Jó 3

Jó amaldiçoa o dia de seu nascimento e deseja a morte

1 Depois disto Jó abriu sua boca, e amaldiçoou seu dia.

Comentário de A. R. Fausset

abriu sua boca – os orientais falam raramente, e depois sentenciosamente; daí esta fórmula expressando deliberação e gravidade (Salmo 78:2). Ele começou formalmente.

amaldiçoou seu dia – a palavra hebraica estrita para “maldição”, não o mesmo que em Jó 1:5. Jó amaldiçoou seu aniversário, mas não seu Deus. [Fausset, aguardando revisão]

2 Pois Jó respondeu, e disse:

Comentário de A. R. Fausset

respondeu – hebraico, “respondeu”, isto é, não a qualquer questão real que precedeu, mas à questão praticamente envolvida no caso. Sua explosão é singularmente selvagem e ousada (Jeremias 20:14). Desejar morrer de modo a ficar livre do pecado é uma marca da graça; desejar morrer para escapar dos problemas é um sinal de corrupção. Ele estava mal preparado para morrer, que não estava disposto a viver. Mas suas provações eram maiores e sua luz menos que a nossa. [Fausset, aguardando revisão]

3 Pereça o dia em que nasci, e a noite em que se disse: Um homem foi concebido.

Comentário de A. R. Fausset

a noite em que – em vez “a noite que disse.” As palavras em itálico não estão no hebraico. A noite é personificada e poeticamente feita para falar. Assim em Jó 3:7 e no Salmo 19:2. O nascimento de um homem no Oriente é uma questão de alegria; muitas vezes não é de uma mulher. [Fausset, aguardando revisão]

4 Torne-se aquele dia em trevas; Deus não lhe dê atenção desde acima, nem claridade brilhe sobre ele.

Comentário de A. R. Fausset

Deus não lhe dê atenção – em vez disso, mais poeticamente, “busque-o”. “Não se desvie Deus do Seu trono brilhante para levantá-lo do seu esconderijo escuro”. A maldição do dia em Jó 3:3 é amplificado em Jó 3:4-5; que na noite, em Jó 3:6-10. [Fausset, aguardando revisão]

5 Reivindiquem-no para si trevas e sombra de morte; nuvens habitem sobre ele; a escuridão do dia o espante.

Comentário de A. R. Fausset

sombra de morte – (“a escuridão mais profunda”, Isaías 9:2).

stain it – Este é um sentido posterior do verbo (Gesenius); melhor a velha e mais poética ideia: “Que a escuridão (a antiga noite de melancolia caótica) retome seus direitos sobre a luz (Gênesis 1:2) e reivindique esse dia como seu.”

a escuridão do dia o espante – literalmente, “os obscurecimentos”; Tudo o que escurece o dia (Gesenius). O verbo em hebraico expressa repentinamente aterrorizante. Que seja repentinamente assombrado em sua própria escuridão. Umbreit explica isso como “encantamentos mágicos que escurecem o dia”, formando o clímax das sentenças anteriores; Jó 3:8 fala de “cursores do dia” similarmente. Mas a visão anterior é mais simples. Outros referem-se ao vento venenoso simoom. [Fausset, aguardando revisão]

6 Tome a escuridão aquela noite; não seja contada entre os dias do ano, nem faça parte do número dos meses.

Comentário de A. R. Fausset

não seja contada entre os dias do ano – sim, pela personificação poética: “Não se alegrem no círculo de dias, noites e meses, que formam o círculo dos anos”. [Fausset, aguardando revisão]

7 Ah se aquela noite fosse solitária, e música de alegria não viesse a ela!

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-9) A escuridão é tão apoderada dela, e tão completamente engolida, que não será possível que ela passe para a luz do dia. Não deve se tornar um dia, ser considerado como pertencente aos dias do ano e se alegrar com a luz dele. יחדּ, para יחדּ, fut. Kal de חדה (Êxodo 18:9), com Dagesh lene retido, e uma ajuda Pathach (vid., Ges. 75, rem. 3, d); o reverso da passagem Gênesis 49:6, onde יחד, de יחד, uniat se, é encontrado. É tornar-se estéril, גּלמוּד, para que nenhum ser humano jamais seja concebido e nascido, e saudado com alegria nele.

“Aqueles que amaldiçoam os dias” são magos que sabem transformar os dias em dies infausti por seus encantamentos. De acordo com a superstição vulgar, da qual as imagens de Jó 3:8 são emprestadas, havia uma arte especial de excitar o dragão, que é inimigo do sol e da lua, contra ambos, de modo que, ao devorá-los, a escuridão total prevalece. O dragão é chamado em hindu râhu; os chineses, e também os nativos da Argélia, mesmo nos dias de hoje, fazem um tumulto selvagem com tambores e vasos de cobre quando ocorre um eclipse do sol ou da lua, até que o dragão solte sua presa.

Jó deseja que esse monstro engula o sol de seu aniversário. Se a noite em que ele foi concebido ou nascido deve se tornar dia, então deixe as estrelas de seu crepúsculo (isto é, as estrelas que, como mensageiros da manhã, cintilam através do crepúsculo da aurora) se tornem escuras. É permanecer para sempre escuro, nunca contemplar com prazer as pálpebras da aurora. בּ ראה, regalar-se com a visão de qualquer coisa, refrescar-se. Quando os primeiros raios da manhã disparam no céu oriental, então a aurora levanta suas pálpebras; eles estão na Antígona de Sófocles, 103, χρυσέης ἡμέρας βλέφαρον, a pálpebra do dia dourado e, portanto, do sol, o grande olho. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Amaldiçoem-na os que amaldiçoam o dia, os que se preparam para levantar seu pranto.

Comentário de A. R. Fausset

Se “pranto” for a tradução correta na última sentença deste versículo, essas palavras se referem aos que estão de luto dos mortos (Jeremias 9:17). Mas o hebraico para “pranto” em outro lugar sempre denota um animal, seja o crocodilo ou uma enorme serpente (Isaías 27:1), como se entende por “leviatã”. Portanto, a expressão “amaldiçoam o dia” refere-se aos feiticeiros, que se acreditava serem capazes de fazer um dia de mau presságio. (Balaão, Números 22:5). Isto está de acordo com a visão de Umbreit (Jó 3:7); ou para os etíopes e atlantes, que “costumavam amaldiçoar o sol ao se levantar para queimar a eles e a sua nação” (Heródoto). Os feiticeiros reivindicavam poder para controlar ou despertar animais selvagens à vontade, assim como os encantadores de serpentes indianos (Salmo 58:5). Jó não diz que eles tinham o poder que reivindicaram; mas, supondo que eles tivessem, que amaldiçoassem o dia. [JFU]

9 Escureçam-se as estrelas de sua manhã; espere a luz, e não venha, e as pálpebras não vejam o amanhecer;

Comentário de A. R. Fausset

o amanhecer – literalmente, “cílios de manhã”. Os poetas árabes chamam o sol de “olho do dia”. Seus primeiros raios, portanto, quebrando antes do amanhecer, são as pálpebras ou cílios de abertura da manhã. [Fausset, aguardando revisão]

10 Pois não fechou as portas do ventre onde eu estava, nem escondeu de meus olhos o sofrimento.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-12) A estrofe inteira contém fortes razões para ele amaldiçoar a noite de sua concepção ou nascimento. Deveria ter fechado (isto é, tornar o útero estéril, para ser explicado de acordo com 1Samuel 1:5; Gênesis 16:2) as portas de seu útero (isto é, o útero que o concebeu), e assim ter retirado a tristeza ele agora experimenta de seus olhos não nascidos (na força estendida do negativo, vid., Ges. 152, 3). Então, por que, isto é, com que propósito vale o trabalho, ele é concebido e nascido? As quatro perguntas, Jó 3:11., formam um clímax: ele segue o curso de sua vida desde o início em embrião (מרהם, a ser explicado de acordo com Jeremias 20:17 e Jó 10:18, onde, no entanto, é é מן local, não como aqui, temporal) até o nascimento, e da alegria de seu pai que levou o filho recém-nascido de joelhos (comp. Gênesis 50:23) até o primeiro desenvolvimento do bebê, e ele amaldiçoa esta vida crescente em suas quatro fases (Arnh., Schlottm.). Observe a consecutio temp. O fut. אמוּת tem o significado moriebar, porque tirado do pensamento do primeiro período de sua concepção e nascimento; assim também ואגוע, governado pelo perf anterior., a significação et exspirabam (Ges. 127, 4, c). Só assim אינק, mas modal, ut ut ea. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Por que eu não morri desde a madre, ou perdi a vida ao sair do ventre?

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-12) A estrofe inteira contém fortes razões para ele amaldiçoar a noite de sua concepção ou nascimento. Deveria ter fechado (isto é, tornar o útero estéril, para ser explicado de acordo com 1Samuel 1:5; Gênesis 16:2) as portas de seu útero (isto é, o útero que o concebeu), e assim ter retirado a tristeza ele agora experimenta de seus olhos não nascidos (na força estendida do negativo, vid., Ges. 152, 3). Então, por que, isto é, com que propósito vale o trabalho, ele é concebido e nascido? As quatro perguntas, Jó 3:11., formam um clímax: ele segue o curso de sua vida desde o início em embrião (מרהם, a ser explicado de acordo com Jeremias 20:17 e Jó 10:18, onde, no entanto, é é מן local, não como aqui, temporal) até o nascimento, e da alegria de seu pai que levou o filho recém-nascido de joelhos (comp. Gênesis 50:23) até o primeiro desenvolvimento do bebê, e ele amaldiçoa esta vida crescente em suas quatro fases (Arnh., Schlottm.). Observe a consecutio temp. O fut. אמוּת tem o significado moriebar, porque tirado do pensamento do primeiro período de sua concepção e nascimento; assim também ואגוע, governado pelo perf anterior., a significação et exspirabam (Ges. 127, 4, c). Só assim אינק, mas modal, ut ut ea. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Por que joelhos me receberam? E por que seios me amamentaram?

Comentário de A. R. Fausset

Por que joelhos me receberam? – O inglês antigo para “antecipar meus desejos”. A referência é ao reconhecimento solene de um recém-nascido pelo pai, que costumava colocá-lo de joelhos como se fosse dele, a quem ele era obrigado a criar (Gênesis 30:350:23; Isaías 66:12). [Fausset, aguardando revisão]

13 Pois agora eu jazeria e repousaria; dormiria, e então haveria repouso para mim;

Comentário de A. R. Fausset

Eu não deveria apenas ter ficado deitado, mas ficado quieto, e não apenas ficado quieto, mas dormido. A morte nas Escrituras é chamada de “sono” (Salmo 13:3); especialmente no Novo Testamento, onde o despertar da ressurreição é mais claramente estabelecido (1Coríntios 15:51; 1Tessalonicenses 4:14; 5:10). [Fausset, aguardando revisão]

14 Com os reis e os conselheiros da terra, que edificavam para si os desertos;

Comentário de A. R. Fausset

Que construíram para si mesmos o que provou ser (não palácios, mas) ruínas! O espírito ferido de Jó, outrora um grande emir, doente das lutas vãs dos grandes mortais, depois da grandeza, contempla os palácios dos reis, agora desolados montes de ruínas. A respeito do repouso da morte, o fim mais desejável dos grandes da terra, cansados ​​de acumular tesouros perecíveis, marca a ironia que irrompe das negras nuvens de melancolia (Umbreit). O “para si” marca seu egoísmo. Michaelis explica isso fracamente de mausoléus, como são encontrados ainda, de proporções estupendas, nas ruínas de Petra de Idumea. [Fausset, aguardando revisão]

15 Ou com os príncipes que tinham ouro, que enchiam suas casas de prata.

Comentário de A. R. Fausset

que enchiam suas casas de prata – Alguns levam isso para se referir aos tesouros que os antigos usavam para enterrar com seus mortos. Mas veja Jó 3:26. [Fausset, aguardando revisão]

16 Ou por que não fui como um aborto oculto, como as crianças que nunca viram a luz?

Comentário de A. R. Fausset

aborto oculto – (Salmo 58:8); preferível à vida do avarento inquieto (Eclesiastes 6:3-5). [Fausset, aguardando revisão]

17 Ali os maus deixam de perturbar, e ali repousam os cansados de forças.

Comentário de A. B. Davidson

deixam de perturbar. Isso é, provavelmente, não por incomodar os outros, mas pela inquietação de seu próprio mal. Jó 3:17-19 contém as duas idéias principais, primeiro, que todos, maus e bons, grandes e pequenos, são os mesmos no lugar dos mortos; e segundo, que esta condição comum é de profundo descanso. Mesmo os ímpios não estão mais agitados pela turbulência de suas paixões. Comp. Isaías 57:20.

so cansados – literalmente, o cansado quanto à força, o exausto.  [Davidson, aguardando revisão]

18 Ali os prisioneiros juntamente repousam; e não ouvem a voz do opressor.

Comentário de A. B. Davidson

os prisioneiros juntamente repousam. Os “prisioneiros” não são os presos na prisão, mas os cativos levados a trabalhos forçados.

do opressor. O feitor, Êxodo 3:7. Os presos estão ali todos juntos, e não ouvem a voz, os gritos e as maldições do que dirige Jó 39:7).  [Davidson, aguardando revisão]

19 Ali estão o pequeno e o grande; e o servo livre está de seu senhor.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Lá, ou seja, no túmulo, todos desfrutam do descanso que não puderam encontrar aqui: os perturbadores e os perturbados. רגן corresponde à ideia radical de frouxidão, quebrada em pedaços, falta de contenção, portanto de Turba (comp. Isaías 57:20; Jeremias 6:7), contida etimologicamente em רשׁע. The Pilel שׁאנן vid., Ges. 55, 2) significa perfeita liberdade de cuidados. Em הוּא שׁם, הוּא é mais do que o sinal da cópula (Hirz., Hahn, Schlottm.); a tradução do lxx, Vulgata e Lutero., ibi sunt, é muito fraca. Como é dito de Deus, Isaías 41: 4 ; Isaías 43:13; Salmo 102:28, que Ele é הוּא, ou seja, Aquele que é sempre o mesmo, ὁ αὐτός; então aqui, הוּא, usado propositalmente em vez de המּה, significa que grandes e pequenos são como um ao outro na sepultura: toda distinção cessou, caiu para a igualdade de sua sorte atual. Corretamente Ewald: Grandes e pequenos são a mesma coisa. יחד, Jó 3:18, refere-se a este destino que os une. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Por que se dá luz ao sofredor, e vida aos amargos de alma,

Comentário de A. R. Fausset

Por que se dá luz – a saber, Deus; muitas vezes omitido reverencialmente (Jó 24:23; Eclesiastes 9:9). Luz, isto é, vida. A luz alegre mal se adapta aos enlutados. O túmulo é mais em uníssono com seus sentimentos. [Fausset, aguardando revisão]

21 Que esperam a morte, e ela não chega, e que a buscam mais que tesouros;

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) A parte descritiva. Jo 3:21-22, são continuados em orações predicativas, que são virtualmente orações relativas; Jó 3:21 tem o futuro. consec., uma vez que os sofredores são considerados agora pelo menos mortos; Jó 3:22 o simples fut., uma vez que seu desejo pela sepultura é colocado diante dos olhos (nessa transição da parte. para o verbo. fin., vid., Ges. 134, rem. (2). Schlottm. e Hahn traduz erroneamente: quem cavaria (em vez de cavar) mais para ele do que para um tesouro. אלי־גיל (com poético אלי em vez de אל) pode significar, acompanhado de regozijo, ou seja, o grito e o gesto de alegria. usque ad exultationem, é, no entanto, mais apropriado aqui, bem como em Oséias 9: 1. Com Jó 3:23, Jó se refere a si mesmo: ele é o homem cujo modo de sofrimento é misterioso e sem perspectiva, e a quem Deus escreveu em todos lados (um fig. como Jó 19:8; comp. Lamentações 3:5) סכך, sepire, acima, Jó 1:10, para cercar para proteção, aqui: forçosamente estreitar. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Que saltam de alegram e ficam contentes quando acham a sepultura?

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) A parte descritiva. Jo 3:21-22, são continuados em orações predicativas, que são virtualmente orações relativas; Jó 3:21 tem o futuro. consec., uma vez que os sofredores são considerados agora pelo menos mortos; Jó 3:22 o simples fut., uma vez que seu desejo pela sepultura é colocado diante dos olhos (nessa transição da parte. para o verbo. fin., vid., Ges. 134, rem. (2). Schlottm. e Hahn traduz erroneamente: quem cavaria (em vez de cavar) mais para ele do que para um tesouro. אלי־גיל (com poético אלי em vez de אל) pode significar, acompanhado de regozijo, ou seja, o grito e o gesto de alegria. usque ad exultationem, é, no entanto, mais apropriado aqui, bem como em Oséias 9: 1. Com Jó 3:23, Jó se refere a si mesmo: ele é o homem cujo modo de sofrimento é misterioso e sem perspectiva, e a quem Deus escreveu em todos lados (um fig. como Jó 19:8; comp. Lamentações 3:5) סכך, sepire, acima, Jó 1:10, para cercar para proteção, aqui: forçosamente estreitar. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E também ao homem cujo caminho é oculto, e a quem Deus o encobriu?

Comentário de A. R. Fausset

cujo caminho é oculto – A gravura de Jó é tirada de um errante que perdeu o seu caminho, e que está cercado, de modo a não ter saída de fuga (Oséias 2:6; Lm 3:7,9) . [Fausset, aguardando revisão]

24 Pois antes do meu pão vem meu suspiro; e meus gemidos correm como águas.

Comentário de A. R. Fausset

Pois antes do meu pão vem meu suspiro – isto é, impede que eu coma (Umbreit); ou, consciente de que o esforço para comer trouxe a doença, Jó deve suspirar antes de comer (Rosenmuller); ou, suspirando toma o lugar do bem (Salmo 42:3) (Good). Mas a primeira explicação concorda melhor com o texto. [Fausset, aguardando revisão]

25 Pois aquilo eu temia tanto veio a mim, e aquilo que tinha medo me aconteceu.

Comentário de A. R. Fausset

No começo de suas provações, quando ele ouviu falar da perda de uma bênção, ele temeu a perda de outra; e quando ele ouviu falar da perda daquilo, temeu a perda de um terceiro.

aquilo que tinha medo me aconteceu – a saber, a má opinião de seus amigos, como se ele fosse um hipócrita por causa de suas provações. [Fausset, aguardando revisão]

26 Não tenho tido descanso, nem tranquilidade, nem repouso; mas perturbação veio sobre mim.

Comentário de A. R. Fausset

Não tenho tido descansomas perturbação veio sobre mim – referindo-se não ao seu estado anterior, mas ao início de seus problemas. A partir desse momento não tive descanso, não houve intervalo de tristezas. “E” (não “ainda”) está chegando um novo problema, a saber, a suspeita dos meus amigos de eu ser um hipócrita. Isso dá o ponto de partida para toda a controvérsia que se segue. [Fausset, aguardando revisão]

<Jó 2 Jó 4>

Visão geral de Jó

“O livro de explora a difícil questão da relação de Deus com o sofrimento humano e nos convida a confiar na sabedoria e no caráter de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (12 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Jó.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.