Salmo 139

1 (Salmo de Davi, para o regente:) SENHOR, tu me examinas e me conheces.

Comentário Barnes

SENHOR, tu me examinas – A palavra examinas, no original, refere-se primariamente ao ato de cavar, como a procura por água ou metais. Veja Jó 28:3. Portanto, significa buscar com precisão ou de perto.

e me conheces – Como resultado dessa busca ou investigação minuciosa. Tu vês tudo o que está no meu coração. Nada é ou pode ser escondido de ti. É com essa consciência profunda que o salmo começa; e tudo o que se segue é apenas uma expansão e aplicação dessa ideia. É muito vantajoso sugerir reflexões corretas sobre nosso caráter, ter plena consciência de que Deus nos conhece completamente; que ele vê tudo o que existe em nosso coração; que ele foi totalmente familiarizado com a nossa vida passada. [Barnes]

2 Tu sabes o meu sentar e o meu caminhar; de longe entendes meus pensamentos.

Comentário de A. R. Fausset

Quer eu esteja descansando ou no trabalho, tu sabes como eu penso e sinto, bem como como como eu ajo e falo. A sentença “de longe” expressa que a grande distância entre o céu, morada especial de Deus, e a terra, nossa morada, não impede de forma alguma, como os incrédulos declaradamente, ou então inconscientemente fantasiam, que Deus conheça o menor pensamento dos homens aqui embaixo. Compare a mesma frase, Salmo 138:6; Jr 23:23-24. Compare a noção epicurista falsamente atribuída a Jó 22:12-14. [JFU]

3 Tu cercas o meu andar e meu deitar; conheces desde antes os meus caminhos.

Comentário de A. R. Fausset

Tu cercas (zaarah, de zeer, um círculo ou coroa) Compare com 2 Samuel 22:40. O hebraico geralmente significa ventilar ou peneirar completamente, como o grão é peneirado. Assim, o árabe, Septuaginta (exichniasas, tu investigaste), Vulgata; Jr 4:11; 51:2. Deus pode separar o joio do trigo nas características mais íntimas dos homens. Tu examinas o que eu sinto ou faço, seja no meu descansar ou no caminho (conferir Sl 139:1). [JFU]

4 Mesmo não havendo ainda palavra alguma em minha língua, eis, SENHOR, que já sabes tudo.

Comentário de A. R. Fausset

“Sem Deus ninguém pode falar seus pensamentos (Pv 16:1), por isso Deus conhece-os antes de serem pronunciados” (Cocceius). [JFU]

5 Tu me envolves por detrás e pela frente, e pões tua mão sobre mim.

Comentário de A. R. Fausset

Tu és tão onipresente como onisciente. Atrás, antes, e de cima para baixo – de todos os lados estou na tua mão, seja para punição ou para obter ajuda. [JFU]

6 Teu conhecimento é maravilhoso demais para mim, tão alto que não posso alcançá -lo.

Comentário de A. R. Fausset

Ele transborda em louvores à maravilhosa vastidão do infinito conhecimento de Deus, transcendendo os poderes finitos de compreensão do homem (Rm 11:33). O conhecimento que o homem necessita para a sua salvação, pelo contrário, ‘não está oculto (o mesmo hebraico como aqui é traduzido maravilhoso) dele, nem está longe’ (compare com Dt 30:11-14). [JFU]

7 Para onde eu escaparia de teu Espírito? E para onde fugiria de tua presença?

Comentário de A. R. Fausset

Se eu tivesse razão para temer a vingança judicial, por causa do meu pecado, onde eu poderia me esconder? (Am 9:2). Jonas experimentou isso na pele (Jn 1:3, etc; Jr 23:24). O Espírito de Deus é o Seu invisível, mas sente-se poder e presença operando em todos os lugares (Sl 104:30; 33:6). [JFU]

8 Se eu subisse até os céus, lá tu estás; se eu fizer meu leito no Sheol, eis que tu também ali estás.

Comentário Whedon

Se eu subisse até os céus, as alturas celestiais, por mais distantes que sejam, lá tu estás.

