Bíblia, Revisar

Jó 34

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Eliú respondeu mais, dizendo:

Isto é, evidentemente, depois de uma pausa para ver se Jó tinha algo a responder. A palavra respondeu nas Escrituras muitas vezes significa “começar um discurso”, embora nada tenha sido dito por outros (Jó 3:2; Is 14:10; Zc 1:10; 3:4; 4:11-12. Às vezes é usada com referência a um as sunto, o que significa que alguém respondeu ao que poderia ser sugerido no lado oposto. Aqui pode ser entendida ou no sentido geral de iniciar um discurso, ou mais provavelmente como resposta aos sentimentos que Jó tinha apresentado no debate com seus amigos. [Barnes]

2 Ouvi, vós sábios, minhas palavras; e vós, inteligentes, dai-me ouvidos.

Este capítulo é dirigido também aos “amigos” como o capítulo trigésimo terceiro somente a Jó.

3 Porque o ouvido prova as palavras, assim como o paladar experimenta a comida.

paladar – (Veja em Jó 12:11; 33:2).

4 Escolhamos para nós o que é correto, e conheçamos entre nós o que é bom.

Escolhamos. Vamos escolher entre os sentimentos conflitantes avançados, o que resistirá ao teste do exame.

5 Pois Jó disse: Eu sou justo, e Deus tem me tirado meu direito.

meu direito – Palavras do próprio trabalho (Jo 13:18; Jo 27: 2).

6 Por acaso devo eu mentir quanto ao meu direito? Minha ferida é dolorosa mesmo que eu não tenha transgressão.

Se eu renunciar ao meu direito (isto é, confessar-me culpado), devo morrer. Jó praticamente o tinha dito (Jo 27: 4; Jó 27: 5; Jó 6:28). Maurer, embora não seja bem, “Apesar do meu direito sou tratado como um mentiroso”, por Deus, por mim afligir.

Minha ferida – literalmente, “minha flecha”, ou seja, pelo qual sou perfurado. Então, “meu golpe” (Jó 23: 2). Minha doença (Jo 6: 4; Jo 16:13).

não tenha transgressão – sem culpa minha para merecer isso (Jo 16:17).

7 Que homem há como Jó, que bebe o escárnio como água?

(Jo 15:16) Imagem do camelo.

desprezando – contra Deus (Jo 15: 4).

8 E que caminha na companhia dos que praticam maldade, e anda com homens perversos?

“Jó 9:22; Jó 9:23; Jó 9:30; Jo 21: 7-15), ou pelo menos dizendo que esses agem sobre tais sentimentos ficam impunes (Ml 3:14). Negar o direito de Deus, porque não é visto como uma vantagem de seus atos, é virtualmente participação dos ímpios.

9 Porque disse: De nada aproveita ao homem agradar-se em Deus.

em Deus. No seu intimo (Sl 50:18: “Se vês ao ladrão, tu consentes com ele; e tens tua parte com os adúlteros”).

10 Portanto vós, homens de bom-senso, escutai-me; longe de Deus esteja a maldade, e do Todo- Poderoso a perversidade!

A verdadeira resposta a Jó, que Deus segue (Jó 38:1-41). O homem deve crer que os caminhos de Deus são justos, porque eles são Seus, não porque nós vemos que assim são (Rm 9:14; Dt 32:4; Gn 18:25: “O juiz de toda a terra, não há de fazer o que é justo?”). [JFU]

11 Porque ele paga ao ser humano conforme sua obra, e faz a cada um conforme o seu caminho.

Em parte aqui; totalmente, daqui em diante (Jr 32:19; Rm 2: 6; 1Pe 1:17; Ap 22:12).

12 Certamente Deus não faz injustiça, e o Todo-Poderoso não perverte o direito.

Certamente. A palavra é fundamentalmente o Amém, na verdade, do Novo Testamento. Em nenhuma linguagem mais forte ele poderia apresentar a proposição que ele está prestes a ilustrar – Deus não pode fazer o errado. Os títulos que Deus carrega – El e Shaddai – são uma garantia de que o mal não pode, de forma alguma, pertencer a Deus. “O pecado, a injustiça, habita apenas na esfera do finito”. [Whedon]

13 Quem o pôs para administrar a terra? E quem dispôs a todo o mundo?

Se o mundo não for propriedade de Deus, tenha sido feito por Ele, mas tenha sido com seu próprio superior, pois ele pode ter agido injustamente, como Ele não estava se tornando ativo; Mas como é, Deus age injustamente como uma propriedade de Deus (Jó 36:23).

dispôs – fundou (Is 44: 7), pronto o círculo do globo.

14 Se ele tomasse a decisão, e recolhesse para si seu espírito e seu fôlego,

“Ele é o coração para o homem”, para prejudicá-lo, para levar em conta os seus próprios pecados. A Ele to be de volta (Salmo 104: 29), o espírito do homem, etc. (que ele envia, Sl 104: 30). ; Ec 12:: 7), toda a carne deve perecer juntos ”, etc. (Gn 3:19). A amorosa de Deus não pode ser inocencia e, portanto, não pode ser injusto.

