Deuteronômio 34

A morte de Moisés

1 E Moisés subiu dos campos de Moabe ao monte Nebo, ao cume de Pisga, que está em frente de Jericó; e o SENHOR mostrou-lhe toda a terra de Gileade até Dã,

Comentário de Robert Jamieson

Moisés subiu dos campos de Moabe – Este capítulo aparece a partir de evidências internas que foram escritas posteriormente à morte de Moisés, e provavelmente formou, ao mesmo tempo, uma introdução ao Livro de Josué.

ao monte Nebo, ao cume de Pisga – literalmente, a cabeça ou cume do Pisga; isto é, a altura (compare Números 23:14; Deuteronômio 3:17-27; 4:49). O nome geral dado a toda a cadeia montanhosa a leste da Jordânia, era Abarim (compare Deuteronômio 32:49), e o pico ao qual Moisés ascendeu foi dedicado ao pagão Nebo, como lugar de Balaão tinha sido consagrado a Peor. Alguns viajantes modernos fixaram em Jebel Attarus, uma alta montanha ao sul do Jaboque (Zurka), como o Nebo desta passagem [Burckhardt, Seetzen, etc.]. Mas está situado muito ao norte, por uma altura que, sendo descrita como “contra Jericó”, deve ser procurada acima do último estágio do Jordão.

o SENHOR mostrou-lhe toda a terra de Gileade – Essa região pastoril era discernível na extremidade norte da linha da montanha em que ele estava, até que acabou, muito além de sua visão em Dan. Para o oeste, havia no horizonte as colinas distantes de “todos os naftali”. Chegando mais perto estava “a terra de Efraim e Manassés”. Imediatamente oposta estava “toda a terra de Judá”, um título inicialmente restrito à porção de Judá. esta tribo, além do que foram “o mar máximo” (o Mediterrâneo) eo deserto do “Sul”. Estas foram as quatro grandes marcas da futura herança de seu povo, sobre a qual a narrativa fixa a nossa atenção. Imediatamente abaixo dele estava “o círculo” da planície de Jericó, com o seu oásis de palmeiras; e à sua esquerda, o último local habitado antes do grande deserto “Zoar”. O primeiro plano da imagem era claramente discernível. Não houve nenhum poder miraculoso de visão transmitido a Moisés. Que ele veja tudo o que é descrito é o que qualquer homem poderia fazer, se alcançasse uma elevação suficiente. A atmosfera do clima é tão sutil e livre de vapor que a visão é levada a uma distância da qual o espectador, que julga a partir do ar mais denso da Europa, não pode formar uma ideia [Vere Monro]. Mas entre ele e aquela “terra boa”, o vale profundo do Jordão interveio; “Ele não deveria ir para lá.” [JFB, aguardando revisão]

2 E a todo Naftali, e a terra de Efraim e de Manassés, toda a terra de Judá até o mar mais distante;

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) E Moisés subiu das planícies de Moab até a montanha de Nebo, até o topo de Pisgah, que está contra Jericó. E o Senhor mostrou-lhe toda a terra de Gileade, até Dan, Depois de abençoar o povo, Moisés subiu ao monte Nebo, segundo a ordem de Deus (Deuteronômio 32:48-51), e ali o Senhor lhe mostrou, em todo o seu comprimento e largura, aquela terra prometida na qual ele não deveria entrar. De Nebo, um pico de Pisgah, que oferece uma perspectiva muito extensa em todos os lados, ele viu a terra de Gilead, a terra ao leste do Jordão até Dan, ou seja não Laish-Dan perto da fonte central do Jordão (Juízes 18:27), que não pertencia a Gilead, mas um dinamarquês no norte de Peréia, que ainda não foi descoberto (ver em Gênesis 14:14); e toda a terra a oeste do Jordão, Canaã propriamente dita, em todos os seus diferentes distritos, ou seja, “toda a Naftali”, ou seja a posterior Galiléia ao norte, “a terra de Efraim e Manassés” no centro, e “toda a terra de Judá”, a porção sul de Canaã, em toda a sua extensão, “até o mar Mediterrâneo” (ver Deuteronômio 11:24); também “a terra do sul” (Negeb: ver em Números 13:17), a terra sul de estepe em direção ao deserto árabe, e “o vale do Jordão” (ver Gênesis 13:10), ou seja o vale profundo de Jericó a palmeira-cidade (assim chamado das palmeiras que cresceram ali, no vale do Jordão: Juízes 1:16; Juízes 3:13; 2 Crônicas 28:15) “a Zoar” no extremo sul do Mar Morto (veja em Gênesis 19:22). Esta visão de cada parte da terra no leste e oeste não foi uma visão extasiante, mas uma visão com os olhos do corpo, cujo poder natural de visão foi miraculosamente aumentado por Deus, para dar a Moisés um vislumbre pelo menos da gloriosa terra que ele não deveria pisar, e deleitar seu olho com uma visão da herança destinada a seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E a parte sul, e a campina, o vale de Jericó, cidade das palmeiras, até Zoar.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) E Moisés subiu das planícies de Moab até a montanha de Nebo, até o topo de Pisgah, que está contra Jericó. E o Senhor mostrou-lhe toda a terra de Gileade, até Dan, Depois de abençoar o povo, Moisés subiu ao monte Nebo, segundo a ordem de Deus (Deuteronômio 32:48-51), e ali o Senhor lhe mostrou, em todo o seu comprimento e largura, aquela terra prometida na qual ele não deveria entrar. De Nebo, um pico de Pisgah, que oferece uma perspectiva muito extensa em todos os lados, ele viu a terra de Gilead, a terra ao leste do Jordão até Dan, ou seja não Laish-Dan perto da fonte central do Jordão (Juízes 18:27), que não pertencia a Gilead, mas um dinamarquês no norte de Peréia, que ainda não foi descoberto (ver em Gênesis 14:14); e toda a terra a oeste do Jordão, Canaã propriamente dita, em todos os seus diferentes distritos, ou seja, “toda a Naftali”, ou seja a posterior Galiléia ao norte, “a terra de Efraim e Manassés” no centro, e “toda a terra de Judá”, a porção sul de Canaã, em toda a sua extensão, “até o mar Mediterrâneo” (ver Deuteronômio 11:24); também “a terra do sul” (Negeb: ver em Números 13:17), a terra sul de estepe em direção ao deserto árabe, e “o vale do Jordão” (ver Gênesis 13:10), ou seja o vale profundo de Jericó a palmeira-cidade (assim chamado das palmeiras que cresceram ali, no vale do Jordão: Juízes 1:16; Juízes 3:13; 2 Crônicas 28:15) “a Zoar” no extremo sul do Mar Morto (veja em Gênesis 19:22). Esta visão de cada parte da terra no leste e oeste não foi uma visão extasiante, mas uma visão com os olhos do corpo, cujo poder natural de visão foi miraculosamente aumentado por Deus, para dar a Moisés um vislumbre pelo menos da gloriosa terra que ele não deveria pisar, e deleitar seu olho com uma visão da herança destinada a seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E disse-lhe o SENHOR: Esta é a terra de que jurei a Abraão, a Isaque, e a Jacó, dizendo: À tua descendência a darei. Eu a fiz ver com teus olhos, mas não passarás ali.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) E Moisés subiu das planícies de Moab até a montanha de Nebo, até o topo de Pisgah, que está contra Jericó. E o Senhor mostrou-lhe toda a terra de Gileade, até Dan, Depois de abençoar o povo, Moisés subiu ao monte Nebo, segundo a ordem de Deus (Deuteronômio 32:48-51), e ali o Senhor lhe mostrou, em todo o seu comprimento e largura, aquela terra prometida na qual ele não deveria entrar. De Nebo, um pico de Pisgah, que oferece uma perspectiva muito extensa em todos os lados, ele viu a terra de Gilead, a terra ao leste do Jordão até Dan, ou seja não Laish-Dan perto da fonte central do Jordão (Juízes 18:27), que não pertencia a Gilead, mas um dinamarquês no norte de Peréia, que ainda não foi descoberto (ver em Gênesis 14:14); e toda a terra a oeste do Jordão, Canaã propriamente dita, em todos os seus diferentes distritos, ou seja, “toda a Naftali”, ou seja a posterior Galiléia ao norte, “a terra de Efraim e Manassés” no centro, e “toda a terra de Judá”, a porção sul de Canaã, em toda a sua extensão, “até o mar Mediterrâneo” (ver Deuteronômio 11:24); também “a terra do sul” (Negeb: ver em Números 13:17), a terra sul de estepe em direção ao deserto árabe, e “o vale do Jordão” (ver Gênesis 13:10), ou seja o vale profundo de Jericó a palmeira-cidade (assim chamado das palmeiras que cresceram ali, no vale do Jordão: Juízes 1:16; Juízes 3:13; 2 Crônicas 28:15) “a Zoar” no extremo sul do Mar Morto (veja em Gênesis 19:22). Esta visão de cada parte da terra no leste e oeste não foi uma visão extasiante, mas uma visão com os olhos do corpo, cujo poder natural de visão foi miraculosamente aumentado por Deus, para dar a Moisés um vislumbre pelo menos da gloriosa terra que ele não deveria pisar, e deleitar seu olho com uma visão da herança destinada a seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E morreu ali Moisés, servo do SENHOR, na terra de Moabe, conforme o dito do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

morreu ali Moisés – Depois de ter governado os israelitas quarenta anos. [JFB, aguardando revisão]

6 E enterrou-o no vale, em terra de Moabe, em frente de Bete-Peor; e ninguém sabe seu sepulcro até hoje.

Comentário de Robert Jamieson

E enterrou-o no vale – isto é, uma ravina ou desfiladeiro do Pisga. Alguns pensam que ele entrou em uma caverna e lá morreu, sendo, segundo uma antiga tradição de judeus e cristãos, enterrados por anjos (Juízes 1:9; Números 21:20).

ninguém sabe seu sepulcro até hoje – Esta ocultação parece ter sido devido a um arranjo especial e sábio da Providência, para evitar que ele fosse classificado entre “lugares santos”, e fez o recurso de peregrinos supersticiosos ou veneração idólatra, em depois idades. [JFB, aguardando revisão]

7 E era Moisés de idade de cento e vinte anos quando morreu: seus olhos nunca se escureceram, nem perdeu o seu vigor.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-8) Embora tenha morrido aos cento e vinte anos (ver em Deuteronômio 31:2), os olhos de Moisés não tinham se tornado escuros e seu frescor não tinha diminuído (לח ב̔́נ. כוד., conectado com לח em Gênesis 30:37, significa frescor). Assim, o Senhor preservou toda a energia vital de Seu servo, mesmo até a hora de sua morte. O luto do povo durou trinta dias, como no caso de Aarão (Números 20:29). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E choraram os filhos de Israel a Moisés nos campos de Moabe trinta dias: E assim se cumpriram os dias do choro do luto de Moisés.

Comentário de Robert Jamieson

trinta dias – Sete dias foi o período usual de luto, mas para pessoas de alto nível ou eminência oficial, foi prorrogado para trinta (Gênesis 50:3-10; Números 20:29). [JFB, aguardando revisão]

9 E Josué filho de Números foi cheio de espírito de sabedoria, porque Moisés havia posto suas mãos sobre ele: e os filhos de Israel lhe obedeceram, e fizeram como o SENHOR mandou a Moisés.

Comentário de Robert Jamieson

Josuéfoi cheio de espírito de sabedoria – Ele foi designado para um ofício peculiar e extraordinário. Ele não foi o sucessor de Moisés, pois ele não era um profeta ou governante civil, mas o general ou líder, chamado para liderar o povo na guerra de invasão e na subsequente alocação das tribos. [JFB, aguardando revisão]

10 E nunca mais se levantou profeta em Israel como Moisés, a quem haja conhecido o SENHOR face a face;

Comentário de Robert Jamieson

nunca mais se levantou profeta – Em qualquer luz que vejamos este homem extraordinário, o elogio pronunciado nestas palavras inspiradas parecerá justo. Nenhum profeta ou governante hebraico igualou-o a caráter ou dignidade oficial, ou ao conhecimento da vontade e das oportunidades de Deus de anunciá-lo. [JFB, aguardando revisão]

11 Em todos os sinais e prodígios que lhe enviou o SENHOR a fazer em terra do Egito a Faraó, e a todos os seus servos, e a toda sua terra;

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-12) Josué tomou agora o lugar de Moisés como líder do povo, cheio do espírito de sabedoria (sabedoria prática, manifestando-se em ação), porque Moisés o havia ordenado a seu cargo pela imposição de mãos (Números 27:18). E o povo lhe obedecia; mas ele não era como Moisés. “Já não surgiu em Israel um profeta como Moisés, a quem o Senhor conheceu face a face”, isto é, no que diz respeito aos milagres e sinais que Moisés fez, em virtude de sua missão divina, sobre o Faraó, seus servos e sua terra, e os terríveis atos que realizou diante dos olhos de Israel (Deuteronômio 34:11 e Deuteronômio 34:12; vid., Deuteronômio 26:8, e Deuteronômio 4:34). “Quem Jeová conhecia”: não quem O conhecia, o Senhor. “Conhecer”, como γινώσκειν em 1Coríntios 8:3, refere-se ao conhecimento divino, que não só envolve uma cuidadosa observância (Deuteronômio 2:7), mas é também uma manifestação de Si mesmo para o homem, uma penetração do homem com o poder espiritual de Deus. Por ser assim conhecido pelo Senhor, Moisés foi capaz de realizar sinais e maravilhas, e atos terríveis e poderosos, como nenhum outro realizado antes ou depois dele. Neste aspecto, Josué ficou muito abaixo de Moisés, e nenhum profeta se levantou em Israel como Moisés. – Esta observação relativa a Moisés não pressupõe que uma longa série de profetas já tivesse se levantado desde a época de Moisés. Quando Josué derrotou os cananeus e conquistou sua terra com a poderosa ajuda do Senhor, que ainda se manifestava em sinais e maravilhas, e a dividiu entre os filhos de Israel, e quando as tribos se estabeleceram em sua herança, de modo que as diferentes porções da terra começaram a ser chamadas pelos nomes de Naftali, Efraim, Manassés e Judá, como é o caso em Deuteronômio 34: 2; a convicção já poderia ter se estabelecido em Israel, de que nenhum outro profeta se levantaria como Moisés, a quem o Senhor se manifestara com tais sinais e maravilhas diante dos egípcios e dos olhos de Israel. A posição ocupada por Josué em relação a este seu predecessor, como continuador de sua obra, necessariamente despertaria e confirmaria esta convicção, em conexão com o que o Senhor havia dito sobre a superioridade de Moisés a todos os profetas (Números 12:6.). Moisés foi o fundador e mediador do antigo pacto. Enquanto este pacto durasse, nenhum profeta poderia surgir em Israel como Moisés. Há apenas Aquele que é digno de maior honra que Moisés, a saber, o Apóstolo e Sumo Sacerdote de nossa profissão, que é colocado como o Filho sobre toda a casa de Deus, na qual Moisés foi encontrado fiel como servo (compare Hebreus 3:2-6 com Números 12:7), Jesus Cristo, o fundador e mediador do novo e eterno pacto. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E em toda aquela mão poderosa, e em todo o grande espanto que Moisés causou à vista de todo Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-12) Josué tomou agora o lugar de Moisés como líder do povo, cheio do espírito de sabedoria (sabedoria prática, manifestando-se em ação), porque Moisés o havia ordenado a seu cargo pela imposição de mãos (Números 27:18). E o povo lhe obedecia; mas ele não era como Moisés. “Já não surgiu em Israel um profeta como Moisés, a quem o Senhor conheceu face a face”, isto é, no que diz respeito aos milagres e sinais que Moisés fez, em virtude de sua missão divina, sobre o Faraó, seus servos e sua terra, e os terríveis atos que realizou diante dos olhos de Israel (Deuteronômio 34:11 e Deuteronômio 34:12; vid., Deuteronômio 26:8, e Deuteronômio 4:34). “Quem Jeová conhecia”: não quem O conhecia, o Senhor. “Conhecer”, como γινώσκειν em 1Coríntios 8:3, refere-se ao conhecimento divino, que não só envolve uma cuidadosa observância (Deuteronômio 2:7), mas é também uma manifestação de Si mesmo para o homem, uma penetração do homem com o poder espiritual de Deus. Por ser assim conhecido pelo Senhor, Moisés foi capaz de realizar sinais e maravilhas, e atos terríveis e poderosos, como nenhum outro realizado antes ou depois dele. Neste aspecto, Josué ficou muito abaixo de Moisés, e nenhum profeta se levantou em Israel como Moisés. – Esta observação relativa a Moisés não pressupõe que uma longa série de profetas já tivesse se levantado desde a época de Moisés. Quando Josué derrotou os cananeus e conquistou sua terra com a poderosa ajuda do Senhor, que ainda se manifestava em sinais e maravilhas, e a dividiu entre os filhos de Israel, e quando as tribos se estabeleceram em sua herança, de modo que as diferentes porções da terra começaram a ser chamadas pelos nomes de Naftali, Efraim, Manassés e Judá, como é o caso em Deuteronômio 34: 2; a convicção já poderia ter se estabelecido em Israel, de que nenhum outro profeta se levantaria como Moisés, a quem o Senhor se manifestara com tais sinais e maravilhas diante dos egípcios e dos olhos de Israel. A posição ocupada por Josué em relação a este seu predecessor, como continuador de sua obra, necessariamente despertaria e confirmaria esta convicção, em conexão com o que o Senhor havia dito sobre a superioridade de Moisés a todos os profetas (Números 12:6.). Moisés foi o fundador e mediador do antigo pacto. Enquanto este pacto durasse, nenhum profeta poderia surgir em Israel como Moisés. Há apenas Aquele que é digno de maior honra que Moisés, a saber, o Apóstolo e Sumo Sacerdote de nossa profissão, que é colocado como o Filho sobre toda a casa de Deus, na qual Moisés foi encontrado fiel como servo (compare Hebreus 3:2-6 com Números 12:7), Jesus Cristo, o fundador e mediador do novo e eterno pacto. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 33 Josué 1>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.