Deuteronômio 11

Exortação ao amor e à obediência

1 Amarás, pois, ao SENHOR teu Deus, e guardarás sua ordenança, e seus estatutos e seus regulamentos e seus mandamentos, todos os dias.

Comentário de Robert Jamieson

Amarás, pois, ao SENHOR teu Deus, e guardarás sua ordenança – A razão para a repetição frequente dos mesmos conselhos ou semelhantes deve ser traçada ao caráter e estado infantil da igreja, que requeria linha sobre linha e preceito sobre preceito. Além disso, os israelitas eram um povo teimoso […], propensos à rebelião e, de sua longa permanência no Egito, tão violentamente apegados a idolatria, corriam risco iminente de serem seduzidos pela religião do país ao qual eles estavam indo, o que, em suas características características, tinha uma forte semelhança com a do país que haviam deixado. [JFB, aguardando revisão]

2 E compreendei hoje: porque não falo com vossos filhos que não souberam nem viram o castigo do SENHOR vosso Deus, sua grandeza, sua mão forte, e seu braço estendido,

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-7) Para despertar este amor, eles deveriam agora conhecer, ou seja, refletir e levar a sério a disciplina do Senhor seu Deus. As palavras de “porque não falo” a “não ter visto” são uma cláusula parentética, pela qual Moisés impressionaria mais fortemente suas palavras sobre os corações da geração mais velha, que tinha testemunhado os atos do Senhor. A cláusula é sem nenhum verbo ou predicado, mas isto pode ser facilmente fornecido a partir do sentido. A melhor sugestão é a de Schultz, em outras palavras, ההוּא הדּבר, “pois não é com seus filhos que eu tenho que fazer”, não com eles que esta admoestação se aplica. Moisés se refere às crianças que haviam nascido no deserto, como distintas daquelas que, embora não tivessem vinte anos de idade quando os israelitas saíram do Egito, tinham visto com seus próprios olhos as pragas infligidas ao Egito, e que agora estavam em idade madura, em outras palavras, entre quarenta e sessenta anos de idade, e formaram, como a geração mais velha e mais experiente, o caldo e o núcleo da congregação se reuniram em torno dele agora. Às palavras “que não conheceram e não viram”, é fácil fornecer a partir do contexto, “o que vocês conheceram e viram”. Os acusadores do “castigo” em diante pertencem ao verbo da frase principal, “conheçais hoje”. Os acusativos que se seguem mostram o que devemos entender com “o castigo do Senhor”, em outras palavras, os atos poderosos do Senhor para o Egito e para Israel no deserto. O objetivo de todos eles era educar Israel no medo e no amor de Deus. Neste sentido Moisés os chama de מוּסר (Eng. Castigo Verso), παιδεία, ou seja, não apenas castigo, mas educação pela manifestação do amor assim como castigo (como יסּר em Deuteronômio 4:36; compare com Provérbios 1:2, Provérbios 1:8; Provérbios 4:1, etc.). “Sua grandeza”, etc., como em Deuteronômio 3:24 e Deuteronômio 4:34. Sobre os sinais e atos no Egito, ver em Deuteronômio 4:34; Deuteronômio 6:22; e sobre os do Mar Vermelho, em Êxodo 14. פּניהם – הצּיף אשׁר, “sobre cuja face Ele fez correr as águas do Mar Vermelho”; compare com Êxodo 14:26. – Pelos atos de Deus no deserto (Deuteronômio 11:5) não devemos entender as castigos dos Números 11-15, nem única nem predominantemente, mas todas as manifestações da onipotência de Deus na orientação de Israel, provas de amor, assim como as maravilhas penais. Destas últimas, a destruição milagrosa da companhia de Corá é especialmente mencionada em Deuteronômio 11:6 (compare com Números 16:31-33). Aqui Moisés só menciona Datã e Abirão, os seguidores de Corá, e não o próprio Corá, provavelmente em relação a seus filhos, que não foram engolidos pela terra junto com seu pai, mas viveram para perpetuar a família de Corá. “Tudo o que existia, que estava em seu seguimento” (ver Êxodo 11:8), não significa seus bens, mas seus servos, e corresponde a “todos os homens que pertenciam a Coré” em Números 16:32, enquanto que os bens aí mencionados estão incluídos aqui nas “tendas”. היקוּם só se aplica aos seres vivos, como em Gênesis 7:4 e Gênesis 7:23. – Em Deuteronômio 11:7 é dada a razão para a admoestação em Deuteronômio 11:2: os anciãos deviam conhecer (discernir) o propósito educacional de Deus naqueles atos poderosos do Senhor, porque eles os tinham visto com seus próprios olhos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E seus sinais, e suas obras que fez em meio do Egito a Faraó, rei do Egito, e à toda sua terra;

Comentário de Robert Jamieson

(2-9) Moisés está aqui fazendo um breve resumo das maravilhas e milagres do julgamento terrível que Deus havia realizado para libertá-los da tirania do Faraó, bem como daqueles que haviam acontecido no deserto; e ele sabia que poderia se debruçar sobre eles, pois estava se dirigindo a muitos que haviam sido testemunhas desses terríveis incidentes. Pois será lembrado que a ameaça divina, de que eles deveriam morrer no deserto, e sua execução, se estendia apenas aos homens de 20 anos para cima, que eram capazes de partir para a guerra. Nenhum homem com menos de 20 anos de idade, nenhuma mulher, e nenhum da tribo de Levi, foram objeto de denúncia (ver Números 14:28-30; Números 16:49). Portanto, poderia haver muitos milhares de israelitas naquela época dos quais Moisés poderia dizer: “seus olhos viram todos os grandes atos que Ele fez”; e com relação a estes, a revisão histórica de Moisés foi bem calculada para despertar suas mentes para o dever e as vantagens da obediência.  [Jamieson, aguardando revisão]

4 E o que fez ao exército do Egito, a seus cavalos, e a seus carros; como fez vir as águas do mar Vermelho sobre eles, quando vinham atrás vós, e o SENHOR os destruiu até hoje;

Comentário de Joseph Benson

os destruiu até hoje. Derrotou os egípcios de tal maneira que ainda não recuperaram suas forças. Ou então, o efeito da destruição continua até hoje, na fraqueza e medo deles, e na nossa proteção das suas novas tentativas contra nós. [Benson, 1857]

5 E o que fez convosco no deserto, até que chegastes a este lugar;

Comentário de Robert Jamieson

(2-9) Moisés está aqui fazendo um breve resumo das maravilhas e milagres do julgamento terrível que Deus havia realizado para libertá-los da tirania do Faraó, bem como daqueles que haviam acontecido no deserto; e ele sabia que poderia se debruçar sobre eles, pois estava se dirigindo a muitos que haviam sido testemunhas desses terríveis incidentes. Pois será lembrado que a ameaça divina, de que eles deveriam morrer no deserto, e sua execução, se estendia apenas aos homens de 20 anos para cima, que eram capazes de partir para a guerra. Nenhum homem com menos de 20 anos de idade, nenhuma mulher, e nenhum da tribo de Levi, foram objeto de denúncia (ver Números 14:28-30; Números 16:49). Portanto, poderia haver muitos milhares de israelitas naquela época dos quais Moisés poderia dizer: “seus olhos viram todos os grandes atos que Ele fez”; e com relação a estes, a revisão histórica de Moisés foi bem calculada para despertar suas mentes para o dever e as vantagens da obediência.  [Jamieson, aguardando revisão]

6 E o que fez com Datã e Abirão, filhos de Eliabe filho de Rúben; como abriu a terra sua boca, e tragou-se a eles e a suas casas, e suas tendas, e toda a riqueza que tinham em pé em meio de todo Israel:

Comentário de Robert Jamieson

(2-9) Moisés está aqui fazendo um breve resumo das maravilhas e milagres do julgamento terrível que Deus havia realizado para libertá-los da tirania do Faraó, bem como daqueles que haviam acontecido no deserto; e ele sabia que poderia se debruçar sobre eles, pois estava se dirigindo a muitos que haviam sido testemunhas desses terríveis incidentes. Pois será lembrado que a ameaça divina, de que eles deveriam morrer no deserto, e sua execução, se estendia apenas aos homens de 20 anos para cima, que eram capazes de partir para a guerra. Nenhum homem com menos de 20 anos de idade, nenhuma mulher, e nenhum da tribo de Levi, foram objeto de denúncia (ver Números 14:28-30; Números 16:49). Portanto, poderia haver muitos milhares de israelitas naquela época dos quais Moisés poderia dizer: “seus olhos viram todos os grandes atos que Ele fez”; e com relação a estes, a revisão histórica de Moisés foi bem calculada para despertar suas mentes para o dever e as vantagens da obediência.  [Jamieson, aguardando revisão]

7 Mas vossos olhos viram todos os grandes feitos que o SENHOR executou.

Comentário de Robert Jamieson

(2-9) Moisés está aqui fazendo um breve resumo das maravilhas e milagres do julgamento terrível que Deus havia realizado para libertá-los da tirania do Faraó, bem como daqueles que haviam acontecido no deserto; e ele sabia que poderia se debruçar sobre eles, pois estava se dirigindo a muitos que haviam sido testemunhas desses terríveis incidentes. Pois será lembrado que a ameaça divina, de que eles deveriam morrer no deserto, e sua execução, se estendia apenas aos homens de 20 anos para cima, que eram capazes de partir para a guerra. Nenhum homem com menos de 20 anos de idade, nenhuma mulher, e nenhum da tribo de Levi, foram objeto de denúncia (ver Números 14:28-30; Números 16:49). Portanto, poderia haver muitos milhares de israelitas naquela época dos quais Moisés poderia dizer: “seus olhos viram todos os grandes atos que Ele fez”; e com relação a estes, a revisão histórica de Moisés foi bem calculada para despertar suas mentes para o dever e as vantagens da obediência.  [Jamieson, aguardando revisão]

8 Guardai, pois, todos os mandamentos que eu vos prescrevo hoje, para que sejais esforçados, e entreis e possuais a terra, à qual passais para possuí-la;

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-11) E este conhecimento foi para impeli-los a cumprir a lei, para que fossem fortes, ou seja, espiritualmente fortes (Deuteronômio 1:38), e não só entrassem na terra prometida, mas também vivessem nela por muito tempo (compare com Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 6:3). – Em Deuteronomio 11:10-12, Moisés acrescenta um novo motivo para sua admoestação para manter a lei com fidelidade, fundada sobre a natureza peculiar da terra. Canaã era uma terra cuja fertilidade não dependia, como a do Egito, de ser regada pela mão do homem, mas era mantida para cima pela chuva do céu que era enviada por Deus, o Senhor, de modo que dependia inteiramente do Senhor quanto tempo seus habitantes deveriam viver nela. O Egito é descrito por Moisés como uma terra que Israel semeou com semente, e regou com seu pé como um jardim de ervas. No Egito quase não há chuva (compare com Herodes. ii. 4, Diod. Sic. i. 41, e outras evidências no Egito de Hengstenberg e nos Livros de Moisés, pp. 217ff.). A irrigação da terra, que produz sua fertilidade, depende do transbordamento anual do Nilo e, como isto dura apenas cerca de 100 dias, da forma como isto é disponibilizado durante todo o ano, ou seja, pela construção de canais e lagoas em toda a terra, para a qual a água é conduzida a partir do Nilo, forçando máquinas, ou transportando-a de fato em embarcações até os campos e plantações.

(Nota: Sobre os monumentos antigos encontramos não somente o poço de água com a longa corda, que agora é chamado Shaduf, representado de várias maneiras (ver Wilkinson, i. p. 35, ii. 4); mas em Beni-Hassan há uma representação de dois homens carregando um recipiente de água sobre um poste em seus ombros, que eles enchem de um poço de água ou lago, e depois levam para o campo (compare com Hengstenberg, Egito e os Livros de Moisés, pp. 220-1).

A expressão “com o pé”, provavelmente se refere às grandes rodas de bombeamento ainda em uso ali, que são trabalhadas pelos pés, e sobre as quais passa uma longa corda interminável com baldes acoplados, para o desenho da água (compare com Niebuhr, Reise, i. 149), cuja identidade com o ἕλιξ descrito por Philo como ὑδρηλὸν ὄργανον (de confus. ling. i. 410) não pode ser posta em questão; desde que, isto é, não confundamos este ἕλιξ com o parafuso de água arquimédico mencionado por Diod. Sic. i. 34, e descrito mais minuciosamente no v. 37, cuja construção foi totalmente diferente (ver minha Arqueologia, ii. pp. 111-2). – Os egípcios, como verdadeiros pagãos, estavam tão profundamente conscientes desta característica peculiar de sua terra, que tornava sua fertilidade muito mais dependente do trabalho das mãos humanas do que da chuva do céu ou da providência divina, que Heródoto (ii. 13) os representa como dizendo: “Os gregos, com sua dependência dos deuses, podem se decepcionar com suas esperanças mais brilhantes e sofrer terrivelmente com a fome”. A terra de Canaã não deu nenhum apoio a essa auto-exaltação sem Deus, pois era “uma terra de montanhas e vales, e bebeu água da chuva do céu” (ל antes de מטר, para denotar a causa externa; ver Ewald, 217, d.); isto é, recebeu sua rega, a condição principal de toda a fertilidade, da chuva, pela via da chuva, e portanto através do cuidado providencial de Deus. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E para que vos sejam prolongados os dias sobre a terra, que jurou o SENHOR a vossos pais havia de dar a eles e à sua descendência, terra que flui leite e mel.

Comentário de Robert Jamieson

(2-9) Moisés está aqui fazendo um breve resumo das maravilhas e milagres do julgamento terrível que Deus havia realizado para libertá-los da tirania do Faraó, bem como daqueles que haviam acontecido no deserto; e ele sabia que poderia se debruçar sobre eles, pois estava se dirigindo a muitos que haviam sido testemunhas desses terríveis incidentes. Pois será lembrado que a ameaça divina, de que eles deveriam morrer no deserto, e sua execução, se estendia apenas aos homens de 20 anos para cima, que eram capazes de partir para a guerra. Nenhum homem com menos de 20 anos de idade, nenhuma mulher, e nenhum da tribo de Levi, foram objeto de denúncia (ver Números 14:28-30; Números 16:49). Portanto, poderia haver muitos milhares de israelitas naquela época dos quais Moisés poderia dizer: “seus olhos viram todos os grandes atos que Ele fez”; e com relação a estes, a revisão histórica de Moisés foi bem calculada para despertar suas mentes para o dever e as vantagens da obediência.  [Jamieson, aguardando revisão]

10 Que a terra à qual entras para possuí-la, não é como a terra do Egito de onde saístes, onde semeavas tua semente, e regavas com teu pé, como jardim de hortaliça.

Comentário de Robert Jamieson

Que a terra à qual entras para possuí-la, não é como a terra do Egito de onde saístes – As características físicas da Palestina apresentam um contraste impressionante com as da terra da servidão. Uma planície que se estende amplamente forma a porção cultivada do Egito, e na maior parte dessa chuva baixa e nivelada nunca cai. Este desejo natural é suprido pelo transbordamento anual do Nilo e por meios artificiais da mesma fonte quando o rio recuou dentro de seu canal costumeiro. Perto do banco o processo de irrigação é muito simples. O cultivador abre uma pequena eclusa na borda da cama quadrada na qual a semente foi semeada, fazendo broca após a broca; e quando uma quantidade suficiente de água jorrou, ele a calou com o pé. Onde o banco está alto, a água é puxada por motores hidráulicos, dos quais existem três tipos usados, de potência diferente, de acordo com a subsidência do fluxo. A água é distribuída em pequenos canais ou condutos térreos, de construção simples, trabalhados pelo pé, e formados com uma enxada pelo jardineiro que dirige seu curso, e que são colocados para cima ou abertos, conforme a ocasião, pressionando o solo com o pé. Assim foi a terra regada em que os israelitas haviam habitado por tanto tempo. Tal vigilância e indústria laboriosa não seriam necessárias na terra prometida. Em vez de ser visitada com umidade apenas em uma breve estação e deixada durante o resto do ano sob uma praga, todas as estações desfrutariam das influências benignas de um clima genial. As colinas atrairiam as frequentes nuvens e, nos refrescantes aguaceiros, a bênção de Deus repousaria especialmente sobre a terra. [JFB, aguardando revisão]

11 A terra à qual passais para possuí-la é terra de montes e de planícies; da chuva do céu ela bebe as águas;

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-11) E este conhecimento foi para impeli-los a cumprir a lei, para que fossem fortes, ou seja, espiritualmente fortes (Deuteronômio 1:38), e não só entrassem na terra prometida, mas também vivessem nela por muito tempo (compare com Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 6:3). – Em Deuteronomio 11:10-12, Moisés acrescenta um novo motivo para sua admoestação para manter a lei com fidelidade, fundada sobre a natureza peculiar da terra. Canaã era uma terra cuja fertilidade não dependia, como a do Egito, de ser regada pela mão do homem, mas era mantida para cima pela chuva do céu que era enviada por Deus, o Senhor, de modo que dependia inteiramente do Senhor quanto tempo seus habitantes deveriam viver nela. O Egito é descrito por Moisés como uma terra que Israel semeou com semente, e regou com seu pé como um jardim de ervas. No Egito quase não há chuva (compare com Herodes. ii. 4, Diod. Sic. i. 41, e outras evidências no Egito de Hengstenberg e nos Livros de Moisés, pp. 217ff.). A irrigação da terra, que produz sua fertilidade, depende do transbordamento anual do Nilo e, como isto dura apenas cerca de 100 dias, da forma como isto é disponibilizado durante todo o ano, ou seja, pela construção de canais e lagoas em toda a terra, para a qual a água é conduzida a partir do Nilo, forçando máquinas, ou transportando-a de fato em embarcações até os campos e plantações.

(Nota: Sobre os monumentos antigos encontramos não somente o poço de água com a longa corda, que agora é chamado Shaduf, representado de várias maneiras (ver Wilkinson, i. p. 35, ii. 4); mas em Beni-Hassan há uma representação de dois homens carregando um recipiente de água sobre um poste em seus ombros, que eles enchem de um poço de água ou lago, e depois levam para o campo (compare com Hengstenberg, Egito e os Livros de Moisés, pp. 220-1).

