Bíblia

Gênesis 3

A tentação de Eva

1 Porém a serpente era astuta, mais que todos os animais do campo que o SENHOR Deus havia feito. E ela disse à mulher: Deus vos disse: Não comais de toda árvore do jardim?

Porém a serpente era astuta, mais que todos os animais do campo. Assim como Satanás pode se transformar em um anjo de luz, também ele usou a sagacidade da serpente para enganar o homem.

E ela disse à mulher. Deus permitiu que Satanás fizesse da serpente seu instrumento e falasse através dela. [Genebra]

2 E a mulher respondeu à serpente: Do fruto das árvores do jardim podemos comer;

Em sua resposta, Eva exaltou a grande extensão de liberdade que desfrutavam ao ir à vontade entre todas as árvores – com uma exceção, em relação à qual, ela declarou não haver dúvida, nem da proibição, nem da pena. Mas há razão para pensar que ela já havia tido uma impressão nociva; pois ao usar as palavras “para que não morrais”, em vez de “certamente morrerás” (Gn 2:17), ela falou como se a árvore tivesse sido proibida por causa de alguma qualidade venenosa de seus frutos. O tentador, percebendo isso, tornou-se mais ousado em suas afirmações. [JFB]

3 mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus disse: Não comereis dele, nem o tocareis, para que não morrais.

do fruto da árvore…A mulher fala de uma só árvore, e essa está no meio do jardim. Ela não a menciona pelo nome. Em Gn 2:9, onde duas árvores são mencionadas, a que é descrita como “no meio do jardim” é a árvore da vida. Aqui a mulher fala da árvore, que está “no meio do jardim”, como a árvore do conhecimento.

nem o tocareis. Esta é uma adição à proibição contida em Gn 2:17, ou um elemento omitido no capítulo anterior, ou um exagero na forma de expressar da mulher. [Cambridge]

4 Então a serpente disse à mulher: Não morrereis;

Não morrereis. As palavras são muito enfáticas: “De maneira nenhuma morrereis”. A serpente contradiz diretamente a declaração da pena de morte e, assim, habilmente remove a causa do medo, antes de se ater às vantagens a serem obtidas por desafiar o decreto divino. [Cambridge]

5 Mas Deus sabe que no dia que comerdes dele, vossos olhos serão abertos, e sereis como deuses, sabendo o bem e o mal.

vossos olhos serão abertos. Suas palavras significaram mais do que Eva ouviu. Num certo sentido, os seus olhos foram abertos, porque a mulher adquiriu uma experiência terrível de “bem e mal” – da felicidade de um santo e da miséria de uma condição pecaminosa. Mas a serpente cuidadosamente escondeu esse resultado de Eva, que, movida por um grande desejo de conhecimento, pensou apenas em elevar-se à categoria e aos privilégios dos seus visitantes angélicos. [JFU]

A queda do homem

6 E a mulher viu que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos, e árvore desejável para se obter conhecimento. E ela tomou de seu fruto, e comeu; e deu também ao seu marido com ela, e ele comeu.

E a mulher viu que a árvore era boa para se comer. A sua imaginação e sentimentos foram totalmente conquistados; e a queda de Eva foi logo seguida pela de Adão. A história de toda tentação, e de todo pecado, é a mesma; o objeto externo da atração, a agitação interior da mente, o aumento e triunfo do desejo ardente; terminando na degradação, escravidão e ruína da alma (Tg 1:15; 1Jo 2:16). [JFB]

7 E foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus. Então coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.

e conheceram que estavam nus. Eles começaram a sentir a sua miséria, mas não procuraram a Deus por uma solução. [Genebra]

8 E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim à brisa do dia; e o homem e sua mulher esconderam-se da presença do SENHOR Deus entre as árvores do jardim.

E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim. O Ser divino apareceu da mesma maneira que antes – expressando os conhecidos sons de bondade, andando de alguma forma visível (não correndo apressadamente, como se estivesse impelido pela influência de sentimentos de raiva). Quão belamente expressivas são estas palavras da maneira familiar e condescendente com que até então mantinha relações com o primeiro casal.

esconderam-se da presença do SENHOR Deus entre as árvores do jardim. Vergonha, remorso, medo – um sentimento de culpa – sentimentos aos quais até então eram desconhecidos desordenaram suas mentes e os levaram a evitar Aquele cuja abordagem eles costumavam recepcionar (Sl 139:1-12). [JFB]

9 E o SENHOR Deus chamou ao homem, e lhe disse: “Onde estás?

O questionamento não foi feito por ignorância de seu esconderijo, porque “todas as coisas estão nuas e abertas aos olhos de Deus”. Mas é característica do estilo de comunhão simples e condescendente que o Criador estabeleceu com o primeiro casal, e a convocação à Sua presença foi preparatória para um processo formal de investigação sobre as razões do seu desaparecimento não habitual. [JFU]

Leia também um estudo sobre a onisciência de Deus.

10 E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim, e tive medo, porque estava nu; e me escondi”.

tive medo, porque estava nu. Aparentemente, uma confissão – a linguagem da tristeza; mas foi evasiva – sem sinais de verdadeira humildade e arrependimento – cada um tenta jogar a culpa sobre o outro. [JFB]

11 E disse-lhe: “Quem te ensinou que estavas nu? Comeste da árvore de que te mandei que não comesses?”

Quem te ensinou que estavas nu? A esta pergunta não se espera resposta. O conhecimento só poderia vir de uma forma. O sentimento de vergonha supõe contato com o pecado.

Comeste da árvore de que te mandei que não comesses? Uma oportunidade é dada para uma confissão completa de desobediência e para a expressão de arrependimento. [Cambridge]

12 E o homem respondeu: “A mulher que me deste por companheira me deu da árvore, e eu comi”.

O homem, incapaz de negar a acusação, procura justificar-se atribuindo a culpa principalmente à mulher, e secundariamente ao próprio Senhor, por ter dado a ele a mulher como sua companheira. A culpa faz do homem primeiro um covarde, e depois um desrespeitoso. [Cambridge]

13 Então o SENHOR Deus disse à mulher: “Por que fizeste isto?” E a mulher disse: “A serpente me enganou, e comi”.

enganou. Persuadida por mentiras agradáveis. Esse pecado do primeiro par era odioso e exacerbado – não era simplesmente comer um fruto, mas um amor a si próprio, uma desonra a Deus, uma ingratidão a um benfeitor, uma desobediência ao melhor dos Mestres – uma preferência da criatura ao Criador. [JFB]

A sentença de Deus

14 E o SENHOR Deus disse à serpente: “Porque fizeste isto, maldita serás entre todos os animais selvagens e entre todos os animais do campo; sobre teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida.

E o SENHOR Deus disse à serpente. O juiz pronuncia uma condenação: primeiro, sobre a serpente, que é amaldiçoada acima de todas as criaturas. De ser um modelo de graça e elegância, tornou-se o símbolo de tudo que é odioso, repugnante e inferior [Le Clerc, Rosenmuller]; ou a maldição converteu sua condição natural em castigo; agora é marcada pela infâmia e evitada pelo horror; depois, na serpente espiritual, o sedutor. Já caído, ele seria ainda mais humilhado e seu poder totalmente destruído pela descendência daqueles que ele havia enganado. [JFB]

15 E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre tua descendência e a descendência dela; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

E porei inimizade entre ti e a mulher. Só se pode dizer que Deus faz isso deixando “a serpente e sua semente à influência de sua própria corrupção; e por aquelas providências que, visando a salvação dos homens, enchem Satanás e seus anjos de inveja e raiva”.

tua descendência. Não apenas maus espíritos, mas também os homens maus.

descendência dela. O Messias, ou Sua Igreja [Calvino, Hengstenberg].

esta te ferirá a cabeça. O veneno da serpente está alojado em sua cabeça; e uma contusão nessa parte é fatal. Assim, fatal será o golpe que Satanás receberá de Cristo, embora seja provável que ele não tenha entendido a princípio a natureza e extensão de sua desgraça.

tu lhe ferirás o calcanhar. A serpente fere o calcanhar que o esmaga; e assim Satanás teria permissão para afligir a humanidade de Cristo e trazer sofrimento e perseguição ao Seu povo. [JFB]

16 E para a mulher disse: “Multiplicarei grandemente as tuas dores e teus sofrimentos de parto; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará”.

E para a mulher disse: “Multiplicarei grandemente as tuas dores. Ela estava condenada como esposa e mãe a sofrer a dor de corpo e aflição da alma. Por ser a ajudadora do homem e a parceira de seus afetos (Gn 2:18,23), sua condição passaria a ser a de humilde sujeição. [JFB]

17 E ao homem disse: “Porque deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te mandei dizendo, ‘Não comerás dela’, maldita será a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida;

E ao homem (ou Adão em algumas traduções) disse – O termo Adão é usado aqui como um nome próprio pela primeira vez. Wilhelm Gesenius é da opinião de que, tendo quase sempre o prefixo do artigo, deve ser considerado como um apelativo, e equivalente a ‘raça humana’; mas há exceções (Jó 28:28; 31:33); e enquanto, como nós observamos anteriormente, todo o teor da narrativa em Gênesis 2:1-25 aponta para um homem individual, nós o encontramos neste versículo abordado pessoalmente pelo seu próprio nome “Adão”.

maldita será a terra por causa de ti – No rico e alegre jardim do Éden, o solo vigoroso e prolífico produzia um produto espontâneo, e a atividade do homem estava confinada ao trabalho fácil e agradável de verificar ou regular o crescimento exuberante da vegetação. Este estado, porque qualquer coisa que nos seja dito em contrário, teria sido perpetuado, mas pela desobediência do homem rebelde, que, com a solene advertência das consequências penais ainda acoando em seus ouvidos, transgrediu e com a perda de sua inocência perdeu o lugar feliz de sua primeira morada. A terrível maldição de um Deus ofendido não caiu, no entanto, sobre o próprio Adão, como aconteceu com a serpente, mas sobre a terra “por causa” dele; de modo que, como foi curiosamente, mas justamente observado, ele foi amaldiçoado apenas “em segunda mão” (como havia bênçãos em reserva para ele); e ele encontrou a realização imediata da maldição no caráter mudado do solo no qual ele tinha que trabalhar; porque daí em diante com dificuldade daria seus frutos, a menos que trabalhando com empenho pelo esforço da raça caída. [JFU]

18 Espinhos e cardos te produzirá, e comerás erva do campo.

Espinhos e cardos. Esses não são o resultado natural da terra, mas procedem da corrupção do pecado. [Genebra]

19 No suor do teu rosto comerás o pão até que voltes à terra, porque dela foste tomado; porque pó és, e ao pó voltarás”.

até que voltes à terra. O homem se tornou mortal; embora ele não tenha morrido no momento em que comeu o fruto proibido, seu corpo sofreu uma mudança, e isso levaria à dissolução; a união subsistindo entre sua alma e Deus já tendo sido dissolvido, ele se tornou responsável por todas as misérias desta vida e pelas dores do inferno para sempre. Que capítulo triste esta na história do homem! Ele dá o único relato verdadeiro da origem de todos os males físicos e morais que existem no mundo; sustenta o caráter moral de Deus; mostra que o homem, feito reto, caiu de não ser capaz de resistir a uma leve tentação; e tornando-se culpado e miserável, mergulhou toda a sua posteridade no mesmo abismo (Rm 5:12). Quão surpreendente a graça que naquele momento deu a promessa de um Salvador e conferiu àquele que teve a vergonha de introduzir o pecado a honra futura de introduzir esse Libertador (1Tm 2:15). [JFB]

20 E chamou o homem o nome de sua mulher, Eva; porquanto ela era mãe de todos o viventes.

E chamou o homem o nome de sua mulher, Eva. Provavelmente em referência a ela ser mãe do Salvador prometido, assim como de toda a humanidade. [JFB]

21 E o SENHOR Deus fez ao homem e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu.

túnicas de peles. Isso pressupõe a instituição do sacrifício animal, que era sem dúvida uma designação divina, e a instrução no único modo aceitável de adoração para as criaturas pecadoras, através da fé num Redentor (Hb 9:22). [JFB]

22 E disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de Nos sabendo o bem e o mal; agora, pois, para que não estenda sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma, e viva para sempre:

E disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de Nós. Não falado em ironia como geralmente se supõe, mas em profunda compaixão.

agora, pois, para que não estenda sua mão, e tome também da árvore da vida. Sendo essa árvore um penhor da vida imortal com a qual a obediência deve ser recompensada, o homem perdido, em sua queda, reivindica o direito a essa árvore; e, portanto, para não comer dela ou iludir-se com a ideia de que comer dela iria restaurar o que havia perdido, o Senhor o enviou para fora do jardim. [JFB]

23 E tirou-o o SENHOR do jardim de Éden, para que lavrasse a terra de que foi tomado.

O homem é expulso do jardim com o dever imposto a ele de cultivar o solo. A agricultura é considerada aqui como a mais antiga atividade produtiva humana. [Cambridge]

24 Lançou, pois, fora ao homem, e pôs ao oriente do jardim de Éden querubins, e uma espada acesa que se revolvia a todos os lados, para guardar o caminho da árvore da vida.

querubins. A passagem deve ser traduzida assim: “E ele habitou entre os querubins no leste do Jardim do Éden e um fogo abrasador, ou Shekinah, que se estendia para preservar o caminho da árvore da vida”. Esse era o modo de adoração agora estabelecido para mostrar a ira de Deus pelo pecado e ensinar a mediação de um Salvador prometido como caminho de vida, bem como o acesso a Deus. Eram as mesmas figuras que estavam depois no tabernáculo e no templo; e então, como antes, Deus disse: “Eu falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins” (Êx 25:22). [JFB]

<Gênesis 2 Gênesis 4>

Introdução à Gênesis 3

Gênesis 3 descreve como “por um só homem o pecado entrou no mundo e a morte pelo pecado” (Rm 5:12). Ainda que não haja aqui nenhuma tentativa ambiciosa de procurar a origem do mal no universo, o relato bíblico da Queda atravessa a profundidade do coração humano, e traz à tona a gênese do pecado no homem.

Leia também uma introdução ao livro do Gênesis.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible e Dummelow’s Commentary on the Holy Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.