Sheol, as profundezas mais baixas, o mundo inferior. As idéias de poder e de onipresença continuam (Am 9:2). [Whedon]

9 Se eu tomasse as asas do amanhecer, e morasse nas extremidades do mar,

Comentário Whedon

Se eu tomasse as asas do amanhecer – As asas da aurora são asas rápidas, como a luz da manhã, que se espalha rapidamente.

e morasse nas extremidades do mar – Os antigos supunham que o mar por toda a parte rodeava a terra, e por isso a descrição é do limite máximo do globo terrestre. Ele também significa extremo oeste, ao contrário de “amanhecer”, ou início da madrugada, na sentença anterior. Nesta visão, a suposição é igual aos pontos extremos do universo. [Whedon]

10 Até ali tua mão me guiaria, e tua mão direita me seguraria.

Comentário de A. R. Fausset

Como Amigo, um Sustentador Todo-Poderoso e Guia (conferir Sl 73:24; 23:3; 5:8; 27:11; especialmente Salmo 139:24:“guia-me pelo caminho eterno”, e a irmã Salmo 138:7, “tu estendes tua mão contra a ira de meus inimigos; e tua mão direita me salva”). Assim, Salmo 139:7-8, onde ele fala de fugir de Deus, não pertence à linha de pensamento aqui, que é consoladora. Salmo 139:9 expressa o ponto mais distante em largura, como Salmo 139:8 a maior altura e a maior profundidade. Em nenhuma localidade do universo Deus não está presente. [JFU]

11 Se eu dissesse:Certamente as trevas me encobrirão; e a luz ao redor de mim será como a noite.

Comentário de A. R. Fausset

as trevas me encobrirão – literalmente, ferirão ou oprimirão, como em Gênesis 3:15; Jó 9:17. Portanto, a Septuaginta e a Vulgata aqui trazem ‘pisarão’. As trevas e a noite não são aqui vistas como um manto amistoso para esconder o salmista como um fugitivo culpado da presença e da vingança de Deus (Jó 34:22; Jr 23:24); mas como uma nuvem de escuridão esmagadora, na qual seus inimigos podem efetuar seus planos contra ele (Is 50:10). As “trevas” e “a noite” aqui são paralelas à “angústia” em Salmo 138:7: “Enquanto ando no meio da angústia, tu me vivificas”. O vivificar ali responde a “luz ao redor de mim” aqui. Certamente – literalmente, apenas; nada mais que isso. Se nada mais pode, ao menos certamente a escuridão me esmagará. [JFU]

12 Porém nem mesmo as trevas me esconderão de ti; ao invés disso, pois a noite é tão clara quanto o dia, e aos teus olhos as trevas são como a luz.

Comentário Barnes

Porém nem mesmo as trevas me esconderão de ti. Margem, como em hebraico, “não escurece”. A escuridão não faz a escuridão para ti. Ela torna as coisas obscuras para nós; não para ele. Assim é na escuridão natural; assim é na escuridão moral. Parece escuro para nós; não é assim para ele. As coisas nos parecem obscuras – decepção, luto, angústia, problemas, cuidados, perdas; mas tudo é luz para Deus. A existência do pecado e do sofrimento na terra parece escura para nós; não para ele, pois ele vê as razões e o fim de tudo.

pois a noite é tão clara quanto o dia, para ele um é tão brilhante e claro como o outro.

aos teus olhos as trevas são como a luz. Para ti não há diferença. Tudo é luz. [Barnes]

