Marcos 16

1 Havendo passado o sábado, Maria Madalena, e Maria mãe de Tiago, e Salomé, compraram especiarias, para irem o ungir.

Comentário de David Brown

Havendo passado o sábado – isto é, ao pôr do sol do nosso sábado.

Maria Madalena – (Veja em Lc 8: 2).

e Maria a mãe de Tiago – Tiago, o Menor (ver Mc 15:40).

e Salomé – a mãe dos filhos de Zebedeu (compare Mc 15:40 com Mt 27:56).

compraram especiarias, para irem o ungir – A palavra é simplesmente “comprada”. Mas nossos tradutores talvez estejam certos em fazê-lo aqui “compraram”, já que parece, em Lc 23:56, que eles tinham comprou-os imediatamente após a Crucificação, na sexta-feira à noite, durante o curto intervalo que lhes restava antes do pôr do sol, quando começou o descanso sabático; e que eles só tinham adiado usá-los para ungir o corpo até que o descanso sabático tivesse terminado. Nesta “unção”, veja em Jo 19:40. [JFB, aguardando revisão]

2 E de manhã muito cedo, o primeiro dia da semana, vieram ao sepulcro, ao nascer do sol.

Comentário de David Brown

E de manhã muito cedo – (veja em Mt 28: 1).

o primeiro dia da semana, vieram ao sepulcro, ao nascer do sol – não literalmente, mas “no início da madrugada”; de acordo com um modo de falar não incomum, e ocorrendo às vezes no Antigo Testamento. Assim nosso Senhor ressuscitou no terceiro dia; tendo-se deitado na parte grave da sexta-feira, todo o sábado e parte do seguinte primeiro dia. [JFB, aguardando revisão]

3 E diziam umas às outras:Quem rolará para nós a pedra da porta do sepulcro?

Comentário de David Brown

E diziam umas às outras – quando se aproximavam do local sagrado.

Quem rolará para nós a pedra da porta do sepulcro? … Pois foi muito grande – Ao alcançá-los, eles encontraram a dificuldade deles – a pedra já foi rolada por uma mão invisível. E não há outros que, quando avançam para o dever em face de dificuldades terríveis, encontrem sua pedra também removida? [JFB, aguardando revisão]

4 Pois era muito grande. E quando observaram, viram que já a pedra estava havia sido rolada;

Comentário de David Brown

Esta última frase é adicionada, tanto para explicar sua admiração como, com tal pedra sobre ela, a sepultura seria aberta para eles, quanto para chamar a atenção para o poder que a havia removido. Embora fosse muito grande para eles removerem, e sem que seus temperos tivessem sido inúteis, eles vêm apesar de tudo; discutindo sua dificuldade, mas não se intimidou com ela. Ao alcançá-la, eles descobrem que sua dificuldade desapareceu – a pedra já rolada por uma mão invisível. E não há ninguém que, ao avançar para o dever diante de terríveis dificuldades, encontre sua pedra também removida? [JFU, aguardando revisão]

5 e entrando no sepulcro, viram um rapaz sentado à direita, vestido com uma roupa comprida branca; e elas se espantaram.

Comentário de David Brown

e entrando no sepulcro, viram um rapaz – Em Mt 28: 2 ele é chamado “o anjo do Senhor”; mas aqui ele é descrito como ele apareceu aos olhos, na flor de uma vida que não conhece decadência. Em Mateus, ele é representado sentado na pedra do lado de fora do sepulcro; mas, mesmo ali, ele diz:“Vem, vê o lugar onde o Senhor estava” (Mt 28: 6), ele parece, como diz Alford, ter ido com eles de fora; apenas aguardando a chegada deles para acompanhá-los até o local sagrado e instruí-los a respeito.

sentado à direita – tendo respeito pela posição em que o Seu Senhor estivera ali. Essa característica é peculiar a Marcos; mas compare com Lc 1:11.

vestido com uma roupa comprida branca – Em seu comprimento, ver Is 6: 1; e em sua brancura, veja em Mt 28: 3. [JFB, aguardando revisão]

6 Mas ele lhes disse:Não vos espanteis. Vós buscais a Jesus Nazareno crucificado. Ele já ressuscitou, não está aqui. Eis aqui o lugar onde o puseram.

Comentário do Púlpito

Mateus (Mateus 28:6) diz:”Venha e veja o lugar onde jazia o Senhor” (Δεῦτε ἴδετε τὸν τόπον). Isso parece implicar que as mulheres realmente entraram na câmara interna e viram o próprio lugar onde o Senhor estava. Quem não vê aqui quão irrefutável é a evidência de sua ressurreição? [Pulpit, aguardando revisão]

7 Porém ide, dizei a seus discípulos e a Pedro, que ele vai adiante de para a Galileia; ali o vereis, como ele vos disse.

Comentário de David Brown

Porém ide, dizei a seus discípulos e a Pedro – Este Segundo Evangelho, sendo elaborado – como todos os estados de tradição mais antigos – sob o olho de Pedro, ou de materiais principalmente fornecidos por ele, há algo profundamente afetando na preservação deste pequena sentença por Mark sozinho. [JFB, aguardando revisão]

8 Então elas, saindo apressadamente, fugiram do sepulcro, porque temor e espanto as haviam tomado; e não disseram nada a ninguém, porque tinham medo.

Comentário de David Brown

Todos os versículos deste capítulo, do 9º ao final, são considerados por Griesbach, Tischendorf e Tregelles como nenhuma parte do texto original deste Evangelho, mas como adicionados por uma mão posterior:Porque, primeiro, eles estão faltando em B e ‘Aleph (‘) – o conhecido Codex Vaticanus e o recentemente descoberto Codex Sinaiticus, sendo os manuscritos mais antigos ainda conhecidos; em uma cópia da Antiga Versão Latina; em algumas cópias da versão armênia; e em um Lecionário Árabe ou Lição da Igreja; enquanto alguns dos manuscritos cursivos ou posteriores deste Evangelho têm os versículos com marcas indicativas de dúvida quanto à sua autenticidade:Novamente, porque Eusébio e Jerônimo – testemunhas e juízes mais competentes, do quarto século – se pronunciam contra eles, afirmando que o O texto genuíno deste Evangelho terminou com Marcos 16:8:E mais, porque o estilo desta porção difere do resto deste Evangelho a ponto de sugerir um autor diferente; enquanto as variações no próprio texto são apenas motivo de suspeita.

Por essas razões, Meyer, Fritzsche, Alford e outros comentaristas críticos decidem contra a passagem. Mas essas razões nos parecem totalmente insuficientes para contrabalançar a evidência em favor dos versículos em questão. Primeiro, eles são encontrados em todos os manuscritos Unciais ou gregos anteriores, exceto os dois acima mencionados, incluindo A, ou o manuscrito Alexandrino, que é admitido como não mais de cinquenta anos depois dos dois mais antigos, e de pouco menos, se de fato de qualquer menos, autoridade; em um ou dois manuscritos em que não foram encontrados, um espaço é deixado para mostrar que algo está faltando – não grande o suficiente, na verdade, para conter os versos, mas provavelmente apenas para economizar espaço; nem as variações no texto excedem aquelas em algumas passagens cuja autenticidade é admitida:Eles são encontrados em todos os manuscritos gregos cursivos ou posteriores:Eles são encontrados em todas as versões mais antigas:Eles são citados por Irenoeus, e assim devem ter sido conhecido no segundo século; por um pai pelo menos no terceiro século, e por dois ou três no quarto, como parte deste Evangelho.

O argumento da diferença de estilo é extremamente tênue – confinado a algumas palavras e frases, enquanto o argumento da diferença de estilo é extremamente tênue – confinado a algumas palavras e frases, que variam, como todos sabem, em diferentes escritos do mesmo autor e até porções diferentes da mesma escrita, com os vários aspectos do assunto e as emoções do escritor. Que uma narrativa tão cuidadosamente construída como a deste Evangelho terminou com as palavras, “porque eles estavam com medo” – efobounto gar – é o que se pergunta que qualquer um pode fazer-se acreditar. Conseqüentemente, Lathmann o insere como parte de seu texto; e de Wette, Hug e Lange na Alemanha, com Ellicott e Scrivener entre nós, o defendem. A conjectura de alguns críticos recentes, de que pode ter sido acrescentada pelo próprio evangelista, depois que as primeiras cópias emitidas já estavam em circulação há algum tempo, é rebuscada demais para ser considerada. [JFU, aguardando revisão]

Aparições de Jesus após a sua ressurreição

9 E havendo ressuscitado pela manhã, no primeiro dia da semana, Jesus apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios.

Comentário de David Brown

Há alguma dificuldade aqui, e diferentes maneiras de removê-la foram adotadas. Ela tinha ido com as outras mulheres ao sepulcro (Mc 16: 1), separando-se delas, talvez, antes de sua entrevista com o anjo, e ao encontrar Pedro e João, ela tinha vindo com eles de volta ao lugar; e foi nesta segunda visita, parece, que Jesus apareceu a esta Maria, como detalhado em Jo 20: 11-18. Para uma mulher foi esta honra dada a ser a primeira que viu o Redentor ressuscitado, e essa mulher não era sua mãe. [JFB, aguardando revisão]

10 Ela se foi, e anunciou aos que estiveram com ele, que estavam tristes e chorando.

Comentário do Púlpito

O aoristo aqui indica ação imediata. Esta palavra πορεύεσθαι ocorre novamente em Marcos 16:12 e Marcos 16:15, mas em nenhum outro lugar do Evangelho de Marcos. Deve-se notar, entretanto, que ocorre duas vezes na Primeira Epístola de Pedro e uma vez em sua Segunda Epístola. Isso parece conectar São Pedro com o escritor desses versos. [Pulpit, aguardando revisão]

11 Quando ouviram que ele estava vivo, e que havia sido visto por ela, eles não creram.

Comentário de David Brown

Isto, que é uma vez repetida de todos eles, é mais importante em sua relação com o testemunho subsequente deles à Sua ressurreição, sob o risco. da própria vida. [JFU, aguardando revisão]

12 E depois ele apareceu em outra forma a dois deles, que estavam indo pelo caminho ao campo.

Comentário de David Brown

E depois ele apareceu em outra forma – (compare com Lc 24:16).

dois deles, que estavam indo pelo caminho ao campo – A referência aqui, é claro, é a Sua manifestação aos dois discípulos indo a Emaús, tão primorosamente contada pelo terceiro evangelista (ver em Lc 24:13, etc.). [JFB, aguardando revisão]

13 E estes foram anunciar aos outros; mas também não creram neles.

Comentário do Púlpito

Essa falta de fé aconteceu pela permissão e providência de Deus. “Essa incredulidade deles”, diz São Gregório, “não era tanto sua fraqueza, mas nossa futura constância na fé.” [Pulpit, aguardando revisão]

14 Finalmente ele apareceu aos onze, estando eles sentados juntos; e repreendeu pela incredulidade e dureza de coração deles, por não terem crido nos que já o haviam visto ressuscitado.

Comentário do Púlpito

Finalmente ele apareceu aos onze, estando eles sentados juntos. As primeiras aparições foram a pessoas sem qualquer caráter oficial. Mas agora ele aparece aos onze apóstolos, quando todos estavam reunidos no final daquele dia memorável. “Até os onze.” Se, como parece evidente, essa aparência se refere ao dia da ressurreição de nosso Senhor, haveria apenas dez presentes; pois Thomas não estava então com eles. Ainda assim, eles podem ser chamados de onze, porque o colégio apostólico foi reduzido a onze após a traição de Judas; para que ainda pudessem ser chamados de onze, embora Thomas estivesse ausente. São Bernardo diz sobre isso:”Se Cristo vem e está presente quando nos sentamos à mesa, quanto mais quando nos ajoelhamos em oração!”

e repreendeu (ὠνείδισε). Esta é uma forte palavra de repreensão. Eles deveriam ter recebido o depoimento de testemunhas competentes. Mas suas dúvidas foram removidas apenas pela evidência de seus sentidos; exatamente como depois no caso de Tomé. Marcos sempre tem o cuidado de registrar as repreensões de nosso Senhor aos seus apóstolos. [Pulpit, aguardando revisão]

15 E disse-lhes:Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura.

Comentário Barnes

por todo o mundo. Tanto aos gentios quanto aos judeus. Era contrário às opiniões dos judeus que os gentios deveriam ser admitidos aos privilégios do reino do Messias, ou que o muro de separação entre eles deveria ser derrubado. Ver At 22:21-22. Muito antes que os discípulos pudessem ser formados para a crença de que o evangelho deveria ser pregado a todos as pessoas; e foi somente por revelação especial, mesmo depois desta ordem, que Pedro pregou ao centurião gentio, Atos 10; Jesus graciosamente ordenou que a pregação do evangelho não fosse impedida por barreiras. Onde quer que haja pessoas, ali deve ser proclamado. A cada pecador ele oferece vida, e todo o mundo está incluído na mensagem de misericórdia, e a cada filho de Adão é oferecida a salvação eterna.

pregai proclamem; façam conhecido; ofereçam. Fazer isso a toda criatura é oferecer perdão e vida eterna a ela nos termos do plano de misericórdia – por meio do arrependimento e da fé no Senhor Jesus.

o Evangelho. As boas notícias. As novas de salvação. A certeza de que o Messias veio, e que o pecado pode ser perdoado e a alma salva.

a cada criatura. Ou seja, a todo ser humano. Ninguém tem o direito de limitar esta oferta a qualquer classe de pessoas. Deus ordena a seus servos que ofereçam a salvação a “todos os homens”. Se eles rejeitam, é por sua própria conta e risco. Deus não é culpado se eles não escolherem ser salvos. Sua misericórdia é manifesta; sua graça é ilimitada ao oferecer a vida a uma criatura tão culpada como ser humano. [Barnes]

Comentário Cambridge

E disse-lhes. João nos informa que, nesta ocasião, o Salvador Ressuscitado soprou sobre os Apóstolos e deu-lhes um amostra da concessão do Espírito Santo, com poder de remir o pecado e reter o pecado. Marcos nos fala de palavras muito importantes, que Ele proferiu, antecipando a incumbência final registrada por Mateus (Mt 28:16-20).

Ide por todo o mundo. Ou, como é expresso no Evangelho de Mateus, “fazei discípulos de todas as nações” (Mt 28:19), e comp. Lc 24:47; At 1:8. Compare essas injunções com aquelas aos Doze durante Seu ministério terreno, Mateus 10:5-6, “Não entreis no caminho dos gentios, e em nenhuma cidade dos samaritanos entreis; mas ide antes às ovelhas perdidas do casa de Israel”.

cada criatura – ou seja, para toda a criação, todo o mundo dos homens, não apenas judeus ou samaritanos, mas gentios de todas as nações. Comp. Rm 8:21-22. [Cambridge]

16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.

Comentário de David Brown

Quem crer e for batizado será salvo – O batismo é aqui colocado para a assinatura externa da fé interior do coração, assim como “confessar com a boca” está em Rm 10:10; e lá também como aqui esta manifestação externa, uma vez mencionada como o fruto apropriado da fé, não é repetida no que se segue (Rm 10:11).

mas quem não crer será condenado – Estas questões terríveis da recepção ou rejeição do Evangelho, embora muitas vezes registradas em outras conexões, são dadas neste contexto somente por Marcos. [JFB, aguardando revisão]

17 E estes sinais seguirão aos que crerem:em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas;

Comentário do Púlpito

E estes sinais seguirão aos que crerem. Tais evidências foram necessárias no início do Cristianismo, para atrair a atenção para a doutrina; mas as palavras de nosso Senhor não significam que deviam ser perpétuas, como uma evidência continuamente recorrente da verdade do Cristianismo. São Gregório (em 1Co 14:22) diz:”Estes sinais foram necessários no início do Cristianismo. Para que a fé pudesse criar raízes e aumentar, ela deve ser alimentada por milagres; pois assim também nós, quando plantamos arbustos, apenas regá-los até que vejamos que estão criando raízes, e quando vemos que eles se enraizaram, paramos de regá-los. E é isso que São Paulo quer dizer quando diz ‘As línguas são um sinal, não para aqueles que creem, mas para os incrédulos'(1Co 14:22). “

em meu nome expulsarão demônios. Marcos, de todos os evangelistas, talvez se detenha mais nisso, como característica da obra de nosso Senhor e como evidência de seu domínio supremo sobre o mundo espiritual. [Pulpit, aguardando revisão]

18 pegarão serpentes com as mãos; e se beberem algo mortífero, não lhes fará dano algum; porão as mãos sobre os enfermos, e sararão.

Comentário do Púlpito

pegarão serpentes com as mãos. O caso de Paulo em Malta (At 28:3-5) seria familiar para os leitores de Marcos.

e se beberem algo mortífero, não lhes fará dano algum. Existem alguns poucos relatos tradicionais do cumprimento desta promessa; como no caso de “Justus Barsabas”, mencionado por Eusébio, e de João, mencionado por Santo Agostinho. Pode-se observar nesta passagem, que ninguém poderia tê-la interpolado após a cessação dos sinais a que se refere, o que ocorreu muito cedo. [Pulpit, aguardando revisão]

19 Então o Senhor, depois de haver lhes falado, foi recebido acima no céu, e sentou-se à direita de Deus.

Comentário de David Brown

Então o Senhor, depois – um epíteto aplicado a Jesus por este evangelista somente em Mc 16:19, Mc 16:20, quando Ele chega à Sua gloriosa Ascensão e seus frutos subsequentes. É mais frequente em Lucas.

depois de haver lhes falado, foi recebido acima no céu – Veja em Lc 24:50, Lc 24:51.

e sentou-se à direita de Deus – Esta grande verdade está aqui apenas relacionada como um fato na história do Evangelho. Na atitude exaltada, Ele apareceu a Estêvão (At 7:55, At 7:56); e depois disso é perpetuamente referido como Sua condição adequada em glória. [JFB, aguardando revisão]

20 E eles saíram e pregaram por todas as partes, com o Senhor operando com eles, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiam. Amém».

Comentário do Púlpito

Essas palavras são mencionadas em várias passagens por Justino Mártir e, pelas razões apresentadas acima, não poderiam ter sido escritas depois da época dos milagres sendo operados. Eles constituem uma introdução adequada aos Atos dos Apóstolos. Cornelius a Lapide conclui seu Comentário sobre Marcos com a seguinte bela apóstrofe de Santo Agostinho:- “Ó reino de bem-aventurança eterna, onde a juventude nunca envelhece, onde a beleza nunca desaparece, onde o amor nunca esfria, onde a saúde nunca falha, onde a alegria nunca diminui, onde a vida nunca acaba! ” [Pulpit, aguardando revisão]

<Marcos 15 Lucas 1>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.