Bíblia, Revisar

Atos 17

Paulo em Tessalônica

1 E viajando por Anfípolis e Apolônia, vieram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus.

E viajando por Anfípolis – cinquenta e três quilômetros a sudoeste de Filipos, no rio Struma.

Apolônia – cerca de 50 quilômetros a sudoeste de Anfípolis; o lugar exato é desconhecido.

vieram a Tessalônica – cerca de 60 quilômetros a oeste de Apolônia, à frente do Golfo Termaico, na extremidade noroeste do mar Egeu; a principal e mais populosa cidade da Macedônia. “Vemos imediatamente como o lugar é apropriado para ser um dos pontos de partida do Evangelho na Europa, e podemos apreciar a força do que Paulo disse aos tessalonicenses poucos meses após quando os deixou: ‘Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares'”(1Ts 1:8) (J.S. Howson).

onde havia uma sinagoga de judeus – implicando que (como em Filipos) não havia nenhuma sinagoga em Anfípolis e Apolônia. [JFB]

2 E Paulo, como era de seu costume, entrou a eles, e por três sábados argumentava com eles pelas Escrituras.

Paulo, como era de seu costume – sempre começar com os judeus.

entrou a eles – Ao escrever para os convertidos, alguns meses depois, ele os lembra da coragem e superioridade à afronta, por causa do Evangelho, que isso exigiu após o tratamento vergonhoso que ele tinha experimentado por último em Filipos (1Ts 2:2). [JFB]

3 Declarando-as, e propondo-lhes, que era necessário que o Cristo morresse, e ressuscitasse dos mortos; e que (dizia ele) este Jesus é o Cristo, a quem eu vos anuncio.

Sua pregação, ao que parece, foi principalmente expositiva, e destinada a estabelecer a partir do Antigo Testamento (1) que o Messias predito era para sofrer e morrer e, portanto, ressurgir, (2) que este Messias não era outro senão Jesus de Nazaré. [JFB]

4 E alguns deles creram, e se ajuntaram a Paulo e Silas; e dos gregos devotos grande multidão; e não poucas das principais mulheres.

a Paulo e Silas – Compare com 2Co 8:5.

das principais mulheres prosélitas distintas. Desde a Primeira Epístola aos Tessalonicenses, parece que quase todos os convertidos eram gentios; não somente os que antes haviam sido prosélitos, ganhos na sinagoga, mas até aqueles que haviam sido idólatras (1Ts 1:9,10). Durante sua permanência, enquanto Paulo se sustentava por seu próprio trabalho (1Ts 2:9; 2Ts 3:7-9), ele recebia suprimentos uma vez e outra dos filipenses, ao quais ele faz honroso reconhecimento (Fp 4:15,16). [JFB]

5 Mas os judeus incrédulos, movidos de inveja, tomaram consigo alguns homens malignos dos mercados, e juntando uma multidão, tumultuaram a cidade; e atacando a casa de Jasom, procuravam trazê-los ao povo.

judeusmovidos de inveja – vendo sua influência prejudicada por este estrangeiro.

homens malignos dos mercados – homens maus que estavam ociosos nos mercados.

atacando a casa de Jasom – com quem Paulo e Silas ficaram (At 17:7), aparentemente, um dos parentes de Paulo (Rm 16:21), e pelo seu nome, que às vezes era usado como uma forma grega da palavra Josué (Hugo Grotius), provavelmente era um judeu helenista. [JFB]

6 E não os achando, puxaram a Jasom, e a alguns irmãos às maiores autoridades da cidade, clamando: Estes que tem perturbado ao mundo também vieram até aqui.

autoridades da cidade – literalmente, “os politarcas”; o nome dado aos magistrados de Tessalônica em uma inscrição em um arco ainda remanescente da cidade – tão minuciosa é a precisão dessa história. [JFB]

7 Aos quais Jasom tem recolhido, e todos estes fazem contra as ordens de César, dizendo que há outro rei, chamado Jesus.

dizendo que há outro rei, chamado Jesus – (Veja em Jo 19:12).

8 E eles tumultuaram a multidão, e às autoridades da cidade, que ouviam estas coisas.
9 Mas tendo recebido fiança de Jasão e dos demais, eles os soltaram.

Mas tendo recebido fiança de Jasão e dos demais – provavelmente fazendo com que depositassem uma garantia de que os pregadores não deviam mais colocar a paz pública em perigo novamente.

