João 8

A mulher apanhada em adultério

1 Porém Jesus foi para o monte das Oliveiras.

Comentário de David Brown

Isso deveria ter formado o último verso do capítulo anterior. “O retorno do povo ao silêncio inerte e à segurança de suas habitações (Jo 7:53), no final da festa, é projetado em contraste com o modo como o Senhor nos desabrigou, por assim dizer, de passar a noite curta, quem está de manhã cedo na cena novamente. Não se pode ver bem por que o que está registrado em Lucas 21:37-38 pode nem mesmo ter acontecido tão cedo; pode ter sido o costume comum do Senhor, desde o início, deixar a brilhante miséria da cidade todas as noites, para que Ele pudesse compor Seu doloroso e intercessor coração e reunir Suas energias para novos trabalhos de amor; preferindo seu lugar de descanso Betânia e o Monte das Oliveiras, a cena assim consagrada por muitas orações preparatórias para Sua humilhação e exaltação final ”(Stier). [JFB, aguardando revisão]

2 E pela manhã cedo voltou ao Templo, e todo o povo veio a ele; e sentando-se, ensinava-os.

Comentário de Thomas Croskery

E pela manhã cedo. A palavra ὄρθρου não ocorre em João; πρωί e πρωία são as palavras de nosso evangelista para “manhã cedo”, embora ὑπὸ τὸν ὄρθρον seja encontrada em Lucas 24:1 e Atos 5:21.

voltou ao Templo (os pátios do templo – ἱερόν, não ναός, é usado aqui) , e todo o povo veio a ele. A forma πᾶς ὁ λαός é um desvio da frase usual de João, embora λαός seja encontrado em João 11:50 e João 18:14. Há algum fundamento para o desvio. As cenas do dia anterior foram divididas em vários grupos. A multidão favorável das províncias simpatizava com uma parte da população de Jerusalém; então, a multidão hostil às ordens das autoridades foi detida pelos “oficiais” que ficaram perplexos e chocados com a dignidade e as reivindicações de Jesus. Grande excitação havia prevalecido, e antes que as cenas tempestuosas e recriminações do dia anterior recomeçassem, toda a multidão do templo veio até ele. Se o oitavo dia da festa foi referido – ou seja, se o grande dia da festa foi o oitavo dia – a dificuldade de todo o povo se reunir em torno dele é diminuída, porque houve reuniões especiais para o oitavo dia (ver notas, João 7:37). Poderia ter parecido que eles haviam composto suas diferenças, e agora esperavam algum sintoma e sinal da vontade do grande Líder.

e sentando-se, ensinava-os. Esta expressão é mais sinótica do que joanina; isto é, pertence aos métodos do ministério galileu (Mateus 5:1; Marcos 9:35) e não aos encontros hostis da metrópole (mas veja Mateus 23:2). Ele estava preparado para longos discursos e várias instruções. Aqui, como em João 7:14, a palavra ἐδίδασκε é usada sem especificar o tópico ou tema sobre o qual ele se deteve. A manhã calma logo se escureceu, e o povo se agitou violentamente, por uma perturbação muito sinistra, planejada com sutil cuidado e intenção maliciosa por parte das autoridades, que estavam prontas a todo custo e por qualquer artifício para quebrar o encanto que Jesus estava exercendo sobre algumas pessoas. [Croskery, aguardando revisão]

3 E trouxeram-lhe os escribas e fariseus uma mulher tomada em adultério;

Comentário de David Brown

escribas e fariseus – frustrados em sua tentativa do dia anterior, e esperando ter sucesso nisso. [JFB]

4 E pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi tomada no momento em que estava adulterando.

Comentário de David Brown

em adultério… Moisés… ordenou… deveria ser apedrejado – simplesmente morto (Deuteronômio 22:22), mas em casos agravados, pelo menos em épocas posteriores, isso era provavelmente por apedrejamento (Ezequiel 16:40).

mas o que tu dizes – esperando, seja o que for que Ele possa responder, para colocá-lo no erro: – se Ele disse, apedrejá-la, isso pareceria um degrau fora de Sua província; se Ele o proibisse, isso o manteria como um relaxador da moral pública. Mas esses hipócritas astutos eram superados. [JFB, aguardando revisão]

5 E na Lei nos mandou Moisés, que as tais sejam apedrejadas; tu pois que dizes?

Comentário de H. W. Watkins

E na Lei nos mandou Moisés, que as tais sejam apedrejadas. Se interpretarmos as palavras estritamente, o caso que eles contemplam não é o referido em Levítico 20:10, e citado aqui na margem, mas o de Deuteronomio 22:23-24, que foi o único caso para o qual o apedrejamento foi especificado como uma punição. Seria um caso de ocorrência rara, e talvez por isso mesmo, um caso em que as opiniões dos rabinos posteriores se dividiram. O estrangulamento era considerado a punição pretendida quando nenhuma outra era especificada; e na distinção talmúdica em casos desse tipo, apedrejamento e estrangulamento são nomeados como as respectivas punições:—“Filia Israelitæ, si adultera cum nupta, strangulanda; cum desponsata tantum, lapidanda. Filia Sacerdotis. si adultera cum nupta, lapidanda; cum desponsata tantum, comburenda (Sanhedrin, fol. 51, 2).

tu pois que dizes? A questão é, como aquela sobre o dinheiro do tributo (Mateus 22:17), uma armadilha na qual eles esperam levar a Ele qualquer resposta que Ele dê. Se Ele responder que ela deve ser apedrejada, isso excitaria a oposição da multidão, pois um estado negligente de moralidade praticamente tornou as leis contra a falta de castidade uma letra morta. A imoralidade de Roma havia se espalhado pelas províncias do império e, embora os judeus estivessem menos infectados por ela do que outros, a corte de Herodes havia introduzido suas piores formas, e o próprio Cristo fala delas como “uma geração má e adúltera”. (Mateus 12:39. Comp. Tiago 4:4). Pronunciar-se a favor de uma lei severa contra as formas comuns de pecado teria sido minar o apoio popular, e é apenas isso que os governantes tinham que temer. Declarar a pena capital, além disso, o teria levado a colidir com o governo romano, que reservava para si o poder da vida e da morte. (Comp. João 18:31; João 19:7.) Se Ele tivesse proferido uma palavra em derrogação da majestade do império romano, a acusação de traição – caso em que ser acusado era praticamente condenado – teria imediatamente foi trazido contra Ele. (Comp. Notas sobre João 19:12; João 19:15.) É claramente a visão mais severa que a forma da pergunta pretende apresentar. “Moisés disse, em palavras expressas, . . .; o que dizes? Você certamente não será diferente de Moisés?” Mas se Ele tivesse uma visão mais branda, então isso, como a questão do sábado, teria sido uma acusação de quebrar a Lei. Ele teria sido levado perante o Sinédrio como um falso Messias, pois o verdadeiro Messias deveria estabelecer a Lei. [Watkins, aguardando revisão]

6 E isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas inclinando-se Jesus, escrevia com o dedo na terra.

Comentário de David Brown

inclinando-se – Será observado Ele estava sentado quando eles vieram até Ele.

escrevia com o dedo na terra – Ele queria mostrar-lhes sua aversão por entrar no assunto. Mas como isso não lhes convinha, eles “continuam perguntando-Lhe”, pressionando por uma resposta. Por fim, levantando-se, Ele disse. [JFB]

7 E enquanto continuavam lhe perguntando, ele se endireitou, e disse-lhes: Aquele de vós que está sem pecado, seja o primeiro que atire pedra contra ela.

Comentário de David Brown

Aquele de vós que está sem pecado – não significa totalmente sem pecado; nem ainda, sem culpa de uma violação literal do Sétimo Mandamento; mas provavelmente, aquele cuja consciência o absolve de tal pecado.

seja o primeiro que atire pedra contra ela – (Deuteronômio 17:7). [JFB]

8 E voltando a se inclinar, escrevia na terra.

Comentário de David Brown

O propósito deste segundo inclinar-se e escrever no chão era evidentemente dar a seus acusadores a oportunidade de se afastar sem ser observado por Ele, e assim evitar uma exposição ao Seu olhar. [JFB]

9 Porém ouvindo eles isto , e acusados pela própria consciência, saíram um a um, começando dos mais velhos até os últimos; e Jesus ficou só, e a mulher, que estava no meio.

Comentário de David Brown

eles … condenados … saíram um a um … Jesus foi deixado sozinho – isto é, sem um de seus acusadores restantes; pois é adicionado.

a mulher, que estava no meio – isto é, do público restante. Enquanto a armadilha não conseguiu pegá-lo para quem foi colocado, pegou aqueles que o colocaram. Atordoados com o imprevisto inesperado, eles imediatamente fugiram – o que torna a impudência daqueles hipócritas impuros em arrastar um caso como esse para os olhos do público, o mais nojento. [JFB, aguardando revisão]

10 E endireitando-se Jesus, e não vendo a ninguém além da mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

Comentário de David Brown

Mulher… – Que inimitável ternura e graça! Consciente de sua própria culpa, e até agora nas mãos de homens que haviam falado em apedrejá-la, imaginando a habilidade com que seus acusadores tinham sido dispersos, e a graça das poucas palavras dirigidas a ela mesma, ela estaria disposta a ouvir , com uma reverência e docilidade diante do desconhecido, para a admoestação do nosso Senhor. “E Jesus disse-lhe: Nem eu também te condeno, vai e não peques mais”. Ele não faz perdão à mulher (por exemplo, “os teus pecados te são perdoados” [compare com Lucas 5:28; Lucas 7:48]. – “Vá em paz” [compare Marcos 5:34; Lucas 7:50; Lucas 8:48]), muito menos Ele diz que ela não fez nada condenável; Ele simplesmente deixa o assunto onde estava. Ele não se intromete no escritório do magistrado, nem age o juiz em qualquer sentido (Jo 12:47). Mas, ao dizer: “Vá e não peques mais”, o que antes havia sido dito para alguém que, sem dúvida, acreditava (Jo 5:14), mais provavelmente está implícito do que expresso. Se levada repentinamente à convicção do pecado, admiração de seu Libertador, e uma disposição de ser admoestado e guiado por Ele, esse chamado para começar uma nova vida pode ter levado consigo o que asseguraria e naturalmente traria uma mudança permanente. (Toda essa narrativa está faltando em alguns dos manuscritos mais antigos e mais valiosos, e aqueles que a possuem variam até certo ponto. A evidência interna em seu favor é quase esmagadora. É fácil explicar sua omissão, embora genuína; não é assim, é quase impossível contabilizar sua inserção). [JFB, aguardando revisão]

11 E disse ela: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai, e não peques mais.

Comentário de David Brown

Que ternura e graça inimitável! Consciente de sua própria culpa, e até agora nas mãos de homens que falaram em apedrejá-la, admirando-se com a habilidade com que seus acusadores foram dispersos e a graça das poucas palavras dirigidas a si mesma, ela estaria disposta a ouvir, com uma reverência e capacidade de ensino antes desconhecidas, para a admoestação de nosso Senhor. “E Jesus lhe disse: Nem eu te condeno, vai e não peques mais”. Ele não pronuncia perdão sobre a mulher como “os teus pecados te são perdoados”; “Vá em paz” – muito menos Ele diz que ela não fez nada condenável; Ele simplesmente deixa o assunto onde estava. Ele não se intromete com o cargo de magistrado, nem atua como Juiz em qualquer sentido (João 12:47). Mas ao dizer “Vá e não peques mais”, que já havia sido dito a alguém que sem dúvida acreditava (João 5:14), mais provavelmente está implícito do que expresso. Se levado de repente à convicção do pecado, à admiração de seu Libertador e à disposição de ser admoestado e guiado por Ele, esse chamado para começar uma nova vida pode ter trazido consigo o que garantiria e naturalmente traria uma mudança permanente. [Brown, aguardando revisão]

12 Falou-lhes pois Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me seguir não andará em trevas, mas terá luz de vida.

Comentário de David Brown

Eu sou a luz do mundo – Como as primeiras referências à água (Jo 4:13-14, Jo 7:37-39) e ao pão (Jo 6:35) foram ocasionadas por ocorrências externas, então esta acender. No “tesouro” onde foi falado (ver em Jo 8:20) estavam dois colossais candelabros de ouro, nos quais pendiam uma multidão de lâmpadas, acesas após o sacrifício vespertino (provavelmente todas as noites durante a festa dos tabernáculos), difundindo seu brilho, diz-se, sobre toda a cidade. Ao redor deles, as pessoas dançavam com grande alegria. Agora, em meio às festividades da água de Siloé, Jesus clamava, dizendo: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”, e agora, no meio do brilho e alegria desta iluminação, Ele proclama: “EU SOU LUZ DO MUNDO ”- claramente no mais absoluto sentido. Pois, embora dê aos discípulos o mesmo título, eles são apenas “luz no Senhor” (Efésios 5:8); e embora Ele chame o Batista de “a luz ardente e resplandecente” (ou “lâmpada” de seu dia, Jo 5:35), ainda “ele não era aquela Luz, mas foi enviado para dar testemunho daquela Luz: essa foi a VERDADEIRA LUZ que, vindo ao mundo, ilumina a todo homem ”(Jo 1:8-9). Sob este título magnífico, o Messias foi prometido de antigamente (Isaías 42:6; Malaquias 4:2, etc.).

aquele que me segue, como se faz uma luz diante dele, e como os israelitas fizeram a coluna de nuvem luminosa no deserto.

mas terá luz de vida – a luz, como de um novo mundo, uma vida espiritual e eterna recém-despertada. [JFB, aguardando revisão]

13 Disseram-lhe pois os Fariseus: Tu testemunhas de ti mesmo; teu testemunho não é verdadeiro.

Comentário de David Brown

Tu testemunhas de ti mesmo; teu testemunho não é verdadeiro – como ele encontra esse cavil especioso? Não contestando a máxima humana que “auto-elogio não é louvor”, mas afirmando que Ele era uma exceção à regra, ou melhor, que não tinha aplicação para ele. [JFB, aguardando revisão]

14 Respondeu Jesus, e disse-lhes: Ainda que eu testemunho de mim mesmo, meu testemunho é verdadeiro; porque sei de onde vim, e para onde vou; porém vós não sabeis, de onde venho, nem para onde vou.

Comentário de H. W. Watkins

Ainda que eu testemunho de mim mesmo, meu testemunho é verdadeiro. Para “registro” leia em cada instância testemunha, como em João 8:13. O pronome é enfático. “Ainda que eu dê testemunho de mim mesmo, o meu testemunho é verdadeiro”. :17-18), mas Ele afirma primeiro que na realidade a lei não pode se aplicar a Ele. Eles reivindicam uma prova humana daquilo que transcende o conhecimento humano. Eles reivindicam a evidência de um testemunho, de uma verdade para a qual não poderia haver uma testemunha humana.

porque sei de onde vim, e para onde vou. A exigência de duas testemunhas baseava-se na imperfeição do conhecimento individual e na falta de confiabilidade da veracidade individual. Sua evidência, como a de Alguém que conhecia todas as circunstâncias afetando aquilo de que testificou, era válida, pois a perfeição de Seu conhecimento implicava que Ele era divino. Ele e somente Ele, de todos os que apareceram em forma humana, conhecia a origem e o resultado de Sua vida; Ele e Ele só conheciam a casa do Pai de onde Ele veio, e para onde Ele estava prestes a retornar. Para as mesmas palavras, “eu vou”, ou, eu vou embora, conforme aplicado à Sua morte voluntária, comp. João 7:33.

porém vós não sabeis, de onde venho, nem para onde vou. A palavra grega para “não posso dizer” é a mesma que para “saber” na cláusula anterior. Para “e” a maioria dos melhores manuscritos lidos ou. Fazendo essas correções temos, Mas vocês não sabem de onde venho, ou para onde vou. A mudança de tempo deve ser notada. Falando de Seu próprio conhecimento, Ele se refere à Encarnação no passado histórico: “Eu vim”. Falando de sua contínua ignorância, Ele se refere à vinda como continuando no presente. Cada ato e palavra renovada era uma vinda de Deus para eles. (Veja João 3:31.) Ele sabia, na plenitude do conhecimento, de onde vinha o passado e para onde iria o futuro. Eles não conheciam nem um nem outro. Eles nem mesmo conhecem Sua missão atual. Mais uma vez Seu ensino atual retoma palavras proferidas antes. Eles haviam dito: “Quando o Cristo vier, ninguém sabe de onde Ele é” (João 7:27). Ele, então, cumpriu o teste deles. Ele havia dito: “Vocês dois me conhecem e sabem de onde sou” (João 7:28); mas esse conhecimento era apenas da vida terrena, e agora Ele lhes fala do céu. [Watkins, aguardando revisão]

15 Vós julgais segundo a carne, eu não julgo a ninguém.

Comentário de Thomas Croskery

Vós julgais – ou seja, você me condena, você repudia minha afirmação de ser a “Água Viva” e a “Luz do mundo” – segundo a carne (κατὰ τὴν σάρκα), de acordo com a aparência externa; você olha para a minha mera humanidade. Nosso Senhor não os acusou dos julgamentos carnais, cegos e injustos de homens não regenerados. O artigo τὴν, e não a conhecida fórmula κατὰ σάρκα, impede tal interpretação. Ele sim raciocina e implora com eles. Ele sugere que eles poderiam, se quisessem, olhar abaixo da superfície de sua carne. Tim evangelista, que relata a substância desta discussão, escreveu. “O Verbo se fez carne”. Portanto, se o Verbo encarnado sempre tivesse sido julgado “segundo a carne”, nunca teríamos visto sua glória, nem reconhecido a parte mais nobre de sua Personalidade.

eu não julgo a ninguém. Numerosos esforços foram feitos para encontrar a modificação subjacente desta afirmação. Agostinho, Crisóstomo, Cirilo e muitos modernos acrescentam, “segundo a carne”, ou “como você faz” (este último é a sugestão de Lucke, que, como diz Meyer, dá no mesmo), ou “agora”, apontando para a assunção real de seus poderes judiciários na consumação de todas as coisas, e contrastando seu ministério terreno de misericórdia com a majestade final de seu trono de julgamento (Westcott). Storr, Moulton, Godet. sugiro “eu por mim mesmo” – eu sozinho, independentemente do Pai, não julgo homem algum. Meyer rejeita todas essas tentativas de acrescentar algo ao texto e sustenta que nosso Senhor está reivindicando a posição elevada de Salvador em vez de Juiz. Ele veio com isso como seu principal objetivo, propósito, intenção; curar, não ferir; salvar, não destruir; dar tempo ao arrependimento, não apressar os pecadores à sua condenação; iluminar, não cobrir de escuridão. No entanto, mesmo Meyer admite uma exceção prática de grande importância a ser envolvida na próxima cláusula, que não difere da interpretação de Westcott. [Croskery, aguardando revisão]

16 E se eu também julgo, meu juízo é verdadeiro; porque não sou eu só, mas eu, e o Pai que me enviou.

Comentário de David Brown

E se eu também julgo, meu juízo é verdadeiro… – Vocês não apenas formam seus julgamentos carnais e distorcidos de Mim, mas estão empenhados em levá-los a efeito; Eu, embora eu forme e pronuncio Meu julgamento sobre você, não estou aqui para levar isto a execução – isto é reservado para um dia futuro; todavia, o juízo que agora pronuncio e o testemunho que agora presto, não são só meus como suplicas, mas também dele que me enviou. (Veja em Jo 5:31-32). E estas são as duas testemunhas de qualquer fato que sua lei exige. [JFB, aguardando revisão]

17 E também em vossa Lei está escrito que o testemunho de duas pessoas é verdadeiro.

Comentário de Thomas Croskery

Tendo estabelecido o princípio pelo qual ele estava justificado em manter a veracidade da suposição que os fariseus impugnavam, ele passou a reivindicar, para esses legalistas judeus, sua concordância com a própria letra da Lei. Ele adotou aqui a base idêntica que foi tomada por ele quando, antes de tudo, reivindicou essa comunhão com o Pai.

E também em vossa Lei está escrito que o testemunho de duas pessoas é verdadeiro. Muitos disseram que aqui Jesus se coloca de lado como em hostilidade à Lei; Baur e alguns outros alegam, desde a própria frase “sua Lei”, que Jesus não poderia ter usado tal expressão, e que João não poderia tê-la registrado; e Reuss insiste que esta expressão concorda com o “ponto de vista do evangelho, que visa rebaixar a antiga dispensação”. Nada poderia estar menos em harmonia com os fatos. Até Meyer diz: “As palavras são antijudaistas… embora não antinomianas”. Certamente nosso Senhor estava simplesmente apelando para que seus amargos inimigos reconhecessem a aplicação do princípio encontrado em sua própria Lei, da qual eles continuamente se vangloriavam. Ele simplesmente vai ao terreno comum do argumento e está pronto para mostrar que mesmo a letra da Lei sustenta sua afirmação pela razão suficiente de que ele não está sozinho, mas o Pai está manifestamente com ele. Assim como ele nunca disse “Pai nosso” ao se dirigir a seus discípulos, mas “meu Pai” ou “vosso Pai” (João 20:17), porque Deus não é o Pai dos homens no sentido pleno em que foi Pai para o Filho unigênito; então ele não poderia dizer “nossa Lei” ou “Moisés nos deu a Lei” sem derrogar a relação única que ele mantinha com a Lei (compare a linguagem de Paulo, Romanos 2:17, 21, 23). A citação de De não é verbalmente exata; até leva a declaração das Escrituras a uma generalização mais ampla, e é formulada de tal forma que se aplica ao caso em questão, levando a posição a uma consequência legítima – “o testemunho de dois homens é verdadeiro”. Ao usar a palavra “homens”, Cristo sugere o contraste entre dois homens de um lado e o Deus-Homem e o Pai do outro. Lightfoot (‘Horae Hebraicae’) cita ‘Rosh-Shanah’, 1:2, 3, “que duas pessoas bem conhecidas devem testemunhar à suprema corte que viram a lua nova! que eles eram testemunhas credíveis”. Sobre esses princípios comuns de jurisprudência, o Senhor estava disposto, de maneira puramente judaica, a fundamentar sua reivindicação. [Croskery, aguardando revisão]

18 Eu sou o que testemunho de mim mesmo; e também de mim testemunha o Pai, que me enviou.

Comentário de Thomas Croskery

Eu sou o que testemunho de mim mesmo – eu disse isso e cumpro, e sei o que digo e quão plenamente estou cumprindo essas palavras – e também de mim testemunha o Pai, que me enviou. Suas palavras refletiam sua própria autoconsciência divina. Eles deram um testemunho de sua posição única. Eles trouxeram à tona os pensamentos íntimos de Cristo e revelaram a vida que era luz. A palavra, o discurso de Cristo era um fogo aceso que nunca se extinguiria – era a expressão formal da realidade eterna, mas não estava sozinha. O Pai que o enviou, por uma longa cadeia de eventos e revelações, por milagres e poderosas energias, pela conferência do espírito de convicção sobre as mentes que deram atenção sincera ao seu testemunho verbal, pela concorrência providencial de fatos com antecipação profética , estava dando testemunho a respeito dele. O argumento é suficiente, tão logo admitamos os termos usados ​​por Jesus, tão logo reconheçamos as idéias do Filho de Deus e do Pai, ambas reveladas na Pessoa de Cristo. Podemos compreender e até certo ponto simpatizar com a perplexidade dos fariseus. As experiências posteriores tornaram mais fácil para nós entender o testemunho do Pai, a presença e o testemunho de Deus acima do testemunho dos homens e coincidente com ele (cf. João 15:27; Hebreus 2:4). Todos os grandes avivamentos espirituais deram ampla prova do duplo testemunho (veja 1Tessalonicenses 2:13; Romanos 8:17, onde Paulo, o escritor da Epístola, mostra-se familiarizado com este pensamento “Joanino”; cf. Hebreus 2:4). [Croskery, aguardando revisão]

19 Disseram-lhe pois: Onde está teu Pai? Respondeu Jesus: Nem a mim me conheceis, nem a meu Pai; se vós a mim conhecêsseis, também conheceríeis a meu Pai.

Comentário de H. W. Watkins

Disseram-lhe pois: Onde está teu Pai? As palavras parecem ser feitas com desprezo. “Você fala de duas testemunhas. Aceitamos você como um. Onde está o outro? Ele deve estar presente diante de nós para que sua evidência seja aceita”. Eles devem ter sabido bem do discurso anterior que Ele reivindicou Deus como Seu Pai, e a frase recorrente, “o Pai que me enviou”, deve ter feito isso agora. Claro. Não devemos ler nessas palavras, então, qualquer referência a um pai na carne, embora essa interpretação seja a de muitos expositores antigos e modernos. A questão, além disso, não é: “Quem é teu Pai?” mas “Onde está Teu Pai?” A pergunta é feita em outro espírito em João 14:8.

Pode ser que ao seu desprezo se acrescente o desejo de extrair dEle palavras expressas nas quais basear uma acusação. Eles talvez esperem uma resposta como “Meu Pai que está nos céus” (Comp. a pergunta direta em João 10:24, e a adjuração do sumo sacerdote, Mateus 27:64). Mas a hora ainda não chegou. Sua resposta não contém palavras que eles possam usar como base técnica para blasfêmia.

Nem a mim me conheceis, nem a meu Pai. Ele atribui sua ignorância do Pai à sua verdadeira causa, ou seja, à negligência do único meio pelo qual Deus poderia ser conhecido. Este pensamento já nos encontrou em João 1:18, e nos encontrará novamente em João 14:9; João 16:3. Aqui os fariseus pensam que O conhecem e perguntam: “Onde está teu Pai?” A resposta é. que se eles realmente conhecessem o testemunho de um, conheceriam o testemunho de ambos. [Watkins, aguardando revisão]

20 Estas palavras falou Jesus junto à arca do tesouro, ensinando no Templo; e ninguém o prendeu, porque sua hora ainda não era chegada.

Comentário de David Brown

Estas palavras falavam Jesus no tesouro – uma divisão, assim chamada, da primeira corte do templo, parte da corte das mulheres [Josefo, Antiguidades, 19.6.2, etc.], que pode confirmar a autenticidade de Jo 8:2-11, como o lugar onde a mulher foi trazida.

ninguém o prendeu… – (Veja em Jo 7:30). No diálogo que se segue, o conflito aumenta de ambos os lados, até chegar ao clímax, eles pegam pedras para apedrejá-lo. [JFB, aguardando revisão]

21 Disse-lhes pois Jesus outra vez: Eu me vou, e me buscareis, e morrereis em vosso pecado; para onde eu vou vós não podeis vir.

