Bíblia

João 5

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


A cura junto ao tanque de Betesda

1 Depois disto houve uma festa dos judeus, e subiu Jesus para Jerusalém.

uma festa. Provavelmente a Páscoa, embora não com certeza. Havia duas outras festas — a de Pentecostes e a de Tabernáculos — em que todos os homens deviam estar presentes, e poderia ter sido uma delas. [Barnes]

2 E há em Jerusalém à porta das ovelhas um tanque, que em hebraico se chama Betesda, que tem cinco entradas cobertas.

porta das ovelhas. (Nm 3:1,3212:39). Estava na muralha oriental da cidade.

um tanque, que em hebraico se chama Betesda. Que provavelmente significa “casa de misericórdia”; possivelmente por causa das curas que aconteciam ali.

que tem cinco entradas cobertas. Para abrigo dos doentes. Que Jerusalém ainda estava de pé quando este Evangelho foi escrito não pode ser deduzido, como Bengel pensou, do uso do tempo presente “tem”. A água aqui mencionada não necessariamente desapareceu com a destruição da cidade. Na verdade, ainda há dois locais diferentes que foram identificados com este tanque: um, e o local mais provável, um reservatório em ruínas perto do portão de Estevão, que a tradição antiga estabeleceu e investigações posteriores confirmam fortemente; o outro, o que é conhecido como a Fonte da Virgem. Mas mesmo que todos os vestígios dela tivessem desaparecido com a destruição de Jerusalém, o Evangelista poderia não ter conhecimento do fato; nem precisava conhecê-lo, pois sua existência bem conhecida no momento deste incidente é tudo o que a palavra necessariamente implica. [JFU]

3 Nestes jazia grande multidão de enfermos, cegos, mancos, e de corpo ressecado, aguardando o movimento da água.

de corpo ressecado. Alguma forma de paralisia que secava ou murchava a parte do corpo afetada.

aguardando o movimento da águaEsta sentença, com todo o quarto versículo, não estão presentes em alguns manuscritos e versões; mas penso que não há provas suficientes contra sua autenticidade. Alguns imaginaram que a virtude sanativa era transmitida às águas, ao lavarem nelas as vísceras dos animais oferecidos em sacrifício; e que o anjo não significava mais do que um homem enviado para agitar do fundo este sedimento deteriorado, que, ao ser espalhado pela água, os poros da pessoa que nela se banhou eram penetrados por esta matéria, e sua doença era repelida! Mas esta é uma infeliz mudança para se livrar do poder e da bondade de Deus, baseada em meras conjecturas, auto-contraditórias e em todos os sentidos tão improváveis quanto insustentáveis. Nunca foi provado satisfatoriamente que os sacrifícios foram lavados; e, mesmo assim, quem poderia provar que eles foram lavados no tanque de Betesda? Essas águas curavam um homem num instante de qualquer doença que ele tivesse. Ora, ninguém há debaixo do céu causa que possa fazer isto. Se apenas um tipo de doença tivesse sido curada aqui, poderia ter havido alguma consideração para esta conjectura deísta – mas este não é o caso; e nós somos obrigados a acreditar na relação exatamente como ela está, e assim reconhecer o poder soberano e misericórdia de Deus, ou então assumir o caminho desesperado de um infiel, e assim nos livrar da passagem completamente. [Clarke]

4 Porque um anjo descia de vez em quando ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que descia nele, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse.

Este milagre difere em dois pontos de todos os outros milagres registrados nas Escrituras: (1) Não era um, mas uma sucessão de milagres feitos periodicamente: (2) Como só acontecia “quando as águas eram agitadas”, só um paciente de cada vez, e que o paciente “que primeiro interveio depois do agitação das águas”. Mas isto só o mais inegavelmente fixou seu caráter milagroso. Ouvimos falar de muitas águas que têm uma virtude medicinal; mas que água se sabia que cura instantaneamente uma única doença? E quem já ouviu falar de qualquer água que cure todas, mesmo as mais diversas doenças – “cegueira, paralisia, ressecamento” – da mesma forma? Acima de tudo, quem já ouviu falar que tal coisa acontece “apenas em uma determinada ocasião”, e o mais singular de tudo, fazendo isso apenas com a primeira pessoa que entrou depois do movimento das águas? Qualquer uma dessas peculiaridades – muito mais todas juntas – devem proclamar o caráter sobrenatural das curas operadas. (Se o texto aqui é genuíno, não pode haver dúvida do milagre, como havia multidões vivendo quando este Evangelho foi publicado que, pelo seu próprio conhecimento de Jerusalém, poderiam ter exposto a falsidade do evangelista, se nenhuma cura desse tipo tivesse sido conhecida ali. A falta de João 5:4 e parte de João 5:3 em alguns bons manuscritos, e o uso de algumas palavras incomuns na passagem, são mais facilmente justificáveis, do que a evidência a favor da ausência deles originalmente. De fato, Jo 5:7 é ininteligível sem Jo 5:4. A evidência interna trazida contra essa passagem é meramente a improbabilidade de tal milagre – um princípio que nos levará muito mais longe se nós permitirmos que ela pese contra a evidência positiva). [JFU]

5 E estava ali um certo homem, que havia trinta e oito anos que estava enfermo.

estava enfermo. Não sabemos qual era a sua doença. Só sabemos que a doença o impedia de andar, e que a tinha por muito tempo. Sem dúvida, essa doença era considerada incurável. [Barnes]

6 Vendo Jesus a este deitado, e sabendo, que já havia muito tempo que ali jazia, disse-lhe: Queres sarar?

Vendo Jesus a este deitado, e sabendo, que já havia muito tempo que ali jazia. Como Ele sem dúvida visitou o local apenas para realizar esta cura, Ele sabia onde encontrar o Seu paciente, e toda a sua história precedente (Jo 2:25).

Queres sarar? Alguém poderia duvidar que um homem doente gostaria de ser curado, ou que os enfermos chegassem ali, e este homem havia retornado repetidas vezes, apenas na esperança de uma cura? Mas nosso Senhor fez a pergunta, primeiro, para prender a atenção sobre si mesmo; depois, fazendo-o detalhar o seu caso, para aprofundar nele o sentimento de total impotência; e ainda, com uma pergunta tão singular, para gerar em seu coração desamparado a esperança de uma cura (veja o comentário de Mc 10:51). [JFU]

7 Respondeu-lhe o enfermo: Senhor, não tenho homem algum para que, quando a água se agita, me ponha no tanque; e enquanto eu venho, outro desce antes de mim.

Em vez de dizer que queria ser curado, ele apenas conta com uma simplicidade lamentável como todos os seus esforços para obter a cura haviam sido frustrados, e como ele estava desamparado e quase sem esperança. No entanto, não completamente. Pois aqui ele está no tanque, esperando. Parecia inútil; não, apenas tentador – enquanto eu venho, outro desce antes de mim – o fruto foi arrancado dos Seus lábios. No entanto, ele não irá embora. Ele pode não conseguir nada ficando; ele pode cair na sua sepultura antes de entrar no tanque; mas saindo do caminho divino de cura apontado, ele não pode conseguir nada. Espera, pois, que ele o faça, espera, e quando Cristo vier curá-lo! Eis que ele está esperando a sua vez. Que atitude para um pecador à porta da Misericórdia! As esperanças do homem pareciam suficientemente fracas antes que Cristo viesse até ele. Ele poderia ter dito, pouco antes de “Jesus passar por aquele caminho”, ‘Isso não adianta; eu nunca entrarei; deixe-me morrer em casa’. Então tudo estava perdido. Mas ele se manteve firme, e sua perseverança foi recompensada com uma cura gloriosa. Provavelmente, alguns raios de esperança fizeram com que o seu coração se agitasse enquanto ele contava a sua história diante daqueles Olhos cujo brilho examinava toda a sua situação. Mas a palavra de ordem consuma sua preparação para receber a cura, e a opera instantaneamente. [JFU]

8 Disse-lhe Jesus: Levanta-te, toma teu leito, e anda.

Levanta-te, toma teu leito. Como no caso do paralítico (Mc 2:9), Cristo não questiona a fé do homem. Cristo sabia que tinha fé; e a tentativa do homem de se levantar e carregar seu leito depois de 38 anos de impotência foi uma confissão aberta de fé. Seu leito provavelmente era apenas um tapete ou uma esteira, ainda comum no Oriente.

Não é necessário discutir se este milagre pode ser o mesmo que a cura do paralítico que desceu pelo telhado (Mt 9; Mc 2; Lc 5). Tempo, lugar, detalhes e contexto são todos diferentes, especialmente o fato importante de que este milagre foi feito no sábado. [Cambridge]

9 E logo aquele homem sarou; e tomou seu leito, e andou. E era Sábado aquele dia.

E era Sábado aquele dia. Não há qualquer dúvida que isso era intencional, como em muitas outras curas, a fim de que, quando surgisse oposição por causa disso, os homens fosse ser obrigados a ouvir Suas reivindicações e ensinamentos. [JFB]

10 Disseram pois os judeus para aquele que fora curado: É Sábado, não te é lícito levar o leito.

os judeus. A parte hostil, como de costume: provavelmente membros do Sinédrio (veja em João 1:19). Eles ignoram a cura e reparam apenas no que poderia ser atacado. Eles tinham a letra da lei muito fortemente consigo. Comp. Êx 23:12; 31:14; 35:2-3; Nm 15:32; Ne 13:15; e especialmente Jr 17:21. [Cambridge]

11 Respondeu-lhes ele: Aquele que me curou, esse me disse: Toma teu leito, e anda.

Aquele que me curou. O ousadia do homem em desafiar os judeus logo depois de recuperar sua saúde é muito natural. Ele quis dizer, ‘se Ele podia curar-me de uma doença de 38 anos, Ele teve autoridade para me dizer para pegar na minha cama’. Eles não mencionarão a cura; ele a joga na cara deles. Há uma lei mais elevada do que a do sábado, e uma autoridade mais elevada do que a deles. Leia também a conduta do cego, João 9. [Cambridge]

12 Perguntaram-lhe pois: Quem é o homem que te disse: Toma teu leito e anda?

Eles habilmente desviam o impulso do homem, perguntando-lhe, não quem o havia “curado” – o que teria condenado a si mesmos e frustrado seu propósito – mas quem o havia ordenado que “tomasse sua cama e andasse”, em outras palavras, ‘quem ousara ordenar uma violação do sábado?’ ‘Esta na hora de cuidarmos dele’, esperando assim, abalar a fé do homem naquele  que o curou. [JFU]

13 E o que fora curado, não sabia quem o era, porque Jesus se havia retirado, porque naquele lugar havia uma grande multidão.

E o que fora curado, não sabia quem o era. Que alguém com inigualável generosidade, ternura e poder tinha feito isso, o homem sabia muito bem; mas como ele nunca tinha ouvido falar dEle antes, Ele tinha desaparecido antes que pudesse saber mais.

porque Jesus se havia retirado, naquele lugar havia uma grande multidão. Jesus escapou da multidão que se formou, para evitar tanto a popularidade precipitada, como o ódio antecipado (Mt 12:14-19). [Cambridge]

14 Depois Jesus achou-o no Templo, e disse-lhe: Eis que já estás curado; não peques mais, para que não te suceda alguma coisa pior.

achou-o no Templo. Talvez dizendo: “Entrarei em tua casa com holocaustos; pagarei a ti os meus votos, que meus lábios pronunciaram, e minha boca falou, quando eu estava angustiado” (Sl 66:13-14). Jesus, ali mesmo para Seus próprios fins, achou-o — não por acaso, esteja seguro.

Eis que já estás curado; não peques mais, para que não te suceda alguma coisa pior. Um vislumbre da vida imprudente que ele provavelmente tinha levado antes dos trinta e oito anos da sua enfermidade, e que possivelmente causou, no julgamento justo de Deus, a sua condição. Ilustração temível da “severidade de Deus”, mas glorisa manifestação do discernimento do nosso Senhor sobre “o que havia no homem”. [JFU]

15 Aquele homem foi anunciar aos judeus que Jesus era o que o curara.

Ele foi sem pensar como seria indesejável seu testemunho grato e ansioso. “A escuridão”, como diz Olshausen, “não recebeu a luz que estava lançando seus raios sobre ela” (Jo 1:5,11). [JFU]

Vida por meio do Filho

16 E por isso os judeus perseguiam Jesus, porque ele fazia estas coisas no sábado.

porque ele [Jesus] fazia estas coisas no sábado. O que a esses religiosos hipócritas era fazer os milagres mais gloriosos e benéficos, em comparação com a atrocidade de fazê-los no dia de sábado! Tendo-lhes dado este impulso, a fim de trazer a primeira controvérsia pública com eles, e assim abrir uma oportunidade apropriada para colocar Suas reivindicações diante dos mesmos, Ele se eleva imediatamente à altura total deles, em uma declaração que, pela grandeza e peso, supera praticamente tudo o que depois saiu Dele – pelo menos para Seus inimigos. [JFU]

17 E Jesus lhes respondeu: Meu Pai até agora trabalha, e eu também trabalho.

“A atividade criativa e preservadora de Meu Pai não foi interrompida por nenhum sábado desde o início até agora, e essa é a lei do Meu trabalho”. [JFU]

18 Por isto ainda mais procuravam os Judeus matá-lo, porque não só quebrava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.

fazendo-se igual a Deus. Não apenas a sua reivindicação de Filiação, mas a posição elevada que atribuiu a essa Filiação, ambas causaram e justificaram a interpretação das suas palavras como sendo igual a Deus. Ele colocou seu trabalho em pé de igualdade com o trabalho do Pai, e justificou sua ação no Sábado com o mesmo fundamento que justifica Deus. Ele não era mais obrigado a reter o seu poder de cura no sábado, do que Deus era obrigado a deter o desenvolvimento da vegetação, ou as ondas do oceano. [Whedon]

19 Respondeu pois Jesus, e disse-lhes: Em verdade, em verdade vos digo, que não pode o Filho fazer coisa alguma de si mesmo, a não ser aquilo que ele veja o Pai fazer; porque todas as coisas que ele faz, semelhantemente o Filho também as faz.

não pode o Filho fazer coisa alguma de si mesmo. É impossível para Ele agir com auto-afirmação individual independente de Deus, porque Ele é o Filho: Sua vontade e obra são uma só. Os judeus acusam-no de blasfêmia; e a blasfêmia implica oposição a Deus: mas Ele e o Pai estão intimamente ligados. [Cambridge]

20 Porque o Pai ama ao Filho, e todas as coisas que faz lhe mostra; e maiores obras que estas lhe mostrará, para que vós vos maravilheis.

Porque o Pai ama ao Filho. A palavra aqui para “amar” é aquela que particularmente indica afeição pessoal (phileo), distinguindo-se daquela na declaração semelhante de João Batista (agapao), que peculiarmente marca satisfação no caráter da pessoa amada (João 3:35).

e todas as coisas que faz lhe mostra. Como o amor nada esconde, assim decorre da perfeita comunhão e afeto mútuo do Pai e do Filho (ver em Jo 1:1; veja em Jo 1:18), cujos interesses são um, assim como Sua natureza, que o Pai comunique ao Filho todos os Seus conselhos, e o que assim foi mostrado ao Filho é por Ele executado em Seu caráter mediador. ‘Com o Pai, fazer é vontade; é o Filho quem age no tempo‘ (Alford). Três coisas aqui são claras: (1) as distinções pessoais na divindade. (2) Unidade de ação entre as Pessoas resulta da unidade da natureza. (3) Sua unicidade de interesse não é uma coisa inconsciente ou involuntária, mas uma coisa de consciência gloriosa, vontade e amor, da qual as próprias Pessoas são os Objetos apropriados.

para que vós vos maravilheis. Referindo-se ao que Ele mencionará (Jo 5:21-31), e que pode ser composto de duas grandes palavras: VIDA e JULGAMENTO, que Stier lindamente chama de ‘Privilégio de Deus’. No entanto, este privilégio, Cristo diz, Ele e o Pai têm e manifestam em comum. [JFU]

21 Porque como o Pai aos mortos ressuscita e vivifica, assim também o Filho aos que quer vivifica.

Porque como o Pai aos mortos ressuscita e vivifica. Uma ação em dois estágios, a ressurreição do corpo e a restauração da vida. Esta com certeza é uma prerrogativa absoluta do Pai como Deus.

assim também o Filho aos que quer vivifica. Não apenas fazendo o mesmo ato divino, mas fazendo isso como resultado da Sua própria vontade, assim como o Pai o faz. Esta afirmação é de imensa importância em relação aos milagres de Cristo, distinguindo-os de milagres semelhantes dos profetas e apóstolos, que como instrumentos humanos foram usados para realizar ações sobrenaturais, enquanto Cristo fez tudo como o Servo comissionado do Pai de fato, mas no exercício do Seu próprio direito absoluto de ação. [JFU]

22 Porque também o Pai a ninguém julga, mas todo o juízo deu ao Filho,

Porque também o Pai a ninguém julga. Implicando que se tratava da mesma coisa entendida no versículo anterior do “despertar dos mortos”, ambos os atos sendo feitos, não pelo Pai e pelo Filho, como se fosse realizado duas vezes, mas pelo Pai por meio do Filho como Seu Agente voluntário. Nosso Senhor passou agora para a segunda das “obras maiores” que lhes mostraria, para espanto deles (João 5:20).

todo o juízo. Juízo no seu sentido mais amplo, ou melhor, toda a administração do juízo. [JFU]

23 Para que todos honrem ao Filho, como honram ao Pai. Quem não honra ao Filho, não honra ao Pai que o enviou.

Para que todos honrem ao Filho, como honram ao Pai. Assim como aquele que crê que Cristo, nos versículos anteriores, fez um relato verdadeiro de Sua relação com o Pai, deve necessariamente considerá-lo com a mesma honra que o Pai, assim Ele aqui acrescenta que foi intenção expressa do Pai, ao constituir todo o juízo para o Filho, que os homens o honrassem assim.

Quem não honra ao Filho, não honra ao Pai que o enviou. Ele não o honra de fato, independentemente do que possa imaginar, será considerado como não fazendo isso pelo próprio Pai, que não aceitará nenhuma honram que não seja dada ao Seu próprio Filho. [JFU]

24 Em verdade, em verdade vos digo, que quem ouve minha palavra, e crê ao que me enviou, tem vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.

tem vida eterna. Ou tem a vida eterna: (compare com João 3:16). Note o tempo verbal; ele já a possui, não é uma recompensa a ser dada no futuro (compare com João 3:36).

mas passou da morte para a vida. Isto é evidentemente equivalente a escapar do julgamento e alcançar a vida eterna, mostrando claramente que a morte é morte espiritual, e a ressurreição dela também espiritual. Portanto, não pode se referir à ressurreição do corpo. [Cambridge]

25 Em verdade, em verdade vos digo, que a hora vem, e agora é, quando os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e aos que ao ouvirem, viverão.

Em verdade, em verdade vos digo, que a hora vem. O tempo estava chegando em toda a sua plenitude, que seria no dia de Pentecostes.

e agora é. Em seus primórdios.

quanto os mortos. Os espiritualmente mortos, como fica claro em João 5:28 (veja o comentário em Lucas 9:64).

ouvirão a voz do Filho de Deus. Aqui o nosso Senhor passa da expressão mais discreta “ouvir a sua palavra” (Jo 5:24), para a expressão grandiosa, “ouvir a voz do Filho de Deus”, significando que, ao encontrar homens em estado de morte, leva consigo um poder divino de ressurreição.

e aos que ao ouvirem, viverão. No sentido mais amplo da palavra, como no final de João 5:24. [JFU]

