Rute 4

O resgate de Noemi e de Rute

1 E Boaz subiu à porta da cidade e sentou-se ali: e eis que passava aquele parente do qual havia Boaz falado, e disse-lhe: Ei, fulano, vem aqui e senta-te. E ele veio, e sentou-se.

Comentário de Robert Jamieson

Enquanto isso, Boaz subiu à porta da cidade – um edifício coberto, não fechado por paredes; o lugar onde, nos tempos antigos e ainda em muitas cidades do leste, todas as transações comerciais são feitas, e onde, portanto, o parente era mais provável de ser encontrado. Não foram necessárias preliminares na convocação de uma antes da assembléia pública; sem escritos e nenhum atraso foram necessários. Em uma conversa curta, o assunto foi declarado e organizado – provavelmente de manhã, quando as pessoas saíam, ou ao meio-dia, quando voltavam do campo. [JFB, aguardando revisão]

2 Então ele tomou dez homens dos anciãos da cidade, e disse: Sentai-vos aqui. E eles se sentaram.

Comentário de Robert Jamieson

Boaz reuniu dez líderes da cidade – como testemunhas. Em circunstâncias normais, dois ou três eram suficientes para atestar uma barganha; mas em casos de importância, como matrimônio, divórcio, transferência de propriedade, era a prática judaica ter dez (1Reis 21:8). [JFB, aguardando revisão]

3 Logo disse ao parente: Noemi, que voltou do campo de Moabe, vende uma parte das terras que teve nosso irmão Elimeleque;

Comentário de Robert Jamieson

está vendendo o pedaço de terra – isto é, entretém a ideia de vender. Em suas circunstâncias, ela teve a liberdade de se separar dele (Levítico 25:25). Tanto Naomi quanto Ruth tinham interesse na terra durante suas vidas; mas apenas Noemi foi mencionada, não só porque dirigiu todas as negociações, mas porque a introdução do nome de Rute despertaria a suspeita da necessidade de se casar com ela, antes que a primeira proposição fosse respondida. [JFB, aguardando revisão]

4 E eu decidi fazê-lo saber a ti, e dizer-te que a tomes diante dos que estão aqui sentados, e diante dos anciãos de meu povo. Se houveres de redimir, redime; e se não quiseres redimir, declara-o a mim para que eu o saiba: porque não há outro que redima a não ser tu, e eu depois de ti. E ele respondeu: Eu redimirei.

Comentário de Robert Jamieson

Pois ninguém tem esse direito, a não ser você; e depois eu”. “Eu a resgatarei” – (veja Deuteronômio 25:5). A redenção da terra, é claro, envolveu um casamento com Ruth, a viúva do antigo dono. [JFB, aguardando revisão]

5 Então replicou Boaz: O mesmo dia que tomares as terras da mão de Noemi, hás de tomar também a Rute moabita, mulher do defunto, para que suscites o nome do morto sobre sua possessão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-5) Boaz então chamou dez dos anciãos da cidade como testemunhas do negócio a ser tomado em mãos, e disse ao redentor na presença deles: “O pedaço de campo que pertencia ao nosso irmão (isto é, nosso parente) Elimeleque (como um possessão familiar hereditária), Noemi vendeu, e eu pensei (lit. ‘eu disse’, isto é, para mim mesmo; compare com Gênesis 17:17; Gênesis 27:41), vou abrir seu ouvido (ou seja, torná-lo conhecido, divulgue-o): obtenha-o diante dos que se sentam aqui e (de fato) diante dos anciãos do meu povo”. Como o campo havia sido vendido para outro, obtê-lo (קנה) só poderia ser realizado em virtude do direito de resgate. Boaz, portanto, passou a dizer: “Se você quiser resgatar, resgate; mas se você não quiser resgatar, diga-me, para que eu saiba: pois não há além de ti (alguém mais próximo do direito) para resgatar, e eu sou ( o próximo) depois de ti”. היּשׁבים é traduzido por muitos, aqueles que moram, e supostamente se refere aos habitantes de Belém. Mas dificilmente poderíamos pensar nos habitantes em geral como presentes, como a palavra “antes” exigiria, mesmo que, de acordo com Rute 4:9, houvesse várias pessoas presentes além dos anciãos. Além disso, eles não teriam sido mencionados primeiro, mas, como “todo o povo” em Rute 4:9, teriam sido colocados depois dos anciãos como as principais testemunhas. Por esses motivos, a palavra deve ser tomada no sentido de sentar e, como o verbo em Rute 4:2, ser entendida como se referindo aos anciãos presentes; e as palavras “diante dos anciãos do meu povo” devem ser consideradas explicativas. A expressão יגאל (terceira pers.) chama a atenção, pois devemos esperar a segunda pessoa, que não é encontrada apenas na Septuaginta, mas também em vários códices, e aparentemente é exigida pelo contexto. É certo que a terceira pessoa pode ser defendida, como foi por Seb. Schmidt e outros, na suposição de que Boaz se voltou para os anciãos e pronunciou as palavras dirigidas a eles, e, portanto, falou do redentor como uma terceira pessoa: “Mas se ele, o redentor ali, não resgatará”. Mas como o apelo direto ao próprio redentor é retomado imediatamente depois, a suposição, pelo menos em nossa mente, é muito dura. A pessoa a quem se dirigia disse: “Eu redimirei”. Boaz então lhe deu esta explicação adicional (Rute 4:5): “No dia em que você comprar o campo da mão de Noemi, você o compra da mão de Rute, a moabita, da esposa do falecido (Mahlon, a herdeiro legítimo do campo), para estabelecer (para que você possa estabelecer) o nome do falecido em sua herança”. Pelo significado e contexto, a forma קניתי deve ser a segunda pessoa. masc.; o yod no final sem dúvida se infiltrou por um erro da caneta, ou então de um ו, de modo que a palavra deve ser lida קנית (de acordo com o Keri) ou קניתו, “você o compra”. No que diz respeito ao fato em si, o campo, que Noemi havia vendido por falta, era propriedade hereditária de seu falecido marido e, portanto, deveria descender para seus filhos de acordo com a regra de direito permanente; e a esse respeito, portanto, era propriedade de Rute tanto quanto de Noemi. Da negociação entre Boaz e o redentor mais próximo, é muito evidente que Noemi havia vendido o campo que era propriedade hereditária de seu marido e tinha o direito legal de vendê-lo. Mas como a propriedade da terra não descia às esposas de acordo com a lei israelita, mas apenas aos filhos, e quando não havia filhos, aos parentes mais próximos do marido (Números 27:8-11), quando Elimeleque morreu, seu campo desceu adequadamente para seus filhos; e quando eles morreram sem filhos, deveria ter passado para seus parentes mais próximos. Daí surge a pergunta: que direito tinha Noemi de vender o campo de seu marido como propriedade sua? Os rabinos supõem que o campo havia sido apresentado a Noemi e Rute por seus maridos (vid., Selden, de success. in bona def. c. 15). Mas Elimeleque não podia legalmente dar sua propriedade hereditária à sua esposa, pois deixou filhos para trás quando morreu, e eles eram os herdeiros legítimos; e Mahlon também não tinha mais direito do que seu pai de fazer tal presente. Há ainda menos fundamento para a opinião de que Noemi era uma herdeira, pois mesmo que fosse esse o caso, seria totalmente inaplicável ao presente caso, onde a propriedade em questão não era um campo que Noemi herdara de seu pai, mas o campo de Elimeleque e seus filhos. A verdadeira explicação é, sem dúvida, a seguinte: a lei relativa à herança da propriedade fundiária dos israelitas que morreram sem filhos não determinava o momento em que tal posse deveria passar para os parentes do falecido, seja imediatamente após a morte do proprietário , ou não até depois da morte da viúva que foi deixada para trás (vid., Números 27:9.). Sem dúvida, esta era a regra estabelecida pelo costume, de modo que a viúva permanecia na posse da propriedade enquanto vivesse; e por esse tempo ela tinha o direito de vender a propriedade em caso de necessidade, pois a venda de um campo não era uma venda real do próprio campo, mas simplesmente da produção anual até o ano do jubileu. Conseqüentemente, o campo do falecido Elimeleque teria pertencido, estritamente falando, a seus filhos e, após a morte deles, à viúva de Malom, já que a viúva de Quilio ficou para trás em seu próprio país, Moabe. Mas como Elimeleque não apenas emigrou com sua esposa e filhos e morreu no exterior, mas seus filhos também estiveram com ele em terra estrangeira, e se casaram e morreram lá, a propriedade fundiária de seu pai não desceu para eles, mas permaneceu propriedade de Noemi, a viúva de Elimeleque, da qual Rute, como viúva do falecido Malom, também tinha parte. Ora, caso uma viúva vendesse o campo de seu falecido marido pelo tempo que estava em sua posse, por causa da pobreza, e um parente de seu marido o resgatasse, evidentemente era seu dever não apenas cuidar da manutenção do a viúva empobrecida, mas se ela ainda fosse jovem, casar-se com ela e deixar o primeiro filho nascido de tal casamento entrar na família do falecido marido de sua esposa, para herdar os bens resgatados e perpetuar o nome e posse do falecido em Israel. Sobre este direito, fundado no costume tradicional, Boaz baseou esta condição, que ele colocou diante do redentor mais próximo, de que se ele redimiu o campo de Noemi, ele também deve tomar Rute, com a obrigação de desposá-la, e através deste casamento a estabelecer o nome do falecido sobre sua herança. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E respondeu o parente: Não posso redimir por minha parte, porque lançaria a perder minha propriedade: redime tu usando de meu direito, porque eu não poderei redimir.

Comentário de Robert Jamieson

Esta consequência se seguiria, primeiro, de ele ter um filho com Rute, que, embora herdeiro da propriedade, não teria seu nome; seu nome se extinguiria no de seu ex-marido; ou, em segundo lugar, por ter que ser subdividido entre os outros filhos, provavelmente por um casamento anterior. Este direito, portanto, foi renunciado e atribuído em favor de Boaz, no caminho de cujo casamento com Rute o único obstáculo existente foi removido. [JFB, aguardando revisão]

7 Havia já de longo tempo este costume em Israel na remissão ou contrato, que para a confirmação de qualquer negócio, o um se tirava o sapato e o dava a seu companheiro: e este era o testemunho em Israel.

Comentário de Robert Jamieson

a pessoa tirava a sandália – onde o parente se recusou a cumprir seu dever com a família de seu parente morto, a viúva foi instruída a tirar o sapato com algumas circunstâncias de desdém desdenhoso. Mas, como neste caso, não houve recusa, a ignomínia usual foi poupada; e a retirada do sapato, a única cerimônia observada, era uma promessa de que a transação estava sendo concluída. [JFB, aguardando revisão]

8 Então o parente disse a Boaz: Toma-o tu. E descalçou seu sapato.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-8) Esta declaração ele confirmou pelo que era um costume usual na época em renunciar a um direito. Esse costume inicial é descrito em Rute 4:7, e sua aplicação ao caso diante de nós é mencionada posteriormente. “Ora, isso foi (ocorreu) antigamente em Israel em resgate e troca, para confirmar cada transação: um homem tirou o sapato e o deu a outro, e isso foi um testemunho em Israel”. Da expressão “antigamente”, e também da descrição do costume em questão, segue-se que ele estava fora de uso na época em que nosso livro foi composto. O próprio costume, que existia entre os índios e os antigos alemães, surgiu do fato de que a propriedade fixa era tomada pisando no solo e, portanto, tirar o sapato e entregá-lo a outro era um símbolo da transferência de um posse ou direito de propriedade (veja as observações em Deuteronômio 25:9 e meu Bibl. Archol. ii. p. 66). O Piel קיּם raramente é encontrado em hebraico; no presente caso, provavelmente foi tirado da antiga fraseologia legal. Os únicos outros lugares em que ocorre são Ezequiel 13:6; Salmo 119:28, Salmo 119:106 e o ​​livro de Ester, onde é usado com mais frequência como caldaísmo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E Boaz disse aos anciãos e a todo aquele povo: Vós sois hoje testemunhas de que tomo todas as coisas que foram de Elimeleque, e tudo o que foi de Quiliom e de Malom, da mão de Noemi.

Comentário de Robert Jamieson

Embora a viúva de Chilion ainda estivesse viva, não lhe foi prestada atenção alguma em a disposição da propriedade do marido. De sua permanência em Moabe, ela foi considerada como tendo sido casada novamente, ou ter renunciado a todos os direitos a uma herança com a família de Elimeleque. [JFB, aguardando revisão]

10 E que também tomo por minha mulher a Rute moabita, mulher de Malom, para suscitar o nome do defunto sobre sua herança, para que o nome do morto não se apague dentre seus irmãos e da porta de seu lugar. Vós sois hoje testemunhas.

Comentário de Robert Jamieson

Também estou adquirindo o direito de ter como mulher a moabita Rute – Esta conexão Boaz não só poderia formar, desde que Rute abraçou a verdadeira religião, mas ele estava sob uma necessidade legal de formar isto. [JFB, aguardando revisão]

11 E disseram todos os do povo que estavam à porta com os anciãos: Testemunhas somos. O SENHOR faça à mulher que entra em tua casa como a Raquel e a Lia, as quais duas edificaram a casa de Israel; e tu sejas ilustre em Efrata, e tenhas renome em Belém.

Comentário de Robert Jamieson

Os líderes e todos os que estavam na porta confirmaram: “Somos testemunhas! – Uma multidão, sem dúvida por curiosidade ou interesse, estava presente na ocasião. Não houve assinatura de ações; mas a transferência foi feita e a segurança total foi dada pela maneira pública em que toda a questão foi levada adiante e concluída.

Faça o Senhor com essa mulher que está entrando em sua família, como fez com Raquel e Lia – Essa era a bênção nupcial usual. [JFB, aguardando revisão]

12 E da semente que o SENHOR te der desta moça, seja tua casa como a casa de Perez, o que Tamar deu a Judá.

Comentário de Robert Jamieson

seja a sua família como a de Perez – isto é, tão honrada e numerosa como a dele. Ele era o ancestral do povo de Belém, e sua família um dos cinco dos quais a tribo de Judá nasceu. [JFB, aguardando revisão]

O casamento de Boaz e Rute

13 Então Boaz tomou a Rute, e ela foi sua mulher; e logo que entrou a ela, o SENHOR lhe deu que concebesse e desse à luz um filho.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-17) Esta bênção começou muito rapidamente a ser cumprida. Quando Boaz se casou com Rute, Jeová a concebeu e ela deu à luz um filho. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E as mulheres diziam a Noemi: Louvado seja o SENHOR, que fez que não te faltasse hoje parente, cujo nome será nomeado em Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

Ao nascer, as mulheres disseram a Noemi: “Bendito seja o Senhor, que não permitiu que um redentor te faltasse hoje”. Este redentor não era Boaz, mas o filho recém-nascido. Eles o chamavam de redentor de Noemi, não porque ele um dia resgataria todas as posses de Noemi (Carpzov, Rosenmller, etc.), mas porque, como filho de Rute, ele também era filho de Noemi (Rute 4:17), e como tal tiraria dela a censura de não ter filhos, a confortaria e cuidaria dela em sua velhice, tornando-se assim seu verdadeiro gol, isto é, seu libertador (Bertheau). “E que seu nome seja nomeado em Israel”, ou seja, que o menino adquira um nome célebre, freqüentemente mencionado em Israel. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 O qual será restaurador de tua alma, e o que sustentará tua velhice; pois que tua nora, a qual te ama e te vale mais que sete filhos, o fez nascer.

Comentário de Keil e Delitzsch

“E que o menino venha a ti um refresco da alma e um alimento da tua velhice, pois tua nora, que te ama (que deixou sua família, seu lar e seus deuses, por amor a ti), o nasceu; ela é melhor para ti do que sete filhos”. Sete, como o número das obras de Deus, é usado para denotar um grande número de filhos de uma mãe que Deus abençoou ricamente com filhos (vid., 1Samuel 2:5). Uma mãe de tantos filhos estava de parabéns, pois não só possuía nesses filhos um poderoso apoio para sua velhice, mas tinha a perspectiva da continuidade permanente de sua família. No entanto, Noemi tinha um tesouro ainda mais valioso em sua sogra, na medida em que através dela a perda de seus próprios filhos havia sido suprida em sua velhice, e a perspectiva era agora apresentada a ela de se tornar em sua velhice sem filhos a mãe-tribo de uma família numerosa e próspera. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 E tomando Noemi o filho, o pôs em seu colo, e foi-lhe sua ama.

Comentário de Cassel e Steenstra

e foi-lhe sua ama. Ela o pegou no colo, como uma avó de verdade. Ela formou a criança na vida e costumes israelitas. Ela se tornou para ele o que Mardoqueu foi para Ester, uma instrutora da lei e da cultura israelita. O filho de Rute tornou-se para ela um verdadeiro neto de amor. Por isso as vizinhas lhe dão um nome cujo significado equivale ao filho de Noemi. [Lange, aguardando revisão]

17 E as vizinhas dizendo, a Noemi nasceu um filho, lhe puseram nome; e chamaram-lhe Obede. Este é pai de Jessé, pai de Davi.

Comentário de Keil e Delitzsch

E os vizinhos disseram: “Um filho nasceu para Noemi”, e deram-lhe o nome de Obede. Esse nome foi dado ao menino (o contexto sugere isso) evidentemente com referência ao que ele se tornaria para sua avó. Obed, portanto, não significa “servo de Jeová” (Targum), mas “o servo”, como aquele que viveu inteiramente para sua avó, e cuidaria dela, e alegraria seu calor (O. v. Gerlach, depois de Josefo, Ant. v. 9, 4). As últimas palavras de Rute 4:17, “ele é o pai de Jessé, o pai de Davi”, mostram o objetivo que o autor tinha em vista ao escrever esses eventos, ou compor o próprio livro. Esta conjectura é elevada a uma certeza pela genealogia que se segue, e com a qual o livro se encerra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E estas são as gerações de Perez: Perez gerou a Hezrom;

Comentário de Robert Jamieson

da descendência de Perez – isto é, seus descendentes. Este apêndice mostra que o objeto especial contemplado pelo autor inspirado deste pequeno livro foi preservar a memória de um interessante episódio doméstico e traçar a genealogia de Davi. Houve um intervalo de trezentos e oitenta anos entre Salmon e Davi. É evidente que gerações inteiras são omitidas; os principais personagens são nomeados e os avós são ditos, na linguagem das Escrituras, para gerar seus netos, sem especificar os elos intermediários. [JFB, aguardando revisão]

19 E Hezrom gerou a Rão, e Rão gerou a Aminadabe;

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-22) “Estas são as gerações de Perez”, ou seja, as famílias descendentes de Perez em sua ordem genealógica (toledoth: veja em Gênesis 2:4). A genealogia só remonta a Pérez, porque ele foi o fundador da família de Judá que recebeu seu nome (Números 26:20), e à qual pertenciam Elimeleque e Boaz. Perez, um filho de Judá por Tamar (Gênesis 38:29), gerou Hezrom, que é mencionado em Gênesis 46:12 entre os filhos de Judá que emigraram com Jacó para o Egito, embora (como mostramos em nosso com. passagem) ele realmente nasceu no Egito. Deste filho Ram (chamado Aram em Sept. Cod. Al., e disso em Mateus 1:3) nada mais se sabe, pois ele só é mencionado novamente em 1 Crônicas 2:9. Seu filho Aminidabe era o sogro de Arão, que se casou com sua filha (Êxodo 6:23), e o pai de Nahesson (Nahshon), o príncipe da tribo da casa de Judá no tempo de Moisés (Números 1:7; Números 2:3; Números 7:12). De acordo com isso, há apenas quatro ou cinco gerações nos 430 anos passados ​​pelos israelitas no Egito, se incluirmos Perez e Nahesson; evidentemente não foi suficiente por tanto tempo, de modo que alguns dos elos intermediários devem ter sido deixados de fora mesmo aqui. Mas a omissão de membros sem importância torna-se ainda mais evidente na afirmação que segue, ou seja, que Nahshon gerou Salmah, e Salmah Boaz, em que apenas duas gerações são dadas por um espaço de mais de 250 anos, que interveio entre a morte de Moisés e o tempo de Gideão. Salmah (שׂלמה ou שׂלמא, 1 Crônicas 2:11) é chamado de Salmão em Rute 4:21; uma forma dupla do nome, que deve ser explicada pelo fato de que Salmah cresceu de Salmon através da elisão do n, e que as terminações an e on são usadas promiscuamente, como podemos ver na forma שׁריה em Jó 41 :18 quando comparado com שׁרין em 1 Reis 22:34, e שׁריון em 1Samuel 17:5, 1Samuel 17:38 (veja Ewald, 163-4). De acordo com a genealogia de Cristo em Mateus 1:5, Salmon casou-se com Raabe; consequentemente, ele era filho, ou pelo menos neto, de Nahshon, e, portanto, todos os membros entre Salmon e Boaz foram preteridos. Novamente, as gerações de Boaz a Davi (Rute 4:21, Rute 4:22) podem possivelmente estar completas, embora com toda a probabilidade uma geração tenha sido passada mesmo aqui entre Obede e Jessé. Também é digno de nota que toda a cadeia de Perez a David consiste em dez elos, cinco dos quais (de Perez a Nahshon) pertencem aos 430 anos de permanência no Egito, e cinco (de Salmon a David) aos 476 anos. anos entre o êxodo do Egito e a morte de Davi. Essa divisão simétrica é aparentemente tão intencional quanto a limitação de toda a genealogia a dez membros, com o propósito de estampar nela através do número dez como selo de completude o caráter de um todo perfeito, concluído e simétrico.

A genealogia termina com Davi, uma prova evidente de que o livro pretendia dar uma imagem familiar da vida dos piedosos ancestrais deste grande e piedoso rei de Israel. Mas para nós a história que aponta para Davi adquire um significado ainda maior, pelo fato de que todos os membros da genealogia de Davi cujos nomes ocorrem aqui também se encontram na genealogia de Jesus Cristo. “A passagem é dada por Mateus palavra por palavra na genealogia de Cristo, para que possamos ver que esta história não se parece tanto com Davi, mas com Jesus Cristo, que foi proclamado por todos como o Salvador e Redentor da raça humana, e para que possamos aprender com que maravilhosa compaixão o Senhor levanta os humildes e desprezados para a maior glória e majestade “(Brentius). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E Aminadabe gerou a Naassom, e Naassom gerou a Salmom;

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-22) “Estas são as gerações de Perez”, ou seja, as famílias descendentes de Perez em sua ordem genealógica (toledoth: veja em Gênesis 2:4). A genealogia só remonta a Pérez, porque ele foi o fundador da família de Judá que recebeu seu nome (Números 26:20), e à qual pertenciam Elimeleque e Boaz. Perez, um filho de Judá por Tamar (Gênesis 38:29), gerou Hezrom, que é mencionado em Gênesis 46:12 entre os filhos de Judá que emigraram com Jacó para o Egito, embora (como mostramos em nosso com. passagem) ele realmente nasceu no Egito. Deste filho Ram (chamado Aram em Sept. Cod. Al., e disso em Mateus 1:3) nada mais se sabe, pois ele só é mencionado novamente em 1 Crônicas 2:9. Seu filho Aminidabe era o sogro de Arão, que se casou com sua filha (Êxodo 6:23), e o pai de Nahesson (Nahshon), o príncipe da tribo da casa de Judá no tempo de Moisés (Números 1:7; Números 2:3; Números 7:12). De acordo com isso, há apenas quatro ou cinco gerações nos 430 anos passados ​​pelos israelitas no Egito, se incluirmos Perez e Nahesson; evidentemente não foi suficiente por tanto tempo, de modo que alguns dos elos intermediários devem ter sido deixados de fora mesmo aqui. Mas a omissão de membros sem importância torna-se ainda mais evidente na afirmação que segue, ou seja, que Nahshon gerou Salmah, e Salmah Boaz, em que apenas duas gerações são dadas por um espaço de mais de 250 anos, que interveio entre a morte de Moisés e o tempo de Gideão. Salmah (שׂלמה ou שׂלמא, 1 Crônicas 2:11) é chamado de Salmão em Rute 4:21; uma forma dupla do nome, que deve ser explicada pelo fato de que Salmah cresceu de Salmon através da elisão do n, e que as terminações an e on são usadas promiscuamente, como podemos ver na forma שׁריה em Jó 41 :18 quando comparado com שׁרין em 1 Reis 22:34, e שׁריון em 1Samuel 17:5, 1Samuel 17:38 (veja Ewald, 163-4). De acordo com a genealogia de Cristo em Mateus 1:5, Salmon casou-se com Raabe; consequentemente, ele era filho, ou pelo menos neto, de Nahshon, e, portanto, todos os membros entre Salmon e Boaz foram preteridos. Novamente, as gerações de Boaz a Davi (Rute 4:21, Rute 4:22) podem possivelmente estar completas, embora com toda a probabilidade uma geração tenha sido passada mesmo aqui entre Obede e Jessé. Também é digno de nota que toda a cadeia de Perez a David consiste em dez elos, cinco dos quais (de Perez a Nahshon) pertencem aos 430 anos de permanência no Egito, e cinco (de Salmon a David) aos 476 anos. anos entre o êxodo do Egito e a morte de Davi. Essa divisão simétrica é aparentemente tão intencional quanto a limitação de toda a genealogia a dez membros, com o propósito de estampar nela através do número dez como selo de completude o caráter de um todo perfeito, concluído e simétrico.

A genealogia termina com Davi, uma prova evidente de que o livro pretendia dar uma imagem familiar da vida dos piedosos ancestrais deste grande e piedoso rei de Israel. Mas para nós a história que aponta para Davi adquire um significado ainda maior, pelo fato de que todos os membros da genealogia de Davi cujos nomes ocorrem aqui também se encontram na genealogia de Jesus Cristo. “A passagem é dada por Mateus palavra por palavra na genealogia de Cristo, para que possamos ver que esta história não se parece tanto com Davi, mas com Jesus Cristo, que foi proclamado por todos como o Salvador e Redentor da raça humana, e para que possamos aprender com que maravilhosa compaixão o Senhor levanta os humildes e desprezados para a maior glória e majestade “(Brentius). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E Salmom gerou a Boaz, e Boaz gerou a Obede;

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-22) “Estas são as gerações de Perez”, ou seja, as famílias descendentes de Perez em sua ordem genealógica (toledoth: veja em Gênesis 2:4). A genealogia só remonta a Pérez, porque ele foi o fundador da família de Judá que recebeu seu nome (Números 26:20), e à qual pertenciam Elimeleque e Boaz. Perez, um filho de Judá por Tamar (Gênesis 38:29), gerou Hezrom, que é mencionado em Gênesis 46:12 entre os filhos de Judá que emigraram com Jacó para o Egito, embora (como mostramos em nosso com. passagem) ele realmente nasceu no Egito. Deste filho Ram (chamado Aram em Sept. Cod. Al., e disso em Mateus 1:3) nada mais se sabe, pois ele só é mencionado novamente em 1 Crônicas 2:9. Seu filho Aminidabe era o sogro de Arão, que se casou com sua filha (Êxodo 6:23), e o pai de Nahesson (Nahshon), o príncipe da tribo da casa de Judá no tempo de Moisés (Números 1:7; Números 2:3; Números 7:12). De acordo com isso, há apenas quatro ou cinco gerações nos 430 anos passados ​​pelos israelitas no Egito, se incluirmos Perez e Nahesson; evidentemente não foi suficiente por tanto tempo, de modo que alguns dos elos intermediários devem ter sido deixados de fora mesmo aqui. Mas a omissão de membros sem importância torna-se ainda mais evidente na afirmação que segue, ou seja, que Nahshon gerou Salmah, e Salmah Boaz, em que apenas duas gerações são dadas por um espaço de mais de 250 anos, que interveio entre a morte de Moisés e o tempo de Gideão. Salmah (שׂלמה ou שׂלמא, 1 Crônicas 2:11) é chamado de Salmão em Rute 4:21; uma forma dupla do nome, que deve ser explicada pelo fato de que Salmah cresceu de Salmon através da elisão do n, e que as terminações an e on são usadas promiscuamente, como podemos ver na forma שׁריה em Jó 41 :18 quando comparado com שׁרין em 1 Reis 22:34, e שׁריון em 1Samuel 17:5, 1Samuel 17:38 (veja Ewald, 163-4). De acordo com a genealogia de Cristo em Mateus 1:5, Salmon casou-se com Raabe; consequentemente, ele era filho, ou pelo menos neto, de Nahshon, e, portanto, todos os membros entre Salmon e Boaz foram preteridos. Novamente, as gerações de Boaz a Davi (Rute 4:21, Rute 4:22) podem possivelmente estar completas, embora com toda a probabilidade uma geração tenha sido passada mesmo aqui entre Obede e Jessé. Também é digno de nota que toda a cadeia de Perez a David consiste em dez elos, cinco dos quais (de Perez a Nahshon) pertencem aos 430 anos de permanência no Egito, e cinco (de Salmon a David) aos 476 anos. anos entre o êxodo do Egito e a morte de Davi. Essa divisão simétrica é aparentemente tão intencional quanto a limitação de toda a genealogia a dez membros, com o propósito de estampar nela através do número dez como selo de completude o caráter de um todo perfeito, concluído e simétrico.

A genealogia termina com Davi, uma prova evidente de que o livro pretendia dar uma imagem familiar da vida dos piedosos ancestrais deste grande e piedoso rei de Israel. Mas para nós a história que aponta para Davi adquire um significado ainda maior, pelo fato de que todos os membros da genealogia de Davi cujos nomes ocorrem aqui também se encontram na genealogia de Jesus Cristo. “A passagem é dada por Mateus palavra por palavra na genealogia de Cristo, para que possamos ver que esta história não se parece tanto com Davi, mas com Jesus Cristo, que foi proclamado por todos como o Salvador e Redentor da raça humana, e para que possamos aprender com que maravilhosa compaixão o Senhor levanta os humildes e desprezados para a maior glória e majestade “(Brentius). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E Obede gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-22) “Estas são as gerações de Perez”, ou seja, as famílias descendentes de Perez em sua ordem genealógica (toledoth: veja em Gênesis 2:4). A genealogia só remonta a Pérez, porque ele foi o fundador da família de Judá que recebeu seu nome (Números 26:20), e à qual pertenciam Elimeleque e Boaz. Perez, um filho de Judá por Tamar (Gênesis 38:29), gerou Hezrom, que é mencionado em Gênesis 46:12 entre os filhos de Judá que emigraram com Jacó para o Egito, embora (como mostramos em nosso com. passagem) ele realmente nasceu no Egito. Deste filho Ram (chamado Aram em Sept. Cod. Al., e disso em Mateus 1:3) nada mais se sabe, pois ele só é mencionado novamente em 1 Crônicas 2:9. Seu filho Aminidabe era o sogro de Arão, que se casou com sua filha (Êxodo 6:23), e o pai de Nahesson (Nahshon), o príncipe da tribo da casa de Judá no tempo de Moisés (Números 1:7; Números 2:3; Números 7:12). De acordo com isso, há apenas quatro ou cinco gerações nos 430 anos passados ​​pelos israelitas no Egito, se incluirmos Perez e Nahesson; evidentemente não foi suficiente por tanto tempo, de modo que alguns dos elos intermediários devem ter sido deixados de fora mesmo aqui. Mas a omissão de membros sem importância torna-se ainda mais evidente na afirmação que segue, ou seja, que Nahshon gerou Salmah, e Salmah Boaz, em que apenas duas gerações são dadas por um espaço de mais de 250 anos, que interveio entre a morte de Moisés e o tempo de Gideão. Salmah (שׂלמה ou שׂלמא, 1 Crônicas 2:11) é chamado de Salmão em Rute 4:21; uma forma dupla do nome, que deve ser explicada pelo fato de que Salmah cresceu de Salmon através da elisão do n, e que as terminações an e on são usadas promiscuamente, como podemos ver na forma שׁריה em Jó 41 :18 quando comparado com שׁרין em 1 Reis 22:34, e שׁריון em 1Samuel 17:5, 1Samuel 17:38 (veja Ewald, 163-4). De acordo com a genealogia de Cristo em Mateus 1:5, Salmon casou-se com Raabe; consequentemente, ele era filho, ou pelo menos neto, de Nahshon, e, portanto, todos os membros entre Salmon e Boaz foram preteridos. Novamente, as gerações de Boaz a Davi (Rute 4:21, Rute 4:22) podem possivelmente estar completas, embora com toda a probabilidade uma geração tenha sido passada mesmo aqui entre Obede e Jessé. Também é digno de nota que toda a cadeia de Perez a David consiste em dez elos, cinco dos quais (de Perez a Nahshon) pertencem aos 430 anos de permanência no Egito, e cinco (de Salmon a David) aos 476 anos. anos entre o êxodo do Egito e a morte de Davi. Essa divisão simétrica é aparentemente tão intencional quanto a limitação de toda a genealogia a dez membros, com o propósito de estampar nela através do número dez como selo de completude o caráter de um todo perfeito, concluído e simétrico.

A genealogia termina com Davi, uma prova evidente de que o livro pretendia dar uma imagem familiar da vida dos piedosos ancestrais deste grande e piedoso rei de Israel. Mas para nós a história que aponta para Davi adquire um significado ainda maior, pelo fato de que todos os membros da genealogia de Davi cujos nomes ocorrem aqui também se encontram na genealogia de Jesus Cristo. “A passagem é dada por Mateus palavra por palavra na genealogia de Cristo, para que possamos ver que esta história não se parece tanto com Davi, mas com Jesus Cristo, que foi proclamado por todos como o Salvador e Redentor da raça humana, e para que possamos aprender com que maravilhosa compaixão o Senhor levanta os humildes e desprezados para a maior glória e majestade “(Brentius). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Rute 3 1 Samuel 1>

Introdução à Rute 4

Para resgatar a promessa que havia feito a Rute, Boaz foi na manhã seguinte à porta da cidade e, chamando o redentor mais próximo ao passar, pediu-lhe, diante dos anciãos da cidade, que resgatasse o pedaço de terra que pertencia a Elimeleque e havia sido vendido por Noemi; e se ele fez isso, ao mesmo tempo para se casar com Rute, para estabelecer o nome do falecido em sua herança (Rute 4:1-5). Mas como ele renunciou ao direito de redenção por causa da condição ligada à redenção do campo, Boaz empreendeu a redenção diante do povo reunido, juntamente com a obrigação de se casar com Rute (Rute 4:6-12). O casamento foi abençoado com um filho, que se tornou pai de Jessé, pai de Davi (Rute 4:13-17). O livro termina com uma prova genealógica da descendência de Davi de Perez (Rute 4:18-22). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Rute

Em Rute, “uma família Israelita enfrenta a tragédia da perda e Deus usa a fidelidade de uma mulher não-israelita para restaurar a família de Davi”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Rute.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.