Deuteronômio 22

Caridade para com o próximo

1 Não verás o boi de teu irmão, ou seu cordeiro, perdidos, e te retirarás deles: precisamente os devolverás a teu irmão.

Comentário de Robert Jamieson

Não verás o boi de teu irmão, ou seu cordeiro, perdidos, e te retirarás deles – “Irmão” é um termo de aplicação extensiva, compreendendo pessoas de toda a espécie; não um parente, vizinho ou compatriota apenas, mas qualquer ser humano, conhecido ou desconhecido, um estrangeiro e até um inimigo (Êxodo 23:4). O dever inculcado é um ato comum de justiça e caridade, que, embora fosse ensinado pela lei da natureza, foi mais clara e forçosamente imposta na lei entregue por Deus ao Seu povo. Indiferença ou dissimulação nas circunstâncias supostamente não seria apenas crueldade com os animais mudos, mas uma violação dos direitos comuns da humanidade; e, portanto, os ditames do sentimento natural, e ainda mais a autoridade da lei divina, ordenam que a propriedade perdida ou ausente de outra pessoa seja cuidada pelo descobridor, até que uma oportunidade apropriada ocorra de restaurá-la ao proprietário. [JFB, aguardando revisão]

2 E se teu irmão não for teu vizinho, ou não lhe conheceres, os recolherás em tua casa, e estarão contigo até que teu irmão os busque, e os devolverás a ele.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 22:1-4 Moisés mostra, por uma expansão ainda maior do como a propriedade de um vizinho deveria ser considerada e preservada. Se algum homem visse um boi ou uma ovelha de seu irmão (compatriota) se desviar, não deveria se afastar dela, mas trazê-la de volta para seu irmão; e se o proprietário vivesse à distância, ou fosse desconhecido, deveria levá-la para sua própria casa ou fazenda, até que viesse buscá-la. Ele também deveria fazer o mesmo com um asno ou qualquer outra propriedade que outro tivesse perdido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E assim farás de seu asno, assim farás também de sua roupa, e o mesmo farás com toda coisa perdida de teu irmão que se lhe perder, e tu a achares: não poderás te omitir quanto a isso.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 22:1-4 Moisés mostra, por uma expansão ainda maior do como a propriedade de um vizinho deveria ser considerada e preservada. Se algum homem visse um boi ou uma ovelha de seu irmão (compatriota) se desviar, não deveria se afastar dela, mas trazê-la de volta para seu irmão; e se o proprietário vivesse à distância, ou fosse desconhecido, deveria levá-la para sua própria casa ou fazenda, até que viesse buscá-la. Ele também deveria fazer o mesmo com um asno ou qualquer outra propriedade que outro tivesse perdido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Não verás o asno de teu irmão, ou seu boi, caídos no caminho, e te esconderás deles: com ele hás de procurar levantá-los.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 22:1-4 Moisés mostra, por uma expansão ainda maior do como a propriedade de um vizinho deveria ser considerada e preservada. Se algum homem visse um boi ou uma ovelha de seu irmão (compatriota) se desviar, não deveria se afastar dela, mas trazê-la de volta para seu irmão; e se o proprietário vivesse à distância, ou fosse desconhecido, deveria levá-la para sua própria casa ou fazenda, até que viesse buscá-la. Ele também deveria fazer o mesmo com um asno ou qualquer outra propriedade que outro tivesse perdido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

O sexo deve ser distinguido pelo vestuário

5 Não vestirá a mulher roupa de homem, nem o homem vestirá roupa de mulher; porque abominação é ao SENHOR teu Deus qualquer um que isto faz.

Comentário de Robert Jamieson

Embora os disfarces foram assumidos em certos momentos em templos pagãos, é provável que uma referência foi feita a leviandades impróprias praticadas na vida comum . Eles foram propriamente proibidos; pois a adoção dos apetrechos do um sexo pelo outro é um ultraje à decência, oblitera as distinções da natureza promovendo suavidade e efeminação no homem, impudência e ousadia na mulher, bem como leviandade e hipocrisia em ambos; e, em suma, abre a porta para um influxo de tantos males que todos os que vestem o vestuário de outro sexo são pronunciados “uma abominação ao Senhor”. [JFB, aguardando revisão]

6 Quando achares no caminho algum ninho de ave em qualquer árvore, ou sobre a terra, com passarinhos ou ovos, e estiver a mãe reclinada sobre os passarinhos ou sobre os ovos, não tomes a mãe com os filhos:

Comentário de Robert Jamieson

Quando achares no caminho algum ninho de ave – Este é um belo exemplo do espírito humanizador da lei mosaica, ao verificar uma tendência à destrutividade descontrolada e encorajar um espírito de ternura bondosa e compassiva para as mais minúsculas criaturas. Mas havia sabedoria e humanidade no preceito; pois, como as aves são bem conhecidas por servirem a usos importantes na economia da natureza, a extirpação de uma espécie, seja de aves comestíveis ou vorazes, deve, em qualquer país, produzir males graves. Mas a Palestina, em particular, estava situada em um clima que produzia cobras e escorpiões venenosos; e os desertos e montanhas teriam sido invadidos por eles, assim como imensos enxames de moscas, gafanhotos, ratos e vermes de vários tipos, se os pássaros que se alimentavam deles fossem extirpados [Michaelis]. Consequentemente, o conselho dado nesta passagem era sábio e também humano, deixar a galinha sem perturbação para a propagação da espécie, enquanto a captura da prole era ocasionalmente permitida como um controle para um aumento rápido demais. [JFB, aguardando revisão]

7 Deixarás ir à mãe, e tomarás os passarinhos para ti; para que te vá bem, e prolongues teus dias.

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-7) A relação afetiva dos pais com seus filhos, que Deus havia estabelecido até mesmo no mundo animal, também deveria ser mantida igualmente sagrada. Se alguém encontrasse um ninho de pássaro na estrada sobre uma árvore, ou no chão, com filhotes ou ovos, e a mãe sentada sobre eles, ele não deveria levar a mãe com os filhotes, mas deixar a mãe voar, e apenas levar os filhotes. נקרא para נקרה, como em Êxodo 5:3. O comando está relacionado com o de Levítico 22:28 e Êxodo 23:19, e é equiparado ao mandamento relativo aos pais, pelo fato de que a obediência é instada ao povo pela mesma promessa em ambas as instâncias (vid., Deuteronômio 5:16; Êxodo 20:12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Quando edificares casa nova, farás parapeito em teu terraço, para que não ponhas sangue em tua casa, se dele cair alguém.

Comentário de Robert Jamieson

Os topos das casas da antiga Judeia, como no oriente ainda, eram planos, sendo constituídos por ramos ou gravetos espalhados grandes vigas, e coberto com um cimento de barro ou gesso forte. Eles estavam cercados por um peito de parapeito alto. No verão, o telhado é um lugar predileto do frio, e acidentes acontecem com frequência de pessoas que se aproximam de maneira imprudente da borda e caem na rua ou na quadra; por isso, foi prudente e prudente, no legislador judeu, providenciar para que uma balaustrada de pedra ou um corrimão de madeira em volta do telhado constituísse parte essencial de toda nova casa. [JFB, aguardando revisão]

9 Não semearás tua vinha de várias sementes, para que não se deprave a plenitude da semente que semeaste, e o fruto da vinha.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-12) E menos ainda se eles expusessem a vida humana ao perigo por descuido. “Se você construir uma casa nova, faça uma borda (maakeh) – ou seja, uma balaustrada – para o seu telhado, para que não traga sangue de culpa sobre sua casa, se alguém cair dela”. Os telhados das casas israelitas eram planos, como são em sua maioria no Oriente, de modo que os habitantes viviam freqüentemente sobre eles (Josué 2:6; 2Samuel 11:2; Mateus 10:27). – Em Deuteronomio 22:9-11, seguem várias proibições contra misturar as coisas que estão separadas na criação de Deus, consistindo em parte numa repetição verbal de Levítico 19:19 (veja a explicação desta passagem). – A isto se acrescenta em Deuteronômio 22,12 a lei relativa às borlas na bainha da veste superior (Números 15,37.), que deveriam lembrar os israelitas de seu chamado, de caminhar diante do Senhor no cumprimento fiel dos mandamentos de Deus (ver o comentário sobre esta passagem). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Não ararás com boi e com asno juntamente.

Comentário de Robert Jamieson

Se esta associação, como a mistura de sementes, foi ditada por motivos supersticiosos e a proibição era simbólica, projetada para ensinar uma lição moral (2Coríntios 6:14), pode ou pode não ter sido o caso. Mas a proibição impedia uma grande desumanidade ainda ocasionalmente praticada pelos mais pobres nos países orientais. Um boi e burro, sendo de espécies diferentes e de caracteres muito diferentes, não pode associar-se confortavelmente, nem se unir alegremente ao desenhar um arado ou um vagão. O sendo muito menor e seu passo mais curto, haveria um projecto desigual e irregular. Além disso, o jumento, ao se alimentar de ervas daninhas e tóxicas, tem um hálito fétido, que seu companheiro de jugo procura evitar, não apenas como venenoso e ofensivo, mas produzindo magreza ou, se continuar por muito tempo, morte; e, portanto, observou-se sempre manter a cabeça longe do asno e puxar apenas com um ombro. [JFB, aguardando revisão]

11 Não te vestirás de mistura, de lã e linho juntamente.

Comentário de Robert Jamieson

A essência do crime (Sofonias 1:8) consistia não em usar uma túnica de lã e de linho, mas em duas coisas serem tecidas juntas, de acordo com uma superstição favorita de antigos idólatras. (veja em Levítico 19:19). [JFB, aguardando revisão]

12 Farás para ti franjas nos quatro extremos de teu manto com que te cobrires.

Comentário de Robert Jamieson

Farás para ti franjas nos quatro extremos – ou, de acordo com alguns eminentes intérpretes bíblicos, borlas na colcha da cama. O preceito não é o mesmo que Números 15:38. [JFB, aguardando revisão]

As violações do casamento

13 Quando alguém tomar mulher, e depois de haver entrado a ela a aborrecer,

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) Leis de Castidade e Casamento. – Mais elevada e ainda mais santa do que a ordem da natureza está a ordem moral do casamento, da qual depende o bem-estar não só da vida doméstica, mas também da comunidade civil das nações. O casamento deve ser fundado na fidelidade e na castidade por parte daqueles que são casados. Para fomentar isto, e assegurar isto contra surtos de malícia e luxúria maligna, foi o desenho e objeto das leis que se seguiram. A primeira (Deuteronômio 22:13-21) diz respeito à castidade de uma mulher ao entrar no estado de casada, que pode ser questionada por seu marido, seja por malícia ou com justiça. O primeiro caso é aquele que Moisés trata antes de tudo. Se um homem tomou uma esposa, e veio até ela, e a odiou, isto é, se voltou contra ela depois de satisfazer seus desejos carnais (como Amnon, por exemplo, 2Samuel 13:15), e para se livrar dela novamente, atribuiu-lhe “atos ou coisas de palavras”, isto é, coisas que dão ocasião para palavras ou conversas, e assim trouxe um nome maligno sobre ela, dizendo que ao vir até ela ele não encontrou virgindade nela. בּתוּלים, virgindade, aqui os sinais dela, em outras palavras, de acordo com Deuteronômio 22:17, as marcas de uma primeira relação sexual sobre a roupa de cama ou o vestido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E lhe puser algumas faltas, e espalhar sobre ela má fama, e disser: Esta tomei por mulher, e cheguei a ela, e não a achei virgem;

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) Leis de Castidade e Casamento. – Mais elevada e ainda mais santa do que a ordem da natureza está a ordem moral do casamento, da qual depende o bem-estar não só da vida doméstica, mas também da comunidade civil das nações. O casamento deve ser fundado na fidelidade e na castidade por parte daqueles que são casados. Para fomentar isto, e assegurar isto contra surtos de malícia e luxúria maligna, foi o desenho e objeto das leis que se seguiram. A primeira (Deuteronômio 22:13-21) diz respeito à castidade de uma mulher ao entrar no estado de casada, que pode ser questionada por seu marido, seja por malícia ou com justiça. O primeiro caso é aquele que Moisés trata antes de tudo. Se um homem tomou uma esposa, e veio até ela, e a odiou, isto é, se voltou contra ela depois de satisfazer seus desejos carnais (como Amnon, por exemplo, 2Samuel 13:15), e para se livrar dela novamente, atribuiu-lhe “atos ou coisas de palavras”, isto é, coisas que dão ocasião para palavras ou conversas, e assim trouxe um nome maligno sobre ela, dizendo que ao vir até ela ele não encontrou virgindade nela. בּתוּלים, virgindade, aqui os sinais dela, em outras palavras, de acordo com Deuteronômio 22:17, as marcas de uma primeira relação sexual sobre a roupa de cama ou o vestido. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Então o pai da moça e sua mãe tomarão, e tirarão os sinais da virgindade da virgem aos anciãos da cidade, na porta.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-17) Neste caso, os pais da jovem (הנּער para הנּערה, como em Gênesis 24:14, Gênesis 24:28, de acordo com o uso mais antigo dos livros de Moisés, uma virgem, depois também uma jovem mulher, por exemplo, Rute 2:6; Rute 4:12) deveriam levar o assunto aos anciãos da cidade para o portão (o fórum judicial; ver Deuteronômio 21:19), e estabelecer a castidade e inocência de sua filha espalhando a roupa de cama diante deles. Não era necessário para este fim que os pais tivessem tomado posse da roupa de cama manchada diretamente após a noite de núpcias, como é costume fazer os beduínos e as classes mais pobres dos muçulmanos no Egito e na Síria (compare com Niebuhr, Beschr. v. Arab. pp. 35ff.; Arvieux, merkw. Nachr. iii. p. 258; Burckhardt, Beduinen, p. 214, etc.). Era suficiente que o pano fosse guardado, caso tal prova pudesse ser necessária. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E dirá o pai da moça aos anciãos: Eu dei minha filha a este homem por mulher, e ele a aborrece;

