Marcos 12

Parábola dos lavradores maus

1 Então Jesus começou a lhes dizer por parábolas:Um homem plantou uma vinha, cercou-a, fundou nela uma prensa de uvas, edificou uma torre, e a arrendou a uns lavradores; e partiu-se daquela terra.

Comentário do Púlpito

Então Jesus começou a lhes dizer por parábolas. Esta parábola particular que se segue foi especialmente dirigida contra os escribas e fariseus; mas foi pronunciado na presença de uma multidão de pessoas. “Ele começou a falar … em parábolas.” Ele não havia usado essa forma de instrução até agora em Jerusalém.

Um homem plantou uma vinha. A imagem da parábola seria familiar para eles em Isaías (Isaías 5:1). Mas a Palestina era eminentemente uma terra de “vinhas”, bem como de “azeitonas para azeite”. O homem que plantou a vinha não é outro senão o próprio Deus. “Trouxeste uma videira” do Egito; tu expulsaste os pagãos e os plantaste. “A imagem é especialmente apropriada. Nenhuma propriedade foi considerada para render um retorno tão rico como a vinha, e nenhuma exigiu tal cuidado e atenção incessantes. A videira representa o reino de Deus em sua idéia e concepção; não a Igreja Judaica em particular. O próprio dono deste vinhedo o fez. Ele mesmo o “plantou”. Este plantio ocorreu no estabelecimento da política judaica na terra de Canaã, quando os pagãos foram lançados Fora.

cercou-a. Esta e as seguintes descrições não são meros ornamentos da parábola. A “sebe” era uma proteção importante para a vinha. Pode ser uma parede ou uma “cerca viva”, uma cerca viva. Os vinhedos no Oriente agora podem ser vistos frequentemente com uma forte sebe plantada ao redor deles. Essas sebes, feitas de cacto espinhoso, podem ser vistas atualmente nas vizinhanças de Jope. Figurativamente, essa cerca viva representaria a parede intermediária de partição que então existia entre o judeu e o gentio; e nisto, sua separação das nações idólatras ao redor deles, estava a segurança dos judeus de que eles deveriam desfrutar da proteção contínua de Deus. É bem observado pelo arcebispo Trench que a posição geográfica da Judéia era figurativa disso, a separação espiritual do povo – guardada como a Judéia era a leste pelo rio Jordão e sua cadeia de lagos, ao norte por Antilibanus, ao sul pelo deserto e Idumaea , e a oeste pelo Mar Mediterrâneo.

fundou nela uma prensa de uvas (ληνός torcular); as palavras são literalmente cavou uma cova para o lagar (ὤρυξεν ὑπολήνιον); a escavação só poderia se aplicar à cova, um lugar escavado e depois equipado com alvenaria. Às vezes, esses poços foram formados a partir da rocha sólida. Exemplos disso são frequentes na Palestina. Normalmente havia dois poços escavados na rocha, um inclinado para o outro e com aberturas entre eles. As uvas foram colocadas na cova superior; e o suco, esmagado pelos pés dos homens, fluía para o poço inferior, de onde era retirado e colocado em odres. “Eu pisei no lagar sozinho.”

edificou uma torre. A torre (πύργον) era provavelmente a torre de vigia, onde um vigia foi colocado para proteger a vinha dos saqueadores. Instruções particulares são fornecidas nos escritos rabínicos (ver Lightfoot) para as dimensões do lagar e da torre. A torre deveria ter dez côvados de altura e quatro côvados quadrados. É descrito como “um lugar alto, onde o viticultor fica de pé com vista para a vinha”. Essas torres ainda podem ser vistas na Palestina, especialmente nos bairros de Belém, de Hebron e nos distritos vitivinícolas do Líbano.

e a arrendou a uns lavradores. Os lavradores seriam os mestres declarados comuns do povo, embora não excluíssem o próprio povo. A nação judaica, de fato, tanto os mestres quanto os ensinados, representavam os lavradores, cada membro da Igreja, então como agora, sendo obrigado a buscar o bem-estar de todo o corpo.

e partiu-se daquela terra (καὶ ἀπεδήμηδε); literalmente, e foi para outro país. Lucas (Lucas 20:9) adiciona (χρόνους ἱκανούς), “por muito tempo.” [Pulpit, aguardando revisão]

2 E, quando chegou o tempo, mandou um servo aos lavradores, para que recebesse dos lavradores do fruto da vinha.

Comentário do Púlpito

Mateus (Mateus 21:34) diz que enviou “seus servos”. São Marcos os menciona em detalhes. Esses servos foram os profetas, como Isaías, Jeremias e outros, a quem os judeus perseguiram e mataram de diversas maneiras, como reprovadores de seus vícios. Mas a misericórdia de Deus foi longânime e ainda triunfou sobre sua maldade. [Pulpit, aguardando revisão]

3 Mas eles, tomando-o à força, feriram-no, e mandaram-no vazio.

Comentário Cambridge

eles, tomando-o à força. O crescimento gradual dos maltratos é claramente traçado:(i) O primeiro servo eles “pegaram, espancaram e mandaram embora vazio”; (ii) no segundo, eles “atiraram pedras, feriram-no na cabeça e mandaram-no embora vergonhosamente maltratado”; (iii) o terceiro “eles mataram”. [Cambridge, aguardando revisão]

4 E voltou a lhes mandar outro servo; e eles feriram-no na cabeça e maltrataram-no.

Comentário Ellicott

Algumas versões trazem “apedrejaram-no”, porém o particípio assim representado está faltando no melhor manuscrito, e provavelmente se originou em uma nota marginal explicando como os trabalhadores feriram o segundo servo. [Ellicott, aguardando revisão]

5 E voltou a mandar outro, ao qual mataram, e mandou muitos outros, e a uns feriram, e a outros mataram.

Comentário de J. A. Alexander

O clímax aqui atinge o seu apogeu, no que diz respeito aos maus-tratos aos servos, sendo o espancamento e o apedrejamento dos dois primeiros casos seguidos no terceiro pelo assassinato. Mas que isso não pretendia denotar qualquer progressão exata na história, agora fica claro pelo acréscimo da última cláusula, mostrando que os casos anteriormente mencionados foram selecionados como exemplos dentre muitos outros variando em agravamento. [Alexander, aguardando revisão]

6 Tendo ele, pois, ainda um, o seu filho amado, mandou-lhes também por último a este, dizendo:Pelo menos respeitarão o meu filho.

Comentário do Púlpito

Tendo ele, pois, ainda um, o seu filho amado. Há fortes evidências a favor de uma leitura diferente aqui:a saber (ἔτι ἕνα εἰχεν υἱὸν ἀγαπητὸν), ele ainda tinha um, um filho amado. Há algo muito tocante nessa forma de expressão. Muitas mensagens foram enviadas; muitos meios foram tentados. Mas um outro recurso permaneceu. “Há um, um bem-amado. Eu o enviarei; eles certamente o reverenciarão (ἐντραπήσονται τὸν υἰόν μου). Eles refletirão, e a reflexão trará vergonha, submissão e reverência.” Este foi o último esforço da misericórdia divina – o envio do Deus Encarnado, a quem o povo da aliança matou fora da cidade. [Pulpit, aguardando revisão]

7 Mas aqueles lavradores disseram entre si:Este é o herdeiro; vinde, e o matemos; então a herança será nossa.

Comentário Cambridge

Este é o herdeiro] “aquele a quem se destina a herança, e a quem ela chegará, no devido tempo, por direito – não como nas relações terrenas, pela morte, mas pela livre nomeação do possuidor real.” Cristo é “herdeiro de todas as coisas”, não porque Ele é o Filho de Deus, mas porque Ele é o Filho do Homem.

vinde, e o matemos] Comp. Gênesis 37:20; e especialmente Joao 11:47-53, onde “os servos” conspirando contra “o Herdeiro de todas as coisas” na verdade atribuem como motivo que “se o deixarem em paz”, “perderão tanto o seu lugar como a sua nação”. [Cambridge, aguardando revisão]

8 E pegando dele, mataram -no, e lançaram -no fora da vinha.

Comentário Cambridge

mataram -no, e lançaram -no fora da vinha] A ordem é invertida no primeiro e no terceiro Evangelhos, que nos fazem lembrar Nabote, a quem “levaram para fora da cidade e o apedrejaram até morrer” (1Rs 21:13), e dAquele que sofreu fora da porta (Hb 13:12-13; Jo 19:17). O segundo evangelista os representa primeiro matando o filho e, em seguida, lançando o corpo e negando-lhe os ritos comuns da sepultura. [Cambridge, aguardando revisão]

9 Que, pois, o senhor da vinha fará? Ele virá, destruirá aos lavradores, e dará a vinha a outros.

Comentário do Púlpito

Que, pois, o senhor da vinha fará? Na narrativa de Mateus, os escribas respondem a essa pergunta. Lucas, como Marcos aqui, atribui a resposta a nosso Senhor. Parece provável que os escribas primeiro lhe responderam, e então ele mesmo repetiu a resposta, e a confirmou por seus olhares e gestos; de modo que a partir daí, bem como do que se seguiu, eles pudessem entender suficientemente que ele falou essas coisas deles. Então, de acordo com Lucas (Lucas 20:16), eles acrescentaram as palavras:”Deus me livre!” uma expressão arrancada de suas consciências, que os acusava e lhes dizia que a parábola se aplicava a eles. Aqui, então, temos uma predição distinta da rejeição dos judeus e do chamado dos gentios. [Pulpit, aguardando revisão]

10 Acaso ainda não lestes esta escritura:'A pedra que os edificadores rejeitaram, esta foi feita por cabeça de esquina.

Comentário do Púlpito

Esta citação é do Salmo 118:22, onde Davi profetiza sobre Cristo. O significado é claramente este, que os principais sacerdotes e escribas, como os construtores da Igreja Judaica, rejeitaram Cristo do edifício como uma pedra inútil; sim, mais – eles o condenaram e o crucificaram. Eles o rejeitaram (ἀπεδοκίμασαν). O verbo no grego implica que a pedra foi primeiro examinada e depois deliberadamente recusada. Mas esta pedra, assim rejeitada e desprezada pelos construtores, foi transformada em pedra angular. A imagem aqui é diferente daquela usada nas epístolas, onde Cristo é mencionado como a principal pedra angular da fundação. Aqui ele é representado como a pedra angular na cornija. Na verdade, ele é ambos. Ele é a pedra fundamental experimentada. Mas ele também é o chefe da esquina. No grande edifício espiritual, ele é “tudo em todos”, unindo e ligando todos em um [Pulpit, aguardando revisão]

11 Pelo Senhor foi feito isto, e é maravilhoso em nossos olhos'?

Comentário do Púlpito

Pelo Senhor foi feito isto (παρὰ Κυρίου ἐγένετο αὕτη); literalmente, isso era do Senhor. O feminino (αὔτη) refere-se aparentemente a κεφαλή. Este levantamento da pedra desprezada e rejeitada para ser a Pedra Angular da cornija foi obra de Deus; e era um objeto adequado para admiração e elogios. [Pulpit, aguardando revisão]

12 E buscavam prendê-lo, mas temiam a multidão; porque entendiam que era contra eles que dizia aquela parábola; então o deixaram e se retiraram.

Comentário do Púlpito

Os escribas e fariseus sabiam, em parte pelas palavras deste salmo e em parte pela aparência de Cristo, que eles foram falados contra eles. Então eles procuraram em sua raiva e malícia apoderar-se dele; mas eles temiam o povo, com quem ele ainda era popular. Assim, porém, por sua repreensão aos escribas e fariseus, ele preparou o caminho para aquela morte que, dentro de três dias, eles trouxeram sobre ele. E o conselho de Deus foi cumprido para a redenção dos homens pelo sangue de Cristo. [Pulpit, aguardando revisão]

13 E mandaram-lhe alguns dos fariseus e dos herodianos, para que o apanhassem em alguma palavra.

Comentário de David Brown

E mandaram-lhe alguns dos fariseus – “os seus discípulos”, diz Mateus (Mt 22:16); provavelmente jovens e zelosos estudiosos daquela escola endurecida.

e dos herodianos – (Veja em Mt 12:14). Em Lc 20:20, esses instrumentos voluntários são chamados de “espiões, que fingissem ser justos, para o pegarem por meio de algo que ele dissesse, e o entregarem ao poder e autoridade do governador”. Seu plano, então, era envolvê-Lo em alguma forma de expressão que pudesse ser interpretada como descontentamento com o governo romano; os próprios fariseus estavam notoriamente descontentes com o jugo romano. [JFB]

Homenagem a César

14 Eles se aproximaram e lhe disseram:Mestre, sabemos que és homem de verdade, e não te interessa agradar a ninguém, porque não te importas com a aparência humana, mas com verdade ensinas o caminho de Deus. É lícito pagar tributo a César, ou não? Devemos pagar, ou não devemos?

Comentário de David Brown

sabemos que és homem de verdade, e não te interessa agradar a ninguém, porque não te importas com a aparência humana, mas com verdade ensinas o caminho de Deus – embora eles dissessem apenas a verdade – eles esperavam desconsertá-lo.

É lícito pagar tributo a César, ou não? – Era o imposto civil coletado de todos os inscritos no “censo”. Veja em Mt 17:25. [JFB]

15 E ele, entendendo a hipocrisia deles, disse-lhes:Por que estais me tentando? Trazei-me uma moeda, para que eu a veja.

Comentário de David Brown

E ele, entendendo a hipocrisia deles – “sua maldade” (Mt 22:18); “A sua astúcia” (Lc 20:23). A malignidade de seus corações tomava a forma de embarcações, fingindo o que não sentiam – um desejo ansioso de ser guiado corretamente em um assunto que, para alguns poucos escrupulosos, poderia parecer uma questão de alguma dificuldade. Vendo perfeitamente através disso,

Trazei-me uma moeda, para que eu a veja – “o dinheiro do tributo” (Mt 22:19). [JFB, aguardando revisão]

16 E trouxeram. E perguntou-lhes:De quem é esta imagem, e a inscrição? E eles lhe disseram:De César.

Comentário do Púlpito

Essa era a moeda em que o dinheiro do tributo deveria ser pago. Ele havia estampado sobre ele a imagem de Tibério César, o então imperador romano reinante. O cognome de César foi primeiro dado a Júlio César, de quem foi devolvido a seus sucessores. A moeda corrente do país provava a sujeição do país àquele cuja imagem estava sobre ela. Maimônides, citado pelo Dr. John Lightfoot, diz:”Onde quer que o dinheiro de qualquer rei esteja presente, os habitantes reconhecem aquele rei como seu senhor.” [Pulpit, aguardando revisão]

17 Então Jesus, lhes respondeu:Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E admiram-se dele.

Comentário de David Brown

Então Jesus, lhes respondeu:Dai, pois, a César o que é de César – Colocando-a nesta forma geral, era impossível a própria sedição contestá-la, e ainda assim dissolveu a cilada.

e a Deus o que é de Deus – Quanto há nesse profundo, mas para eles uma adição surpreendente à máxima, e quão incomparável é o todo para plenitude, brevidade, clareza, peso!

E admiram-se dele – “à sua resposta, e se calaram” (Lc 20:26), “deixaram-no e seguiram o seu caminho” (Mt 22:22). [JFB, aguardando revisão]

A ressurreição

18 E vieram a ele os saduceus, que dizem não haver ressurreição, e perguntaram-lhe:

Comentário Cambridge

os saduceus] Até então, os saduceus, “poucos, ricos e dignos”, permaneceram indiferentes e fingiram ignorar os discípulos do desprezado “Profeta de Nazaré”. [Cambridge, aguardando revisão]

19 Mestre, Moisés nos escreveu que, se o irmão de alguém morresse, e deixasse mulher, mas não filho , que seu irmão se casasse com a viúva , e gerasse descendência ao seu irmão.

Comentário Cambridge

Moisés nos escreveu]. A Lei sobre o casamento Levirato é encontrada em Dt 25:5. Foi ordenado para a preservação das famílias que, se um homem morresse sem descendência masculina, seu irmão se casasse com sua viúva e que o filho primogênito fosse mantido nos registros como filho do irmão morto. [Cambridge, aguardando revisão]

20 Houve, pois, sete irmãos, e o primeiro casou-se com a mulher, e morrendo, não deixou descendente.

Comentário Cambridge

Houve, pois, sete irmãos]. Provavelmente era um caso fictício, pois os judeus eram contrários ao cumprimento disso. [Cambridge, aguardando revisão]

21 Casou-se com ela também o segundo, e morreu; e nem este deixou descendente; e o terceiro da mesma maneira.

Comentário de John Gill

Casou-se com ela também o segundo – como o próximo irmão mais velho, pela lei acima foi obrigado:e assim o cânon judaico sobre isto funciona assim; “a ordem é,” para o mais velho “casar-se com a mulher de seu irmão:se ele não quiser, eles vão para todos os irmãos; se não quiserem, eles voltam para o mais velho, e dizem:a ordem está sobre ti, ou arranca fora a sandália, ou casa. ”

Maimônides relata desta maneira; “se um homem morre e deixa muitos irmãos, o comando recai sobre o mais velho para se casar, ou tirar a sandália; como está dito, Deuteronômio 25:6,“ e será o primogênito que ela dará ”. Da tradição , aprende-se que não fala senão do primogênito entre os irmãos; e é tudo como se fosse dito, o mais velho dos irmãos sucederá no nome de seu irmão que está morto; e isso é o que é disse, “que ela deu à luz”:o sentido é, que a mãe teve, e não que a esposa do irmão deu à luz; se o mais velho não se casar com ela, eles vão para todos os irmãos; e se eles não quiserem, eles voltam para o mais velho, e dizer, sobre ti está a ordem, ou arranca a sandália, ou se casa; e eles não o obrigam a se casar, mas o obrigam a arrancar a sandália; ” isto é, no caso de ele não se casar .

e morreu; e nem este deixou descendente; e o terceiro da mesma maneira – casou-se com ela e morreu sem descendência, como o segundo fez. A versão persa adiciona, “e a quarta e quinta”; pois assim todos eles fizeram até o sétimo. [Gill, aguardando revisão]

22 Os sete não deixaram descendente. Finalmente, depois de todos, morreu também a mulher.

Comentário de John Gill

Os sete não deixaram descendente. Todos, os sete irmãos se casaram com ela, um após o outro, e nenhum deles teve filhos com ela. [Gill, aguardando revisão]

23 Na ressurreição, pois, quando ressuscitarem, ela será a mulher de qual deles? Porque os sete a tiveram por mulher.

Comentário Cambridge

Na ressurreição, pois. A dificuldade deles originou-se inteiramente em uma noção carnal de que as conexões desta vida devem ser continuadas em outra. [Cambridge, aguardando revisão]

24 E Jesus lhes respondeu:Acaso não é por isso que errais, por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus?

Comentário do Púlpito

Esses saduceus erraram de duas maneiras:(1) Eles não conheciam ou se lembravam das Escrituras, como a de Jó (Jó 21:25), “Eu sei que o meu Redentor vive”, etc., ou em Isaías (Is 26:19), “Teus mortos viverão, junto com meu cadáver ressuscitarão”; ou em Daniel (Dan 12:2), “Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão”, etc. (2) Eles não conheciam o poder de Deus, a saber, que ele pode levantar os corpos dos morto de novo para a vida, assim como a princípio ele os criou do nada; pois um poder maior é necessário para fazer o que não era, do que fazer com que o que já foi. Mas então a vida de ressurreição será uma nova vida, espiritual, gloriosa, eterna, como a dos anjos. Assim, com essas palavras, nosso Senhor atingiu a raiz dupla do erro dos saduceus:(a) ignorância das Escrituras, que ensinam claramente a ressurreição; e (b) ignorância do poder de Deus, que os levou a interpretar essas Escrituras, que falam da ressurreição, como significando apenas uma ressurreição mística do vício à virtude. [Pulpit, aguardando revisão]

25 Pois, quando ressuscitarem dos mortos, nem se casarão, nem se darão em casamento; mas serão como os anjos que estão nos céus.

Comentário de David Brown

Pois, quando ressuscitarem dos mortos, nem se casarão, nem se darão em casamento – “nem mais poderão morrer” (Lc 20:36). O casamento é ordenado para perpetuar a família humana; mas como não haverá brechas pela morte no futuro estado, esta ordenança cessará.

mas serão como os anjos que estão nos céus – Em Lucas (Lc 20:36) é “igual aos anjos”. Mas como o assunto é morte e ressurreição, não nos é permitido estender a igualdade aqui ensinada além do único ponto – a imortalidade de sua natureza. Uma bela sentença é acrescentada em Lucas (Lc 20:36) – “e são os filhos de Deus” – não em relação ao caráter, do qual não se fala aqui, mas da natureza – “sendo os filhos da ressurreição”, como levantando-se para uma existência indecorosa (Rm 8:21,23), e assim sendo os filhos da imortalidade de seu Pai (1Tm 6:16). [JFB, aguardando revisão]

26 E quanto aos mortos que ressuscitarão, não lestes no livro de Moisés, como Deus lhe falou com a sarça, dizendo:Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó?

Comentário de David Brown

E quanto aos mortos que ressuscitarão, não lestes no livro de Moisés – “Moisés” (Lc 20:37), a quem eles haviam acabado de citar com o propósito de enredá-lo.

como Deus lhe falou com a sarça – ou “no mato”, como a mesma expressão é feita em Lc 20:37, isto é, quando ele estava lá; ou “na [seção de sua história sobre o] arbusto”. A estrutura de nosso versículo sugere o último sentido, o que não é incomum.

dizendo:Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? – (Êx 3:6). [JFB, aguardando revisão]

27 Deus não é Deus de mortos, mas de vivos. Portanto errais muito.

Comentário de David Brown

Não “o Deus dos mortos, mas [o Deus] das pessoas vivas”. A palavra entre parênteses é quase certamente um acréscimo ao texto genuíno, e os editores críticos excluem isto. “Porque todos vivem para Ele” (Lc 20:38) – “em sua opinião”, ou “em sua avaliação”. Esta última afirmação – encontrada apenas em Lucas – embora não acrescente nada ao argumento, é uma ilustração adicional importante. É verdade, na verdade, que para Deus nenhum ser humano está morto ou nunca será, mas toda a humanidade sustenta uma relação consciente permanente com Ele; mas o “tudo” aqui significa “aqueles que serão considerados dignos de obter esse mundo”. Estes sustentam uma relação de aliança graciosa com Deus que não pode ser dissolvida. (Veja Rm 6:10-11). Nesse sentido, nosso Senhor afirma que, para Moisés chamar o Senhor, o “Deus” de Seus servos patriarcais, se naquele momento eles não tivessem existência, seria indigno Dele.

Ele “se envergonharia de ser chamado seu Deus, se não tivesse preparado para eles uma cidade” (Hb 11:16). Foi concluído por alguns dos primeiros Padres, de nosso Senhor descansando Sua prova da Ressurreição em uma passagem como essa, em vez de citar alguns testemunhos muito mais claros do Antigo Testamento, que os saduceus, a quem isso foi endereçado, reconheceu a autoridade de nenhuma parte do Antigo Testamento, mas o Pentateuco; e esta opinião manteve-se até agora. Mas, como não há motivo para isso no Novo Testamento, Josefo também se cala sobre ele; apenas dizendo que eles rejeitaram as tradições farisaicas. Foi porque o Pentateuco foi considerado por todas as classes como a fonte fundamental da religião hebraica, e todos os livros subsequentes do Antigo Testamento, mas como desenvolvimentos dele, que nosso Senhor mostraria que mesmo ali a doutrina da Ressurreição foi ensinada. E, ao contrário, ele seleciona essa passagem, como não sendo uma simples anunciação da doutrina em questão, mas como expressiva daquela gloriosa verdade da qual a ressurreição surge. “E quando a multidão ouviu isso” (Mt 22:23), “eles ficaram espantados com a sua doutrina”. “Então”, acrescenta Lc 20:39-40, “alguns dos escribas que responderam disseram:Mestre, disseste bem ”- desfrutando de Sua vitória sobre os saduceus. “E depois disso, eles não perguntaram a ele qualquer [pergunta]” – nenhuma das partes podia; ambos sendo totalmente frustrados. [JFB, aguardando revisão]

O grande mandamento

28 Então aproximou-se dele um dos escribas, que os havia ouvido discutir. Como ele sabia que Jesus havia lhes respondido bem, perguntou-lhe:Qual é o primeiro mandamento de todos?

Comentário de David Brown

“Mas quando os fariseus ouviram que ele havia feito os saduceus silenciar, eles foram reunidos” (Mt 22:34).

Então aproximou-se dele um dos escribas – “um doutor”, diz Mateus (Mt 22:35); isto é, professor da lei.

Como ele sabia que Jesus havia lhes respondido bem, perguntou-lhe – manifestamente em mau humor. Quando Mateus (Mt 22:35) diz que ele veio “tentador” ou “o experimentou”, como um dos farisaicos que pareciam desfrutar da derrota que Ele havia dado aos saduceus, podemos supor que, embora um pouco se orgulhe de sua visão da lei, e não indisposto a medir seu conhecimento com Alguém em quem ele ainda não havia aprendido a acreditar, ele era, no entanto, um debatedor honesto e justo.

Qual é o primeiro mandamento de todos? – primeiro em importância; o principal mandamento, o mais fundamental. Esta foi uma questão que, com alguns outros, dividiu os professores judeus em escolas rivais. A resposta de nosso Senhor está em uma linha de respeito muito diferente do que Ele mostrou aos cavilers – sempre observando sua própria direção, “Não dê o que é sagrado para os cães, nem lance suas pérolas para os porcos; para que não os pisoteassem, voltem e te rasguem ”(Mt 7:6). [JFB, aguardando revisão]

29 E Jesus respondeu:O primeiro é:'Ouve Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor;

Comentário de David Brown

E Jesus respondeu:O primeiro é – As leituras aqui variam consideravelmente. Tischendorf e Tregelles leram simplesmente:“o primeiro é”; e eles são seguidos por Meyer e Alford. Mas, embora a autoridade para a forma precisa do texto recebido seja pequena, uma forma quase idêntica a ela parece ter maior peso de autoridade. Nosso Senhor aqui dá Sua aprovação explícita à distinção entre mandamentos de caráter mais fundamental e primário, e mandamentos de natureza mais dependente e subordinada.

Ouve Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor – Este todo judeu devoto recita duas vezes por dia, e os judeus o fazem até hoje; mantendo assim o grande e antigo protesto nacional contra os politeísmos e panteísmos do mundo pagão:é a grande expressão da fé nacional em Um Deus Vivo e Pessoal – “UM JEOVÁ!” [JFB]

30 amarás, pois, ao Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento, e com todas as tuas forças.”

Comentário de David Brown

amarás – Nós agora chegamos ao glorioso Objeto daquele carinho demandado.

amarás, pois, ao Senhor teu Deus – isto é, Jeová, o Auto-Existente, que se revelou como o “EU SOU”, e não há outro; que, embora por Seu nome, Jeová, a uma distância inacessível de Suas criaturas finitas, ainda lhe sustenta um relacionamento real e definido, do qual surge Sua reivindicação e Teu dever – de Amor. Mas com o que devemos amá-lo? Quatro coisas estão aqui especificadas. Primeiro, “amarás o Senhor teu Deus”

com todo o teu coração – Isto às vezes significa “o homem inteiro” (como Pv 4:23); mas isso não pode ser entendido aqui; pois então os outros três detalhes seriam supérfluos. Muitas vezes, significa “nossa natureza emocional” – a sede do sentimento como distinta da nossa natureza intelectual ou da sede do pensamento, comumente chamada de “mente” (como em Fp 4:7). Mas também não pode ser o sentido disso aqui; pois aqui o coração se distingue tanto da “mente” quanto da “alma”. O “coração”, então, deve significar aqui a sinceridade de ambos os pensamentos e sentimentos; em outras palavras, retidão ou sinceridade, em oposição a uma afeição hipócrita ou dividida. Mas depois, “Amarás o Senhor teu Deus” com a tua alma. Isto é projetado para comandar nossa natureza emocional:Tu colocarás sentimento ou calor em teu afeto. Além disso, “amarás o Senhor teu Deus”

com todo o teu entendimento – Isto comanda nossa natureza intelectual:Tu porás inteligência em teu afeto – em oposição a uma devoção cega, ou mero devotismo. Por fim, “amarás o Senhor teu Deus”

com todas as tuas forças – Isto comanda nossas energias:Tu colocarás intensidade em teu afeto – “Faça com teu poder” (Ec 9:10). Tomando estas quatro coisas juntas, o mandamento da Lei é:“Amarás o Senhor teu Deus com todos os teus poderes – com um amor sincero, ardente, inteligente, energético.” Mas isto não é tudo o que a Lei exige. . Deus terá todas essas qualidades em seu exercício mais perfeito. “Amarás o Senhor teu Deus”, diz a Lei, “com todo o teu coração” ou, com perfeita sinceridade; “Amarás o Senhor teu Deus com toda a tua alma” ou, com o maior fervor; “Amarás o Senhor teu Deus com toda a tua mente”, ou, no mais pleno exercício de uma razão iluminada; e “amarás o Senhor teu Deus com toda a tua força”, ou, com toda a energia do nosso ser! Tanto para o primeiro mandamento. [JFB, aguardando revisão]

31 E o segundo é:'Amarás ao teu próximo como a ti mesmo'. Não há outro mandamento maior que estes.

Comentário de David Brown

E o segundo é – “para ele” (Mt 22:39); como exigindo a mesma afeição, e somente a extensão dela, em sua medida apropriada, às criaturas Daquele a quem nós amamos – nossos irmãos na participação da mesma natureza, e vizinhos, como conectados conosco por laços que fazem cada um dependente e necessário para o outro.

 Amarás ao teu próximo como a ti mesmo – Agora, como não devemos nos amar supremamente, isto é virtualmente um comando, em primeiro lugar, não amar o nosso próximo com todo o nosso coração e alma e mente e força. E assim é uma condenação da idolatria da criatura. Nosso supremo e extremo afeto é ser reservado para Deus. Mas tão sinceramente quanto nós devemos amar toda a humanidade, e com a mesma prontidão de fazer e sofrer por eles, como devemos razoavelmente desejar que nos mostrem. A regra de ouro (Mt 7:12) é aqui o nosso melhor intérprete da natureza e extensão dessas afirmações.

Não há outro mandamento maior que estes – ou, como em Mt 22:40:“Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas” (ver em Mt 5:17). É como se Ele tivesse dito:“Isto é tudo em poucas palavras; toda a lei do dever humano em uma forma de bolso portátil ”. De fato, é tão simples que uma criança pode entendê-la, tão breve que todos possam se lembrar dela, tão abrangente que abrange todos os casos possíveis. E por sua própria natureza, é imutável. É inconcebível que Deus exija de suas criaturas racionais algo menor, ou em substância qualquer outra coisa, sob qualquer dispensação, em qualquer mundo, em qualquer período durante a duração eterna. Ele não pode deixar de reivindicar isso – tudo isso – tanto no céu, na terra e no inferno! E este resumo incomparável da lei divina pertencia à religião judaica! Enquanto brilha em seu próprio esplendor evidente, também revela sua própria fonte verdadeira. A religião da qual o mundo a recebeu não poderia ser outra senão uma religião dada por Deus! [JFB, aguardando revisão]

32 E o escriba lhe disse:Muito bem, Mestre, com verdade disseste que ele é um só, e não há outro além dele.

Comentário de David Brown

com verdade disseste que ele é um só, e não há outro além dele – O texto genuíno aqui parece claramente ter sido:“Há um”, sem a palavra “Deus”; e quase todos os editores e expositores críticos lêem. [JFB, aguardando revisão]

33 E que amá-lo com todo o coração, com todo o entendimento, e com todas as forças; e amar ao próximo como a si mesmo, é mais de que todos os holocaustos e sacrifícios.

Comentário de David Brown

Mais do que todas as instituições positivas; mostrando, assim, a percepção da diferença essencial entre o que é moral e, em sua própria natureza, imutável, e o que é obrigatório apenas porque é ordenado, e apenas enquanto for ordenado. [JFB, aguardando revisão]

34 Jesus viu que ele havia respondido sabiamente, e disse-lhe:Não estás longe do Reino de Deus. E ninguém mais ousou lhe perguntar.

Comentário de David Brown

Jesus viu que ele havia respondido sabiamente – sim, “inteligentemente” ou “sensatamente”; não apenas com um bom espírito, mas com uma medida promissora de percepção das coisas espirituais.

e disse-lhe:Não estás longe do Reino de Deus pois ele teve de seguir um pouco mais além do que ele parecia sinceramente possuir, para encontrar seu caminho para o reino. Ele precisava apenas da experiência de outro eminente escriba que em um período posterior disse:“Sabemos que a lei é espiritual, mas eu sou carnal, vendida debaixo do pecado”:​​que exclamou:“Miserável homem que sou! Quem me livrará? ”, Mas quem acrescentou:“ Agradeço a Deus por Jesus Cristo! ”(Rm 7:14,24-25). Talvez entre a “grande companhia dos sacerdotes” e outros eclesiásticos judeus que “eram obedientes à fé”, quase imediatamente após o dia de Pentecostes (At 6: 7), esse advogado honesto era um deles. Mas, apesar de toda a sua proximidade ao Reino de Deus, pode ser que ele nunca tenha entrado nele.

E ninguém mais ousou lhe perguntar – todos sentindo que não eram páreo para Ele, e que era inútil entrar na lista com Ele. [JFB, aguardando revisão]

35 E Jesus respondia e dizia, enquanto ensinava no templo:Como os escribas dizem que o Cristo é filho de Davi?

Comentário de David Brown

E Jesus respondia e dizia, enquanto ensinava no templo – e “enquanto os fariseus estavam reunidos” (Mt 22:41).

Como os escribas dizem que o Cristo é filho de Davi? – Como eles podem dizer que o Messias é ser filho de Davi? Em Mateus (Mt 22:42), Jesus lhes pergunta:“O que você acha de Cristo?” Ou do prometido e esperado Messias? “De quem é filho ele [ser]? Dizem-lhe:O filho de Davi. ”O sentido é o mesmo. “Disse-lhes ele:Como é então que Davi, em espírito, lhe chama Senhor?” (Mt 22:42-43). [JFB, aguardando revisão]

36 O mesmo Davi disse pelo Espírito Santo:Disse o Senhor ao meu Senhor, senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.

Comentário do Púlpito

Disse o Senhor ao meu Senhor. A partir deste versículo (Salmo 110:1-7), nosso Senhor mostra que o Messias, tal como era, não era um mero homem, como os fariseus pensavam, mas que era Deus e, portanto, Senhor de Davi. O significado, portanto, é este:”O Senhor Deus disse ao meu Senhor”, isto é, Cristo, “Senta-te à minha direita”, isto é, quando, após sua cruz, sua morte e sua ressurreição, ele irá exalte-o muito acima de todo principado e poder, e coloque-o ao lado dele no céu, para que ele possa reinar com suprema felicidade, poder e glória sobre todas as criaturas. Estas palavras mostram que este é um decreto divino, fixo e irrevogável. Até que eu faça dos teus inimigos teu escabelo (ὑποπόδιον τῶν ποδῶν σου); literalmente, o escabelo de teus pés; isto é, reine comigo em glória até o dia do julgamento, quando farei os ímpios, todos os poderes opostos, sujeitos a ti. A palavra “até” não implica que Cristo então cessará de reinar. “Do seu reino não haverá fim.” Mas ele então entregará formalmente o reino a Deus, sim, o Pai, apenas para que possa recebê-lo novamente como a segunda Pessoa da Trindade. [Pulpit, aguardando revisão]

37 Ora, se o próprio Davi o chama de Senhor, como, pois, é seu filho? E a grande multidão o ouvia de boa vontade.

Comentário de David Brown

se o próprio Davi o chama de Senhor, como, pois, é seu filho? – Existe apenas uma solução para essa dificuldade. O Messias é imediatamente inferior a Davi como seu filho segundo a carne e superior a ele como o Senhor de um reino do qual Davi é ele mesmo um sujeito, não o soberano. A natureza humana e divina de Cristo, e a espiritualidade de Seu reino – da qual os mais altos soberanos da terra são honrados, se forem considerados dignos de serem seus súditos – fornecem a única chave para esse enigma.

o ouvia de boa vontade – “E ninguém podia responder-lhe uma palavra; Ninguém ousa qualquer homem, daquele dia em diante, perguntar-lhe mais alguma coisa ”(Mateus 22:46). [JFB, aguardando revisão]

38 E dizia em seu ensino:Cuidado com os escribas, que gostam de andar com roupas compridas, das saudações nas praças,

Comentário de David Brown

E dizia em seu ensino – em vez disso, “em seu ensino”; insinuando que isto era apenas um exemplo de um discurso extenso, que Mateus dá por completo (Mt 23:1-39). Lucas diz (Lc 20:45) que isto foi “na audiência de todo o povo disse aos seus discípulos”. [JFB, aguardando revisão]

39 das primeiras cadeiras nas sinagogas, e dos primeiros assentos nas ceias.

Comentário Cambridge

das primeiras cadeiras. Os assentos de honra para os anciãos da sinagoga foram colocados em frente à arca que contém a Lei, na parte superior, onde se sentaram voltados para o povo. Na sinagoga de Alexandria havia setenta e uma cadeiras de ouro, de acordo com o número dos membros do Grande Sinédrio. [Cambridge, aguardando revisão]

40 que devoram as casas das viúvas, com pretexto de longas orações. Esses receberão mais grave condenação.

Comentário de David Brown

Eles se aproveitavam de sua condição de desamparo e caráter confiante, para obter a posse de suas propriedades, enquanto por suas “longas orações” eles as fizeram acreditar que foram criadas muito acima do “lucro imundo”. Tanto a “condenação maior” os esperava. (Compare Mat 23:33). [JFU, aguardando revisão]

A oferta da viúva

41 Quando Jesus estava sentado de frente à arca do tesouro, observava como a multidão lançava dinheiro na arca do tesouro; e muitos ricos lançavam muito.

Comentário do Púlpito

sentado de frente à arca do tesouro (γαζοφυλάκιον, de γάζα, uma palavra persa que significa “tesouro”, e φυλάττειν, guardar). Este era o receptáculo no qual as ofertas do povo iam para o oriente, para uso do templo e para o benefício dos sacerdotes e dos pobres. Conseqüentemente, aquela parte do templo em que esses presentes eram guardados era chamada de tesouro.

observava (ἐθεώρει) – literalmente, ele estava vendo; ele estava observando – como a multidão πῶς ὁ ὄχλος – isto é, de que maneira, com quais motivos (pois ele era o pesquisador de corações) a multidão de doadores – lançava dinheiro (βάλλει χαλκόν); literalmente, está lançando · São Lucas usa o termo (τὰ δῶρα) “seus dons.” Muitos que eram ricos lançaram muito (πολλά), isto é, “muitas peças”. Havia várias aberturas no tesouro, que por sua forma eram chamadas de trombetas. Alguns deles tinham inscrições especiais, marcando o destino das ofertas. [Pulpit, aguardando revisão]

42 E uma pobre viúva veio, e lançou duas pequenas moedas, de pouco valor.

Comentário Ellicott

E uma pobre viúva veio. A posição da narrativa dá à descrição toda a nitidez do contraste. Entre os “muitos” que lançaram muito, deve ter havido pelo menos alguns dos fariseus que devoravam as casas das viúvas. Aqui estava uma viúva cuja casa havia sido devorada, e que ainda mostrava por seu ato que guardava os dois grandes mandamentos, que os próprios escribas declararam serem acima de tudo holocaustos e sacrifícios. [Ellicott, aguardando revisão]

43 Então Jesus chamou a si os seus discípulos, e disse-lhes:Em verdade vos digo que esta pobre viúva lançou mais que todos os que lançaram na arca do tesouro;

Comentário do Púlpito

esta pobre viúva lançou mais. A leitura correta do verbo aqui é ἔβαλε, não βέβληκε; esta representação aorística tem uma autoridade muito boa – esta pobre viúva colocou mais. Seu ato está completo e foi erguido para um memorial diante de Deus. Ela “deu” mais do que todos os outros que estão lançando (τῶν βαλλόντων), e não “lançaram (τῶν βαλόντων)”. Ela deu mais, quando ela jogou essas duas moedas, do que todos os outros estavam dando – mais, isto é, na avaliação daquele que não vê como o homem vê. Deus não pesa tanto o presente quanto a mente de quem o dá. Esse presente é realmente maior aos olhos dele, não o que é realmente de maior valor, mas o que é maior em relação ao doador. Portanto, esta pobre viúva, ao dar o seu centavo, deu mais do que todos eles, porque deu todo o seu sustento, isto é, tudo o que ela tinha de antemão para aquele dia, confiando que o Senhor lhe daria o pão daquele dia […] Santo Ambrósio diz:”Essa humildade e devoção.” que Deus estima não é o que você apresenta com orgulho, mas o que você oferece com humildade e devoção. [Pulpit, aguardando revisão]

44 Porque todos lançaram daquilo que lhes sobra; mas esta, da sua pobreza lançou tudo o que tinha, todo o seu sustento.

Comentário Barnes

tudo o que tinha – Tudo o que ela tinha para viver. Ela confiou em Deus para suprir suas necessidades e dedicou seus poucos bens inteiramente a ele. [Barnes, aguardando revisão]

<Marcos 11 Marcos 13>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.