Paulo em Bereia

10 E logo os irmãos enviaram de noite a Paulo e a Silas até Bereia; os quais, ao chegarem lá, foram à sinagoga dos judeus.

os irmãos enviaram de noite a Paulo e a Silas – pois teria sido inútil tentar fazer qualquer outra pregação naquele momento, e a convicção disso provavelmente tornou seus amigos mais dispostos a se comprometerem contra qualquer continuação presente de esforço missionário.

até Bereia – oitenta ou noventa quilômetros a sudoeste de Tessalônica; hoje a cidade é chamada de Véria. [JFB]

11 E estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque os quais receberam a palavra com toda boa vontade, examinando a cada dia as escrituras, para ver se estas coisas eram assim.

E estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica – A comparação é entre os judeus dos dois lugares; porque os triunfos do Evangelho em Tessalônica estavam principalmente entre os gentios. Veja em At 17:2-4.

porque os quais receberam a palavra com toda boa vontade – não apenas ouviam-na sem preconceito, “com toda boa vontade” (Lc 8:17), com sincero desejo de serem ensinados corretamente (Ver Jo 7:17). Marca a “nobreza” atribuída a este estado mental.

examinando a cada dia as escrituras, para ver se estas coisas eram assim – se a interpretação cristã que o apóstolo impunha às Escrituras do Antigo Testamento era a verdadeira. [JFB]

12 Portanto muitos deles realmente creram, e das mulheres gregas honradas; e dos homens, não poucos.

Portanto muitos deles realmente creram – convencidos de que Jesus de Nazaré, a quem Paulo pregava, era de fato a grande Promessa do Antigo Testamento. Disto é inegável, (1) que o povo, não menos que os ministros da Igreja, tem direito e obrigação de pesquisar as Escrituras; (2) que têm direito e obrigação de julgar, sob sua própria responsabilidade, se o ensino que recebem dos ministros da Igreja é de acordo com a palavra de Deus.

dos homens – que eram gregos.

não poucos“As classes superiores nessas cidades greco-européias e romanizadas eram provavelmente mais instruídas do que as da Ásia Menor” (Webster e Wilkinson). [JFB]

13 Mas quando os judeus de Tessalônica souberam que também em Bereia a palavra de Deus era anunciada por Paulo, vieram também para lá, e incitaram as multidões.

os judeus de Tessalônicavieram também para lá“como caçadores sobre suas presas, como haviam feito antes de Icônio para Listra” (J.S. Howson).

14 Mas então no mesmo instante os irmãos despediram a Paulo, para que fosse ao mar; mas Silas e Timóteo continuaram ali.

no mesmo instante os irmãos – convertidos em Bereia.

despediram a Paulo – como antes de Jerusalém (At 9:30), e de Tessalônica (At 17:10). Quanto tempo ele permaneceu em Bereia nós não sabemos; mas sabemos que ele ansiava e esperava que voltar logo aos tessalonicenses (1Ts 2:17), é provável que ele permaneceu algumas semanas pelo menos, e só abandonou sua intenção de revisitar Tessalônica naquele tempo quando os inimigos de lá, estimulados por seu sucesso em Bereia, vieram para combatê-lo.

para que fosse ao mar – talvez, “na direção do mar”. Provavelmente ele demorou a decidir seu próximo destino até chegar à costa, e a providência de Deus deveria guiá-lo para uma embarcação com destino ao local certo. Por isso, foi somente ao chegar a Atenas, que o comboio de irmãos bereanos, que haviam ido até aqui com ele, foi enviado de volta para pedir que Silas e Timóteo o seguissem para lá.

Silas e Timóteo continuaram ali“para edifica-los em sua santa fé, para ser um consolo e apoio em suas provações e perseguições, e para dar-lhes tal organização quanto fosse necessário” (J.S. Howson). Associando isto com o apóstolo deixando Timóteo e Lucas em Filipos em sua própria partida (veja em At 16:40), podemos concluir que este era seu plano fixo de nutrir o primeiro começo do Evangelho nas localidades européias, e organizar os convertidos. Timóteo deve ter logo seguido o apóstolo a Tessalônica, o portador, provavelmente, de uma das contribuições de Filipos para sua necessidade (Fp 4:15,16), e dali ele iria com Silas acompanhá-lo a Bereia. [JFB]

15 E os que conduziram a Paulo, levaram-no até Atenas; e tendo recebido ordem para Silas e Timóteo, para que viessem a ele o mais rápido que pudessem, eles foram embora.

Silas e Timóteo, para que viessem a ele o mais rápido que pudessem – Ele provavelmente desejou a companhia e ajuda deles ao dirigir-se a uma esfera tão nova e grande como Atenas. Assim, acrescenta-se que ele “esperou por eles” ali  (16), como se não quisesse fazer nada até que eles viessem. Que eles vieram, não há boas razões para duvidar (como fazem alguns excelentes críticos). Pois, embora o próprio Paulo diga aos tessalonicenses que ele “achou melhor por bem permanecer sozinho em Atenas” (1Ts 3:1), ele imediatamente acrescenta que “enviou Timóteo para estabelecê-los e confortá-los” (At 17:2); o que significa, certamente, que ele o despachou de Atenas de volta a Tessalônica. Na verdade, ele mandara chamá-lo para Atenas; mas provavelmente, quando parecia que aquele pequeno fruto deveria ser colhido lá, enquanto Tessalônica estava tão atraente para ser deixada sem importância, ele parece ter pensado que seria melhor mandá-lo de volta. (As outras explicações sugeridas parecem menos satisfatórias). Timóteo voltou a estar com o apóstolo em Corinto (At 18:5). [JFB]

Paulo em Atenas

16 E enquanto Paulo os esperava em Atenas, seu espírito se incomodava dentro dele, ao ver a cidade tão dedicada à idolatria.

tão dedicada à idolatria – “coberta de ídolos”; significando a cidade, não os habitantes. Petrônio, um escritor contemporâneo na corte de Nero, diz satiricamente que era mais fácil encontrar um deus em Atenas do que um homem. Isso incomodou o espírito do apóstolo. [JFB]

17 Então ele disputava muito na sinagoga, com os judeus, e com os religiosos; e no mercado a cada dia, com os que vinham até ele.

disputava – ou discutia.

na sinagoga, com os judeus – O sentido não é: “Portanto foi ele para os judeus”, porque os atenienses gentios estavam mergulhados na idolatria; mas, “Portanto, ele preparava-se para erguer a voz a cidade dos ídolos, mas, assim como de costume, começou com os judeus.”

os religiososprosélitos gentios.

no mercado – o Ágora, ou local comum. [JFB]

18 E alguns dos filósofos epicureus e estoicos discutiam com ele; e uns diziam: O que quer dizer este tagarela? E outros: Parece que ele é pregador de deuses estranhos. Porque ele lhes anunciava o Evangelho de Jesus e a ressurreição.

epicureus – uma escola bem conhecida de materialistas ateus, que ensinavam que o prazer era o fim principal da existência humana.

e estoicos – uma célebre escola de panteístas rigorosos e elevados, cujo princípio era que o universo estava sob a lei de uma necessidade de firmeza, cujo espírito era o que é chamado de Deidade: e que uma conformidade desapaixonada da vontade humana a essa lei, indiferente a todas as circunstâncias e mudanças externas, é a perfeição da virtude. Enquanto o estoico era em si superior ao sistema epicurista, ambos eram igualmente hostis ao Evangelho. “Os dois inimigos que ele teve que enfrentar são os dois princípios dominantes dos epicuristas e estóicos – prazer e orgulho” (J.S. Howson).

Porque ele lhes anunciava o Evangelho de Jesus e a ressurreição – Não como se eles achassem que ele fazia disso duas divindades: os deuses estranhos eram Jeová e o Salvador Ressuscitado, prontos para julgar o mundo. [JFB]

19 E tomando-o, trouxeram-no ao areópago, dizendo: Podemos nós saber que doutrina nova é esta que tu falas?

tomando-o, trouxeram-no ao areópago“a colina onde o tribunal de magistratura mais terrível sentou desde tempos imemoriais para condenar os maiores criminosos e decidir sobre as questões mais solenes relacionadas à religião. Nenhum lugar em Atenas era tão apropriado para um discurso sobre os mistérios da religião” (J.S. Howson). O apóstolo, no entanto, não estava aqui em seu julgamento, mas para expor mais completamente o que ele havia falado em conversas interrompidas na Ágora. [JFB]

20 Porque tu trazes coisas estranhas aos nossos ouvidos; então queremos saber o que isto quer dizer.
21 (E todos os atenienses e visitantes estrangeiros não se ocupavam de nenhuma outra coisa, a não ser em dizer e ouvir alguma novidade).

Como se o que era novo estivesse se tornando atualmente obsoleto, eles ansiavam por algo ainda mais novo (J.A. Bengel). Esta descrição animada do caráter ateniense é abundantemente atestada por seus próprios escritores.

22 E Paulo, estando no meio do areópago, disse: Homens atenienses, eu vejo em tudo como vós sois muito religiosos;

E Paulo, estando no meio do areópago, disse – Esta preliminar à posição que ele ocupou mostra o desejo do escritor para trazer a situação vividamente diante de nós (Michael Baumgarten).

eu vejo em tudo como vós sois muito religiosos – uma introdução conciliatória e elogiosa, fundada por sua própria observação dos símbolos de devoção com os quais sua cidade estava coberta, e da qual todos os escritores gregos, assim como o apóstolo, deduziram a religiosidade exemplar dos atenienses. [JFB]

23 Porque enquanto eu passava pela cidade e via vossos santuários, achei também um altar, em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Este a quem vós prestais devoção sem conhecer, este é o que eu vos anuncio;

DEUS DESCONHECIDO – erigido, provavelmente, para comemorar alguma interposição divina, que eles foram incapazes de atribuir a qualquer divindade conhecida. Que havia tais altares, escritores gregos atestam; e sobre isto o apóstolo habilmente prende no início, como o texto de seu discurso, tomando-o como evidência daquela obscuridade da concepção religiosa que, em virtude de sua melhor luz, ele estava preparado para se dissipar.

eu vos anuncio – Este não é como nenhum dos seus outros discursos, exceto para os idólatras da Licaônia (At 14:15-17). Seu tema não é, como nas sinagogas, o messianismo de Jesus, mas O DEUS VIVO, em oposição ao politeísmo materialista e panteísta da Grécia, que subverteu toda a religião verdadeira. Ele também não vem com especulações sobre este profundo assunto – do qual eles já tiveram o suficiente dos outros – mas um “anúncio” autoritário dAquele a quem eles estavam tateando não dando a Ele qualquer nome, no entanto, nem mesmo nomeando o próprio Salvador e desdobrando o verdadeiro caráter de ambos, eles estavam capazes de recebê-lo. [JFB]

24 O Deus que fez o mundo, e todas as coisas que nele ; este, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em tempos feitos por mãos.

nele – Os filósofos mais profundos da Grécia foram incapazes de conceber qualquer distinção real entre Deus e o universo. A escuridão espessa, portanto, exigia descansar em todas as suas concepções religiosas. Para dissipar isso, o apóstolo expõe com uma declaração aguda do fato da criação como o princípio central de toda religião verdadeira – não menos necessária agora, contra o idealismo transcendental de nossos dias.

Senhor – ou Soberano.

do céu e da terra – mantendo em livre e absoluta sujeição todas as obras de Suas mãos; presidindo em solene realeza sobre eles, bem como permeando todos eles como o princípio de seu ser. Quão diferente isto é da Força cega ou Destino, ao qual todas as criaturas eram consideradas como escravas!

não habita em tempos feitos por mãos – Este pensamento, tão familiar aos ouvidos judeus (1Rs 8:27; Is 66:1,2; At 7:48), e tão elementar para os cristãos, serviria apenas para definir mais nitidamente para seu público pagão a espiritualidade daquele Deus vivo e pessoal, a quem ele “anunciou” a eles. [JFB]

25 E nem também é servido por mãos humanas; como que necessitasse de alguma coisa; porque ele é que dá a todos vida, respiração, e todas as coisas;

mãos humanas; como que necessitasse de alguma coisa – Um pensamento que nos é familiar, mesmo desde os primeiros tempos do Antigo Testamento (Jó 35:6,8; Sl 16:2,3; Sl 50:12-14; Is 40: 4-18), inundaria de luz sobre qualquer mente pagã sincera que o ouvisse.

é que dá a todos vida, respiração, e todas as coisas – O Doador de tudo não pode certamente ser dependente de qualquer coisa dos que recebem tudo (1Cr 29:14). Este é o ponto culminante de um teísmo puro. [JFB]

26 E de um sangue ele fez toda nação humana, para habitarem sobre a face da terra, determinando os tempos desde antes ordenados, e o limites da morada deles;

E de um sangue ele fez toda nação humana, para habitarem sobre a face da terra – Amarrando com o ensino do Antigo Testamento, que no sangue é a vida (Gn 9:4; Lv 17:11; Dt 12:23) , o apóstolo vê este fluxo de vida de toda a raça humana para ser um, fluindo de uma fonte (Baumgarten).

determinando os tempos desde antes ordenados, e o limites da morada deles – O apóstolo aqui se opõe tanto ao Destino Estóico como ao Acaso Epicurista, atribuindo os períodos e localidades em que homens e nações florescem à soberana vontade e pré-arranjos de um Deus vivo. [JFB]

27 Para que buscassem ao Senhor, se talvez pudessem apalpá-lo e encontrá-lo, apesar dele não estar longe de cada um de nós.

Para que buscassem ao Senhor – Esse é o ponto alto de todos esses arranjos de Poder Divino, Sabedoria e Amor.

se talvez pudessem apalpá-lo – como homens tateando no escuro.

e encontrá-lo – a imagem viva da atmosfera sombria de religião natural.

apesar dele não estar longe de cada um de nós – A dificuldade de encontrar Deus fora do alcance da religião revelada não está em Sua distância de nós, mas em nossa distância Dele através do efeito ofuscante do pecado. [JFB]

28 Porque nele vivemos, e nos movemos, e somos; assim como também alguns de vossos poetas disseram; porque também nós somos descendência dele.

Porque nele vivemos, e nos movemos, e somos – Isto não apenas significa: “Sem Ele não temos vida, nem aquele movimento que toda natureza inanimada exibe, nem mesmo a própria existência” (H.A.W. Meyer), mas que Deus é o princípio vivo e imanente de todos estes em homens.

como também alguns de vossos poetas disseram; porque também nós somos descendência dele – a citação vem, palavra por palavra, de um poema de Arato, um compatriota grego do apóstolo, e seu antecessor de três séculos antes. Mas, como ele sugere, o mesmo sentimento pode ser encontrado em outros poetas gregos. Eles queriam dizer isso sem dúvida em um sentido panteísta; mas a verdade que expressa o apóstolo se volta para seu próprio propósito – ensinar um Teísmo espiritual puro e pessoal. (Provavelmente durante seu retiro em Tarso (At 9:30), entendendo sua especial vocação aos gentios, ele se entregou ao estudo de literaturas gregas que poderiam ser transformadas em relato cristão em seu futuro trabalho. Daí esta e suas outras citações dos poetas gregos, 1Co 15:33; Tt 1:12). [JFB]

29 Sendo então descendência de Deus, nós não devemos pensar que a divindade seja semelhante a ouro, ou a prata, ou a pedra esculpida por artifício e imaginação humana.

Sendo então descendência de Deus, nós não devemos pensar – A cortesia desta linguagem é digna de nota.

que a divindade seja semelhante a ouro, ou a prata, ou a pedra esculpida por artifício e imaginação humana – Dificilmente se pode duvidar que o apóstolo apontaria para aqueles monumentos incomparáveis ​​da arte plástica, em ouro e prata e a pedra mais cara, que jazia profusamente abaixo e ao redor dele. Os gregos pagãos, mais inteligentes, não mais fingiam que esses deuses e deusas esculpidos eram divindades reais, ou mesmo suas semelhanças reais, do que os cristãos romanos fazem suas imagens; e Paulo, sem dúvida, sabia disso; mas aqui o encontramos condenando todos esses esforços visivelmente para representar o Deus invisível. Quão vergonhosamente indesculpáveis, então, são as igrejas gregas e romanas em paganizar a adoração da Igreja Cristã pelo encorajamento de imagens e imagens no serviço religioso! (No oitavo século, o segundo concílio de Nicéia decretou que a imagem de Deus era um objeto de adoração tão apropriado quanto o próprio Deus). [JFB]

30 Portanto Deus, tendo desconsiderado os tempos da vossa ignorância, agora anuncia a todos as pessoas, em todo lugar, para que se arrependam.

Portanto Deus, tendo desconsiderado os tempos da vossa ignorância – sem interpor para puni-los, do contrário sofrendo a tendência degradante de tal adoração se desenvolver (compare At 14:16 e veja em Rm 1:24, etc.).

agora – que uma nova luz foi posta sobre o mundo.

a todos as pessoas, em todo lugar, para que se arrependam – (compare Cl 1:6,23; Tt 1:11) – uma alusão aos estreitos limites do judaísmo, dentro do qual o arrependimento imediato e completo foi sempre instigado. A palavra “arrependimento” é aqui usada (como em Lc 13:3,5; Lc 15:10) em seu sentido mais abrangente de “arrependimento para a vida”. [JFB]

31 Porque ele tem estabelecido um dia em que ele julgará ao mundo em justiça por meio do homem a quem determinou; dando certeza a todos, tendo o ressuscitado dos mortos.

porque ele tem estabelecido um dia em que ele julgará ao mundo – Tal linguagem, sem dúvida, ensina que o julgamento será, em sua essência, um solene veredito judicial realizado de uma só vez sobre toda a humanidade. “Isso é apropriadamente dito no Areópago, a sede do julgamento” (J.A. Bengel).

por meio do homem a quem determinou – compare Jo 5:22-23,27; At 10:42.

dando certeza a todos, tendo o ressuscitado dos mortos – a mais óbvia evidência para a humanidade em geral da autoridade judicial com a qual o Ressuscitado está vestido. [JFB]

32 E ao ouvirem da ressurreição dos mortos, alguns zombavam; e outros diziam: Nós ouviremos sobre isto de ti na próxima vez.

E ao ouvirem da ressurreição dos mortos, alguns zombavam – Como a religião grega era apenas a glorificação da vida presente, pelo culto de todas as suas formas mais belas, a Ressurreição, que pressupõe a vaidade da vida presente, e é nada além da vida fora da morte de tudo que o pecado arruinou, não poderia ter charme para o verdadeiro grego. Deu o golpe mortal em suas mais fundamentais e estimadas ideias.

outros diziam: Nós ouviremos sobre isto de ti na próxima vez“um cumprimento inútil a Paulo e um ópio às suas consciências, como nos encontramos com frequência nos nossos dias. Eles provavelmente, como Félix, temiam ouvir mais, para que não fossem constrangidos a acreditar em verdades indesejáveis” (At 24:25; compare com Mt 13:15) (Webster e Wilkinson). [JFB]

33 E assim Paulo saiu do meio deles.

Não há certeza se ele não quis continuar o discurso por causa da interrupção ou ele reservou o restante para expor aos ouvintes mais sinceros. O que se sabe é que este discurso não deve ser julgado como completo.

34 Porém, tendo chegado alguns homens até ele, creram; entre os quais estava também Dionísio o areopagita, e uma mulher de nome Dâmaris, e outros com eles.

Porém, tendo chegado alguns homens até ele – Em vez de zombar ou polidamente renunciar ao assunto, tendo escutado ansiosamente, eles se juntaram ao apóstolo para serem mais instruídos; e assim eles “creram”.

Dionísio o areopagita – um membro desse tribunal. A tradição antiga diz que ele foi colocado pelo apóstolo sobre um pequeno grupo de pessoas em Atenas. “Certamente o número de convertidos ali e de homens aptos para o ofício na Igreja não era tão grande que pudesse haver muita escolha” (Hermann Olshausen).

uma mulher de nome Dâmaris – certamente não é uma das ouvintes do apóstolo no Areópago, mas recebeu a fé antes ou depois. Nada mais se sabe dela. De qualquer outro trabalho do apóstolo em Atenas, e por quanto tempo ele permaneceu, não somos informados. Certamente ele não foi levado embora. Mas “é um sério e instrutivo  fato que as populações mercantis de Tessalônica e Corinto receberam a mensagem de Deus com maior prontidão do que os altamente instruídos e polidos atenienses. Duas cartas aos tessalonicenses e duas aos coríntios permanecem para atestar o estado florescente dessas igrejas. Mas não possuímos nenhuma carta escrita por Paulo aos atenienses; e não lemos que ele esteve em Atenas novamente” (J. S. Howson). [JFB]

<Atos 16 Atos 18>

Introdução à Atos 17

Em Tessalônica, o sucesso da pregação de Paulo pondo em perigo sua vida, ele é enviado à noite para Beréia, onde sua mensagem encontra aceitação iluminada – Um movimento hostil de Tessalônica ocasiona sua súbita partida de Beréia – Ele chega a Atenas.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.