Comentário de H. W. Watkins

Disse-lhes pois Jesus outra vez. Os melhores manuscritos omitem a palavra “Jesus” e lêem, Ele disse, portanto, novamente a eles. A palavra “portanto” conecta o discurso que se segue com algo que aconteceu antes, provavelmente com o fato de que nenhum homem colocou as mãos sobre Ele. , pois a sua hora ainda não havia chegado. Ele ainda está livre para se dirigir à multidão, e depois de um intervalo o faz. Este intervalo é marcado pela palavra “de novo”, mas não é necessariamente mais do que uma pequena pausa no discurso. Encontraremos razões para acreditar que todo o ensino e trabalho que está incluído entre João 7:37; João 10:21, provavelmente deve ser colocado no último e grande dia da festa. As pessoas a quem se dirige são as pessoas reunidas ao Seu redor no Templo. Alguns dos oficiais participam da discussão, pois são “os judeus” que respondem no versículo seguinte. Temos que pensar, talvez, em homens reunidos em pequenos grupos discutindo o que Ele havia dito antes. Alguns estão realmente perguntando com coração sincero sobre Ele. Os governantes estão tentando suprimir a crescente convicção da multidão. Há, portanto, duas correntes de pensamento e sentimento. Um é encontrado nos corações honestos da multidão inculta; eles sabem pouco de argumento, e não ousam interpretar as Escrituras por si mesmos, mas em sua maneira grosseira e pronta, estão captando a verdade; o coração do homem está se curvando diante da presença de seu Deus. A outra é encontrada nos sacerdotes e governantes a quem, como uma casta santa e erudita, os representantes de Deus para o homem e os intérpretes de seus Livros Sagrados, o povo está em escravidão intelectual e moral. Eles procuram prender com seus grilhões os corações que estão encontrando o caminho para a verdade. Alguns desses grupos seguiram em frente, pode ser, e outros tomaram seu lugar. Vendo uma nova audiência perto dEle, Jesus fala com eles novamente; pois não é provável que as palavras de João 8:27 se apliquem totalmente às mesmas pessoas que as de João 8:19.

Eu me vou. A renderização é um pouco tingida pelo seguinte pensamento. A palavra grega é a mesma que em João 8:14, onde é traduzida “eu vou”. Lá, como aqui, eu vou embora é melhor. Era, vamos nos lembrar novamente, o último dia da festa, e agora é chegada a hora do fim. Essa multidão aglomerada estaria antes do fim de outro dia, deixando Jerusalém para se espalhar por toda a extensão da Palestina e da Dispersão. Ele também está indo embora. Muitos deles nunca mais O verão. Antes outra Festa dos Tabernáculos Ele, num sentido mais profundo, irá embora. Eles O buscarão, mas será tarde demais. Há em todo o discurso o sentimento solene de que estas são as últimas palavras para muitos que O ouvem.

e me buscareis, e morrereis em vosso pecado. Mas aqui o resultado da busca e do não achado se declara na tristeza de seu desfecho fatal. “Em seus pecados” não é exatamente exato, e talvez seja um tanto enganoso. O grego tem o singular e não o plural, e deve ser traduzido como “em seu pecado”. Ele aponta o estado de pecado, em vez de transgressões reais. Este último pensamento é expresso onde as palavras são repetidas em João 8:24. [Watkins, aguardando revisão]

22 Diziam, pois, os Judeus: Ele, por acaso, matará a si mesmo? Pois diz: Para onde eu vou vós não podeis vir.

Comentário de David Brown

Diziam, pois, os Judeus: Ele, por acaso, matará a si mesmo? – vendo algo mais em Suas palavras do que antes (Jo 7:35), mas sua pergunta é mais maligna e desdenhosa. [JFB, aguardando revisão]

23 E ele lhes dizia: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo.

Comentário de David Brown

Vós sois de baixo, eu sou de cima – contrastando a Si mesmo, não como em Jo 3:31, simplesmente com mensageiros terrestres de Deus, mas com homens surgindo e respirando um elemento oposto ao Dele, o que tornava impossível que Ele e eles tivessem alguma comunhão presente, ou morar eternamente juntos. (Novamente veja em Jo 7:33; veja também em Jo 8:44). [JFB, aguardando revisão]

24 Por isso eu vos disse, que morrereis em vossos pecados; porque se não credes que eu sou, morrereis em vossos pecados.

Comentário de David Brown

porque se não credes que eu sou, morrereis em vossos pecados – Eles sabiam muito bem o que Ele queria dizer (Marcos 13:6, grego; compare com Mateus 24:5). Mas Ele não iria, falando isso, dar-lhes os materiais para uma taxa pela qual eles estavam assistindo. Ao mesmo tempo, a pessoa é irresistivelmente lembrada por tal linguagem, até agora transcendendo o que está se tornando nos homens, daquelas antigas declarações do Deus de Israel: “EU SOU” (Deuteronômio 32:39; Isaías 43:10, 13; Isaías 46:4; Isaías 48:12). Veja em Jo 6:20. [JFB, aguardando revisão]

25 Disseram-lhe pois: Quem és tu? Jesus lhes disse: Sou o mesmo que desde o princípio tenho vos dito.

Comentário de David Brown

Quem és tu? – esperando assim extorquir uma resposta explícita; mas eles estão desapontados. [JFB, aguardando revisão]

26 Muitas coisas tenho que dizer e julgar de vós; mas verdadeiro é aquele que me enviou; e eu, o que dele tenho ouvido, isso falo ao mundo.

Comentário de David Brown

Muitas coisas tenho que dizer e julgar de vós; mas verdadeiro é aquele que me enviou… – isto é, eu poderia, e na ocasião apropriada, diria e julgaria muitas coisas suas (referindo-se talvez à obra do Espírito que é tanto para o julgamento quanto para a salvação, Jo 16:8), mas o que eu digo é apenas a mensagem que Meu Pai Me deu para entregar. [JFB, aguardando revisão]

27 Mas não entenderam que ele estava lhes falando do Pai.

Comentário Schaff

Esta declaração do evangelista é muito notável; e, como é tão diferente de tudo o que poderíamos esperar, sua importância como guia e correção é maior. Nesta seção (começando em João 8:21) Ele não fez menção ao ‘Pai’. Na seção que precede, no entanto (João 8:12-20), a palavra ocorre várias vezes. Primeiro Jesus fala do ‘Pai que me enviou’ (João 8:16; João 8:18): em sua resposta os judeus mostram como eles haviam entendido Suas palavras, dizendo: ‘Onde está teu Pai?’ sua pergunta Jesus também fala, não do ‘Pai’, mas do ‘meu Pai’. No que diz respeito a essas duas seções, portanto, não há nada para mostrar que Seus ouvintes entenderam que Ele fez menção distinta de ‘o Pai’, no sentido absoluto – um nome que, provavelmente, todo israelita teria recebido como pertencendo somente a Deus. (Se olharmos para os capítulos anteriores, veremos que são poucas as passagens em que se fala de ‘o Pai’. O quinto capítulo deve ser deixado de lado, pois todo o discurso é dominado pelo pensamento de Filiação pessoal. O mesmo pode ser dito do cap. João 3:35. Restam apenas as palavras dirigidas à mulher de Samaria, cap. João 4:21, e os discursos na Galiléia relatados no cap. 6) Portanto – embora possamos ter negligenciou o fato, mas pelas palavras oportunas do evangelista – não podemos sentir grande surpresa que esses ouvintes ainda não tivessem percebido que Jesus estava fazendo menção ao ‘Pai’. As palavras, ‘Eu sou de cima’, ‘Aquele que me enviou’, devem ter sugerido àqueles que ouviram que Ele reivindicou uma missão divina; mas os homens familiarizados com a missão de um profeta podem conceder tanto sem entender que as últimas palavras de Jesus (‘as coisas que dele ouvi eu falo ao mundo’) implicavam uma relação infinitamente mais alta e mais próxima com Aquele a quem eles adoravam, a quem Jesus revelou como ‘o Pai.’ Neste Nome e nas palavras que acabamos de proferir está contida toda a economia da graça. [Schaff, aguardando revisão]

28 Jesus, então, lhes disse: Quando levantardes ao Filho do homem, então entendereis que eu sou, e que nada faço de mim mesmo; mas isto digo, como meu Pai me ensinou.

Comentário de David Brown

Quando levantardes ao Filho do homem – A mais clara insinuação que Ele já havia feito em público sobre a maneira e os autores de Sua morte.

então entendereis que eu sou… – isto é, descubra, ou tenha provas suficientes, quão verdadeiro foi tudo o que Ele disse, embora eles estivessem longe de possuí-lo. [JFB, aguardando revisão]

29 E aquele que me enviou está comigo. O Pai não me tem deixado só, porque sempre faço o que lhe agrada.

Comentário de David Brown

O Pai não me tem deixado só, porque sempre faço o que lhe agrada… – isto é, para você, que me aperta os dentes e, franzindo a testa toda a Minha aparência, pareço não estar satisfeito e sozinho; mas tenho uma simpatia e apoio que transcende todos os aplausos humanos; Eu vim aqui para fazer a vontade de Meu Pai e, fazendo isso, não cessou de agradá-Lo; portanto, Ele é sempre por Mim com Seu sorriso de aprovação, Suas palavras alegres, Seu braço de apoio. [JFB, aguardando revisão]

30 Falando ele estas coisas, muitos creram nele.

Comentário de David Brown

Enquanto falava essas palavras, muitos acreditavam nele – em vez de pensar nisso, a maravilha seria se palavras de grandeza tão sobrenatural e imponente pudessem ser proferidas sem cativar alguns que as ouviam. E assim como “todos os que estavam sentados no concílio” para tentarem Stephen “viu seu rosto” – embora não esperassem nada além da morte – “como havia sido o rosto de um anjo” (Atos 6:15), então podemos supor que, cheio do doce senso de apoio da presença de Seu Pai, em meio à ira e desprezo dos governantes, uma benignidade divina irradiava-se de Seu semblante, irradiava as palavras que dele caíam e conquistava os “muitos” sinceros de Seu auditório. [JFB, aguardando revisão]

31 Dizia, pois, Jesus aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes em minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos.

Comentário de David Brown

A impressão produzida pelas últimas palavras de nosso Senhor pode ter se tornado visível por algum movimento decisivo, e aqui Ele aproveita para pressioná-los “continuação” na fé, desde então somente eles eram Seus verdadeiros discípulos (compare Jo 15:3-8), e então eles deveriam experimentalmente “conhecer a verdade”, e “pela verdade ser feita (espiritualmente) livre ”. [JFB, aguardando revisão]

32 E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

Comentário de H. W. Watkins

E conhecereis a verdade. Na grande Oração Intercessória de João 17, Jesus ora por Seus discípulos: “Santifica-os na verdade; a Tua palavra é a verdade” (Jo 8:17). Na resposta à pergunta de Tomé em João 14, Ele declara: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 8:6). É esse pensamento que está presente na conexão entre a continuidade em Sua palavra e o conhecimento da verdade aqui. Esses judeus professavam conhecer a verdade e ser os expositores oficiais dela. Eles ainda tinham que aprender que a verdade não era apenas um sistema, mas também um poder; não apenas algo a ser escrito ou falado, mas também algo a ser sentido e vivido. Se eles permanecerem em Sua palavra, realmente serão Seus discípulos; vivendo a vida da verdade, eles ganharão a percepção da verdade. “seguindo a verdade em amor” eles crescerão “em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” (Efésios 4:15).

e a verdade vos libertará. Aqui, como em Jo 17:17, fala-se da verdade e santidade como correlativas. A luz da verdade dissipa as trevas em que se encontra a fortaleza do mal. O pecado é a escravidão dos poderes da alma, e essa escravidão é desejada porque a alma não vê seu terrível mal. Quando ele percebe a verdade, surge um poder que o levanta da sua paralisia e o fortalece para quebrar os grilhões pelos quais foi amarrado. A libertação do domínio romano era uma das esperanças nacionais ligadas ao Advento do Messias. De fato, existe liberdade de um inimigo mais esmagador do que as legiões de Roma. (Comp. Marcos 5:9; Lucas 8:30) [Watkins]

Comentário Schaff

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se eles permanecerem na palavra de Jesus, ficará evidente que eles entraram em um verdadeiro discipulado, e a palavra em que eles permanecem lhes fará conhecer a verdade. Até agora, não há nada que esses discípulos imperfeitos não ouvirão de bom grado. Mas Jesus leu em seus corações uma falsa interpretação de Sua obra e de suas próprias necessidades. Ele veio como Salvador (cap. Jo 3:16; Jo 3:36, Jo 4:42, Jo 5:40), não apenas como Mestre: neste mesmo capítulo Ele falou da fé em Si mesmo como libertador da morte em pecados (Jo 8:24). Aqui, a figura é alterada da morte futura para a escravidão presente e contínua: “a verdade” será o meio de conferir liberdade. Não há dificuldade nestas palavras: tal apropriação da verdade encontrada nas palavras de Jesus é apenas mais uma representação da fé naquele que é o Doador da liberdade. [Schaff]

33 Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como, pois , dizes: Sereis livres?

Comentário de David Brown

Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém… – Quem disse isto? Não seguramente a própria classe de que acabamos de falar foi conquistada por suas divinas palavras, e exortada a continuar nelas. A maioria dos intérpretes parece pensar assim; mas é difícil atribuir um discurso tão petulante aos discípulos recém-adquiridos, mesmo no sentido mais baixo, muito menos pessoas tão ganhas como eram. Veio, provavelmente, de pessoas misturadas com eles na mesma parte da multidão, mas de um espírito muito diferente. O orgulho da nação judaica, mesmo depois de séculos de humilhação, é a característica mais marcante de seu caráter. “Falar de liberdade para nós? Orar quando ou a quem nós sempre fomos escravos? ”Essa arrogância soa quase ridícula de tal nação. Teriam eles esquecido sua longa e amarga escravidão no Egito? seu cativeiro triste na Babilônia? sua atual escravidão ao jugo romano e sua impaciência para jogá-lo fora? Mas, provavelmente, eles viram que nosso Senhor apontou para outra coisa – a liberdade, talvez, dos líderes de seitas ou partidos – e não estavam dispostos a permitir sua sujeição mesmo a estes. Nosso Senhor, portanto, embora soubesse que escravos eram nesse sentido, dirige o arado um pouco mais profundo do que isso, para uma escravidão com a qual pouco sonhavam. [Brown, aguardando revisão]

34 Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo, que todo aquele que comete pecado é servo do pecado.

Comentário de David Brown

Todo aquele que comete pecado – isto é, vive na prática dele – (Veja 1João 3:8; Mateus 7:23).

é servo do pecado – isto é, o servo ou escravo dele; pois a questão não é sobre o serviço gratuito, mas quem está no cativeiro. (Veja 2Pedro 2:19; Apocalipse 6:16). A grande verdade aqui expressa não era desconhecida dos moralistas pagãos; mas foi aplicado apenas ao vício, pois eles eram totalmente estranhos ao que na religião revelada é chamado pecado. O pensamento de escravos e homens livres na casa sugere ao nosso Senhor uma ideia mais ampla. [JFB, aguardando revisão]

35 E o servo não fica em casa para sempre; o Filho fica para sempre.

Comentário de David Brown

Isto é, “E se a vossa ligação com a família de Deus for de servos, não tendes natural laço com a casa; sua gravata é essencialmente incerta e precária. Mas o relacionamento do FILHO com o PAI é natural e essencial; é um laço indefensável; Sua morada nela é perpétua e de direito: Essa é Minha relação, Minha gravata: Se, então, você tivesse sua conexão com a família de Deus tornada real, legítima, permanente, você deve ser pelo Filho e ser adotado como filhos e filhas do Senhor Todo-Poderoso ”. Nesta afirmação sublime, não há dúvida de uma alusão subordinada a Gênesis 21:10:“ Expulsa esta escrava e seu filho, pois o filho desta serva não será herdeiro com meu filho, com Isaac. ”(Compare Gálatas 4:22-30). [JFB, aguardando revisão]

36 Portanto, se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

Comentário de H. W. Watkins

Portanto, se o Filho vos libertar. O pensamento de Jo 8:31-32 é repetido em referência especial à posição que eles reivindicaram para si mesmos. É necessária a emancipação de que Ele falou, e Sua missão no mundo é proclamá-la. Se entrarem em união espiritual com Ele e permanecerem nesta nova relação espiritual, isso os tornará novas criaturas, libertos do pecado pelo poder da verdade. Na linguagem de Paulo, como citado acima, “Cristo será formado neles”. Eles se tornarão “membros de Cristo” e “filhos de Deus”. O Filho da família divina os libertará e nEle eles se tornarão membros da grande família do próprio Deus. (Veja também o mesmo pensamento da morada divina que é apresentado particularmente aos gentios por Paulo, em Efésios 2:11-22. Ver também neste Evangelho, Jo 14:2-3.)

verdadeiramente sereis livres. A palavra original não é a mesma que é traduzida como “verdadeiramente” em Jo 8:31. Eles reivindicaram liberdade política, mas eram, na realidade, súditos de Roma. Eles reivindicaram liberdade religiosa, mas na realidade eram escravos da letra. Eles reivindicaram liberdade moral, mas eram na realidade escravos do pecado. A liberdade que o Filho proclamou era realmente liberdade, pois era a liberdade de sua verdadeira vida emancipada da escravidão do pecado e levada à união com Deus. Para o espírito do homem, que no conhecimento da verdade revelada por meio do Filho pode contemplar o Pai e o lar eterno, existe uma liberdade real que nenhum poder pode restringir. Em todo este contexto, os pensamentos passam espontaneamente para o ensino de Paulo, o grande apóstolo da liberdade. Não poderia haver ilustração mais completa das palavras do que a fornecida em sua vida. Ele, como Pedro e João (Romanos 1:1, por exemplo; 2Pedro 1:1; Apocalipse 1:1), aprendeu a se considerar um “servo”, mas era de Cristo, “cujo serviço é perfeita liberdade”. Sentimos, quando pensamos nele em cativeiro diante de Agripa, ou um prisioneiro em Roma, que ele é mais verdadeiramente livre do que o governador ou César diante de quem está, e mais verdadeiramente livre do que ele próprio era quando estava armado com autoridade para amarrar homens e mulheres porque eram cristãos. As cadeias que prendem o corpo não podem prender o espírito, cujas cadeias foram soltas. Ele é realmente livre, pois o Filho o libertou. [Watkins]

Comentário Schaff

Portanto, se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. É manifestamente uma liberdade especial que é pensada aqui – a liberdade ganha ao se tornarem filhos e, assim, ganhar tudo o que pertence à posição de um filho, mantendo para sempre uma ligação com a casa do Pai. Só Um pode dar essa filiação – Aquele que é o Filho (Jo 1:12). “Verdadeiramente livres”, não apenas na aparência, como um escravo favorecido pode parecer por um tempo para ocupar o lugar de um filho na casa: “verdadeiramente livres”, pois recebe a liberdade e a filiação de Alguém que “permanece na casa para sempre”, e nunca perde os direitos do Filho. Jo 8:33 fala dos meios (“a verdade”), este versículo do Doador da liberdade (“o Filho”). A palavra aqui traduzida como “verdadeiramente” é muito notável: não é usada em nenhum outro lugar dos escritos de João. Intimamente conectada com o verbo “EU SOU” de Jo 8:28, dificilmente é possível evitar a impressão de que é propositalmente empregado a fim de trazer à tona aquela proximidade de relação entre os filhos de Deus e o Filho que é tão notável a parte do ensino deste capítulo. [Schaff]

37 Bem sei que sois descendência de Abraão; porém procurais matar-me, porque minha palavra não encontra lugar em vós.

Comentário de David Brown

procurais matar-me – Ele havia dito isso antes: agora ele repete e não nega; no entanto, eles são retidos, como por algum encantamento maravilhoso – foi o espanto que Sua dignidade combinada, coragem e benignidade atingiram neles.

porque minha palavra não encontra lugar em vós – Quando é que um profeta humano falou assim das suas palavras? Eles nos falam da “palavra do Senhor” vindo a eles. Mas aqui está Alguém que sustenta “Sua palavra” como aquilo que deveria encontrar entrada e espaço permanente para si nas almas de todos que a ouvem. [JFB, aguardando revisão]

38 Eu, o que vi junto a meu Pai, isso falo; e vós, o que também vistes junto a vosso pai isso fazeis.

Comentário Schaff

Uma última exortação que Jesus fará antes de desistir inteiramente desses ‘judeus que creram nele’. A palavra dele havia entrado no coração deles, mas não deu certo: deixe-os dar livre curso agora. Ele, o Filho, o único que pode dar-lhes liberdade e filiação pela verdade revelada em Sua palavra (João 8:32; João 8:36), nessa palavra lhes falou as coisas que Ele viu com o Pai (outro modo de expressar a mesma verdade declarada no cap. João 3:13). Com design, Ele diz ‘o Pai’, não ‘meu Pai’; pois a palavra lhes foi dita para que Deus, que é Seu Pai, possa tornar-se seu Pai – em outras palavras, para que o Filho lhes dê a filiação. Para isso mesmo o Pai o enviou para declarar a palavra: isto Ele fez, para que o que eles ouviram de Jesus, eles ouviram do Pai. Deixe-os fazer o que ouviram e a bênção da filiação será deles. (É interessante comparar o ‘saber’ que dá liberdade (João 8:32) com este comando para ‘fazer’ o que eles ouviram. Com efeito, o mesmo resultado é prometido, de modo que o conhecimento falado deve ser tal que envolva fazendo – nenhum conhecimento estéril, mas aquele que agarra e molda a vida.) Mas não devemos ignorar o ‘portanto, que une as duas partes do versículo. Na execução do desígnio de Deus, para fazer dos homens Seus filhos e assim se tornarem filhos do ‘Pai’, duas coisas são necessárias: o Filho (o ‘Verbo’) declara a verdade de Deus; os homens recebem a palavra do Filho, conhecem-na – com aquele conhecimento que implica fé e ação – e se tornam filhos de Deus. O Filho tem sido fiel à Sua missão — isto declara a primeira cláusula: sejam, portanto, fiéis à sua parte, e a bênção será deles. — A visão mais comum deste versículo assume que na segunda cláusula Jesus fala de outra pai. Isso é muito improvável, pois o pronome seu não é inserido até um versículo posterior (João 8:41). Há também duas outras razões para preferir a interpretação dada acima: (1) É difícil acreditar que Jesus, tão terno em Seu trato até mesmo com os germes da verdadeira fé, já tenha passado para Sua mais severa condenação dos ‘judeus que acreditou nele’. Nenhuma palavra foi dita por eles desde aquela registrada em Jo 8:33, e mostrou cegueira e auto-engano, mas não antagonismo desesperado. É verdade que Ele vê que em seus corações eles estão recaindo em seu estado anterior; mas não podemos acreditar que Ele fará outro esforço para instruir e salvar? (2) Como já vimos (João 8:27), nas palavras de nosso Senhor, “o Pai” é um Nome usado com grande significado e plenitude de significado, especialmente neste capítulo. Isso é devidamente reconhecido na explicação que agora estamos procurando defender, e somente nela. — É notável que neste versículo Jesus se descreva falando o que viu com o Pai, enquanto os exorta a fazer o que ouviram. do Pai. Mas as palavras são deliberadamente escolhidas e confirmam a interpretação agora dada. Como o Filho Eterno, somente Jesus poderia ter as primeiras palavras ditas Dele. A segunda descreve apropriadamente o estado daqueles que não ‘viram’, que apenas ‘ouviram’. A diferença, em suma, decorre daquela diferença entre o Filho e todos os outros filhos que permanece mesmo no meio da semelhança de posição: um tem uma filiação eterna, os outros têm apenas uma filiação derivada. [Schaff, aguardando revisão]

39 Responderam, e lhe disseram: Nosso pai é Abraão. Disse-lhes Jesus: Se fôsseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão.

Comentário de David Brown

Se fôsseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão – Ele acabara de dizer que “sabia que eram filhos de Abraão”, isto é, de acordo com a carne; mas os filhos de sua fé e santidade não eram, mas o contrário. [JFB, aguardando revisão]

40 Porém agora procurais matar a mim, o homem que tenho vos falado a verdade que de Deus tenho ouvido; Abraão não fez isto.

Comentário de Thomas Croskery

Porém agora, como as coisas estão, procurais – tramando, tramando, de maneiras sutis e por acusações falsas – matar a mim. Todo o discurso se torna mais óbvio pela descoberta de nosso Senhor da trama dos últimos dias, e por ele permitir que seus amigos e oponentes soubessem que ele havia penetrado o disfarce fino e sutil sob o qual esse plano assassino foi velado. A excitação produzida por esta acusação ousada entre seus próprios discípulos verdadeiros, e aqueles que agora pela primeira vez ouviram falar dela, por nosso Senhor então e ali levantando o véu de muitas perguntas capciosas; o olhar de culpa no semblante de alguns, de admissão truculenta da acusação no gesto de outros; os murmúrios altos e os gritos confusos da multidão, – todos devem ser percebidos para apreender a tremenda crise que agora havia chegado. Ele agravou a acusação descrevendo-se como o homem que tenho vos falado a verdade que de Deus tenho ouvido. Este é o único lugar onde o Senhor fala de si mesmo como “o homem” (cf. Atos 17:31; 1Timóteo 2:5). Ele aqui se descreve como Aquele que está sujeito e sujeito à paixão assassina deles – um homem, visto que sua Personalidade eterna foi apresentada a seus antagonistas na forma de homem. Sua masculinidade era o elo de relação entre o Deus que o enviou, o ensinou, o cercou e o envolveu, e a consciência de seus ouvintes. Esta é a representação mais elevada da própria concepção de uma comissão divina e uma mensagem divina. Eles estavam procurando extinguir um fogo Divino, abafar uma voz celestial, recusar e pisar um Mensageiro sagrado.

Abraão não fez isto. O pai dos fiéis era suscetível à voz celestial, ouvia e obedecia à voz de Jeová com docilidade infantil (Gênesis 12, 14, 18, 22). As visões, os mandamentos, os mensageiros, as manifestações de Deus a Abraão foram tão prontamente aceitos que sua fé é um provérbio, e seu maior nome é “amigo de Deus”. O tratamento obstinado, apressado e malicioso tanto do Mensageiro Divino quanto da mensagem sagrada, ambos os quais Jesus declarou ter vindo diretamente de Deus, prova a falta de relação com a Vida de Abraão. Eles podem ser a “semente” de Abraão (σπέρμα), mas não seus filhos (τέκνα), e ele, nesse sentido, não poderia ser seu “pai”. [Croskery, aguardando revisão]

41 Vós fazeis as obras de vosso pai. Disseram-lhe pois: Nós não somos nascidos de pecado sexual; nós temos um Pai: Deus.

Comentário de David Brown

Nós não somos nascidos de pecado sexual; nós temos um Pai: Deus – significando, como geralmente é permitido, que eles não eram uma raça ilegítima em termos de religião, fingindo ser apenas o povo de Deus, mas descendentes de seu próprio Abraão escolhido. . [JFB, aguardando revisão]

42 Disse-lhes pois Jesus: Se Deus fosse vosso Pai, verdadeiramente me amaríeis; porque eu saí e venho de Deus; pois não vim de mim mesmo, porém ele me enviou.

Comentário de David Brown

Se Deus fosse vosso Pai, verdadeiramente me amaríeis – “Se tivesses algo da Sua imagem moral, como as crianças têm a semelhança de seu pai, vocês me amariam, pois eu sou imediatamente Dele e diretamente Dele”. fala ”(ou seja, seu estilo peculiar de se expressar sobre esses assuntos) é ininteligível para você, porque você não pode absorver a verdade que ela transmite. [JFB, aguardando revisão]

43 Por que não entendeis meu discurso? Porque não podeis ouvir minha palavra.

Comentário de David Brown

Em outras palavras, “Se tivésseis algo de Sua imagem moral, como os filhos têm a semelhança de seu pai, vocês Me amariam, porque sou imediatamente Dele e diretamente Dele. Mas “Meu discurso” (significando Seu estilo especial de se expressar sobre esses assuntos) ‘é ininteligível para você’ porque você não pode absorver a verdade que ele transmite’. [Brown, aguardando revisão]

44 Vós sois filhos de vosso pai, o Diabo, e quereis fazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio, e não permaneceu na verdade, porque nele não há verdade; quando fala mentira, fala do seu próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira.

Comentário Whedon

vosso pai. Não Abraão, não Deus, mas o diabo. É evidente que o diabo é aqui denominado como um ser pessoal, tão verdadeiramente quanto Abraão ou Deus.

quereis fazer os desejos de vosso pai. A filiação deles consiste na semelhança entre as suas concupiscências e ações com as de seu pai.

ele foi homicida – como esses homens são no coração assassinos de Jesus, Jo 7:19; Jo 8:28; Jo 8:37; Jo 8:40.

homicida desde o princípio. Ele assassinou o Adão, anteriormente puro e perfeito, e por meio dele assassinou a raça. Caim era seu filho e sua imagem, mostrando por meio de seu caráter que seu pai era Satanás.

não permaneceu na verdade – na qual ele uma vez esteve, mas, como sua mentira para Eva mostrou, caiu desastrosamente. De odo que, como o diabo é aqui mais claramente denominado como um ser pessoal, sua QUEDA, de sua pureza anterior, está decisivamente implícita.

pai da mentira. O grande inventor original de todos os mentirosos no universo. Antes de mentir, a harmonia da verdade reinava universalmente. Deus e todos eram a verdade; Satanás criou a mentira.

Outros, no entanto, como Alford, traduzem esta frase, pai dele, isto é, do mentiroso. Satanás é o mentiroso e o pai do mentiroso. Isso está de acordo com a corrente de pensamento, já que Jesus está falando de paternidade moral e filiação. [Whedon]

Comentário de David Brown

Vós sois filhos de vosso pai, o Diabo. “Este é um dos testemunhos mais decisivos da personalidade objetiva (externa) do diabo. É completamente impossível supor uma acomodação a visões judaicas, ou uma forma metafórica de discurso, numa afirmação tão solene como esta” (Alford).

quereis fazer – ou “estão dispostos a fazer”, isto é, “voluntariamente;” não por uma necessidade cega da natureza, mas por pura inclinação natural.

os desejos de vosso pai – suas propensões, inclinações e desejos impuros, malignos e ímpios.

ele foi homicida desde o princípio. A referência aqui não é ao espírito assassino que ele acendeu em Caim (como alguns teólogos afirmaram), mas a Adão. A morte da raça humana, em seu sentido mais amplo, é atribuída ao assassino sedutor de nossa raça.

porque nele não há verdade – porque ele é vazio de toda aquela retidão santa e cristalina que, como criatura de Deus, possuía originalmente.

quando fala mentira, fala do seu próprio. Como a palavra aqui é plural, talvez o significado seja, como Alford a expressa, “de seus próprios recursos”, seus próprios tesouros (Mateus 12:35). Significa que ele não é tentado de fora; é puramente egocêntrico, brotando de uma natureza que não é nada além de perversão.

porque é mentiroso, e pai da mentira – isto é, toda a falsidade no mundo lhe deve sua existência. Que verso é esse! Sustenta o diabo (1) como o assassino da raça humana; mas como isso é entendido aqui no sentido mais profundo da morte espiritual, ele o sustenta, (2) como o pai espiritual da família humana caída, comunicando à sua descendência suas próprias paixões malignas e sua perversão universal […] Mas como há “um mais forte do que ele”, que vem sobre ele e o vence (Lucas 11:21-22), os que “amam as trevas”, que são chamados de filhos do diabo (Mateus 13:38; 1João 3:8-10). [JFU]

45 Porém a mim, porque vos digo a verdade, não credes em mim.

Comentário de David Brown

Não embora, mas apenas porque Ele fez isso, pela razão dada no versículo anterior. Se Ele tivesse sido menos verdadeiro, eles o teriam saudado mais prontamente. [JFB, aguardando revisão]

46 Quem de vós me convence de pecado? E se digo a verdade, por que não credes em mim?

Comentário de David Brown

Quem de vós me convence de pecado? – “Convicteth”, traz para casa uma acusação de pecado. Dilema Glorioso! “Condenai-me do pecado, e rejeita-me: Se não, por que defendestes as minhas reivindicações?” Claro, eles só poderiam supor que ele havia impedido a Sua vida; mas em Alguém que já havia passado por complicações incomparáveis, e tinha continuamente de lidar com amigos e inimigos de todo tipo e grau, tal desafio lançado amplamente entre Seus mais amargos inimigos, pode ser nada menos do que uma alegação de absoluta ausência de pecado. [JFB, aguardando revisão]

47 Quem é de Deus, ouve as palavras de Deus; portanto vós não as ouvis porque não sois de Deus.

Comentário de David Brown

Com que frequência e com que nitidez nosso Senhor neste discurso traça a linha da terrível separação entre aqueles que são e aqueles que não são “de Deus!” A parte hostil de Sua audiência foi fortemente atingida por ela. [Brown, aguardando revisão]

48 Responderam, pois, os Judeus, e lhe disseram: Nós não dizemos com razão que és samaritano, e tens o demônio?

Comentário de David Brown

Nós não dizemos com razão que és samaritano, e tens o demônio? – Que desprezo intenso e virulento! (Veja Hebreus 12:3). O “não dizemos bem” refere-se a Jo 7:20. “Um samaritano” significa mais do que “nenhum israelita”; significa alguém que pretendia, mas não tinha nenhuma maneira de reivindicar o título – talvez respondendo, essa negação de sua verdadeira descendência de Abraão. [JFB, aguardando revisão]

49 Respondeu Jesus: Eu não tenho demônio, antes honro a meu Pai; e vós me desonrais.

Comentário de David Brown

Respondeu Jesus: Eu não tenho demônio – Que dignidade calma está aqui! Em verdade, “quando injuriado, Ele não mais denunciou” (1Pedro 2:23). Compare Paulo (Atos 26:25), “Eu não sou louco”, etc. Ele não acrescenta: “Nem eu sou um samaritano”, que Ele não parece sequer partilhar de seu desprezo por uma raça que já o acolheu como o Cristo, e começou a ser abençoado por ele.

antes honro a meu Pai; e vós me desonrais – a linguagem do sentimento ferido. Mas o interior de Sua alma em tais momentos é apenas para ser visto em tais declarações proféticas como estas: “Por amor de ti tenho suportado afrontas; a vergonha cobriu meu rosto; Tornei-me um estranho para meus irmãos, um estranho para os filhos de minha mãe. Porque o zelo da tua casa me consumiu, e as afrontas dos que te envergonhavam caíram sobre mim ”(Salmo 69:7-9). [JFB, aguardando revisão]

50 Mas eu não busco minha glória; há quem a busque, e julgue.

Comentário de David Brown

não busco minha glória; há quem a busque – isto é, evidentemente, “que busca a minha glória”; exigindo que “todos os homens honrem o Filho, assim como honram o Pai”; tratando-o judicialmente “que não honra o Filho, como não honra o Pai que O enviou” (Jo 5:23; e compare com Mateus 17:5); mas dando a Ele (Jo 6:37) tais como ainda vai lançar suas coroas diante do seu trono, em quem Ele “verá do trabalho de sua alma, e ficará satisfeito” (Isaías 53:11). [JFB, aguardando revisão]

51 Em verdade, em verdade vos digo, que se alguém guardar minha palavra, jamais verá a morte.

Comentário de David Brown

se alguém guardar minha palavra, jamais verá a morte – em parte, assim vindicando Suas elevadas afirmações como Senhor do reino da vida eterna, e, ao mesmo tempo, estendendo até mesmo aos Seus pecadores o cetro da graça. A palavra “manter” está em harmonia com Jo 8:31, “Se vós permanecerdes em minha palavra”, expressando a permanência, como princípio vivo e primordial, daquela fé a que Ele se referiu: “nunca veja a morte”, embora virtualmente proferida antes (Jo 5:24; Jo 6:404751) é a declaração mais forte e mais nua de uma verdade gloriosa já dada. (Em Jo 11:26 é repetido em termos quase idênticos). [JFB, aguardando revisão]

52 Disseram-lhe pois os Judeus: Agora conhecemos que tens o demônio. Abraão e os profetas morreram; e tu dizes: Se alguém guardar minha palavra, jamais experimentará a morte.

Comentário de David Brown

Disseram-lhe pois os Judeus: Agora conhecemos que tens o demônio… – “Tu és agora auto-condenado; só um demoníaco podia falar assim; os mais ilustres de nossos pais estão mortos, e tu promessas de isenção da morte para qualquer um que manterá a tua palavra! ora, quem és tu? [JFB, aguardando revisão]

53 És tu maior que nosso pai Abraão, que morreu? Os profetas também morreram. Quem tu dizes ser?

Comentário de H. W. Watkins

És tu maior que nosso pai Abraão, que morreu? A pergunta é exatamente a mesma, com a substituição de “Abraão” por “Jacó”, como aquela feita pela mulher samaritana em João 4:12 (veja Nota). “Certamente tu não és maior do que nosso pai Abraão, que de fato morreu?”

Quem tu dizes ser? “Se Abraão, que recebeu a aliança de Deus, morreu, e se os próprios profetas, que proferiram os oráculos de Deus, morreram, que tipo de pessoa Tu afirmas ser que Tua palavra livrará os homens da morte?” A mesma frase ocorre novamente em João 5:18; João 10:33; João 19:7. [Watkins, aguardando revisão]

54 Respondeu Jesus: Se eu me glorifico a mim mesmo, minha glória é nada; meu Pai, o qual vós dizeis ser vosso Deus, ele é o que me glorifica.

Comentário de H. W. Watkins

Se eu me glorifico a mim mesmo, minha glória é nada. A palavra traduzida como “glorifico” não é a mesma que em João 8:49. É melhor ler glorificar aqui. Seguindo todos os melhores manuscritos, o tempo é passado. Temos então, se eu tiver glorificado a mim mesmo, minha glória não é nada. A ênfase deve ser colocada sobre o pronome. “Se eu, de minha parte, distinto do Pai, tiver me glorificado.”

meu Pai, o qual vós dizeis ser vosso Deus, ele é o que me glorifica. Esta é a resposta à pergunta deles: “Quem te fazes a ti mesmo?” O atributo da vida em Si mesmo, e o poder de comunicar isso àqueles que guardavam Sua palavra, era o dom do Pai ao Filho.

o qual vós dizeis ser vosso Deus. Alguns dos melhores manuscritos e editores mais modernos leem . . . “Ele é o nosso Deus.” A identificação do Pai com o Deus de Israel é importante. Pode ser, como alguns supuseram, que a frase “Ele é nosso Deus” pertencia a formas ou hinos litúrgicos comuns e, portanto, estava frequentemente em seus lábios. [Watkins, aguardando revisão]

55 E vós não o conheceis, mas eu o conheço; e se disser que não o conheço, serei mentiroso como vós; mas eu o conheço, e guardo sua palavra.

Comentário de David Brown

serei mentiroso como vós – agora subindo ao cume da santa e nua severidade, para assim prolongar este longo diálogo para uma cabeça. [JFB, aguardando revisão]

56 Abraão, vosso pai, saltou de alegria por ver o meu dia; ele viu, e se alegrou.

Comentário de David Brown

Abraão, vosso pai, saltou de alegria por ver o meu dia… – exultou, ou se alegrou excessivamente que ele deveria ver, ele exultou em vê-lo, isto é, por antecipação. Não,

ele viu, e se alegrou – ele realmente viu isso, para sua alegria. Se isso significa não mais do que ter uma previsão profética do dia do evangelho – a segunda sentença repetindo apenas a primeira – como os judeus poderiam entender que nosso Senhor quer dizer que Ele “viu Abraão”? E se isso significa que Abraão foi então vendo, em seu espírito desencarnado, o Messias encarnado [Stier, Alford, etc.], as palavras parecem muito inadequadas para expressá-lo. Ele expressa algo do passado – “ele viu o meu dia e ficou feliz”, isto é, certamente enquanto ele vivia. Ele parece referir-se à relação familiar que Abraão teve com Deus, que é uma e outra vez na história chamada “o Anjo do Senhor”, e quem Cristo aqui identifica com ele mesmo. Nessas ocasiões, Abraão “me viu” (Olshausen, embora ele ache que a referência é a alguma cena não registrada). Se este é o significado, tudo o que se segue é bastante natural. [JFB, aguardando revisão]

57 Disseram-lhe, pois. os Judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste a Abraão?

Comentário de David Brown

Disseram-lhe, pois. os Judeus: Ainda não tens cinquenta anos – “Nenhuma inferência pode ser tirada disto quanto à era de nosso Senhor na época como homem. Cinquenta anos foi com os judeus a conclusão da masculinidade ”(Alford).

e viste a Abraão? – Ele disse que Abraão o viu, como sendo seu privilégio peculiar. Eles dão a virada oposta a isso – “Viste Abraão?” Como uma honra grande demais para Ele fingir. [JFB, aguardando revisão]

58 Jesus lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo, que antes que Abraão fosse, eu sou.

Comentário de David Brown

antes que Abraão fosse, eu sou – As palavras traduzidas “fosse” e “sou” são bem diferentes. A única sentença significa: “Abraão foi criado”; a outra, “eu existo”. A afirmação, portanto, não é que Cristo veio à existência antes de Abraão (como afirmam os arianos), mas que Ele nunca veio a existir, mas existia antes que Abraão tivesse um ser; em outras palavras, existia antes da criação, ou eternamente (como Jo 1:1). Nesse sentido, os judeus claramente o entenderam, visto que “então pegaram pedras para lhe atirarem”, como haviam feito antes, quando viram que Ele se fazia igual a Deus (Jo 5:18). [JFB]

59 Então tomaram pedras para atirarem nele. Mas Jesus se escondeu, e saiu do Templo.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Os judeus compreendiam Cristo melhor do que muitos cristãos imaturos e mal instruídos, que substituem a preexistência real de Cristo por uma preexistência ideal nos conselhos de Deus, que era comum a Ele e a todos os mortais. Eles se aplicaram ao caso. Levítico 24:16: “E aquele que blasfemar o nome do Senhor, certamente será morto, e toda a congregação certamente o apedrejará”. Da espécie de maldição eles subiram, por uma exposição teológica perfeitamente justificável, ao gênero de profanar o nome de Deus. E disso Cristo era culpado, na opinião deles, porque Ele havia atribuído a Si mesmo participação na natureza divina: comp. CH. João 10:33: “Não é por uma boa obra que te apedrejamos, mas por blasfêmia; e porque tu, sendo homem, te fazes Deus”. Os judeus perceberam que deveriam fazer sua eleição entre adoração e apedrejamento. A escolha do último foi mais verdadeira e sincera do que uma posição intermediária sem caráter.

“Jesus se escondeu” é genérico; “Ele saiu do templo” mostra como Ele realizou isso. De acordo com o paralelo do cap. João 12:36, Ταῦτα ἐλάλησεν Ἰησοῦς, καὶ ἀπελθὼν ἐκρύβη ἀπʼ αὐτῶν o καὶ ἐξῸώθε é equivalente a ἐλλνε. De Dieu compara corretamente Jó 29:8: “Os jovens me viram e se esconderam; e o velho se levantou e se levantou”, onde esconder-se equivale a sair do quarto. Podemos também comparar Daniel 10:7, onde é dito dos companheiros de Daniel, quando ele recebeu a visão, “e fugiram e se esconderam “, בהחבא; Mich.: Ita ut absconderent se. O esconderijo estava ali a fuga. Não devemos pensar em nenhum milagre neste assunto. A dignidade do comportamento de nosso Senhor era ética aqui. “O recolhimento de Jesus Cristo”, diz Quesnel, “foi humilde, prudente e instrutivo”. Ele não se recusou a morrer pela prova de Sua divindade; logo depois foi um mártir em atestação disso; mas reservou-se para um castigo mais vergonhoso e mais cruel, esperando o tempo marcado pelo Pai, para fazer de Sua morte um sacrifício de obediência”.

A última cláusula é um acréscimo ao texto originalmente atual; e sua origem foi bem explicada por Beza. As palavras ειελθὼν διὰ μέσον αὐτῶν são de Lucas 4:30. O καὶ παρῆγεν οὕτως era uma glosa do transcritor, que o formou com referência ao καὶ παράγων do início da próxima seção. [Hengstenberg, aguardando revisão]

<João 7 João 9>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.