Bíblia

Salmo 139

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 (Salmo de Davi, para o regente:) SENHOR, tu me examinas e me conheces.

SENHOR, tu me examinas – A palavra examinas, no original, refere-se primariamente ao ato de cavar, como a procura por água ou metais. Veja Jó 28:3. Portanto, significa buscar com precisão ou de perto.

e me conheces – Como resultado dessa busca ou investigação minuciosa. Tu vês tudo o que está no meu coração. Nada é ou pode ser escondido de ti. É com essa consciência profunda que o salmo começa; e tudo o que se segue é apenas uma expansão e aplicação dessa ideia. É muito vantajoso sugerir reflexões corretas sobre nosso caráter, ter plena consciência de que Deus nos conhece completamente; que ele vê tudo o que existe em nosso coração; que ele foi totalmente familiarizado com a nossa vida passada. [Barnes]

2 Tu sabes o meu sentar e o meu caminhar; de longe entendes meus pensamentos.

Quer eu esteja descansando ou no trabalho, tu sabes como eu penso e sinto, bem como como como eu ajo e falo. A sentença “de longe” expressa que a grande distância entre o céu, morada especial de Deus, e a terra, nossa morada, não impede de forma alguma, como os incrédulos declaradamente, ou então inconscientemente fantasiam, que Deus conheça o menor pensamento dos homens aqui embaixo. Compare a mesma frase, Salmo 138:6; Jr 23:23-24. Compare a noção epicurista falsamente atribuída a Jó 22:12-14. [JFU]

3 Tu cercas o meu andar e meu deitar; conheces desde antes os meus caminhos.

Tu cercas (zaarah, de zeer, um círculo ou coroa) Compare com 2 Samuel 22:40. O hebraico geralmente significa ventilar ou peneirar completamente, como o grão é peneirado. Assim, o árabe, Septuaginta (exichniasas, tu investigaste), Vulgata; Jr 4:11; 51:2. Deus pode separar o joio do trigo nas características mais íntimas dos homens. Tu examinas o que eu sinto ou faço, seja no meu descansar ou no caminho (conferir Sl 139:1). [JFU]

4 Mesmo não havendo ainda palavra alguma em minha língua, eis, SENHOR, que já sabes tudo.

“Sem Deus ninguém pode falar seus pensamentos (Pv 16:1), por isso Deus conhece-os antes de serem pronunciados” (Cocceius). [JFU]

5 Tu me envolves por detrás e pela frente, e pões tua mão sobre mim.

Tu és tão onipresente como onisciente. Atrás, antes, e de cima para baixo – de todos os lados estou na tua mão, seja para punição ou para obter ajuda. [JFU]

6 Teu conhecimento é maravilhoso demais para mim, tão alto que não posso alcançá -lo.

Ele transborda em louvores à maravilhosa vastidão do infinito conhecimento de Deus, transcendendo os poderes finitos de compreensão do homem (Rm 11:33). O conhecimento que o homem necessita para a sua salvação, pelo contrário, ‘não está oculto (o mesmo hebraico como aqui é traduzido maravilhoso) dele, nem está longe’ (compare com Dt 30:11-14). [JFU]

7 Para onde eu escaparia de teu Espírito? E para onde fugiria de tua presença?

Se eu tivesse razão para temer a vingança judicial, por causa do meu pecado, onde eu poderia me esconder? (Am 9:2). Jonas experimentou isso na pele (Jn 1:3, etc; Jr 23:24). O Espírito de Deus é o Seu invisível, mas sente-se poder e presença operando em todos os lugares (Sl 104:30; 33:6). [JFU]

8 Se eu subisse até os céus, lá tu estás; se eu fizer meu leito no Sheol, eis que tu também ali estás.

Se eu subisse até os céus, as alturas celestiais, por mais distantes que sejam, lá tu estás.

