João 20

1 E no primeiro dia da semana Maria Madalena veio de madrugada, sendo ainda escuro, ao sepulcro; e viu a pedra já tirada do sepulcro.

Comentário de David Brown

O primeiro dia … vem Maria Madalena cedo, etc. – (Veja em Marcos 16:1-4; e Mateus 28:1-2).

corre e vem a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava, e diz-lhes: Tiraram o Senhor do sepulcro – Caro discípulo! teu morto Senhor é para ti “o Senhor” ainda. [JFB, aguardando revisão]

2 Correu pois, e veio a Simão Pedro, e ao outro discípulo a quem Jesus amava, e disse-lhes: Tomaram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram.

Comentário de E. W. Hengstenberg

As mulheres receberam a ordem de levar aos Apóstolos o relato dos anjos sobre a ressurreição, Mateus 28:7, e especialmente, como Marcos 16:7 acrescenta, a Pedro como seu cabeça. De acordo com Lucas 24:9, eles relataram tudo o que haviam aprendido no sepulcro “aos onze e a todos os outros”. reunidos em um só lugar, devemos supor que eles dividiram a comissão entre eles. Então era óbvio que a Maria Madalena, que em todos os lugares ocupa o primeiro lugar entre as mulheres, seria atribuída a comunicação da mensagem dos anjos a Pedro, especialmente nomeado pelo anjo, bem como ao seu fiel companheiro, o discípulo a quem Jesus amava. De acordo com Lucas, a mensagem abarcava tudo o que ele registra nos versículos 3-8, – que eles não encontraram o corpo de Jesus no sepulcro , que dois anjos lhes apareceram em sua ansiedade e lhes anunciaram a ressurreição. João, no entanto, contenta-se em comunicar a primeira parte da mensagem – o fato de que as mulheres encontraram o sepulcro vazio. hábito de tocar levemente o que precede sors narraram; e de introduzir seus detalhes com a máxima brevidade, e meramente como base para incorporar e ajustar seu próprio assunto independente. Se fosse uma questão de condensação, então a narrativa do aparecimento dos anjos, e a manifestação transitória do próprio nosso Senhor no caminho (Mateus 28:9), deve ter sido adiada para o relato do sepulcro sendo encontrado vazio. Este último reproduzia o que as mulheres tinham visto com os olhos do corpo e afirmava com base em provas pessoais um fato firme; esses outros relatos moviam-se em uma esfera onde a imaginação excitada poderia desempenhar um papel considerável. A questão neles era de um ὀπτασία, Lucas, versículo 23, que certamente poderia ter um significado objetivo, mas em relação ao qual era necessário ser muito cauteloso. A questão realmente central na mensagem das mulheres parece ser aquela que somente João seleciona, aquela de Lucas 24:24, onde os discípulos de Emaús dizem: “E alguns dos que estavam conosco foram ao sepulcro, e acharam mesmo assim como as mulheres haviam dito; mas a ele não viram”: esta última palavra sugere, em harmonia com Mateus 28:9, que as mulheres afirmaram que tinham visto Jesus. Os apóstolos deram total aceitação apenas àquela parte da mensagem, apenas à que cada com um olho são para o testemunho deve ter acreditado. O restante despertou apenas pressentimentos e esperanças indefinidas. Até uma confirmação posterior, não foi falado, um mero boato, λῆρος, Lucas versículo 11. Mas podemos provar pelo próprio João que Maria Madalena deve disse mais do que ele tão brevemente comunica. Os fatos relatados por ele nos apontam para o suplemento que encontramos em Lucas. É fedorento no início que Maria corre. Portanto, ela já deve ter experimentado algo que não paralisou seus pés, mas deu-lhes asas. Além disso, se Maria não tivesse mais nada a relatar, ela teria vindo chorando aos Apóstolos. Mas ela não chora até o versículo 12, quando parece estar desaparecendo aquilo que ela pensava ter segurado.

Se Maria, além de mencionar o fato que era evidente ao seu sentido, o vazio da sepultura, não aludiu a alguma explicação do fato que ela acreditava ter recebido, a conduta dos dois discípulos dificilmente pode ser explicada. O relato de Maria deve ter depositado neles o germe de uma fé na ressurreição do Senhor; mas isso não poderia ter acontecido se ela apenas relatasse o vazio do sepulcro. Pois o fato de o sepulcro estar vazio não forneceu evidência a favor da ressurreição; era antes uma evidência do contrário, uma vez que a ressurreição de Jesus estava inseparavelmente ligada a Ele se dar a conhecer aos Seus discípulos. Se as palavras de Maria não deram aos dois discípulos alguma base de esperança, por que eles correram tão rápido para o sepulcro? Como foi que João registrou a circunstância, indiferente em si mesma, de que ele ultrapassou Pedro e chegou primeiro ao sepulcro, se a diferença de velocidade não revelava uma diferença de sentimento em relação ao relatório recebido por Maria – um prelúdio para a diferença subsequente em sua fé e admiração? A corrida dos dois homens pressupõe um germe de fé na ressurreição do Senhor; um germe que foi implantado unicamente pelo relato trazido a eles por Maria. Sem essa fé, eles teriam ido para o sepulcro, se é que foram, com passos vacilantes e rostos abatidos. No discípulo a quem Jesus amou este germe foi mais energicamente desenvolvido através da influência daquele amor pessoal e individual a Jesus que o distinguia de todos os outros discípulos. Assim também o fato de João ter chegado a uma fé madura na ressurreição enquanto ainda estava no sepulcro, versículo 8, supõe que a mensagem de Maria já lhe deu base para esperar isso.

Com “levaram”, etc., podemos comparar Lucas 24:3, “E entraram, e não encontraram o corpo do Senhor Jesus”, desde que incluamos o versículo 4, de acordo com o qual estavam, em consequência, cheios de pesar e ansiedade: “E aconteceu, pois estavam muito perplexos a esse respeito”. O que Maria aqui disse foi o resultado a que a observação com o olhar natural levaria. Que ela sabia distinguir com precisão entre a esfera do senso inferior e a do senso superior, ela mesma desperta em nossas mentes um preconceito em favor de sua confiabilidade. [Hengstenberg, aguardando revisão]

3 Pedro saiu pois e o outro discípulo também ,e vieram ao sepulcro.

Comentário de David Brown

Estes detalhes têm um ar singular de verdade sem arte sobre eles. Maria, em sua dor, dirige-se aos dois apóstolos que logo seriam associados de maneira tão próxima na proclamação da ressurreição do Salvador, e eles, seguidos por Maria, apressam-se em ver com seus próprios olhos. O discípulo mais jovem supera o mais velho; amor haply fornecimento asas mais rápidas. Ele se inclina, olha para dentro, mas não entra no sepulcro aberto, provavelmente preso por um medo reverente. O mais ousado Peter, chegando, entra imediatamente e é recompensado com uma brilhante evidência do que aconteceu. [JFB, aguardando revisão]

4 E corriam estes dois juntos: e o outro discípulo correu adiante mais depressa que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Agostinho: “Depois de ter dito que eles vieram ao sepulcro, ele volta para dizer como eles foram”. Temos aqui o suplemento de João à palavra de Lucas, “Pedro correu”. Para que fique muito claro onde sua narrativa mais copiosa e exata deve ser inserida, João toma quase todas as palavras do relato resumido em Lucas e adapta suas adições a elas: Lucas diz que Pedro correu para o túmulo; João, que Pedro e João correram, o último mais rápido que o primeiro: Lucas, que ele se abaixou e viu as roupas de linho colocadas por eles; João usa as mesmas palavras, para que não haja ideia de mero acidente no assunto: Lucas fala apenas das roupas de linho; João diz que o guardanapo não se deitou com as roupas de linho: Lucas, que ele foi para casa (ἀπῆλθε πρὸς ἑαυτόν); e João usa as mesmas palavras, “foram novamente para sua própria casa” (ἀπῆλθov πρὸς ἑαυτούς). Se atribuirmos seu valor real a essas alusões projetadas, não seremos enganados pelo versículo 8 de João, “E ele viu e creu”, em sua clara referência ao versículo 11 de Lucas, “E não creram neles”. Agora, diz João, a incredulidade anterior dos discípulos cedeu no caso de pelo menos um desses discípulos. Não foi por acaso que João ligou dessa maneira sua narrativa a Lucas entre os três evangelistas. Mateus interrompe seu relato das santas mulheres, depois de registrar como o Senhor apareceu a elas e lhes deu uma comissão aos discípulos; Marcos ainda antes, depois de suas comunicações sobre o aparecimento e comissão do anjo. Ambos falham em narrar a recepção que eles e suas notícias sobre a ressurreição e sua mensagem encontraram dos Apóstolos. Lucas sozinho dos três evangelistas menciona isso. Agora, como era desígnio de João fornecer suplementos para os três primeiros relatos, era natural que ele retomasse o fio onde o evangelista o colocou, que levou mais longe a narrativa comum. Havia ainda mais razão para que João se referisse a Lucas, porque Lucas não havia, como os outros evangelistas, passado em silêncio o evento que João desejava registrar completamente, a jornada dos dois ao sepulcro, mas o havia relatado de maneira imperfeita. ; de modo que era importante, a fim de evitar a aparência de contradição, retomar o relato anterior novamente e indicar os lugares onde as adições deveriam ser inseridas.

O que fez João correr mais rápido? Devemos rejeitar todas as razões externas, como a idade mais avançada de Pedro. Se a diferença tivesse descansado sobre esse terreno, teria sido uma coisa insignificante a mencionar. É oposta também pela analogia do incidente seguinte, em que João, por sua vez, cede a Pedro: João não vai para o sepulcro, Pedro sim. Se nisto a diferença deve ser referida à esfera espiritual, assim também no caso da corrida. A verdadeira interpretação se aprovará, referindo as duas diferenças entre os dois Apóstolos aos mesmos motivos. A razão pela qual João correu mais rápido foi esta, que ele era o discípulo a quem Jesus amava. O amor pessoal a Jesus, que acompanhou o amor de Jesus a ele, deu asas aos seus pés (Quesnel: João deve correr mais que Pedro; devemos ser amados antes de podermos amar ou correr). Se o assunto tivesse sido de dever em sua vocação, se houvesse algo a fazer ou a sofrer por Jesus e sua Igreja, Pedro certamente não teria sido contemplado. Por isso, a razão foi a mesma pela qual o Senhor comprometeu sua mãe, não a Pedro, mas a João. O Apóstolo tinha, de fato, no versículo 2, quase expressamente designado a razão, ao designar a si mesmo o discípulo que Jesus amava, ὃν ἐφίλει ὁ Ἰησοῦς-φιλεῖν, mais forte do que o ἀγαπᾷν, usado em outro lugar. [Hengstenberg, aguardando revisão]

5 E abaixando-se, viu estar os lençóis; entretanto não entrou.

Comentário de Thomas Croskery

E abaixando-se. Παρακύπτω é o verbo usado em Lucas 24:12 para descrever a conduta e o gesto de Pedro. Foi uma preliminar necessária do ato subsequente de Pedro, embora Lucas não se refira a isso. O próprio Pedro usa a mesma palavra (1Pedro 1:12). Significa literalmente “curvar-se de um lado”, com o desejo de olhar atentamente para um objeto (Ecclus. 14:23 Ecclus. 21:23; James 1:25).

viu estar os lençóis (veja João 19:40), desabitadas e sem uso, aqueles mesmos panos de cerejeira que ele ajudou a enrolar em volta do corpo sagrado e ferido, com sua abundância de especiarias doces.

entretanto não entrou. Assombro, reverência, mistério, medo, esperança nascente, o pensamento mais possivelmente, “Não aqui, mas ressuscitado”, começou a surgir fracamente em sua mente. Havia um zumbido em seus ouvidos: “Sua tristeza se transformará em alegria”. O toque da testemunha ocular e a parte pessoal de quem está descrevendo sua própria atividade. Weft-stein, em οὐ μέντοι εἰσῆλθεν, acrescenta, “no pollueretur”, e cita numerosas autoridades talmudianas para mostrar como o cadáver, a sepultura e a lápide poluiriam os vivos (cf. Números 19:16). Se sim, então Pedro, antes de chegar à conclusão de que não havia morte no sepulcro, quebrou uma lei ritual que João respeitava. Parece haver também autoridade rabínica para o fato de que os discípulos podem levar “os justos” para o túmulo sem tal lágrima de contaminação. Mas neste momento ambos foram elevados acima da região do ritual. [Croskery, aguardando revisão]

6 Chegou pois Simão Pedro seguindo-o, e entrou no sepulcro, e viu estar os lençóis ali.

Comentário de David Brown

Vê a roupa de linho deitada – mentindo.

E o guardanapo, que era a cabeça dele, não estava deitado com as roupas de linho – não vagamente, como se apressadamente fosse derrubado, e indicativo de uma remoção apressada e desordenada.

mas embrulhado – dobrado.

juntos em um lugar por si só – mostrando com que grande tranquilidade “o Vivente” tinha andado “dos mortos” (Lucas 24:5). “Sem dúvida os dois anjos assistentes (Jo 20:12) fizeram este serviço para o Levante, aquele que se desfaz das roupas de linho, o outro do guardanapo” (Bengel). [JFB, aguardando revisão]

7 E o lenço que fora posto sobre sua cabeça, não o viu estar com os lençóis, mas estava dobrado em um lugar à parte.

Comentário de H. W. Watkins

Isso não era visto de fora (João 20:5), mas estava em um lugar separado, talvez no lado interno do sepulcro. Nesta descrição e neste versículo, o conhecimento minucioso e a lembrança de uma testemunha ocular atinge seu clímax. O próprio fato de o guardanapo estar dobrado não escapou aos olhos do escritor, nem desapareceu de sua memória. [Watkins, aguardando revisão]

8 Então pois entrou também o outro discípulo, que primeiro chegara ao sepulcro, e viu, e creu.

Comentário de H. W. Watkins

Então pois entrou também o outro discípulo, que primeiro chegara ao sepulcro. Se os detalhes vívidos deste quadro nos impressionam pelo fato de estarmos na presença de uma testemunha ocular, não obstante os traços de caráter nos lembram de tudo o que sabemos de outras fontes dos atores na cena. A impetuosidade ousada de Pedro e a reverência gentil de João são representadas naquele que rapidamente entrou no sepulcro e naquele que ficou olhando para ele e depois entrou. significa, porque ele ouviu de Pedro o que ele tinha visto.

e viu, e creu. O personagem mais gentil também foi o mais receptivo, e isso parece ser sugerido neste versículo. Nada é dito sobre a fé de Pedro, mas João parece nos desvendar a história interior de sua própria vida espiritual. A palavra para “ver” é diferente das usadas anteriormente em João 20:5-6. (Comp. Lucas 10:23.) Não é que ele viu, como à distância, nem ainda que ele viu o que foi imediatamente apresentado ao olhar; não é que ele tenha visto em qualquer sentido meramente físico, mas que ele viu com os olhos da mente e captou a verdade que estava por trás dos fenômenos ao seu redor. Ele viu, e aquele que havia crido antes, encontrou neste fato o trampolim para uma fé mais elevada. [Watkins, aguardando revisão]

9 Porque ainda não sabiam a Escritura, que era necessário que ressuscitasse dos mortos.

Comentário de David Brown

Pois até agora eles sabiam – isto é, compreendiam.

não sabiam a Escritura, que era necessário que ressuscitasse dos mortos – Em outras palavras, eles acreditaram em Sua ressurreição a princípio, não porque eles foram preparados pela Escritura para esperar isto; mas os fatos transmitiam uma convicção irresistível de que, em primeiro lugar, as suas mentes, e forneceu uma chave para as previsões da Escritura. [JFB, aguardando revisão]

10 Voltaram pois os Discípulos para a casa deles.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Os discípulos esperaram em suas casas por mais informações. Por mais que João acreditasse, ele também esperou por mais informações do Redentor. Pois Ele havia dado a Seus discípulos a certeza de que, logo após Sua paixão, Ele os veria, e eles O veriam novamente: João 16:16; João 16:22. Essa promessa, com todas as outras semelhantes, tornou-se agora uma expectativa viva para João; em certo sentido também a Pedro. Πρὸς ἑαυτόν em Lucas, πρὸς ἑαυτούς; aqui, as únicas instâncias em que essa fraseologia peculiar ocorre no Novo Testamento: explicada pelo fato de a habitação ser considerada parte do morador, de modo que aquele que volta para casa volta a si. Como a expressão era tão peculiar e estranha, John a adotou em sua linguagem. Parece uma referência expressa a Lucas, como uma declaração de que ele estava complementando aquele evangelista.

Na narrativa da aparição de nosso Senhor a Maria Madalena, versículos 11-18, João se alonga sobre o que Marcos, em Marcos 16:9, já havia sugerido brevemente: “Ora, quando Jesus ressuscitou, cedo no primeiro dia da semana. Ele apareceu primeiro a Maria Madalena, de quem Ele expulsou sete demônios”. Que a aparência em Marcos não é aquela de que Mateus 28:9 fala, mas que em nosso texto, fica claro a partir de uma comparação do versículo 10 em Marcos com o versículo 18 aqui. Apressando-se até o fim, ele passa por cima do primeiro em silêncio; porque essa manifestação foi menos importante, mais transitória e superficial, e não adequada para produzir nas mentes daqueles que foram favorecidos com ela uma fé perfeitamente indubitável. O “primeiro” em Marcos não exclui aquela manifestação anterior: ele observa esta apenas como a primeira dentre as mencionadas por ele. Isso é evidente a partir da relação entre o primeiro e o depois do versículo 12, e o depois, versículo 14. [Hengstenberg, aguardando revisão]

11 E Maria estava fora chorando junto ao sepulcro. Estando ela pois chorando, abaixou-se para ver o sepulcro.

Comentário de David Brown

E Maria estava fora chorando junto ao sepulcro… – Breve foi uma permanência com os dois homens. Mas Maria, que talvez não tenha iniciado, não está presente, chorando por seu Senhor ausente. Quando ela olha para as lágrimas na abertura, ela também se arrisca a se abaixar e olhar para ela, quando está! “Dois anjos em branco” (Mateus 28:3). [JFB, aguardando revisão]

12 E viu a dois anjos vestidos de branco, sentados um à cabeceira, e o outro aos pés, onde estava posto o corpo de Jesus.

Comentário de David Brown

A cabeça e o homem foram mortos e mortos no corpo, de Cristo [citado em Luthardt], mas sim, possivelmente, chamando a atenção para o espaço estreito dentro do fazer qual o Senhor da glória se contraiu; como se dissesse: Venha, veja dentro de limites, marcada pelos resultados aqui entre os dois, o Senhor jazia! Mas ela está em lágrimas, e estas não são adequadas à cena de uma saída tão gloriosa. Eles vão apontar para uma incongruência. [JFB, aguardando revisão]

13 E disseram-lhe eles: Mulher, por que choras? Disse-lhes ela: Porque levaram a meu Senhor, e não sei onde o puseram.

Comentário de David Brown

Mulher, por que choras? – Você pode ter uma visão demais para uma mulher solitária. Mas absorta no único Objeto de sua afeição e perseguição, ela expõe sua dor sem medo.

Porque… – isto é, posso escolher, mas chorar, quando “eles tomaram”, etc., repetindo suas palavras mais seguras para Pedro e João. Nisso ela se transformou e viu o próprio Jesus ao lado, mas o levou para o jardineiro. Revestido, portanto, em algum tal estilo Ele deve ter sido. Mas se alguém perguntar, como intérpretes muito curiosos, de onde Ele tirou esses talentos, nós respondemos [com Olshausen e Luthardt] onde os dois anjos obtiveram os deles. Nem a voz de Suas primeiras palavras O revelou a Maria – “Mulher, por que choras? quem é que procuras? Ele tentará antes de lhe dizer. Ela não responde a pergunta do estranho, mas vem diretamente ao seu ponto com ele. [JFB, aguardando revisão]

14 E havendo dito isto, virou-se para trás, e viu Jesus em pé, e não sabia que era Jesus.

Comentário de Thomas Croskery

Em seguida, segue o registro simples do evento mais maravilhoso da história do mundo. Ali e então um clarão de luz irrompeu em uma alma humana, e na vida humana em geral, que tem brilhado e ampliado em seu brilho até esta hora. Com que terrível e terna simplicidade se relaciona! E havendo dito isto, virou-se para trás (εἰς τὰ ὀπίσω) para o que estava atrás dela, longe dos anjos e de sua aparente mas infrutífera oferta de simpatia, ainda chorando apaixonadamente na desolação total de um coração partido. Mas por que ela se virou? Ela não estava consciente de uma presença perto dela que ela não tinha visto? Os cegos muitas vezes estão cientes da presença de pessoas invisíveis, quando nenhum passo é ouvido e nenhuma palavra falada. e viu Jesus em pé (ἑστῶτα, particípio perfeito), como se ele estivesse ali por algum tempo, observando-a (cf. o que ele havia dito aos onze (João 16:22), “Eu os verei “). Mas estranho, misterioso, indescritivelmente maravilhoso, total e absolutamente inconsistente com a hipótese, a que muitas vezes nos referimos, de que este livro é um romance teológico, João, segundo a própria autoridade de Maria, acrescenta: e não sabia que era Jesus. Este é um daqueles toques notavelmente vívidos e autóticos que carregam a convicção da verdade, qualquer que seja a explicação ou a conclusão a ser tirada. Até que ponto essa falta de reconhecimento se deve a ela, e até que ponto a primeira manifestação feita de “corpo espiritual” ao conhecimento humano? Alguns adotaram friamente uma explicação banal. Seus olhos estavam cegos de choro contínuo; ou a escuridão da manhã; ou Jesus pode ter ficado nas sombras da muralha da cidade, quando o brilho do primeiro raio do nascer do sol irrompeu das névoas roxas nas colinas de Moab; ou a aparência de Cristo foi tão alterada pela agonia pela qual ele passou e pela recuperação e reconstituição de sua humanidade, que os sinais de sua identidade foram obscurecidos. Ele não poderia ter se vestido com as vestes brilhantes da Transfiguração, ou com as vestes deslumbrantes dos anjos; pois ela o confundiu com o guardião do jardim, ou com o próprio José de Arimatéia ou seu mordomo. “Ela não sabia que era Jesus”. Os olhos humanos são muitas vezes fechados para que não vejam o Senhor, mesmo quando por alguma manifestação objetiva ele torna possível fazer isso. Assim (Juízes 13:16), “Manoá não sabia que era o anjo do Senhor”. E várias outras teofanias do Antigo Testamento, encontrando a cegueira da visão humana, lentamente despertam até mesmo na inteligência profética. Abraão, Jacó, Moisés, Josué, Gideão, Samuel, são todos exemplos. E encontramos que em Mateus 28:16, 17, “alguns duvidaram” da Ressurreição, mesmo quando a visão levou outros a adorar (Lucas 24:16). Os olhos de Cleophas e seu amigo estavam fixos, embora seus corações estivessem queimando. Aqueles que viajaram com Paulo para Damasco viram uma luz e ouviram um som, mas não viram nem ouviram o que o apóstolo viu e ouviu. O μορφή do Jesus ressuscitado não era, de acordo com Marcos (Marcos 16:12), sempre o mesmo. Para a visão e percepção desse modo de ser, o olho precisa de treinamento e preparação especiais. Embora os olhos do amor sejam os mais rápidos para discernir essas realidades maravilhosas, ainda assim a visão tarda e é para um tempo determinado, e mesmo aqueles que finalmente veem têm que esperar por ela. [Croskery, aguardando revisão]

15 Disse-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem buscas? Ela, pensando que era o jardineiro, disse-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei.

Comentário de David Brown

Senhor, se tu o levaste – quem nasceu? Ela diz que não. Ela pode pensar apenas em Um e acha que os outros devem entendê-la. Isso lembra uma das questões do cônjuge: “Viste aquele a quem ama a minha alma?” (Cânticos 3:3).

dize-me onde o puseste, e eu o levarei – Queres, querida mulher frágil? Mas é a linguagem do afeto sublime, que se acha apto para qualquer coisa que esteja de posse do seu Objeto. É o suficiente. Como José, ele não pode mais se conter (Gênesis 45:1). [JFB, aguardando revisão]

16 Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, virando-se, disse-lhe: Rabôni! (que quer dizer Mestre).

Comentário de David Brown

Disse-lhe Jesus: Maria – Não é agora a distante, embora respeitosa, “Mulher”. É o nome repetido com frequência, proferido, sem dúvida, com todos os modos providos, e trazendo uma onda de associações inexprimíveis e avassaladoras com isto.

Ela, virando-se, disse-lhe: Rabôni! – Mas essa única palavra de reconhecimento transportado não foi suficiente para o coração cheio da mulher. Não conhecendo a mudança que passou por Ele, ela apressa-se a expressar por sua ação o que as palavras não conseguiram vestir; mas ela está marcada. [JFB, aguardando revisão]

17 Disse-lhe Jesus: Não me toques; porque ainda não subi para o meu Pai; porém vai a meus irmãos, e dize- lhes: Subo para meu Pai, e para vosso Pai; para meu Deus, e para vosso Deus.

Comentário de David Brown

Disse-lhe Jesus: Não me toques; porque ainda não subi para o meu Pai. As velhas familiaridades devem agora dar lugar a novas e mais terríveis abordagens, ainda que mais doces; mas para estes o tempo ainda não chegou. Este parece ser o espírito, pelo menos, dessas palavras misteriosas, sobre as quais se obteve muita diferença de opinião, e não muito do que é satisfatório dito.

porém vai a meus irmãos – (Veja Mateus 28:10; Hebreus 2:11, 17). Que Ele ainda tinha nossa Humanidade e, portanto, “não tem vergonha de nos chamar irmãos”, é de fato grandemente evidenciado por essas palavras. Mas é digno da mais reverente observação, que nós, em nenhum lugar, lemos de alguém que presumisse chamá-lo de irmão. “Meus irmãos: Bendito Jesus, quem são estes? Não eram eles seguidores? sim, os teus desertores? Como elevas estes títulos com Tua Própria! No princípio, eles foram teus servos; então discípulos; um pouco antes da tua morte, eles eram teus amigos; agora, depois da Tua ressurreição, eles foram Teus irmãos. Mas oh misericórdia sem medida! Quão queres tu, como podes dizer-lhes irmãos que, na tua última despedida, fundastes os fugitivos? Eles não fugiram de Ti? Por acaso um deles não deixou sua camada mais íntima atrás dele do que não se demitir de Ti? E tu dizes: Vai, conta aos meus irmãos! Não está no poder dos pecados de nossa enfermidade nos abortar ‘(Bispo Hall).

Subo para meu Pai, e para vosso Pai; para meu Deus, e para vosso Deus – palavras de glória incomparável! Jesus havia chamado Deus habitualmente de Seu Pai e, em uma ocasião, em Seu momento mais sombrio, Seu Deus. Mas ambos estão aqui unidos, expressando aquela relação de pleno direito que envolve em sua vasta varredura ao mesmo tempo Ele mesmo e Seus remidos. No entanto, observe bem, Ele não diz: Nosso Pai e nosso Deus. Todos os mais profundos pais da Igreja estavam acostumados a chamar atenção para isso, como expressamente projetado para distinguir entre o que Deus é para Ele e para nós – Seu Pai essencialmente, o nosso não é assim: nosso Deus essencialmente, não é assim: conexão conosco: nosso Deus somente em conexão com Ele. [JFB, aguardando revisão]

18 Veio Maria Madalena, e anunciou aos discípulos, que vira ao Senhor, e que estas coisas lhe dissera.

Comentário de David Brown

Para uma mulher foi esta honra dada para ser o primeiro que viu o Redentor ressuscitado, e aquela mulher não era sua mãe. (Veja em Marcos 16:9). [JFB, aguardando revisão]

Jesus aparece aos discípulos

19 Nesse dia, que era o primeiro da semana, à tarde, estando trancadas as portas da casa onde se achavam os discípulos, por medo que tinham dos judeus, veio Jesus, e pôs-se no meio deles e disse-lhes: Paz seja convosco!

Comentário Dummelow

estando trancadas as portas da casa onde se achavam os discípulos. Uma clara indicação de que o corpo de nosso Senhor havia se tornado um corpo espiritual e não estava mais sujeito às leis da matéria ou às condições do espaço (compare com Jo 20:26; Lucas 24:31,36,51). No entanto, não há sugestão de um corpo irreal ou fantasmagórico (docético), pois Ele se oferece para ser tocado (Lucas 24:39; Jo 20:27); e até come diante deles (Lucas 24:42; Atos 1:4; Atos 10:41). Mesmo que não esteja registrado, presume-se que Jesus, depois de terminar sua fala, tenha desaparecido misteriosamente.

Paz seja convosco! A habitual saudação judaica, mas quão cheia de significado agora que a Cruz tinha estabelecido a paz entre o homem e Deus! [Dummelow, 1909]

20 Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se muito ao verem o Senhor.

Comentário Ellicott

Os discípulos alegraram-se muito ao verem o Senhor. Eles se alegraram pois através das suas feridas Ele provara quem era. A primeira impressão foi de que eles viam um espírito e tinham medo, mas a convicção de que era realmente o Senhor os encheu de alegria. (Comp. Jo 6:19-21 e Lucas 24:37,41). [Ellicott, 1905]

21 Disse-lhes pois Jesus outra vez: Tenhais Paz! Como o Pai me enviou, assim eu vos envio.

Comentário de Adam Clarke

Como o Pai me enviou, assim eu vos envio. Como fui enviado para proclamar a verdade do Altíssimo, e para converter pecadores a Deus, eu envio vocês para o mesmo propósito, revestidos com a mesma autoridade e influenciados pelo mesmo Espírito. [Clarke, 1832]

22 E havendo dito isto, soprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

Comentário Barnes

soprou sobre eles. Era costume os profetas usarem algum ato significativo para representar a natureza de sua mensagem. A palavra traduzida como “espírito” nas Escrituras significa vento, ar, respiração, assim como Espírito. Assim, a ação do Espírito Santo é comparada ao vento (Jo 3:8; Atos 2:2). [Barnes, 1870]

23 A quem quer que perdoardes os pecados, lhes são perdoados; e a quem os retiverdes, lhes serão retidos.

Comentário de Genebra

A quem quer que perdoardes os pecados. Palavras semelhantes às de Mateus 16:19; 18:18. Como fundamento da igreja (Efésios 2:20), os apóstolos deram início ao processo, continuado pela igreja (1Coríntios 5:4), de declarar em nome de Deus a retenção e o perdão dos pecados. Isso ocorre em relação à pregação do evangelho e à operação da disciplina eclesiástica. [Genebra, 2009]

24 E a Tomé, um dos doze, chamado o Dídimo, não estava com eles, quando Jesus veio.

Comentário de David Brown

Mas Thomas – (Veja em Jo 11:16).

não estava com eles, quando Jesus veio – por que, nós não sabemos, apesar de sermos relutantes em pensar (com Stier, Alford e Luthardt) foi intencional, do desanimado mau humor. O fato meramente é aqui declarado, como uma desculpa amorosa por sua lentidão de crença. [JFB, aguardando revisão]

25 Disseram-lhe pois os outros discípulos: Vimos ao Senhor. Porém ele lhes disse: Se em suas mãos não vir o sinal dos cravos, e não pôr meu dedo no lugar dos cravos, e não pôr minha mão em seu lado, em maneira nenhuma crerei.

Comentário de David Brown

Vimos ao Senhor – Esse modo de falar de Jesus (como Jo 20:20 e Jo 21:7), tão adequado ao Seu estado de ressurreição, logo se tornaria o estilo prevalecente.

Se em suas mãos não vir o sinal dos cravos, e não pôr meu dedo no lugar dos cravos, e não pôr minha mão em seu lado, em maneira nenhuma crerei – A própria forma deste discurso indica a força da incredulidade. “Não é, se eu ver, crerei, mas, a menos que eu veja, não crerei; nem espera ver, embora os outros digam que eles tinham ”(Bengel). Como o próprio Cristo viu esse estado de espírito, sabemos de Marcos 16:14: “Ele os repreendeu com sua incredulidade e dureza de coração, porque não criam neles os que O viram depois que ressuscitou.” Mas daí surgiu essa pertinácia da resistência. em tais mentes? Não certamente da relutância em crer, mas como em Natanael (ver em Jo 1:46) do simples medo do erro em um assunto tão vital. [JFB, aguardando revisão]

26 E oito dias depois, estavam os discípulos outra vez dentro, e com eles Tomé; e veio Jesus, fechadas já as portas, e pôs-se no meio, e disse: Tenhais paz!

Comentário de David Brown

E oito dias depois – isto é, no oitavo ou primeiro dia da semana anterior. Eles provavelmente se reuniram todos os dias durante a semana anterior, mas o Senhor reservadamente reservou Sua segunda aparição entre eles até a recorrência do Seu dia de ressurreição, para que pudesse assim inaugurar as deliciosas santidades do DIA DO SENHOR (Apocalipse 1:10).

os discípulos estavam dentro, e Thomas com eles … Jesus … ficou no meio e disse: Paz seja convosco. [JFB, aguardando revisão]

27 Depois disse a Tomé: Põe teu dedo aqui, e vê minhas mãos; e chega tua mão, e toca-a em meu lado; e não sejas incrédulo, mas sim crente.

Comentário de David Brown

Então ele disse a Thomas, Chegue aqui … eis … coloque-o ao meu lado, e não seja infiel, mas acredite – “Há algo rítmico nessas palavras, e elas são propositalmente expressas nas palavras do próprio Thomas, para colocá-lo vergonha ”[Luthardt]. Mas deseje que condescendência e gentileza isso seja feito! [JFB, aguardando revisão]

28 E respondeu Tomé e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!

Comentário de David Brown

Aquele Tomé não fez o que Jesus o convidou a fazer, e o que ele fez a condição de crer, parece claro em Jo 20:29 (“Porque me viste” tu acreditaste ”. Ele é dominado, e a glória de Cristo agora se abate sobre ele em um dilúvio. Sua exclamação supera tudo o que foi dito, nem pode ser superado por qualquer coisa que seja proferida na terra ou no céu. No impressionante paralelo em Natanael, veja em Jo 1:49. A invasão sociniana da suprema divindade de Cristo aqui manifestamente ensinada – como se fosse um mero chamado a Deus em um ataque de espanto – está sob aviso prévio, exceto pelas profanações que impõe a este discípulo, e os estreitos aos quais se mostra. reduzido. [JFB, aguardando revisão]

29 Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados aqueles que não virem, e crerem.

Comentário de David Brown

porque tu me viste, tu acreditaste – palavras de elogios medidos, mas de indireta e, sem dúvida, dolorosamente – sentimos repreensão: isto é, tu realmente acreditaste; está bem: é apenas na evidência dos teus sentidos, e depois de recusar peremptoriamente todas as evidências.

abençoou aqueles que ainda não viram e creram – “Maravilhoso e rico em bênção para aqueles que não o viram, é esta última palavra do Evangelho” (Alford). [JFB, aguardando revisão]

30 Jesus fez também ainda muitos outros sinais ainda em presença de seus discípulos, que neste livro não estão escritos;

Comentário de David Brown

A conexão desses versículos com as últimas palavras de Jo 20:29 é bela: isto é, E, na verdade, como o Senhor os pronunciou bem-aventurados, os que ainda não o viram creram, assim, para que uma finalidade tenha todo o conteúdo deste Evangelho. Foi registrado que todos os que o lêem podem crer nEle e crer ter vida nesse nome abençoado.

muitos outros sinais – milagres. [JFB, aguardando revisão]

31 Porém estes estão escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus; e para que crendo, tenhais vida em seu nome.

Comentário de David Brown

Mas estes são escritos – como espécimes suficientes.

o Cristo, o Filho de Deus – aquele Seu oficial, o outro Seu título pessoal.

acreditar … pode ter vida – (Veja em Jo 6:51-54). [JFB, aguardando revisão]

<João 19 João 21>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.