Lucas 8

1 E aconteceu depois disso, que Jesus andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e com ele os doze,

Comentário do Púlpito

E aconteceu depois. Lucas nota aqui uma alteração no modo de vida do Mestre. Desse tempo em diante, Jesus deixou de fazer de Cafarnaum “sua cidade”, sua residência habitual; ele agora viaja com seu pequeno grupo de seguidores de um lugar para outro. A partir dessa época, também houve uma mudança distinta no tom de seu ensino. A palavra grega traduzida como “depois” é a mesma que foi traduzida como “na ordem” em Lucas 1:3.

anunciando o evangelho do reino de Deus. A obra pública de Jesus pode ser bem organizada sob três pontos:seu trabalho como Mestre, como Evangelista e como Profeta. O primeiro tinha uma relação especial com seus próprios seguidores imediatos, tanto mulheres quanto homens. No segundo, como o Pregador da graça, misericórdia e amor de Deus, ele se dirigiu peculiarmente à população em geral; – este foi o lado especial da obra do Senhor que. Luke gostava de ficar pensando; é a isso que ele alude aqui. No terceiro, como Profeta, o Mestre falou geralmente a uma geração perversa e especialmente aos líderes políticos e religiosos da sociedade judaica de sua época. [Pulpit, aguardando revisão]

2 e algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades:Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios;

Comentário de David Brown

curadas… – em quem Ele tinha a dupla alegação de ter trazido cura para seus corpos e nova vida para suas almas. Atraídos a Ele por uma atração mais que magnética, eles O acompanham neste tour como Seus almoners – ministrando a Ele sua substância. Salvador abençoado! Isso nos derrete para ver você vivendo do amor de Teu povo resgatado. Que eles te trazem as suas pobres ofertas, não nos perguntamos. Tu lhes espalhaste as coisas espirituais, e eles pensam que, bem como devem, uma coisa pequena que Tu deves colher as suas coisas materiais (1Coríntios 9:11). Mas tu o tens nas mãos deles e subsiste sobre ele? “Oh, a profundidade das riquezas” (Romanos 11:33) – desta pobreza Dele!
Maria Madalena – isto é, provavelmente, de Magdala (em Mateus 15:39; veja Marcos 8:10).

foi – em vez disso, “tinha ido embora”.

sete demônios – (Marcos 16:9). É um grande erro para essa mulher honrada identificá-la com a outrora perdulária mulher de Lucas 7:37, e chamar a todos esses penitentes Madalenas. O erro surgiu de confundir possessão demoníaca infeliz com o entretenimento consciente da impureza diabólica, ou supondo que alguém tenha sido afligido como punição pelo outro – para o qual não há o menor fundamento bíblico. [JFB, aguardando revisão]

3 e Joana, a mulher de Cuza, mordomo de Herodes; e Susana, e muitas outras, que os serviam com seus bens.

Comentário de David Brown

Joana, a mulher de Cuza, mordomo de Herodes – Se o mordomo de um infeliz sem Deus, cruel e licencioso como Herodes Antipas (ver em Marcos 6:14 etc.) diferisse muito de si mesmo, seu posto não seria fácil ou invejável. Que ele era um discípulo de Cristo é muito improvável, embora ele possa estar favoravelmente disposto a Ele. Mas o que não sabemos sobre ele e podemos temer que ele não tenha, temos certeza de que sua esposa possuía. Curada de “espíritos malignos” ou de alguma das “enfermidades” aqui referidas – as doenças comuns da humanidade – ela se une à linha de seguidores gratos e apegados do Salvador. Deuteronômio “Susanna”, mencionado em seguida, não sabemos nada além do nome, e isso aqui apenas. Mas seus serviços nesta ocasião memorável imortalizaram seu nome. “Onde quer que este evangelho seja pregado em todo o mundo, também o que ela fez”, no ministério ao Senhor de seus bens em sua viagem na Galileia, “será considerado como um memorial dela” (Marcos 14:9).

muitas outras – isto é, muitas outras mulheres curadas. Que trem! e todos ministrando a Ele suas substâncias, e permitindo-lhes fazê-lo e subsistir sobre ele! “Aquele que era o suporte da vida espiritual de Seu povo, desdenhava não ser apoiado por eles no corpo. Ele não estava envergonhado de penetrar tão profundamente nas profundezas da pobreza a ponto de viver da esmola do amor. Ele só alimentou outros milagrosamente; para Si mesmo, Ele viveu sobre o amor do Seu povo. Ele deu todas as coisas aos homens, Seus irmãos, e recebeu todas as coisas deles, aproveitando assim a bênção pura do amor:que então é apenas perfeita quando é ao mesmo tempo dar e receber. Quem poderia inventar coisas como essas? Era necessário viver dessa maneira para que pudesse ser gravado ”(Olshausen). [JFB, aguardando revisão]

4 E quando se ajuntou uma multidão, e vindo a ele de todas as cidades, disse por parábola:

Comentário Cambridge

quando se ajuntou uma multidão; Em vez disso, estavam vindo juntos. Nosso Senhor, embora pronto em todos os momentos para proferir as verdades mais preciosas, mesmo para um ouvinte solitário e desprezado, ainda assim repartiu sabiamente os fins aos meios, e escolheu a reunião de uma grande multidão por ocasião de uma nova partida em Seu estilo de ensino.

e vindo a ele de todas as cidades. Em vez disso, e (uma multidão) daqueles em todas as cidades recorrendo a ele. Uma comparação desta parábola e os detalhes a respeito de sua entrega, conforme preservado em cada um dos Sinópticos (Mateus 13:2-13; Marcos 4:1-20), deve por si só ser decisiva quanto ao fato de que os três evangelistas não usam as narrativas uns dos outros e não se baseiam na mesma fonte escrita, como o suposto Proto-Marcus dos teóricos alemães. As fontes orais ou escritas que consultaram parecem ter sido mais fielmente fiéis em todos os aspectos essenciais, mas diferem nos mínimos detalhes e expressões como todas as narrativas. Em Mateus (Mateus 13:1), aprendemos que Jesus tinha acabado de deixar “a casa”, talvez a de Pedro em Cafarnaum; e, portanto, o lugar que Ele escolheu para sua primeira parábola foi provavelmente a faixa de areia dura e brilhante na margem do lago em Betsaida. Tanto Mateus quanto Marcos nos dizem que (sem dúvida, como em outras ocasiões, para evitar a pressão da multidão) ele subiu em um dos barcos à beira do lago e pregou de lá.

por parábola. Lucas aqui relata apenas a parábola do semeador e sua interpretação. Marcos acrescenta o da semente crescendo secretamente (Marcos 4:26-29), e o do grão de mostarda (30-32; Lucas 13:18-21). São Mateus (Mateus 13:24-53) apresenta seu memorável grupo de sete parábolas:o semeador, o joio, a semente de mostarda, o fermento, o tesouro escondido, a pérola e a rede de arrasto. Sem dúvida, isso se deve ao agrupamento subjetivo. Nosso Senhor não confundiu e distraiu com a mera multiplicidade de ensinamentos, mas ensinou “conforme eles podiam ouvir” (Marcos 4:33). ‘Parábola’ é derivada de parábola ‘Eu coloco ao lado’ a fim de comparar.

Uma parábola é uma exibição pictórica ou narrativa de alguma verdade espiritual ou moral, por meio de elementos de comparação reais e não fantasiosos.

Difere de uma fábula por mover-se apenas dentro dos limites do possível e por visar a ilustração de verdades mais profundas; de um símile em seu desenvolvimento mais completo e frequentemente dramático, como também em seu objeto; de uma alegoria por não ser idêntica à verdade ilustrada. Os objetos morais que nosso Senhor tinha em vista são explicados abaixo (Lucas 8:10), mas podemos notar aqui a superioridade inacessível das parábolas de nosso Senhor sobre as de todos os outros professores. As parábolas são encontradas espalhadas por toda a literatura do mundo. Eles abundam em poemas e livros sagrados de religiões posteriores (Sir 1:25, “As parábolas do conhecimento estão nos tesouros da sabedoria”) e foram frequentemente adotados em dias posteriores. Mas “nunca o homem falou como este homem”, e nenhuma parábola jamais tocou o coração e a consciência da humanidade em todas as épocas e países como os de Cristo. “Ele os ensinou por parábolas sob as quais se ocultavam sentidos misteriosos, que brilhavam através de seu véu, como um sol forte através de um olho fechado com uma pálpebra fina.” Jer. Taylor. Para parábolas do Antigo Testamento, veja 2Samuel 12:1-7; Eclesiastes 9:14-16; Isaías 28:23-29. São Lucas é especialmente rico em parábolas. A palavra “parábola” às vezes representa o hebraico mashal “um provérbio” (Lucas 4:23; 1Samuel 10:12; 1Samuel 24:13); às vezes para uma profecia rítmica (Números 23:7) ou ditado sombrio (Salmo 78:2; Provérbios 1:6); e às vezes para uma comparação (Marcos 13:28). [Cambridge, aguardando revisão]

5 Saiu um semeador a semear sua semente; e quando semeava, caiu uma parte junto ao caminho, e foi pisada, e as aves do céu a comeram.

Comentário do Púlpito

Saiu um semeador a semear sua semente. As palavras do Mestre, nos dias posteriores, muitas vezes devem ter chegado ao conhecimento dos discípulos. Eles sentiriam que em cada um deles, se fossem fiéis ao seu trabalho, o “semeador” da parábola seria reproduzido; eles se lembrariam do que ouviram de seus lábios; como ele os havia alertado sobre a recepção que suas palavras certamente teriam; como, de longe, a maior proporção da semente que eles semeariam pereceria. Mas embora os discípulos e todos os verdadeiros homens cristãos em maior ou menor grau reproduzam o semeador da parábola, ainda assim o grande Semeador, deve ser lembrado, é o Espírito Santo. Todo verdadeiro mestre ou semeador da Palavra apenas repete o que aprenderam com ele.

e quando semeava, caiu uma parte junto ao caminho. Dean Stanley, no cenário da parábola, escreve assim:”Há algo no local que sugira as imagens assim transmitidas? Então perguntei enquanto cavalgava ao longo do trato sob a encosta, pela qual se aproxima a Planície de Genesaré. Então Eu perguntei no momento, não vendo nada além das encostas íngremes da colina, alternadamente de pedra e grama. E quando pensei na parábola do semeador, respondi que aqui pelo menos não havia nada em que o ensinamento Divino pudesse se firmar; deve ter sido os campos de milho distantes de Samaria ou Esdraelon em que sua mente estava morando. O pensamento mal me ocorreu quando um ligeiro recesso na encosta, perto da planície, apareceu de uma vez, em detalhes, e com uma conjunção que não me lembro em nenhum outro lugar na Palestina, todas as características da grande parábola. Havia o campo de milho ondulante descendo até a beira da água; havia o caminho pisado que corria no meio dele, sem cerca ou sebe para impedir a semente de caindo aqui e ali em qualquer lado dele, ou sobre ele; endurece-se com os constantes passos de cavalos, mulas e pés humanos ”(‘Sinai e Palestina,’ cap. 13). [Pulpit, aguardando revisão]

6 E outra parte caiu sobre a pedra; e nascida, secou-se, porque não tinha umidade.

Comentário Ellicott

sobre a pedra. Observe aqui também o uso de uma palavra mais precisa do que “solo pedregoso (ou rochoso)” dos outros dois relatórios, e a declaração de que secou “porque faltou umidade”. Obviamente, isso tem sua força na interpretação espiritual da parábola, a “umidade” sendo o orvalho e a chuva da graça de Deus, sem os quais a semente não poderia lançar suas raízes. Isso representa um aspecto do que estava faltando, como “não ter profundidade de terra” representa outro. [Ellicott, aguardando revisão]

7 E outra parte caiu entre espinhos, e nascendo com ela, os espinhos a sufocaram.

Comentário Cambridge

espinhos. Em solos ricos e vales quentes como Genesaré, o crescimento de ervas daninhas e espinhos é tão rápido e abundante quanto o de uma boa semente. No verão e no outono, há partes da planície que são bastante impermeáveis à floresta de cardos gigantescos que as cobre – “tão altas e tão densas que nenhum cavalo consegue passar” (Porter). Era natural que esta circunstância sugerisse várias ilustrações de Cristo. [Cambridge, aguardando revisão]

8 E outra parte caiu em boa terra, e nascida, produziu fruto a cem por um. Depois que disse coisas, exclamava:Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Comentário do Púlpito

produziu fruto a cem por um. Isso não é de forma alguma um aumento inédito, mesmo no Ocidente, onde a vegetação é menos produtiva. Heródoto, citado por Trench, menciona que duzentos vezes mais era um retorno comum na planície da Babilônia, e às vezes trezentas vezes; e Niebuhr menciona uma espécie de milho que retorna quatrocentas vezes. Sobre a maravilhosa produção de frutos que ocorreria nos dias do futuro reino do Senhor na terra, Irineu faz uma citação de Papias, que a deu por autoridade daqueles que ouviram João falar do ensino do Senhor para esse efeito. O professor Westcott pensa que a tradição foi baseada nos discursos reais do Senhor. É, claro, alegórico, pois não é uma memória cf. uma conversa entre Jesus e seus discípulos decorrente dessa parábola do semeador? “O Senhor ensinou sobre aqueles dias (de seu futuro reino na terra) e disse:Dias virão em que as vinhas brotarão, cada uma tendo dez mil troncos, e em cada tronco dez mil ramos, e em cada galho dez mil brotos, e em cada broto dez mil cachos, e em cada cacho dez mil uvas, e cada uva quando prensada dará vinte e cinco medidas de vinho. E quando qualquer santo tiver agarrado um cacho, outro gritará, eu sou um melhor bando; tome-me; através de mim bendiga ao Senhor. Da mesma forma também (disse ele) que um grão de trigo produzirá dez mil espigas de milho, e cada grão dez libras de farinha pura e fina; e assim todos os outros frutos e sementes, e cada erva de acordo com sua própria natureza … E ele (Papias) acrescentou, dizendo:Agora, essas coisas são credíveis para aqueles que crêem. E quando Judas, o traidor, não creu, e perguntou – Como, então, tais produções procedem de o Senhor? o Senhor disse:Eles verão quem vem naqueles tempos “(Papias). [Pulpit, aguardando revisão]

9 E os seus discípulos lhe perguntaram:Que parábola é esta?

Comentário do Púlpito

Esta é a única parábola que Lucas dá, como diz nosso Senhor neste lugar. Mateus – que dá o detalhe adicional de que, por causa da pressão da multidão na margem do lago, foi proferida a partir de um barco ancorado perto da margem – relaciona sete parábolas aqui em seqüência. É provável que o Mestre tenha falado algumas delas pelo menos nesta ocasião, mas Lucas, possivelmente por causa de sua extrema solenidade, possivelmente porque desejava marcar esta parábola como a primeira deste novo tipo de ensinamento, relaciona-a e sua interpretação apenas, não dizendo nada mais respeitando o ensinamento da parábola daquele dia. É muito provável que todos estes discursos, parábolas, exposições ou sermões relatados, sejam simplesmente um resumo das palavras originais. Os discípulos evidentemente por sua pergunta – que Marcos nos diz ter sido colocada a Jesus quando estavam sozinhos com ele – ficaram surpresos e perplexos, primeiro com a estranha mudança que aquele dia memorável inaugurou no método de ensino de seu Mestre e, segundo, com o caráter peculiar desta sua primeira grande parábola-lição. Foi, de fato, um anúncio sombrio e deprimente, seja qual for a forma como foi visto – sombrio como um quadro dos resultados de seu próprio ministério passado, deprimente se considerado como uma profecia de seu sucesso futuro como mestres. [Pulpit, aguardando revisão]

10 Ele disse:A vós é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; mas aos outros por parábolas, para que vendo, não vejam; e ouvindo, não entendam.

Comentário do Púlpito

Em Mateus, temos a resposta do Senhor dada com mais detalhes; a mesma profecia de Isaías que aqui forma a base do relato de Lucas sobre a resposta de Jesus é dada na íntegra. São Marcos tece as palavras de Isaías na resposta do Mestre. O pensamento, no entanto, em cada um dos três relatos é exatamente o mesmo. O modo de ensino da parábola foi adotado por Jesus que, como leitor de corações, estava ciente agora, por triste experiência e ainda mais triste presciência, que suas gloriosas notícias repeliam mais do que atraíam o ouvinte comum. Eles não queriam ser perturbados por suas esperanças, amores e medos terrenos. Eles preferiram não ser curados como Deus os curaria. O Mestre então falou suas parábolas com a intenção de ocultar sua história divina dos descuidados e indiferentes. Estes, ele sabia, seriam em sua maior parte repelidos por tal ensino, ao passo que atrairia especialmente o inquiridor sincero. “O véu que (a parábola) lança sobre a verdade torna-se transparente para a mente atenta, enquanto permanece impenetrável para os descuidados” (Godet). Portanto, era seu desejo deliberado que tais ouvintes não vissem nem entendessem. O Dr. Morrison coloca bem e claramente o pensamento do Senhor aqui:”É o desejo profundamente arraigado do pecador de que ele não veja e entenda, e a triste explicação desse desejo é dada por Marcos – o pecador tem medo de ser prevaleceu para voltar. Para que a qualquer momento não se convertessem (Marcos 4:12). ” [Pulpit, aguardando revisão]

11 Esta é, pois, a parábola:a semente é a palavra de Deus.

Comentário do Púlpito

a semente é a palavra de Deus. Foi sua própria triste experiência que o Mestre estava relatando. A imagem também era de coisas que já haviam acontecido no caso de muitos de seus verdadeiros servos, os profetas. Ele refletia, também, os muitos fracassos futuros e os poucos sucessos futuros dos discípulos ouvintes; advertiu-os para não se iludirem pelas aparências, não se desencorajarem pelo fracasso aparente. A Palavra, é claro, em primeira instância é seu próprio ensino; compreende, entretanto, qualquer pregação ou ensino, seja de profeta do passado ou ministro do futuro, que tente copiar fielmente o seu próprio. [Pulpit, aguardando revisão]

12 Os que estão junto ao caminho são os que ouviram; depois vem o diabo, e tira-lhes do coração a palavra, para que não creiam nem se salvem.

Comentário Cambridge

Os que estão junto ao caminho. Esses são ouvintes que são endurecidos – ou espancados (i) pela familiaridade sem vida – formalistas sem coração, teólogos farisaicos e professores falsos; ou (ii) por perversidade e indiferença, o hábito e costume de uma vida mundana e dissoluta. Observe a intensidade do pensamento que identifica as sementes espalhadas com aqueles em cujos corações foram semeadas. “O caminho é o coração batido e seco pela passagem dos maus pensamentos.” H. de S. Victore.

o diabo. O Acusador ou Caluniador. Marcos tem “o maligno”, Mateus, “Satanás”.

tira-lhes. “Arrebatamentos”, Mateus 13:19. – É feito em um momento; por um sorriso no final do sermão; por uma crítica tola na porta da Igreja; por fofocas tolas no caminho para casa. Estas são “as aves do céu” que o Maligno usa nesta tarefa.

para que não creiam. “Portanto, devemos dar a maior atenção às coisas que temos ouvido, para que em nenhum momento as deixemos escapar”, ou melhor, “nos afastar delas”, Hebreus 2:1. [Cambridge, aguardando revisão]

13 E os que estão sobre a pedra são os que, quando ouvem, recebem a palavra com alegria, mas esses não têm raiz, pois creem por algum tempo, mas no tempo da tentação se desviam.

Comentário Cambridge

E os que estão sobre a pedra. Ouvintes superficiais e impulsivos, cujo entusiasmo é quente e passageiro como uma chama na palha.

com alegria. “No entanto, eles me procuram diariamente e se deleitam em conhecer os meus caminhos”, Isaías 58:2. “Tu és para eles o cântico muito amável de quem tem voz agradável … porque ouvem as tuas palavras, mas não as cumprem”, Ezequiel 33:32. Herodes “ouviu João com alegria”, Marcos 6:20.

mas no tempo da tentação. Tentação em qualquer forma de “aflição ou perseguição” (Matt., Mc.) Que testa a natureza moral.

se desviam. Literalmente, “ficar indiferente” apostatar “imediatamente, eles ficam ofendidos”, Matt., Mc. Veja um exemplo notável disso em João 6:66. [Cambridge, aguardando revisão]

14 E o que caiu entre espinhos são os que ouviram, e indo, sufocam-se com as preocupações, e riquezas, e prazeres da vida, e não produzem bom fruto.

Comentário do Púlpito

Há algo muito triste nisso, a classe de crentes sufocada por espinhos. Cada um deles representa a vie manquee; a bela flor estragou quando estava explodindo em plena floração. Estes ouvem a Palavra e, ouvindo-a, apreendem seu profundo significado solene e, durante uma parte de cada dia, honestamente tentam viver a vida que aquela Palavra Divina lhes atribui. Mas com estes existe outra vida; lado a lado com o grão dourado cresceu uma safra de espinhos que, a menos que destruída a tempo, sufocará e estragará totalmente, como, infelizmente, freqüentemente acontece, o verdadeiro milho. Esses homens e mulheres, os indecisos de São Tiago, procuram servir a dois senhores – Deus e o mundo. O Dr. Morrison fez uma boa nota sobre a passagem paralela em Marcos, onde, depois de sugerir que os cuidados, as riquezas e os prazeres desta vida em nosso tempo são coisas como casas, terras, obras de arte e virtu, postagens de honra, alegria de vestimentas, grandeza de entretenimentos e, em geral, os inúmeros aparelhos de luxo, ele continua dizendo:”Estes vêm mais ou menos sobre todos os homens, mas alguns homens se colocam peculiarmente abertos à sua influência e permitem-lhes para se enroscar e se torcer como as serpentes de Laocoonte em torno de cada energia e suscetibilidade de seu ser. ” O jovem governante rico a quem Jesus amava é um bom exemplo desse personagem não incomum, que talvez seja encontrado com mais frequência entre os mais cultos da sociedade do que entre os pobres e a classe dos artesãos. Deve ter havido muita coisa realmente bela e verdadeira naquele jovem, ou Jesus nunca o havia escolhido como alguém a quem ele amava especialmente, e ainda assim, em seu caso, os espinhos da riqueza e do luxo se entrelaçaram tanto com o milho verdadeiro que , pelo que sabemos, nunca trouxe frutos à perfeição. Ananias e Safira também podem ser exemplificados. Eles haviam desistido de muito por causa do Nome, associado a uma seita odiada e perseguida, sacrificado uma grande parte de suas propriedades para ajudar os pobres do rebanho, e mesmo assim esses aparentemente devotados viviam uma vida dupla; os espinhos haviam crescido tanto e se enroscado ao redor do grão que em seu campo nada amadurecia. [Pulpit, aguardando revisão]

15 E o que caiu em boa terra, estes são os que, ouvindo a palavra, conservam-na num coração honesto e bom, e dão fruto que permanece.

Comentário do Púlpito

Neste retrato da quarta classe do grande quadro da vida de nosso Senhor de ouvintes e questionadores sobre religião, as palavras gregas traduzidas na Versão Autorizada “honesto” e “bom” (“em um coração honesto e bom”) eram palavras bem conhecido e em uso familiar entre os povos de língua grega amplamente difundidos para os quais especialmente o Evangelho de Lucas foi compilado. O professor Bruce observa que “o homem que unia as duas qualidades expressas pelo termo ‘honesto’ (melhor traduzido como ‘nobre’) e ‘bom’ representava o belo ideal da masculinidade. Ele era aquele cujo objetivo era nobre, e que era generosamente devotado ao seu objetivo. A expressão traduzida como “honesto” (melhor traduzida como “nobre”, καλός) faz referência a objetivos ou fins principais e descreve alguém cuja mente está elevada acima da vulgaridade moral e é voltada, não para ganhar dinheiro e tais buscas baixas, mas na obtenção de sabedoria, santidade e retidão. O epíteto traduzido como ‘bom’ (ἀγαθός) denota abandono generoso na perseguição de fins elevados; generosidade, magnânima e transbordante devoção. ” Maria de Betânia, com seu amor devotado e sua amizade generosa; o centurião Cornelius, com sua fervorosa devoção e sua nobre generosidade para com uma raça desprezada e odiada; Barnabé, com sua esplêndida liberalidade, sua total ausência de cuidado consigo mesmo, sua brilhante e amorosa confiança na natureza humana, sua verdadeira caridade, “suportando todas as coisas, esperando todas as coisas”; – são bons exemplos, vindos de diferentes sexos e de várias raças, e de diversos caminhos da vida, destes verdadeiros inquiridores, que não só ouvem a Palavra, mas a guardam. [Pulpit, aguardando revisão]

16 E ninguém, quando acende uma lâmpada, cobre-a com algum vaso, ou a põe debaixo da cama; em vez disso põe na luminária, para que os que entram vejam a luz.

Comentário Cambridge

com algum vaso. Lucas usa essa palavra como mais inteligível para seus leitores gentios do que “alqueire”.

debaixo da cama. Em vez disso, debaixo de um sofá. Os antigos judeus não tinham nada parecido com nossa cama. Eles dormiam em divãs ou em esteiras estendidas no chão, como ainda acontece no Oriente. O melhor comentário sobre esse versículo é Mateus 5:14; Mateus 5:16, “Vós sois a luz do mundo …. Deixe sua luz brilhar diante dos homens, & c.” João Batista é comparado a “uma lâmpada acesa e brilhando”, e aqui os discípulos são comparados a ela. Cristo acendeu a chama em suas almas para ser um farol para todo o mundo.

põe na luminária. Em vez disso, coloque-o em um suporte de lâmpada. [Cambridge, aguardando revisão]

17 Porque não há coisa oculta que não venha a se manifestar; nem coisa escondida que não venha a ser conhecida, e chegada à luz.

Comentário do Púlpito

“Tudo se tornará claro para eles. Enquanto a noite se adensa sobre Israel por causa de sua incredulidade, os discípulos avançarão para uma luz ainda mais plena, até que não haja mais nada no plano de Deus que seja obscuro ou oculto. O coração de Jesus é elevado a essa perspectiva. Isso explica o ritmo poético que sempre aparece nesses momentos “(Godet). Isso é muito bom, mas Godet mal vai longe o suficiente. As palavras do Mestre certamente prometem que, à medida que as eras avançam, cada vez mais luz sobre o assunto do trato de Deus com os homens será concedida ao humilde e paciente pesquisador da sabedoria Divina. Este apotegma parece ter sido um dos favoritos de nosso Senhor; ele evidentemente o usou em várias ocasiões (ver, por exemplo, Mateus 10:26, onde as mesmas palavras são ditas em uma conexão diferente). [Pulpit, aguardando revisão]

18 Portanto, prestai atenção a como ouvis; pois àquele que tiver lhe será dado; e àquele que não tiver, até o que lhe parece ter, dele será tirado.

Comentário de David Brown

como você – em Marcos 4:24, “o que você ouve”. Um implica o outro. O preceito é muito pesado.

parece ter – ou, “pensa que ele tem” (Margem). O “ter” de Mateus 13:12 (em que ver), e este “pensar que ele tem”, não são diferentes. Pendurando frouxamente nele, e não é apropriado, é e não é dele. [JFB, aguardando revisão]

19 E vieram a ele sua mãe e seus irmãos, mas não conseguiam chegar a ele por causa da multidão.

Comentário Cambridge

E vieram a ele sua mãe e seus irmãos. Nosso texto tem o plural; a leitura paregeneto (sing.) implicaria que Maria teve um papel especialmente proeminente no incidente. Joseph nunca é mencionado após a cena no Templo. Este incidente dificilmente pode ser o mesmo que aqueles em Marcos 3:31-35; Mateus 12:46-50, porque em ambos os casos o contexto é totalmente diferente. No entanto, Lucas pode ter extraviado este incidente, uma vez que aqui, como nos outros evangelistas, parentes de Jesus são representados como estando do lado de fora de uma casa cujas portas estavam densamente apinhadas; ao passo que a explicação da parábola foi dada em privado. É aqui apenas dito que eles desejavam vê-Lo; mas o fato de que vieram em um corpo parece mostrar que desejavam de alguma forma dirigir ou controlar Suas ações. O relato mais completo de seus motivos é encontrado em Marcos 3:21, onde somos informados de que eles desejavam “prendê-lo” ou “tomar posse de sua pessoa”, porque disseram “Ele está fora de si” – talvez ecoando os sentimentos que havia sido encorajado pelos fariseus. Devemos lembrar que Seus irmãos “não acreditavam Nele” (João 7:5), ou seja, sua crença Nele era apenas a crença de que ele era um Profeta que não realizou seu ideal messiânico. Foi necessária a Ressurreição para convertê-los.

seus irmãos. Tiago, José, Simão, Judas. Possivelmente (Mateus 12:50; Marcos 3:35) Suas irmãs também vieram. [Cambridge, aguardando revisão]

20 E foi-lhe anunciado, dizendo:'Tua mãe e teus irmãos estão fora, e querem te ver'.

Comentário Ellicott

E foi-lhe anunciado. . . – Melhor, de forma mais simples, foi o que Lhe disseram. Olhando para a maior extensão do relato de Marcos, podemos, talvez, inferir que este foi um dos fatos que Lucas aprendeu com Marcos quando se encontraram em Roma. [Ellicott, aguardando revisão]

21 Porém, ele lhes respondeu:'Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a praticam'.

Comentário Cambridge

são aqueles. A palavra implica “olhar em volta para os que estão sentados em círculo à sua volta” de Marcos 3:34, e “estender a mão aos discípulos” de Mateus 12:49. “Vós sois meus amigos, se fizerdes tudo o que eu vos mando”, João 15:14 (comp. Lucas 2:49; João 2:4; João 14:21; Hebreus 2:11). Seus parentes terrenos precisavam da lição de que deveriam reconhecer Nele um Ser que estava muito acima de todos os relacionamentos. [Cambridge, aguardando revisão]

22 E aconteceu, num daqueles dias, que Jesus entrou em um barco com seus discípulos, e disse-lhes:'Passemos para o outro lado do lago'. E partiram.

Comentário Cambridge

E aconteceu, num daqueles dias. De Marcos 4:35; Mateus 8:18, devemos inferir que este evento ocorreu na noite em que Ele começou a ensinar a multidão em parábolas, e que – atraídos pela beleza e novidade de Seu ensino, eles permaneceram ao Seu redor até que, em completo cansaço, Ele ansiava por escapar para a solidão isolada da margem oriental do lago. Possivelmente, a interferência de seus parentes pode ter adicionado o último toque ao cansaço e à emoção que imperativamente exigiam retiro e descanso.

em um barco. Mateus diz ‘o barco’, que geralmente esperava por Seus movimentos; muito provavelmente aquele que pertencera a Pedro. Antes de o barco partir, aprendemos que três aspirantes ao discipulado vieram a Ele, Mateus 8:19-22 (Lucas 9:57-62).

para o outro lado. O lado pereano do lago da Galiléia sempre foi relativamente desabitado, principalmente porque a escarpa de colinas áridas se aproxima a um quarto de milha da costa. Sua solidão contrastava ainda mais com o zumbido da vida lotada e agitada na planície de Genesaré.

do lago. Veja em Lucas 5:1. [Cambridge, aguardando revisão]

23 E enquanto navegavam, Jesus adormeceu; então desceu uma tempestade de vento no lago, e enchiam-se de água , e estavam em perigo.

Comentário de David Brown

enchiam-se – literalmente, “estavam ficando cheios”, isto é, aqueles que navegavam; o que significa que o navio deles era assim. [JFB, aguardando revisão]

24 Então se aproximaram dele e o despertaram, dizendo:'Mestre, Mestre, estamos perecendo!' E ele se levantou, repreendeu o vento e as ondas da água; e pararam, e fez-se bonança.

Comentário Cambridge

estamos perecendo. “Rabino, não te importas que estamos perecendo?” Marcos 4:38. O perigo era evidentemente iminente.

repreendeu o vento. falando ao vento e às ondas da água como se fossem poderes vivos (Salmo 106:9, “Ele também repreendeu o Mar Vermelho”), ou aos poderes malignos que podem ser concebidos para empunhá-los para o perigo da humanidade. Somente São Marcos preserva as duas palavras proferidas “Silêncio! acalme-se! ” o primeiro para silenciar o rugido, o segundo, o tumulto. São Mateus nos diz que Ele silenciosamente disse “Por que sois covardes, homens de pouca fé?” E então, depois de acalmar o tumulto de suas mentes, levantou-se e acalmou a tempestade. [Cambridge, aguardando revisão]

25 E disse-lhes:“Onde está a vossa fé?” Mas eles, temendo, admiravam-se, e diziam uns aos outros:'Quem é este, que manda até aos ventos, e à água, e lhe obedecem?'

Comentário Cambridge

Onde está a vossa fé? “Eles tinham um pouco de fé, mas não estava disponível.” Bengel.

Quem é este. O ara expressa a mesma surpresa e emoção transmitida pelos potapos, “que tipo de Ser”, de Mateus. Salmo 107:23-30. [Cambridge, aguardando revisão]

26 E navegaram para a terra dos gerasenos, que é do lado oposto à Galileia.

Comentário Cambridge

a terra dos gerasenos. Em todas as três narrativas, aqui, Mateus 8:28-34; Marcos 5:1-19, os manuscritos variam entre Gergesenes, Gadarenes e Gerasenes, e Tischendorf segue para o norte ao ler Gadarenes (por um erro clerical Gazarenes) em Mateus, Gerasenes em Marcos e Gergesenes aqui.

1. Gadara, cujas grandes ruínas são agora vistas em Um Keis, fica a três horas de distância do extremo sul do lago e é separada da cena do milagre pela profunda ravina íngreme do Hieromax (Jarmuk) . Gadarenes pode ser a leitura correta em São Mateus (א, B, C, M, A e MSS. Mencionados por Orígenes), mas, se assim for, fornece apenas o nome de todo o distrito. Gadara era essencialmente uma cidade grega e tinha dois anfiteatros, uma sociedade literária grega e as piores características da vida helênica.

2. Gerasenes pode ser a leitura correta em Marcos (א, B, D, & c.). Gerasa, agora Djerash, fica a 80 quilômetros do lago e quase na Arábia, mas era uma cidade importante e, como Gadara, pode ter sido usada como o nome de todo o distrito.

3. Gergesenes é quase certamente a leitura certa aqui (א, L, X).

Foi a leitura que, devido à distância de Gerasa e Gadara, Orígenes desejou introduzir em Mateus 8:28, sabendo que havia uma pequena cidade chamada Gergesa em Wady Semakh que também era conhecida por Eusébio e Jerônimo, e foi apontado como o cenário do milagre. No entanto, a leitura, “Gergesenes” de K, em Lucas, dificilmente poderia ter sido devido à mera conjectura de Orígenes na passagem paralela de São Mateus, pois é encontrada em outros unciais, na maioria dos cursivos, e no copta, etíope e outras versões. Gergesa, entretanto, nada tem a ver com os antigos girgaseus (Deuteronômio 7:1; Josué 24:11), que provavelmente estavam no oeste do Jordão. A questão quanto ao lugar pretendido como a cena do milagre (qualquer que seja a leitura adotada) pode ser considerada como tendo sido resolvida pela descoberta do Dr. Thomson de ruínas chamadas Kerzha (a corrupção natural de Gergesa) quase em frente a Cafarnaum. O nome desse pequeno lugar obscuro pode muito bem ter sido dado por Mateus, que conhecia a localidade, e por um investigador tão preciso como Lucas. A leitura pode ter sido alterada por copistas posteriores que conheceram os muito mais célebres Gadara e Gerasa. [Cambridge, aguardando revisão]

27 E quando ele desceu à terra, veio da cidade ao seu encontro um homem, que tinha demônios, e que havia muito tempo que não andava vestido, nem habitava em casa nenhuma, mas sim, nos sepulcros.

Comentário Cambridge

um homem. Ele era natural de Gergesa até o início de sua loucura. Mateus (como no caso de Bartimeu) menciona dois endemoninhados, mas a narrativa trata apenas de um. É claro que pode ter havido outro pairando na vizinhança. A variação em São Mateus é pelo menos uma prova valiosa da independência dos Evangelistas.

que tinha demônios. Os daimonia eram considerados pelos judeus não como demônios (isto é, anjos caídos), mas os espíritos de homens ímpios que estavam mortos (Jos. B. J. vii. 6, § 3). Veja em Lucas 4:33; Lucas 8:2.

havia muito tempo que não andava vestido. Em vez disso (com א, B), e por muito tempo não usava cloke. Ele pode ter estado nu, já que a tendência de despir a pessoa de todas as roupas é comum entre os loucos; aqui, porém, diz apenas que ele não usava himation. Ele pode ter usado o quíton ou a roupa de baixo. Maníacos nus e homicidas que vivem em cavernas e tumbas ainda podem ser vistos na Palestina. Warburton viu um em um cemitério lutando, em meio a gritos e uivos ferozes, com cães selvagens por osso. Crescente e Cruz, II. 352.

nos sepulcros. Isso era em parte uma necessidade, pois nos tempos antigos não existiam penitenciárias ou asilos, e um maníaco incontrolável, expulso das residências dos homens, não poderia encontrar outro abrigo. Isso agravaria seu frenesi, pois a solidão e o horror dessas tumbas rochosas escuras (vestígios das quais ainda podem ser vistos perto das ruínas de Kherza ou dos lados do Wady Semakh) foram intensificados pela crença predominante de que eram assombrados por shedim , ou ‘espíritos malignos’ – os fantasmas dos ímpios mortos (Nidda, f. 17 a, & c.). São Marcos dá (Lucas 5:4) uma imagem ainda mais gráfica da força e violência sobre-humanas desse homicida e horrível sofredor. [Cambridge, aguardando revisão]

28 Ele viu Jesus, então exclamou, prostrou-se diante dele, e disse com grande voz:'O que eu tenho contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-te que não me atormentes.'

Comentário do Púlpito

Ele viu Jesus, então exclamou, prostrou-se diante dele, e disse com grande voz:’O que eu tenho contigo, Jesus “A visão de Jesus parece ter produzido uma impressão extraordinária sobre ele. A majestade santa, calma e gentil, a terna compaixão e a soberania consciente que foram expressas no aspecto de nosso Senhor, despertadas nele, pela força do contraste, a consciência humilhante de seu próprio estado de desordem moral ”(Godet).

Filho do Deus Altíssimo. Parece haver alguma probabilidade de que essa expressão fosse freqüentemente usada em casos de exorcismo de espíritos malignos; pois novamente em Atos 16:17 a pobre escrava, que lemos tinha um espírito de pitonisa, que trouxe um grande ganho para seus senhores, fala de Paulo e seus amigos, pouco antes de o apóstolo em Nome de seu Mestre lançar o espírito fora, como servos do Deus Altíssimo.

Rogo-te que não me atormentes. Nessa forma de possessão, uma característica notável e muito terrível parece ter sido a consciência dividida; o sofredor se identifica com os demônios, ora um fala, ora o outro. Mateus acrescenta um detalhe terrível a esta petição ao Senhor, “antes do tempo”:os espíritos malignos reconhecendo assim um período em que certo tormento seria seu infeliz destino. A expressão “tormento” nos encontra na parábola de Lázaro; a morada do rico depois da morte é um lugar de tormento. Em Mateus 18:34, os ministros do juízo são os algozes. Uma razão muito solene pela qual este caso especial de exorcismo por parte de nosso Senhor é relatado com tantos detalhes e repetido pelos três evangelistas, Mateus, Marcos e Lucas, parece ser o vislumbre que o diálogo entre os espíritos malignos e os O Mestre nos abre as terríveis realidades ocultas no futuro para aqueles que pecam deliberadamente contra a vontade de Deus. A existência do lugar ou estado de tormento é afirmada muito claramente por nosso Senhor e seus discípulos; mas, tendo feito isso, eles se demoram pouco nisso. Há uma citação notável e solene no ‘Comentário sobre Mark’ do Dr. Morrison sobre esta referência clara, mas cautelosa, aos sofrimentos finais daqueles que não serão submissos à vontade moral de Deus, “Mais curiosidade sobre quando, onde , e o como, não se torna seres cujo principal negócio e maior sabedoria é fugir, não se intrometer muito perto, desses terríveis segredos do reino das trevas. ” [Pulpit, aguardando revisão]

29 Porque ele estava mandando ao espírito imundo que saísse daquele homem; pois muitas vezes apoderava-se dele. E o mantinham preso com cadeias e grilhões; porém ele quebrava o que lhe prendia, e era conduzido pelo demônio aos desertos.