Sheol, as profundezas mais baixas, o mundo inferior. As idéias de poder e de onipresença continuam (Am 9:2). [Whedon]

9 Se eu tomasse as asas do amanhecer, e morasse nas extremidades do mar,

Se eu tomasse as asas do amanhecer – As asas da aurora são asas rápidas, como a luz da manhã, que se espalha rapidamente.

e morasse nas extremidades do mar – Os antigos supunham que o mar por toda a parte rodeava a terra, e por isso a descrição é do limite máximo do globo terrestre. Ele também significa extremo oeste, ao contrário de “amanhecer”, ou início da madrugada, na sentença anterior. Nesta visão, a suposição é igual aos pontos extremos do universo. [Whedon]

10 Até ali tua mão me guiaria, e tua mão direita me seguraria.

Como Amigo, um Sustentador Todo-Poderoso e Guia (conferir Sl 73:24; 23:3; 5:8; 27:11; especialmente Salmo 139:24: “guia-me pelo caminho eterno”, e a irmã Salmo 138:7, “tu estendes tua mão contra a ira de meus inimigos; e tua mão direita me salva”). Assim, Salmo 139:7-8, onde ele fala de fugir de Deus, não pertence à linha de pensamento aqui, que é consoladora. Salmo 139:9 expressa o ponto mais distante em largura, como Salmo 139:8 a maior altura e a maior profundidade. Em nenhuma localidade do universo Deus não está presente. [JFU]

11 Se eu dissesse: Certamente as trevas me encobrirão; e a luz ao redor de mim será como a noite.

as trevas me encobrirão – literalmente, ferirão ou oprimirão, como em Gênesis 3:15; Jó 9:17. Portanto, a Septuaginta e a Vulgata aqui trazem ‘pisarão’. As trevas e a noite não são aqui vistas como um manto amistoso para esconder o salmista como um fugitivo culpado da presença e da vingança de Deus (Jó 34:22; Jr 23:24); mas como uma nuvem de escuridão esmagadora, na qual seus inimigos podem efetuar seus planos contra ele (Is 50:10). As “trevas” e “a noite” aqui são paralelas à “angústia” em Salmo 138:7: “Enquanto ando no meio da angústia, tu me vivificas”. O vivificar ali responde a “luz ao redor de mim” aqui. Certamente – literalmente, apenas; nada mais que isso. Se nada mais pode, ao menos certamente a escuridão me esmagará. [JFU]

12 Porém nem mesmo as trevas me esconderão de ti; ao invés disso, pois a noite é tão clara quanto o dia, e aos teus olhos as trevas são como a luz.

Porém nem mesmo as trevas me esconderão de ti. Margem, como em hebraico, “não escurece”. A escuridão não faz a escuridão para ti. Ela torna as coisas obscuras para nós; não para ele. Assim é na escuridão natural; assim é na escuridão moral. Parece escuro para nós; não é assim para ele. As coisas nos parecem obscuras – decepção, luto, angústia, problemas, cuidados, perdas; mas tudo é luz para Deus. A existência do pecado e do sofrimento na terra parece escura para nós; não para ele, pois ele vê as razões e o fim de tudo.

pois a noite é tão clara quanto o dia, para ele um é tão brilhante e claro como o outro.

aos teus olhos as trevas são como a luz. Para ti não há diferença. Tudo é luz. [Barnes]

13 Porque tu és dono do meu ser, e me cobriste no ventre da minha mãe.
14 Eu te louvarei porque de um jeito assombroso e maravilhoso eu fui feito; maravilhosas são tuas obras; e minha alma sabe muito bem.
15 Meus ossos não estavam escondidos de ti quando eu fui feito em oculto, e formado como tramas de tecido nas profundezas da terra.
16 Teus olhos viram meu corpo ainda sem forma, e tudo estava escrito em teu livro; até os dias estavam determinados quando nenhum deles ainda havia.
17 Como são preciosos para mim os teus pensamentos, Deus! Como é grande a quantidade deles!
18 Se eu os contasse, seriam muito mais numerosos que a areia; quando acordo, ainda estou contigo.
19 Ah, Deus, tomara que mates ao perverso! E vós, homens sanguinários, afastai-vos de mim;
20 Porque eles falam de ti com maldade, e teus inimigos se exaltam em vão.
21 Por acaso, SENHOR, eu não odiaria aos que te odeiam? E não detestaria os que se levantam contra ti?
22 Eu os odeio com ódio completo; eu os considero como inimigos.
23 Examina-me, Deus, e conhece meu coração; prova-me, e conhece meus pensamentos.
24 E vê se em mim há algum mau caminho; e guia-me pelo caminho eterno.
<Salmo 138 Salmo 141>

Introdução ao Salmo 139

Depois de apresentar as sublimes doutrinas da onipresença e onisciência de Deus, o salmista apela a Ele, declarando a sua inocência, o seu repúdio pelos ímpios e a sua pronta submissão ao mais detalhado exame. A admoestação aos ímpios e o conforto aos piedosos são conclusões implícitas destas doutrinas.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados