Marcos 15

1 E logo ao amanhecer, os chefes dos sacerdotes tiveram uma reunião com os anciãos, com os escribas, e com todo o supremo conselho; e, amarrando Jesus, levaram -no e o entregaram a Pilatos.

Comentário do Púlpito

logo ao amanhecer (εὐθέως πρωΐ́). Os procedimentos registrados no último capítulo terminaram provavelmente entre cinco e seis; o canto do galo ajuda a fixar o tempo. Agora veio o julgamento mais formal. Todo o Sinédrio se uniu em consulta. Todos os procedimentos até então foram irregulares e ilegais. Agora, pelo bem da forma, eles o tentaram de novo. Mas houve outra lei que também foi violada. Agora era sexta-feira. Em casos de pena capital, a sentença de condenação pode não ser legalmente pronunciada no dia do julgamento. Mesmo assim, nosso Senhor foi provado, condenado e crucificado no mesmo dia. Eles o “perseguem”, para que seja impedido de qualquer tentativa de fuga. Eles o “levaram embora” (ἀπήνεγκαν), com a aparência de força; embora saibamos que ele foi “como um cordeiro ao matadouro”. Quão verdadeiramente pode ser dito desses principais sacerdotes e anciãos:”Seus pés são rápidos para derramar sangue!” E o entregou a Pilatos. A Judéia foi acrescentada à província da Síria e governada por procuradores, dos quais Pôncio Pilatos era o quinto. Foi necessário que os judeus entregassem Cristo ao poder romano; porque o poder de vida e morte foi tirado deles desde que se tornaram sujeitos aos romanos. “Não nos é lícito”, dizem eles (João 18:31), “matar qualquer homem”; isto é, eles não poderiam morrer sem a autoridade do governador. Nosso Senhor predisse de si mesmo:”Eles o entregarão aos gentios”. [Pulpit, aguardando revisão]

2 E Pilatos lhe perguntou:És tu o Rei dos Judeus? E ele lhe respondeu:Tu o dizes.

Comentário do Púlpito

És tu o Rei dos Judeus? Parece de Lucas (23:1-5) que quando Pilatos exigiu particularmente quais eram as acusações contra Jesus, por causa das quais os judeus insistiram que ele deveria ser crucificado, eles alegaram estas três coisas:(1) que ele perverteu a nação; (2) que ele proibiu homenagear César; (3) que ele disse que era Cristo, um Rei.

Diante disso, Pilatos, que ouvira muitos sobre a vida irrepreensível, a pura doutrina e os famosos milagres de Jesus, vai imediatamente ao ponto e pergunta-lhe:”És tu o Rei dos Judeus?” – uma pergunta que, claro, afetou a posição de César. A resposta de nosso Senhor, Tu dizes (σὺ λέγεις), foi afirmativa, somando a este “Tu dizes o que é verdade.” [Pulpit, aguardando revisão]

3 E os chefes dos sacerdotes o acusavam de muitas coisas.

Comentário do Púlpito

As palavras na Versão Autorizada, “mas ele nada respondeu”, não podem ser encontradas aqui em nenhum dos melhores manuscritos ou versões. Mas eles podem ser encontrados em Mateus (Mateus 27:12); e a pergunta de Pilatos no próximo versículo confirma a declaração de Mateus e torna a frase desnecessária aqui. Nosso Senhor nada respondeu, porque tudo o que eles tinham a dizer contra ele era manifestamente falso ou frívolo e indigno de qualquer resposta. Sobre isso diz Santo Agostinho:«O Salvador, que é a Sabedoria de Deus, soube vencer mantendo o silêncio». [Pulpit, aguardando revisão]

4 E outra vez Pilatos lhe perguntou:Não respondes nada? Olha quantas acusações fazem contra ti!

Comentário do Púlpito

Parece que Pilatos levou Jesus para fora de seu palácio, no qual os sacerdotes judeus não podiam entrar (Jo 18:28), para que não fossem contaminados entrando em uma casa da qual todo o fermento não tivesse sido escrupulosamente removido. Isso teria sido uma violação de seus escrúpulos religiosos; e, portanto, ele saiu ao tribunal público, e lá ouviu as acusações dos principais sacerdotes. Supõe-se que o prédio ocupado por Pilatos foi o palácio construído ou reconstruído por Herodes perto do portão de Jaffa, a noroeste do Monte Sião. Sem dúvida, foi ocasionalmente ocupado por Pilatos e estava convenientemente situado, perto do palácio de Herodes – o antigo palácio dos Asmoneanos, entre ele e o templo. [Pulpit, aguardando revisão]

5 Mas Jesus nada mais respondeu, de maneira que Pilatos ficou surpreso.

Comentário do Púlpito

Pilatos ficou surpreso. Ele se maravilhou de que o inocente Salvador, sábio e eloqüente, estando diante dele com perigo de vida, permanecesse em silêncio quando assim veementemente acusado pelos líderes dos judeus. Pilatos maravilhou-se com sua tolerância, sua calma, seu desprezo pela morte; de tudo isso ele argumentou sua absoluta inocência e santidade, e resolveu fazer tudo ao seu alcance para libertá-lo. O silêncio de uma vida sem culpa implora com mais força do que qualquer defesa, por mais elaborada que seja. [Pulpit, aguardando revisão]

6 Na festa, Pilatos lhes soltava um preso, qualquer um que pedissem.

Comentário do Púlpito

Marcos omite aqui o que aconteceu a seguir na ordem dos eventos, a saber, o envio de nosso Senhor por Pilatos a Herodes (Lucas 23:5). Este era Herodes Antipas, governante da Galiléia; e Pilatos, aparentemente convencido da inocência de nosso Senhor, esperava escapar da responsabilidade de condenar um homem inocente, entregando-o a Herodes; pois Pilatos tinha ouvido que nosso Senhor era galileu. Além disso, ele esperava obter outro bom resultado, a saber, recuperar o favor de Herodes, o que era desejável por motivos políticos. A primeira intenção falhou; pois Herodes mandou nosso Senhor de volta a Pilatos em escárnio, “enfeitando-o com roupas lindas” (περιβαλὼν ἐσθῆτα λαμπρὰν). Mas o segundo teve sucesso:“Herodes e Pilatos tornaram-se amigos naquele mesmo dia” (Lucas 23:12). Havia agora, no entanto, outro recurso.

Na festa (κατα ἑορτὴν) – literalmente, na hora da festa – Pilatos lhes soltava um preso, qualquer um que pedissem (ὅνπερ ἠτοῦντο). Em João (João 18:39), lemos que Pilatos disse:”Tendes um costume de que eu vos liberte um na Páscoa”.[Pulpit, aguardando revisão]

7 E havia um chamado Barrabás, preso com outros revoltosos, que numa rebelião havia cometido uma morte.

Comentário do Púlpito

Pilatos parece ter pensado em Barrabás, não duvidando, mas que, ao limitar sua escolha entre ele e Jesus, ele garantiria a libertação de nosso Senhor. Pilatos, porém, pouco conhecia do temperamento dos principais sacerdotes e escribas, e de sua amarga hostilidade a Cristo. A palavra “Barrabás”, melhor escrita “Bar-Abbas”, significa “filho do pai”. [Pulpit, aguardando revisão]

8 E a multidão veio e começou a pedir, como lhes havia feito.

Comentário de J. A. Alexander

Como ele sempre fez com eles (ou por eles, como no v. 6) pode talvez significar que Pilatos foi o próprio autor desta prática questionável, embora não exclua necessariamente uma referência a seus predecessores também. Embora a população, sem dúvida, tivesse reivindicado seu privilégio em qualquer caso, eles provavelmente foram levados a exigi-lo ainda mais importunamente por seus governantes, com vista à realização de seu próprio propósito maligno (ver abaixo, no v. 11). [Alexander, aguardando revisão]

9 E Pilatos lhes respondeu:Quereis que eu vos solte o Rei dos Judeus?

Comentário do Púlpito

Pilatos, sem dúvida, esperava que eles pedissem por Jesus. Ele sabia que os principais sacerdotes haviam entregado nosso Senhor por inveja. Que ele não podia deixar de observar, como um juiz romano astuto, por seus gestos e maneiras. E então ele sabia também, pelo menos por relato, da pureza de Jesus e da santa liberdade com a qual repreendia seus vícios. Então ele pensou, com bastante razão, que se os chefes dos sacerdotes desejassem destruí-lo por inveja, o povo, que havia recebido tantas gentilezas dele, desejaria que ele vivesse. [Pulpit, aguardando revisão]

10 (Porque ele sabia que os chefes dos sacerdotes haviam o entregue por inveja).

Comentário do Púlpito

A inveja foi a paixão que influenciou os principais sacerdotes. Eles viram que Jesus estava ganhando grande e crescente influência sobre o povo pela sublime beleza de seu caráter, pela fama de seus milagres e pelo poder constrangedor de suas palavras. E, portanto, concluíram que, a menos que ele fosse preso em sua carreira e colocado fora do caminho, sua própria influência logo desapareceria. O mundo inteiro estava indo atrás dele. Portanto, ele deve ser destruído. [Pulpit, aguardando revisão]

11 Mas os chefes dos sacerdotes incitaram a multidão, para que, em vez disso, lhes soltasse Barrabás.

Comentário do Púlpito

Mateus (Mateus 27:20) diz:”Eles persuadiram as multidões” (ἔπεισαν τοὺς ὄχλους). A palavra de São Marcos (ἀνέσεισαν) implica um despertar de suas más paixões; agitando-os a um zelo cego por sua crucificação. [Pulpit, aguardando revisão]

12 E Pilatos, respondendo, disse-lhes outra vez:Que, pois, farei com aquele a quem chamais Rei dos Judeus?

Comentário do Púlpito

A palavra “outra vez” tem o apoio de três grandes unciais, e a melhor das letras cursivas. Pilatos não cedeu sem muita luta interior. E agora, finalmente, ele coloca o assunto, por assim dizer, em seu próprio poder; para que seja um ato de clemência e que tenham a honra de salvar a vida de nosso Senhor. Mas foi tudo em vão. Pois os principais sacerdotes haviam resolvido pressionar por sua crucificação, sem nem mesmo imaginar que estavam fazendo o que “a mão de Deus e o conselho de Deus haviam decidido antes”. Pilatos coloca a questão diante deles com muita astúcia e tato. Ele fala de nosso Senhor como alguém a quem “chamaram de Rei dos Judeus”. Ele apela ao orgulho nacional e às esperanças nacionais. Eles se degradariam e extinguiriam suas esperanças, entregando-se à mais ignominiosa das mortes, alguém que havia estabelecido tais reivindicações sobre sua reverência e seu amor? [Pulpit, aguardando revisão]

13 E eles voltaram a clamar:Crucifica-o!

Comentário do Púlpito

Estas palavras podem parecer a princípio justificar a antiga leitura, em Marcos 15:8, adotada na Versão Autorizada, “clamando alto”. Mas lá a palavra era ἀναβοήσας, aqui é ἔκραξαν. Além disso, em Marcos 15:14, não é (περισσοτωνως) “o mais excessivamente”, mas (περισσῶς) “eles clamaram excessivamente.” [Pulpit, aguardando revisão]

14 Mas Pilatos lhes disse:Por quê? Que mal ele fez? E eles gritavam ainda mais:Crucifica-o!

Comentário Cambridge

E eles gritavam ainda mais] “Por que e para quê?” Não houve perguntas com eles. Eles estavam decididos a ter Sua vida. Nada mais o satisfaria. O grito foi mantido ininterrupto:Fora com este homem, crucifique-o! Crucifique-o! Em vão Pilatos protestou. Em vão, ele lavou as mãos abertamente diante de todos (Mateus 27:24) em sinal de sua convicção da inocência perfeita do acusado. Sua hesitação no estágio inicial do julgamento estava trazendo consequências terríveis. [Cambridge, aguardando revisão]

15 Então Pilatos, querendo satisfazer à multidão, soltou-lhes Barrabás; e entregou Jesus açoitado, para que fosse crucificado.

Comentário do Púlpito

Lucas e João são mais detalhados aqui. A partir de suas narrativas, parece que, quando Pilatos descobriu que sua tentativa de resgatar nosso Senhor, colocando Barrabás em contraste com ele, havia falhado, ele esperava levar a multidão à compaixão pelo terrível castigo do açoite, após o que ele confiou que eles iria ceder. A flagelação era uma punição vil, infligida aos escravos. Mas também foi infligido àqueles que foram condenados à morte, mesmo sendo homens livres. Esse açoite, que fazia parte do castigo da crucificação, foi de terrível severidade. Horace fala disso como “flagelo horrível”. Mas parece de João (João 21:1) que o açoite de Jesus ocorreu antes de sua condenação formal de ser crucificado; podemos, portanto, supor que não fazia parte da punição comum da crucificação. Em todo caso, não há nada, em uma comparação cuidadosa das narrativas, que nos leve à conclusão de que nosso bendito Senhor foi açoitado duas vezes. Na verdade, Pilatos antecipou o tempo da flagelação, na vã esperança de que pudesse por este meio salvar nosso Senhor da pena capital. Uma comparação das narrativas de Mateus e Marcos com a de João tornará isso claro; pois todos os três referem-se ao mesmo flagelo. Investigações recentes em Jerusalém revelaram o que provavelmente pode ter sido o lugar da punição. Em uma câmara subterrânea, descoberta pelo capitão Warren, no que Fergusson afirma ser o local de Antônia, o pretório de Pilatos, está uma coluna truncada, nenhuma parte da estrutura em si, mas apenas um pilar anão ao qual os criminosos estariam vinculados. açoitado. A câmara não pode ser posterior à época de Herodes. [Pulpit, aguardando revisão]

16 E os soldados o levaram para o pátio, que é o pretório; e convocaram toda a tropa.

Comentário do Púlpito

Este era o pátio principal do palácio, onde um grande número de soldados sempre ficava aquartelado. “A banda inteira” seria a “cohors praetoria” de Cícero; Guarda-costas de Pilatos. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E o vestiram de púrpura; teceram uma coroa de espinhos, e puseram nele.

Comentário do Púlpito

Assim também diz João (Jo 21:2, ἱματιον πορφυροῦν). Mateus diz (Mateus 27:28):”Puseram nele um manto escarlate (περιέθηκαν αὐτῷ χλαμύδα).” Roxo e escarlate não são cores tão diferentes. Roxo é uma cor real; e as clamãs de Mateus eram um manto militar curto de cor escarlate, destinado a ser uma espécie de libré real. São Cirilo diz que o manto púrpura simbolizava o reino de todo o mundo, que Cristo estava para receber, e que ele iria obter pelo derramamento de seu mais precioso sangue. Foi projetado para zombar de sua reivindicação de ser um rei, e provavelmente não é uma referência à sua suposta insurreição contra César. Tudo isso foi permitido por Pilatos, a fim de que ele pudesse mais facilmente, depois desse tratamento ignominioso, livrar Cristo da sentença extrema. E trançando uma coroa de espinhos, eles colocaram sobre ele. A coroa de espinhos foi provavelmente tecida com o Zizyphus spina Christi (o nabk dos árabes), que cresce abundantemente na Palestina, margeando as margens do Jordão. Esta planta seria muito adequada para o propósito, tendo ramos flexíveis, com folhas muito semelhantes à folha de hera na sua cor, e com muitos espinhos pontiagudos. A dor decorrente da pressão desses espinhos afiados na cabeça deve ter sido insuportável. [Pulpit, aguardando revisão]

18 E começaram a saudá-lo:Viva! Ó Rei dos Judeus!

Comentário do Púlpito

E começaram a saudá-lo:Viva! Ó Rei dos Judeus (Χαῖρε βασιλεῦ τῶν Ἰουδαίων). Esta palavra, χαῖρε, era uma forma antiga de saudação; aqui usado pelos soldados em amarga zombaria de sua afirmação de ser um rei. [Pulpit, aguardando revisão]

19 E feriram a sua cabeça com uma cana, cuspiram nele, e, ajoelhados, o adoraram.

Comentário do Púlpito

E feriram a sua cabeça com uma cana – a mesma cana, de acordo com Mateus (Mateus 27:29, Mateus 27:30), que eles primeiro colocaram em sua mão direita como um cetro, para completar o simbolismo zombeteiro – cuspiram nele (ἐνέπτυον αὐτῷ). O verbo está no imperfeito; eles fizeram isso de novo e de novo. [Pulpit, aguardando revisão]

20 Quando o escarneceram, despiram-lhe a púrpura, vestiram-no com as suas próprias roupas, e o levaram afora, para o crucificarem.

Comentário do Púlpito

Quando o escarneceram, despiram-lhe a púrpura, vestiram-no com as suas próprias roupas. O silêncio de nosso bendito Senhor durante esses insultos irresponsáveis e agravados é muito notável, e também a total ausência de qualquer fundamento legal para sua condenação.

e o levaram afora, para o crucificarem. Supondo que o palácio de Pilatos estivesse perto do portão de Jaffa, a noroeste do Monte Sião, e do local da crucificação que agora lhe foi atribuído, dentro da Igreja do Santo Sepulcro, – a distância seria de cerca de um terço de uma milha. [Pulpit, aguardando revisão]

21 E forçaram um Simão cireneu, que estava passando, vindo do campo, o pai de Alexandre e de Rufo, para que levasse sua cruz.

Comentário do Púlpito

Parece de Mateus (Mateus 27:32) que nosso Salvador carregou sua própria cruz do palácio até o portão da cidade. A placa, com a inscrição depois anexada à cruz, seria carregada diante dele; e um certo número de soldados seria designado para acompanhá-lo até o local da execução e ver a execução da sentença. Tendo passado pelo portão da cidade, encontraram um certo Simão Cirene, vindo do campo, e o obrigaram (ἀγγαρεύουσι); literalmente, eles o impressionam. Os cirenianos tinham uma sinagoga em Jerusalém (Atos 6:9), e esse Simão pode ter sido um dos que subiram para celebrar a Páscoa. Ele deve ter sido um judeu helenístico, natural de Cirene, na costa norte da África. Alexandre e Rufo, seus filhos, eram sem dúvida, na época em que São Marcos escreveu seu Evangelho, conhecidos discípulos de nosso Senhor. Paulo, escrevendo aos Romanos (Romanos 16:13), envia uma saudação especial a Rufo, “eleito no Senhor, e sua mãe, e minha”; um delicado reconhecimento por São Paulo de algo semelhante ao cuidado maternal que a mãe de Rufus lhe deu. É provável que seu pai Simão, e talvez seu irmão Alexandre, já estejam mortos a essa altura. Rufus também é honrosamente mencionado por Policarpo em sua Epístola aos Filipenses. Há uma tradição, mencionada por Cornelius a Lapide, de que Rufus se tornou bispo na Espanha e que Alexandre sofreu o martírio. Ir com eles, para que carregue a sua cruz. Lucas (Lucas 23:26) adiciona as palavras comoventes, “para levá-lo após Jesus (φهειν ὔπισθεν τοῦ Ἰησοῦ).” [Pulpit, aguardando revisão]

22 E o levaram ao lugar de Gólgota, que traduzido é:o lugar da caveira.

Comentário do Púlpito

E o levaram (φoachουσιν); literalmente, eles o carregam. Em Marcos 15:20, outra palavra foi usada ἐξάγουσιν “eles o conduzem para fora.” Parece que, quando chegaram ao portão da cidade, viram sintomas de que nosso Senhor estava desmaiando sob seu fardo; e assim eles pressionaram Simão para o serviço, para que ele pudesse estar pronto para ajudar. No início, nosso Senhor carregou sua própria cruz. A tradição diz (Cornelius a Lapide) que a cruz tinha quinze pés de comprimento, o ramo transverso tinha 2,5 pés; e que ele a carregou de modo que a parte superior descansou em seu ombro, enquanto o pé da cruz se arrastou no chão. Quando eles viram que ele estava desmoronando sob o peso da cruz, colocaram-na sobre Simão, para que pudessem chegar mais rapidamente ao lugar da crucificação.

ao lugar de Gólgota, que traduzido é:o lugar da caveira. “Gólgota” é uma palavra hebraica, ou melhor, caldaica, aplicada ao crânio por causa de sua redondeza, ideia que está na raiz da palavra. O equivalente grego da palavra é Κρανίον; e isso é traduzido na Vulgata, Calvaria, uma caveira, de calva, careca. Lucas é o único evangelista em cujo Evangelho (Lucas 23:33) esta palavra é traduzida como “Calvário”. Na Versão Revisada é traduzido como “o crânio”. O lugar era assim chamado, ou por ter sido o local onde as execuções normalmente aconteciam (embora neste caso pudéssemos esperar encontrá-lo chamado τόπος κρανίων em vez de κρανίον); ou, mais provavelmente, era derivado da configuração do próprio lugar, talvez um monte arredondado, ou colina, suficientemente elevado para ser visto a uma pequena distância e por um grande número. Quanto ao local real do Gólgota, pesquisas recentes parecem ter feito muito para confirmar a tradição antiga. O peregrino de Bordéus, a.d. 333, diz:”No lado esquerdo da Igreja original do Santo Sepulcro está o outeiro (montículo) Gólgota, onde o Senhor foi crucificado. Portanto, a cerca de um lance de pedra de distância, está a cripta onde seu corpo foi depositado.” São Cirilo de Jerusalém alude ao local com freqüência, e não havia dúvida sobre isso na época de Eusébio, a.d. 315. O professor Willis diz que a rocha do Calvário ainda está de pé, cerca de quinze pés acima do pavimento. “Parece provável”, diz ele, “que em seu estado original esta rocha fazia parte de uma pequena ondulação do solo que se projetava da encosta da Rua do Sepulcro e provavelmente sempre formava uma vista um tanto abrupta nos lados oeste e sul ” O Capitão Conder pensa que será capaz de mostrar que o Gólgota tradicional é o local do templo original de Astarote, e que este templo era o santuário jebuseu antes de Davi tomar Jerusalém, e ao redor do qual os sepulcros dos reis foram escavados após o culto de Jeová havia consagrado a colina do templo. [Pulpit, aguardando revisão]

23 E ofereceram-lhe vinho misturado com mirra; mas ele não o tomou.

Comentário do Púlpito

Houve duas ocasiões em que bebida foi oferecida a nosso Senhor durante as agonias de sua crucificação. A primeira ocasião é a mencionada por Mateus (Mateus 27:34), quando lhe ofereceram vinho misturado com fel. Era uma espécie de bebida estonteante, um narcótico forte, feito com o vinho azedo do país, misturado com ervas amargas, e misericordiosamente administrado para embotar a sensação de dor. Isso foi oferecido antes que a crucificação real acontecesse. É a esta primeira ocasião que Marcos se refere aqui. As palavras no original são (καὶ ἐδίδουν αὐτῷ ἐσμυρνισμένον οἶνον), “eles estavam dando, eles o ofereceram.” Mas ele não recebeu. Ele não buscaria o alívio das agonias da crucificação por qualquer poção com drogas que pudesse torná-lo insensível. Ele suportaria todo o fardo conscientemente. A segunda ocasião em que a bebida foi oferecida a ele foi depois de algumas horas em sua cruz, e quando o fim estava próximo; e foi então dado em resposta à sua exclamação:”Tenho sede”. Esta bebida não parece ter sido misturada com nenhuma droga entorpecente; e não lemos que ele o recusou. Marcos não registra esta segunda ocasião. [Pulpit, aguardando revisão]

24 E havendo o crucificado, repartiram a roupas dele, lançando-lhes sortes, para o que cada um levaria.

Comentário do Púlpito

E havendo o crucificado (καὶ σταυροῦσιν αὐτὸν,). Essa é a leitura mais aprovada. O evangelista afirma o fato sem se deter nas circunstâncias dolorosas relacionadas com o ato de pregá-lo na cruz; e passa à menção de outras coisas.

repartiram a roupas dele, lançando-lhes sortes, para o que cada um levaria. O manto externo e a túnica teriam sido removidos antes da crucificação. João (João 21:23) aqui entra em detalhes. “Eles tomaram suas vestes, e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e também o casaco:agora o casaco estava sem costura, tecido de cima para fora.” Suas vestes (τὰ ἱμάτια). Este seria o vestido externo solto e esvoaçante com cinto. A túnica (χιτών) era um vestido justo, usado por baixo do ἱμάτιον. Havia quatro soldados empregados para cada crucificação. São Cirilo se refere às roupas dos criminosos como o privilégio dos algozes. Aqui estava outro ingrediente de amargura na taça de nosso Senhor, que ele viu diante de seus olhos suas vestes rasgadas pelos soldados, e sua túnica dividida a eles por sorte. Mas ele se despojou dessas vestes da mortalidade, para que pudesse nos revestir de vida e imortalidade. [Pulpit, aguardando revisão]

25 Era a hora terceira, e o crucificaram.

Comentário do Púlpito

A terceira hora seria literalmente nove horas. Mas deduzimos de Marcos 15:33 que nosso Senhor estava em sua cruz, e ainda vivo, na hora sexta, ou seja, às doze horas. O modo mais simples de resolver a dificuldade cronológica parece ser este:os judeus dividiam seu dia em quatro partes, que chamavam de horas, a saber, a primeira, de seis a nove; o terceiro, de nove a doze; o sexto, de doze para três; e o nono, de três a seis. Foi, então, na terceira hora, ou seja, entre nove e doze, que o crucificaram; e foi da sexta à nona hora que ele realmente esteve na cruz. João emprega o modo asiático de cálculo do tempo. [Pulpit, aguardando revisão]

26 E a descrição de sua acusação estava acima escrita:O REI DOS JUDEUS.

Comentário do Púlpito

Esta seria provavelmente a forma mais curta de inscrição e, em latim, “Rex Judaeorum”. Todos os evangelistas mencionam a inscrição; mas nenhum deles exatamente com as mesmas palavras. Parece, por comparação deles, que todo o título era:”Este é Jesus de Nazaré, o Rei dos Judeus.” Na facilidade de prisioneiros notáveis, a acusação foi escrita em uma placa branca e levada diante deles enquanto iam para o local da execução. Foi então colocado sobre suas cabeças quando a cruz foi erguida. São João nos diz que o título de nosso Senhor foi escrito em três línguas – hebraico, latim e grego. Essa parece ser a ordem correta das palavras, a saber, o nacional, o oficial e o dialeto comum. São Marcos, escrevendo em Roma, naturalmente mencionaria o título latino. É bem possível que a inscrição possa ter variado nas diferentes versões em que foi dada. É evidente a partir de São João (Jo 21:19-22) que o título foi muito discutido pelos judeus e pelos principais sacerdotes. Bode diz que este título foi adequadamente colocado sobre sua cabeça, porque, embora ele tenha sido crucificado em fraqueza por nós, ainda assim ele brilhou com a majestade de um Rei acima de sua cruz. O título proclamava que afinal ele era um rei; e que a partir de então ele começou a reinar desde sua cruz sobre os judeus. E, portanto, Pilatos foi divinamente impedido de fazer qualquer alteração no título, de modo que deveria significar qualquer coisa menos do que isso. [Pulpit, aguardando revisão]

27 E crucificaram com ele dois ladrões, um à sua direita, e outro à esquerda.

Comentário do Púlpito

E crucificaram com ele dois ladrões (λησταί) –

Lucas (Lucas 23:32) mostra que esses dois ladrões faziam parte da procissão para o Calvário; mas eles foram crucificados após nosso Senhor – um à sua direita, e outro à esquerda. Sabemos por Lucas (Lucas 23:40) que um desses malfeitores foi salvo; enquanto pareceria que o outro morreu em seus pecados. E assim Cristo em sua cruz, entre esses dois homens, e com o título de Rei sobre sua cabeça, apresentou um quadro impressionante e terrível do julgamento final. Essa é a visão de Santo Ambrósio em Lucas 22:1-71., E de Santo Agostinho, que diz:”Esta cruz, se você a marcar bem, era um tribunal. Para o juiz sendo colocado no meio , aquele que creu foi libertado; o outro que o injuriou foi condenado; e, assim, ele significou o que fará com os vivos e os mortos. Alguns ele colocará à sua direita, e alguns à sua esquerda “. [Pulpit, aguardando revisão]

28 E cumpriu-se a Escritura que diz:E foi contado com os malfeitores.

Comentário do Púlpito

Este versículo é omitido nos manuscritos mais antigos. É suposto ter sido tirado de Lucas (Lucas 22:37). [Pulpit, aguardando revisão]

29 E os que passavam blasfemavam dele, balançando suas cabeças, e dizendo:Ah! tu que derrubas o templo, e em três dias o edificas,

Comentário do Púlpito

E os que passavam blasfemavam dele, balançando suas cabeças. Aqui estava outro cumprimento da profecia e outro agravamento da miséria de Cristo. “Todos os que me vêem zombam de mim, arreganham os lábios, meneiam a cabeça, dizendo:Ele confiou no Senhor que o livraria; que o livre, visto que nele se agrada” (Salmos 22:7 , Salmos 22:8). O tormento da crucificação em si foi terrível; mas foi um tormento ainda maior para o Crucificado ser insultado em sua agonia. Nosso Senhor pode muito bem ter pensado nessas palavras:“Eles perseguem aquele a quem feriste, e contam a dor daqueles a quem feriste” (Salmo 69:26). Eles que passaram. O Calvário provavelmente ficava perto de uma das vias que conduzem à cidade; para que houvesse um fluxo contínuo de pessoas passando de um lado para outro; mais especialmente nesta época, quando Jerusalém estava lotada de visitantes. [Pulpit, aguardando revisão]

30 salva a ti mesmo, e desce da cruz!

Comentário de J. A. Alexander

A grandeza de seus planos é contrastada com seu atual estado. “Se tu tens poder para destruir e construir o templo, deves ter poder para salvar tua própria vida e descer da cruz onde estás pendurado”. Esta alusão às suas próprias palavras, como deturpadas pelas testemunhas contra ele, parece ter sido proferida pelo povo comum, e é muito menos amarga e maligna do que a expressa por seus governantes, conforme registrado no versículo seguinte. [Alexander, aguardando revisão]

31 E da mesma maneira também os chefes dos sacerdotes, com os escribas, diziam aos outros, escarnecendo:Ele salvou a outros, a si mesmo não pode salvar!

Comentário do Púlpito

Os principais sacerdotes e os escribas são mais amargos do que o povo. Na verdade, eles sempre se esforçaram para despertar as más paixões do povo contra nosso Senhor. E agora eles se aproveitam de sua atual condição degradada para renovar a velha acusação de que seus milagres de cura haviam sido operados por Belzebu, porque, se tivessem sido operados por Deus, Deus teria se interposto nesta sua extremidade dolorosa e o teria libertado.

Ele salvou a outros. Eles não podem negar este fato. Mas agora tentam virar esse fato contra ele, alegando que aquele que pretendia fazer milagres sobre os outros, os operou, não pelo dedo de Deus, mas por Belzebu, visto que, se tivessem sido operados por um poder divino, o mesmo poder agora seria exercido para sua libertação. Eles desejavam aproveitar esta oportunidade pública de expô-lo como um impostor e, portanto, esperavam se livrar dele e, ao mesmo tempo, apagar o próprio nome do Cristianismo da terra. [Pulpit, aguardando revisão]

32 Que o Cristo, o Rei de Israel, desça agora da cruz, para que o vejamos, e creiamos! Os que estavam crucificados com ele também o insultavam.

Comentário do Púlpito

Cristo pode ter descido da cruz; mas não o fez, porque era a vontade de seu Pai que morresse na cruz para nos redimir da morte. Por isso, ele desprezou as provocações dos ímpios, para nos ensinar com seu exemplo a fazer o mesmo. Se ele tivesse escolhido descer da cruz, ele não teria ascendido. Ele sabia que a morte na cruz era necessária para a salvação dos homens; e, portanto, ele iria passar por todo. Ele reteve o exercício de seu poder. Sua onipotência restringiu os anseios naturais de sua humanidade sofredora de escapar desses tormentos indizíveis. Então ele não desceu da cruz, embora dentro de três dias ele se levantasse do túmulo. E ainda não houve nenhuma palavra de indignação contra seus algozes. Pelo contrário, ele proclamou misericórdia; pois enquanto estava pendurado em sua cruz, ele disse:“Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem”. [Pulpit, aguardando revisão]

33 E vinda a hora sexta, vieram trevas sobre toda a terra, até a hora nona.

Comentário do Púlpito

E vinda a hora sexta. Seria meio-dia, meio-dia; e as trevas continuaram até a hora nona, ou seja, três horas. Essa escuridão sobrenatural veio quando o dia costumava ser mais claro. A lua estava agora cheia, de modo que não poderia ter sido causado pelo que chamamos de eclipse, pois quando é lua cheia, a lua não pode intervir entre a terra e o sol. Essa escuridão foi, sem dúvida, produzida pela interferência imediata de Deus. Um relato disso é feito por Phlegon de Tralles, um liberto do imperador Adrian. Euse-bius, em seus registros do ano a.d. 33, citações extensas de Phlegon, que diz que, no quarto ano da 202ª Olimpíada, houve um grande e notável eclipse do sol, acima de qualquer um que tivesse acontecido antes. Na hora sexta, o dia se transformou em escuridão da noite, de modo que as estrelas foram vistas no céu; e houve um grande terremoto na Bitínia, que destruiu muitas casas na cidade de Nicéia. Phlegon atribui a escuridão que descreve a um eclipse, o que era bastante natural para ele fazer. O conhecimento da astronomia era então muito imperfeito. Phlegon também menciona um terremoto. Isso coloca seu relato em uma correspondência muito próxima com a narrativa sagrada.

vieram trevas sobre toda a terra (ἐφ ὅλην τὴν γῆν). Não somos informados com precisão até onde a escuridão se estendeu. Dionísio diz que viu esse fenômeno em Heliópolis, no Egito, e teria exclamado:”Ou o Deus da natureza, o Criador, está sofrendo, ou o universo está se dissolvendo.” São Cipriano diz:”O sol foi forçado a retirar seus raios e fechar seus olhos, para que não fosse obrigado a olhar para este crime dos judeus. Para o mesmo propósito de São Crisóstomo,” a criatura poderia suportar o mal feito ao seu Criador. Portanto, o sol retirou seus raios, para que ele não pudesse ver as obras dos ímpios. ” [Pulpit, aguardando revisão]

34 E na hora nona, Jesus exclamou em alta voz:ELOÍ, ELOÍ, LAMÁ SABACTÂNI, que traduzido é:Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?

Comentário Whedon

E na hora nona – No final da escuridão.

ELOÍ… – Estas palavras são o primeiro verso do Salmo 22, citado por nosso Senhor na língua siro-caldéia, a língua de uso comum. O evangelista transcreve as próprias palavras de Jesus, ao invés de em grego, para mostrar a razão do erro deles, que supuseram que ele chamou Elias. Essas palavras não contêm, pensamos, qualquer referência às trevas que agora estavam desaparecendo, e que foi dada à seus assassinos, e não por ele. O Salvador aqui aplica o salmo sagrado a si mesmo como profético. As palavras particulares são expressivas do abandono divino, da partida da presença divina como parte de sua paciente expiação. Eles são proferidos por ele para mostrar que ele está suportando uma agonia intolerável, mais profunda do que qualquer imposição externa. [Whedon]

35 E alguns dos que ali estavam, quando ouviram, disseram:Eis que ele está chamando Elias.

Comentário do Púlpito

Apesar da escuridão sobrenatural, houve aqueles que permaneceram perto da cruz. Na verdade, a escuridão aumentaria muito o horror do lugar. Foi nessa escuridão que a voz de Jesus foi ouvida; e visto que se acreditava que Elias, ou Elias, tinha alguma relação com o Messias, era natural que alguns daqueles que permaneceram por perto entendessem que as palavras significavam que nosso Senhor estava realmente chamando por Elias. [Pulpit, aguardando revisão]

36 E um correu, encheu de vinagre uma esponja; e pondo-a em uma cana, dava-lhe de beber, dizendo:Deixai, vejamos se Elias virá tirá-lo.

Comentário do Púlpito

Há uma ligeira diferença aqui nas narrativas. Mateus (Mateus 27:49) diz:“E os demais disseram:Deixa; vejamos se Elias vem para salvá-lo”. Aqui em Marcos, as palavras são registradas como tendo sido ditas somente por aquele que ofereceu o vinagre a nosso Senhor. De acordo com São João (João 21:1-25:28), a oferta do vinagre seguiu imediatamente às palavras de nosso Senhor, “Tenho sede”. Essa bebida não era a poção estonteante dada aos criminosos antes de sua crucificação, para acalmar a sensação de dor, mas o vinho azedo, a bebida comum dos soldados, chamada posen. O junco era provavelmente o caule longo do hissopo. J. Forbes Royle, em um artigo elaborado sobre o assunto, citado no “Dicionário da Bíblia” de Smith, chega à conclusão de que o hissopo nada mais é do que a planta alcaparra, cujo nome árabe, asuf, tem forte semelhança para o hebraico. A planta é a Capparis spinosa de Linnaeus. A aparente diferença entre as narrativas de Mateus e Marcos pode ser reconciliada ao tecer na narrativa de São João com as dos sinoptistas – o “Let be” dos soldados, em um caso, com a intenção de impedir o indivíduo de oferecer o vinho ; e o “Deixe estar” do indivíduo, correspondendo ao nosso “Espere um momento”, enquanto ele respondia ao clamor de nosso Salvador:”Tenho sede”. [Pulpit, aguardando revisão]

37 E Jesus bradou em grande voz, então expirou.

Comentário do Púlpito

Todos os três sinópticos mencionam esse grito, que parece ter sido algo diferente das palavras que ele proferiu na hora de sua morte ou por volta dela. Era evidentemente algo sobrenatural e assim considerado pelo centurião que estava por perto; e que sem dúvida estava acostumado a cenas como essas. Normalmente a voz falha aos moribundos, mais especialmente quando as forças naturais foram enfraquecidas por uma longa agonia, como no conforto de nosso Senhor. Parece, portanto, a conclusão correta que ele clamou, pouco antes de expirar, por aquele poder sobrenatural que sua Divindade forneceu a ele; e assim ele mostrou que, embora tivesse passado por todas as dores que eram suficientes nos casos comuns para produzir a morte, no entanto, finalmente ele não morreu por necessidade, mas voluntariamente, de acordo com o que ele próprio disse:”Ninguém tira a minha vida … Eu tenho poder para entregá-la e tenho poder para tomá-la de novo “(João 10:18). Victor Antiochanus, ao comentar este capítulo, diz:”Por meio dessa ação o Senhor Jesus provou que tinha toda a sua vida e sua morte em seu próprio poder”. [Pulpit, aguardando revisão]

38 E o véu do Templo se rasgou em dois do alto abaixo.

Comentário do Púlpito

Havia dois véus – um antes do lugar sagrado e o outro antes do santo dos santos. O santo dos santos sempre foi mantido fechado; nem poderia entrar ninguém, a não ser o sumo sacerdote, e isso apenas uma vez por ano, no dia da expiação. O véu que foi rasgado na morte de nosso Senhor foi aquele que foi colocado antes do Santo dos Santos; era chamado de καταπέτασμα. O véu externo foi chamado κάλυμμα. Era dever do sacerdote oficiante, na noite do dia da preparação, na hora da oração da noite, que corresponderia à hora da morte de nosso Senhor, entrar no lugar santo, onde estaria, naturalmente, entre as duas cortinas, ou véus, o véu externo, ou κάλυμμα, e o véu interno, ou καταπέτασμα Caberia então a ele rolar para trás o κάλυμμμα, ou véu externo, expondo assim o lugar sagrado para as pessoas, que estariam em a. pátio externo. E então e ali eles veriam, para sua surpresa, o καραπέτασμα, o véu interno, rasgado de alto a baixo. Esses véus ou cortinas, de acordo com Josefo, tinham cada um quarenta côvados de altura e dez de largura, de grande substância, muito maciços e ricamente bordados com ouro e púrpura. Agora, este rasgar do véu significava (1) que toda a dispensação judaica, com seus ritos e cerimônias, foi agora desdobrada por Cristo; e que daí em diante a parede de separação do meio foi derrubada, para que agora, não somente os judeus, mas também os gentios pudessem se aproximar pelo sangue de Cristo. Mas (2) ainda significava que o caminho para o céu foi aberto pela morte de nosso Senhor. “Quando você venceu a dureza da morte, você abriu o reino dos céus a todos os crentes.” O véu significava que o céu estava fechado para todos, até que Cristo, por sua morte, rasgou este véu em dois e abriu o caminho. [Pulpit, aguardando revisão]

39 E o centurião que estava ali diante dele, vendo que havia expirado assim, disse:Verdadeiramente este homem era Filho de Deus.

Comentário do Púlpito

E o centurião que estava ali diante dele, vendo que havia expirado assim. As palavras “clamou” não estão nas autoridades mais importantes. Cabia ao centurião observar tudo o que acontecia e garantir que a sentença fosse executada. Ele devia estar parado perto do agrião; e havia isso em todo o comportamento do Sofredor moribundo, tão diferente de tudo o que ele já havia testemunhado antes, que arrancou dele a exclamação involuntária:Verdadeiramente este homem era Filho de Deus. Ele o observou durante aquelas horas cansativas; ele havia notado a mansidão e a dignidade do Sofredor; ele tinha ouvido aquelas palavras, tão profundamente impressionadas na fé e reverência dos cristãos, que caíam dele de vez em quando enquanto estava pendurado ali; e então, por fim, ele ouviu o grito agudo, tão surpreendente, tão inesperado, que escapou-lhe pouco antes de entregar seu espírito; e ele não poderia chegar a nenhuma outra conclusão senão esta, que ele era de fato o Filho de Deus. Tem sido suposto por alguns que este centurião foi Longiuus, que foi conduzido pelos milagres que acompanharam a morte de Cristo, para reconhecê-lo como o Filho de Deus, e para ser um arauto de sua ressurreição, e finalmente foi ele mesmo colocado morte por amor de Cristo na Capadócia. São Crisóstomo repete o relato comum de que por causa de sua fé ele foi finalmente coroado com o martírio. [Pulpit, aguardando revisão]

40 E também estavam ali algumas mulheres olhando de longe, entre as quais estava também Maria Madalena, e Maria (mãe de Tiago o menor e de José), e Salomé;

Comentário do Púlpito

E também estavam ali algumas mulheres olhando de longe (ἀπὸ μακρόθεν θεωροῦσαι). Mateus (Mateus 27:55) diz que foram muitos. Entre elas estavam Maria Madalena e Maria, esposa de Clopas, ou Alfeu, e mãe de Tiago Menor e de José, chamados irmãos de nosso Senhor, e mãe dos filhos de Zebedeu, isto é, Salerno. A mãe de nosso Senhor esteve lá até o momento em que, tendo com João rastejado tão perto da cruz de Jesus quanto ela poderia se aventurar, ela foi entregue por nosso Senhor aos cuidados de João, e levada embora por ele. Marcos menciona isso para mostrar a fé e o amor dessas mulheres santas, porque na própria presença dos inimigos de Cristo elas ousavam ficar ao lado de sua cruz, e não se esquivavam de testemunhar sua piedade e devoção. São João diz que eles estavam perto. Ele deve ter sabido; pois ao menos uma vez ele estava por perto. Mateus e Marcos falam deles como distantes. Estavam distantes, sem dúvida, em sua maior parte, em comparação com os soldados, cujo dever era estar de perto e manter o povo afastado. Mas essas mulheres devotadas chegaram o mais perto que puderam, para ver e ouvir seu Senhor. Talvez estivessem às vezes mais distantes e às vezes mais próximos, porque viam a oportunidade ou porque o humor dos funcionários os tolerava. [Pulpit, aguardando revisão]

41 as quais, quando ele estava na Galileia, o seguiam, e o serviam; e outras muitas, que haviam subido com ele a Jerusalém.

Comentário do Púlpito

Aprendemos com esse versículo que essas mulheres o seguiram e ministraram a ele quando estava na Galiléia; e que muitas outras mulheres subiram com ele a Jerusalém. A beleza sublime de seu caráter e a influência espiritual que exercia os atraíam; e eles foram capazes de atender às várias necessidades de sua humanidade. [Pulpit, aguardando revisão]

42 E quando já vinha o final da tarde, porque era a preparação, que é o dia antes de sábado,

Comentário do Púlpito

E quando já vinha o final da tarde. O sábado começava na sexta-feira à noite às seis horas. A noite começou às três horas. Nosso Senhor deve ser enterrado antes das seis horas. [Pulpit, aguardando revisão]

43 Veio José de Arimateia, honrado membro do conselho, que também esperava o Reino de Deus, e com ousadia foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus.

Comentário do Púlpito

José de Arimatéia. São Jerônimo diz que esta cidade se chamava Ramathaim-Zophim (o lugar elevado), onde moravam Elcana e Ana na antiguidade, e onde Samuel nasceu. Joseph era provavelmente um nativo de Arimathaea; mas ele agora era um cidadão e conselheiro de Jerusalém. Ele era um conselheiro honrado (εὐσχήμων βουλευτής), um conselheiro de propriedade honorável (versão revisada). São Mateus diz que ele era um homem rico. É evidente que ele se considerava um habitante estabelecido de Jerusalém, visto que assim se proporcionou um lugar de sepultura. Ele estava esperando (προσδεχόμενος) – literalmente, procurando – o reino de Deus. Mateus (Mateus 27:57) diz que foi discípulo de Jesus. Essas circunstâncias explicam seu desejo de enterrar nosso Senhor.

com ousadia foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus. Um pobre não teria ousado se aproximar de Pilatos com um propósito como este. São Crisóstomo diz:“A coragem de José é muito admirável, pois, por amor de Cristo, ele se expôs ao perigo de morte”. O fato de estar “procurando o reino de Deus” explica sua conduta. Mostra que ele cria em Cristo e, por meio de sua graça, esperava a salvação eterna; e com essa esperança ele pensou pouco em deixar de lado sua reverência por Cristo, e então “ousadamente foi a Pilatos e pediu o corpo de Jesus”. [Pulpit, aguardando revisão]

44 Pilatos se surpreendeu de que já fosse morto. E chamou a si o centurião, e perguntou-lhe se já era morto já havia muito tempo.

Comentário do Púlpito

Deve ter sido um pouco no início da tarde, provavelmente não muito depois das três horas, quando Joseph foi. Sendo o dia da Preparação, os judeus estavam ansiosos para cumprir a letra da Lei (Deuteronômio 21:13), e isso, mais especialmente, porque o sábado que se seguia era um “dia alto”. Então eles foram cedo a Pilatos para obter permissão para acelerar as mortes dos sofredores pela terrível punição adicional chamada σκελοκοπία. Esta violência não foi infligida ao nosso Senhor, porque ele já estava morto; e assim outra Escritura foi cumprida, “Nenhum dos seus ossos se quebrará.” Mas era necessário que Pilatos tivesse certeza de que a morte ocorrera antes de ele entregar o corpo; e assim, na providência de Deus, outra evidência foi dada da realidade da morte de Cristo. Joseph pediu o corpo (σῶμα). Então Pilatos perguntou ao centurião “se ele tinha morrido algum tempo”. O verbo aqui está no aoristo, e o advérbio significa “anteriormente” (εἰ πάλαι ἀπέθανε); literalmente, se ele morreu há algum tempo. [Pulpit, aguardando revisão]

45 Quando ele recebeu a explicação do centurião, deu o corpo a José,

Comentário Barnes

Quando ele recebeu a explicação do centurião. Sendo informado pelo centurião do fato de que ele estava morto. O centurião estava encarregado dos soldados que o vigiavam e, portanto, poderia dar informações corretas. [Barnes, aguardando revisão]

46 o qual comprou um lençol fino, e tirando-o da cruz, envolveu-o no lençol fino. Em seguida, ele o pôs num sepulcro escavado em uma rocha, e rolou uma pedra à porta do sepulcro.

Comentário do Púlpito

o qual comprou um lençol fino (σινδόνα). Esta era uma vestimenta de linho fino, ou mortalha, algo parecido com aquele em que o jovem fugiu na noite anterior.

e tirando-o da cruz (καθελὼν αὐτὸν). Parece por essas palavras que o próprio José, provavelmente auxiliado por Nicodemos e outros, realmente tirou o corpo de nosso Senhor da cruz. envolveu-o com o sindon e colocou-o em sua própria tumba nova, que havia sido escavada na rocha. A palavra traduzida como “tumba” é μνημεῖον, com a intenção de ser um memorial do falecido.

e rolou uma pedra à porta do sepulcro. A porta aqui significa “a abertura” ou “entrada”. Assim, enquanto nosso Senhor morreu com os ímpios, ele estava com os ricos em sua morte (Is 53:9). [Pulpit, aguardando revisão]

47 Maria Madalena e Maria mãe de José olharam onde o puseram.

Comentário do Púlpito

Essas mulheres eram duas do grupo mencionado em Marcos 15:40. Eles permaneceram, depois que o corpo de Nosso Senhor foi depositado, em triste e silenciosa contemplação. As mulheres parecem ter se dividido em dois grupos. Um grupo foi sozinho comprar especiarias e unguentos, o que era necessário que fizessem antes das seis horas, quando o sábado começava; em prontidão para o embalsamamento. Maria Madalena e Maria, a mãe de José e Salomé, parecem tê-los comprado depois das seis horas da noite de sábado. [Pulpit, aguardando revisão]

<Marcos 14 Marcos 16>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.