A expressão “com o pé”, provavelmente se refere às grandes rodas de bombeamento ainda em uso ali, que são trabalhadas pelos pés, e sobre as quais passa uma longa corda interminável com baldes acoplados, para o desenho da água (compare com Niebuhr, Reise, i. 149), cuja identidade com o ἕλιξ descrito por Philo como ὑδρηλὸν ὄργανον (de confus. ling. i. 410) não pode ser posta em questão; desde que, isto é, não confundamos este ἕλιξ com o parafuso de água arquimédico mencionado por Diod. Sic. i. 34, e descrito mais minuciosamente no v. 37, cuja construção foi totalmente diferente (ver minha Arqueologia, ii. pp. 111-2). – Os egípcios, como verdadeiros pagãos, estavam tão profundamente conscientes desta característica peculiar de sua terra, que tornava sua fertilidade muito mais dependente do trabalho das mãos humanas do que da chuva do céu ou da providência divina, que Heródoto (ii. 13) os representa como dizendo: “Os gregos, com sua dependência dos deuses, podem se decepcionar com suas esperanças mais brilhantes e sofrer terrivelmente com a fome”. A terra de Canaã não deu nenhum apoio a essa auto-exaltação sem Deus, pois era “uma terra de montanhas e vales, e bebeu água da chuva do céu” (ל antes de מטר, para denotar a causa externa; ver Ewald, 217, d.); isto é, recebeu sua rega, a condição principal de toda a fertilidade, da chuva, pela via da chuva, e portanto através do cuidado providencial de Deus. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 terra da qual o SENHOR, teu Deus, cuida; os olhos do SENHOR, teu Deus, sempre estão sobre ela, do princípio do ano até o fim do ano.

Comentário de Robert Jamieson

terra da qual o SENHOR, teu Deus, cuida – isto é, regando-a, por assim dizer, com as próprias mãos, sem ajuda humana ou meios mecânicos. [JFB, aguardando revisão]

13 E será que, se obedecerdes cuidadosamente meus mandamentos que eu vos prescrevo hoje, amando ao SENHOR vosso Deus, e servindo-o com todo o vosso coração, e com toda vossa alma,

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-15) Se Israel servisse a seu Deus em amor e fidelidade, Ele daria à terra cedo e chuva tardia em sua estação, e com isso um abundante suprimento de alimento para o homem e para os animais (ver Levítico 26:3 e Levítico 26:5; e para a expansão desta bênção, Deuteronômio 28:1-12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 eu darei a chuva da vossa terra em seu tempo, a inicial e a tardia; e colherás teu grão, teu vinho, e teu azeite.

Comentário de Robert Jamieson

a inicial e a tardia – As primeiras chuvas começaram no outono, isto é, principalmente durante os meses de setembro e outubro, enquanto a chuva tardia caiu na primavera do ano, isto é, durante os meses de março e abril. É verdade que chuveiros ocasionais caíram durante todo o inverno; mas, nas estações outonais e vernal, eram mais frequentes, copiosas e importantes; para a chuva adiantada era necessário, depois de um verão quente e prolongado, preparar o solo para receber a semente; e a chuva serôdia, que logo precedeu a colheita, foi de grande utilidade no revigoramento dos poderes da vegetação (Jeremias 5:24; Joel 2:23; Amós 4:7; Tiago 5:7). [JFB, aguardando revisão]

15 Darei também erva em teu campo para teus animais; e comerás, e te fartarás.

Comentário de Robert Jamieson

Sem dúvida, a bênção especial da primeira e da chuva serôdia [Deuteronômio 11:14] foi uma das principais causas da extraordinária fertilidade de Canaã nos tempos antigos. Essa bênção foi prometida aos israelitas como uma recompensa temporal por sua fidelidade à aliança nacional [Deuteronômio 11:13]. Foi ameaçado ser retirado por sua desobediência ou apostasia; e o mais significativo é a execução dessa ameaça vista na presente esterilidade da Palestina. Mr. Lowthian, um fazendeiro inglês, que foi atingido durante sua jornada de Joppa a Jerusalém por não ver uma folha de grama, onde até mesmo nas localidades mais pobres da Grã-Bretanha alguma vegetação selvagem é encontrada, dirigiu sua atenção particularmente ao assunto, e perseguiu o inquérito durante a residência de um mês em Jerusalém, onde ele aprendeu que uma quantidade miseravelmente pequena de leite é vendida diariamente para os habitantes a uma taxa apreciada, e que principalmente avalia o leite. “Mais claramente”, diz ele, “percebi que a esterilidade de grandes porções do país se devia à cessação das chuvas temporã e tardia, e que a ausência de grama e flores não fazia mais a terra (Deuteronômio 11:9) fluindo com leite e mel. [JFB, aguardando revisão]

16 Guardai-vos, pois, que vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a deuses alheios, e vos inclineis a eles;

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-25) Mas se, por outro lado, seu coração fosse tolo para se afastar do Senhor e servir a outros deuses, a ira do Senhor arderia contra eles, e Deus fecharia o céu, para que nenhuma chuva caísse e a terra não produzisse frutos, e eles pereceriam rapidamente (compare com Levitico 26:19-20, e Deuteronômio 28:23-24). Deixe-os, portanto, impressionar muito profundamente as palavras que agora se colocam diante deles e de seus filhos (Deuteronomio 11:18-21, no qual há em parte uma repetição verbal de Deuteronômio 6:6-9). As palavras, “como os dias do céu sobre a terra”, ou seja, enquanto o céu continuar sobre a terra, – em outras palavras, para toda a eternidade (compare com Salmo 89:30; Jó. Deuteronômio 14:12), – pertencem à frase principal, “para que seus dias se multipliquem”, etc. (Deuteronômio 11:21). “A promessa de dar para sempre a terra a Israel não foi feita incondicionalmente; uma promessa incondicional é excluída pelas palavras, ‘que seus dias possam ser multiplicados'” (Schultz). (Para mais observações, veja em Deuteronômio 30:3-5.) Pois (Deuteronômio 11:22-25) se eles aderissem fielmente ao Senhor, Ele expulsaria diante deles todas as nações que habitavam a terra, e lhes daria a terra sobre a qual pisaram em todo o seu comprimento e largura, e assim encheria os cananeus de medo e terror diante deles, para que ninguém fosse capaz de ficar contra eles. (Em Deuteronômio 11:23, compare com Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 9:1, e Deuteronômio 1:28). As palavras, “todo lugar em que a planta de seus pés pisar será sua”, são definidas mais precisamente, e restritas à terra de Canaã, de ambos os lados do Jordão, pelos limites que se seguem: “do deserto (da Arábia ao sul), e do Líbano (ao norte), e do rio Eufrates (ao leste) até o mar bravo” (o Mediterrâneo ao oeste; ver Números 34:6). O Eufrates é dado como limite oriental, como em Deuteronômio 1:7, de acordo com a promessa em Gênesis 15:18. (Em Deuteronômio 11:25, compare com Deuteronômio 7:24; Deuteronômio 2:25, e Êxodo 23:27). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E assim se acenda o furor do SENHOR sobre vós, e feche os céus, e não haja chuva, nem a terra dê seu fruto, e pereçais logo da boa terra que vos dá o SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-25) Mas se, por outro lado, seu coração fosse tolo para se afastar do Senhor e servir a outros deuses, a ira do Senhor arderia contra eles, e Deus fecharia o céu, para que nenhuma chuva caísse e a terra não produzisse frutos, e eles pereceriam rapidamente (compare com Levitico 26:19-20, e Deuteronômio 28:23-24). Deixe-os, portanto, impressionar muito profundamente as palavras que agora se colocam diante deles e de seus filhos (Deuteronomio 11:18-21, no qual há em parte uma repetição verbal de Deuteronômio 6:6-9). As palavras, “como os dias do céu sobre a terra”, ou seja, enquanto o céu continuar sobre a terra, – em outras palavras, para toda a eternidade (compare com Salmo 89:30; Jó. Deuteronômio 14:12), – pertencem à frase principal, “para que seus dias se multipliquem”, etc. (Deuteronômio 11:21). “A promessa de dar para sempre a terra a Israel não foi feita incondicionalmente; uma promessa incondicional é excluída pelas palavras, ‘que seus dias possam ser multiplicados'” (Schultz). (Para mais observações, veja em Deuteronômio 30:3-5.) Pois (Deuteronômio 11:22-25) se eles aderissem fielmente ao Senhor, Ele expulsaria diante deles todas as nações que habitavam a terra, e lhes daria a terra sobre a qual pisaram em todo o seu comprimento e largura, e assim encheria os cananeus de medo e terror diante deles, para que ninguém fosse capaz de ficar contra eles. (Em Deuteronômio 11:23, compare com Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 9:1, e Deuteronômio 1:28). As palavras, “todo lugar em que a planta de seus pés pisar será sua”, são definidas mais precisamente, e restritas à terra de Canaã, de ambos os lados do Jordão, pelos limites que se seguem: “do deserto (da Arábia ao sul), e do Líbano (ao norte), e do rio Eufrates (ao leste) até o mar bravo” (o Mediterrâneo ao oeste; ver Números 34:6). O Eufrates é dado como limite oriental, como em Deuteronômio 1:7, de acordo com a promessa em Gênesis 15:18. (Em Deuteronômio 11:25, compare com Deuteronômio 7:24; Deuteronômio 2:25, e Êxodo 23:27). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Portanto, poreis estas minhas palavras em vosso coração e em vossa alma, e as atareis por sinal em vossa mão, e serão por frontais entre vossos olhos.

Comentário de C. H. Waller

Portanto, poreis estas minhas palavras. As mesmas injunções são encontradas acima (Deuteronômio 6:6-9). O comentarista judeu comenta, um tanto triste, aqui, que eles se lembrariam delas em seu cativeiro, se não antes. O “portanto” no início do versículo é um simples “e”, para que a passagem possa ser lida em conexão com o que precede: “Vós perecereis rapidamente de fora da boa terra, e colocareis estas minhas palavras em vossos corações”. Mas as palavras de Deuteronômio 11:21 parecem mostrar que este não é o principal significado – apenas uma aplicação sugerida, como muitas outras aplicações da Escritura, pelo evento real. [Ellicott, aguardando revisão]

19 E as ensinareis a vossos filhos, falando delas, ora sentado em tua casa, ou andando pelo caminho, quando te deites, e quando te levantes:

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-25) Mas se, por outro lado, seu coração fosse tolo para se afastar do Senhor e servir a outros deuses, a ira do Senhor arderia contra eles, e Deus fecharia o céu, para que nenhuma chuva caísse e a terra não produzisse frutos, e eles pereceriam rapidamente (compare com Levitico 26:19-20, e Deuteronômio 28:23-24). Deixe-os, portanto, impressionar muito profundamente as palavras que agora se colocam diante deles e de seus filhos (Deuteronomio 11:18-21, no qual há em parte uma repetição verbal de Deuteronômio 6:6-9). As palavras, “como os dias do céu sobre a terra”, ou seja, enquanto o céu continuar sobre a terra, – em outras palavras, para toda a eternidade (compare com Salmo 89:30; Jó. Deuteronômio 14:12), – pertencem à frase principal, “para que seus dias se multipliquem”, etc. (Deuteronômio 11:21). “A promessa de dar para sempre a terra a Israel não foi feita incondicionalmente; uma promessa incondicional é excluída pelas palavras, ‘que seus dias possam ser multiplicados'” (Schultz). (Para mais observações, veja em Deuteronômio 30:3-5.) Pois (Deuteronômio 11:22-25) se eles aderissem fielmente ao Senhor, Ele expulsaria diante deles todas as nações que habitavam a terra, e lhes daria a terra sobre a qual pisaram em todo o seu comprimento e largura, e assim encheria os cananeus de medo e terror diante deles, para que ninguém fosse capaz de ficar contra eles. (Em Deuteronômio 11:23, compare com Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 9:1, e Deuteronômio 1:28). As palavras, “todo lugar em que a planta de seus pés pisar será sua”, são definidas mais precisamente, e restritas à terra de Canaã, de ambos os lados do Jordão, pelos limites que se seguem: “do deserto (da Arábia ao sul), e do Líbano (ao norte), e do rio Eufrates (ao leste) até o mar bravo” (o Mediterrâneo ao oeste; ver Números 34:6). O Eufrates é dado como limite oriental, como em Deuteronômio 1:7, de acordo com a promessa em Gênesis 15:18. (Em Deuteronômio 11:25, compare com Deuteronômio 7:24; Deuteronômio 2:25, e Êxodo 23:27). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E as escreverás nos umbrais de tua casa, e em tuas entradas:

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-25) Mas se, por outro lado, seu coração fosse tolo para se afastar do Senhor e servir a outros deuses, a ira do Senhor arderia contra eles, e Deus fecharia o céu, para que nenhuma chuva caísse e a terra não produzisse frutos, e eles pereceriam rapidamente (compare com Levitico 26:19-20, e Deuteronômio 28:23-24). Deixe-os, portanto, impressionar muito profundamente as palavras que agora se colocam diante deles e de seus filhos (Deuteronomio 11:18-21, no qual há em parte uma repetição verbal de Deuteronômio 6:6-9). As palavras, “como os dias do céu sobre a terra”, ou seja, enquanto o céu continuar sobre a terra, – em outras palavras, para toda a eternidade (compare com Salmo 89:30; Jó. Deuteronômio 14:12), – pertencem à frase principal, “para que seus dias se multipliquem”, etc. (Deuteronômio 11:21). “A promessa de dar para sempre a terra a Israel não foi feita incondicionalmente; uma promessa incondicional é excluída pelas palavras, ‘que seus dias possam ser multiplicados'” (Schultz). (Para mais observações, veja em Deuteronômio 30:3-5.) Pois (Deuteronômio 11:22-25) se eles aderissem fielmente ao Senhor, Ele expulsaria diante deles todas as nações que habitavam a terra, e lhes daria a terra sobre a qual pisaram em todo o seu comprimento e largura, e assim encheria os cananeus de medo e terror diante deles, para que ninguém fosse capaz de ficar contra eles. (Em Deuteronômio 11:23, compare com Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 9:1, e Deuteronômio 1:28). As palavras, “todo lugar em que a planta de seus pés pisar será sua”, são definidas mais precisamente, e restritas à terra de Canaã, de ambos os lados do Jordão, pelos limites que se seguem: “do deserto (da Arábia ao sul), e do Líbano (ao norte), e do rio Eufrates (ao leste) até o mar bravo” (o Mediterrâneo ao oeste; ver Números 34:6). O Eufrates é dado como limite oriental, como em Deuteronômio 1:7, de acordo com a promessa em Gênesis 15:18. (Em Deuteronômio 11:25, compare com Deuteronômio 7:24; Deuteronômio 2:25, e Êxodo 23:27). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Para que sejam aumentados vossos dias, e os dias de vossos filhos, sobre a terra que jurou o SENHOR a vossos pais que lhes havia de dar, como os dias dos céus sobre a terra.

Comentário de John W. Lindsay

como os dias dos céus sobre a terra. Se for obediente a esses preceitos, fiel a Jeová, seu Deus, a boa terra será sua e de seus filhos enquanto o céu estiver acima da terra. Deuteronômio 11:18-21 é, em parte, uma repetição de Deuteronômio 6:6-9. [Lindsay, aguardando revisão]

22 Porque se guardardes cuidadosamente todos estes mandamentos que eu vos prescrevo, para que os cumprais; como ameis ao SENHOR vosso Deus andando em todos os seus caminhos, e a ele vos achegardes,

Comentário de C. H. Waller

andando em todos os seus caminhos. “Ele é compassivo, e tu serás compassivo”. Ele mostra misericórdia, e tu mostrarás misericórdia”. Novamente o comentário de Rashi é digno do Novo Testamento. O que se segue mostra a necessidade de um mediador.

a ele vos achegardes. É possível falar assim? Ele não é “um fogo consumidor” (e como podemos apegar-nos a Ele?) “Mas apega-te aos sábios e seus discípulos (os estudantes da Lei), e eu te digo que será como se te apegasses a Ele”. Na linguagem do Novo Testamento, isto se leria: “Sede meus seguidores, como eu sou de Cristo”; e “Aquele que Me recebe, recebe Aquele que Me enviou”. [Ellicott, aguardando revisão]

23 O SENHOR também expulsará todas estas nações de diante de vós e possuireis nações grandes e mais fortes que vós.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-25) Mas se, por outro lado, seu coração fosse tolo para se afastar do Senhor e servir a outros deuses, a ira do Senhor arderia contra eles, e Deus fecharia o céu, para que nenhuma chuva caísse e a terra não produzisse frutos, e eles pereceriam rapidamente (compare com Levitico 26:19-20, e Deuteronômio 28:23-24). Deixe-os, portanto, impressionar muito profundamente as palavras que agora se colocam diante deles e de seus filhos (Deuteronomio 11:18-21, no qual há em parte uma repetição verbal de Deuteronômio 6:6-9). As palavras, “como os dias do céu sobre a terra”, ou seja, enquanto o céu continuar sobre a terra, – em outras palavras, para toda a eternidade (compare com Salmo 89:30; Jó. Deuteronômio 14:12), – pertencem à frase principal, “para que seus dias se multipliquem”, etc. (Deuteronômio 11:21). “A promessa de dar para sempre a terra a Israel não foi feita incondicionalmente; uma promessa incondicional é excluída pelas palavras, ‘que seus dias possam ser multiplicados'” (Schultz). (Para mais observações, veja em Deuteronômio 30:3-5.) Pois (Deuteronômio 11:22-25) se eles aderissem fielmente ao Senhor, Ele expulsaria diante deles todas as nações que habitavam a terra, e lhes daria a terra sobre a qual pisaram em todo o seu comprimento e largura, e assim encheria os cananeus de medo e terror diante deles, para que ninguém fosse capaz de ficar contra eles. (Em Deuteronômio 11:23, compare com Deuteronômio 7:1-2; Deuteronômio 9:1, e Deuteronômio 1:28). As palavras, “todo lugar em que a planta de seus pés pisar será sua”, são definidas mais precisamente, e restritas à terra de Canaã, de ambos os lados do Jordão, pelos limites que se seguem: “do deserto (da Arábia ao sul), e do Líbano (ao norte), e do rio Eufrates (ao leste) até o mar bravo” (o Mediterrâneo ao oeste; ver Números 34:6). O Eufrates é dado como limite oriental, como em Deuteronômio 1:7, de acordo com a promessa em Gênesis 15:18. (Em Deuteronômio 11:25, compare com Deuteronômio 7:24; Deuteronômio 2:25, e Êxodo 23:27). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Todo lugar que pisar a planta de vosso pé, será vosso: desde o deserto e o Líbano, desde o rio, o rio Eufrates, até o mar ocidental será vosso termo.

Comentário de Robert Jamieson

Todo lugar que pisar a planta de vosso pé, será vosso – não como se os judeus fossem senhores do mundo, mas de todo lugar dentro da terra prometida. Deve ser concedido a eles e possuído por eles, sob condições de obediência:

desde o deserto – a Arabá no sul;

Líbano – o limite norte;

Eufrates – seu limite no leste. Sua concessão de domínio se estendeu até agora, e o direito foi cumprido para Salomão.

o mar ocidental – o Mediterrâneo. [JFB, aguardando revisão]

25 Ninguém resistirá diante de vós: medo e temor de vós porá o SENHOR vosso Deus sobre a face de toda a terra que pisardes, como ele vos disse.

Comentário de C. H. Waller

medo e temor de vós. Rashi diz: “O medo de vocês sobre aqueles que estão perto, e o pavor sobre aqueles que estão longe”. É uma profecia muito abrangente, pois pode-se ler: “sobre toda a terra que pisareis”. (Ver Ester 8:2-3, onde foi cumprida em todo o Império Persa). [Ellicott, aguardando revisão]

26 Eis que eu ponho hoje diante de vós a bênção e a maldição:

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-30) Resumo final. “Eu vos proponho hoje a bênção e a maldição”. A bênção, se (אשׁר, ὅτε, como em Levítico 4:22) vós ouvirdes os mandamentos de vosso Deus; a maldição, se não os ouvirdes, mas vos desviardes do caminho que vos foi apontado, para irdes atrás de outros deuses. A isso são acrescentadas instruções em Deuteronômio 11:29 e Deuteronômio 11:30, que quando tomassem posse da terra deveriam dar a bênção sobre o monte Gerizim e a maldição sobre o monte Ebal, ou seja, deveriam dar-lhes a expressão lá, e como que transferi-los para a terra a ser repartida aos seus habitantes de acordo com sua atitude para com o Senhor seu Deus. (Para mais comentários, veja em Deuteronômio 27:14.) As duas montanhas mencionadas foram selecionadas para este ato, sem dúvida porque eram opostas uma à outra, e ficaram, cada uma com cerca de 2.500 pés de altura, no centro da terra não só de oeste para leste, mas também de norte para sul. Ebal fica no lado norte, Gerizim no sul; entre os dois fica Sichem, o atual Nabulus, em um vale toleravelmente elevado, fértil, atraente e regado por muitas nascentes, que vai do sudeste ao noroeste, do sopé de Gerizim ao de Ebal, e tem cerca de 1.600 pés de largura. A bênção era para ser proferida sobre Gerizim, e a maldição sobre Ebal; embora não, como os comentadores anteriores supunham, porque as peculiaridades destas montanhas, em outras palavras, a fertilidade de Gerizim e a esterilidade de Ebal, pareciam estar de acordo com este arranjo: pois quando vistas do vale entre elas, “os lados destas duas montanhas são igualmente nus e estéreis”; e “a única exceção a favor da primeira é uma pequena ravina descendo, em frente à extremidade oeste da cidade, que está de fato cheia de fundações e árvores” (Rob. Pal. iii. 96, 97). O motivo da escolha de Gerizim para as bênçãos foi provavelmente, como Schultz supõe, o fato de estar situado no sul, em direção à região da luz. “Luz e bênção são essencialmente uma só”. Da face de Deus que dá luz vem a bênção e a vida (Salmo 16:11)”. – Em Deuteronômio 11:30 a situação destas montanhas está mais claramente definida: elas estavam “do outro lado do Jordão”, ou seja, na terra a oeste do Jordão, “atrás do caminho do pôr-do-sol”, ou seja, do outro lado da estrada do oeste, que atravessa a terra a oeste do Jordão, assim como outra estrada deste tipo atravessa a terra a leste (Knobel). A referência é a estrada principal que corria da Alta Ásia através de Canaã até o Egito, como foi demonstrado pelas viagens de Abraão e Jacó (Gênesis 12:6; Gênesis 33:17-18). Mesmo nos dias de hoje, a estrada principal leva de Beisan a Jerusalém ao redor do lado leste de Ebal para o vale de Sichem, e depois novamente para leste de Gerizim através do vale de Mukra em direção ao sul (compare com Rib. iii. 94; Ritter, Erdkunde, xvi. pp. 658-9). “Na terra dos cananeus que habitam no Arabah”. Pela Arabah, Knobel compreende a planície de Nabulus, que não é muito menos que quatro horas de viagem, e em média de meia a três quartos de largura, “a maior de todas sobre o trecho elevado de terra entre a planície ocidental e o vale do Jordão” (Rob. iii. p. 101). Isto é decididamente errado, no entanto, pois se opõe ao uso fixo da palavra, e irreconciliável com o caráter desta planície, que, diz Robinson, “é cultivada em toda parte e coberta com o rico verde do painço misturado com o amarelo do milho maduro, que o povo do país estava apenas colhendo” (Pal. iii. 93). O Arabah é a porção ocidental do Ghor (ver em Deuteronômio 1:1), e é mencionado aqui como aquela porção da terra a oeste do Jordão que se estendia diante dos olhos dos israelitas que estavam acampados nas estepes de Moab. “Over against Gilgal”, ou seja não o sul de Gilgal, entre Jericó e o Jordão, que recebeu seu nome pela primeira vez em Josué 4:20 e Josué 5:9; mas provavelmente o Gilgal mencionado em Josué 9:6; Josué 10:6. A história de Gileade, e muito freqüentemente na história de Samuel, Elias e Elisha, que está a apenas cerca de doze milhas e meia de Gerizim na direção sul, e que foi preservada na grande aldeia de Jiljilia ao sudoeste de Sinjil, e que se encontra em uma posição tão elevada, “perto do cume ocidental da alta montanha”, que você “tem aqui uma perspectiva muito extensa sobre a grande planície inferior, e também sobre o mar, enquanto as montanhas de Gilead são vistas no leste” (Rob. Pal. iii. 81). A julgar por esta descrição da situação, o Monte Gerizim deve ser visível deste Gilgal, de modo que Gerizim e Ebal podem muito bem ser descritos como um over contra Gilgal.

(Nota: Há muito menos fundamento para a opinião de Winer, Knobel e Schultz, que Gilgal é o Jiljule mencionado por Robinson (Pal. iii. 47; e Bibl. Researches, p. 138), que evidentemente corresponde à Galgula colocada por Eusébio e Jerônimo a seis milhas romanas de Antipatris, e está situada a sudeste de Kefr Saba (Antipatris), na estrada do Egito para Damasco. Pois este lugar não está apenas mais distante de Gerizim e Ebal, em outras palavras, cerca de dezessete milhas, mas de sua posição na planície, à beira-mar, não apresenta nenhum ponto saliente para determinar a situação das montanhas de Gerizim e Ebal. Ainda menos podemos concordar com Knobel, que fala da aldeia de Kilkilia, a nordeste de Kefr Saba, pois o nome em si não tem nada em comum com Gilgal).

A última definição, “ao lado dos terebintos de Moreh”, pretende sem dúvida lembrar a consagração daquela localidade mesmo dos tempos dos patriarcas (Schultz: ver em Gênesis 12:6, e Gênesis 35:4). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 A bênção, se ouvirdes os mandamentos do SENHOR vosso Deus, que eu vos prescrevo hoje;

Comentário de John Gill

A bênção, se ouvirdes os mandamentos do SENHOR vosso Deus. Isto é, uma bênção deveria vir sobre eles, mesmo todas as bênçãos temporais de que necessitassem; eles devem ser abençoados em corpo e propriedades, em suas famílias e em seus rebanhos, na cidade e no campo; veja Deuteronômio 28: 1, que eu vos prescrevo hoje; novamente repetiu a eles, e ordenou-lhes que observassem isso em nome do Senhor. [Gill, aguardando revisão]

28 E a maldição, se não ouvirdes os mandamentos do SENHOR vosso Deus, e vos desviardes do caminho que eu vos ordeno hoje, para ir atrás de deuses alheios que não conhecestes.

Comentário de W. L. Alexander

deuses alheios que não conhecestes; em contraste com Jeová, o Deus revelado, dado a conhecer a eles por palavra e ação. [Alexander, aguardando revisão]

29 E será que, quando o SENHOR teu Deus te introduzir na terra à qual vais para possuí-la, porás a bênção sobre o monte Gerizim, e a maldição sobre o monte Ebal:

Comentário de Robert Jamieson

porás a bênção sobre o monte Gerizim, e a maldição sobre o monte Ebal, monte dos gerizitas – uma tribo de nômades beduínos (1Samuel 27:8) que tinha um assentamento lá, agora Jebel et-Tur. “Ebal” – um nome fundado na aparência nua e desolada de seus lados; de um verbo que significa arrancar uma árvore de suas folhas (Gesenius).

Stanley, no entanto, nega que essa derivação seja apoiada pelo atual aspecto estéril da montanha. O mesmo escritor diz que o nome pelo qual agora é chamado é Imad-el-Deen (o pilar da religião) (‘Sinai e Palestina’, p. 233, nota). Estes dois montes se erguem, um ao sul e o outro ao norte do vale de Siquém. Jerônimo (‘De Locis Hebraicis, voce Gerizim’) sustentou que o verdadeiro local dessas montanhas era nas proximidades de Jericó, em frente ao Arboth Moab, onde Moisés estava se dirigindo ao povo – uma afirmação à qual a menção de Gilgal é pensada por alguns para dar um ar de plausibilidade. Mas as palavras “que habitam no campo”, que é traduzida erroneamente para ‘o Arabá’ – o vale do Jordão – são omitidas na Septuaginta; e a afirmação de que as montanhas estavam perto dos terebintos de Moreh nos obriga a aderir à visão comum quanto à sua posição topográfica (Stanley, ‘Sinai and Palestine’, p. 235). [Jamieson, aguardando revisão]

30 Os quais estão da outra parte do Jordão, atrás do caminho do ocidente na terra dos cananeus, que habitam na campina diante de Gilgal, junto às planícies de Moré.

Comentário de John W. Lindsay

atrás do caminho do ocidente. Referindo-se à grande rodovia para viajar da Síria ao Egito, que atravessa a terra do lado oeste da Jordânia. Havia outra estrada principal no lado leste do rio.

que habitam na campina. No Arabah. Este termo foi aplicado a todo o vale, estendendo-se desde as nascentes do Jordão até o golfo de Akabah. Como os israelitas estão agora acampados no lado leste do Jordão, o Arabah estaria bem diante deles enquanto olhavam para o oeste. Knobel pensa que a região na qual Nablus está situada deve ser entendida.

diante de Gilgal. Não Gilgal no lado oeste do Jordão, perto de Jericó, mas provavelmente o Gilgal mencionado em 2Reis 2:1. Na narrativa é dito que Elias e Eliseu desceram de Gilgal para Betel, e de Betel, passando por Jericó, eles passam para o Jordão. Este Gilgal era mais alto que Betel, e evidentemente mais distante do Jordão. Pensa-se que um lugar com o nome Jiljilieh seja o local deste Gilgal. Os críticos fizeram deste um dos pontos de ataque à autenticidade do livro. “Deve parecer estranho que Moisés, que nunca havia estado na terra de Canaã, conheça todos esses lugares e seja capaz de descrevê-los com tanta exatidão”. Mas é ainda mais estranho que ele conheça o nome Gilgal, que, segundo o livro de Josué, só foi dado ao lugar depois que o povo entrou na terra de Canaã”. É claro que o texto foi escrito em uma idade posterior, quando estes nomes e lugares eram conhecidos familiarmente”. – Pentateuch Examined, ii, p. 200. Agora seria realmente estranho se Moisés não estivesse familiarizado com a geografia da terra. Os monumentos do Egito mostram conhecimento da Síria. Os grandes caminhos do comércio e da guerra passaram por Canaã. Quarenta anos passados no Egito, quarenta anos em Midian, e quarenta anos nas próprias fronteiras da terra certamente dariam oportunidade para o conhecimento familiar das características físicas da terra. Como havia vários lugares que levavam o nome Gilgal, um pelo menos pode ter tido esse nome antes da conquista.

às planícies de Moré. Ao contrário, os terebintos de Moré, santificados na mente dos israelitas como o lugar da manifestação divina a Abraão. Gênesis 12:6-7. [Lindsay, aguardando revisão]

31 Porque vós passais o Jordão, para ir a possuir a terra que vos dá o SENHOR vosso Deus; e a possuireis, e habitareis nela.

Comentário de Keil e Delitzsch

Deuteronômio 11:31-32 contém a razão destas instruções, baseadas na garantia de que os israelitas atravessariam o Jordão e tomariam posse da terra prometida, e deveriam, portanto, tomar cuidado para guardar os mandamentos do Senhor (compare com Deuteronômio 4:5-6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

32 Cuidareis, pois, de pôr por obra todos os estatutos e direitos que eu apresento hoje diante de vós.

Comentário de Keil e Delitzsch

Deuteronômio 11:31-32 contém a razão destas instruções, baseadas na garantia de que os israelitas atravessariam o Jordão e tomariam posse da terra prometida, e deveriam, portanto, tomar cuidado para guardar os mandamentos do Senhor (compare com Deuteronômio 4:5-6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 10 Deuteronômio 12>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.