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-17) Neste caso, os pais da jovem (הנּער para הנּערה, como em Gênesis 24:14, Gênesis 24:28, de acordo com o uso mais antigo dos livros de Moisés, uma virgem, depois também uma jovem mulher, por exemplo, Rute 2:6; Rute 4:12) deveriam levar o assunto aos anciãos da cidade para o portão (o fórum judicial; ver Deuteronômio 21:19), e estabelecer a castidade e inocência de sua filha espalhando a roupa de cama diante deles. Não era necessário para este fim que os pais tivessem tomado posse da roupa de cama manchada diretamente após a noite de núpcias, como é costume fazer os beduínos e as classes mais pobres dos muçulmanos no Egito e na Síria (compare com Niebuhr, Beschr. v. Arab. pp. 35ff.; Arvieux, merkw. Nachr. iii. p. 258; Burckhardt, Beduinen, p. 214, etc.). Era suficiente que o pano fosse guardado, caso tal prova pudesse ser necessária. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E, eis que, ele lhe põe acusações de algumas coisas, dizendo: Não achei tua filha virgem; porém, eis aqui os sinais da virgindade de minha filha. E estenderão o lençol diante dos anciãos da cidade.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-17) Neste caso, os pais da jovem (הנּער para הנּערה, como em Gênesis 24:14, Gênesis 24:28, de acordo com o uso mais antigo dos livros de Moisés, uma virgem, depois também uma jovem mulher, por exemplo, Rute 2:6; Rute 4:12) deveriam levar o assunto aos anciãos da cidade para o portão (o fórum judicial; ver Deuteronômio 21:19), e estabelecer a castidade e inocência de sua filha espalhando a roupa de cama diante deles. Não era necessário para este fim que os pais tivessem tomado posse da roupa de cama manchada diretamente após a noite de núpcias, como é costume fazer os beduínos e as classes mais pobres dos muçulmanos no Egito e na Síria (compare com Niebuhr, Beschr. v. Arab. pp. 35ff.; Arvieux, merkw. Nachr. iii. p. 258; Burckhardt, Beduinen, p. 214, etc.). Era suficiente que o pano fosse guardado, caso tal prova pudesse ser necessária. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Então os anciãos da cidade tomarão ao homem e o castigarão;

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Os anciãos, como magistrados do lugar, deveriam então mandar chamar o homem que tinha tão caluniado sua jovem esposa, e castigá-lo (יסּר, como em Deuteronômio 21): 18, usado para denotar o castigo corporal, achava que a limitação do número de golpes a quarenta, exceto um, poderia ter sido uma instituição posterior das escolas); e, além disso, deveriam impor-lhe uma multa de 100 siclos de prata, que ele deveria pagar ao pai da jovem esposa por sua calúnia maliciosa de uma virgem israelita, – o dobro do que o sedutor de uma virgem deveria pagar a seu pai pela reprovação que lhe causou a humilhação de sua filha (Deuteronômio 22: 29); e, por último, deviam privar o homem do direito de divórcio de sua esposa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E lhe hão de impor pena em cem peças de prata, as quais darão ao pai da moça, porquanto espalhou má fama sobre virgem de Israel: e a há de ter por mulher, e não poderá despedi-la em todos os seus dias.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Os anciãos, como magistrados do lugar, deveriam então mandar chamar o homem que tinha tão caluniado sua jovem esposa, e castigá-lo (יסּר, como em Deuteronômio 21): 18, usado para denotar o castigo corporal, achava que a limitação do número de golpes a quarenta, exceto um, poderia ter sido uma instituição posterior das escolas); e, além disso, deveriam impor-lhe uma multa de 100 siclos de prata, que ele deveria pagar ao pai da jovem esposa por sua calúnia maliciosa de uma virgem israelita, – o dobro do que o sedutor de uma virgem deveria pagar a seu pai pela reprovação que lhe causou a humilhação de sua filha (Deuteronômio 22: 29); e, por último, deviam privar o homem do direito de divórcio de sua esposa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Mas se este negócio foi verdade, que não se houver achado virgindade na moça,

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) No outro caso, porém, se as palavras do homem fossem verdadeiras, e a menina não tivesse sido encontrada virgem, os anciãos deveriam trazê-la à porta da casa de seu pai, e os homens da cidade deveriam apedrejá-la até a morte, porque ela tinha cometido uma loucura em Israel (compare com Gênesis 34:7), para cometer fornicação na casa de seu pai. A punição da morte deveria ser infligida a ela, não tanto porque ela havia cometido fornicação, mas porque apesar disso ela havia permitido que um homem se casasse com ela como uma virgem, e possivelmente mesmo depois que seu noivado tivesse ido com outro homem (compare com Deuteronômio 22:23, Deuteronômio 22:24). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Então a tirarão à porta da casa de seu pai, e a apedrejarão com pedras os homens de sua cidade, e morrerá; porquanto fez depravação em Israel prostituindo-se em casa de seu pai: assim tirarás o mal do meio de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) No outro caso, porém, se as palavras do homem fossem verdadeiras, e a menina não tivesse sido encontrada virgem, os anciãos deveriam trazê-la à porta da casa de seu pai, e os homens da cidade deveriam apedrejá-la até a morte, porque ela tinha cometido uma loucura em Israel (compare com Gênesis 34:7), para cometer fornicação na casa de seu pai. A punição da morte deveria ser infligida a ela, não tanto porque ela havia cometido fornicação, mas porque apesar disso ela havia permitido que um homem se casasse com ela como uma virgem, e possivelmente mesmo depois que seu noivado tivesse ido com outro homem (compare com Deuteronômio 22:23, Deuteronômio 22:24). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Quando se surpreender alguém deitado com mulher casada com marido, ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher, e a mulher: assim tirarás o mal de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

Se alguém se deitava com uma mulher casada, ambos seriam condenados à morte como adúlteros (compare com Levítico 20:10). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 Quando for moça virgem desposada com alguém, e alguém a achar na cidade, e se deixar com ela;

Comentário de Keil e Delitzsch

(23-24) Se uma virgem desposada tivesse permitido que um homem tivesse relações sexuais com ela (ou seja, um que não fosse seu noivo), ambos, o homem e a moça, seriam levados até o portão da cidade, e apedrejados para que pudessem morrer: a moça, porque não tinha chorado na cidade, ou seja, não tinha pedido ajuda, e conseqüentemente deveria ser considerada como consentimento à escritura; o homem, porque tinha humilhado a esposa de seu vizinho. A mulher noiva foi colocada a este respeito em pé de igualdade com uma mulher casada, e de fato é expressamente chamada de esposa em Deuteronômio 22:24. Betrothal foi o primeiro passo para o casamento, mesmo que não tenha sido um ato solene atestado por testemunhas. Os acordos escritos de casamento não foram introduzidos até um período posterior (Tobit 7:14; Tr. Ketuboth i.2). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Então os tirareis a ambos à porta daquela cidade, e os apedrejareis com pedras, e morrerão; a moça porque não gritou na cidade, e o homem porque humilhou à mulher de seu próximo: assim tirarás o mal do meio de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

(23-24) Se uma virgem desposada tivesse permitido que um homem tivesse relações sexuais com ela (ou seja, um que não fosse seu noivo), ambos, o homem e a moça, seriam levados até o portão da cidade, e apedrejados para que pudessem morrer: a moça, porque não tinha chorado na cidade, ou seja, não tinha pedido ajuda, e conseqüentemente deveria ser considerada como consentimento à escritura; o homem, porque tinha humilhado a esposa de seu vizinho. A mulher noiva foi colocada a este respeito em pé de igualdade com uma mulher casada, e de fato é expressamente chamada de esposa em Deuteronômio 22:24. Betrothal foi o primeiro passo para o casamento, mesmo que não tenha sido um ato solene atestado por testemunhas. Os acordos escritos de casamento não foram introduzidos até um período posterior (Tobit 7:14; Tr. Ketuboth i.2). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Mas se o homem achou uma moça desposada no campo, e ele a agarrar, e se deitar com ela, morrerá somente o homem que com ela se houver deitado;

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-27) Se, por outro lado, um homem encontrasse uma noiva no campo, e a abraçasse e deitasse com ela, só o homem morreria, e nada seria feito com a menina. “Não há na donzela nenhum pecado de morte (ou seja, nenhum pecado a ser punido com a morte); mas como quando um homem se levanta contra seu vizinho e o mata, mesmo assim este é o caso”. No campo aberto, a menina tinha pedido ajuda, mas ninguém a tinha ajudado. Foi, portanto, um estupro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E à moça não farás nada; não tem a moça culpa de morte: porque como quando alguém se levanta contra seu próximo, e lhe tira a vida, assim é isto:

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-27) Se, por outro lado, um homem encontrasse uma noiva no campo, e a abraçasse e deitasse com ela, só o homem morreria, e nada seria feito com a menina. “Não há na donzela nenhum pecado de morte (ou seja, nenhum pecado a ser punido com a morte); mas como quando um homem se levanta contra seu vizinho e o mata, mesmo assim este é o caso”. No campo aberto, a menina tinha pedido ajuda, mas ninguém a tinha ajudado. Foi, portanto, um estupro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 Porque ele a achou no campo: gritou a moça desposada, e não houve quem a protegesse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-27) Se, por outro lado, um homem encontrasse uma noiva no campo, e a abraçasse e deitasse com ela, só o homem morreria, e nada seria feito com a menina. “Não há na donzela nenhum pecado de morte (ou seja, nenhum pecado a ser punido com a morte); mas como quando um homem se levanta contra seu vizinho e o mata, mesmo assim este é o caso”. No campo aberto, a menina tinha pedido ajuda, mas ninguém a tinha ajudado. Foi, portanto, um estupro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 Quando alguém achar moça virgem, que não for desposada, e a tomar, e se deitar com ela, e forem achados;

Comentário de Keil e Delitzsch

(28-29) O último caso: se uma virgem não fosse desposada, e um homem a apreendesse e deitasse com ela, e eles fossem encontrados, ou seja, descobertos ou condenados por seu ato, o homem deveria pagar ao pai da menina cinqüenta siclos de prata, pela reprovação trazida sobre ele e sua casa, e casar com a menina que ele havia humilhado, sem nunca poder divorciar-se dela. Este caso é semelhante ao mencionado em Êxodo 22:15-16. A omissão de mencionar a possibilidade do pai se recusar a dar-lhe sua filha como esposa, não faz diferença essencial. Assume-se aqui como evidente que tal direito foi possuído pelo pai. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

29 Então o homem que se deitou com ela dará ao pai da moça cinquenta peças de prata, e ela será sua mulher, porquanto a humilhou: não a poderá despedir em todos os seus dias.

Comentário de Keil e Delitzsch

(28-29) O último caso: se uma virgem não fosse desposada, e um homem a apreendesse e deitasse com ela, e eles fossem encontrados, ou seja, descobertos ou condenados por seu ato, o homem deveria pagar ao pai da menina cinqüenta siclos de prata, pela reprovação trazida sobre ele e sua casa, e casar com a menina que ele havia humilhado, sem nunca poder divorciar-se dela. Este caso é semelhante ao mencionado em Êxodo 22:15-16. A omissão de mencionar a possibilidade do pai se recusar a dar-lhe sua filha como esposa, não faz diferença essencial. Assume-se aqui como evidente que tal direito foi possuído pelo pai. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

30 Não tomará alguém a mulher de seu pai, nem descobrirá o colo de seu pai.

Comentário de Keil e Delitzsch

(ou Deuteronômio 23:1) Este versículo, no qual a proibição do incesto é renovada por uma repetição da primeira disposição da lei anterior (Levítico 18:7-8), é sem dúvida muito melhor adaptado para formar o fechamento das leis de castidade e casamento, do que a introdução às leis que se seguem relativas ao direito de cidadania na congregação do Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 21 Deuteronômio 23>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.