal e eterno. Todo um sacrifício do inferior, ou a vontade de fazê-lo, é indispensável para a preservação da vida superior; e aquele que não consegue renunciar a um para o benefício do outro acabará perdendo ambos. [JFB, aguardando revisão]

25 Porque, que aproveita para alguém ganhar o mundo todo, e perder ou prejudicar a si mesmo?

Comentário do Púlpito

O comentário de Godet aqui é conciso e curioso:”Jesus supõe, neste versículo vinte e cinco, o ato de salvar a própria vida realizado com o mais completo sucesso … totalizando um ganho de todo o mundo. Mas neste exato momento, o senhor deste magnífico domínio encontra-se condenado à morte! Que ganho ganhar em tirar na sorte uma galeria de fotos … e ao mesmo tempo ficar cego! ” “Ó carne”, escreve Lutero (citado pelo Dr. Morrison), “quão poderoso és tu, que ainda podes lançar trevas sobre essas coisas, até mesmo nas mentes dos santos!” [Pulpit, aguardando revisão]

26 Pois quem se envergonhar de mim e das minhas palavras, dele o Filho do homem se envergonhará, quando vier na sua glória, e na do Pai, e dos santos anjos.

Comentário de David Brown

se envergonhar de mim e das minhas palavras – O sentimento de vergonha é um dos mais fortes em nossa natureza, uma das afeições sociais fundadas em nosso amor pela reputação, que causa aversão instintiva ao que é adequado para abaixá-lo e nos foi dado como um preservativo de tudo o que é propriamente vergonhoso. Quando alguém está, nesse sentido, perdido para vergonha, ele está quase na esperança passada (Zacarias 3:5; Jeremias 6:153:3). Mas quando Cristo e “Suas palavras” – o cristianismo, especialmente em suas características mais espirituais e intransigentes – são impopulares, o mesmo desejo instintivo de se colocar bem com os outros gera a tentação de se envergonhar Dele, que somente o “poder expulsivo” de um uma afeição maior pode efetivamente contrariar.

o Filho do homem se envergonhará, quando vier… – Ele dará a esse homem seu próprio tratamento; Ele o deserdará antes do mais augusto de todas as assembléias e o porá “vergonha e eterno desprezo” (Daniel 12:2). “Oh vergonha, para ser envergonhado diante de Deus, Cristo e anjos!” (Bengel). [JFB, aguardando revisão]

27 E em verdade vos digo que, dentre os que aqui estão, há alguns que não experimentarão a morte, até que vejam o Reino de Deus'.

Comentário de David Brown

não experimentarão a morte, até que vejam o Reino de Deus – “vê-lo vem com poder” (Marcos 9:1); ou veja “o Filho do homem vindo em seu reino” (Mateus 16:28). A referência, sem dúvida, é para o firme estabelecimento e progresso vitorioso, durante a vida de alguns então presentes, daquele novo Reino de Cristo, que estava destinado a operar a maior de todas as mudanças na terra, e ser a grande promessa de Sua final chegando em glória. [JFB, aguardando revisão]

A transfiguração de Jesus

28 E aconteceu que, quase oito dias depois dessas palavras, ele tomou consigo a Pedro, João, e a Tiago, e subiu ao monte para orar.

Comentário de David Brown

oito dias depois dessas palavras – incluindo o dia em que isto foi falado e o da Transfiguração. Mateus e Marcos dizem (Mateus 17:1; Marcos 9:2) “depois de seis dias”, excluindo esses dois dias. Como os “ditos” tão definitivamente conectados com a cena da transfiguração são aqueles anunciando Sua morte – na qual Pedro e todos os Doze ficaram tão surpresos e escandalizados – então essa cena foi projetada para mostrar aos olhos e ao coração quão gloriosa essa morte estava na visão do céu.

Pedro, João, e a Tiago – parceiros antes em negócios seculares; agora as únicas testemunhas da ressurreição da filha de Jairo (Marcos 5:37), a transfiguração e a agonia no jardim (Marcos 14:33).

uma montanha – não Tabor, segundo a longa tradição, com a qual os fatos não se comportam, mas alguns perto do lago.

orar – pelo período que Ele alcançou agora era crítico e ansioso. (Veja em Mateus 16:13). Mas quem pode traduzir adequadamente esses “gritos e lágrimas fortes?”. Parece-me que, ao roubar ao seu lado, ouço dEle esses sons melancólicos:“Senhor, quem acreditou em nosso relatório? Eu venho ao meu e o meu próprio não me recebe; Tornei-me um estranho para os meus irmãos, um estrangeiro para os filhos de minha mãe:considerem os meus inimigos, porque são muitos e me odeiam com ódio cruel. Levanta-te, ó Senhor, não prevaleça o homem. Tu que habita entre os querubins resplandece:Mostra-me um sinal para o bem:Pai, glorifica o teu nome. [JFB, aguardando revisão]

29 E ele, enquanto estava orando, a aparência do seu rosto se transfigurou, e sua roupa ficou branca e brilhante.

Comentário de David Brown

enquanto estava orando, a aparência… – Antes que Ele chorasse Ele foi respondido, e enquanto Ele ainda estava falando Ele foi ouvido. Abençoada interrupção na oração isso! Graças a Deus, as manifestações transfigurantes não são muito estranhas aqui. Muitas vezes, nas profundidades mais profundas, de gemidos que não podem ser proferidos, os queridos filhos de Deus são subitamente transportados para uma espécie de céu na terra, e suas almas são feitas como as carruagens de Aminadabe. Suas orações buscam essa luz, força, alegria santa, como fazer seu rosto brilhar, colocando uma espécie de brilho celestial sobre ela (2Coríntios 3:18, com Êxodo 34:29-35).

roupa ficou branca… – Mateus diz:”Seu rosto resplandeceu como o sol” (Mateus 17:2), e Marcos diz (Marcos 9:3), “Suas vestes tornaram-se brilhantes, excedendo o branco como a neve, na terra os branqueie ”(Marcos 9:3). A luz, então, parece que não brilhou sobre Ele de fora, mas fora Dele de dentro; Ele estava todo irradiado, estava em uma explosão de glória celestial. Que contraste com aquela “aparência mais desfigurada do que os homens e Sua forma do que os filhos dos homens!” (Isaías 52:14). [JFB, aguardando revisão]

30 E eis que estavam falando com ele dois homens, que eram Moisés e Elias,

Comentário de David Brown

Moisés e Elias… apareceram em glória – “Quem teria acreditado que estes não eram anjos não tinham seus nomes humanos sido subjugados?” (Bengel). (Veja Atos 1:10; Marcos 16:5). Moisés representou “a lei”, Elias “os profetas” e ambos juntos o testemunho completo das Escrituras do Antigo Testamento, e os santos do Antigo Testamento, para Cristo; agora não é contada em um livro, mas por homens vivos, não a uma vinda, mas a vinda do Messias, visivelmente, porque eles “apareceram” e audivelmente, pois eles “falaram”. [JFB, aguardando revisão]

31 os quais apareceram com glória, e falavam de sua partida, que estava para se cumprir em Jerusalém.

Comentário de David Brown

falou – “estavam falando”.

de sua partida – um belo eufemismo (termo abrandado) para a morte, que Pedro, que testemunhou a cena, usa para expressar sua própria morte esperada, e o uso de um único termo parece ter evocado o todo por uma repentina onda de recordações, e ocasionou essa alusão deliciosa para esta cena que encontramos em 2Pedro 1:15-18.

que ele deveria realizar – “era cumprir”.

em Jerusalém – Marque o caráter histórico e as características locais que a morte de Cristo assumiu para esses homens glorificados – por mais importante que seja encantador – e veja em Lucas 2:11. O que agora pode ser obtido desta declaração? (1) Que o Messias moribundo é o grande artigo da verdadeira teologia judaica. Por muito tempo a Igreja havia se afastado da fé deste artigo e até mesmo de uma preparação para recebê-lo. Mas aqui temos essa jóia extraída do monturo das tradições judaicas, e pelos verdadeiros representantes da antiga Igreja fez o único assunto de conversar com o próprio Cristo. (2) A adoração da gratidão dos homens glorificados pelo Seu compromisso de realizar tal falecimento; sua dependência sentida por ela pela glória em que apareceram; seu profundo interesse no progresso, seus humildes consolos e encorajamentos para levar adiante; e seu senso de sua inigualável e avassaladora glória. “Vá, incomparável, adorado Um, um Cordeiro ao abate! rejeitado dos homens, mas escolhido de Deus e precioso; desonrados, abomináveis ​​e em breve mortos pelos homens, mas adorados pelos querubins, prontos para serem recebidos por todo o céu. Em virtude dessa morte, estamos aqui; nosso tudo está suspenso nele e embrulhado nele. Todos os teus passos são vigiados por nós com interesse inefável; e embora fosse uma grande honra para nós sermos autorizados a deixar cair uma palavra de alegria naquele espírito precioso, mas agora nublado, ainda, como as primícias da colheita; a mesma alegria colocada diante dEle, não podemos escolher mas dizer a Ele que a profundidade da vergonha para Ele está coberta de glória aos olhos do Céu, que a Cruz para Ele é a Coroa para nós, que essa “morte” é toda nossa salvação e todo nosso desejo. ”E quem pode duvidar que tal cena tenha ministrado grande alegria a esse espírito? Dizem que eles “falaram” não com Ele, mas “com Ele”; e se eles lhe dissessem quão glorioso era o seu falecimento, talvez Ele não respondesse corretamente:“Eu sei disso, mas a sua voz, como mensageiros do céu descem para dizer-Me, é música nos meus ouvidos”. [JFB, aguardando revisão]

32 Pedro e os que estavam com ele estavam cheios de sono; e quando despertaram, viram a glória dele, e aqueles dois homens que estavam com ele.

Comentário de David Brown

e quando despertaram – então, certamente, a maioria dos comentaristas:mas se traduzirmos literalmente, deveria ser “mas tendo se mantido acordado” [Meyer, Alford]. Talvez “ter se despertado” (Olshausen) possa chegar perto o suficiente do sentido literal; mas da palavra usada não podemos reunir mais do que isso, eles sacudiram a sua sonolência. Era noite, e o Senhor parece ter passado a noite inteira na montanha (Lucas 9:37).

viram a glória dele… – A ênfase está na “serra”, qualificando-os para se tornarem “testemunhas oculares da Sua majestade” (2Pedro 1:16). [JFB, aguardando revisão]

33 E aconteceu que, quando eles estavam saindo da presença dele, Pedro disse a Jesus:“Mestre, é bom estarmos nós aqui. Façamos três tendas, uma para ti, uma para Moisés, e uma para Elias”, não sabendo o que dizia.

Comentário de David Brown

eles estavam saindo – Ah! manifestações brilhantes neste vale de lágrimas são sempre manifestações “de partida”. [JFB, aguardando revisão]

34 E enquanto ele dizia isso, veio uma nuvem que os cobriu com a sua sombra; e, quando entraram na nuvem, temeram.

Comentário de David Brown

uma nuvem – não uma de nossas nuvens aquosas, mas a nuvem de Shekinah (ver em Mateus 23:39), o pavilhão da presença manifestada de Deus com Seu povo, o que Pedro chama de “o excelente” de “glória magnífica” (2Pedro 1:17). [JFB, aguardando revisão]

35 E veio uma voz da nuvem, que dizia:'Este é o meu Filho amado; a ele ouvi'.

Comentário de David Brown

E veio uma voz da nuvem – “tal voz”, diz Peter enfaticamente. “E esta voz”, acrescenta, “a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo” (2Pedro 1:17-18). Deve ter havido algo muito sobrenatural e impressionante no som, especialmente como o veículo articulado de tal testemunho de Cristo, para ser assim lembrado.

que dizia:’Este é o meu Filho amado – “em quem me comprazo” (Mateus 17:5):

a ele ouvi – ouça-o com reverência, ouça-o implicitamente, ouça-o apenas. [JFU, aguardando revisão]

36 E, depois de terminada aquela voz, Jesus se encontrava só; e eles se calaram, e por aqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.

Comentário de David Brown

Jesus se encontrava só – Moisés e Elias se foram. Seu trabalho está feito, e eles desapareceram da cena, sem sentir nenhuma dúvida com seu companheiro de batismo, o Batista:”Ele deve aumentar, mas devo diminuir”. A nuvem também se foi, e o Cristo nu e majestoso, apoiado em espírito, e consagrado na afeição reverente de seus discípulos, é deixado a sofrer!

manteve-se perto – sentindo, pelo menos uma vez, que essas coisas ainda não estavam ligadas ao olhar geral. [JFB, aguardando revisão]

37 E aconteceu no dia seguinte que, descendo eles do monte, uma grande multidão lhe saiu ao encontro.

Comentário do Púlpito

A Transfiguração ocorreu tarde da noite ou à noite. Provavelmente durou muito mais tempo do que o breve relato, preservado pelas testemunhas oculares, parece falar cf. Por quanto tempo os três discípulos dormiram não é mencionado. Cansado e exausto, um sono profundo os alcançou enquanto o Mestre orava. Quando eles acordaram, Jesus estava banhado em glória, e os dois espíritos celestiais estavam conversando com ele. Eles apenas nos dizem geralmente que o assunto que ocupava os bem-aventurados era a rápida partida de seu Mestre da terra; nenhuma menção é feita ao tempo que tudo isso consumiu. Era de manhã quando eles voltaram à sua companhia. Muitas pessoas o conheceram. São Marcos, cujo relato aqui é mais detalhado – evidentemente Pedro preservou uma memória muito vívida desses eventos – nos diz que as multidões, “quando o viram, ficaram muito maravilhadas”. Sem concluir que qualquer resplendor remanescente da glória da noite anterior ainda estava tocando em sua Pessoa, podemos muito bem imaginar que uma alegria sagrada iluminou aquele rosto sobre o qual há algum tempo havia pairado uma nuvem de profunda tristeza. Os visitantes celestiais; as palavras que tinha ouvido, que lhe falavam de sua casa de grandeza e paz, voluntariamente deixada por ele para que pudesse trabalhar em seu poderoso trabalho na terra; – sem dúvida havia fortalecido com uma força estranha o Homem das dores; e quando as multidões o contemplaram, maravilharam-se, como nos diz São Marcos, com o que viram ali. [Pulpit, aguardando revisão]

38 E eis que um homem da multidão clamou:“Mestre, rogo-te que vejas a meu filho, que é o único que tenho,

Comentário Ellicott

Mestre. Aqui, Lucas usa a palavra mais comum, que significa “professor”.

que é o único que tenho. Observe, como na história da viúva de Naim (Lucas 5:12), a terna simpatia mostrada na narrativa de São Lucas. Ele é o único evangelista que chama a atenção para o fato. [Ellicott, aguardando revisão]

39 e eis que um espírito o toma, e de repente grita, e o convulsiona até espumar, e somente sai dele quando o maltrata severamente.

Comentário Cambridge

um espírito o toma. Esse era o aspecto sobrenatural de sua surdez, epilepsia e loucura. Mateus dá o aspecto natural quando diz:“ele é lunático e muito contrariado, etc.” Lucas 17:15. [Cambridge, aguardando revisão]

40 E roguei aos teus discípulos que o expulsassem, mas não conseguiram”.

Comentário do Púlpito

Este parece ter sido um caso do tipo mais mortal de loucura epiléptica. Nosso Senhor claramente assume aqui que a doença, neste caso, foi ocasionada por um espírito impuro que se apossou da criança sofredora. Toda a questão da possessão demoníaca, sua extensão, sua causa, se ainda sobrevive ou não em algumas das muitas fases misteriosas da loucura, é muito difícil. [Pulpit, aguardando revisão]

41 E Jesus respondeu:“Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei ainda convosco, e vos suportarei? Traze aqui teu filho”.

Comentário do Púlpito

Esta expressão grave e triste do amoroso mas justo Mestre foi dirigida a toda a multidão, em cujo meio ele agora se encontrava. As pessoas, balançando para cá e para lá, agora entusiasmadas em seu favor, quando soma doce promessa, ou sentimento nobre, ou trabalho maravilhoso tocou seus corações, agora friamente indiferentes ou mesmo hostis, quando seu ensino parecia exigir algum sacrifício doloroso de si mesmo em as mãos deles. – estes estavam observando com quieta indiferença o fracasso de seus discípulos no caso da pobre criança possuída, e ouviam seus escribas enquanto eles discutiam com os desanimados e perplexos seguidores do Senhor. Esses seguidores, tentando imitar seu Mestre em suas maravilhas, mas falhando porque, afinal, sua fé nele vacilou. O bastante da criança, confessando sua incredulidade, mas totalmente miserável ao ver o sofrimento de seu filho. O espetáculo medonho do menino insano se contorcendo e espumando no chão, e então deitado todo machucado e desgrenhado, com a palidez da morte no rosto pobre e atormentado pela dor, e este dolorosamente aflito uma criança, um daqueles pequeninos que Jesus amou tão bem. Pobre sofredor de crianças, em cuja vida comparativamente inocente pesou tanto o pecado da mãe e do pai! Que contraste para o Senhor entre as horas celestiais que ele acabara de passar no monte e essa triste visão de dor e sofrimento, de ciúme e disputas, de dúvidas e indecisões, no meio das quais ele agora se encontrava! “) incrédulo e perverso”, clamou o misericordioso Senhor com uma explosão de intensa tristeza, “até quando estarei com você e sofrerei?” Uma palavra, ele sabia, e para ele tudo isso poderia ser trocado pelas cenas do céu, pela companhia de anjos e de espíritos abençoados, pelo velho lar de grandeza e paz; apenas foi para curar essa maldição amarga de que ele havia deixado seu lar celestial. Mas o contraste entre a glória do monte da Transfiguração e as memórias que evocavam, e o cenário atual de dor e angústia indizível, de paixões e fraquezas humanas, suscitou do Senhor esta expressão amarga e dolorosa. [Pulpit, aguardando revisão]

42 E quando ainda vinha chegando, o demônio o derrubou, e o convulsionou. Porém Jesus repreendeu o espírito imundo, curou ao menino, e o devolveu ao seu pai.

Comentário do Púlpito

Uma palavra do grande Mestre foi suficiente, e o espírito que trouxe a cruel maldição da doença e da loucura ao menino foi expulso, e a estranha cura foi completa. Pedro forneceu a Marcos detalhes mais completos aqui, e especialmente adiciona uma joia preciosa de instrução na vida cristã. O Senhor disse ao pai da criança sofredora que a concessão da bênção que ele ansiava por seu filho dependia de sua própria fé. Então o pobre pai, conquistado pela bondade divina manifestada em cada ato e palavra de Jesus, gaguejou aquela expressão deplorável e amorosa, que ecoou em tantos milhares de corações:”Senhor, eu creio; ajuda-te a minha incredulidade.” Se ele aceitou e recompensou aquela fé trêmula e vacilante nele, ele rejeitará a minha? [Pulpit, aguardando revisão]

43 E todos ficaram perplexos com a grandeza de Deus. E enquanto todos se maravilhavam de tudo o que Jesus fazia, disse aos seus discípulos:

Comentário de David Brown

a grandeza de Deus – “a majestade” ou “poder” de Deus neste último milagre, a transfiguração, etc .:a grandeza divina de Cristo levantando sobre eles diariamente. Comparando Mateus 17:22 e Marcos 9:30, concluímos que isso foi assunto de conversação entre os Doze e o Mestre deles enquanto viajavam. [JFB, aguardando revisão]

44 “Ponde vós em vossos ouvidos estas palavras:que o Filho do homem será entregue nas mãos dos homens”.

Comentário de David Brown

estas palavras – não o que estava passando entre eles sobre Sua grandeza [Meyer, etc.], mas o que Ele estava agora para repetir pela segunda vez sobre Seus sofrimentos [De Wette, Stier, Alford, etc.]; isto é, “Não seja levado pelos seus pés por toda essa grandeza minha, mas tenha em mente o que eu já lhe disse, e agora repita distintamente, que aquele Sol em cujos raios vocês agora se regozijam está prestes a se pôr na penumbra da meia-noite. “O Filho do homem”, diz Cristo, “nas mãos dos homens” – uma notável antítese (também em Mateus 17:22 e Marcos 9:31). [JFB, aguardando revisão]

45 Mas eles não entendiam essa palavra, e era-lhes encoberta, para que não a compreendessem; e temiam perguntar-lhe sobre essa palavra.

Comentário de David Brown

e temiam – “de modo que temiam”. Suas ideias mais apreciadas foram tão frustradas por tais anúncios, que tinham medo de se abrirem para repreender fazendo-Lhe qualquer pergunta. [JFB, aguardando revisão]

46 E levantou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior.

Comentário Cambridge

qual deles seria o maior. Sua ambição ciumenta fora acesa em parte por falsas esperanças messiânicas, em parte talvez pela recente distinção concedida a Pedro, Tiago e João. Observe quão pouco as palavras de Cristo a Pedro foram entendidas para conferir a ele qualquer preeminência especial! Esta disputa imprópria foi novamente levantada na Última Ceia, Lucas 22:24-26. [Cambridge, aguardando revisão]

47 Mas Jesus, conhecendo o pensamento de seus corações, pegou uma criança, e a pôs junto a si.

Comentário Cambridge

conhecendo o pensamento de seus corações. Ele perguntou o assunto da disputa e, quando a vergonha os calou, Ele sentou-se e, chamando uma criança, fez os Doze ficarem de pé enquanto Ele ensinava essa lição solene.

pegou uma criança. Este não poderia ter sido o futuro mártir Inácio, como diz a lenda, provavelmente por uma inferência errônea de seu nome de Christophoros ou Theophoros, que foi derivada de sua declaração a Trajano de que carregava Deus em seu coração. [Cambridge, aguardando revisão]

48 Então disse-lhes:“Quem receber esta criança em meu nome, a mim me recebe; e quem receber a mim, recebe o que me enviou; porque aquele que entre todos vós for o menor, esse será grande”.

Comentário do Púlpito

Quem receber esta criança em meu nome, a mim me recebe. A lição geral aqui – e é aquela que tocou o coração mais ou menos de todos os cristãos professos – é que todos os seguidores de Jesus devem praticar a humildade diante dos fracos e mostrar ternura. É uma das grandes palavras do Mestre que despertou aquela caridade prática que sempre foi um dos grandes traços característicos do Cristianismo. Mas, embora a lição geral seja clara, o lembrete particular ainda chama atenção. Singular e comovente era o carinho de Jesus pelas crianças. Vários exemplos marcantes disso são observados nos Evangelhos. Para esta passagem, no entanto, e para a sequência relatada em São Marcos (Marcos 9:42), pode ser especialmente referido o pensamento que fundou os incontáveis lares de crianças, escolas e hospitais em todos os países em diferentes idades, e em nosso próprio tempo, a instituição da escola dominical, não a menos bela das obras cristãs feitas em nome do Mestre. [Pulpit, aguardando revisão]

49 João respondeu:“Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e nós o proibimos, porque não segue conosco”.

Comentário de David Brown

João respondeu… – O elo de conexão aqui com o contexto anterior está nas palavras “em Meu nome” (Lucas 9:48). “Oh, quanto a isso”, disse João, jovem, caloroso, mas não suficientemente apreendendo o ensinamento de Cristo nessas coisas, “vimos um expulsando demônios em Teu nome, e nós o proibimos:estávamos errados?” estavam errados. ”“ Mas nós fizemos porque ele não nos segue, ”“ Não importa. Pois (1) Não há homem que faça um milagre em meu nome que possa logo falar mal de Mim ‘(Marcos 9:39). E (2) Se tal pessoa não pode ser supostamente contra nós, “você deve considerá-lo” para nós. “” Dois princípios de imensa importância. Cristo não diz que este homem não deveria ter seguido “com eles”, mas simplesmente ensina como ele deveria ser considerado, embora não o fizesse – como um reverente de Seu nome e promotor de Sua causa. Certamente isso condena não apenas aquelas horríveis tentativas pela força de encerrar tudo dentro de um visível pálido de discipulado, que inundou a cristandade com sangue em nome de Cristo, mas o mesmo espírito em sua forma mais amena de orgulhoso ecclesiastic scowl sobre todos os que a forma que eles chamam de seita (como a palavra significa, Atos 24:14), o fazem adorar o Deus de seus pais. ”A unidade visível na Igreja de Cristo é devotamente para ser buscada, mas este não é o caminho para isso . Veja o nobre espírito de Moisés (Números 11:24-29). [JFB, aguardando revisão]

50 E Jesus lhe disse:'Não o proibais, porque quem não é contra nós, é por nós'.

Comentário Cambridge

quem não é contra nós, é por nós. Cf. Php 1:18. A verdade complementar, mas não contraditória, é “quem não está comigo é contra mim”, Mateus 12:30. Ambos são verdadeiros em circunstâncias diferentes. A neutralidade às vezes é tão mortal quanto a oposição (Juízes 5:23); às vezes é tão eficaz quanto uma ajuda (Sueton., Jul. Caes. 75). Renan chama isso de “duas regras irreconciliáveis ​​de proselitismo e uma contradição evocada por uma luta apaixonada”.

É uma grande pena que o capítulo não termine neste versículo; uma vez que fecha outra grande seção no ministério de nosso Senhor – a época de oposição e fuga. Uma nova fase do ministério começa em Lucas 9:51. [Cambridge, aguardando revisão]

51 E aconteceu que, quando completaram-se os dias em que ele viria a ser recebido no alto, ele se determinou a ir para Jerusalém.

Comentário de David Brown

chegou a hora – em vez disso, “os dias estavam se cumprindo”, ou aproximando-se de seu cumprimento.

que ele viria a ser recebido no alto – “de Sua suposição”, significando Sua exaltação ao Pai; uma expressão sublime, tomando o rumo de toda a sua carreira, como se estivesse prestes a saltar para a glória. A obra de Cristo na carne é aqui dividida em dois grandes estágios; tudo o que precedeu este pertencendo a um, e tudo o que o segue para o outro. Durante o um, Ele formalmente “veio para os Seus” e “os teria reunido”; durante o outro, as consequências terríveis de “não o receberem”, revelaram-se rapidamente.

ele fixou firmemente o seu rosto – o “Ele” aqui é enfático – “Ele mesmo então”. Veja a sua própria linguagem profética:”Eu fixei o meu rosto como uma pedra” (Isaías 50:7).

ir para Jerusalém – como Sua meta, mas incluindo Suas visitas preparatórias a ela nas festas de tabernáculos e de dedicação (Jo 7:2,10,22-23), e todos os movimentos intermediários e eventos. [JFB, aguardando revisão]

52 E mandou mensageiros adiante de si; e eles se foram, e entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe fazerem os preparativos.

Comentário de David Brown

mensageiros diante de seu rosto … para se preparar para ele – Ele não havia feito isso antes; mas agora, em vez de evitar, Ele parece cortejar a publicidade – tudo agora se apressando para a maturidade. [JFB, aguardando revisão]

53 Mas não o receberam, porque seu rosto demonstrava que ele ia para Jerusalém.

Comentário de David Brown

não o receberam, porque… – Os galileus, ao frequentarem as festas em Jerusalém, geralmente tomavam o caminho do samaritano [Josefo, Antiguidades, 20.6.1], e ainda assim parecem não ter encontrado tal inospitalidade. Mas se lhes pedissem que preparassem aposentos para o Messias, na pessoa de alguém cuja “face era como se ele fosse para Jerusalém”, seus preconceitos nacionais seriam levantados de maneira tão marcada em suas reivindicações. (Veja em Jo 4:20). [JFB, aguardando revisão]

54 Quando seus discípulos, Tiago e João, viram isso , disseram:“Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?”

Comentário de David Brown

Tiago e João – não Pedro, como deveríamos esperar, mas aqueles “filhos do trovão” (Marcos 3:17), que depois queriam ter todas as maiores honras do Reino para si mesmos, e os mais jovens tinham sido repreendidos já por sua exclusividade (Lucas 9:49-50). No entanto, este foi “o discípulo a quem Jesus amava”, enquanto o outro de bom grado bebeu do cálice amargo de Seu Senhor. (Veja em Marcos 10:38-40; e veja em Atos 12:2). Aquele mesmo zelo ardente, em uma forma amadurecida e santificada, no amado discípulo, encontramos em 1João 5:10; 3João 1:10.

fogo … como Elias – um caso plausível, ocorrendo também em Samaria (2Reis 1:10-12). [JFB, aguardando revisão]

55 Porém ele se virou, repreendeu-os.

Comentário de David Brown

espírito – A coisa que você exige, embora de acordo com o legal, é inadequada para o gênio da dispensação evangélica. As faíscas da indignação profana se apegariam prontamente a esse exemplo de Elias, embora a repreensão do nosso Senhor (como está claro em Lucas 9:56) seja dirigida ao princípio envolvido, em vez do calor animal que indubitavelmente inspirou a referência. “É uma sentença de ouro de Tillotson. Nunca façamos nada pela religião que seja contrária à religião” (Webster e Wilkinson). [JFB, aguardando revisão]

56 Pois o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E foram para outra aldeia.

Comentário de David Brown

Para o Filho do homem etc. – um ditado verdadeiramente divino, do qual todos os Seus milagres – para salvação, nunca destruição – eram uma ilustração continuada.

foi para outro – ilustrando Seu próprio preceito (Mateus 10:23). [JFB, aguardando revisão]

57 E aconteceu que, enquanto eles iam pelo caminho, alguém lhe disse:“Senhor, eu te seguirei para onde quer que fores”.

Comentário Cambridge

enquanto eles iam pelo caminho. Mateus (Mateus 8:19-22) coloca esses incidentes antes do embarque para Gergesa. A conjectura de Lange de que os três aspirantes eram Judas Iscariotes, Thomas e Mateus é singularmente infundada.

alguém lhe disse – um Escriba (Mateus 8:19). A dignidade de sua posição nada significava para Aquele que escolhera entre Seus Doze um zelote e um publicano.

para onde quer que fores. Havia muito pouco da “modéstia do dever terrível” nas profissões do Escriba. [Cambridge, aguardando revisão]

58 E Jesus lhe disse:“As raposas têm tocas, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do homem não tem onde deitar a cabeça”.

Comentário Cambridge

Jesus lhe disse. “No entusiasmo flamejante do homem, Ele viu a fumaça do autoengano egoísta” (Lange) e, portanto, Ele friamente reprimiu uma devoção oferecida que não teria resistido ao teste.

ninhos. Em vez disso, habitações, abrigos. Os pássaros não vivem em ninhos. Neste versículo, mais do que em qualquer outro, vemos a pobreza e a falta de moradia na última parte do ministério do Senhor (2Coríntios 8:9). Talvez Lucas tenha colocado o incidente aqui como apropriado para a rejeição do desejo de nosso Senhor de descansar durante a noite em En Gannim. Este Escriba estava preparado para seguir Jesus somente por amor a Ele? [Cambridge, aguardando revisão]

59 E disse a outro:“Segue-me”. Porém ele disse:“Senhor, deixa-me que primeiro eu vá, e eu enterre meu pai”.

Comentário Cambridge

Senhor, deixa-me que primeiro eu vá, e eu enterre meu pai. Uma tradição antiga, mas sem fundamento (Clemente de Alexandria), diz que este foi Filipe. Este homem já era um discípulo (Mateus 8:21). O pedido dificilmente poderia significar ‘deixe-me viver em casa até a morte de meu pai’, o que seria uma oferta muito indefinida; nem pode significar que seu pai jazia sem sepultura, pois nesse caso o discípulo dificilmente estaria entre a multidão. Talvez significasse “deixe-me ir e dar um banquete fúnebre de despedida e colocar tudo em ordem”. O homem foi convidado a ser o nazireu de Cristo (Números 6:6-7). [Cambridge, aguardando revisão]

60 Mas Jesus lhe disse:“Deixa os mortos enterrarem os seus próprios mortos; tu, porém, vai, e anuncia o reino de Deus”.

Deixa os mortos enterrarem os seus próprios mortos – isto é, deixe os mortos espiritualmente (Efésios 2:1; João 5:24-25) enterrar seus mortos fisicamente. [Cambridge, aguardando revisão]

61 E outro também disse:“Senhor, eu te seguirei; mas deixa-me primeiro despedir dos que estão em minha casa”.

Comentário de David Brown

eu te seguirei; mas – O segundo discípulo tinha um “mas” também – uma dificuldade no caminho naquele momento. No entanto, o tratamento diferente dos dois casos mostra quão diferente era o espírito dos dois, e ao que nosso Senhor se dirigiu. O caso de Eliseu (1Reis 19:19-21), embora aparentemente semelhante a este, será encontrado bastante diferente do “olhar para trás” deste caso, cuja melhor ilustração é a dos conversos hindus de nossos dias que , quando uma vez persuadidos a deixar seus pais espirituais para “dar adeus a eles que estão em casa em casa”, muito raramente retornam a eles. (Veja também em Mateus 8:21) [JFB, aguardando revisão]

62 E Jesus lhe disse:“Ninguém que colocar a sua mão no arado e olhar para trás é apto para o reino de Deus”.

Comentário de David Brown

Ninguém… – Como arar requer um olho atento sobre o sulco a ser feito, e é estragado no instante em que se vira, assim eles ficarão longe da salvação que processam a obra de Deus com uma atenção distraída, um coração dividido. Embora a referência pareça principalmente aos ministros, a aplicação é geral. A expressão “olhando para trás” tem uma referência manifesta à “esposa de Lot” (Gênesis 19:26; e veja em Lucas 17:32). Não é um retorno real ao mundo, mas uma relutância em romper com ele. (Veja também em Mateus 8:21) [JFB, aguardando revisão]

<Lucas 8 Lucas 10>

Visão geral de Lucas

No evangelho de Lucas, “Jesus completa a história da aliança entre Deus e Israel e anuncia as boas novas do reino de Deus tanto para os pobres como para os ricos”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.