15 Toda carne juntamente expiraria, e o ser humano se tornaria em pó.

Toda carne juntamente expiraria. Se Deus escolhesse, ele teria o direito de destruir toda a humanidade. Como então o povo reclamará da perda da saúde, do conforto e dos amigos, e terá a presunção de acusar a Deus como se ele fosse injusto? [Barnes]

16 Se pois há em ti entendimento, ouve isto: dá ouvidos ao som de minhas palavras.

Em Jó 34:2 Eliú havia falado a todos os homens de sabedoria e entendimento em geral, agora ele chama a atenção especial de Jó, se ele tem entendimento. [JFU]

17 Por acaso quem odeia a justiça poderá governar? E condenarás tu ao Poderoso Justo?

“Pode mesmo ser Aquele que (em sua opinião) odiar a justiça (justa) governar?” O governo do mundo seria impossível se injustiça fosse sancionada. Deus deve ser justo, porque Ele governa (2Sm 23: 3).

governar – literalmente, “ligar”, ou seja, pela autoridade (então “reinar”, 1Sm 9:17). Umbreit traduz “governar, reprimir um ira, ou seja, contra Jó por suas acusações.

Poderoso Justo – sim, “Aquele que é ao mesmo tempo poderoso e justo”.

18 Pode, por acaso, o rei ser chamado de vil, e os príncipes de perversos?

Literalmente, é dito um rei? A grande escala ultrajetiva é semelhante a um terrestre, muito mais o rei dos reis (Êx 22:28). Mas Maurer com a Septuaginta e a Vulgata lê, (Não é um ser acusativo de injustiça) Ele diz a um rei: Tu és mau; para os príncipes, sois ímpios; Isto é, quem põe imparcialmente os grandes, como os pequenos. Isso está de acordo com Jó 34:19.

19 Quanto menos a aquele que não faz acepção de pessoas de príncipes, nem valoriza mais o rico que o pobre! Pois todos são obras de suas mãos.

A parcialidade ou injustiça não deve ser considerada como de Deus, pois todos os homens, ricos e pobres, são igualmente obra das Suas mãos. Nessas palavras, o discordante faz a transição do seu princípio para a sua ilustração no governo real dos homens de Deus, e essa ilustração ele prossegue extensamente. [Cambridge]

20 Em um momento morrem; e à meia noite os povos são sacudidos, e passam; e o poderoso será tomado sem ação humana.

à meia noite – imagem de um ataque noturno de um dia em um acampamento, que se torna uma prévia fácil (Êx 12:29, Êx 12:30).

os povos – um sabre, dos príncipes culpados: culpados também eles mesmos.

sem ação humana – sem agência visível, pela palavra de Deus (assim Jó 20:26; Zc 4: 6; Dn 2:34).

21 Porque seus olhos estão sobre os caminhos do homem, e ele vê todos os seus passos.

A onisciência e onipotência de Deus permitem-lhe executar justiça imediatamente. Ele não precisa ficar muito tempo “observando”, como Jó pensou (Jó 7:12; 2Cr 16:9; Jr 32:19). [JFB]

22 Não há trevas nem sombra de morte em que os que praticam maldade possam se esconder.

sombra de morte. Densa escuridão (Am 9:2-3; Sl 139:12).

23 Pois ele não precisa observar tanto ao homem para que este possa entrar em juízo com Deus.

(1Co 10:13; Lm 3:32; Is 27: 8). Melhor, como o Umbreit, “Ele não precisa” (34:14; Is 41:20) o homem por muito tempo (assim Hebreus, Gn 46:29) para que ele possa ser (ser trazido por Deus ) para o juízo ”. Literalmente, “para que não (atenção) sobre os homens” (Jo 11:10, Jo 11:11). Assim, Jó 34:24, “sem número” deveria ser traduzido, “sem (nenhuma) pesquisa”, tal como tem feito nos julgamentos humanos.

24 Ele quebranta aos fortes sem precisar de investigação, e põe outros em seu lugar.

quebranta aos fortes. (Sl 2:9; Jó 12:18; Dn 2:21).

sem precisar de investigação. Deus não precisa de nenhum processo de investigação para que ele possa discernir e “quebrantar” os culpados.

25 Visto que ele conhece suas obras, de noite os trastorna, e ficam destroçados.

Por que todas as coisas (Jo 34:21). Ele se refere a suas obras, sem uma formalidade formal (Jo 34.24).

de noite – de repente, inesperadamente (Jo 34:20). Fitamente à noite, como estava nela, os ímpios se esconderam (Jo 34:22). Umbreit, menos simplesmente, por “derruba”, tradução, “anda”; Isto é, Deus está sempre alerta, descobrindo toda a maldade.

26 Ele os espanca à vista pública por serem maus.

visão dos outros – os pecadores se escondiam nas trevas; Eles são punidos antes de todos, em dia aberto. Imagem do lugar de execução pública (Jo 40:12; Êx 14:30; 2Sm 12:12).

27 Pois eles se desviaram de segui-lo, e não deram atenção a nenhum de seus caminhos.

Os fundamentos de sua punição em Jó 34:26. Jó 34:28 declara em que respeito eles “consideraram não os caminhos de Deus”, isto é, pela opressão, por meio da qual “eles causaram o grito”, etc.

28 Assim fizeram com que viesse a ele o clamor do pobre, e ele ouvisse o clamor dos aflitos.

o clamor do pobres. Apostasia e negligência à Deus culminou no tratamento cruel dos pobres, que traz sobre os ímpios a ira dEle. A crueldade envia inconscientemente a Deus, para julgamento, a causa justa dos maltratados; e, como no caso dos israelitas oprimidos, “Deus ouve o seu gemido”. [Whedon]

29 E se ele ficar quieto, quem o condenará? Se ele esconder o rosto, quem o olhará? Ele está quer sobre um povo, quer sobre um único ser humano,

(Pv 16: 7; Is 26: 3).

quem o condenará? – em vez disso, “condenar” (Rm 8:33, Rm 8:34). Maurer, a partir da referência sendo apenas aos ímpios, na sentença seguinte, e Jó 34:20 traduz: “Quando Deus se cala” (deixa os homens perecerem) Sl 83: 1; (Umbreit) do árabe (greves para a terra), “quem deve condená-lo como injusto?” Jó 34:17.

hideth… face – (Jó 23: 8, Jó 23: 9; Salmo 13: 1).

seja feito – seja contra uma nação culpada (2Rs 18: 9-12) ou um indivíduo, que Deus age assim.

30 Para que a pessoa hipócrita não reine, e não haja ciladas ao povo.

Enfadado – no pecado (1Rs 12:28, 1Rs 12:30). Ou melhor, “fascinado por mais opressão” (Jó 34: 26-28).

31 Por que não tão somente se diz: Suportei teu castigo não farei mais o que é errado;

Jó assim diz (Jó 40: 3-5; Mq 7: 9; Lv 26:41). Foi para levá-lo a isso que Elihu foi enviado. Embora não fosse hipócrita, Jó, como todos, tinha pecado; portanto, pela aflição, ele deveria ser humilhado sob Deus. Toda tristeza é uma prova da herança comum do pecado, na qual as partes piedosas; e, portanto, ele deve considerá-lo como uma correção misericordiosa. Umbreit e Maurer perdem isso traduzindo, como o hebraico dirá, “Tem algum direito de dizer a Deus, eu tenho levado castigo e ainda não pequei?” (Assim Jó 34: 6).

Suportei – ou seja, a pena do pecado, como em Lv 5: 1, Lv 5:17.

ofender – literalmente, “lidar de forma destrutiva ou corrupta” (Ne 1: 7).

32 Ensina-me o que não vejo; se fiz alguma maldade, nunca mais a farei?

(Jó 10: 2; Salmo 32: 8; Salmo 19:12; Salmo 139: 23, Salmo 139: 24).

não mais – (Pv 28:13; Ef 4:22).

33 Será a recompensa da parte dele como tu queres, para que a recuses? És tu que escolhes, e não eu; o que tu sabes, fala.

Pelo contrário, “deveria Deus recompensar (pecadores) de acordo com a tua mente? Então é para você rejeitar e escolher, e não eu ”(Umbreit); ou como Maurer, “porque você rejeitou o modo de recompensa de Deus; declare, pois, o teu caminho, pois tu deves escolher, não eu ”, isto é, é tua parte, não minha, mostrar um caminho melhor do que o de Deus.

34 As pessoas de entendimento dirão comigo, e o homem sábio me ouvirá;

dirá a mim, e ao homem sábio (Jó 34: 2, Jó 34:10) que me ouvir (dirá), Jó disse: “etc.

35 Jó não fala com conhecimento, e a suas palavras falta prudência.
36 Queria eu que Jó fosse provado até o fim, por causa de suas respostas comparáveis a de homens malignos.

Margem, não tão bem, “Meu pai”, Elihu dirigindo-se a Deus. Este título não ocorre em outro lugar no Job.

tentou – por calamidades.

respostas comparáveis a de homens malignos – (Veja Job 34: 8). As provações dos piedosos não são removidas até que produzam o efeito projetado.

37 Pois ao seu pecado ele acrescentou rebeldia; ele bate as mãos de forma desrespeitosa entre nós, e multiplica suas palavras contra Deus.
mãos – no desprezo (Jó 27:23; Ez 21:17).

multiplica suas palavras – (Jó 11: 2; Jó 35:16). Ao seu “pecado” original para corrigir quais julgamentos foram enviados, “ele acrescenta rebelião”, isto é, palavras que acusam a justiça de Deus.

<Jó 33 Jó 35>

Leia também uma introdução ao livro de Jó.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados