Marcos 14

1 E dali a dois dias era a Páscoa, e a festa dos pães sem fermento; e os chefes dos sacerdotes, e os escribas buscavam um meio de prendê-lo através de um engano, e o matarem.

Comentário de David Brown

Os eventos desta seção parecem ter ocorrido no quarto dia (quarta-feira) da semana anterior do Redentor.

E dali a dois dias era a Páscoa, e a festa dos pães sem fermento – O significado é que dois dias depois do que está para ser mencionado, a Páscoa chegaria; Em outras palavras, o que se segue ocorreu dois dias antes da festa.

e os chefes dos sacerdotes, e os escribas buscavam um meio de prendê-lo através de um engano, e o matarem – A partir do relato mais completo de Mateus (Mateus 26:1-75), aprendemos que nosso Senhor anunciou isso aos Doze como segue:o primeiro anúncio para eles do tempo preciso:”E aconteceu que, quando Jesus havia terminado todas essas palavras” (Mateus 26:1) – referindo-se ao conteúdo de Mateus 24:1-25:46, que Ele entregou a Seus discípulos; Seu ministério público está agora fechado:de seu profético Ele está agora passando para Seu ofício sacerdotal, embora o tempo todo Ele mesmo tenha tomado nossas enfermidades e revelado nossas enfermidades – “Ele disse aos seus discípulos:Sabeis que depois de dois dias [a festa de a páscoa e o Filho do homem são traídos para serem crucificados ”. Oséias primeiros e últimos passos de Seus sofrimentos finais são reunidos neste breve anúncio de tudo o que deveria acontecer. A Páscoa foi a primeira e a principal das três grandes festas anuais, comemorativas da redenção do povo de Deus do Egito, através da aspersão do sangue de um cordeiro divinamente designado para ser morto para esse fim; o anjo destruidor, “quando ele viu o sangue, passando por cima” das casas israelitas, nas quais aquele sangue foi visto, quando ele veio para destruir todos os primogênitos na terra do Egito (Êxodo 12:12, Êxodo 12:13) – prefiguração típica e brilhante do grande Sacrifício, e a Redenção efetuada por meio disso. Assim, “pelo determinado conselho e presciência de Deus, que é maravilhoso em conselho e excelente em trabalhar”, foi assim ordenado que precisamente na época da Páscoa, “Cristo, nossa Páscoa deveria ser sacrificado por nós.” No dia seguinte à a páscoa iniciou a “festa dos pães sem fermento”, assim chamada porque, durante sete dias, somente um pão sem fermento deveria ser comido (Êxodo 12:18-20). Veja em 1Coríntios 5:6-8. Somos informados por Mateus (Mateus 26:3) que a consulta foi realizada no palácio de Caifás, o sumo sacerdote, entre os principais sacerdotes, [os escribas] e os anciãos do povo, como “eles poderiam levar Jesus sutileza e matá-lo ”. [JFB, aguardando revisão]

2 Pois diziam:'Não na festa, para que não aconteça tumulto entre o povo.'

Comentário de David Brown

Pois diziam:“Não na festa – sim, não durante a festa; não até que os sete dias de pão sem fermento terminem.

para que não aconteça tumulto entre o povo – Em consequência do vasto influxo de estrangeiros, abraçando toda a população masculina da terra que havia atingido uma certa idade, havia dentro dos muros de Jerusalém, neste festival, cerca de dois milhões de pessoas; e em seu estado excitado, o perigo de tumulto e derramamento de sangue entre “o povo”, que na maior parte tomava Jesus como profeta, era extremo. Veja Josefo [Antiguidades, 20.5.3]. Que plano, se houver algum, esses eclesiásticos designados para apossar-se de nosso Senhor, não aparece. Mas a proposta de Judas sendo imediatamente e ansiosamente penetrada, é provável que eles estivessem até então com alguma perda por um plano suficientemente quieto e ainda efetivo. Então, apenas no tempo da festa será feito; a oferta inesperada de Judas aliviando-os de seus medos. Assim, como observa Bengel, o conselho divino entrou em vigor. [JFB, aguardando revisão]

3 E estando ele em Betânia, na casa de Simão o Leproso, sentado à mesa , veio uma mulher, que tinha um vaso de alabastro, de óleo perfumado de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso de alabastro, derramou-o sobre a cabeça dele.

Comentário de David Brown

O tempo desta parte da narrativa é de quatro dias antes do que acaba de ser relacionado. Se tivesse sido parte do conjunto regular de eventos que nosso evangelista planejava registrar, ele provavelmente teria inserido em seu devido lugar, antes da conspiração das autoridades judaicas. Mas tendo chegado à traição de Judas, ele parece ter voltado a essa cena como o que provavelmente deu ocasião imediata para a terrível ação.

E estando ele em Betânia, na casa de Simão o Leproso, sentado à mesa , veio uma mulher – era “Maria”, como aprendemos em Jo 12:3.

que tinha um vaso de alabastro, de óleo perfumado de nardo puro – (Veja Cantares de Salomão 1:12).

e quebrando o vaso de alabastro, derramou-o sobre a cabeça dele – “e ungido”, acrescenta João (Jo 12:3), “os pés de Jesus, e enxugou os pés dele com os cabelos dela; e a casa ficou cheia do odor de a unguento. ”O único uso disso era refrescar e animar – um elogio grato no Oriente, em meio à proximidade de uma atmosfera aquecida, com muitos convidados em uma festa. Tal era a forma em que o amor de Maria por Cristo, com tanto custo para si mesma, se derramava. [JFB, aguardando revisão]

4 E houve alguns que em si mesmos se indignaram, e disseram:“Para que foi feito este desperdício do óleo perfumado?

Comentário de David Brown

E houve alguns que em si mesmos se indignaram, e disseram – Mateus diz (Mateus 26:8), “Mas quando Seus discípulos viram isto, eles tiveram indignação, dizendo,” etc. O porta-voz, entretanto, não era nenhum dos sinceros Onze – como aprendemos de João (Jo 12:4):“Então, diz um dos seus discípulos, Judas Iscariotes, o filho de Simão, que O trairá.” Sem dúvida, o pensamento agitou-se primeiro em seu peito e saiu de sua base. lábios; e alguns dos outros, ignorantes de seu verdadeiro caráter e sentimentos, e levados por sua fala plausível, poderiam no momento sentir algum desgosto pelo aparente desperdício. [JFB, aguardando revisão]

5 Pois podia ser ele vendido por mais de trezentos denários e dado aos pobres; e murmuravam contra ela.

Comentário de David Brown

e dado aos pobres. E eles murmuraram contra ela – “Isto ele disse”, observa João (Jo 12:6), e a observação é de extrema importância, “não que ele se importasse com os pobres, mas porque ele era um ladrão, e tinha a bolsa” – o scrip ou o baú do tesouro – “e descubra o que foi colocado lá” – não “descubra” por roubo, como alguns o entendem. É verdade que ele fez isso; mas a expressão significa simplesmente que ele tinha o encargo e seu conteúdo, ou era tesoureiro de Jesus e dos Doze. Que arranjo notável foi este, pelo qual uma pessoa avarenta e desonesta não foi levada apenas para o número dos Doze, mas foi encarregada da custódia de sua pequena propriedade! Oséias propósitos que isso serviu são bastante óbvios; mas é mais perceptível, que a mais remota sugestão nunca foi dada ao Onze de seu verdadeiro caráter, nem os discípulos mais favorecidos com a intimidade de Jesus jamais suspeitaram dele, até poucos minutos antes de ele voluntariamente se separar de sua companhia – para sempre! [JFB, aguardando revisão]

6 Porém Jesus disse:“Deixai-a; por que a incomodais? Ela me fez boa obra.

Comentário de David Brown

Foi bom em si mesmo, e assim foi aceitável para Cristo; era eminentemente sazonal e, portanto, mais aceitável ainda; e era “o que ela podia” e, portanto, o mais aceitável de todos. [JFB, aguardando revisão]

7 Porque pobres sempre tendes convosco; e quando quiserdes, podeis lhes fazer bem; porém a mim, nem sempre me tendes.

Comentário de David Brown

Porque pobres sempre tendes convosco – referindo-se a Deuteronômio 15:11.

e quando quiserdes, podeis lhes fazer bem; porém a mim, nem sempre me tendes – um leve indício de Sua partida se aproximando, por Aquele que conhecia o valor de Sua própria presença. [JFB, aguardando revisão]

8 Esta fez o que podia; adiantou-se para ungir o meu corpo, para a sepultura.

Comentário de David Brown

Esta fez o que podia – um nobre testemunho, incorporando um princípio de imensa importância.

adiantou-se para ungir o meu corpo, para a sepultura – ou, como em João (Jo 12:7), “Contra o dia de meu enterramento ela guardou isto”. Não que ela, querido coração, pensasse em Seu sepultamento, muito menos reservada qualquer de seu nardo para ungir seu Senhor morto. Mas como o tempo estava tão próximo quando esse ofício teria que ser realizado, e ela não deveria ter esse privilégio mesmo depois que os temperos fossem trazidos para o propósito (Marcos 16:1), Ele amorosamente o considera feito agora. “No ato de amor feito a Ele”, diz Olshausen, “ela ergueu para si um monumento eterno, tão duradouro quanto o Evangelho, a eterna Palavra de Deus. Deuteronômio geração em geração, esta notável profecia do Senhor foi cumprida; e até nós, ao explicar este dito do Redentor, necessariamente contribuímos para a sua realização. ”“ Quem, a não ser ele mesmo, ”pede Stier,“ tinha o poder de assegurar qualquer obra do homem, mesmo que ressoasse em Seu próprio tempo através do terra inteira, uma lembrança imperecível no fluxo da história? Eis aqui mais uma vez a majestade de Sua supremacia judicial real no governo do mundo, neste, em verdade vos digo. [JFB, aguardando revisão]

9 Em verdade vos digo, que onde quer que em todo o mundo o Evangelho for pregado, também o que esta fez será dito em sua memória.'

Comentário de David Brown

‘No ato de amor feito a Ele’, diz Olshausen lindamente, ‘ela ergueu para si mesma um monumento eterno, tão duradouro quanto o Evangelho, a eterna Palavra de Deus. Deuteronômio geração em geração, essa notável profecia do Senhor foi cumprida; e mesmo nós, ao explicar esta palavra do Redentor, necessariamente contribuímos para o seu cumprimento ‘. ‘Quem, senão Ele mesmo’, pergunta Stier, ‘tinha o poder de garantir a qualquer obra do homem, mesmo que ressoasse em Seu próprio tempo por toda a terra, uma lembrança imperecível no fluxo da história? Contemple mais uma vez aqui a majestade de Sua supremacia judicial real no governo do mundo, neste “Em verdade vos digo”. [JFU, aguardando revisão]

10 E Judas Iscariotes, um dos doze, foi aos chefes dos sacerdotes, para o entregar a eles.

Comentário de David Brown

Isto é, fazer suas propostas e barganhar com eles, como aparece na declaração mais completa de Mateus (Mateus 26:14, Mateus 26:15) que diz, ele “foi até os principais sacerdotes, e disse:Que me dareis, e eu vou entregá-lo até você? E eles fizeram convênio com ele por trinta moedas de prata. ”As trinta moedas de prata eram trinta shekels, a multa paga pelo homem ou maid acidentalmente morto (Êxodo 21:32), e igual a entre quatro e cinco libras esterlinas – “Um preço muito bom que fui valorizado por eles!” (Zacarias 11:13). [JFB, aguardando revisão]

11 E eles ouvindo, alegraram-se; e prometeram lhe dar dinheiro; e buscava como o entregaria em tempo oportuno.

Comentário de David Brown

E eles ouvindo, alegraram-se; e prometeram lhe dar dinheiro – somente Mateus registra a soma exata, porque uma profecia notável e complicada, à qual ele depois se referiu, foi cumprida por ela.

e buscava como o entregaria em tempo oportuno – ou, como mais plenamente dado em Lucas (Lucas 22:6):“E ele prometeu, e buscou a oportunidade de traí-lO a eles na ausência da multidão.” Que ele deveria evitar um “alvoroço” ou “tumulto” entre o povo, que provavelmente foi feito uma condição essencial pelas autoridades judaicas, foi assim consentido pelo traidor; em quem, diz Lucas (Lucas 22:3), “Satanás entrou”, para colocá-lo sobre este ato infernal. [JFB, aguardando revisão]

12 E o primeiro dia dos pães sem fermento, quando sacrificavam o cordeiro da Páscoa, seus discípulos lhe disseram:“Onde queres que vamos preparar para comerdes a Páscoa?”

Comentário do Púlpito

O primeiro dia de pão ázimo começava na noite da quinta-feira (14º dia do mês de nisã). Onde queres que nos preparemos? Eles não perguntam em que cidade ou vila. A Páscoa não poderia ser sacrificada em qualquer lugar, exceto em Jerusalém. A questão era em que casa ela deveria ser preparada. [Pulpit, aguardando revisão]

13 E mandou dois de seus discípulos, e disse-lhes:'Ide à cidade, e um homem que leva um cântaro de água vos encontrará, a ele segui.

Comentário do Púlpito

E mandou dois de seus discípulos. Lucas (22:8) nos informa que esses dois eram Pedro e João. É característico do Evangelho de São Marcos que Pedro nunca é mencionado com mais freqüência do que o necessário.

Ide à cidade, e um homem que leva um cântaro de água vos encontrará. O porte do jarro de água tinha seu significado. Era um ato religioso solene preparatório para a Páscoa. Este homem carregando uma jarra de água não era o dono nem o dono da casa. O proprietário é posteriormente distinguido pelo nome οἰκοδέσποτης, ou “dono da casa”. O proprietário deve, portanto, ter sido um homem de alguma substância, e provavelmente um amigo, se não um discípulo de nosso Senhor. A tradição diz que esta era a casa de João, cujo sobrenome era Marcos; e que foi nesta casa que os discípulos estavam reunidos na noite da ressurreição de nosso Senhor, e onde, também, eles receberam os dons milagrosos do Espírito Santo, no dia de Pentecostes. Foi para esta casa que Pedro se dirigiu quando foi libertado da prisão pelo anjo. Por isso era conhecido, como um dos primeiros lugares de culto cristão, pelo nome de “Coenaculum Sion”, e aqui foi construída uma igreja, chamada Igreja de Sion. Era a igreja mais antiga de Jerusalém e era chamada por São Cirilo de “a igreja superior dos apóstolos”. [Pulpit, aguardando revisão]

14 E onde quer que ele entrar, dizei ao senhor da casa:O Mestre diz:Onde está o cômodo onde comerei Páscoa com meus discípulos?

Comentário Barnes

cômodo – Um espaço para convidados ou amigos – um quarto desocupado. [Barnes, aguardando revisão]

15 E ele vos mostrará um grande salão, ornado e preparado; ali fazei os preparativos para nós.”

Comentário do Púlpito

E ele vos mostrará um grande salão, ornado e preparado. Ele mesmo, isto é, o dono da casa; talvez João Marcos. Este quarto superior estava mobilado e pronto (ἐστρωμένον ἕτοιμον); mobiliado, isto é, com mesa e sofás e tapeçaria, e em todos os aspectos pronto para o propósito. [Pulpit, aguardando revisão]

16 E os discípulos saíram, e vieram à cidade, e acharam como havia lhes dito, e prepararam a Páscoa.

Comentário do Púlpito

e prepararam a Páscoa. Isso consistiria em obter o cordeiro pascal e levá-lo ao templo para ser sacrificado pelos sacerdotes. Em seguida, seria trazido para a casa para ser cozido; e o pão ázimo, as ervas amargas e o vinho teriam que ser fornecidos, e a água para purificação. Depois de todos esses preparativos terem sido feitos, os dois discípulos voltariam para seu Mestre. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E chegada a tarde, veio com os doze.

Comentário do Púlpito

Era à noite que o cordeiro deveria ser comido. Pedro e João voltaram de sua preparação, os doze (incluindo Judas Iscariotes) voltaram todos com seu Mestre para Jerusalém. [Pulpit, aguardando revisão]

18 E quando se sentaram à mesa, e comeram, Jesus disse:'Em verdade vos digo, que um de vós, que está comendo comigo, me trairá.'

Comentário do Púlpito

Sem dúvida, muito havia acontecido antes que nosso Senhor dissesse isso; mas Marcos apenas registra as circunstâncias importantes. Essas palavras de nosso Senhor foram pronunciadas com grande solenidade. A presença do traidor era um fardo para o seu espírito e lançava uma sombra sobre este festival geralmente alegre. Uma questão aqui surge se Judas permaneceu para participar da Sagrada Comunhão quando nosso Senhor a instituiu. O maior número dos Pais, e entre eles Orígenes, São Cirilo, São Crisóstomo, Santo Agostinho e Beda, consideram que ele estava presente; e Dionísio diz que as palavras de nosso Senhor a ele, “Isso tu fazes, faze-o depressa”, destinavam-se a separá-lo do resto dos doze como aquele que tinha participado indignamente; e foi então que Satanás entrou nele e o impeliu a este terrível pecado. [Pulpit, aguardando revisão]

19 Eles começaram a se entristecer, e a lhe dizer um após outro:“Por acaso sou eu?”

Comentário do Púlpito

Os discípulos estavam naturalmente dispostos a se alegrar neste grande festival. Mas a tristeza de seu Mestre e suas palavras, e a solenidade com que foram proferidas, lançaram uma sombra sobre todo o grupo; e os discípulos começaram a ficar tristes. As palavras:”E outro disse:sou eu?” são omitidos pelas melhores autoridades. [Pulpit, aguardando revisão]

20 Porém ele lhes respondeu:“ É um dos doze, o que está molhando a mão comigo no prato.

Comentário do Púlpito

Marcos aqui usa o particípio presente (ὁ μβαπτόμενος), trazendo a ação perto do momento em que ele estava falando. Mateus (Mateus 26:23) tem (ὁ ἐμβάψας) “aquele que mergulhou a mão”, usando a forma aoristo. A forma de Mark é a mais gráfica. O prato provavelmente continha um molho chamado charoseth, no qual mergulhavam a comida antes de comê-la. O seguinte parece ter sido a ordem dos acontecimentos:—Primeiro, nosso Senhor, antes de instituir o Santo Sacramento da Eucaristia, predisse que seria traído por um de seus discípulos, mas apenas em termos gerais. Então veio a pergunta ansiosa deles:”Sou eu?” Então Cristo respondeu que o traidor era quem deveria mergulhar a mão junto com ele no prato. Mas isso não o trouxe de volta para o indivíduo, porque vários que se sentaram perto dele foram capazes de mergulhar com ele no prato. Deuteronômio modo que nosso Senhor ainda havia apenas obscura e indefinidamente apontado o traidor. Então ele passou a instituir a “Ceia do Senhor”; depois disso, ele novamente deu a entender (Lucas 22:21) que “a mão do que o traiu estava com ele sobre a mesa”. Sobre isso. Pedro deu a entender a São João, que estava “reclinado na vassoura de Jesus”, que ele deveria pedir-lhe para dizer definitivamente e pelo nome quem era que deveria traí-lo. Nosso Senhor disse então a João:”É este, por quem eu molharei o bocado e lhe darei” (João 13:26). Nosso Senhor então molhou o bocado e o deu a Judas Iscariotes. Foi então que nosso Senhor disse a Judas:”O que tu fazes, faze logo” (ὅ ποιεῖς ποίησον τάχιον) (João 13:27). Então Judas foi direto para a casa de Caifás e providenciou o bando de homens e oficiais para a conclusão de seu horrível projeto. [Pulpit, aguardando revisão]

21 Pois em verdade o Filho do homem vai, como está escrito sobre ele; mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído; bom lhe fosse ao tal homem não haver nascido.”

Comentário do Púlpito

Pois em verdade o Filho do homem vai – vai, sai desta cena mortal:a referência é, naturalmente, à sua morte – como está escrito sobre ele; como, por exemplo, em Salmos 22:1-31 e Isaías 41:1-29 Foi predeterminado por Deus que ele deveria sofrer como uma vítima pelos pecados do mundo inteiro. Mas esse propósito predestinado de Deus não diminuiu a culpa daqueles que levaram o Salvador à cruz.

bom lhe fosse ao tal homem não haver nascido. O grego é καλὸν ἦν αὐτῷ εἰ οὐκ ἐγεννήθη ὁ ἄνθρωπος ἐκεῖνος:literalmente, bom fosse para ele, se aquele homem não tivesse nascido. Melhor não ter vivido do que viver e morrer doente. A existência não é uma bênção, mas uma maldição, para aquele que, consciente e deliberadamente, derrota o propósito de sua existência. São Mateus (Mateus 26:25) aqui apresenta Judas fazendo a pergunta:”Sou eu, Rabino?” E nosso Senhor responde afirmativamente:”Tu o disseste.” Isso provavelmente foi dito em voz baixa. Se fosse dito para ser ouvido por outros, como Pedro e João, eles poderiam ter se levantado imediatamente para infligir vingança sumária ao traidor apóstata. [Pulpit, aguardando revisão]

22 E enquanto eles comiam, Jesus tomou o pão; e bendizendo, partiu-o, deu-lhes, e disse:'Tomai, isto é o meu corpo'.

Comentário Cambridge

E enquanto eles comiam] Naum partida do Traidor, o Salvador, como se aliviado de um fardo pesado, irrompeu em palavras de triunfo misterioso (João 13:31-35), e então, enquanto a refeição prosseguia, passou a instituir a Ceia.

Jesus pegou o pão] que é um dos bolos ázimos que foram colocados diante dEle como o celebrante ou proclamador da festa.

e bendizendo] dando graças e pronunciando a consagração, provavelmente nas palavras usuais, veja acima, Marcos 14:16

isto é o meu corpo] Lucas acrescenta, “que está sendo (ou a ponto de ser) dado por vocês”; Paulo (1Coríntios 11,24), “o que está sendo (ou a ponto de ser) quebrado por vocês”, enquanto ambos acrescentam:“Fazei isto em memória de mim”. [Cambridge, aguardando revisão]

23 E tomando o copo, e dando graças, deu-lhes; e todos beberam dele.

Comentário Ellicott

dando graças. Marcos concorda com Mateus em usar a palavra “bênção” do pão e “dar graças” do cálice. Lucas usa a última palavra do pão e dá a entender pela palavra “da mesma forma” que a forma foi repetida com o cálice. [Ellicott, aguardando revisão]

24 E disse-lhes:“Isto é o meu sangue, o do testamento, que é derramado por muitos.

Comentário do Púlpito

Isto é o meu sangue, o do [novo] testamento. Não há autoridade suficiente para manter a palavra “novo” (καινῆς) no texto. [Pulpit, aguardando revisão]

25 Em verdade vos digo, que não beberei mais do fruto da vide, até aquele dia, quando o beber novo no Reino de Deus.”

Comentário do Púlpito

É observável que nosso Senhor aqui chama o vinho de “o fruto (γέννημα) da videira”, depois de ter falado dele como sacramentalmente seu sangue. Nosso Senhor aqui se refere ao tempo da regeneração de todas as coisas, quando o reino celestial aparecerá na plenitude de sua glória; e quando seus discípulos, que agora se alimentam dele sacramentalmente e pela fé, comerão então à sua mesa em seu reino, e beberão do rio de seus prazeres para sempre. [Pulpit, aguardando revisão]

26 E depois de cantarem um hino, saíram para o monte das Oliveiras.

Comentário do Púlpito

Alguns supõem que este era um hino específico dos livros de serviço judaicos indicados para uso no encerramento da ceia pascal. A palavra em grego é simplesmente ὑμνήσαντες. O que eles cantaram foi mais provavelmente o Hallel, que consiste em seis salmos, de Salmos 108:1-13 a Salmos 118:1-29, inclusive. Eles foram até o Monte das Oliveiras. Era costume de nosso Senhor, nestes últimos dias de sua vida terrena, ir diariamente a Jerusalém e ensinar no templo, e à noite retornar a Betânia e ceia; e então, após a ceia, retirar-se para o Monte das Oliveiras e ali passar a noite em oração (Lucas 21:37). Mas, nesta ocasião, ele não voltou para Betânia. Ele havia ceado em Jerusalém. Além disso, ele sabia que sua hora havia chegado. Então, ele voluntariamente se colocou no caminho do traidor (João 18:2). [Pulpit, aguardando revisão]

27 E Jesus lhes disse:'Todos vós falhareis; porque está escrito:Ferirei ao pastor, e as ovelhas serão dispersas.

Comentário do Púlpito

Todos vós falhareis. As palavras que seguem na Versão Autorizada, “por minha causa esta noite”, não são encontradas nos melhores manuscritos e versões. Eles parecem ter sido importadas de Mateus. Deve ficar ofendido (σκανδαλισθήσεσθε); literalmente, deve tropeçar. Nosso Senhor provaria ser “uma pedra de tropeço” para muitos, não excluindo seus próprios discípulos. Mesmo eles, sob a influência do terror, perderiam por algum tempo a confiança e a esperança nele. Pois está escrito:Ferirei ao pastor, e as ovelhas serão dispersas. Esta é uma citação de Zacarias (Zacarias 13:7), “Desperta, ó espada, contra o meu pastor e contra o homem que é meu companheiro, diz o Senhor dos exércitos:ferir o pastor.” Esta passagem traz à tona de uma maneira notável a agência divina na morte de Cristo. As ovelhas serão espalhadas no exterior. Todos os discípulos o abandonaram e fugiram, quando o viram realmente nas mãos de seus inimigos. Eles ficaram em dúvida naquele momento se ele era de fato o Filho de Deus. “Eles confiaram que era ele quem deveria redimir Israel”; mas agora suas esperanças deram lugar ao medo e à dúvida. Eles fugiram para cá e para lá como ovelhas assustadas. Mas Deus os reuniu novamente, de forma que quando nosso Senhor ressuscitou dos mortos, ele os encontrou todos no mesmo lugar; e então ele reavivou sua fé e coragem. Nosso Senhor e seus discípulos não tinham um lar fixo ou amigos em Jerusalém; portanto, não tinham outro lugar para onde fugir senão aquele cenáculo, onde, não muito antes, Cristo celebrara a Páscoa com eles. O dono daquela casa era um amigo; então para lá eles foram, e lá Cristo apareceu a eles depois de sua ressurreição. [Pulpit, aguardando revisão]

28 Mas depois de eu haver ressuscitado, irei adiante de vós para a Galileia.'

Comentário do Púlpito

Isso nosso Senhor disse para tranquilizá-los. A Galiléia era mais como um lar para eles do que Jerusalém, e eles teriam menos medo dos judeus incrédulos. [Pulpit, aguardando revisão]

29 E Pedro lhe disse:'Ainda que todos falhem, eu não falharei'.

Comentário do Púlpito

Nosso Senhor acabara de afirmar claramente que todos ficariam ofendidos e, portanto, essas palavras de Pedro foram muito presunçosas. Consciente de suas próprias fraquezas, ele deveria ter dito:”Sei que, por meio de minha própria fraqueza, isso pode acontecer facilmente. No entanto, confio em tua misericórdia e bondade para me salvar.” Essa é a experiência diária do cristão. Freqüentemente pensamos que somos fortes na fé, fortes na pureza, fortes na paciência. Mas quando surge a tentação, nós vacilamos e caímos. O verdadeiro remédio contra a tentação é a consciência de nossa própria fraqueza e a súplica pela força divina. [Pulpit, aguardando revisão]

30 Jesus lhe disse:'Em verdade te digo, que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, me negarás três vezes.'

Comentário do Púlpito

O dia havia começado. Tudo começou às seis da tarde. Já estava avançado. Este segundo canto do galo é mencionado apenas por São Marcos; e isso constitui um agravamento adicional do pecado de Pedro. O “canto do galo” era um termo usado para designar uma das divisões da noite. Mas parece que houve três ocasiões em que o canto do galo poderia ser esperado – a saber, (1) no início da noite, entre onze e meio-dia; (2) entre um e dois; e (3) entre cinco e seis. Os dois cantos de galo aqui mencionados seriam os dois últimos dos três aqui mencionados. Provavelmente seria por volta das 2 da manhã, quando o primeiro julgamento de nosso Senhor aconteceu na casa de Caifás. [Pulpit, aguardando revisão]

31 Mas Pedro, insistindo, dizia:'Ainda que me seja necessário morrer contigo, em maneira nenhuma te negarei'. E todos diziam também da mesma maneira.

Comentário do Púlpito

Mas Pedro, insistindo, dizia:’Ainda que me seja necessário morrer contigo, em maneira nenhuma te negarei’. A leitura correta (ἐλάλει, imperfeito) implica que ele continuou afirmando continuamente. Ele foi, sem dúvida, sincero em tudo isso, mas ele teve que aprender sua própria fraqueza. Santo Hilário diz sobre isso:”Pedro foi tão levado pelo fervor de seu zelo e amor por Cristo, que ele não considerou nem a fraqueza de sua própria carne, nem a verdade da palavra de seu Mestre.” [Pulpit, aguardando revisão]

32 E vieram ao lugar, cujo nome era Getsêmani, e disse a seus discípulos:'Sentai-vos aqui, enquanto eu oro'.

Comentário do Púlpito

E vieram (ἔρχονται) – aqui novamente o presente de Marcos dá força à narrativa – ao lugar, cujo nome era Getsêmani. Um lugar (χωρίον) é, literalmente, um pedaço de terreno fechado, geralmente com uma cabana sobre ele. Josefo nos conta que esses jardins eram numerosos nos subúrbios de Jerusalém. São Jerônimo diz que “Getsêmani ficava ao pé do Monte das Oliveiras”. João (João 18:1) o chama de jardim ou pomar (κῆπος). A palavra “Getsêmani” significa literalmente “o lugar do lagar”, para onde eram trazidas as azeitonas que abundavam nas encostas da montanha, a fim de que o azeite contido nelas fosse espremido. A posição exata do Getsêmani não é conhecida; embora haja um local fechado no sopé da encosta oeste do Monte das Oliveiras, que até hoje é chamado de El maniye. O verdadeiro Getsêmani não pode estar longe deste local. Nosso Senhor recorreu a este lugar para se aposentar e orar, não como desejando escapar da morte que o esperava. Era bem conhecido por ser seu resort favorito; de modo que ele foi lá, como para se colocar no caminho de Judas, que naturalmente o buscaria.

Sentai-vos aqui, enquanto eu oro. Mateus (Mateus 26:36) diz:”Enquanto vou além e oro.” [Pulpit, aguardando revisão]

33 E tomou consigo Pedro, Tiago, e João, e começou a ficar muito apavorado e angustiado.

Comentário do Púlpito

Parece que nosso Senhor se separou de todos os discípulos, exceto Pedro, Tiago e João, e então a amarga agonia começou.

e começou a ficar muito apavorado e angustiado. Esses dois verbos gregos foram expressos da maneira mais adequada acima, tanto quanto parece possível. O primeiro implica “espanto absoluto e extremo”; se o segundo tem como raiz ἄδημος, “não em casa”, isso implica na angústia da alma que luta para se libertar do corpo sob a pressão de intenso sofrimento mental. Os três discípulos escolhidos puderam ser testemunhas desta terrível angústia. Eles foram fortificados para suportar a visão pelas glórias da transfiguração. Teria sido demais para a fé dos demais. Mas esses três testemunharam, para que aprendessem a si mesmos e fossem capazes de ensinar aos outros, que o caminho da glória é pelo sofrimento. [Pulpit, aguardando revisão]

34 E disse-lhes:'Minha alma totalmente está triste até a morte; ficai-vos aqui, e vigiai.'

Comentário do Púlpito

Ninguém, a não ser aquele que suportou aquelas tristezas, pode saber o que foram. Não era a apreensão dos tormentos corporais e da morte amarga que o aguardava, tudo de antemão conhecido por ele. Foi a agonia inconcebível do peso dos pecados dos homens. O Senhor estava, portanto, lançando “sobre ele a iniqüidade de todos nós”. Isso, e só isso, pode explicar. Minha alma totalmente está triste até a morte. Cada palavra carrega a ênfase de uma dor avassaladora. Foi então que “as águas profundas entraram”, até mesmo em sua alma. “O que”, diz Cornelius a Lapide, “deve ter sido a voz, o semblante, a expressão ao pronunciar aquelas palavras terríveis!” [Pulpit, aguardando revisão]

35 Então ele foi um pouco mais adiante, e prostrou-se em terra. E orou, que se fosse possível, afastasse dele aquela hora.

Comentário do Púlpito

Nosso Senhor agora se separou, embora aparentemente, como Lucas (Lucas 22:41) diz, apenas “cerca de uma pedra lançada” dos três discípulos, e se lançou  no chão em agonia mortal, e orou para que nesta hora de seu supremo mental a angústia pode, se possível, passar dele. [Pulpit, aguardando revisão]

36 E disse:“Aba, Pai, todas as coisas te são possíveis; passa de mim este cálice; porém não se faça o que eu quero, mas sim o que tu queres.'

Comentário do Púlpito

E disse:“Aba, Pai. Alguns comentaristas supõem que nosso Senhor usou apenas a palavra hebraica ou aramaica “Abba”, e que Marcos adiciona o sinônimo grego e latino (πατὴρ) para o benefício daqueles a quem estava escrevendo. Mas é muito mais natural concluir que São Marcos está aqui tirando sua narrativa de uma testemunha ocular, Pedro; e que ambas as palavras foram pronunciadas por ele; de modo que ele assim, em sua agonia, clamou a Deus em nome de toda a família humana, primeiro o judeu e também o gentio. Podemos entender perfeitamente por que Mateus, escrevendo aos judeus, fornece apenas a palavra hebraica.

todas as coisas te são possíveis. Falando absolutamente, com Deus nada é impossível. Mas a própria Divindade está limitada por suas próprias leis; e, portanto, isso era impossível, de acordo com seus propósitos de misericórdia para a redenção do mundo. O próprio Senhor sabia disso. Portanto, ele não pede nada contrário à vontade de seu pai. Mas era o anseio natural de sua humanidade, que, sujeita à vontade suprema de Deus, desejava ser libertada deste terrível fardo.

passa de mim este cálice. O “cálice”, tanto na Sagrada Escritura como nos escritores profanos, é considerado aquele lote ou porção, seja boa ou má, que é designada para nós por Deus. Conseqüentemente, São João é freqüentemente representado como segurando uma xícara. No entanto, não o que eu quero, mas o que tu queres. Nosso Senhor mal ofereceu sua oração condicional, ele a subordina à vontade de Deus. Lucas (Lucas 22:42) aqui diz:”Contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua.” Conseqüentemente, parece que não havia, como os monotelitas ensinavam, uma vontade, em parte humana e em parte divina, em Cristo; mas havia duas vontades distintas, uma humana e a outra divina, ambas residindo no único Cristo; e foi sujeitando sua vontade humana ao Divino que ele operou nossa redenção. [Pulpit, aguardando revisão]

37 Depois veio de volta, e os achou dormindo; e disse a Pedro:“Simão, estás dormindo? Não podes vigiar uma hora?

Comentário do Púlpito

Lucas diz (Lucas 22:45) que eles estavam “dormindo de tristeza”. Então, no Monte da Transfiguração, ele diz (Lucas 9:32) que eles estavam “pesados de sono”. Essa repreensão, que Marcos nos diz aqui foi dirigida incisivamente a Pedro, parece dar uma olhada em seus sinceros protestos de fidelidade feitos não muito antes. E nosso Senhor o chama pelo seu antigo nome de Simão. Em Mateus (Mateus 26:40) é menos pontudo; pois ali, enquanto nosso Senhor olha para Pedro, ele se dirige a todos eles. “Ele disse a Pedro:O que, não pudeste vigiar comigo por uma hora?” Este é apenas um daqueles pequenos incidentes gráficos que podemos supor que Marcos tenha recebido diretamente de Pedro. [Pulpit, aguardando revisão]

38 Vigiai, e orai, para que não entreis em tentação; o espírito em verdade está pronto, mas a carne é fraca.”

Comentário do Púlpito

Vigiai, e orai, para que não entreis em tentação. A grande tentação dos discípulos naquele momento era negar a Cristo sob a influência do medo. E assim nosso Senhor dá aqui o verdadeiro remédio contra tentação de todo tipo; a saber, vigilância e oração – vigilância, contra a astúcia e sutileza do diabo ou do homem; e oração, para a ajuda Divina superar.

o espírito em verdade está pronto, mas a carne é fraca. Aqui nosso Senhor graciosamente encontra desculpas para eles. É como se ele dissesse:”Eu sei que em coração e mente você está pronto para se apegar a mim, embora os judeus devam ameaçá-lo de morte. Mas eu sei também que sua carne é fraca. Ore, então, para que a fraqueza da carne não pode vencer a força do espírito. ” São Jerônimo diz:”Em qualquer grau que confiamos no ardor do espírito, no mesmo grau devemos temer por causa da fraqueza da carne.” [Pulpit, aguardando revisão]

39 E depois que se foi novamente, orou, dizendo as mesmas palavras.

Comentário do Púlpito

dizendo as mesmas palavras. A repetição das mesmas palavras mostra sua firme determinação de se submeter à vontade de seu Pai celestial. Embora a natureza humana a princípio se afirmasse na oração para que o cálice passasse dele; contudo, no final das contas, a vontade humana se rendeu ao Divino. Ele desejou beber este cálice de amargura designado para ele pela vontade de Deus; pois seu desejo supremo era que a vontade de Deus fosse feita. [Pulpit, aguardando revisão]

40 Quando voltou outra vez, achou-os dormindo; porque os olhos deles estavam pesados, e não sabiam o que lhe responder.

Comentário do Púlpito

Quando voltou outra vez, achou-os dormindo; porque os olhos deles estavam pesados. Eles não se renderam deliberadamente ao sono; mas um opressivo abatimento, efeito de grande tristeza, apoderou-se deles, de modo que não puderam vigiar como desejavam; mas por uma ação involuntária eles sempre e imediatamente cochilaram.

e não sabiam o que lhe responder. Eles não tinham desculpa, exceto aquela que ele próprio havia encontrado para eles. [Pulpit, aguardando revisão]

41 E veio a terceira vez, e disse-lhes:“Ainda estais dormindo e descansando? Basta, chegada é a hora. Eis que o Filho do homem é entregue em mãos dos pecadores.

Comentário do Púlpito

E veio a terceira vez, e disse-lhes:“Ainda estais dormindo e descansando? Basta, chegada é a hora. Alguns pensaram que nosso Senhor aqui usa a linguagem da ironia. Mas é muito mais consistente com suas costumeiras palavras de consideração supor que, simpatizando com a enfermidade de seus discípulos, ele simplesmente os aconselhou, agora que sua amarga agonia havia acabado, para descansar um pouco durante o breve intervalo que restou. É o suficiente. Alguns comentaristas pensaram que o verbo grego um tanto difícil (ἀπέχει) seria melhor traduzido, ele está à distância; como se nosso Senhor quisesse dizer:”Ainda há tempo para você descansar um pouco. O traidor está a alguma distância.” Tal interpretação exigiria um completo. pare entre a cláusula agora traduzida, “é o suficiente”, e a cláusula “é chegada a hora”; de modo que a passagem seria:”Durma agora e descanse; ele (isto é, Judas) ainda está bem longe”. Então haveria um intervalo; e então nosso Senhor os despertaria com as palavras:”É chegada a hora; eis que o Filho do homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores.” Essa interpretação depende da tradução verdadeira da palavra ἀπέχει, que, embora possa ser interpretada. significar “ele” ou “está distante” é, no entanto, perfeitamente capaz da interpretação comum, “é suficiente”. De acordo com a alta autoridade de Hesychius, que explica isso pelas palavras ἀπόχρη e ἐξαρκεῖ, parece mais seguro aceitar o significado comum:”É o suficiente”. [Pulpit, aguardando revisão]

42 Levantai-vos, vamos; eis que o que me trai está perto.

Comentário de John Gill

eis que o que me trai está perto – Judas, que ele havia insinuado na ceia  que o trairia, estava prestes a fazê-lo; e agora mesmo estava vindo sobre ele, a fim de entregá-lo nas mãos dos judeus e do grupo de soldados romanos. [Gill, aguardando revisão]

43 E logo, enquanto ele ainda estava falando, veio Judas, que era um dos doze, e com ele uma multidão, com espadas e bastões, da parte dos chefes dos sacerdotes, dos escribas, dos anciãos.

Comentário do Púlpito

E logo, enquanto ele ainda estava falando, veio Judas, que era um dos doze. Como aqui está assinalado o crime estupendo! Era tão surpreendente que “um dos doze” fosse o traidor do Senhor, que essa designação de Judas ficou ligada ao seu nome:”Judas, um dos doze”. Ele vem não apenas como ladrão, mas também como traidor; o líder daqueles que tinham sede do sangue de Cristo. Lucas (Lucas 22:47) diz que Judas “ia antes deles”, em sua ânsia de cumprir sua missão odiosa. E com ele uma multidão (não uma grande multidão; a palavra πολὺς não tem autoridade suficiente). Mas embora não fosse uma grande multidão, eles seriam um número considerável. Haveria um bando de soldados; e haveria oficiais civis enviados pelo Sinédrio. Assim, gentios e judeus uniram-se no ousado ato de prender o Filho de Deus. São João (João 18:3) diz que eles tinham “lanternas e tochas”; embora a lua estivesse cheia. [Pulpit, aguardando revisão]

44 E o que o traía lhes tinha dado um sinal comum, dizendo:'Ao que eu beijar, é esse; prendei-o, e levai-o em segurança.'

Comentário do Púlpito

Por que Judas estava tão ansioso para que Cristo fosse seguro? Talvez porque temesse um resgate, ou porque temia que nosso Senhor se ocultasse por meio do exercício de seu poder miraculoso; e assim Judas poderia perder as trinta moedas de prata. [Pulpit, aguardando revisão]

45 E quando veio, logo foi-se a ele, e disse-lhe:'Rabi', e o beijou.

Comentário do Púlpito

O beijo era uma forma antiga de saudação entre os judeus, os romanos e outras nações. É possível que esse fosse o modo usual com que os discípulos saudavam a Cristo quando voltavam para ele depois de qualquer ausência. Mas Judas abusou desse símbolo de amizade, usando-o para um propósito vil e traiçoeiro. Santo Crisóstomo diz que se sentiu seguro pela gentileza de Cristo de que não o repeliria, ou que, se o fizesse, a ação traiçoeira teria atendido ao seu propósito. [Pulpit, aguardando revisão]

46 Então o agarraram, e o prenderam.

Comentário de J. A. Alexander

Omitindo as perguntas de repreensão de Cristo, aqui preservadas por Lucas (Lucas 22:48) e Mateus (Mateus 20:50), Marcos relata a execução das ordens do traidor (conforme registrado no v. 44) e a real apreensão daquela pessoa sagrada que tantas vezes e por tanto tempo escapou deles.

agarraram, literalmente ‘, jogou ou lançou, mas sem implicar força ou violência indevida.

prenderam, o verbo usado acima no v. 44, e lá explicado. [Alexander, aguardando revisão]

47 E um dos que estavam ali presentes puxou a espada, feriu o servo do sumo sacerdote, e cortou-lhe a orelha.

Comentário do Púlpito

Aprendemos com João (João 18:10) que este era Pedro. João também é o único evangelista que menciona o nome (Malco) do servo do sumo sacerdote. Malco provavelmente seria proeminente entre eles. Lucas (Lucas 22:51) é o único evangelista que menciona a cura da ferida por nosso Senhor. [Pulpit, aguardando revisão]

48 Jesus começou a lhes dizer:'Viestes me prender com espadas e bastões, como se eu fosse um bandido?

Comentário do Púlpito

Aprendemos com Mateus (Mateus 26:52) que nosso Senhor repreendeu seus discípulos por sua resistência; depois disso, ele passou a repreender aqueles que estavam decididos a prendê-lo. Viestes me prender com espadas e bastões, como se eu fosse um bandido? A ordem dos acontecimentos na traição parece ter sido esta:primeiro, o beijo do traidor Judas, pelo qual indicou aos que estavam com ele quem era Jesus. Segue-se então aquele incidente notável mencionado apenas por João (João 18:4-6):“Jesus … saiu e disse-lhes:A quem buscais? Responderam-lhe:Jesus de Nazaré. Jesus disse-lhes:Eu sou ele. E Judas, que o traiu, estava com eles. Portanto, quando ele lhes disse:Eu sou, eles recuaram e caíram por terra. ” A presença de Cristo em sua serena majestade os dominou. Havia algo em sua aparência e maneiras, ao repetir essas palavras, “Eu sou ele”, palavras muitas vezes usadas antes por ele, que os fez recuar e prostrar-se. Não foi nenhuma força externa que produziu este resultado. A majestade Divina brilhou em seu semblante e os intimidou, pelo menos por enquanto. Em todo caso, foi uma evidência enfática, tanto para seus próprios discípulos como para esta multidão, que foi por sua própria vontade que ele se rendeu a eles. Talvez este incidente tenha despertado a coragem de São Pedro; e assim, quando se aproximaram para pegar nosso Senhor, ele desembainhou sua espada e cortou a orelha de Malco. Então nosso Senhor o curou. E então ele se virou para a multidão e disse:”Vocês saíram como um ladrão, com espadas e bastões, para me prender?” [Pulpit, aguardando revisão]

49 Todo dia eu estava convosco no templo, ensinando, e não me prendestes; mas assim se faz para que as Escrituras se cumpram.'

Comentário do Púlpito

mas assim se faz para que as Escrituras se cumpram. Esta, como está no original, é uma frase incompleta; em Mateus (Mateus 26:56), a sentença ocorre em sua forma completa. Em ambos os casos, questionou-se se as palavras são de nosso Senhor, ou se são o comentário do evangelista. No geral, parece mais provável que sejam palavras de nosso Senhor, que parecem quase necessárias para concluir o que ele disse antes. [Pulpit, aguardando revisão]

50 Então todos o deixaram, e fugiram.

Comentário do Púlpito

Mas logo depois dois deles, Pedro e João, tomaram coragem e o seguiram até a casa do sumo sacerdote. [Pulpit, aguardando revisão]

51 E certo rapaz o seguia, envolto num lençol sobre o corpo nu. E o agarraram.

Comentário do Púlpito

Marcos é o único evangelista que menciona esse incidente; e parece haver uma boa razão para supor que ele aqui descreve o que aconteceu a si mesmo. É assim que João se refere a si mesmo em seu Evangelho, e onde não pode haver dúvida de que ele está falando de si mesmo. Se a conclusão em uma parte anterior deste comentário estiver correta, que foi na casa à qual pertencia João Marcos que nosso Senhor celebrou a Páscoa, e de onde ele saiu para o Monte das Oliveiras; o que era mais provável do que Marcos estar com ele naquela ocasião e talvez pressentir que algo estava para acontecer com ele? O mais provável do que a multidão que levou Jesus pode ter passado por esta casa, e que Marcos pode ter sido despertado de sua cama (já era uma hora tarde) pelo tumulto.

envolto num lençol sobre o corpo nu. O sindon era um tecido de linho fino, indicando que ele pertencia a uma família em boas condições. É uma palavra incomum. Em todos os outros lugares do Novo Testamento onde é usado, refere-se à vestimenta ou mortalha usada para cobrir os corpos dos mortos. Supõe-se que o sindon tenha o nome de Sidon, onde era fabricado o tipo particular de linho com o qual a vestimenta era feita. Era uma espécie de manto leve freqüentemente usado em climas quentes. [Pulpit, aguardando revisão]

52 Mas ele largou o lençol, e fugiu nu.

Comentário do Púlpito

Esta fuga um tanto vergonhosa é característica do que sabemos de Marcos. Mostra quão grande foi o pânico em referência a Cristo, e quão grande era o ódio dos judeus contra ele, que se esforçaram para prender um jovem que estava apenas seguindo com ele. Mostra também quão prontamente os inimigos de nosso Senhor teriam agarrado seus próprios discípulos se eles não tivessem se refugiado na fuga. [Pulpit, aguardando revisão]

53 E levaram Jesus ao sumo sacerdote; e ajuntaram-se todos os chefes dos sacerdotes, os anciãos, e os escribas.

Comentário de David Brown

todos os chefes dos sacerdotes, os anciãos, e os escribas – foi então uma reunião completa e formal do Sinédrio. Agora, como os três primeiros evangelistas colocam todas as negações de seu Senhor a Pedro depois disso, devemos naturalmente concluir que elas aconteceram enquanto nosso Senhor estava diante do Sinédrio. Mas, além disso, a impressão natural é que a cena ao redor do incêndio ocorreu durante a noite, o segundo canto do galo, se quisermos dar crédito aos escritores antigos, ocorreria no começo do quarto relógio, ou entre três e quatro da manhã. . Naquela época, entretanto, o Conselho provavelmente havia se reunido, sendo avisado, talvez, que eles deveriam se preparar para serem convocados a qualquer hora da manhã, caso o prisioneiro fosse assegurado com sucesso. Se isso estiver correto, é quase certo que somente a última das três negações de Pedro ocorreria enquanto nosso Senhor estivesse sob julgamento perante o Sinédrio. Uma coisa mais pode exigir explicação. Se nosso Senhor teve que ser transferido da residência de Anás para a de Caifás, pode-se imaginar que não há menção de que Ele seja levado de um para o outro. Mas o prédio, com toda a probabilidade, era um e o mesmo; Nesse caso, ele teria apenas que ser levado talvez através do tribunal, de uma câmara para outra. [JFB, aguardando revisão]

54 E Pedro o seguiu de longe até dentro do pátio do sumo sacerdote, e ficou sentado com os oficiais, esquentando-se ao fogo.

Comentário de David Brown

do pátio do sumo sacerdote – “Uma casa oriental”, diz Robinson, “é geralmente construída em torno de um pátio interior quadrangular; em que há uma passagem (às vezes arqueada) através da parte frontal da casa, fechada ao lado da rua por um pesado portão dobrável, com um postigo menor para pessoas solteiras, mantido por um porteiro. O pátio interior, muitas vezes pavimentado ou marcado, e aberto ao céu, é o salão, que nossos tradutores transformaram em “palácio”, onde os atendentes fizeram fogo; e a passagem abaixo da frente da casa, da rua para esta corte, é a varanda. O lugar onde Jesus estava diante do sumo sacerdote pode ter sido uma sala aberta, ou lugar de audiência no andar térreo, na parte de trás ou de um lado da corte; tais salas, abertas na frente, são costumeiras. Foi perto da corte, pois Jesus ouviu tudo o que estava acontecendo ao redor do fogo, e virou-se e olhou para Pedro (Lucas 22:61).

e ficou sentado com os oficiais, esquentando-se ao fogo – Os detalhes gráficos, aqui omitidos, são fornecidos nos outros Evangelhos. [JFB, aguardando revisão]

55 E os chefes dos sacerdotes, e todo o supremo conselho buscavam algum testemunho contra Jesus, para o matarem, e não o achavam.

Comentário de David Brown

Mas que o leitor observe que embora isto seja introduzido pelo evangelista antes de qualquer das negações de Pedro serem registradas, nós temos dado razões para concluir que provavelmente as duas primeiras negações aconteceram enquanto nosso Senhor estava com Anás, e o último somente durante o julgamento antes do Sinédrio.

E os chefes dos sacerdotes, e todo o supremo conselho buscavam algum testemunho contra Jesus, para o matarem – Mateus (Mateus 26:59) diz que eles “buscaram falso testemunho”. Eles sabiam que não encontrariam nada válido; mas tendo seu Prisioneiro para trazer antes de Pilatos, eles preferiram fazer um caso.

e não o achavam – nenhum que fosse adequado ao seu propósito, ou fizesse um bom cargo de carga diante de Pilatos. [JFB, aguardando revisão]

56

57 E alguns se levantavam e davam falso testemunho contra ele, dizendo:

Comentário de David Brown

E alguns se levantavam e davam falso testemunho contra ele – Mateus (Mateus 26:60) é mais preciso aqui:“No final vieram duas testemunhas falsas.” Como dois não haviam concordado antes em nada, eles sentiram que era necessário assegurar um testemunho duplicado de alguma coisa, mas eles foram muito bem sucedidos. E o que foi, quando finalmente foi apresentado? [JFB, aguardando revisão]

58 “Nós o ouvimos dizer:Eu derrubarei este templo feito por mãos, e em três dias construirei outro feito não por mãos.

Comentário de David Brown

Sobre este encargo, observe, primeiro, que ansiosos como Seus inimigos encontrariam uma questão criminal contra nosso Senhor, eles tiveram que voltar ao início de Seu ministério, Sua primeira visita a Jerusalém, mais de três anos antes disso. Em tudo o que Ele disse e fez depois disso, apesar de sempre aumentar em ousadia, eles não conseguiram encontrar nada. Em seguida, que, mesmo assim, consertam apenas um discurso, de duas ou três palavras, que ousaram aduzir contra ele. Além disso, eles manifestamente pervertem a fala de nosso Senhor. Não dizemos isto porque, na forma de Marcos, difere do relato das palavras dadas pelo Quarto Evangelista (Jo 2:18-22) – o único dos Evangelistas que relata tudo isso, ou menciona até mesmo qualquer visita paga por nosso Senhor a Jerusalém antes de Sua última – mas porque o único relato traz a verdade e a outra falsidade em sua face. Quando nosso Senhor disse naquela ocasião:“Destrua este templo, e em três dias eu o levantarei”, eles podem, por um momento, entender que Ele se refere ao templo de cujas cortes Ele varreu os compradores e vendedores. . Mas depois que eles expressaram seu espanto diante de Suas palavras, nesse sentido, e raciocinaram sobre o tempo que levaram para criar o templo como estava então, visto que nenhuma resposta a isso parece ter sido dada por nosso Senhor, é dificilmente concebível que eles devam continuar na persuasão de que esse era realmente o seu significado. Mas, finalmente, mesmo que os mais ignorantes tivessem feito isso, é quase certo que os eclesiásticos, que eram os promotores neste caso, não acreditavam que esse era o Seu significado. Pois em menos de três dias depois eles foram a Pilatos, dizendo:“Senhor, lembramo-nos de que aquele enganador disse que, enquanto ainda estava vivo, depois de três dias ressuscitarei” (Mateus 27:63). Agora, que expressão de Cristo conhecida a Seus inimigos, isso poderia se referir, se não a este mesmo dizer sobre destruir e levantar o templo? E se assim for, isso coloca além de uma dúvida que a essa altura, pelo menos, eles estavam perfeitamente conscientes de que as palavras do nosso Senhor se referiam à Sua morte por suas mãos e Sua ressurreição por Sua própria. Mas isso é confirmado por Marcos 14:59. [JFB, aguardando revisão]

59 E nem assim o testemunho deles era concordante.

Comentário de David Brown

Isto é, nem mesmo com um discurso tão breve, consistindo de apenas algumas palavras, houve tal concordância em seu modo de relatar isso a ponto de decifrar um caso decente. Com tal custo, tudo dependia dos próprios termos que se supunha terem sido usados. Pois cada um deve ver que uma virada muito ligeira, de qualquer forma, dada a tais palavras, os tornaria ou algo como matéria condenável, ou então um motivo ridículo para uma acusação criminal – ou lhes daria um pretexto corável para a acusação de impiedade. que eles estavam empenhados em fazer, ou então fazer o ditado todo aparecer, na pior visão que poderia ser tirada disso, como meramente algum orgulho místico ou vazio. [JFB, aguardando revisão]

60 Então o sumo sacerdote levantou-se no meio, e perguntou a Jesus:“Não respondes nada? O que estes testemunham contra ti?”

Comentário de David Brown

Não respondes nada? O que estes testemunham contra ti? – Claramente, eles sentiam que o caso deles havia falhado, e por essa questão engenhosa o sumo sacerdote esperava obter de sua própria boca o que eles tentaram em vão obter de suas testemunhas falsas e contraditórias. Mas nisso também eles falharam. [JFB, aguardando revisão]

61 Mas ele ficou calado, e nada respondeu. O sumo sacerdote voltou a lhe perguntar:'És tu o Cristo, o Filho daquele que é Bendito?'

Comentário de David Brown

Mas ele ficou calado, e nada respondeu – isso deve tê-los desconcertado. Mas eles não deveriam ser facilmente impedidos de seu objeto.

O sumo sacerdote voltou – levantou-se (Mateus 26:62), tendo chegado agora a uma crise.

a lhe perguntar:’És tu o Cristo, o Filho daquele que é Bendito?’ – Por que nosso Senhor deveria ter respondido a esta pergunta, quando calou sobre os primeiros, podemos não ter visto bem, mas para Mateus, que diz (Mateus 26:63) que o sumo sacerdote jurava solenemente, dizendo:“Te conjuro pelo Deus vivo, que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus.” Tal adjuração foi entendida como uma resposta legalmente necessária (Levítico 5:1). (Veja também em Jo 18:28) [JFB, aguardando revisão]

62 Jesus respondeu:'Eu sou. E vereis o Filho do homem sentado à direita do Poderoso , e vindo com as nuvens do céu.'

Comentário de David Brown

Jesus respondeu:’Eu sou – ou, como em Mateus (Mateus 26:64), “Tu disseste [isso].” Em Lucas, no entanto (Lucas 22:70), a resposta, “Vós dizeis que eu sou” De Wette, Meyer, Ellicott, e os melhores críticos concordam que a preposição exige – “Dizeis [isto], pois eu sou [assim]”. Algumas palavras, porém, foram ditas por nosso Senhor antes de dar a Sua palavra. responder a esta pergunta solene. Estes são registrados somente por Lucas (Lucas 22:67, Lucas 22:68):“Tu és o Cristo [eles pediram]? nos digam. E ele lhes disse:Se eu vos disser:Não crereis; e se eu também pedir [interrogar] “vós, não me atenderás, nem me deixareis ir”. Isso parece ter sido dito antes de dar Sua resposta direta. como um protesto tranquilo e protesto digno contra o prejulgamento de seu caso e a injustiça de seu modo de procedimento. Mas agora vamos ouvir o resto da resposta, na qual a majestade consciente de Jesus irrompe de trás da nuvem escura que O cobria como Ele estava diante do Conselho. (Veja também em Jo 18:28)

E vereis o Filho do homem sentado à direita do Poderoso , e vindo com as nuvens do céu. – Em Mateus (Mateus 26:64), uma palavra ligeiramente diferente, mas interessante, é dada a ele por uma palavra:“Tu disseste [ mas:”- Nós preferimos este sentido da palavra a“ além ”, que alguns críticos recentes decidem -“ Eu lhes digo:Deuteronômio agora em diante, vereis o Filho do homem sentado à destra do poder, e entrando as nuvens do céu ”. A palavra traduzida“ daqui para frente ”significa, não“ em algum tempo futuro ”(como hoje em dia“ daqui em diante ”normalmente acontece), mas o que a palavra inglesa originalmente significava“ depois daqui ”,“ depois de agora, Assim, em Lucas 22:69, as palavras usadas significam “a partir de agora”. Deuteronômio modo que, embora a referência que tenhamos dado ao dia de Sua gloriosa Segunda Aparição seja óbvia demais para admitir dúvidas, Ele usaria a expressão “A partir deste momento”, transmitindo o importante pensamento que Ele antes expressara, imediatamente um Depois que o traidor deixou a mesa de jantar para fazer seu trabalho sombrio, “agora é o Filho do homem glorificado” (Jo 13:31). Neste momento, e por este discurso, Ele “testemunhou a boa confissão” de maneira enfática e apropriada, como diz o apóstolo em 1Timóteo 6:13. Nossos tradutores traduzem as palavras lá:“Quem antes de Pôncio Pilatos testemunhou”; referindo-se à admissão de ser um rei, na presença do próprio representante chefe de César. Mas deve ser traduzido, como Lutero interpreta, e como os melhores intérpretes agora o entendem, “Quem sob Pôncio Pilatos testemunhou”, etc. Nesta visão, o apóstolo não está se referindo ao que nosso Senhor confessou diante de Pilatos – que , embora nobre, não era de primordial importância – mas àquela sublime confissão que, sob a administração de Pilatos, Ele testemunhou diante do único tribunal competente em tais ocasiões, o Conselho Eclesiástico Supremo da nação escolhida por Deus, que Ele era o MESSIAS E O FILHO DO BENTOADO; na antiga palavra, possuindo Seu Supremo Oficial, no último Seu Supremo Pessoal, Dignidade. [JFB, aguardando revisão]

63 E o sumo sacerdote, rasgando suas roupas, disse:“Para que mais necessitamos de testemunhas?

Comentário de David Brown

E o sumo sacerdote, rasgando suas roupas – Nesta expressão de horror da blasfêmia, veja II Reis 18:37.

disse:“Para que mais necessitamos de testemunhas? (Veja também em Jo 18:28) [JFB, aguardando revisão]

64 Vós ouvistes a blasfêmia. Que vos parece?' E todos o condenaram como culpado de morte.

Comentário de David Brown

Vós ouvistes a blasfêmia – (Veja Jo 10:33). Em Lucas (Lucas 22:71), “porque nós mesmos ouvimos falar da sua própria boca” – uma afetação do horror religioso. (Veja também em Jo 18:28)

E todos o condenaram como culpado de morte – ou de um crime capital, cuja blasfêmia contra Deus estava de acordo com a lei judaica (Levítico 24:16). No entanto, não absolutamente tudo; porque José de Arimateia, “um homem bom e um justo”, era um daquele Concílio, e “ele não era uma parte consensual do conselho e ação deles”, pois esse é o sentido estrito das palavras de Lucas 23:50, Lucas 23:51. Provavelmente, ele se ausentou, e Nicodemos também, desta reunião do Conselho, cujo temperamento eles sabiam muito bem para esperar que sua voz fosse ouvida; e nesse caso, as palavras do nosso evangelista devem ser tomadas estritamente, que, sem uma voz dissidente, “todos [o presente] o condenaram a ser culpado da morte”. [JFB, aguardando revisão]

65 E alguns começaram a cuspir nele, e a cobrir o rosto dele; e a dar-lhe de socos, e dizer-lhe:'Profetiza'. E os oficiais o receberam com bofetadas.

Comentário de David Brown

Cada palavra aqui deve ser cuidadosamente observada, e os vários relatos juntos, para que não possamos perder nenhuma das terríveis indignidades que serão descritas.

E alguns começaram a cuspir nele – ou, como em Mateus 26:67, ‘cuspir na sua face’. Lucas (Lucas 22:63) diz em adição:”E os homens que seguravam Jesus zombavam dele” – ou lance suas vaias para ele. (Veja também em Jo 18:28)

a cobrir o rosto dele – ou “vendá-lo” (como em Lucas 22:64).

e a dar-lhe de socos – a palavra de Lucas, que é traduzida “feriu-o” (Lucas 22:63), é mais forte.

e dizer-lhe:’Profetiza’ – Em Mateus (Mateus 26:68) isso é dado mais plenamente:”Profetiza-nos, tu, Cristo, quem é o que te feriu?” O sarcástico atirar nele como “o Cristo”, e A exigência Dele neste personagem para nomear o invisível perpetrador dos golpes infligidos a Ele, era neles tão infame quanto a Ele que deve ter sido, e estava destinado a ser, pungente.

E os oficiais o receberam com bofetadas – ou “O golpearam no rosto” (Lucas 22:64). Ah! Bem, Ele disse profeticamente, nessa predição messiânica a que frequentemente nos referimos, “Dei as costas aos feridos e as minhas faces aos que arrancavam os cabelos; não escondi o meu rosto da vergonha e da cuspida!” (Isaías 50:6). “E muitas outras coisas blasfemamente falaram contra ele” (Lucas 22:65). Esta afirmação geral é importante, pois mostra que, tão virulentas e variadas quanto as afrontas registradas, são apenas um pequeno exemplo daquilo que Ele suportou naquela ocasião sombria. [JFB, aguardando revisão]

66 E, enquanto Pedro estava no pátio abaixo, veio uma das servas do sumo sacerdote.

Comentário de David Brown

E, enquanto Pedro estava no pátio abaixo – Esta pequena palavra “abaixo” – um dos toques gráficos do nosso evangelista – é mais importante para a correta compreensão do que podemos chamar de topografia da cena. Devemos tomá-lo em conexão com a palavra de Mateus (Mateus 26:69):”Agora Pedro estava sentado no palácio” – ou corte quadrangular, no centro do qual o fogo estaria queimando; e aglomerando-se ao redor e zumbindo sobre isto seriam os servos e outros que tinham sido admitidos dentro da corte. Naum extremidade superior deste tribunal, provavelmente, seria a câmara memorável em que o julgamento foi realizado – aberto ao tribunal, provavelmente, e não longe do fogo (como nos reunimos em Lucas 22:61), mas em um nível mais elevado. nível; porque (como diz nosso verso) a corte, com Pedro, estava “abaixo” dela. A subida para a câmara do Conselho foi talvez por um pequeno lance de escadas. Se o leitor tiver esta explicação em mente, ele encontrará os detalhes intensamente interessantes que se seguem mais inteligíveis.

veio uma das servas do sumo sacerdote – “a donzela que guardava a porta” (Jo 18:17). Oséias judeus parecem ter empregado mulheres como portadoras de suas portas (Atos 12:13). [JFB, aguardando revisão]

67 Quando ela viu Pedro, que estava sentado esquentando-se, olhou para ele, e disse:'Também tu estavas com Jesus, o Nazareno.'

Comentário de David Brown

Quando ela viu Pedro, que estava sentado esquentando-se, olhou para ele – Lucas (Lucas 22:56) está aqui mais explícito; “Mas uma certa criada o viu sentada ao lado do fogo” – literalmente, “pela luz”, que, brilhando sobre ele, revelou-o à menina – “e sinceramente olhou para ele” – ou “fixou seu olhar sobre ele. ”Seu comportamento e timidez, que devem ter atraído a atenção, como geralmente acontece,“ levando ”, diz Olshausen,“ ao reconhecimento dele ”.

e disse:“Também tu estavas com Jesus, o Nazareno -“ com Jesus, o nazareno ”, ou“ com Jesus da Galileia ”(Mateus 26:69). O sentido disto é dado no relato de João sobre isso (Jo 18:17), “não és tu também um dos discípulos deste homem?”, Isto é, tu bem como “aquele outro discípulo”, que ela conhecia. ser um, mas não desafiou, percebendo que ele era uma pessoa privilegiada. Em Lucas (Lucas 22:56) é dado como uma observação feita pela empregada a um dos espectadores – “este homem também estava com Ele”. Se assim for expressado no ouvido de Pedro – tirando dele os olhos de todo aquele que o ouviu (como sabemos, Mateus 26:70), e obrigando-o a responder – isso explicaria naturalmente as diferentes formas do relatório. Mas, nesse caso, isso não tem importância real. [JFB, aguardando revisão]

68 Mas ele negou, dizendo:'Não o conheço, nem sei o que dizes.'; e saiu para o alpendre.

Comentário de David Brown

Mas ele negou – “antes de tudo” (Mateus 26:70).

dizendo:’Não o conheço, nem sei o que dizes – em Lucas (Lucas 22:57), “eu não o conheço”.

e saiu para o alpendre – o vestíbulo que levava à rua – sem dúvida achando a lareira muito quente para ele; possivelmente também com a esperança de escapar – mas isso não era para ser, e talvez ele também temesse isso. Sem dúvida a essa altura sua mente estaria entrando em um mar de comoção e flutuaria a cada momento em suas resoluções. [JFB, aguardando revisão]

69 A serva o viu, e começou a dizer outra vez aos que ali estavam:'Este é um deles'.

Comentário de David Brown

Existe aqui uma diferença verbal entre os Evangelistas, a qual, sem alguma informação que foi retida, não pode ser bastante extricada.

A serva o viu – ou “uma menina”. Pode ser traduzida como “a garota”; mas isso não significaria necessariamente o mesmo de antes, mas poderia, e provavelmente significa, apenas a fêmea que tinha a cargo da porta ou portão perto da qual Pedro estava agora. Assim, em Mateus 26:71, ela é expressamente chamada de “outra empregada”. Mas em Lucas (Lucas 22:58) é um servo homem:“E depois de um tempo [do tempo da primeira negação] outro ”- isto é, como a palavra significa,“ outro servo do sexo masculino ”. Mas não há dificuldade real, pois o desafio, provavelmente, depois de ser feito por um, foi reiterado por outro. Assim, em João (Jo 18:25), é:“Eles disseram a ele, etc. – como se mais de um o desafiasse imediatamente.

e começou a dizer outra vez aos que ali estavam:’Este é um deles’ – ou, como em Mateus 26:71 – “Este [companheiro] também estava com Jesus, o nazareno”. [JFB, aguardando revisão]

70 Mas ele o negou de novo. E pouco depois, outra vez os que ali estavam disseram a Pedro:'Verdadeiramente tu és um deles; pois também és galileu'.

Comentário de David Brown

Mas ele o negou de novo – Em Lucas (Lucas 22:58), “Homem, eu não sou”. Mas o pior de tudo em Mateus – “E novamente ele negou com um juramento, eu não conheço o homem” (Mateus 26:72). Esta foi a segunda negação, mais veemente, ai! do que o primeiro.

E pouco depois – “sobre o espaço de uma hora depois” (Lucas 22:59).

outra vez os que ali estavam disseram a Pedro:’Verdadeiramente tu és um deles; pois também és galileu’ – “te arrebata (ou te descobre)” (Mateus 26:73). Em Lucas (Lucas 22:59) é:“Outro afirmou com confiança, dizendo:Deuteronômio fato também este [companheiro] estava com ele; porque ele é galileu”. O dialeto galileu tinha um modelo mais sírio do que o da Judéia. Se Pedro se calara, essa peculiaridade não havia sido observada; mas, esperando, provavelmente, eliminá-los, juntando-se à conversa à lareira, ele foi assim descoberto. O Quarto Evangelho é particularmente interessante aqui:“Um dos servos do sumo sacerdote, sendo seu parente [ou parente a ele] cuja orelha Pedro cortou, diz:Eu não te vi no jardim com Ele?” (João 18 :26).Sem dúvida, seu relacionamento com Malco chamou sua atenção para o homem que o ferira, e isso permitiu que ele identificasse Pedro. “Triste represálias!” Exclama Bengel. Pobre Pedro! Tu és preso em tuas próprias labutas; mas como um touro selvagem em uma rede, tu lançarás e enfurecerá, enchendo a medida de tua terrível decadência com mais uma negação de teu Senhor, e com a mais cruel de todas. [JFB, aguardando revisão]

71 Então ele começou a amaldiçoar e a jurar, dizendo :“Não conheço esse homem de quem dizeis.”

Comentário de David Brown

Então ele começou a amaldiçoar – “anatematizar” ou desejar a si mesmo amaldiçoar se o que ele estava agora a dizer não fosse verdade. [JFB, aguardando revisão]

72 Imediatamente o galo cantou a segunda vez. E Pedro se lembrou da palavra que Jesus havia lhe dito:'Antes que o galo cante duas vezes, tu me negarás três vezes.' Então ele retirou-se dali e chorou.

Comentário do Púlpito

Então ele retirou-se dali e chorou (καὶ ἐπὶβαλὼν ἔκλαιε, não ἔκλαυσε,). A palavra implica um choro longo e contínuo. [Pulpit, aguardando revisão]

<Marcos 13 Marcos 15>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. Deuteronômio fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.