Bíblia

1 Coríntios 5

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Totalmente se ouve que há entre vós pecados sexuais, e tais pecados sexuais que nem mesmo entre os gentios há, como alguém que tomou como mulher a esposa de seu pai.

Totalmente – em vez disso, “na verdade” (Alford). Absolutamente (Bengel) “É relatado”, insinua, que os coríntios, embora tenham “escrito” (1Co 7:1) para Paulo sobre outros pontos, não deram nenhuma informação sobre as coisas o aborreceriam contra eles. Estes últimos assuntos chegaram ao apóstolo indiretamente (1Co 1:11).

nem mesmo entre os gentios há – Alguém da Igreja tomou por esposa a mulher de seu pai (sua madrasta) enquanto seu pai ainda estava vivo (2Co 7:12; compare Lv 18:8). Ela talvez fosse uma pagã, por isso Paulo não dirige sua repreensão contra ela (compare 1Co 5:12-13). Alford pensa que “tomou” significa casou; mas a conexão é chamada de “pecados sexuais” (fornicação em outra tradução), e, nem a lei cristã e nem a lei dos gentios teria sancionado tal casamento, embora a notória perversidade de Corinto pudesse ser conivente ao concubinato. [JFB]

2 E vós estais orgulhosos! Ao invés disso, vós não deveríeis se entristecer, para que fosse tirado do meio de vós o que cometeu esta atitude?

orgulhosos – com sua própria sabedoria e conhecimento, e a eloquência de seus mestres favoritos: no momento em que você deveria estar “de luto” pelo escândalo causado à religião pelo incesto. Paulo lamentou porque eles não lamentaram (2Co 2:4). Devemos lamentar as transgressões alheias e nos arrependermos de nós mesmos (2Co 12:21) (Bengel).

tirado do meio de vós – pela excomunhão. A pessoa incestuosa foi trazida a amargo arrependimento, no intervalo entre o envio da primeira e da segunda epístola (2Co 2:5-10). A excomunhão na Igreja Cristã correspondia àquela na sinagoga judaica, em que havia uma forma mais leve e mais pesada: a mais pesada era uma total separação da comunhão da igreja e da casa do Senhor, a mais leve era apenas a proibição da Ceia do Senhor, mas não da Igreja. [JFB]

3 Porque eu, agindo como ausente de corpo, porém presente de espírito, já julguei como se estivesse presente, aquele que fez isto,

presente de espírito – (2Rs 5:26; Cl 2:5).

4 No nome do nosso Senhor Jesus Cristo, quando vós vos reunirdes, e o meu espírito junto de vós, com o poder de nosso Senhor Jesus Cristo,

No nome do nosso Senhor Jesus Cristo – Por Sua autoridade e como representantes de Sua pessoa e vontade (2Co 2:10). Junte isto com “ao tal entregar a Satanás” (1Co 5:5). A oração: “Quando estiverem reunidos vós e meu espírito (no qual estou ‘presente’, embora ‘ausente no corpo’, 1Co 5:3), com o poder de nosso Senhor Jesus”, entre um parênteses. Paulo falando de si mesmo usa a palavra “espírito”; de Cristo, “poder”. O poder de Cristo foi prometido para estar presente com a SUA Igreja “reunida em seu nome” (Mt 18:18-20): e aqui Paulo por inspiração, faz uma promessa especial de seu espírito apostólico, que em tais casos era guiado pelo Espírito Santo, confirmando seu decreto passado de acordo com seu julgamento (“julguei”, 1Co 5:3), como se estivesse presente pessoalmente (Jo 20:21-23; 2 Co 13:3-10). Esse poder de julgamento infalível estava limitado aos apóstolos. Mesmo os apóstolos em casos comuns, e onde não foram especialmente e conscientemente inspirados, eram falíveis (At 8:13, 23Gl 2:11-14). [JFB]

5 De ao tal entregar a Satanás, para destruição da carne, para que o espírito seja salvo, no dia do Senhor Jesus.

Além da excomunhão (da qual os próprios coríntios tinham o poder), Paulo delega aqui à Igreja de Corinto seu poder especial como apóstolo, de infligir doença ou morte em castigo pelo pecado (“ao tal entregar a Satanás”, isto é, um pecador tão hediondo). Para exemplos desse poder, veja At 5:1-11; At 13:11; 1Tm 1:20. Como Satanás recebe poder às vezes para julgar os piedosos, como Jó (Jó 2:4-7) e Paulo (2Co 12:7; compare também com Pedro, Lc 22:31), muito mais o ímpio. Satanás, o “acusador dos nossos irmãos” (Ap 12:10) e o “adversário” (1Pe 5:8), exige do pecador uma punição por causa do pecado (Zc 3:1). Quando Deus permite que Satanás faça o que quer, diz-se que Ele “entregue o pecador a Satanás” (compare com o Sl 109:6). Aqui não é definitivamente; mas para a aflição do corpo com a doença e até a morte (1Co 11:3032), de modo a destruir a luxúria carnal. Paulo não diz “para a destruição do corpo”, pois este compartilhará da redenção (Rm 8:32); mas a destruição da “carne” corrupta que “não pode herdar o reino de Deus”, e a concupiscência de que incitou este infrator a cometer incesto (Rm 7:5; Rm 8:9-10). A “destruição da carne” corresponde a “mortificar as obras do corpo” (Rm 8:13), a diferença que o último é feito por si mesmo e o primeiro é efetuado pelo castigo de Deus (compare 1Pe 4:6)

o espírito seja salvo – a parte espiritual do homem, no crente o órgão do Espírito Santo. Aflição temporária muitas vezes leva à salvação permanente (Sl 83:16). [JFB]

6 Vosso orgulho não é bom. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa?

Sua glória em suas realizações e as dos seus mestres favoritos (1Co 3:21; 1Co 4:19; 1Co 5:2), enquanto todo o tempo você é conivente com tal escândalo, é bastante inadequada.

um pouco de fermento faz levedar toda a massa – (Gl 5:9), ou seja, com a atual cumplicidade na culpa e o perigo de um futuro contágio (1Co 15:33; 2Tm 2:17). [JFB]

7 Limpai pois o velho fermento, para que sejais nova massa, assim como vós sois de fato sem fermento. Porque Cristo, nosso cordeiro da páscoa, foi sacrificado por nós.

velho fermento – O remanescente da “velha” corrupção (Ef 4:22-24) pagã e natural. A figura é tirada do extremo cuidado dos judeus em procurar em todos os cantos de suas casas, e “tirar” cada partícula de fermento até tempo de matar o cordeiro antes da Páscoa (Dt 16:3-4). Assim, os cristãos estão continuamente examinando e purificando seus corações (Sl 139:23-24).

vós sois de fato sem fermento – normalmente, e no que diz respeito ao seu chamado cristão: livre do fermento do pecado e da morte (1Co 6:11). Paulo muitas vezes baseia exortações na suposição de que os mestre cristãos já estejam na condição certa (Rm 6:3-4) (Alford). Em relação à Igreja de Corinto quanto a “massa sem fermento”, ele pede a eles que correspondam de fato a isso seu estado normal. “Porque Cristo, nossa Páscoa (Êx 12:5-1121-23; Jo 1:29) foi sacrificado por nós”; isto é, como os judeus começaram os dias dos pão asmos com a morte do cordeiro pascal, assim, já que a nossa Páscoa já foi morta, não haja em vós fermento do mal que são a “massa sem fermento”.

Sem dúvida Paulo alude à Páscoa que tinha sido duas ou três semanas antes mantida pelos cristãos judeus (1Co 16:8): os cristãos gentios provavelmente também abstinham-se do pão levedado nas festas de amor. Assim, a Páscoa judaica naturalmente deu lugar à nossa Páscoa cristã. O tempo, no entanto, de celebrar a festa (metafórica; isto é, levar a vida cristã de alegria na obra consumada de Cristo, compare Pv 15:15) entre nós cristãos, correspondendo à Páscoa judaica, não é limitado, como o última, a um período, mas é todo o nosso tempo; pois os benefícios transcendentes do sacrifício completo de uma vez por todas do nosso Cordeiro da Páscoa se estendem a todo o tempo de nossas vidas e desta dispensação cristã; em nenhuma parte do nosso tempo o fermento do mal é admitido.

Pois – uma razão adicional, além daquela em 1Co 5:6, e uma mais convincente para remover todo fermento do mal; a saber, que Cristo já foi sacrificado, enquanto o velho fermento ainda não foi removido, o que deveria ter sido há muito tempo eliminado. [JFB]

8 Portanto façamos festa, não no velho fermento, nem no fermento do mal e da perversão, mas em pães não levedados de sinceridade e de verdade.

não no velho fermento – do nosso estado não convertido como judeus ou pagãos.

do mal – ou “da malícia”; o oposto da “sinceridade” , da qual não permite que o fermento do mal seja misturado com bom (Mt 16:6).

perversão – o oposto da “verdade”, da qual não permite que o mal seja confundido com o bom. O grego para “malícia” significa o mau hábito da mente; “maldade”, o resultado do mesmo em palavras e ações. O grego para “sinceridade” expressa literalmente algo que, quando examinado pela luz do sol, é encontrado puro e não adulterado. [JBF]

9 Eu já vos escrevi por carta, que não vos mistureis com pecadores sexuais.

já vos escrevi por carta – em vez disso, “na epístola”: uma antiga que não existe. Que Paulo não se refere à presente carta é provado pelo fato de que em nenhum momento “não vos mistureis com pecadores sexuais” ocorre na parte anterior dela; também as palavras “escrevi por carta” não poderiam ter sido acrescentadas se ele quisesse dizer “acabei de escrever” (2Co 10:10). “Suas cartas” (plural, não se aplicando a apenas uma) confirmam isso. 2Co 7:8 também se refere à nossa primeira epístola, assim como aqui um antiga carta é referida pela mesma frase. Paulo provavelmente escreveu uma breve resposta às perguntas dos coríntios: nossa primeira epístola, ao entrar mais amplamente no mesmo assunto, substituiu a primeira, que o Espírito Santo não planejou para a orientação da Igreja em geral, e que portanto, não foi preservada. [JBF]

10 Porém não totalmente com os pecadores deste mundo, ou com os gananciosos, ou ladrões, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo.

Limitação da proibição aludida em 1Co 5:9 (compare 1Co 10:27; Jo 17:15; 1Jo 5:18-19). Como os “pecadores sexuais (fornicadores) pecam contra si mesmos, assim “gananciosos” contra o seu próximo e “idólatras” contra Deus. A tentativa de “sair do mundo”, violando a vontade de Deus de que os crentes permanecessem nele, mas mantendo-se longe de seu mal, levou ao monasticismo e seus consequentes males.

11 Mas agora vos escrevo, que não vos mistureis se alguém, chamando a si de irmão, for pecador sexual, ou ganancioso, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou ladrão. Com o tal nem mesmo comais.

Mas agora“Mas agora” não expressa tempo, mas “sendo o caso”, isto é, que para evitar pecadores sexuais…do mundo, você teria que deixar o mundo completamente, o que seria absurdo. Assim “mas agora” é usado em Hb 11:16. Deste modo evitamos que o apóstolo retire uma ordem que ele havia dado antes.

vos escrevo – isto é, o significado de “não vos mistureis…”.

de irmão – em contraste com um “pecador do mundo” (1Co 5:10). Há menos perigo em associar-se com os mundanos do que os mestres carnais. Aqui, como em Ef 5:3, 5, a “ganância” é unida à “pecados sexuais (fornicação)”: a fonte comum de ambos ser “o desejo ardente e cada vez mais feroz da criatura, que se afastou de Deus, para preencher-se com os objetos inferiores dos sentidos” (Trench). Por isso a “idolatria” está associada a eles: e o ganancioso é chamado de “idólatra” (Nm 25:1-2). Os coríntios não caíram em idolatria aberta, mas comeram coisas oferecidas a ídolos, concordando com os pagãos; assim como eram coniventes à fornicação. Assim, este verso se prepara para os preceitos em 1Co 8:4, etc. Compare o caso semelhante de fornicação, combinado com um compromisso idólatra semelhante, após o padrão de Israel com os midianitas (Ap 2:14).

nem mesmo comais – não sentar na mesma mesa com tal; seja nas festas de amor (agape) ou nas relações pessoais, muito mais à mesa do Senhor: nesta, muitas vezes agora os convidados “não são como crianças em uma família, mas como um grupo heterogêneo de estranhos em uma pousada” (Bengel) (compare Gl 2:12; 2Jo 1:10-11). [JFB]

12 Por que eu tenho que julgar também aos que estão de fora? Não julgais vós aos que estão de dentro?

Por que eu tenho – Você podem facilmente entender que minha preocupação não é com incrédulos fora da Igreja, mas que eu me refiro àqueles que estão dentro dela.

também – Implicando, sem aqueles que estão de fora, os de dentro da Igreja já me dão o suficiente o que fazer.

Não julgais… – Vocês julgam seus concidadãos, não estranhos: muito mais eu deveria (Bengel). Pelo contrário, Não é seu dever julgar os que estão dentro? Deus julgará os que estão fora: você olhe para casa (Grotius). Deus é o Juiz da salvação dos pagãos, não nós (Rm 2:12-16). Paulo aqui faz uma censura antecipada aos santos irem resolver causas entre eles diante dos tribunais pagãos, em vez de julgar tais causas entre eles. [JFB]

13 Mas Deus julga aos que estão de fora. Tirai pois dentre vós a este maligno.

Tirai pois dentre vós a este maligno – Sentença de excomunhão em referência a linguagem de Dt 24:7.

<1 Coríntios 4 1 Coríntios 6>

Introdução à 1 Coríntios 5

A pessoa incestuosa em Corinto: Os coríntios são reprovados pela conivência e advertidos à lançar fora o fermento ruim. Aprimoramento da ordem anterior de Paulo quanto à associação com os pecadores do mundo.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola aos Coríntios.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados