Deuteronômio 25

1 Quando houver pleito entre alguns, e vierem a juízo, e os julgarem, e absolverem ao justo e condenarem ao iníquo,

Comentário Whedon

pleito. Em conflitos entre dois homens, o tribunal deveria decidir a favor daquele que estava no direito. O culpado devia ser punido com açoites, que deviam ser proporcionais à sua culpa. [Whedon]

2 Será que, se o delinquente merecer ser açoitado, então o juiz o fará lançar em terra, e o fará açoitar diante de si, segundo seu delito, por conta.

Comentário de Robert Jamieson

se o delinquente merecer ser açoitado – Em sentenças judiciais, que concediam punição à falta de capital, a flagelação, como a canoada egípcia, era a forma mais comum em que eram executados. A lei mosaica, no entanto, introduziu duas restrições importantes; a saber: (1) A punição deve ser infligida na presença do juiz em vez de ser infligida em particular por algum funcionário sem coração; e (2) O montante máximo do mesmo deve ser limitado a quarenta faixas, em vez de ser concedido de acordo com a vontade arbitrária ou paixão do magistrado. Os egípcios, como governantes turcos e chineses, frequentemente aplicavam o bastão até que causassem a morte ou claudicação pela vida toda. Do que o flagelo consistia inicialmente, não somos informados; mas em épocas posteriores, quando os judeus eram excessivamente escrupulosos em aderir à letra da lei e, por medo de erro de cálculo, desejavam manter-se dentro do limite prescrito, ela era formada por três cordões, terminando em tiras de couro e treze traços. deste contados como trinta e nove listras (2Coríntios 11:24). [JFB, aguardando revisão]

3 Fará lhe dar quarenta açoites, não mais: não seja que, se o ferir com muitos açoites a mais destes, se humilhe teu irmão diante de teus olhos.

Comentário Barnes

Os judeus para manterem dentro da letra da lei fixaram 39 açoites como o máximo. Quarenta significa a medida total do juízo (compare Gênesis 7:12; Números 14:33-34); mas o filho de Israel não devia ser açoitado como um escravo à mercê de outro. O juiz devia estar sempre presente para ver que a Lei neste caso em particular não era ultrapassada. [Barnes]

4 Não porás mordaça ao boi quando trilhar.

Comentário de Robert Jamieson

Naum Judéia, como na Síria e no Egito modernos, os grãos maiores foram espancados pelos pés dos bois, que, unidos, dia após dia pisoteavam os largos espaços abertos que formar a debulha. Os animais foram autorizados a pegar livremente um bocado, quando eles optaram por fazê-lo: um regulamento sábio, bem como humano, introduzido pela lei de Moisés (compare 1Coríntios 9:9; 1Timóteo 5:17-18). [JFB, aguardando revisão]

A obrigação de um homem casar com a viúva de seu irmão

5 Quando irmãos estiverem juntos, e morrer algum deles, e não tiver filho, a mulher do morto não se casará fora com homem estranho: seu cunhado entrará a ela, e a tomará por sua mulher, e fará com ela parentesco.

Comentário de Robert Jamieson

tomará por sua mulher – Esse uso existia antes da era de Moisés (Gênesis 38:8). Mas a lei mosaica tornava obrigatório o costume (Mateus 22:25) de irmãos mais novos, ou o parente mais próximo, casar-se com a viúva (4:4), associando o desejo natural de perpetuar o nome de um irmão com a preservação da propriedade. nas famílias e tribos hebréias. Se o irmão mais novo se recusasse a cumprir a lei, a viúva levava sua reivindicação perante as autoridades do lugar em uma assembléia pública (o portão da cidade); e tendo declarado sua recusa, ordenou-lhe que soltasse o fio dental de seu sapato – sinal de degradação – seguindo esse ato cuspindo no chão – a expressão mais forte de ignomínia e desprezo entre os povos orientais. O sapato foi mantido pelo magistrado como prova da transação, e as partes se separaram. [JFB, aguardando revisão]

6 E será que o primogênito que der à luz ela, se levantará em nome de seu irmão o morto, para que o nome deste não seja apagado de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-10) Sobre os casamentos leviratos. – Deuteronômio 25:5-6. Se irmãos vivessem juntos, e um deles morresse sem filhos, a esposa do falecido não deveria se casar fora (isto é, longe da família) com um homem estranho (um não pertencente a sua parentela); seu cunhado deveria vir até ela e tomá-la por sua esposa, e cumprir o dever de cunhado para com ela. יבּם, denominado de יבם, um cunhado, irmão do marido, literalmente, para agir como cunhado, ou seja, cumprir o dever de um cunhado, que consistia em casar-se com a viúva de seu falecido irmão, e gerar um filho de filhos com ela, cujo primogênito era “ficar sobre o nome de seu falecido irmão”, ou seja ser colocado na família do falecido, e ser reconhecido como herdeiro de sua propriedade, para que seu nome (o nome do homem que tinha morrido sem filhos) não fosse apagado ou desaparecesse de Israel. A disposição, “sem ter um filho” (ben), foi corretamente interpretada pela lxx, Vulgata, Josephus (Ant. iv. 8, 23), e os Rabinos, como significando sem filhos (não tendo semente, Mateus 22:25); pois se o falecido tivesse simplesmente uma filha, de acordo com Números 27:4, a perpetuação de sua casa e nome deveria ser assegurada através dela. A obrigação do casamento de um cunhado só existia nos casos em que os irmãos tivessem vivido juntos, ou seja, em um mesmo lugar, não necessariamente em uma casa ou com um estabelecimento doméstico e casa comum (vid., Gênesis 13:6; Gênesis 36:7). – Este costume do casamento de um cunhado (levita), que se encontra em diferentes nações, e como um antigo costume tradicional entre os israelitas (ver Gênesis 38:8.), teve suas raízes naturais no desejo inerente ao homem, que é formado para a imortalidade, e ligado à crença até então não desenvolvida em uma vida eterna, para assegurar uma existência pessoal contínua para si mesmo e imoralidade para seu nome, através da perpetuação de sua família e na vida do filho que tomou seu lugar. Este desejo não foi suprimido em Israel pela revelação divina, mas sim aumentado, na medida em que as promessas dadas aos patriarcas estavam ligadas à preservação e propagação de sua semente e nome. A promessa dada a Abraão por sua semente não só elevaria necessariamente a geração de filhos na visão religiosa dos israelitas para a obra desejada por Deus e bem agradável a Ele, mas também daria este significado ao costume tradicional de preservar o nome e a família através da substituição de um casamento de dever, de modo que eles assegurariam a si mesmos e a sua família uma parte na bênção da promessa. Moisés, portanto, reconheceu este costume como perfeitamente justificável; mas procurou restringi-lo dentro de tais limites, que ele não deveria apresentar qualquer impedimento à santificação do casamento visado pela lei. Ele tirou o caráter obrigatório, que até então possuía, prescrevendo em Deuteronômio 25:7, que se o irmão sobrevivente se recusasse a casar com sua cunhada viúva, ela deveria levar o assunto ao portão diante dos anciãos da cidade (vid., Deuteronômio 21:19), ou seja, diante dos magistrados; e se o cunhado ainda persistisse em sua recusa, ela deveria tirar-lhe o sapato do pé e cuspir-lhe no rosto, com estas palavras: “Assim seja feito com o homem que não constrói a casa de seu irmão”.

A retirada do sapato era um costume antigo em Israel, adotado, segundo Rute 4:7, em casos de resgate e troca, com a finalidade de confirmar transações comerciais. O uso surgiu do fato de que, quando alguém tomava posse de uma propriedade da terra, o fazia pisando no solo e afirmando seu direito de posse pisando nele em seus sapatos. Desta forma, tirar o sapato e entregá-lo a outro tornou-se um símbolo da renúncia à posição e à propriedade de um homem – um símbolo que também era comum entre os índios e os antigos alemães (ver minha Archologie, ii. p. 66). Mas o costume era ignominioso em um caso como este, quando o sapato foi retirado publicamente do pé do cunhado pela viúva com quem ele se recusou a se casar. Ele foi assim privado da posição que deveria ter ocupado em relação a ela e ao seu irmão falecido, ou à sua casa paterna; e a desgraça envolvida nisso foi ainda mais agravada pelo fato de sua cunhada ter cuspido em seu rosto. Este é o significado das palavras (compare com Números 12:14), e não apenas cuspir no chão diante de seus olhos, como Saalschtz e outros, bem como os talmudistas (tr. Jebam. xii. 6) o traduzem, pois o propósito de diminuir a desgraça. “Edifique a casa de seu irmão”, ou seja, lance o fundamento de uma família ou posteridade para ele (compare com Gênesis 16: 2). – Além disso, o cunhado relutante receberia um nome de ridículo em Israel: “Casa do sapato tirado” (הנּעל חלוּץ, tirado quanto ao sapato; compare com Ewald, 288, b. ), ou seja, do homem descalço, equivalente a “o miserável”; pois era apenas em circunstâncias miseráveis ​​que os hebreus andavam descalços (vid., Isaías 20:2-3; curado, e a afeição fraterna preservada como o fundamento moral de sua casa” (vid., meu Archäologie, pp. 64, 65). ). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E se o homem não quiser tomar a sua cunhada, irá então a cunhada sua à porta aos anciãos, e dirá: Meu cunhado não quer suscitar nome em Israel a seu irmão; não quer aparentar-se comigo.

Comentário Whedon

E se o homem não quiser. Se o cunhado não estivesse disposto a se casar com a viúva do seu falecido irmão, então ela deveria levar a questão aos anciães para que julgassem. Para uma ilustração veja o caso de Boaz e Rute (Rute 4-5). [Whedon]

8 Então os anciãos daquela cidade o farão vir, e falarão com ele: e se ele se levantar, e disser, Não quero tomá-la,

Comentário de John Gill

Então os anciãos daquela cidade o farão vir. Exigirão que ele venha, diante deles, e declare sua resolução e as razões para isso; recitar-lhe-ão esta lei, e explicar-lhe-ão a natureza da mesma, e exortá-lo-ão a cumpri-la, ou mostrar a razão pela qual não o faz, pelo menos a ter sua resolução final sobre ela.

e falarão com ele; falar com ele sobre este assunto, e dar-lhe seus melhores conselhos; e o que foi Maimonides 1 mais particularmente nos informa; se é bom e aconselhável se casar, aconselham-no a se casar; mas se é melhor conselho arrancar o sapato, eles o dão; como quando ela é jovem e ele é velho, ou ela é velha e ele é jovem, aconselham-no a permitir que o sapato seja arrancado.

e se ele se levantar, e disser, Não quero tomá-la; se, depois de toda a conversa, debate e conselho entre eles, ele for resoluto, e se mantiver firme em sua primeira determinação, de não casar com ela, então o seguinte método deveria ser tomado. [Gill, aguardando revisão]

9 Então se aproximará sua cunhada a ele diante dos anciãos, e o descalçará o sapato de seu pé, e lhe cuspirá no rosto, e falará e dirá: Assim será feito ao homem que não edificar a casa de seu irmão.

Comentário Barnes

o descalçará o sapato de seu pé. Em sinal de ter tirado do irmão não disposto todo o direito sobre a esposa e os bens do falecido. Plantar o pé sobre uma coisa era um símbolo usual de senhorio e de tomada de posse (compare Gênesis 13:17; Josué 10:24), e soltar o sapato e entregá-lo a outro da mesma maneira significava uma renúncia e transferência de direito e título (compare Rute 4:7-8; Salmo 60:8, e Salmo 108:9). A viúva aqui é orientada a si mesma, como a parte desprezada e ferida, a privar seu cunhado de seu sapato e cuspir em seu rosto (compare com Números 12:14). A ação foi destinada a agravar a desgraça concebida para se associar à conduta do homem. [Barnes, aguardando revisão]

10 E seu nome será chamado em Israel: A casa do descalço.

Comentário Barnes

A casa do descalço. Andar descalço era um sinal da condição mais deplorável; compare 2Samuel 15:30. [Barnes, aguardando revisão]

11 Quando alguns brigarem juntos um com o outro, e chegar a mulher de um para livrar a seu marido da mão do que lhe fere, e meter sua mão e lhe pegar por suas vergonhas;

Em outras palavras, “Quando dois homens estiverem lutando, a esposa de um deles não deve chegar e agarrar o membro do outro, a fim de ajudar o marido” (NTLH).

12 Tu a cortarás então a mão, não a perdoará teu olho.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-12) “Mas para que a grande independência que aqui é concedida a uma viúva sem filhos em relação a seu cunhado, não possa ser interpretada como uma falsa liberdade concedida ao sexo feminino” (Baumgarten), a lei é acrescentada imediatamente depois, que uma mulher cujo marido estava brigando com outro, e que deveria vir em seu auxílio, segurando as partes secretas do homem que estava golpeando seu marido, deveria ter sua mão cortada. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Pesos e medidas justos

13 Não terás em tua bolsa peso grande e peso pequeno.

Comentário de Robert Jamieson

Os pesos eram antigamente feitos de pedra e são frequentemente usados ​​ainda por lojistas e comerciantes orientais, que os tiram da sacola e os colocam em equilíbrio. O homem que não é enganado pelo comerciante e sua bolsa de pesos diversos deve ser abençoado com mais agudeza do que a maioria de seus companheiros [Roberts]. (Veja Provérbios 16:11; 20:10). [JFB, aguardando revisão]

14 Não terás em tua casa efa grande e efa pequeno.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) O dever de integridade no comércio é mais uma vez imposto em Deuteronômio 25:13-16 (como em Levítico 19:35-36). “Pedra e pedra”, ou seja, dois tipos de pedras para pesagem (compare com Salmo 12:3), em outras palavras, as grandes para compra e as pequenas para venda. Sobre a promessa em Deuteronômio 25:15, ver Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 5:16; Deuteronômio 25:16, como em Deuteronômio 22:5; Deuteronômio 18:12, etc. Nas palavras finais, Deuteronômio 25:16, “todos os que fazem injustiça”, Moisés resume todas as violações da lei. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Pesos íntegros e justos terás; efa íntegro e justo terás: para que teus dias sejam prolongados sobre a terra que o SENHOR teu Deus te dá.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) O dever de integridade no comércio é mais uma vez imposto em Deuteronômio 25:13-16 (como em Levítico 19:35-36). “Pedra e pedra”, ou seja, dois tipos de pedras para pesagem (compare com Salmo 12:3), em outras palavras, as grandes para compra e as pequenas para venda. Sobre a promessa em Deuteronômio 25:15, ver Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 5:16; Deuteronômio 25:16, como em Deuteronômio 22:5; Deuteronômio 18:12, etc. Nas palavras finais, Deuteronômio 25:16, “todos os que fazem injustiça”, Moisés resume todas as violações da lei. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Porque abominação é ao SENHOR teu Deus qualquer um que faz isto, qualquer um que faz injustiça.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-16) O dever de integridade no comércio é mais uma vez imposto em Deuteronômio 25:13-16 (como em Levítico 19:35-36). “Pedra e pedra”, ou seja, dois tipos de pedras para pesagem (compare com Salmo 12:3), em outras palavras, as grandes para compra e as pequenas para venda. Sobre a promessa em Deuteronômio 25:15, ver Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 5:16; Deuteronômio 25:16, como em Deuteronômio 22:5; Deuteronômio 18:12, etc. Nas palavras finais, Deuteronômio 25:16, “todos os que fazem injustiça”, Moisés resume todas as violações da lei. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Amaleque será destruído

17 Lembra-te do que te fez Amaleque no caminho, quando saístes do Egito:

Comentário de Robert Jamieson

Lembra-te do que te fez Amaleque – Esta atrocidade de sangue frio e covarde não é narrada na história anterior (Êxodo 17:14). Foi um ultraje não provocado sobre as leis da natureza e da humanidade, bem como um desafio ousado do Deus que havia mostrado tão claramente Seu favor para com Israel (ver 1Samuel 15:1-35; ver 1Samuel 27:8; veja em 1Samuel 30:1). [JFB, aguardando revisão]

18 Que te saiu ao caminho, e te desbaratou a retaguarda de todos os fracos que iam detrás de ti, quando tu estavas cansado e exausto; e não temeu a Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Mas enquanto os israelitas deveriam fazer do amor o princípio orientador de sua conduta nas relações com o próximo, e até mesmo com estranhos e inimigos, esse amor não deveria degenerar em fraqueza ou indiferença em relação à impiedade aberta. Para imprimir esta verdade sobre o povo, Moisés conclui o discurso sobre a lei lembrando-os da inimizade astuta manifestada por Amaleque em sua marcha para fora do Egito, e com a ordem de expulsar os amalequitas (compare com Êxodo 17:9-16). Esta nação pagã tinha vindo contra Israel em sua jornada, em outras palavras, em Rephidim em Horebe, e tinha atacado sua retaguarda: “Todos os enfraquecidos atrás de ti, enquanto desmaiaste e te cansaste, sem temer a Deus”. זנּב, literalmente, para seguir, portanto para atacar ou destruir a retaguarda de um exército ou de um povo viajante (compare com Josué 10:19). Por esta razão, quando o Senhor deveria ter dado a Israel o descanso na terra de sua herança, era para arrancar a lembrança de Amaleque sob o céu. (Sobre a execução desta ordem, ver 1 Samuel 15.) “Não a esquecerás:” uma aplicação enfática da “lembrança” em Deuteronômio 25:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Será, pois, quando o SENHOR teu Deus te houver dado repouso de teus inimigos ao redor, na terra que o SENHOR teu Deus te dá por herdar para que a possuas, que apagarás a memória de Amaleque de debaixo do céu: não te esqueças.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Mas enquanto os israelitas deveriam fazer do amor o princípio orientador de sua conduta nas relações com o próximo, e até mesmo com estranhos e inimigos, esse amor não deveria degenerar em fraqueza ou indiferença em relação à impiedade aberta. Para imprimir esta verdade sobre o povo, Moisés conclui o discurso sobre a lei lembrando-os da inimizade astuta manifestada por Amaleque em sua marcha para fora do Egito, e com a ordem de expulsar os amalequitas (compare com Êxodo 17:9-16). Esta nação pagã tinha vindo contra Israel em sua jornada, em outras palavras, em Rephidim em Horebe, e tinha atacado sua retaguarda: “Todos os enfraquecidos atrás de ti, enquanto desmaiaste e te cansaste, sem temer a Deus”. זנּב, literalmente, para seguir, portanto para atacar ou destruir a retaguarda de um exército ou de um povo viajante (compare com Josué 10:19). Por esta razão, quando o Senhor deveria ter dado a Israel o descanso na terra de sua herança, era para arrancar a lembrança de Amaleque sob o céu. (Sobre a execução desta ordem, ver 1 Samuel 15.) “Não a esquecerás:” uma aplicação enfática da “lembrança” em Deuteronômio 25:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 24 Deuteronômio 26>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

  1. Yebum Vechalitzab, c. 4. sect. 1