Bíblia, Revisar

1 Samuel 31

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

A matança dos israelitas e a morte de Saul

1 Então os filisteus lutaram com Israel, e os de Israel fugiram diante dos filisteus, e caíram mortos no monte de Gilboa.

em combate com os filisteus, os israelitas – Em um compromisso regular, em que os dois exércitos se encontraram (1Sm 28:1-4), os israelitas foram forçados a ceder, sendo incomodados pelas flechas do inimigo, que, destruindo-os em a distância antes de chegarem a um combate apertado, jogou-os em pânico e desordem. Aproveitando as alturas do monte Gilboa, [os israelitas] tentaram se reunir, mas em vão. Saul e seus filhos lutaram como heróis; mas o início dos filisteus foi principalmente dirigido contra o bairro onde eles estavam, Jônatas e dois irmãos, Abinadab ou Ishui (1Sm 14:49) e Melchishua, dominados por números, foram mortos no local.

2 E seguindo os filisteus a Saul e a seus filhos, mataram a Jônatas, e a Abinadabe, e a Malquisua, filhos de Saul.
3 E agravou-se a batalha sobre Saul, e lhe alcançaram os flecheiros; e teve grande temor dos flecheiros.

Ele parece ter corajosamente mantido sua posição por mais algum tempo; mas exaustos de fadiga e perda de sangue, e temendo que, se ele caísse vivo nas mãos do inimigo, eles o maltratassem insolentemente (Js 8:29; 10:24; Jz 8:21), ele pediu ao seu escudeiro para despachá-lo. No entanto, esse oficial se recusou a fazê-lo. Saul então caindo sobre a ponta de sua espada se matou; e o escudeiro, que segundo os escritores judeus era Doeg, seguindo o exemplo de seu mestre, pôs fim à sua vida também. Eles morreram por uma e a mesma espada – a mesma arma com a qual massacraram os servos do Senhor em Nob.

4 Então disse Saul a seu escudeiro: Tira tua espada, e passa-me com ela, porque não venham estes incircuncisos, e me passem, e me escarneçam. Mas seu escudeiro não queria, porque tinha grande temor. Então Saul tomou a espada, e lançou-se sobre ela.
5 E vendo seu escudeiro a Saul morto, ele também se lançou sobre sua espada, e morreu com ele.
6 Assim morreu Saul naquele dia, juntamente com seus três filhos, e seu escudeiro, e todos os seus homens.

(veja 1Cr 10:13; ver em Os 13:11).

seus três filhos – A influência de uma Providência diretora é evidentemente traçada ao permitir a morte dos três filhos mais velhos e mais enérgicos de Saul, particularmente o de Jônatas, para quem, se ele tivesse sobrevivido a seu pai, um partido forte indubitavelmente ressuscitaram e assim obstruíram o caminho de Davi ao trono.

seu escudeiro e todos os seus soldados morreram juntos naquele dia – seus servos ou guarda-costas (1Cr 10:6).

7 E os de Israel que eram da outra parte do vale, e da outra parte do Jordão, vendo que Israel havia fugido, e que Saul e seus filhos eram mortos, deixaram as cidades e fugiram; e os filisteus vieram e habitaram nelas.

Quando os israelitas que habitavam do outro lado do vale – provavelmente o vale de Jezreel – o maior e mais meridional dos vales que correm entre o Pequeno Hermom e as cordilheiras da cordilheira de Gilboa dirigem-se diretamente para o vale do Jordão. Era muito natural que as pessoas das cidades e aldeias se assustassem e fugissem, pois, se tivessem esperado a chegada dos vencedores, deveriam, segundo os usos da guerra da época, ter sido privados da sua liberdade ou da sua liberdade. vidas.

8 E aconteceu o dia seguinte, que vindo os filisteus a despojar os mortos, acharam a Saul e a seus três filhos estendidos no monte de Gilboa;

Ao descobrir os cadáveres dos príncipes massacrados no campo de batalha, o inimigo os reservou para indignidades especiais. Eles consagraram a armadura do rei e seus filhos ao templo de Ashtaroth, fixaram seus corpos no templo de Shen, enquanto eles fixavam as cabeças reais vergonhosamente no templo de Dagon (1Cr 10:10); dividindo assim a glória entre suas várias divindades.

9 E cortaram-lhe a cabeça, e tiraram-lhe as armas; e enviaram ao redor da terra dos filisteus, para que o noticiassem no templo de seus ídolos, e pelo povo.
10 E puseram suas armas no templo de Astarote, e colocaram seu corpo no muro de Bete-Seã.

no muro de Bete-Seã – (2Sm 21:12) – “a rua” de Beth-shan. A rua foi chamada do templo que estava dentro dela. E eles tiveram que ir ao longo da muralha da cidade (ver Js 17:11).

11 Mas ouvindo os de Jabes de Gileade isto que os filisteus fizeram a Saul,

Cientes dos serviços importantes e oportunos que Saul lhes prestara, resolveram com gratidão e heroicidade não permitir que tais indignidades fossem infligidas aos restos da família real.

12 Todos os homens valentes se levantaram, e andaram toda aquela noite, e tiraram o corpo de Saul e os corpos de seus filhos do muro de Bete-Seã; e vindo a Jabes, queimaram-nos ali.

Considerando que Bete-Sã é uma hora e meia de distância, e por uma passagem estreita e alta, a oeste do Jordão (sendo o todo uma jornada de Jabes-Gileade de cerca de dezesseis quilômetros), devem ter feito toda a pressa de viajar para lá para transportar os corpos sem cabeça e voltar para o seu próprio lado do Jordão no decorrer de uma única noite.

onde os queimaram – Este não era um costume hebreu. Provavelmente se recorreu a esta ocasião para evitar que todos os riscos dos betshanitas chegassem a desenterrar os restos reais para mais insulto.

13 E tomando seus ossos, sepultaram-nos debaixo de uma árvore em Jabes, e jejuaram durante sete dias.
<1 Samuel 30 2 Samuel 1>

Leia também uma introdução aos livros de Samuel.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados