João 11

A ressurreição de Lázaro

1 E estava doente um certo Lázaro, de Betânia, a aldeia de Maria e de sua irmã Marta.

Comentário de David Brown

de Betânia – no lado leste do Monte das Oliveiras.

a aldeia de Maria e de sua irmã Marta – distinguindo-a assim da outra Betânia, “do outro lado do Jordão” (Ver Jo 1:28; Jo 10:40). [JFB]

2 (E era Maria a que ungiu ao Senhor com o óleo, e com seus cabelos lhe limpou os pés; a que cujo irmão Lázaro era o que estava doente).

Comentário de David Brown

E era Maria a que ungiu ao Senhor com o óleo, e com seus cabelos lhe limpou os pés – Embora este evento só esteja registrado por nosso evangelista em Jo 12:3, provavelmente era bem conhecido no ensino de todas as igrejas, de acordo com a previsão de nosso Senhor (Mateus 26:13). [JFB]

3 Enviaram pois suas irmãs uma mensagem a ele, dizendo: Senhor, eis que aquele a quem tu amas está doente.

Comentário de David Brown

Um apelo para o conhecido afeto de seu Senhor pelo enfermo. (Veja Jo 11:5, 11). “Aqueles a quem Cristo ama não estão mais isentos do que os outros de sua parcela de problemas terrenos e angústias: em vez disso, eles estão ligados a ele com mais segurança” (R.C. Trench). [JFB]

4 E ouvindo Jesus, disse: Esta doença não é para morte, mas para glória de Deus; para que o Filho de Deus seja por ela glorificado.

Comentário de David Brown

mas para glória de Deus; para que o Filho de Deus seja por ela glorificado – Linguagem notável esta, que dos lábios da criatura teria sido intolerável. Significa que a glória de Deus manifestada na ressurreição de Lázaro seria mostrada como sendo a glória, pessoal e imediata, do FILHO. [JFB]

5 E Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro.

Que imagem! Uma que em todas as épocas atraiu a admiração de toda a Igreja Cristã. Um exemplo de que a amizade faz parte das virtudes do Evangelho.

6 Quando, pois, ele ouviu que estava doente, ficou ainda dois dias no lugar onde estava.

Comentário de David Brown

Jesus estava a pelo menos quarenta quilômetros de distância do seu amigo. Além de toda a dúvida, isso foi apenas para deixar as coisas chegarem ao pior, a fim de mostrar a Sua glória. Mas como tentar, entretanto, a fé de seus amigos, e quão diferente da maneira comum de amor a um amigo morto se mostra, sobre o qual está claro que Maria contava. Mas os caminhos do divino não são como os caminhos do amor humano. Muitas vezes são o contrário. Quando o seu povo está doente, no corpo ou no espírito; quando o caso deles está ficando mais e mais desesperado a cada dia; quando toda a esperança de recuperação está prestes a expirar – nesse momento e, portanto, é que “Ele permanece dois dias no mesmo lugar em que está”. Eles ainda podem esperar contra a esperança? Muitas vezes não o fazem; mas “esta é a enfermidade deles”. Pois é o Seu estilo escolhido de agir. Temos sido bem ensinados e não devemos negligenciar essa lição. Desde os dias de Moisés foi dada subliminarmente como o caráter de Suas maiores intervenções, que “o Senhor julgará Seu povo e se arrependerá por Seus servos” – quando Ele ver que a força de seus servos se foi (Deuteronômio 32:36). [JFB]

7 Então depois disto voltou a dizer aos discípulos: Vamos outra vez à Judeia.

Vamos outra vez à Judeia – Ele estava “do outro lado do Jordão”.

8 Disseram-lhe os discípulos: Rabi, ainda agora os Judeus procuravam te apedrejar; e tu voltas novamente para lá?

os Judeus procuravam te apedrejar – (Jo 10:31).

e tu voltas novamente para lá? – para a morte certa, como mostra Jo 11:16, eles pensando.

9 Respondeu Jesus: Não há doze horas no dia? Se alguém anda de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo.

Comentário de David Brown

Respondeu Jesus: Não há doze horas no dia? – (Veja em Jo 9:4). O dia de nosso Senhor chegara agora a sua décima primeira hora, e tendo até agora “caminhado durante o dia”, Ele não iria calcular mal a parte restante e mais crítica de Sua obra, que seria tão fatal, diz ele, quanto omiti-la completamente; pois “se um homem (assim Ele fala, colocando-se sob a mesma grande lei do dever como todos os outros homens – se um homem) andar na noite, ele tropeça, porque não há luz nele”. [JFB]

10 Mas se alguém anda de noite, tropeça; porque nele não há luz.

Comentário de Thomas Croskery

Ele se isola da luz da oportunidade dada por Deus e não carrega lâmpada em sua alma. Não há necessidade de supor, em João 9:4, que o dia estava chegando ao fim, ou que neste lugar um dia natural estava amanhecendo; mas há alguma probabilidade desta fraseologia que João tenha adotado o método babilônico ao invés do romano de calcular as horas do dia. Isso decidiu levar em conta várias questões importantes (notas, João 1:39; João 4:6, 52; João 19:14). As “doze horas” mostram, em todos os eventos, que os judeus nessa época geralmente contavam do nascer ao pôr do sol. Deve-se lembrar que o dia diferia consideravelmente em duração em diferentes partes do ano, de quatorze horas a nove; mas talvez o uso enfático da expressão desperte especial interesse pelo fato de que o equinócio estava se aproximando. [Croskery, aguardando revisão]

11 Ele falou estas coisas; e depois disto, disse-lhes: Lázaro, nosso amigo, dorme; mas vou para despertá-lo do sono.

Comentário de David Brown

Lázaro, nosso amigo, dorme; mas vou para despertá-lo do sono – que título ilustre! “Lázaro, nosso amigo”. Só para Abraão este é concedido no Antigo Testamento, e somente depois da sua morte, (2Crônicas 20:7; Isaías 41:8), para o qual nossa atenção é chamada no Novo Testamento (Tiago 2:23). Quando Jesus veio em carne, Seu precursor aplicou este nome, em certo sentido, a si mesmo (Jo 3:29); e na mesma comunhão os discípulos escolhidos pelo Senhor são declarados como tendo alcançado (Jo 15:13-15). “A frase aqui empregada,“Lázaro, nosso amigo”, significa mais do que “aquele a quem tua amas”em Jo 11:3, pois implica que a afeição de Cristo foi retribuída por Lázaro” (F.A. Lampe). Foi dito ao Nosso Senhor apenas que Lázaro estava “doente”. Mas a mudança que seus dois dias de atraso haviam produzido é aludida aqui com ternura. Sem dúvida, o Seu espírito esteve todo o tempo com a Sua morte, e agora “amigo” morto. O símbolo do “sono” pela morte é comum a todas as línguas, e familiar para nós no Antigo Testamento. No Novo Testamento, porém, um significado mais elevado é colocado nele, em relação aos crentes em Jesus (ver em 1Tessalonicenses 4:14), um sentido insinuado, e claramente no Salmo 17:15 (C.E. Luthardt); e o “despertar do sono” adquire um sentido correspondente que transcende a ressurreição. [JFB]

12 Disseram pois seus discípulos: Senhor, se ele dorme, será salvo.

se ele dorme, será salvo – “Por que então ir para a Judéia?”

13 Mas Jesus dizia isto de sua morte; porém eles pensavam que falava do repouso do sono.

Comentário de H. W. Watkins

porém eles pensavam que falava do repouso do sono. Essas palavras proíbem a idéia de que eles realmente entendiam que Lázaro estava morto, mas não queriam parecer saber disso. Três deles, de fato, ouviram nosso Senhor aplicar a palavra “dormir” à morte antes (Mateus 9:24), mas esse caso de mal-entendido da parte deles toma seu lugar com outros do mesmo tipo, mostrando que o significado superficial das palavras era o que naturalmente se lhes sugeria. (Comp. Mateus 16:6-12 e Lucas 22:38) Não é provável que todos os “três” estivessem presentes durante esta entrevista. Se ocorreu em Tellanihje, então a proximidade de Betsaida e de outras cidades da Galiléia pode ter levado alguns dos Doze a visitar suas antigas casas. (Comp. João 1:28; João 1:48 et em diante) Dificilmente podemos imaginar que Pedro estava presente sem tomar parte proeminente na conversa, ou que Tomé teria sido em sua presença o orador representativo (João 11:16). Sua ausência pode ser tomada como uma das razões pelas quais o relato do milagre que se segue está ausente do Evangelho de Marcos, que é, como o de João, o Evangelho de uma testemunha ocular. [Watkins, aguardando revisão]

14 Então pois lhes disse Jesus claramente: Lázaro está morto.

Comentário de David Brown

J.A. Bengel lindamente disse: “O sono é a morte dos santos, na linguagem do céu; mas aqui esta linguagem os discípulos não entenderam; incomparável é a generosidade da maneira divina de discursar, mas tal é a lentidão da apreensão dos homens de que a Escritura frequentemente tem que descer para o estilo mais miserável do discurso humano” compare Mateus 16:11. [JFB]

15 E me alegro, por causa de vós, que eu não estivesse lá, para que creiais; porém vamos até ele.

Comentário de David Brown

E me alegro, por causa de vós, que eu não estivesse lá – Isso certamente implica que, se estivesse presente, Lázaro não teria morrido; não porque não pudesse resistir às importunidades das irmãs, mas porque, na presença da Vida em pessoa, a morte não poderia ter chegado a seu amigo (C.E. Luthardt).

para que creiais – Isto é acrescentado para explicar a sua “alegria” por não ter estado presente. A morte de seu amigo, como tal, não poderia ter sido “alegre” para Ele; a sequencia do relato mostra que foi “grave”; mas para eles era seguro (Filipenses 3:1). [JFB]

16 Disse pois Tomé, chamado o Dídimo, aos colegas discípulos: Vamos nós também, para que com ele morramos.

Comentário de David Brown

Tomé, chamado o Dídimo – ou “o gêmeo”.

Vamos nós também, para que com ele morramos – um espírito amável, embora tingido de alguma tristeza, como reaparece em Jo 14:5, mostrando a tendência desse discípulo de assumir a visão sombria das coisas. Em uma ocasião memorável, essa tendência abriu a porta para a incredulidade, embora momentânea (Jo 20:25). [JFB]

17 Vindo pois Jesus, encontrou que já havia quatro dias que estava na sepultura.

Comentário de David Brown

Se Lázaro morreu no dia em que chegou a notícia de sua doença – e fosse, de acordo com o costume judaico, enterrado no mesmo dia (Jo 11:39; Atos 5:5-6, 10) – e se Jesus, depois de dois dias de permanência na Peréia, partisse no dia seguinte para Betânia, umas dez horas de viagem, resultaria os quatro dias; o primeiro e o último incompletos (H.A.W. Meyer). [JFB]

18 (E Betânia era como quase quinze estádios de Jerusalém).

quinze estádios de Jerusalém – Menos de três quilômetros. A proximidade é mencionada para explicar as visitas de consolo recebidas e mencionadas no versículo seguinte (19).

19 E muitos dos judeus tinham vindo até Marta e Maria, para consolá-las por seu irmão.

Assim foram fornecidas, de uma maneira muito natural, muitas testemunhas do glorioso milagre que se seguiu.

20 Ouvindo pois Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro; mas Maria ficou sentada em casa.

Comentário de David Brown

Ouvindo pois Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro – fiel à energia e atividade de seu caráter, como visto em Lucas 10:38-42.

mas Maria ficou sentada em casa – igualmente fiel ao seu caráter tranquilo. Esses toques não premeditados não apenas ilustram de maneira encantadora a minuciosa fidelidade histórica de ambas as narrativas, mas também sua harmonia interna. [JFB]

21 Disse pois Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.

Comentário de David Brown

Maria disse depois a mesma coisa mais a frente (Jo 11:32), é claro que elas fizeram essa observação uma a outra, talvez muitas vezes durante esses quatro dias tristes, e não sem ter sua confiança no amor do Senhor às vezes obscurecida. Tais provações da fé, no entanto, não são exclusivas a elas. [JFB]

22 Porém também sei agora, que tudo quanto pedires a Deus, Deus o dará a ti.

Comentário de David Brown

Porém também sei agora… – Pessoas energéticas são geralmente otimistas.

tudo quanto pedires a Deus, Deus o dará a ti – isto é, “até à restauração do meu irmão morto à vida”, isso é claramente o seu significado, como mostra a sequência. [JFB]

23 Disse-lhe Jesus: Teu irmão ressuscitará.

Comentário de H. W. Watkins

Teu irmão ressuscitará. Estas palavras, pronunciadas como foram por nosso Senhor após o propósito de Sua viagem, como expresso em João 11:11, e imediatamente antes da sua realização, não podem ser tomadas para excluir a restauração de Lázaro à vida física. Ao mesmo tempo, a forma das palavras aponta claramente, como Marta as entendeu, para “a ressurreição no último dia”. Elas são escolhidas precisamente para este propósito; para levá-la do anseio apaixonado pela restauração de seu irmão, e de um pensamento vago do poder e vontade do Senhor para restaurá-lo, para uma concepção mais ampla e mais verdadeira do que a vida realmente é, e para uma realização da verdade de que para um verdadeiro crente Nele não pode haver tal coisa como a morte. Este “sinal”, como qualquer outro, não deve ser uma mera maravilha, nem deve ser limitado à nossa vida restaurada. É levar à verdade espiritual que é significada; e é ser para eles e para a humanidade a verdadeira conquista da morte pela Vida. [Watkins, aguardando revisão]

24 Marta lhe disse: Eu sei que ele ressuscitará, na ressurreição, no último dia.

“Mas nós nunca mais o veremos em vida até lá?”

25 Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição, e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá.

Comentário de David Brown

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição, e a vida – “Todo o poder de restaurar, transmitir e manter a vida reside em Mim.” (Veja em Jo 1:4;  Jo 5:21). Que reivindicação mais elevada à suprema divindade que esta grande fala pode ser concebida?

quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá – isto é, a morte do crente será tragada em vida, e sua vida nunca se afundará em morte. Como a morte vem pelo pecado, é dEle anulá-la; e como a vida flui através de Sua justiça, é Sua para comunicá-la e eternamente mantê-la (Romanos 5:21). [JFB]

26 E todo aquele que vive, e crê em mim, para sempre não morrerá. Crês nisto?

Comentário de Albert Barnes

E todo aquele que vive. Ele acabara de falar das perspectivas dos mortos piedosos. Ele agora diz que as mesmas perspectivas estão diante dos vivos que têm a mesma fé. Grego: “Todo aquele que vive e crê em mim”.

para sempre não morrerá. Como os mortos, embora mortos, ainda viverão, os vivos terão o mesmo tipo de vida. Eles nunca entrarão na morte eterna. Veja Joao 6:50-51, João 6:54, João 6:58. Grego: “De odo algum morrerá para sempre.”

Crês nisto? Esta pergunta foi sem dúvida feita porque implicava que ele foi então capaz de ressuscitar Lázaro, e porque era um momento apropriado para ela testar sua própria fé. O tempo da aflição é um período favorável para tentarmos averiguar se temos fé. Se ainda tivermos confiança em Deus, se buscarmos nele conforto em tais ocasiões, é uma boa evidência de que somos seus amigos. Aquele que ama a Deus quando tira seus confortos, tem a melhor evidência possível de verdadeiro apego a ele. [Barnes, aguardando revisão]

27 Disse-lhe ela: Sim, Senhor; já cri que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que viria ao mundo.

Comentário de F. L. Godet

Ver nesta confissão de Marta, como alguns fizeram, apenas uma simples confissão de falta de entendimento com referência às palavras precedentes de Jesus: “Não compreendo todas estas coisas profundas de que me falas, mas considera-te o Messias”, é estranhamente depreciar seu significado. Esse significado daria a essa cena de tão grave importância um caráter quase ridículo. Com sua resposta: Sim, Senhor, Marta certamente se apropria de tudo o que Jesus acaba de afirmar respeitar a sua pessoa, só que não se sente em condições de formular espontaneamente a sua fé nas coisas que lhe são tão novas, e usa termos que lhe são familiares para exprimir o pensamento de que Jesus é para ela tudo o que há de maior, e que, o que quer que Ele afirme a respeito de Sua pessoa, Ele nunca dirá demais da fé daquele que fala com Ele. O Cristo: o fim das revelações e dispensações teocráticas; o Filho de Deus: evidentemente algo mais do que o Cristo, a menos que haja aqui uma tautologia ociosa: o personagem em quem Deus se manifesta como em nenhum outro, e que está em uma relação íntima e misteriosa com Deus. A expressão: quem vem ao mundo, não é um terceiro título, mas uma aposição explicativa dos outros dois. O particípio presente ἐρχόμενος, que vem, é o presente da ideia: aquele que, de acordo com a promessa divina, deveria vir, e de fato vem. O mundo: o teatro previsto de sua atividade messiânica. Há uma grande verdade psicológica nesta resposta de Marta: ao designá-lo assim, ela implicitamente reconhece que Ele é de fato tudo o que disse: a ressurreição e a vida. — ᾿Εγώ: Eu a quem você está questionando; πεπίστευκα (perfeito): esta é uma convicção que ganhei. [Godet, aguardando revisão]

28 E dito isto, ela se foi, e chamou em segredo a Maria, sua irmã, dizendo: Aqui está o Mestre, e ele te chama.

Aqui está o Mestre, e ele te chama – A narrativa não nos dá este detalhe interessante, mas as palavras de Marta fazem.

29 Ouvindo ela isto, logo se levantou, e foi até ele.

Afeição por seu Senhor, segurança de Sua simpatia e Sua esperança de intervenção, energizando seu espírito angustiado.

30 (Porque Jesus ainda não havia chegado à aldeia; mas estava no lugar onde Marta lhe saíra ao encontro).

Comentário de Thomas Croskery

A pouca distância do túmulo ou da aldeia. O Senhor provavelmente procurou confortar as irmãs à parte da multidão. Assim dizem a maioria dos comentaristas. Isso não está no texto. Se era seu propósito, foi frustrado. Hengstenberg pensa que nosso Senhor não se opôs às multidões que testemunharam o milagre, mas se assim fosse, seria sem qualquer arranjo de sua parte. [Croskery, aguardando revisão]

31 Vendo pois os judeus que com ela estavam em casa, e a consolavam, que Maria com pressa se levantara, e saíra, seguiram-na, dizendo: Ela vai para a sepultura, para chorar lá.

Comentário de David Brown

os judeusseguiram-naa sepultura – Assim, casualmente, foram providas testemunhas do glorioso milagre que se seguiu, certamente sem preconceitos, em favor daquele que a operou.

chorar lá – de acordo com a prática judaica, por alguns dias após o enterro. [JFB]

32 Vindo pois Maria aonde Jesus estava, e vendo-o, caiu a seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.

caiu a seus pés – mais intensa que sua irmã, embora suas palavras fossem menores (Veja em Jo 11:21).

33 Quando Jesus a viu chorar, e aos judeus, que vinham chorando com ela, comoveu-se em espírito, e ficou perturbado.

As lágrimas de Maria e suas amigas agiram com simpatia sobre Jesus, e exaltaram Suas emoções. Que vívido e belo resultado de sua “real” humanidade!

e ficou perturbado – referindo-se provavelmente a essa dificuldade visível de reprimir suas emoções.

34 E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem, e vê.

Comentário de Alfred Plummer

Onde o pusestes? Esta pergunta vai contra a suposição, baseada em João 11:31, de que o lugar onde Jesus parou do lado de fora da aldeia era perto do túmulo.

Disseram-lhe. ‘Elas’ são as duas irmãs: em ambos os lados “a dor fala no menor número de palavras possível”. [Plummer, aguardando revisão]

35 Jesus chorou.

Comentário de David Brown

Isso transmite belamente a sublime brevidade das duas palavras originais; outro “derramar de lágrimas” poderia ter melhor transmitido a diferença entre a palavra aqui usada e que duas vezes empregada em Jo 11:33, e ali propriamente traduzida “choro”, denotando o alto lamento pelos mortos, enquanto a de Jesus consistia em lágrimas silenciosas. É por nada que o evangelista, uns sessenta anos depois, sustenta para todas as idades com tão ligeira brevidade o sublime espetáculo do Filho de Deus em lágrimas? Que selo de Sua perfeita unidade conosco na característica mais redentora de nossa humanidade ferida! Mas não havia nada nessas lágrimas além da tristeza pelo sofrimento e morte humana? Esses efeitos poderiam movê-lo sem sugerir a causa? Quem pode duvidar de que em Seu ouvido cada característica da cena proclamava aquela lei severa do Reino: “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23), e que esse elemento em Sua emoção visível está por trás de todo o resto? [JFB]

36 Disseram pois os Judeus: Vede como ele o amava!

Nós te agradecemos, ó visitantes de Jerusalém, por este testemunho espontâneo da ternura humana do Filho de Deus.

37 E alguns deles disseram: Não podia este, que abriu os olhos ao cego, ter feito também que este não morresse?

Comentário de H. W. Watkins

E alguns deles disseram. Melhor, mas alguns deles disseram – ou seja, outro partido dos judeus, diferente dos mencionados no último versículo.

Não podia este, que abriu os olhos ao cego, ter feito também que este não morresse? Referem-se ao maior milagre ocorrido dentro dos limites de seu próprio conhecimento. Os outros milagres de ressuscitar os mortos eles devem ter ouvido falar, mas não acreditaram. O que eles pensam aqui não é ressuscitar os mortos, mas a possibilidade de prevenir a morte; e sua pergunta pretende implicar que Ele não poderia ter evitado essa morte. Se pudesse, certamente o teria feito por alguém a quem amava e teria vindo imediatamente, em vez de esperar até que a morte ocorresse. A inferência que eles tirariam é que, afinal, o presente fracasso é uma prova de que Ele não abriu os olhos dos cegos. [Watkins, aguardando revisão]

38 Comovendo-se pois Jesus outra vez em si mesmo, veio à sepultura; e era esta uma caverna, e estava uma pedra posta sobre ela.

Comentário de David Brown

Comovendo-se pois Jesus outra vez em si mesmo – isto é, como em Jo 11:33, examinou ou reprimiu Seus crescentes sentimentos, no exemplo anterior, de tristeza, aqui de justa indignação pela incredulidade; (compare Marcos 3:5) (W.C. Wilkinson). Mas aqui também a dolorosa emoção era mais profunda, agora que Seus olhos estavam prestes a fixar no local onde ainda estava, nos horrores da morte, Seu “amigo”.

uma caverna – a cavidade, natural ou artificial, de uma rocha. Isso, com o número de visitantes em pêsames de Jerusalém, e o unguento caro com o qual Maria depois ungiu Jesus em Betânia, mostra que a família estava em boas condições financeiras. [JFB]

39 Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, a irmã do morto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal, porque já é de quatro dias.

Comentário de David Brown

Disse Jesus: Tirai a pedra – falou aos assistentes de Marta e Maria; pois foi preciso de um de certo esforço (Hugo Grotius). Segundo os talmudistas, era proibido abrir uma sepultura depois que a pedra foi colocada sobre ela. Além de outros perigos, eles estavam apreensivos por causa da impureza legal pelo contato com os mortos. Por isso evitavam aproximar-se de um túmulo mais de dois metros (Maimônides). Mas Aquele que tocou o leproso e o caixão da viúva do filho de Naim, ergue-se aqui também acima desses memoriais judaicos, cada um dos quais Ele veio para rolar. Observe aqui o que o nosso Senhor fez a si mesmo e o que Ele fez os outros fazerem. Assim como o próprio Elias consertou o altar no Carmelo, arrumou a madeira, cortou a vítima e colocou as peças na lenha, mas fez como que os espectadores enchessem a cova ao redor com água, para que nenhuma suspeita pudesse surgir do fogo ter sido lançado secretamente ao altar (1Reis 18:30-35); assim, para que nosso Senhor deixasse o mais cético ver que, sem colocar a mão na pedra que cobria o amigo, Ele poderia traze-lo à vida. O que poderia ser feito pela mão humana Ele ordena que seja feito, reservando apenas para Si mesmo o que transcende a capacidade de todas as criaturas.

Senhor, já cheira mal, porque já é de quatro dias – (Veja em Jo 11:17). É errado supor como alguns que, como os espectadores, ela não havia pensado em sua restauração à vida. Mas os lampejos de esperança que ela nutria desde o princípio (Jo 11:22), e que haviam sido iluminados pelo que Jesus lhe disse (Jo 11:23-27), sofreram um eclipse momentâneo sobre a proposta de expor o cadáver agora oculto. Toda fé real está sujeita a oscilações em horas sombrias. (Veja, por exemplo, o caso de ). [JFB]

40 Jesus disse-lhe: Não te disse, que se creres, verás a glória de Deus?

Comentário de David Brown

Ele não disse com essas palavras, mas esse era o escopo de tudo o que Ele havia dito a ela sobre Seu poder vivificador (Jo 11:23, 25-26); uma repreensão gentil, porém enfática e instrutiva: “Porque a restauração da vida, mesmo a um cadáver em decomposição, parece sem esperança na presença da ressurreição e da vida? Ainda tens que aprender que ‘se podes crer, tudo é possível ao que crê?’”(Marcos 9:23). [JFB]

41 Tiraram, pois, a pedra. E Jesus levantou os olhos para cima, e disse: Pai, graças te dou, porque me tens ouvido.

Comentário de David Brown

E Jesus levantou os olhos para cima – uma expressão marcando Sua tranquila solenidade. (Veja Jo 17:1).

Pai, graças te dou, porque me tens ouvido – em vez de, “Me ouviste”, referindo-se a uma oração específica oferecida por Ele, provavelmente no entendimento do caso que o tinha alcançado (Jo 11:3-4); pois a Sua unidade viva e amorosa com o Pai foi mantida e manifestada na carne por atos específicos de fé e exercícios de oração sobre cada caso à medida que surgisse. Ele orou (como bem diz C.E. Luthardt) não pelo que Ele queria, mas pela manifestação do que Ele tinha; e tendo a brilhante consciência da resposta na liberdade sentida de perguntar, e a certeza de que esta estava à mão, Ele agradece por isso com uma grande simplicidade antes de executar o ato. [JFB]

42 Porém eu bem sabia que sempre me ouves; mas por causa da multidão, que está ao redor, assim disse; para que creiam que tu me enviaste.

Comentário de David Brown

Em vez de orar agora, o Senhor Jesus simplesmente agradece a resposta à oração oferecida antes de partir da Peréia, e acrescenta que, mesmo assim, na audiência do povo, não havia dúvidas sobre a prevalência de Suas orações em qualquer caso, mas para mostrar às pessoas que Ele nada fez sem o Seu Pai, mas tudo por comunicação direta com Ele. [JFB]

43 E havendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai fora.

Comentário de David Brown

E havendo dito isto, clamou com grande voz – Em somente outra ocasião Ele fez isto – na cruz. Sua última expressão foi em“alta voz” (Mateus 27:50). “Ele não chorará”, disse o profeta, nem no seu ministério. Que contraste sublime é esse “alto clamor” aos “sussurros” e “murmúrios” dos quais lemos em Isaías 8:19; Isaías 29:4 (como Hugo Grotius observa)! Ele perde apenas para a grandeza daquela voz que ressuscitará todos os mortos (Jo 5:28-291Tessalonicenses 4:16). [JFB]

44 E o que estava morto saiu, com as mãos e os pés atados, e seu rosto envolto em um lenço. Disse-lhes Jesus: Desatai-o, e deixai-o ir.

Comentário de David Brown

Disse-lhes Jesus: Desatai-o, e deixai-o ir – Rolar a pedra foi a preparação necessária para a ressurreição, a outra a sequência necessária para ela. O ATO DE DAR A VIDA ELE RESERVA PARA SI MESMO. Assim, no despertar dos mortos para a vida espiritual, a instrumentalidade humana é empregada primeiro para preparar o caminho e, em seguida, transformá-la em relato. [JFB]

45 Pelo que, muitos dos Judeus, que tinham vindo a Maria, e haviam visto o que Jesus fizera, creram nele.

Comentário de David Brown

As duas classes (dos que creram e dos que não creram) continuamente reaparecem na história do Evangelho; não existe alguma grande obra de Deus que não produza ambas as coisas. “É notável que em cada uma das três ocasiões em que nosso Senhor ressuscitou os mortos, um grande número de pessoas foi reunido. Em dois casos: na ressurreição do filho da viúva de Naim e de Lázaro, estas foram todas testemunhas do milagre; no terceiro (da filha de Jairo) elas estavam necessariamente cientes disso. No entanto, este fato importante é, em cada caso, apenas incidentalmente mencionado pelos historiadores, não apresentado ou apelado como prova de sua veracidade. Em relação a esse milagre, observamos um maior grau de preparação, tanto na disposição providencial dos eventos, quanto nas ações e palavras de nosso Senhor, do que em qualquer outra. O milagre precedente (cura do homem nascido cego) distingue-se de todos os outros pela investigação aberta e formal de seus fatos. E ambos os milagres, os mais públicos e os mais bem comprovados de todos, são relatados por João, que escreveu muito depois dos outros evangelistas” (W.C. Wilknson). [JFB]

46 Mas alguns deles foram aos fariseus, e lhes disseram o que Jesus havia feito.

Comentário de E. W. Hengstenberg

ἐξ αὐτῶν – se adotarmos a primeira das explicações oferecidas no versículo 45, τῶν Ἰουδαίων, – alguns daqueles que, em contraste com aqueles que vieram a Maria, vieram a Marta, em seu caráter de dona da casa e esposa de Simão, provavelmente em concerto e cooperação com aquele fariseu (Lucas 7, “chefe dos fariseus”), Lucas 14:1. Grotius observa: Impios hos fuisse necesse est, quod gênero hominum ne conspecta quidem mortuorum ressurreiçãoe resipiscere solet, Lucas 16:31. “Ele os contrasta, como intocados e não influenciados, com os muitos crentes; e dá claramente para ser entendido que suas informações zelosas ocasionaram a reunião da sinagoga, e o conselho sangrento de Caifás”. Bengel: Citius cedit mors virtuti Christi quam infidelitas. A morte cede à virtude de Cristo mais cedo do que a incredulidade. A diferença de disposição entre os judeus não apareceram durante o curso do evento em si. A majestade de Cristo havia, por enquanto, superado sua incredulidade. Mas depois se traiu entre aqueles cujas mentes eram hostis; e João 12:10 provavelmente nos dá a verdadeira solução da maneira como o assunto foi resolvido. Então os governantes dos judeus resolveram matar Lázaro e também Jesus. Isso pressupõe que eles encontraram alguma falha nele. Sem dúvida, eles imaginaram algum plano pré-concebido entre Jesus e a família em Betânia. [Hengstenberg, aguardando revisão]

47 Então os sacerdotes e os fariseus juntaram o supremo conselho, e disseram: Que faremos? Porque este homem faz muitos sinais

Comentário de David Brown

Que faremos? Porque este homem faz muitos sinais – “Enquanto nós perdemos tempo, ‘este homem’, como seus ‘muitos milagres’, atrairá todos a Ele; o entusiasmo popular trará uma revolução, que levantará os romanos contra nós, e todos nós vai cairemos em ruína”. Que testemunho da realidade dos milagres de nosso Senhor e do efeito irresistível deles em Seus mais amargos inimigos! [JFB]

48 Se assim o deixamos, todos crerão nele, e virão os romanos, e nos tomarão tanto o lugar quanto a nação.

Comentário de H. W. Watkins

Se assim o deixamos, todos crerão nele. Aquele que, há pouco tempo, escapou de suas pedras e violência, e se retirou para Betânia, estava agora a três quilômetros de Jerusalém. Um trabalho havia levado convicção às mentes de todos que o tinham visto, embora muitos deles fossem de seu próprio partido. Outro milagre semelhante na própria cidade levaria convicção, eles pensam, às mentes de todos.

e virão os romanos, e nos tomarão tanto o lugar quanto a nação. O pavor do poder romano deve ter estado constantemente presente para os judeus daquela geração. Eles viram Arquelau deposto, e um procurador romano veio para efetivar o alistamento decretado por Augusto (Lucas 2:1). Pôncio Pilatos havia reprimido surtos de violência no próprio Templo. Houve tumultos em relação ao dinheiro de Corban e a Barrabás. A montanha do Templo era o local da fortaleza romana Antonia, e esse poder terrível pode a qualquer momento destruir a vida nacional, que só existia por tolerância.

As tentativas de provar que “nosso lugar” pode significar “o Templo” devem agora ser abandonadas; e se atribuirmos um significado local à palavra, devemos entendê-la de Jerusalém. Pode, no entanto, ser questionado se a palavra tem algum significado local aqui. Como nossas palavras “em pé”, “lugar” e “posição”, certamente pode ter um sentido moral, e os exemplos do Novo Testamento desse uso são frequentes (veja Atos 1:25; Romanos 15:23; 1Coríntios 14:16; Hebreus 12:17). Sugere-se que este sentido está mais em harmonia com o sentimento dos fariseus. Eles não possuíam poder local; e a cidade não poderia ser tirada deles mais inteiramente do que já era. Sua existência como governantes dependiam da lei mosaica e dos serviços do Templo. Em torno desses centros eles haviam reunido tradições e ordenanças humanas, às quais se apegavam porque só podiam interpretá-las e só podiam usar os vastos poderes que eram assim exercidos sobre A Lei havia se tornado praticamente um intrincado sistema de tradição, e o serviço do Templo havia se tornado praticamente um intrincado sistema de ritual. Com isso, o Império Romano, seguindo sua política usual, não interferiu, e a hierarquia judaica tornou-se o centro e os governantes do nat vida cional. Mas em oposição direta a ambos estavam a obra e o ensino de Cristo. Ele havia procurado estabelecer para a lei e o serviço a simplicidade de seus primeiros princípios espirituais. Seu ensinamento espiritual foi um corte até a raiz de todo o seu ser. Se todo o povo acreditasse nele, sua razão de ser teria desaparecido, e os romanos não mais sofreriam um imperium in imperio, que agora permitiam porque influenciava as massas do povo. Eles assumiriam tanto sua posição quanto a posição que ainda reivindicavam como nação.

A posição enfática da palavra “nosso” deve ser notada, e também que “lugar e nação” estão ligados entre si como um pensamento complexo ligado a ela. [Watkins, aguardando revisão]

49 E Caifás, um deles, que era sumo sacerdote daquele ano, lhes disse: Vós nada sabeis;

Comentário de Alfred Plummer

Caifás. Este era um sobrenome; ‘que se chamava Caifás’ Mateus 26:3 (onde ver nota no Sinédrio). Seu nome original era Joseph. Caifás é a forma siríaca de Cefas, uma “rocha”, ou, de acordo com outra derivação, significa “depressão”. O sumo sacerdócio há muito deixara de descender de pai para filho. O predecessor de Pilatos, Valério Grato, havia deposto Anás e estabelecido em sucessão Ismael, Eleazar (filho de Anás), Simão e José Caifás (genro de Anás); Caifás ocupou o cargo de a. d. 18 a 36, ​​quando foi deposto por Vitélio. Anás, apesar de seu depoimento, ainda era considerado, em certo sentido, sumo sacerdote (João 18:13; Lucas 3:2; Atos 4:6), possivelmente como presidente do Sinédrio (Atos 5:21; Atos 5:27; Atos 7:1; Atos 9:1-2; Atos 22:5; Atos 23:2; Atos 23:4; Atos 24:1). Caifás não é presidente aqui, ou não seria mencionado apenas como ‘um deles’.

daquele ano. Isso foi solicitado como uma objeção, como se o evangelista supôs ignorantemente que o sumo sacerdócio era um ofício anual – um erro que provaria longe para provar que o evangelista não era judeu e, portanto, não João. Mas não há “mesmo” no grego (comp. João 1:33, João 4:53, João 5:9; João 5:11), e “aquele ano” significa “aquele ano notável e fatal”. A mesma expressão se repete em João 11:51 e João 18:13. Mesmo que não houvesse esse significado óbvio para ‘aquele ano’, as frequentes mudanças no ofício nesse período explicariam plenamente a inserção sem que a noção de uma mudança anual estivesse implícita. Houve cerca de vinte ou trinta sumos sacerdotes na vida de João.

Vós nada sabeis. Uma inferência de sua pergunta “O que fazemos?” Era bastante óbvio o que eles deveriam fazer. O ‘vós’ é desdenhosamente enfático. O caráter resoluto mas sem escrúpulos do homem é evidente. [Plummer, aguardando revisão]

50 Nem considerais que nos convém, que um homem morra pelo povo, e toda a nação não pereça.

Comentário de Thomas Croskery

Nem considerais; ou, nem levais em conta. Hengstenberg mostra que onde este verbo (λογίζεσθε) ocorre em outro lugar, ele é usado intransitivamente, e com isso Godet concorda; então eles tomam ὅτι, como “porque” ou que nos convém (o texto ὑμῖν é preferido por Meyer, Godet, Westcott e Herr, e o Revised. A principal diferença de pensamento é que torna a linguagem um pouco mais dogmática, Caifás dificilmente se classificando no momento com companheiros tão irresolutos) que um homem morra (“em nome de” equivalente a “em vez de”) pelo povo – isto é, pela organização teocrática, cujas promessas eram, a quem foi dado o domínio – e toda a nação não pereça. Alguns têm suposto (como Lange) propósito Divino à espreita no ἵνα; mas era antes a máxima da conveniência mundana da superstição semi-pagã aliada desta forma ao sacrifício de Codrus, ou de Ifigênia, viz. que a extinção de vítimas inocentes e inocentes pode ser exigida por necessidade política, e deve ser determinada de uma vez, pelo tribunal principal de equidade e judicatura criminal da nação. Se, pensava ele, as multidões aceitarem este violador do sábado, este Operador de milagres, este entusiasta religioso, este reformador moral, como seu Messias, os romanos esmagarão o movimento, esmagarão toda a ordem religiosa; “nós” seremos aniquilados como poder, a “nação” será abolida como tal. É mais conveniente que este homem sofra do que que toda a nossa posição seja sacrificada. [Croskery, aguardando revisão]

51 E ele não disse isto de si mesmo; mas que, como era o sumo sacerdote daquele ano, profetizou que Jesus morreria pelo povo.

Comentário de David Brown

Caifás não queria dizer nada além do que a maneira de impedir a destruição da nação era fazer um sacrifício do Perturbador de sua paz. Mas, ao expressar essa sugestão de conveniência política, ele foi guiado a ponto de apresentar uma previsão divina de profundo significado; e Deus ordenou que viesse dos lábios do sumo sacerdote para aquele ano memorável, o reconhecido ministro do povo visível de Deus, cujo antigo ofício, simbolizado pelo Urim e Tumim, era a decisão final de todas as questões vitais como o profeta da vontade divina. [JFB]

52 E não somente por aquele povo, mas também para que juntasse em um aos filhos de Deus, que estavam dispersos.

Estas são as palavras do evangelista, não de Caifás.

53 Então desde aquele dia se aconselhavam juntos para o matarem.

se aconselhavam juntos para o matarem – Caifás, mas expressa que o partido desejava secretamente, mas tinha medo de propor.

54 De maneira que Jesus já não andava mais abertamente entre os judeus, mas foi-se dali para a terra junto ao deserto, a uma cidade chamada Efraim; e ali andava com seus discípulos.

Comentário de David Brown

Jesus já não andava mais abertamente entre os judeus – como Ele poderia, a menos que desejasse morrer antes de seu tempo?

junto ao deserto – da Judéia.

uma cidade chamada Efraim – entre Jerusalém e Jericó. [JFB]

55 E estava perto a páscoa dos judeus, e muitos daquela terra subiram a Jerusalém antes da páscoa, para se purificarem.

para se purificarem – de qualquer impureza legal que os teria impossibilitado de se manterem na festa.

Isto é mencionado para introduzir a declaração presente no próximo versículo (56).

56 Buscavam pois a Jesus, e diziam uns aos outros estando no Templo: Que vos parece? Que ele não virá à festa?

As pessoas faziam várias suposições e especulações sobre a probabilidade da vinda de Jesus a festa.

57 E os sacerdotes e os fariseus tinham dado ordem de que, se alguém soubesse onde ele estava, o denunciasse, para que o pudessem prender.

Isso é mencionado para explicar as circunstâncias que Ele viria a ser preso, apesar da determinação dos sacerdotes e fariseus em o fazê-lo.

<João 10 João 12>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.