Comentário Cambridge

muitas vezes. Pollois chronois geralmente significa “por muito tempo”.

o mantinham preso com cadeias e grilhões. Esta tradução perde um ponto curioso na narrativa, preservado por Lucas apenas, —ou seja, que “ele estava acorrentado em correntes e grilhões, estando sob vigilância”.

aos desertos – considerado como um local peculiar de Azazel e outros demônios. Mateus 12:43; Tob 8:3; veja em Lucas 4:1. [Cambridge, aguardando revisão]

30 E Jesus lhe perguntou:'Qual é teu nome?' E ele disse:“Legião” (porque muitos demônios tinham entrado nele).

Comentário Cambridge

Qual é o teu nome? A pergunta foi sem dúvida feita com misericórdia. Perguntar delicadamente o nome de uma pessoa costuma ser uma maneira eficaz de acalmar as agitações e consertar os pensamentos vacilantes desses sofredores.

ele disse:“Legião”. Uma legião consistia de 6.000 soldados, e esse homem (que provavelmente era judeu) teria se familiarizado com o nome desde a conquista romana da Palestina. O antigo Megiddo agora se chamava Legio, ainda Ledjun. A resposta mostrou quão descontroladamente perturbado estava o espírito do homem e quão completa era a dualidade de sua consciência. Ele não conseguia distinguir entre si mesmo e a multidão de demônios por quem acreditava estar possuído. Sua individualidade se perdeu em alucinações demoníacas. [Cambridge, aguardando revisão]

31 E lhe suplicaram que não os mandasse ir para o abismo.

Comentário Cambridge

ir para o abismo. O “abismo” (tehom hebraico) que eles se referem talvez seja a prisão de espíritos maus (Romanos 10:7; Judas 6; Apocalipse 20:3). [Cambridge, 1891]

32 E havia ali uma manada de muitos porcos, que pastavam no monte; e rogaram-lhe que lhes concedesse entrar neles; e ele lhes concedeu.

Comentário do Púlpito

Para que fim foi esse pedido? Foi simplesmente a maneira que escolheram para entrar no abismo? Sabemos que a vida das criaturas, depois de concedida a permissão, durou apenas alguns minutos, no máximo. Era o desejo de fazer mais mal durante sua breve estada na terra? Teofilato (século VIII) sugere que o propósito dos espíritos malignos, em seu pedido, era ferir Jesus naquela parte do país, despertando temores entre os habitantes gananciosos de que eles também pudessem perder, de maneira semelhante, seus rebanhos. Mas para o autor desta nota, parece melhor confessar que nenhuma resposta satisfatória pode ser dada aqui. Sabemos tão pouco sobre esses espíritos terríveis do mal. A razão da permissão do Senhor é mais óbvia. Alguma prova visível como a visão das forças do mal e impuras que o dominaram por tanto tempo, transferidas para os corpos de outras criaturas e exercendo sua vontade selvagem sobre eles, foi provavelmente um elemento necessário em sua cura perfeita. É provável também que Jesus quisesse mostrar sua indignação com o flagrante desrespeito da Lei mosaica, com a desobediência aberta às injunções divinas a respeito dos suínos, o que foi demonstrado pela presença de um rebanho tão vasto desses animais declarados impuros pelos mosaicos Lei sob a qual essas pessoas professavam viver (Marcos dá o número como dois mil). Neste distrito, a grande maioria dos habitantes eram judeus. A criação ou criação de porcos era estritamente proibida pela lei canônica judaica. Outros povos orientais também consideravam esses animais impuros. Heródoto (ela. 47) nos diz que no Egito havia uma classe especial de pastores de porcos, que eram os únicos entre os habitantes do país proibidos de entrar no templo. Essa casta só tinha permissão para casar entre si. O comer carne de porco é referido por Isaías (Isaías 65:3, 4) como um dos atos do povo que continuamente provocavam a ira do Senhor. [Pulpit, aguardando revisão]

33 Os demônios saíram daquele homem e entraram nos porcos; e a manada se lançou de um precipício no lago e se afogou.

Comentário Cambridge

se lançou de um precipício no lago. Perto de Kherza fica o único local em todo o lago onde uma encosta íngreme desce a poucos metros do mar, no qual o rebanho certamente teria mergulhado se apressado por qualquer impulso violento colina abaixo. Se for perguntado se isso não foi uma destruição de propriedade, a resposta é que a data anterior à morte de um rebanho de animais imundos não foi nada comparada com a libertação de uma alma humana. Nosso Senhor teria, portanto, o direito moral de agir assim, mesmo se fosse um mero Profeta humano. Além disso, para colocá-lo no nível mais baixo, libertar a vizinhança do perigo e do terror desse maníaco selvagem foi um benefício maior para toda a cidade do que a perda desse rebanho. Jesus não ordenou que os espíritos fossem para os porcos; se Ele permitiu alguma coisa que resultou em sua destruição, foi para servir a fins mais elevados e preciosos. “Deus, a Palavra”, diz Lord Bacon, “não desejava fazer nada que não respirasse de graça e beneficência”; e depois de mencionar os milagres severos de Moisés, Elias, Eliseu, Pedro e Paulo, ele acrescenta:“mas Jesus não fez nada desse tipo … o espírito de Jesus é o espírito da Pomba. Ele não operou nenhum milagre de julgamento, tudo de beneficência. ” Meditt. Sacr. em Marcos 12:37. Os milagres de Cristo foram todos atos redentores e lições espirituais. [Cambridge, aguardando revisão]

34 Quando os que cuidavam dos porcos viram o que havia acontecido, fugiram; então foram anunciar na cidade e nos campos.

Comentário do Púlpito

Os homens que cuidavam dos porcos haviam testemunhado tudo; e quando o Mestre pronunciou a palavra “Vá”, eles viram uma mudança em um momento passar pelo vasto rebanho. Um pânico selvagem pareceu apoderar-se das criaturas, algo:os havia enchido de um grande medo – eles iriam se apressar da presença invisível, mas sentida; as águas frias e azuis do lago, claramente vistas do planalto onde se alimentavam, pareciam premiar o melhor refúgio; eles correram do planalto por uma encosta íngreme, que os viajantes desde então pensam ter identificado, e as águas profundas ou Genesaré acabaram rapidamente com os tormentos das criaturas. [Pulpit, aguardando revisão]

35 E saíram para ver o acontecido, e vieram até Jesus; e acharam ao homem de quem os demônios tinham saído, vestido e em pleno juízo, sentado aos pés de Jesus; e temeram.

Comentário Ellicott

sentado aos pés de Jesus. Esta característica é peculiar à narrativa de Lucas. O endemoninhado estava agora na mesma atitude de atenção extasiada com que encontramos depois Maria, a irmã de Lázaro (Lucas 10:39). [Ellicott, aguardando revisão]

36 E os que tinham visto contaram-lhes também como aquele endemoninhado havia sido liberto.

Comentário de Alfred Plummer

E os que tinham visto contaram-lhes. Esta não é uma repetição do versículo 34, mas uma declaração de informação adicional que foi dada aos habitantes da cidade após a sua entrada em cena. [ICC, aguardando revisão]

37 E toda o povo da terra dos gadarenos ao redor lhe rogou que se retirasse deles; porque foram tomados por grande temor. Então ele entrou no barco e voltou.

Comentário do Púlpito

O relato não teve efeito sobre os chefes das cidades e aldeias vizinhas. Eles eram provavelmente, em sua maioria, proprietários de rebanhos de porcos semelhantes, talvez participantes de pecados sem nome, todos especialmente odiosos para o Rabino Jesus, a quem eles sem dúvida conheciam bem por reputação. Mas ele era, eles viram, algo mais do que um pobre Professor de moral errante; ele possuía poderes estranhos e terríveis:não teriam eles uma experiência terrível com eles? Qual deles, naquele bairro violento e violento, poderia não ser a próxima vítima cujos bens impuros seriam varridos? Portanto, eles não queriam nada dele:que ele, o mais rápido possível, partisse de suas costas. Eles sentiram que não poderiam ficar com o Salvador e seus porcos, e dos dois eles preferiam seus porcos!

Então ele entrou no barco e voltou. A chance, no que dizia respeito ao distrito de Gadarene, se foi para sempre. Jesus provavelmente não voltou mais para lá. Em quarenta anos, este distrito foi palco de uma das terríveis calamidades da grande guerra romana. O saque de Gadara e a desolação e ruína que foram o infeliz destino deste distrito outrora rico, mas de vida perversa, é um dos muitos capítulos melancólicos da desesperada revolta judaica. Um viajante moderno, Dr. Thomson, observa, de maneira bastante singular, que o antigo distrito de Gadara atualmente está infestado de porcos selvagens e ferozes:”Em toda parte”, escreve ele, “a terra é arada por porcos selvagens em busca de raízes em que vivem “. [Pulpit, aguardando revisão]

38 E aquele homem, de quem os demônios tinham saído, rogou-lhe para que lhe permitisse estar com ele; mas Jesus o despediu, dizendo:

Comentário do Púlpito

O homem restaurado desejava permanecer com seu Libertador, mas isso não foi permitido – o grande Mestre ordenou que ele ficasse em seu próprio país. Talvez, pensou o Redentor, “alguns desses gadarenos de coração duro sejam conquistados por seu testemunho – um deles também, e tão notório sofredor”. Seu trabalho, o Mestre lhe disse, estava ali entre seu próprio povo; então ele ficou, e o próximo versículo (39) nos conta como ele trabalhou como um evangelista diligente. É digno de nota como o Mestre referiu o grande ato de libertação a Deus. Mas para o restaurado, Jesus era ao mesmo tempo seu Libertador e seu Deus. O texto de sua pregação era “quão grandes coisas Jesus lhe fizera”. [Pulpit, aguardando revisão]

39 “Volta para tua casa, e conta como foram grandes as coisas que Deus te fez'. Ele se foi, e pregou por toda a cidade, como foram grandes as coisas que Jesus lhe tinha feito.

Comentário Cambridge

conta como foram grandes as coisas que Deus te fez. Esta ordem ilustra valiosamente uma das razões pelas quais nosso Senhor ordenou reticência em outras instâncias. Ele não pretendia retornar à região de Gadara e, portanto, a proclamação de um milagre não faria com que Ele fosse cercado por uma multidão curiosa. [Cambridge, aguardando revisão]

40 E aconteceu que, quando Jesus voltou, a multidão o recebeu; porque todos o estavam esperando.

Comentário de David Brown

O ensino abundante daquele dia (em Mateus 13:1-58; e veja Marcos 4:36), tinha apenas aguçado o apetite das pessoas; e desapontado, como parece, que Ele os deixou à noite para atravessar o lago, eles permanecem pendurados na praia, tendo uma sugestão, provavelmente através de alguns de Seus discípulos, de que Ele voltaria na mesma noite. Talvez eles tenham testemunhado à distância o repentino acalmar da tempestade. Aqui pelo menos estão, aguardando o Seu retorno e dando-lhe as boas-vindas à praia. A maré da sua popularidade estava agora subindo rapidamente. [JFB, aguardando revisão]

41 E eis que chegou um homem, cujo nome era Jairo, e era chefe da sinagoga. Então ele se prostrou aos pés de Jesus e rogou-lhe que entrasse em sua casa;

Comentário Cambridge

Mateus coloca esta mensagem de Jairo depois da festa de despedida que deu aos amigos antes de abandonar para sempre o cargo de coletor de impostos. Naquela festa surgiu a questão do jejum, e São Mateus (Mateus 9:18) diz que Jairo veio “enquanto Jesus ainda falava estas coisas”, e em uma nota de tempo tão definida, em um dia para ele tão memorável, ele dificilmente poderia ser inexato. Por outro lado, Marcos diz, e Lucas dá a entender, que a mensagem chegou a Jesus quando Ele desembarcou na praia. Portanto, supõe-se que Jesus ouviu a primeira súplica de Jairo na praia quando sua filha estava morrendo (Lucas 8:42; Marcos 5:23), mas em vez de ir direto para a casa de Jairo foi primeiro à festa de Mateus; e que Jairo então veio para a festa em agonia para dizer que ela estava morta (Mateus 9:18). As discrepâncias muito pequenas são, entretanto, facilmente explicáveis ​​- sem essa conjectura, e era totalmente diferente do método de Jesus interpor um banquete entre o pedido de um pai agoniado e Seu ato de misericórdia.

Jairo. Jair, Juízes 10:3.

chefe da sinagoga. As sinagogas não tinham clero, mas eram administradas por leigos, à frente dos quais estava o “governante”, cujo título de Rosh hakkeneseth era tão familiar aos judeus quanto o de Rabi. Suas funções se assemelhavam às de um ancião líder. O apelo de tal funcionário mostra a estimativa em que nosso Senhor ainda era tido entre os galileus.

que entrasse em sua casa. Jair não tinha a fé do centurião pagão. [Cambridge, aguardando revisão]

42 porque tinha uma filha única, com doze anos de idade, que estava a ponto de morrer. E enquanto ele ia, as multidões o apertavam.

Comentário Cambridge

uma filha única. Lucas, cujas vivas simpatias são observáveis em todo lugar em seu Evangelho, menciona o mesmo fato comovente no caso do filho da viúva de Naim (Lucas 7:12), e do menino lunático (Lucas 9:38).

estava a ponto de morrer. Mateus diz “agora está morto”. Talvez captemos nessas variações um eco da incerteza desesperadora do pai. [Cambridge, aguardando revisão]

43 E uma mulher que tinha um fluxo de sangue, havia doze anos, e já tinha gastado todos os seus pertences com médicos, e não pôde ser curada por nenhum.

Comentário Cambridge

não pôde ser curada por nenhum. Lucas, talvez com sentimento de solidariedade pelos médicos, não acrescenta o comentário mais severo de Marcos, de que os médicos apenas a fizeram piorar (Marcos 5:26). Os recibos talmúdicos para a cura desta doença eram especialmente fúteis, como colocar o sofredor em um lugar onde duas formas se encontram, com um copo de vinho na mão, e deixar alguém vir atrás e amedrontá-la, e dizer:Levanta-te de teu fluxo; ou “cavar sete fossos, queimar neles algumas mudas de videiras com menos de quatro anos, e deixá-la sentar-se neles em sucessão, com um copo de vinho na mão, enquanto a cada retirada alguém lhe diz:Levanta-te do teu fluxo . ” (Lightfoot) [Cambridge, aguardando revisão]

44 Ela se aproximou de Jesus por detrás, e tocou a borda de sua roupa; e logo o fluxo de seu sangue parou.

Comentário Cambridge

Ela se aproximou de Jesus por detrás, e tocou a borda de sua roupa. Este é um milagre ‘a propósito’ (obiter), mas, como Fuller diz, “Seu obiter é mais para o propósito do que o nosso iter” Ela procurou roubar (por assim dizer) um milagre da graça, e imaginou que os milagres de Cristo eram uma questão de natureza, não de vontade e propósito. Provavelmente a intensa depressão produzida por sua doença, agravada pela maneira como durante doze anos todos se mantiveram distantes dela e se esforçaram para não tocá-la, havia abalado seu ânimo. Pela lei levítica ela tinha que ser “separada, e todo aquele que tocar nela será impuro” (Levítico 15:19; Levítico 15:25). A palavra traduzida como “fronteira” (kraspedon, hebr. Tsitsith) é uma borla em cada “asa” ou canto do talito ou manto (Mateus 14:36). A Lei (Números 15:38-40) exigia que fosse amarrado com um fio (não como em E. V. faixa) de azul, a cor do céu e, portanto, o tipo de revelação. Os judeus estritos até hoje usam essas borlas, embora geralmente estejam ocultas. Os fariseus, para proclamar sua ortodoxia, os tornaram visivelmente grandes, Mateus 23:5. Uma das quatro borlas pendurada no ombro nas costas, e foi esta que a mulher tocou. (Para detalhes completos das regras rabínicas sobre essas borlas, consulte um artigo do presente escritor, no Expositor, v. 219.) A quase-sacralidade das borlas pode ter estimulado seu impulso de tocar aquele que estava à vista. [Cambridge, aguardando revisão]

45 E Jesus disse:'Quem me tocou?' Enquanto todos negavam, disse Pedro:Mestre, as multidões te apertam e empurram!

Comentário de David Brown

Quem me tocou? – “Tu, Senhor, tocaste-te? Em vez disso, pergunte quem não te tocou em tal multidão ”. [JFB, aguardando revisão]

46 Jesus disse:'Alguém me tocou, pois sei que poder saiu de mim'.

Comentário de David Brown

Alguém me tocou – sim, a multidão “apinhada” e pressionada contra Ele – “eles se acotovelaram contra Ele”, mas todos involuntariamente; eles foram simplesmente levados; mas um, um só – “Alguém O TOCOU”, com o toque consciente, voluntário e dependente da fé, estendendo as mãos expressamente para ter contato com Ele. Isso e isso somente Jesus reconhece e procura. Mesmo assim, como disse há muito tempo o padre da Igreja, Agostinho, multidões ainda se aproximam de Cristo de maneira semelhante, mas sem nenhum objetivo, sendo apenas sugadas pela multidão. O contato voluntário e vivo da fé é aquele condutor elétrico que sozinho retira a virtude Dele. [JFB, aguardando revisão]

47 Então a mulher, vendo que não podia se esconder, veio tremendo, prostrou-se diante dele, e declarou-lhe diante de todo o povo a causa por que o havia tocado, e como logo havia sarado.

Comentário de David Brown

declarou … antes de tudo – isso, apesar de ser uma grande provação para a modéstia cada vez menor da mulher crente, era exatamente o que Cristo queria para arrastá-la adiante, seu testemunho público dos fatos de seu caso – tanto sua doença quanto seus esforços abortados. cura, e o alívio instantâneo e perfeito que seu toque do Grande Curandeiro lhe trouxera. [JFB, aguardando revisão]

48 E ele lhe disse:Filha, a tua fé te sarou; vai em paz'.

Comentário do Púlpito

Filha, a tua fé te sarou. Este é o único lugar nos Evangelhos em que se diz que nosso Senhor usou essa palavra de amor com qualquer mulher. Eusébio preserva uma curiosa lenda relacionada a esse ato de cura. Em sua época (século IV) a casa desta feliz que conheceu Jesus em sua triste jornada de vida, foi mostrada em Paneas, uma cidade no norte da Palestina. Na entrada da casa, sobre um pedestal de pedra, estavam duas estátuas de bronze – uma representava uma mulher ajoelhada; o outro, um homem com a capa sobre o ombro e a mão estendida na direção da mulher ajoelhada. Eusébio relata como viu a casa e as estátuas e ouviu a lenda. No Evangelho apócrifo de Nicodemos, um escrito muito antigo, embora não possuindo muito valor crítico, o nome da mulher é declarado como Verônica. Foi ela, continua a história a contar, que, na Via Dolorosa, quando o Senhor, a caminho do Calvário, tropeçou e caiu, deu o lenço para limpar o rosto abençoado. [Pulpit, aguardando revisão]

49 Estando ele ainda falando, veio um da casa do chefe da sinagoga, que lhe disse:'Tua filha já está morta, não incomodes o Mestre.'

Comentário do Púlpito

Essa interrupção, que deve ter demorado algum tempo, foi, sem dúvida, uma dura prova para a fé do governante. Sua filhinha estava, ele bem sabia, morrendo; e embora confiasse que o famoso Rabino tivesse poder para deter o progresso de uma doença, ele nunca parece, por um momento, ter contemplado sua luta contra a morte; de fato, o simples pensamento de trazer o espírito para o cortiço de barro abandonado, evidentemente, nunca ocorreu a ninguém daquela triste família, enquanto os pranteadores contratados (versos 52, 53 e Marcos 5:38), muito acostumados à visão da morte em todas as suas formas de sonhar com qualquer homem, por maior que fosse o médico, trazendo de volta à vida os mortos, transgredindo toda a cortesia, positivamente riam dele com desprezo. Parece-nos estranho agora que este supremo milagre deveria ter parecido uma coisa muito mais difícil de realizar do que a cura da cegueira ou surdez, ou a criação de vinho, pão e peixe, ou o silêncio instantâneo dos elementos, das ondas e o vento. Enquanto os sofredores e seus amigos e os discípulos do Senhor, em incontáveis ​​casos, lhe pediram para aplicar seu poder em casos de doença e enfermidade, nenhum amigo ou discípulo jamais lhe pediu que ressuscitasse um morto. Até o fim, apesar do que eles tinham visto, ninguém, até depois da Ressurreição, poderia se persuadir de que ele era, de fato, o Senhor da morte, bem como da vida. [Pulpit, aguardando revisão]

50 Porém quando Jesus o ouviu, respondeu-lhe:'Não temas; crê somente, e ela será curada'.

Comentário do Púlpito

Nenhuma sombra de hesitação cruzou a mente do Redentor; com serenidade imperturbável, ele sussurrou suas palavras de ânimo ao pai aflito e disse-lhe que nada temesse, pois tudo estaria bem com a criança. Em seguida, segue a história bem conhecida e frequentemente lida contada em tão poucas palavras, mas eles são tão vívidos, tão dramáticos, que parece que estamos olhando em cena. A família angustiada, os pranteadores contratados, a sala da morte imóvel, a forma branca e imóvel da menina morta – a única filha do governante – deitada em sua pequena cama, o grupo dos seis com olhos turvos de lágrimas em volta; o amoroso Mestre curvando-se sobre os pequenos mortos, seu sorriso ao retomar por um momento todo o poder que havia deixado de lado um pouco por nossa causa; o olhar distante em seus olhos quando por um momento sua visão percorreu seu antigo lar de paz e grandeza; e então as duas palavras faladas no conhecido aramaico (hebraico), que Marcos, ou melhor, o mestre de Marcos, Pedro, se lembrava tão bem, “Talitha, kumi!” e a criança morta ressuscitou, o espírito havia retornado à sua frágil habitação. [Pulpit, aguardando revisão]

51 E quando entrou na casa, a ninguém deixou entrar, a não ser a Pedro, Tiago, João, e ao pai e à mãe da menina.

Comentário Ellicott

a não ser a Pedro, Tiago, João. Será notado que Lucas concorda com Marcos em dar os nomes; Mateus os omite. Marcos, no entanto, afirma mais definitivamente que nenhum outro foi autorizado nem mesmo a ir com ele. [Ellicott, aguardando revisão]

52 E todos choravam e lamentavam por ela; mas ele disse:'Não choreis; ela não está morta, mas dorme'.

Comentário Cambridge

ela não está morta, mas dorme. Entender isso literalmente é contradizer a letra e o espírito de toda a narrativa. É verdade que em “nosso amigo Lázaro dorme” o verbo usado não é katheudein, mas koimasthai; mas isso está em um escritor diferente (João 11:11), e a palavra é mais adequada para alguém que já estava morto há quatro dias. O objetivo de nosso Senhor era silenciar esse tumulto ocioso. [Cambridge, aguardando revisão]

53 E riam dele, porque sabiam que estava morta.

Comentário Whedon

Eles riram dele com desprezo. Foi a multidão de “menestréis e gente fazendo grande barulho”, e que Jesus expulsou da sala, que riu; de repente mudando seu luto hipócrita contratado para desprezo. Seu desprezo é expresso pela própria ideia de que ela não está morta; assim, com Olshausen, colocando a construção literal no termo de Jesus dorme. Que a donzela estava realmente morta, temos, portanto, o testemunho do pai, dos mensageiros ao pai de casa, e agora na forma mais intensa desses lamentadores mercenários. O desprezo que sentiam por Jesus foi excitado, sem dúvida, pelas indicações fornecidas em sua palavra dorme, de que ele estava prestes a privá-los de um emprego lucrativo em seu ofício de uivos profissionais. [Whedon, aguardando revisão]

54 Porém ele, depois de expulsá-los todos, segurou a mão dela e clamou:'Levanta-te, menina'.

Comentário Cambridge

Porém ele, depois de expulsá-los todos. Estas palavras sendo omitidas por א, B, D, L, X, são provavelmente interpoladas aqui, dos outros Sinópticos. Nosso Senhor não podia sentir a menor simpatia por essas agonias simuladas de pessoas, que (até hoje) “choram, uivam, batem no peito e arrancam os cabelos conforme o contrato” (Thomson). E, além disso, esses atos solenes exigiam calma e fé, Atos 9:40; 2Reis 4:33.

segurou a mão dela. Lucas preserva esse delicado detalhe, assim como a gentil ordem de dar-lhe comida. Marcos apresenta as duas palavras aramaicas que nosso Senhor usou, Talitha cumi! Nessas ocasiões, Ele sempre usava o mínimo de palavras possíveis (Lucas 7:14; João 11:43). [Cambridge, aguardando revisão]

55 Então seu espírito voltou, e ela logo se levantou; e Jesus mandou que dessem de comer a ela.

Comentário Cambridge

Jesus mandou que dessem de comer a ela. Ela estivera gravemente doente, sabemos, até a morte; e agora que a velha força e saúde haviam voltado, o Mestre sentiu que ela iria imediatamente, após sua longa abstinência, precisar de comida. Mesmo a mãe da criança não era tão maternal quanto Jesus. [Cambridge, aguardando revisão]

56 E seus pais ficaram maravilhados, mas ele lhes mandou que a ninguém dissessem o que havia acontecido.

Comentário do Púlpito

mas ele lhes mandou que a ninguém dissessem o que havia acontecido. O entusiasmo na Galiléia naquele momento não precisava de estímulo extra. As multidões que o seguiam aumentavam. A excitação, o Mestre sentiu, era irreal e evanescente; ele preferia acalmá-lo do que aumentá-lo. [Pulpit, aguardando revisão]

<Lucas 7 Lucas 9>

Visão geral de Lucas

No evangelho de Lucas, “Jesus completa a história da aliança entre Deus e Israel e anuncia as boas novas do reino de Deus tanto para os pobres como para os ricos”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.