Deuteronômio 18

A herança dos sacerdotes e dos levitas

1 Os sacerdotes levitas, toda a tribo de Levi, não terão parte nem herança com Israel; das ofertas acendidas ao SENHOR, e da herança dele comerão.

Comentário de Robert Jamieson

Como a tribo de Levi não tinha herança como as outras tribos, mas totalmente consagrada ao ofício sacerdotal, a sua manutenção devia provir dos dízimos, primícias e de certas porções dos levitas. oblações apresentadas no altar, que Deus, por indicação expressa, reservou a si mesmo, após ser oferecido, aos seus ministros. [JFB, aguardando revisão]

2 Não terão, pois, herança entre seus irmãos: o SENHOR é a sua herança, como ele lhes disse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-2) Os Direitos dos Sacerdotes e Levitas. – Com referência a estes, Moisés repete textualmente dos Números 18:20, Numeros 18:23-24, a parte essencial da regra estabelecida nos Números 18: “Os sacerdotes levitas, a tribo inteira de Levi, não terão parte nem herança com Israel”. “Toda a tribo de Levi” inclui os sacerdotes e os levitas. Eles deveriam comer as “fogueiras de Jeová e Sua herança”, como descrito em detalhes nos Números 18. A herança de Jeová consistia dos dons sagrados, bem como dos sacrifícios, ou seja, os dízimos, primogênitos e primogênitos. Moisés achou supérfluo enumerar estes dons um a um a partir das leis anteriores, e também descrever o modo de sua aplicação, ou definir quanto pertenciam aos sacerdotes e quanto aos levitas. Embora seja verdade que o autor atribui todos estes dons aos levitas em geral, a conclusão retirada disso, em outras palavras, que ele não conhecia nenhuma distinção entre sacerdotes e levitas, mas colocou os levitas inteiramente em pé de igualdade com os sacerdotes, é bastante falsa. Pois, além da distinção evidente entre os sacerdotes e os levitas em Deuteronômio 18:1, onde não haveria significado na cláusula “toda a tribo de Levi”, se os levitas fossem idênticos aos sacerdotes, a distinção é reconhecida e afirmada da forma mais clara possível no que se segue, quando uma parte das ofertas mortas é atribuída aos sacerdotes em Deuteronômio 18: 3-5, enquanto em Deuteronômio 18:6-8 é permitido ao levita juntar-se para comer os presentes do altar, se ele vier ao lugar do santuário e realizar ali o serviço. A repetição em Deuteronômio 18:2 é uma confirmação enfática: “Como Ele lhes disse”, como em Deuteronômio 10:9. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E este será o direito dos sacerdotes da parte do povo, dos que oferecerem em sacrifício boi ou cordeiro: darão ao sacerdote a retaguarda, e as queixadas, e o estômago.

Comentário de Robert Jamieson

este será o direito dos sacerdotes da parte do povo – Todos os que ofereceram sacrifícios de ação de graças ou ofertas pacíficas (Levítico 7:31-33) foram ordenados a dar o peito eo ombro como perquisites para os sacerdotes. Aqui “as duas bochechas” ou cabeça e “o estômago” ou estômago, considerado antigamente uma grande delicada, são especificados. Mas se isso é uma nova injunção, ou uma repetição do antigo com o suplemento de mais detalhes, não é fácil determinar. [JFB, aguardando revisão]

4 As primícias de teus grãos, de teu vinho, e de teu azeite, e as primícias da lã de tuas ovelhas lhe darás:

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 18:4, Moisés repete a lei relativa aos primeiros frutos em Números 18:12-13 (compare com Êxodo 22:28), com o objetivo de estendê-la aos primeiros produtos da criação de ovelhas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 Porque o escolheu o SENHOR teu Deus de todas tuas tribos, para que esteja para ministrar ao nome do SENHOR, ele e seus filhos para sempre.

Comentário de Keil e Delitzsch

A razão do direito concedido aos sacerdotes foi a escolha deles para o ofício de “ministrar em nome de Jeová”, isto é, para todas as tribos “Em nome de Jeová”, não apenas pela nomeação, mas também pelo poder do Senhor, como mediadores de Sua graça. As palavras “ele e seus filhos” remetem bastante aos tempos do Mosaico, nos quais Aarão e seus filhos ocupavam o cargo de sacerdote. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E quando o levita sair de alguma de tuas cidades de todo Israel, onde houver peregrinado, e vier com todo desejo de sua alma ao lugar que o SENHOR escolher,

Comentário de Robert Jamieson

vier com todo desejo de sua alma – Parece que os levitas serviram em rotação desde os primeiros tempos; mas, de seus grandes números, era apenas em intervalos infrequentes que podiam ser chamados para o serviço real. Se qualquer levita, no entanto, sob a influência da eminente piedade, resolver dedicar-se total e continuamente aos sagrados deveres do santuário, ele poderia realizar seus desejos ardentes; e como ele foi admitido em uma parte do trabalho, também para uma parte da remuneração. Embora ele pudesse ter propriedade privada, isso não era para fundamentar a retenção ou até mesmo diminuir sua reivindicação de manutenção como os outros sacerdotes ministradores. A razão ou princípio da promulgação é óbvio (1Coríntios 9:13). Ao mesmo tempo, enquanto todas as instalações eram oferecidas para a admissão de um oficial tão zeloso e abnegado, essa admissão era para ser de uma maneira ordenada: ele deveria ministrar “como todos os seus irmãos” – isto é, um gersonita com Gersonitas; um merarita com meraritas; para que não haja desarranjo dos cursos estabelecidos. [JFB, aguardando revisão]

7 Ministrará ao nome do SENHOR seu Deus, como todos os seus irmãos os levitas que estiverem ali diante do SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-8) Além da ordem judicial e do futuro rei, era necessário que a posição dos sacerdotes e levitas, cujos deveres e direitos haviam sido regulados por leis anteriores, fosse ao menos mencionada brevemente e finalmente estabelecida (Deuteronômio 18:1-8), e também que a ordem profética fosse totalmente acreditada pelo lado das outras autoridades estatais, e suas operações reguladas por uma lei definida (Deuteronômio 18:9-22). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Porção como a porção dos outros comerão, além de seus patrimônios.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-8) Além da ordem judicial e do futuro rei, era necessário que a posição dos sacerdotes e levitas, cujos deveres e direitos haviam sido regulados por leis anteriores, fosse ao menos mencionada brevemente e finalmente estabelecida (Deuteronômio 18:1-8), e também que a ordem profética fosse totalmente acreditada pelo lado das outras autoridades estatais, e suas operações reguladas por uma lei definida (Deuteronômio 18:9-22). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

As abominações das nações devem ser evitadas

9 Quando houveres entrado na terra que o SENHOR teu Deus te dá, não aprenderás a fazer segundo as abominações daquelas nações.

Comentário de Robert Jamieson

não aprenderás a fazer segundo as abominações daquelas nações – (ver em Levítico 18:21; ver em Levítico 19:26; ver em Levítico 19:31; ver em Levítico 20:4). Apesar dessa ordem expressa, o povo de Canaã, especialmente os filisteus, era uma cilada constante e uma pedra de tropeço para os israelitas, por causa de suas adivinhações e práticas supersticiosas. [JFB, aguardando revisão]

10 Não seja achado em ti quem faça passar seu filho ou sua filha pelo fogo, nem praticante de adivinhações, nem agoureiro, nem interpretador de presságios, nem feiticeiro,

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-11) Quando Israel entrou na terra de Canaã, era “não aprender a fazer como as abominações destas nações” (os cananeus ou pagãos). Não havia nela ninguém que fizesse passar seu filho ou sua filha através do fogo, ou seja qualquer adorador de Moloch (ver em Levítico 18:21), ou um que praticou a adivinhação (ver em Números 23:23), ou um mago (ver em Levítico 19:26), ou um encantador de cobras (ver em Levítico 19: 26), ou um conjurador, ou um que pronunciou uma proibição (חבר חבר, provavelmente referindo-se ao costume de amarrar ou proibir por nós mágicos), um necromante e homem sábio (ver em Levítico 19:31), ou um que perguntou aos mortos, i. e., que buscava oráculos dos mortos. Moisés agrupa todas as palavras que a linguagem continha para os diferentes modos de explorar o futuro e descobrir a vontade de Deus, com o propósito de proibir toda descrição de adivinhação, e coloca à cabeça a proibição da adoração de Moloch, para mostrar a conexão interna entre adivinhação e idolatria, possivelmente porque a februação, ou a passagem de crianças através do fogo na adoração de Moloch, estava mais intimamente ligada à adivinhação e à magia do que a outra descrição de idolatria. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Nem quem fale encantamentos, nem quem pergunte a espírito, nem mágico, nem quem pergunte aos mortos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-11) Quando Israel entrou na terra de Canaã, era “não aprender a fazer como as abominações destas nações” (os cananeus ou pagãos). Não havia nela ninguém que fizesse passar seu filho ou sua filha através do fogo, ou seja qualquer adorador de Moloch (ver em Levítico 18:21), ou um que praticou a adivinhação (ver em Números 23:23), ou um mago (ver em Levítico 19:26), ou um encantador de cobras (ver em Levítico 19: 26), ou um conjurador, ou um que pronunciou uma proibição (חבר חבר, provavelmente referindo-se ao costume de amarrar ou proibir por nós mágicos), um necromante e homem sábio (ver em Levítico 19:31), ou um que perguntou aos mortos, i. e., que buscava oráculos dos mortos. Moisés agrupa todas as palavras que a linguagem continha para os diferentes modos de explorar o futuro e descobrir a vontade de Deus, com o propósito de proibir toda descrição de adivinhação, e coloca à cabeça a proibição da adoração de Moloch, para mostrar a conexão interna entre adivinhação e idolatria, possivelmente porque a februação, ou a passagem de crianças através do fogo na adoração de Moloch, estava mais intimamente ligada à adivinhação e à magia do que a outra descrição de idolatria. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Porque é abominação ao SENHOR qualquer um que faz estas coisas, e por estas abominações o SENHOR teu Deus as expulsou de diante de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

Quem fez isto foi uma abominação ao Senhor, e foi por causa desta abominação que Ele erradicou os cananeus antes de Israel (compare com Levítico 18:24.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Serás íntegro com o SENHOR teu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) Israel, por outro lado, deveria ser irrepreensível com Jeová (עם, em suas relações com o Senhor). Embora os pagãos que eles exterminaram antes deles ouvissem os conjuradores e adivinhadores, Jeová, seu Deus, não havia permitido nada do gênero a eles. ואתּה é colocado em primeiro lugar como um absoluto nominativo, por uma questão de ênfase: “mas tu, no que te diz respeito, não é assim”. כּן, portanto, assim mesmo, tais coisas (compare com Exodus 10:14). נתן, para conceder, para permitir (como em Gênesis 20:6, etc.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Pois essas nações que herdarás ouviam encantadores e feiticeiros. A ti, porém, o SENHOR teu Deus não te permitiu isso.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) Israel, por outro lado, deveria ser irrepreensível com Jeová (עם, em suas relações com o Senhor). Embora os pagãos que eles exterminaram antes deles ouvissem os conjuradores e adivinhadores, Jeová, seu Deus, não havia permitido nada do gênero a eles. ואתּה é colocado em primeiro lugar como um absoluto nominativo, por uma questão de ênfase: “mas tu, no que te diz respeito, não é assim”. כּן, portanto, assim mesmo, tais coisas (compare com Exodus 10:14). נתן, para conceder, para permitir (como em Gênesis 20:6, etc.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

O profeta do SENHOR

15 O SENHOR teu Deus suscitará para ti um Profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele deverás ouvir.

Comentário de Robert Jamieson

O SENHOR teu Deus suscitará para ti um Profeta – A inserção desta promessa, em conexão com a proibição precedente, poderia justificar a aplicação (que alguns fazem dela) à ordem dos verdadeiros profetas que Deus comissionou em sucessão ininterrupta para instruir , para dirigir e avisar o Seu povo; e nesta visão, o significado é: “Não há necessidade de consultar adivinhos e adivinhos, como eu lhe darei o benefício de profetas divinamente designados, para julgar de cujas credenciais um certo critério é dado” (Deuteronômio 18:20-22). Mas o profeta aqui prometido era preeminentemente o Messias, pois somente Ele era “semelhante a Moisés” (ver Deuteronômio 34:10) “em Seu caráter mediador; na peculiar excelência de seu ministério; no número, variedade e magnitude de seus milagres; em Sua íntima e familiar comunhão com Deus; e em Seu ser o autor de uma nova dispensação da religião ”. Essa predição foi cumprida mil e quinhentos anos depois e foi expressamente aplicada a Jesus Cristo por Pedro (Atos 3:22-23) e por Estêvão (Atos 7:37). [JFB, aguardando revisão]

16 Conforme tudo o que pediste ao SENHOR teu Deus em Horebe no dia da assembleia, dizendo: Não volte eu a ouvir a voz do SENHOR meu Deus, nem veja eu mais este grande fogo, para que não morra;

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-20) Com esta garantia, o Senhor tinha atendido plenamente o pedido do povo, “segundo tudo o que desejavas do Senhor teu Deus”; e Israel, portanto, estava ainda mais obrigado a ouvir os profetas, que Deus levantaria do meio de si mesmo, e a não recorrer aos adivinhos pagãos. (Sobre o próprio fato, comp. Deuteronômio 5:20. com Êxodo 20:15-17.) “No dia da assembléia”, como em Deuteronômio 9:10; Deuteronômio 10:4. – As instruções sobre seu comportamento em relação aos profetas são dadas por Moisés (Deuteronômio 18:19, Deuteronômio 18:20) em nome do Senhor, com o propósito de impor obediência com toda a ênfase. Quem não ouvisse as palavras do profeta que falou em nome do Senhor, dele o Senhor o exigiria, ou seja, visitar a desobediência com castigo (compare com Salmo 10:4, Salmo 10:13). Por outro lado, o profeta que falou em nome do Senhor o que o Senhor não lhe ordenara, ou seja, proclamou os pensamentos de seu próprio coração como revelações divinas (compare com Números 16:28), deveria morrer, como o profeta que falou em nome de outros deuses. Com וּמת, o predicado é introduzido sob a forma de uma apodose. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 e o SENHOR me disse: Bem disseram.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-20) Com esta garantia, o Senhor tinha atendido plenamente o pedido do povo, “segundo tudo o que desejavas do Senhor teu Deus”; e Israel, portanto, estava ainda mais obrigado a ouvir os profetas, que Deus levantaria do meio de si mesmo, e a não recorrer aos adivinhos pagãos. (Sobre o próprio fato, comp. Deuteronômio 5:20. com Êxodo 20:15-17.) “No dia da assembléia”, como em Deuteronômio 9:10; Deuteronômio 10:4. – As instruções sobre seu comportamento em relação aos profetas são dadas por Moisés (Deuteronômio 18:19, Deuteronômio 18:20) em nome do Senhor, com o propósito de impor obediência com toda a ênfase. Quem não ouvisse as palavras do profeta que falou em nome do Senhor, dele o Senhor o exigiria, ou seja, visitar a desobediência com castigo (compare com Salmo 10:4, Salmo 10:13). Por outro lado, o profeta que falou em nome do Senhor o que o Senhor não lhe ordenara, ou seja, proclamou os pensamentos de seu próprio coração como revelações divinas (compare com Números 16:28), deveria morrer, como o profeta que falou em nome de outros deuses. Com וּמת, o predicado é introduzido sob a forma de uma apodose. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Profeta lhes suscitarei do meio de seus irmãos, como tu; e porei minhas palavras em sua boca, e ele lhes falará tudo o que eu lhe mandar.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-20) Com esta garantia, o Senhor tinha atendido plenamente o pedido do povo, “segundo tudo o que desejavas do Senhor teu Deus”; e Israel, portanto, estava ainda mais obrigado a ouvir os profetas, que Deus levantaria do meio de si mesmo, e a não recorrer aos adivinhos pagãos. (Sobre o próprio fato, comp. Deuteronômio 5:20. com Êxodo 20:15-17.) “No dia da assembléia”, como em Deuteronômio 9:10; Deuteronômio 10:4. – As instruções sobre seu comportamento em relação aos profetas são dadas por Moisés (Deuteronômio 18:19, Deuteronômio 18:20) em nome do Senhor, com o propósito de impor obediência com toda a ênfase. Quem não ouvisse as palavras do profeta que falou em nome do Senhor, dele o Senhor o exigiria, ou seja, visitar a desobediência com castigo (compare com Salmo 10:4, Salmo 10:13). Por outro lado, o profeta que falou em nome do Senhor o que o Senhor não lhe ordenara, ou seja, proclamou os pensamentos de seu próprio coração como revelações divinas (compare com Números 16:28), deveria morrer, como o profeta que falou em nome de outros deuses. Com וּמת, o predicado é introduzido sob a forma de uma apodose. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Mas será, que qualquer um que não ouvir minhas palavras que ele falar em meu nome, eu lhe exigirei prestar contas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-20) Com esta garantia, o Senhor tinha atendido plenamente o pedido do povo, “segundo tudo o que desejavas do Senhor teu Deus”; e Israel, portanto, estava ainda mais obrigado a ouvir os profetas, que Deus levantaria do meio de si mesmo, e a não recorrer aos adivinhos pagãos. (Sobre o próprio fato, comp. Deuteronômio 5:20. com Êxodo 20:15-17.) “No dia da assembléia”, como em Deuteronômio 9:10; Deuteronômio 10:4. – As instruções sobre seu comportamento em relação aos profetas são dadas por Moisés (Deuteronômio 18:19, Deuteronômio 18:20) em nome do Senhor, com o propósito de impor obediência com toda a ênfase. Quem não ouvisse as palavras do profeta que falou em nome do Senhor, dele o Senhor o exigiria, ou seja, visitar a desobediência com castigo (compare com Salmo 10:4, Salmo 10:13). Por outro lado, o profeta que falou em nome do Senhor o que o Senhor não lhe ordenara, ou seja, proclamou os pensamentos de seu próprio coração como revelações divinas (compare com Números 16:28), deveria morrer, como o profeta que falou em nome de outros deuses. Com וּמת, o predicado é introduzido sob a forma de uma apodose. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Porém o profeta que presumir falar palavra em meu nome, que eu não lhe tenha mandado falar, ou que falar em nome de deuses alheios, o tal profeta morrerá.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-20) Com esta garantia, o Senhor tinha atendido plenamente o pedido do povo, “segundo tudo o que desejavas do Senhor teu Deus”; e Israel, portanto, estava ainda mais obrigado a ouvir os profetas, que Deus levantaria do meio de si mesmo, e a não recorrer aos adivinhos pagãos. (Sobre o próprio fato, comp. Deuteronômio 5:20. com Êxodo 20:15-17.) “No dia da assembléia”, como em Deuteronômio 9:10; Deuteronômio 10:4. – As instruções sobre seu comportamento em relação aos profetas são dadas por Moisés (Deuteronômio 18:19, Deuteronômio 18:20) em nome do Senhor, com o propósito de impor obediência com toda a ênfase. Quem não ouvisse as palavras do profeta que falou em nome do Senhor, dele o Senhor o exigiria, ou seja, visitar a desobediência com castigo (compare com Salmo 10:4, Salmo 10:13). Por outro lado, o profeta que falou em nome do Senhor o que o Senhor não lhe ordenara, ou seja, proclamou os pensamentos de seu próprio coração como revelações divinas (compare com Números 16:28), deveria morrer, como o profeta que falou em nome de outros deuses. Com וּמת, o predicado é introduzido sob a forma de uma apodose. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E se disseres em teu coração: Como conheceremos a palavra que o SENHOR não houver falado?

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-22) O falso profeta devia ser descoberto pelo fato de que a palavra por ele proclamada não se seguia ou se realizava, ou seja, que sua profecia não se cumpriu. Dele eles não deviam ter medo. Por esta injunção, a ocorrência do que havia sido previsto é feita o critério da verdadeira profecia, e não de sinais e maravilhas, que os falsos profetas também poderiam realizar (compare com Deuteronômio 13:2.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Quando o profeta falar em nome do SENHOR, e não for a tal coisa, nem vier, é palavra que o SENHOR não falou: com soberba a falou aquele profeta: não tenhas medo dele.

Comentário Whedon

Quando um profeta falar. A profecia era testada pelo seu resultado. Sinais e prodígios não eram o critério pelo qual o povo devia decidir. [Whedon]

<Deuteronômio 17 Deuteronômio 19>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.