13 Porque tu és dono do meu ser, e me cobriste no ventre da minha mãe.

Comentário Barnes

Porque tu és dono do meu ser – A palavra aqui traduzida por “possuído” significa apropriadamente “colocar em pé”, “erguer” e, portanto, o derivado do verbo é aplicado a uma bengala ou cana, como sendo ereto. Então a palavra significa fundar, criar, Gn 14:19, Gn 14:22 – como os céus e a terra; e então, obter, ganhar, comprar, etc. Aqui a palavra parece ser usada em seu sentido original, fazer, criar, etc. A ideia é, não como em nossa tradução, que Deus “possuiu” ou “ os possuía, mas que os havia “feito”, e que, “portanto,” ele sabia tudo sobre eles. A palavra “rédeas” significa literalmente os “rins”; e então, vem a denotar a parte interna, a mente, a alma, a sede dos desejos, afeições e paixões. Jer 11:20. Veja Salmos 7:9, nota; Jó 19:27, nota. O significado aqui é que Deus o fez; que os recessos mais íntimos de seu ser foram constituídos como são por Deus; e que, “portanto,” ele deve ser capaz de ver tudo o que há nas profundezas da alma, por mais que esteja oculto aos olhos do homem.

e me cobriste no ventre da minha mãe – A palavra aqui traduzida como “cobertura” significa entrelaçar propriamente; tecer; tricotar juntos, e a tradução literal seria:”Tu me” teceste “no ventre de minha mãe, o que significa que Deus juntou suas partes, como quem tece pano, ou quem faz uma cesta. Portanto, é renderizado por DeWette e por Gesenius (Lexicon). A palavra original tem, no entanto, também a ideia de proteger, como em uma barraca ou cabana, tecida ou tricotada – a saber, de galhos e galhos. A primeira significação é mais adequada para a conexão; e então o sentido seria que, como Deus o fez – como ele formou seus membros, e os uniu em uma estrutura corporal e forma antes de nascer – ele deve ser capaz de compreender todos os seus pensamentos e sentimentos. Como ele não estava escondido de Deus antes de ver a luz, ele não poderia estar em lugar nenhum. [Barnes, aguardando revisão]

14 Eu te louvarei porque de um jeito assombroso e maravilhoso eu fui feito; maravilhosas são tuas obras; e minha alma sabe muito bem.

Comentário Barnes

Eu te louvarei – não vou meramente admirar o que é tão grande e maravilhoso, mas vou te reconhecer publicamente como sábio, santo e bom:como tendo direito à honra, amor e gratidão.

porque de um jeito assombroso e maravilhoso eu fui feito – A palavra traduzida como “terrivelmente” significa propriamente “coisas terríveis”; coisas adequadas para produzir medo ou reverência. A palavra traduzida como “feito maravilhosamente” significa distinguir apropriadamente; separar. A tradução literal disso – tão próximo quanto pode ser dado – seria, “Eu sou distinto por coisas terríveis;” isto é, por coisas em minha criação que são adequadas para inspirar admiração. Distingue-me entre as tuas obras por coisas que tendem a exaltar minhas idéias sobre Deus e a encher minha alma de sentimentos reverentes e devotos. A ideia é que ele foi “distinguido” entre as obras da criação, ou então “separado” de outras coisas em seus dotes de modo a causar na mente um sentimento de admiração. Ele foi feito diferente dos objetos inanimados e da criação bruta; ele foi “feito”, em toda a estrutura de sua estrutura, de forma a encher a mente de admiração. Quanto mais alguém contempla sua própria formação corporal e se familiariza com a anatomia da estrutura humana, e quanto mais ele entende sua organização mental, mais ele verá a força e propriedade da linguagem usada pelo salmista.

maravilhosas são tuas obras – Adequadas são para despertar admiração e admiração. A referência particular aqui é a sua própria formação; mas a mesma observação pode ser feita das obras de Deus em geral.

e minha alma sabe muito bem – Margem, como em hebraico, “grandemente”. Estou totalmente convencido disso. Estou profundamente impressionado com isso. Podemos ver claramente que as obras de Deus são “maravilhosas”, mesmo que não possamos entender mais nada sobre elas. [Barnes, aguardando revisão]

15 Meus ossos não estavam escondidos de ti quando eu fui feito em oculto, e formado como tramas de tecido nas profundezas da terra.

Comentário Barnes

Meus ossos não estavam escondidos de ti – Tu a viste; tu o entendeste completamente, quando estava oculto aos olhos do homem. A palavra “substância” é traduzida na margem como “força” ou “corpo”. A Septuaginta, a Vulgata latina, a siríaca, a árabe e Lutero traduzem-no como “meu osso” ou “meus ossos”. A palavra propriamente significa força, e então qualquer coisa forte. Outra forma da palavra, com apontamentos diferentes no hebraico, significa um osso, assim chamado por sua força. A alusão aqui é à estrutura corporal, considerada forte, ou como aquela que possui força. O que quer que tenha entrado e constituído o vigor de sua estrutura, diz o salmista, foi visto e conhecido por Deus, mesmo em seu início, e quando mais débil.

quando eu fui feito em oculto – No ventre; ou, escondido dos olhos do homem. Mesmo então, seus olhos me viram e viram o processo maravilhoso pelo qual meus membros foram formados.

e formado como tramas de tecido – Literalmente, “bordado”. A palavra hebraica – רקם râqam – significa enfeitar com cores, variegar. Conseqüentemente, significa variegar uma vestimenta; tecer com fios de várias cores. Conosco a ideia de bordar é trabalhar várias cores sobre um tecido por meio de uma agulha. A palavra hebraica, entretanto, refere-se propriamente ao ato de “tecer” vários fios – como agora na tecelagem de tapetes. A referência aqui é para os vários e complicados tecidos da estrutura humana – os tendões, nervos, veias, artérias, músculos, “como se” tivessem sido tecidos, ou como eles parecem estar curiosamente entrelaçados. Nenhuma obra de tapeçaria pode ser comparada a esta; nenhuma arte do homem poderia “tecer” uma variedade de fibras e tecidos tão delicados e tenros como aqueles que constituem a estrutura humana, mesmo se estivessem prontos para sua mão:e quem senão Deus poderia “fazê-los”? A comparação é muito bonita; e será admirado tanto mais quanto mais o homem compreender a estrutura de sua própria estrutura.

nas profundezas da terra – feito em um lugar tão escuro, tão obscuro e tão além do poder da observação humana como se tivesse sido feito bem abaixo do solo, onde nenhum olho humano pode penetrar. Compare as notas em Jó 28:7-8. [Barnes, aguardando revisão]

16 Teus olhos viram meu corpo ainda sem forma, e tudo estava escrito em teu livro; até os dias estavam determinados quando nenhum deles ainda havia.

Comentário Barnes

Teus olhos viram meu corpo ainda sem forma – todo este versículo é muito obscuro, mas a “idéia” nesta expressão é claramente:”Antes que eu tivesse forma, tu viste o que eu deveria ser.” A única palavra no original traduzida como “minha substância, embora imperfeita”, é גלם gôlem. Ocorre apenas neste lugar, embora o verbo – גלם gâlam – seja encontrado em 2 Reis 2:8, onde é usado em referência ao manto de Elias:E Elias pegou seu manto e “o embrulhou”, etc. Isto é, ele o enrolou ou dobrou. O substantivo, então, significa aquilo que “é” enrolado ou embrulhado; aquilo que está dobrado e, portanto, é aplicável a qualquer coisa dobrada ou não desenvolvida; e, assim, denotaria com mais propriedade o embrião, ou o feto, onde todos os membros do corpo estão ainda dobrados ou não desenvolvidos; isto é, antes de terem assumido sua forma e proporções distintas. Essa é, sem dúvida, a ideia aqui. Antes que o embrião tivesse qualquer forma em que seu futuro tamanho, formato ou proporções pudessem ser marcados pelos olhos do homem, ele era clara e distintamente conhecido por Deus.

e tudo estava escrito em teu livro – Onde tu registras todas as coisas. Talvez a alusão aqui seja ao livro de um arquiteto ou desenhista que, antes de iniciar sua obra, desenha seu projeto, ou o esboça para a direção dos operários.

até os dias estavam determinados – Margem, “Em que dias eles deveriam ser moldados.” Literalmente, “os dias devem ser formados”. DeWette traduz o seguinte:”Os dias foram determinados antes que qualquer um deles existisse.” Não há nada no hebraico que corresponda à frase “em continuação”. A ideia simples é:os dias da minha vida foram determinados em, toda a questão foi fixada e resolvida, não por nada visto no embrião, mas “antes” que houvesse qualquer forma – antes que houvesse qualquer meio de julgar pelo que eu então era o que eu seria – tudo foi visto e organizado na mente divina.

quando nenhum deles ainda havia – literalmente, “E nenhum entre eles.” Antes que um deles existisse de verdade. Ainda não havia ocorrido nenhum desenvolvimento do qual pudesse ser inferido o que o resto seria. Todo o conhecimento sobre o assunto deve ter sido baseado na Onisciência. [Barnes, aguardando revisão]

17 Como são preciosos para mim os teus pensamentos, Deus! Como é grande a quantidade deles!

Comentário Barnes

Como são preciosos para mim os teus pensamentos, Deus! Sobre a palavra “pensamentos”, veja as notas no Salmo 139:2. Compare o Salmo 139:23. A observação é feita aqui, sem dúvida, em vista dos inúmeros “pensamentos” envolvidos no planejamento e na formação de uma estrutura tão maravilhosa e no cuidado necessário para levá-la à perfeição; para desenvolvê-lo; para prover para isso; para guardá-lo e defendê-lo. Quantos “pensamentos” de um pai são empregados em favor de seus filhos, no sustento deles; ensinando-os; aconselhando-os; antecipando suas necessidades. Quantos pensamentos mais são necessários da parte de Deus em relação a cada um de nós:pois há inúmeras coisas necessárias para nós que não podem ocupar a mente de um pai, visto que ele não pode realizar essas coisas por nós; eles não estão dentro de sua província, ou em seu poder.

Como é grande a quantidade deles! literalmente, “Quão fortes são as cabeças deles.” Ou seja, o título deles, ou a soma deles, seria uma tarefa além do poder do homem. E quem “poderia” estimar o número de “pensamentos” necessariamente conferidos a si mesmo por seu Criador em todo o cuidado exercido sobre ele; todos os arranjos para seu desenvolvimento e crescimento; tudo o que é feito para defendê-lo do perigo; tudo o que é indispensável para atender às suas necessidades; tudo o que foi necessário para garantir a salvação de sua alma! Veja as notas no Salmo 40:5. [Barnes, aguardando revisão]

18 Se eu os contasse, seriam muito mais numerosos que a areia; quando acordo, ainda estou contigo.

Comentário Barnes

Se eu os contasse – se eu pudesse contá-los.

seriam muito mais numerosos que a areia – Inúmeros como a areia da praia.

quando acordo, ainda estou contigo – Quando estou perdido em profunda e profunda meditação sobre este assunto, e sou despertado novamente para a consciência, acho que a mesma coisa ainda é verdade. O fato de “eu” ser esquecido, ou perdido em meditação profunda, não fez diferença para você. Tu ainda és o mesmo; e o mesmo cuidado incessante, a mesma consideração, ainda existe em relação a mim. Ou, o significado pode ser, dormir ou acordar comigo, ainda é o mesmo em relação a ti. Teus olhos nunca fecham. Quando os meus estão fechados no sono, tu estás ao meu redor; quando acordo desse estado inconsciente, encontro a mesma coisa ainda existindo. Eu me perdi no esquecimento de ti em meu sono; mas tu não me esqueceste. Não houve nenhuma mudança – nenhum sono – contigo. [Barnes, aguardando revisão]

19 Ah, Deus, tomara que mates ao perverso! E vós, homens sanguinários, afastai-vos de mim;

Comentário Barnes

Ah, Deus, tomara que mates ao perverso! Compare as notas de Isaías 11:4 . A tradução literal disso seria:”Se quiseres matar o ímpio.” Não é fácil explicar a súbita e notável transição ou desvio da linha de pensamento do assunto principal do salmo, nestes versículos Salmo 139:19-22, em que o salmista expressa seus sentimentos para com os iníquos e ora para que se afastem dele. Talvez a explicação disso seja que, enquanto o salmista estava refletindo sobre o fato de que Deus está presente em toda parte, que ele sonda o coração das pessoas, que deve conhecer toda a sua conduta, ele de repente foi atingido pela idéia da condição de pessoas perversas na presença e sob os olhos de tal ser. Como Deus conhece todas as coisas, ele deve conhecê-las; e isso instantaneamente sugeriu a ideia de sua culpa e perigo. Pessoas com tais personagens não poderiam enganar tal Deus. Eles não podiam deixar de ser conhecidos por ele, e não podiam deixar de ser objetos de sua aversão. Eles não podiam, portanto, mas estar em perigo.

E vós, homens sanguinários, afastai-vos de mim – Veja Salmos 119:115 . O hebraico é, “Homens de sangue”; isto é, homens que derramam sangue. A linguagem é usada para denotar homens ímpios em geral. A ideia aqui não é que o salmista estava em perigo por causa deles naquela época, mas que ele desejava se separar daquela classe de pessoas; ele não queria ser classificado com eles, participar de sua conduta ou participar de seu destino. Ele não tinha simpatia por eles e desejava separar-se deles completamente. [Barnes, aguardando revisão]

20 Porque eles falam de ti com maldade, e teus inimigos se exaltam em vão.

Comentário Barnes

Porque eles falam de ti com maldade – Esta é uma forma ou manifestação de seu caráter como pessoas perversas, que eles falam maliciosamente contra Deus. O salmista, portanto, não desejava ter nada a ver com eles. É sempre uma razão suficiente para evitar a sociedade, a amizade e a comunhão de outros, quando eles profanam, blasfemam ou caluniam o nome de Deus. Devemos nos retirar imediatamente de tais homens. A piedade se afasta da sociedade de tais homens, qualquer que seja sua posição, ou suas qualidades sociais, e se afasta na dor, na tristeza, na aversão. Veja as notas no Salmo 26:9 .

e teus inimigos se exaltam em vão – É a prova de que eles são teus inimigos que eles tomam o teu nome em vão, ou que são homens profanos; é uma razão suficiente para desejar ser separado deles. [Barnes, aguardando revisão]

21 Por acaso, SENHOR, eu não odiaria aos que te odeiam? E não detestaria os que se levantam contra ti?

Comentário Barnes

Por acaso, SENHOR, eu não odiaria aos que te odeiam? Isso é na consciência do salmista uma prova de sua verdadeira piedade, derivada de seus sentimentos para com aqueles que eram os inimigos de Deus. A palavra ódio aqui, conforme aplicada a eles, deve ser entendida no sentido de que ele desaprovava sua conduta; que ele não desejava ser associado a eles; que desejava evitar a companhia deles e encontrar seus amigos entre homens de caráter diferente. Veja as notas no Salmo 1:1. Compare Is 5:5.

E não detestaria os que se levantam contra ti? A expressão aqui – “entristecido” – explica o significado da palavra “ódio” no primeiro membro do versículo. Não é aquele ódio que é seguido por malignidade ou má vontade; é o que vem acompanhado de tristeza – dor de coração – pena – tristeza. Assim, o Salvador olhou para as pessoas:3:5 de março:“E quando os olhou ao redor com“ ira ”,“ entristecido ”pela dureza de seus corações.” A palavra hebraica usada aqui, entretanto, contém “também” a idéia de estar enojado; de ódio; de nauseante. Veja as notas no Salmo 119:158. O sentimento referido é raiva – repulsa consciente – por tal conduta; e pesar, dor, tristeza, que as pessoas evidenciem tais sentimentos para com seu Criador. [Barnes, aguardando revisão]

22 Eu os odeio com ódio completo; eu os considero como inimigos.

Comentário Barnes

Eu os odeio com ódio completo – Sem qualquer aprovação de sua conduta; sem simpatia pelo mal que praticam; sem palavras de desculpas por seus atos pecaminosos; com desaprovação total.

eu os considero como inimigos – como eles são os inimigos de Deus, então eu os considero como meus inimigos. Não desejo me associar a eles, nem ser considerado um deles. [Barnes, aguardando revisão]

23 Examina-me, Deus, e conhece meu coração; prova-me, e conhece meus pensamentos.

Comentário Barnes

Examina-me, Deus – A palavra “pesquisa” aqui é a mesma que no Salmo 139:1. Veja as notas desse versículo. O salmista havia declarado o fato de que é uma característica de Deus que ele “sonda” o coração; e ele ora aqui para que Deus “exerça” esse poder em relação a si mesmo; que como Deus poderia saber tudo o que há dentro do coração, ele o examinaria com o mais minucioso escrutínio, de forma que ele pudesse estar sob nenhuma ilusão ou auto-engano; que ele não pode se entregar a quaisquer falsas esperanças; para que ele não acalente quaisquer sentimentos ou desejos impróprios. A oração denota grande “sinceridade” por parte do salmista. Também indica autodesconfiança. É uma expressão do que todos devem sentir que têm uma visão justa de si mesmos – que o coração é muito corrupto; que podemos nos enganar; e que a pesquisa mais completa “deve” ser feita para que “não” sejamos enganados e perdidos.

e conhece meu coração – conheça ou veja tudo o que está dentro dele.

prova-me – À medida que o metal é testado ou comprovado, ele é colocado em “teste” para saber o que é. A prova aqui é aquela que resultaria da inspeção divina de seu coração.

e conhece meus pensamentos – veja o que eles são. A palavra traduzida por “pensamentos” ocorre apenas em um outro lugar, Salmo 94:19. A ideia é:examine-me completamente; examine não apenas minha conduta exterior, mas também o que penso; quais são meus propósitos; o que passa pela minha mente; o que ocupa minha imaginação e minha memória; o que protege minhas afeições e controla minha vontade. Ele deve ser um homem muito sincero que ora para que Deus examine seus pensamentos, pois poucos gostariam que seus semelhantes, mesmo seus melhores amigos, soubessem tudo em que estão pensando. [Barnes, aguardando revisão]

24 E vê se em mim há algum mau caminho; e guia-me pelo caminho eterno.

Comentário Barnes

E vê se em mim há algum mau caminho – Margem, “caminho da dor” ou “tristeza”. A palavra hebraica significa propriamente uma imagem, um ídolo Isaías 48:5 , mas também significa dor, 1 Crônicas 4:9 ; Isaías 14:3. A palavra na forma usada aqui não ocorre em outro lugar. Gesenius (Lexicon) traduz aqui a adoração de ídolos. DeWette, “caminho dos ídolos”. Prof. Alexander, “caminho da dor”. A Septuaginta e a Vulgata, “caminho da iniqüidade”. Então, Luther. O Siríaco, “caminho da falsidade”. Rosenmuller, “caminho de um ídolo”. De acordo com isso, a oração é que Deus o examinasse e visse se havia algo nele que participasse da natureza da idolatria ou da deserção da religião verdadeira; qualquer tendência de se afastar de Deus, de adorar outros deuses, de abandonar a adoração ao Deus verdadeiro. Como a idolatria compreende a soma de tudo o que é mau, como alienação do Deus verdadeiro, a prece é para que nada seja encontrado em seu coração que tendesse a aliená-lo de Deus – indicaria infidelidade ou falta de apego a ele.

e guia-me pelo caminho eterno – O caminho que conduz à vida eterna; o caminho que posso trilhar para sempre. De qualquer outra forma que não seja no serviço de Deus, seus passos devem ser detidos. Ele deve encontrar seu Criador no julgamento, e ser cortado e condenado à desgraça. O caminho para o céu é aquele que o homem pode seguir firmemente; um, em referência ao qual a própria morte realmente não é uma interrupção – pois a jornada iniciada aqui será continuada através do vale escuro, e para todo o sempre. A morte não interrompe a jornada dos justos por um momento. É a mesma jornada continuada – como quando cruzamos um riacho estreito e ainda estamos no mesmo caminho. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 138 Salmo 140>

Introdução ao Salmo 139

Este salmo pretende ser um salmo de Davi, e não há razão para duvidar de que seja apropriadamente atribuído a ele. Veja a introdução ao Salmo 138:1-8 . Em que momento foi composto, no entanto, não se sabe. Contém reflexões que podem ter ocorrido em qualquer período de sua vida; no entanto, parece mais provável que não tenha sido escrito em seus primeiros anos, mas que é um registro de seus pensamentos mais maduros sobre um assunto grande e muito importante.

O salmo se relaciona com a onipresença de Deus e contém as reflexões que ocorreriam a quem meditasse sobre esse atributo da Deidade. É a declaração mais distinta e completa daquela doutrina que se encontra nas Escrituras Hebraicas, e a doutrina é apresentada em uma linguagem que nunca foi superada em sublimidade e beleza. A ideia principal do salmo parece ser o conforto do fato de que Deus está em toda parte; que ele sabe tudo o que nos pertence; que nunca podemos estar escondidos de sua visão; que ele nos conhece desde o início; que conforme ele nos moldou e nos formou – fazendo de nós o que somos – ele conhece todas as nossas necessidades e pode supri-las. O salmo consiste em três partes:

I. Uma celebração da Onisciência e Onipresença de Deus, como fundamento de confiança e esperança, Salmo 139:1-18 .

(a) O fato de que ele sabe tudo o que há no coração, Salmo 139:1-6 .

(b) O fato de que ele está presente em todos os lugares, Salmo 139:7-12 .

(c) O fato de que tudo em nossa vida passada foi conhecido por Deus; que ele nos criou, e que seus olhos estão sobre nós desde o início de nossa existência, Salmo 139:13-16 .

(d) O fato de que seus pensamentos para conosco são preciosos e incontáveis ​​como a areia, Salmo 139:17-18 .

II. Os sentimentos do salmista em relação aos atos dos ímpios como prova de que ele amava a Deus, Salmo 139:19-22 . Essas reflexões parecem ter surgido de sua contemplação do caráter divino e das perfeições, levando-o a odiar tudo o que se opunha a um Ser tão puro, tão benevolente, tão santo. Ao olhar em seu próprio coração, em vista do que Deus era, ele estava consciente de que não tinha simpatia pelos inimigos de Deus como tais; que tal era seu amor pelo caráter de Deus, e tal sua confiança nele, que ele nada poderia ter em comum com eles em seus sentimentos para com Deus, mas desejava ser dissociado deles para sempre.

III. A expressão de um desejo de que, como Deus viu todos os recessos da alma humana, ele esquadrinhasse seu coração, e detectasse qualquer mal que pudesse ver ali, e o livrasse do mal, e o guiasse no caminho que conduzia a vida eterna, Salmo 139:23-24. Qualquer um pode sentir, e deve sentir, que depois de tudo o que conhece de si mesmo – depois de todo o esforço que faz para averiguar o que está dentro de seu coração – existem profundezas que seus olhos não podem penetrar, e que pode haver pecados de pensamento e sentindo lá que ele não detectou; mas é somente a partir da consciência da sinceridade, e um verdadeiro desejo de honrar a Deus, que se pode orar para que Deus o examine, e que ele detecte e traga à tona toda forma de pecado que ele possa ver oculto e à espreita na alma. Aquele que pode oferecer esta oração com sinceridade é um homem piedoso. [Barnes, aguardando revisão]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.