26 Porque como o Pai tem vida em si mesmo, assim deu também ao Filho que tivesse vida em si mesmo.

deu também ao Filho… – Isto se refere à vida essencial do Filho antes de todos os tempos (Jo 1:4) (como interpretam a maioria dos Pais da Igreja, e Olshausen, Stier, Alford, etc., entre os modernos), ou para o propósito de Deus, que esta vida essencial deve residir na Pessoa do Filho encarnado e ser manifestada assim ao mundo? (Calvino, Lucke, Luthardt, etc.) A questão é tão difícil quanto o assunto é importante. Mas como tudo o que Cristo diz sobre Sua relação essencial com o Pai tem a intenção de explicar e exaltar Suas funções mediadoras, assim um parece na própria mente e linguagem de nosso Senhor, principalmente o ponto de partida do outro. [JFB]

27 E deu-lhe poder, para fazer juízo, porque é o Filho do homem.

E deu-lhe poder, para fazer juízo. Assim como para vivificar a quem Ele quer (João 5:21).

porque é o Filho do homem. Isto parece confirmar a última observação, que o que Cristo tinha propriamente em vista era a habitação da vida essencial do Filho na humanidade como o grande teatro e meio de exibição divina, em ambas as grandes áreas de Sua obra – doação de vida e julgamento. A nomeação de um Juiz em nossa própria natureza é um dos mais grandiosos e belos arranjos da sabedoria divina na Redenção. [JFU]

28 Não vos maravilheis disto; porque a hora vem, em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão sua voz.

Não vos maravilheis disto. Desse compromisso de todo o julgamento com o Filho do Homem.

porque a hora vem. Ele não acrescenta neste caso, “e agora é”, como em João 5:25, porque isto não deveria acontecer até o fim de toda a dispensação da misericórdia. [JFU]

29 E sairão os que fizeram bem, para a ressurreição de vida; e os que fizeram mal, à ressurreição de condenação.

ressurreição da vida.  Isto é, a ressurreição para a vida eterna (Mt 25:46).

e os que fizeram mal, à ressurreição de condenação (ou do julgamento). TTeria sido duro, como comenta Bengel, dizer “a ressurreição da morte”, embora isso signifique; porque os pecadores só ressuscitam da morte para a morte. A ressurreição de ambas as classes é um exercício de autoridade soberana; mas num caso é um ato de graça, no outro de justiça. Compare com Daniel 12:2, do qual a linguagem é tirada. Quão grandiosos são estes desdobramentos de Sua dignidade e autoridade vindos da boca do próprio Cristo! E eles são todos, será observado, pronunciados na terceira pessoa – como grandes princípios e disposições da eternidade, independente da sua expressão nesta ocasião. Imediatamente depois disso, porém, Ele retoma a primeira pessoa. [JFU]

30 Não posso eu de mim mesmo fazer alguma coisa. Como ouço, assim julgo; e meu juízo é justo; porque não busco minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou.

Não posso eu de mim mesmo fazer alguma coisa. À parte, ou em rivalidade, com o Pai, e em qualquer interesse separado do Meu próprio (veja o comentário de Jo 5:19).

Como ouço, assim julgo; e meu juízo é justo; porque não busco minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou. Isto é, “Todos os meus julgamentos são antecipados no seio do meu Pai, ao qual tenho acesso imediato, e por Mim são apenas cumpridos e refletidos. Eles não podem, portanto, errar, uma vez que eu vivo apenas para um fim, para realizar a vontade d’Aquele que Me enviou”. [JFU]

Testemunhos acerca de Jesus

31 Se eu testemunho de mim mesmo, meu testemunho não é verdadeiro.

meu testemunho não é verdadeiro. As palavras devem ser tomadas literalmente: “Se eu der um testemunho diferente daquele que o meu Pai dá, esse meu testemunho não é verdadeiro”. Em João 8:14 temos uma aparente contradição com isto, mas é apenas o outro lado da mesma verdade: “O meu testemunho é verdadeiro porque é realmente do meu Pai”. [Cambridge]

32 Outro há que testemunha de mim, e sei que o testemunho, que testemunha de mim, é verdadeiro.

Outro há que testemunha de mim. Isto é, o Pai, como é claro a partir do contexto. Como resplandece aqui a distinção das Pessoas (Pai e o Filho)!

e sei que o testemunho, que testemunha de mim, é verdadeiro. “Este é o testemunho do Filho para a verdade do Pai (veja Jo 7:28; 8:26,55). Testifica a plena consciência por parte do Filho, mesmo nos dias da Sua humilhação, da justiça do Pai” (Alford). E assim Ele animou Seu espírito sob a nuvem da oposição humana que já estava se acumulando sobre Sua cabeça. [JFU]

33 Vós enviastes mensageiros a João, e ele deu testemunho à verdade.

Vós enviastes mensageiros a João. Jesus refere-se aos representantes que estes líderes enviaram ao Batista (João 1:19, etc), embora não estando presente na ocasião, esta plenamente ciente da resposta que João lhes deu. [JFU]

34 Porém eu não recebo testemunho humano; mas digo isto para que sejais salvos.

eu não recebo testemunho humano. O fato de que Ele tivesse permitido a Si mesmo receber testemunho do Batista, parecia ao Senhor Jesus precisar de alguma explicação, para fosse suposto que Ele estivesse precisando dele, e por isso Ele aqui diz explicitamente que não o precisava.

mas digo isto para que sejais salvos. ‘Se eu me refiro ao testemunho de João, é apenas para ajudar a fé de vocês, para vossa salvação’. [JFU]

35 Ele era uma lâmpada ardente e brilhante; e vós quisestes por um pouco de tempo alegrar em sua luz.

Ele era uma lâmpada ardente e brilhante. Isto é, “a grande luz de seus dias”. Cristo nunca é chamado pela modesta palavra aqui aplicada a João — um portador de luz — cuidadosamente usada para distingui-lo de seu Mestre, mas sempre a Luz no sentido mais absoluto. Veja o comentário de João 1:6.

vós quisestes por um pouco de tempo. Isto é, até que viram que [ele] apontava para onde não estavam preparados para ir. [JFU]

36 Mas eu tenho um testemunho maior que o de João; porque as obras que o Pai me deu que cumprisse, as mesmas obras que eu faço, testemunham de mim que o Pai me enviou.

Um testemunho maior não simplesmente por milagres, nem mesmo por milagres de misericórdia, mas estes milagres tal como Ele os fez, com uma vontade e um poder, uma majestade e uma graça manifestamente Sua. [JFU]

37 E o Pai que me enviou, ele mesmo testemunhou de mim. Nunca ouvistes sua voz, nem vistes sua aparência.

o Pai que me enviou, ele mesmo testemunhou de mim. Não se referindo, provavelmente, à voz no Seu batismo, mas, como parece do que segue, ao testemunho das Escrituras do Antigo Testamento (assim entendem Calvino, Lucke, Meyer, Luthardt). [JFU]

38 E não tendes sua palavra permanecendo em vós; porque ao que ele enviou, a esse vós não credes.

E não tendes sua palavra permanecendo em vós. Passando agora da Testemunha para o testemunho dado por Ele nos “oráculos vivos” (At 7:38): ambos eram igualmente desconhecidos dos seus corações, como foi evidenciado pela sua rejeição daquele a quem todo aquele testemunho foi dado. [JFU]

39 Investigai as Escrituras; porque vós pensais que nelas tendes a vida eterna, e elas são as que de mim testemunham.

Investigai as Escrituras… – “Nas Escrituras encontrareis vossa carta de vida eterna; procurai-a então, e vereis que eu sou o Grande Ônus de seu testemunho; mas não vireis a Mim para aquela vida eterna que professais encontrar ali, e da qual vos dizem que Eu sou o Dispensador designado”. (Veja At 17:11-12). Quão tocantes e graciosas são estas últimas palavras! Observe aqui (1) A honra que Cristo dá às Escrituras, como um registro que todos têm o direito e são obrigados a procurar – o inverso do qual a Igreja de Roma ensina; (2) O extremo oposto é, estando no mero Livro sem o Cristo vivo, direcionar a alma a quem é seu principal uso e principal glória. [JFB]

40 E não quereis vir a mim, para que tenhais vida.

‘De desconsideram as Escrituras, eu não os acuso, vocês realmente se ocupam com elas (Jesus estava se dirigindo, isso será lembrado, aos líderes – veja comentário em João 5:16), considerando-as corretamente a carta oficial da vida eterna. Mas perdeis o grande enfoque delas, é de Mim que elas testificam; no entanto, a Mim não viestes para a vida eterna que vós dizeis encontrar ali, e da qual as Escrituras Me proclamam o Dispensador ordenado’ (Ver Atos 17:11-12). Embora essa repreensão tenha sido grave, há algo muito tocante e gracioso nela. [JFU]

41 Não recebo honra humana.

Contrastando o Seu propósito com o deles que era obter reconhecimento dos homens.

42 Mas eu bem vos conheço que não tendes o amor de Deus em vós mesmos.

não tendes o amor de Deus em vós mesmos, que vos teria inspirado com um singular desejo de conhecer Sua mente e vontade, e se render a ela, apesar do preconceito, e independentemente das consequências. [JFU]

43 Eu vim em nome de meu Pai, e vós não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.

se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis. Como isso foi constatado na história dos judeus. Desde o tempo do verdadeiro Cristo até o final do século 19, diz Bengel, 64 falsos Cristos foram registrados, através dos quais os Judeus foram enganados. [JFU]

44 Como podeis vós crer, se tomais honra uns dos outros, e não buscais a honra que vem somente de Deus?

O não “podeis” aqui, e o não “quereis” de João 5:40, são apenas aspectos diferentes de um e do mesmo estado do coração humano, sob o domínio consciente e total de princípios e afeições corrompidas – em contraste com aquela simplicidade e sinceridade piedosa que, como em Natanael (João 1:47), busca apenas conhecer e receber a verdade. [JFU]

45 Não penseis que eu vos tenha de acusar para com o Pai; o que vos acusa é Moisés, em quem vós esperais.

Não penseis que eu vos tenha de acusar para com o Pai. Ou seja, ‘Minha missão aqui não é recolher provas para vos condenar no tribunal de Deus’.

o que vos acusa é Moisés, em quem vós esperais. ‘Ai de mim! isso será muito bem feito por outro, e ele o objeto de todas as suas pretensões religiosas – Moisés;’ aqui posto como “a Lei”, a base das Escrituras do Antigo Testamento. [JFU]

46 Porque se vós crêsseis em Moisés, também a mim me creríeis; porque de mim ele escreveu.

porque de mim ele escreveu. Esse é “um importante testemunho do tema de todo o Pentateuco‘de mim’” (Alford).

47 Mas se não credes em seus escritos, como crereis em minhas palavras?

Mas se não credes em seus escritos. Veja o comentário de Lucas 16:31.

seus escritosminhas palavras. Um contraste notável, não colocando absolutamente as Escrituras do Antigo Testamento abaixo de suas próprias palavras, mas apontando para o papel daqueles honráveis documentos na preparação do caminho de Cristo, para a necessidade universalmente sentida de testemunho documental na religião revelada, e talvez, como Stier acrescenta, para a relação que a comparável “letra” do Antigo Testamento mantém com as “palavras” mais fluidas de “espírito e vida” que caracterizam o Novo Testamento. [JFU]

<João 4 João 6>

Introdução à João 5

João 5 possui basicamente duas partes: (1) O sinal no Tanque de Betesda e seus desdobramentos (1-16); (2) O discurso sobre o Filho como Fonte da Vida (17-47). Uma observação importante a ser feita é que nos capítulos 5 e 6 de João, a palavra “vida” ocorre 18 vezes, o que é uma grande frequência, já que no restante do Evangelho aparece somente mais 18 vezes.

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible e The Cambridge Bible for Schools and Colleges. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.