Bíblia, Revisar

1 Samuel 30

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Davi derrota os amalequitas

1 E Quando Davi e os seus vieram a Ziclague o terceiro dia, os de Amaleque haviam invadido o sul e a Ziclague, e haviam assolado a Ziclague, e posto-a a fogo.

os amalequitas tinham atacado o Neguebe e Ziclague – Enquanto a força das forças filisteus era despejada de seu país na planície de Esdrelon, os saqueadores amalequitas aproveitaram a oportunidade do estado indefeso de Filistia para invadir o território do sul. Naturalmente, a cidade de Davi sofreu com a devastação desses saqueadores nômades, em vingança por seu recente ataque ao território deles.

2 E haviam-se levado cativas às mulheres que estavam nela, desde a menor até a maior; mas a ninguém haviam matado, mas sim levado, e ido seu caminho.

A ninguém mataram, mas os levaram consigo, quando prosseguiram seu caminho – Sua conduta parece estar em contraste favorável com a de Davi (1Sm 27:11). Mas sua aparente clemência não surgiu de considerações humanas. É rastreável aos antigos usos de guerra do Oriente, onde os homens de guerra, na captura de uma cidade, foram mortos de forma impiedosa, mas não havia guerreiros em Ziklag na época. As mulheres e os meninos eram reservados para os escravos, e os idosos eram poupados em relação à idade.

3 Veio, pois Davi com os seus à cidade, e eis que estava queimada a fogo, e suas mulheres e seus filhos e filhas levadas cativas.

Davi e seus soldados encontraram a cidade destruída pelo fogo – A linguagem indica que a fumaça da conflagração ainda era visível, e o saque muito recente.

4 Então Davi e a gente que com ele estava, levantaram sua voz e choraram, até que lhes faltaram as forças para chorar.
5 As duas mulheres de Davi, Ainoã jezreelita e Abigail a que foi mulher de Nabal do Carmelo, também eram cativas.
6 E Davi foi muito angustiado, porque o povo falava de apedrejá-lo; porque todo aquele povo estava com ânimo amargo, cada um por seus filhos e por suas filhas: mas Davi se esforçou no SENHOR seu Deus.

Davi ficou profundamente angustiado – Ele tinha razão, não apenas em seu próprio relato pessoal (1Sm 30:5), mas por causa do clamor veemente e ameaças insurrecionais contra ele por ter deixado o lugar tão indefeso que as famílias de seus homens caíram uma presa irresistível para o inimigo. Sob a pressão de uma calamidade tão inesperada e generalizada, da qual ele foi repreendido como a ocasião indireta, o espírito de qualquer outro líder guiado por motivos comuns teria afundado;

Davi, porém, fortaleceu-se no Senhor seu Deus – Sua fé forneceu-lhe recursos internos de conforto e energia, e, através das pesquisas questionáveis ​​que ele fez por Urim, ele inspirou confiança ordenando uma busca imediata dos saqueadores.

7 E disse Davi ao sacerdote Abiatar filho de Aimeleque: Eu te rogo que me tragas o éfode. E Abiatar trouxe o éfode a Davi.
8 E Davi consultou ao SENHOR, dizendo: Seguirei esta tropa? Poderei alcançá-la? E ele lhe disse: Segue-a que de certo a alcançarás, e sem falta livrarás a presa.
9 Partiu-se, pois, Davi, ele e os seiscentos homens que com ele estavam, e vieram até o ribeiro de Besor, de onde se restaram alguns.

foram ao ribeiro de Besor – agora Wady Gaza, uma torrente de inverno, um pouco ao sul de Gaza. A margem de um riacho naturalmente oferecia um descanso conveniente aos soldados, que, por fadiga, não conseguiam continuar a perseguição.

10 E Davi seguiu o alcance com quatrocentos homens; porque se restaram atrás duzentos, que cansados não puderam passar o ribeiro de Besor.
11 E acharam no acampamento um homem egípcio, o qual trouxeram a Davi, e deram-lhe pão que comesse, e a beber água;

Escravos idosos e caseiros geralmente são tratados com grande bondade. Mas um escravo comprado ou capturado deve olhar para si mesmo; pois, se estiver fraco ou doente, seu mestre o deixará perecer, em vez de se sobrecarregar com qualquer encargo adicional. Este egípcio parece ter caído recentemente nas mãos de um amalequita, e seu mestre tendo pertencido à tropa de assalto que atacou Ziklag, ele poderia dar informações úteis sobre o rumo tomado por eles em seu retorno.

12 Deram-lhe também um pedaço de massa de figos secos, e dois cachos de passas. E logo que comeu, voltou nele seu espírito; porque não havia comido pão nem bebido água em três dias e três noites.
13 E disse-lhe Davi: De quem és tu? E de onde és? E respondeu o jovem egípcio: Eu sou servo de um amalequita, e deixou-me meu amo hoje há três dias, porque estava enfermo;
14 Pois fizemos uma incursão à parte do sul dos queretitas, e a Judá, e ao sul de Calebe; e pusemos fogo a Ziclague.

dos queretitas – isto é, os filisteus (Ez 25:16; Sf 2:5).

15 E disse-lhe Davi: Tu me levarás a essa tropa? E ele disse: Faze-me juramento por Deus que não me matarás, nem me entregarás nas mãos de meu amo, e eu te levarei a essa gente.

Jura, diante de Deus – Se ainda havia entre essas tribos idólatras uma crença persistente em um Deus, ou se este egípcio desejava amarrar Davi pelo Deus a quem os hebreus adoravam, a solene sanção de um juramento era mutuamente reconhecida.

16 Então o levou-o; e eis que estavam dispersos sobre a face de toda aquela terra, comendo e bebendo e fazendo festa, por toda aquela grande presa que haviam tomado da terra dos filisteus, e da terra de Judá.

eles estavam espalhados pela região – Acreditando que Davi e todos os seus homens de guerra estavam distantes, comprometidos com a expedição filistéia, eles se consideravam perfeitamente seguros e se abandonavam a todo tipo de folia bárbara. A promessa feita em resposta às investigações devotas de Davi (1Sm 30:8) foi cumprida. Os saqueadores ficaram surpresos e em pânico. Seguiu-se um grande massacre – as pessoas, assim como o saque retirado de Ziklag, foram recuperadas, além de uma grande quantidade de saque que haviam coletado em uma excursão ampla e gratuita.

17 E feriu-os Davi desde aquela manhã até à tarde do dia seguinte: e não escapou deles nenhum, a não ser quatrocentos rapazes, que haviam subido em camelos e fugiram.
18 E livrou Davi tudo o que os amalequitas haviam tomado: e também libertou Davi a suas duas mulheres.
19 E não lhes faltou coisa pequena nem grande, tanto de filhos como de filhas, do roubo, e de todas as coisas que lhes haviam tomado: todo o recuperou Davi.
20 Tomou também Davi todas as ovelhas e gados maiores; e trazendo-o todo adiante, diziam: Esta é a presa de Davi.
21 E veio Davi aos duzentos homens que haviam restado cansados e não haviam podido perseguir a Davi, aos quais haviam feito restar no ribeiro de Besor; e eles saíram a receber a Davi, e ao povo que com ele estava. E quando Davi chegou à gente, saudou-os com paz.

Então Davi foi até os duzentos homens que estavam exaustos demais para segui-lo – essa inesperada ascensão de despojo quase provou ser uma ocasião de discussão através da cupidez egoísta de alguns de seus seguidores, e consequências sérias poderiam ter acontecido se não tivessem sido impedido pela prudência do líder, que o decretou como uma ordenação permanente – a regra equitativa – de que todos os soldados deveriam compartilhar da mesma forma (ver Nm 31:11,25).

22 Então todos os maus e perversos dentre os que haviam ido com Davi, responderam e disseram: Pois que não foram conosco, não lhes daremos da presa que tiramos, a não ser a cada um sua mulher e seus filhos; os quais tomem e se vão.
23 E Davi disse: Não façais isso, irmãos meus, do que nos deu o SENHOR; o qual nos guardou, e entregou em nossas mãos a caterva que veio sobre nós.
24 E quem vos escutará neste caso? Porque igual parte será a dos que vem à batalha, e a dos que ficam com a bagagem; que repartam juntos.
25 E desde aquele dia em diante foi isto posto por lei e ordenança em Israel, até hoje.
26 E quando Davi chegou a Ziclague, enviou da presa aos anciãos de Judá, seus amigos, dizendo: Eis aqui uma bênção para vós, da presa dos inimigos do SENHOR.

Quando Davi chegou a Ziclague, enviou parte dos bens às autoridades de Judá – Isso foi feito como um reconhecimento aos líderes das cidades e vilas de Judá que haviam ministrado às suas necessidades no decorrer de suas várias andanças. Era o ditado de um coração amável e agradecido; e o efeito dessa liberalidade em tempo oportuno foi trazer uma grande adesão de números ao seu campo (1Cr 12:22). A enumeração desses lugares mostra que um numeroso e influente grupo de adeptos à sua causa ele podia contar dentro de sua própria tribo [1Sm 30:27-31].

27 Aos que estavam em Betel, e em Ramote ao sul, e aos que estavam em Jattir;
28 E aos que estavam em Aroer, e em Sifmote, e aos que estavam em Estemoa;
29 E aos que estavam em Racal, e aos que estavam nas cidades de Jerameel, e aos que estavam nas cidades dos queneus;
30 E aos que estavam em Hormá, e aos que estavam em Corasã, e aos que estavam em Atace;
31 E aos que estavam em Hebrom, e em todos os lugares de onde Davi havia estado com os seus.
<1 Samuel 29 1 Samuel 31>

Leia também uma introdução aos livros de Samuel.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados