Gênesis 3:15

E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre tua descendência e a descendência dela; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.

Comentário de Robert Jamieson

E porei inimizade entre ti e a mulher. Só se pode dizer que Deus faz isso deixando “a serpente e sua semente à influência de sua própria corrupção; e por aquelas providências que, visando a salvação dos homens, enchem Satanás e seus anjos de inveja e raiva”.

tua descendência. Não apenas maus espíritos, mas também os homens maus.

descendência dela. O Messias, ou Sua Igreja [Calvino, Hengstenberg].

esta te ferirá a cabeça. O veneno da serpente está alojado em sua cabeça; e uma contusão nessa parte é fatal. Assim, fatal será o golpe que Satanás receberá de Cristo, embora seja provável que ele não tenha entendido a princípio a natureza e extensão de sua desgraça.

tu lhe ferirás o calcanhar. A serpente fere o calcanhar que o esmaga; e assim Satanás teria permissão para afligir a humanidade de Cristo e trazer sofrimento e perseguição ao Seu povo. [JFB]

Comentário de Carl F. Keil

Deus estabeleceu inimizade perpétua, não apenas entre a serpente e a mulher, mas também entre a semente da serpente e a da mulher, ou seja, entre a raça humana e a serpente. A semente da mulher esmagaria a cabeça da serpente, e a serpente esmagaria o calcanhar da semente da mulher. O significado, terere, conterere, é completamente estabelecido pelas autoridades caldeias, siríacas e rabínicas, e, portanto, o retivemos, em harmonia com a palavra συντρίβειν em Romanos 16:20, e porque concorda melhor e mais facilmente com todas as outras passagens em que a palavra ocorre, além da tradução inhiare, considerar com inimizade, que é obtida da combinação de שׁוּף com שָׁאַף. O verbo é construído com um acusativo duplo, o segundo dando maior precisão ao primeiro (vid, Ges. §139, nota, e Ewald, §281). A mesma palavra é usada em relação à cabeça e ao calcanhar, para mostrar que em ambos os lados a intenção é destruir o oponente; ao mesmo tempo, as expressões cabeça e calcanhar denotam majus e minus, ou, como diz Calvino, superius et inferius. Este contraste surge da natureza dos inimigos. A serpente só pode agarrar o calcanhar do homem que anda ereto; ao passo que o homem pode esmagar a cabeça da serpente, que rasteja no pó. Mas essa diferença é ela mesma o resultado da maldição pronunciada sobre a serpente, e seu rastejar no pó é um sinal de que ela será derrotada em seu conflito com o homem. Por mais perniciosa que seja a picada de uma serpente no calcanhar quando o veneno circula pelo corpo (Gênesis 49:17), não é imediatamente fatal e totalmente incurável, como a maldição da cabeça de uma serpente.

Mas mesmo nesta frase há uma alusão inequívoca ao mal e ao hostil que se esconde atrás da serpente. Que a raça humana deveria triunfar sobre a serpente, era uma consequência necessária da sujeição original dos animais ao homem. Quando, portanto, Deus não apenas confina a serpente dentro dos limites atribuídos aos animais, mas coloca inimizade entre ela e a mulher, isto em si aponta para um poder espiritual superior, que pode se opor e atacar a raça humana através da serpente, mas que eventualmente será superado. Observe também que, embora na primeira cláusula a semente da serpente seja oposta à semente da mulher, na segunda não é sobre a semente da serpente, mas sobre a própria serpente que se diz que a vitória é obtida. Ela, isto é, a semente da mulher esmagará sua cabeça, e você (não sua semente) esmagará seu calcanhar. Assim, a semente da serpente está escondida atrás da unidade da serpente, ou melhor, do inimigo que, através da serpente, fez tal ferimento ao homem. Este inimigo é Satanás, que se opõe incessantemente à semente da mulher e machuca seu calcanhar, mas acaba sendo pisado sob seus pés. No entanto, não decorre disso, além de outras considerações, que pela semente da mulher devemos entender uma pessoa solitária, um único indivíduo. Como a mulher é a mãe de todos os vivos (Gênesis 3:20), sua semente, à qual a vitória sobre a serpente e sua semente é prometida, deve ser a raça humana. Mas se uma referência direta e exclusiva a Cristo parece ser exegeticamente insustentável, a alusão na palavra a Cristo não está de forma alguma excluída em conseqüência. Em si mesma a idéia de זֶרַע, a semente, é indefinida, já que a posteridade de um homem pode consistir de uma tribo inteira ou de um filho apenas (Gênesis 4:25; Gênesis 21:12-13), e por outro lado, uma tribo inteira pode ser reduzida a um único descendente e se extinguir nele. A pergunta, portanto, quem deve ser compreendido pela “semente” que é esmagar a cabeça da serpente, só pode ser respondida a partir da história da raça humana. Mas um ponto de muito maior importância vem aqui em consideração. Contra a serpente natural o conflito pode ser levado adiante por toda a raça humana, por todos os que nascem de uma mulher, mas não contra Satanás. Como ele é uma frente que só pode ser enfrentada com armas espirituais, ninguém pode enfrentá-lo com sucesso, a não ser aqueles que possuem e fazem uso de armas espirituais. Assim, a idéia da “semente” é modificada pela natureza do inimigo. Se olharmos para o desenvolvimento natural da raça humana, Eva teve três filhos, mas apenas um deles, em outras palavras, Sete, foi realmente a semente pela qual a família humana foi preservada através do dilúvio e perpetuada em Noé: assim, novamente, dos três filhos de Noé, Sem, o abençoado de Jeová, de quem Abraão descendeu, foi o único em cuja semente todas as nações deveriam ser abençoadas, e isso não através de Ismael, mas somente através de Isaque. Através destes atos de seleção divina constantemente repetidos, que não foram exclusões arbitrárias, mas se tornaram necessários pelas diferenças na condição espiritual dos indivíduos envolvidos, a “semente”, à qual foi prometida a vitória sobre Satanás, foi determinada espiritual ou eticamente, e deixou de ser co-extensiva com a descendência física. Essa semente espiritual culminou em Cristo, em quem a família Adâmica terminou, para depois ser renovada por Cristo como o segundo Adão, e restaurada por Ele a sua exaltação original e semelhança com Deus. Neste sentido Cristo é a semente da mulher, que pisoteia Satanás sob Seus pés, não como um indivíduo, mas como a cabeça tanto da posteridade da mulher que manteve a promessa e manteve o conflito com a antiga serpente antes de Seu advento, como também de todos aqueles que estão reunidos de todas as nações, estão unidos a Ele pela fé, e formados em um corpo do qual Ele é a cabeça (Romanos 16:20). Por outro lado, todos aqueles que não consideraram e preservaram a promessa, caíram no poder da velha serpente, e devem ser considerados como a semente da serpente, cuja cabeça será pisada (Mateus 23:33; João 8:44; 1João 3:8). Se então a promessa culmina em Cristo, o fato de que a vitória sobre a serpente é prometida à posteridade da mulher, não do homem, adquire este significado mais profundo, que como foi através da mulher que a astúcia do diabo trouxe o pecado e a morte ao mundo, é também através da mulher que a graça de Deus dará à raça humana caída o conquistador do pecado, da morte, e do diabo. E mesmo que as palavras se referissem antes de tudo ao fato de a mulher ter sido desviada pela serpente, no entanto, no fato de o destruidor da serpente ter nascido de uma mulher (sem um pai humano) elas foram cumpridas de uma forma que mostrou que a promessa deve ter procedido daquele Ser, que garantiu seu cumprimento não apenas em sua força essencial, mas até mesmo em sua forma aparentemente casual. [Keil, 1861-2]

< Gênesis 3:14 Gênesis 3:16 >

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – janeiro de 2021.