Deuteronômio 30

Grandes misericórdias prometidas ao arrependido

1 E será que, quando te sobrevierem todas estas coisas, a bênção e a maldição que pus diante de ti, e te conscientizares em teu coração em meio de todas as nações às quais o SENHOR teu Deus te houver expulsado,

Comentário de Robert Jamieson

As esperanças do povo hebreu estão ardentemente direcionadas para esta promessa, e elas confiantemente esperam que Deus, comiserando seus desamparados e caídos condição, ainda resgatá-los de todos os males de sua longa dispersão. Eles não consideram a promessa como cumprida por sua restauração do cativeiro na Babilônia, pois Israel não foi então espalhado da maneira descrita aqui – “entre todas as nações”, “até as extremidades do céu” (Deuteronômio 30:4). . Quando Deus os chamou dessa escravidão, todos os israelitas não foram trazidos de volta. Eles não foram multiplicados acima de seus pais (Deuteronômio 30:5), nem seus corações e os de seus filhos foram circuncidados para amar o Senhor (Deuteronômio 30:6). Não é, portanto, do cativeiro babilônico que Moisés estava falando nesta passagem; deve ser do estado disperso para o qual foram condenados por mil e oitocentos anos. Esta previsão pode ter sido parcialmente realizada no retorno dos israelitas da Babilônia; pois, de acordo com a estrutura e o design da profecia das Escrituras, pode ter apontado para várias épocas semelhantes em sua história nacional; e essa visão é sancionada pela oração de Neemias (Neemias 1:8-9). Mas, sem dúvida, receberá sua realização completa e completa na conversão dos judeus ao Evangelho de Cristo. Na restauração do cativeiro babilônico, esse povo foi mudado em muitos aspectos para melhor. Eles foram completamente desmamados da idolatria; e esta reforma externa foi um prelúdio para as realizações mais elevadas que eles estão destinados a alcançar na era do Messias, “quando o Senhor Deus circuncidará seus corações e os corações de sua semente para amar o Senhor”. O curso apontado parece claramente seja isto: que os corações do povo hebreu sejam circuncidados (Colossenses 2:2); em outras palavras, pelas influências combinadas da Palavra e do espírito de Deus, seus corações serão tocados e purificados de toda a sua superstição e incredulidade. Eles serão convertidos à fé em Jesus Cristo como seu Messias – um libertador espiritual, e o efeito de sua conversão será que eles retornarão e obedecerão à voz (o Evangelho, a lei evangélica) do Senhor. As palavras podem ser interpretadas totalmente em um sentido espiritual (Jo 11:51-52), ou, como muitos pensam, em um sentido literal também (Romanos 11:1-36). Eles serão chamados de todos os lugares da dispersão para sua própria terra e desfrutam da mais alta prosperidade. As misericórdias e favores de uma Providência generosa não serão então abusadas como antigamente (Deuteronômio 31:20; 32:15). Eles serão recebidos em um espírito melhor e empregados para propósitos mais nobres. Eles serão felizes, “porque o Senhor se alegrará de novo sobre eles para o bem, como se alegra com seus pais”. [JFB, aguardando revisão]

2 E te converteres ao SENHOR teu Deus, e obedeceres à sua voz conforme tudo o que eu te mando hoje, tu e teus filhos, com todo teu coração e com toda tua alma,

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) “Quando todas estas palavras, a bênção e a maldição que eu pus diante de ti, vierem”. A alusão à bênção neste contexto pode ser explicada com base no fato de que Moisés estava vigiando o futuro em geral, no qual não apenas uma maldição, mas uma bênção também viria sobre a nação, de acordo com sua atitude para com o Senhor como um todo e em seus vários membros, uma vez que mesmo em tempos de maior apostasia por parte da nação haveria sempre uma semente santa que não poderia se extinguir; porque, caso contrário, a nação teria sido necessariamente totalmente e para sempre rejeitada, pelo que as promessas de Deus teriam sido reduzidas a nada, – um resultado que era absolutamente impossível. “E tu tomas a peito entre todas as nações”, etc., isto é, o que te aconteceu – não apenas a maldição que te pressiona, mas também a bênção que acompanha a obediência aos mandamentos de Deus, – “e devolves ao Senhor teu Deus, e ouves a sua voz com todo o coração”, etc. (compare com Deuteronômio 4:29); “o Senhor converterá teu cativeiro, e terá compaixão de ti, e te reunirá de novo”. את-שׁבוּת שׁוּב não significa trazer de volta os prisioneiros, como os lexicógrafos mais modernos erroneamente supõem (o Kal שׁוּב nunca tem a força do Hiphil), mas para transformar a prisão, e isso num sentido figurativo, em outras palavras, para pôr um fim à angústia (Jó 42: 10; Jeremias 30:8; Ezequiel 16:53; Salmo 14:7; também Salmo 85:2; Salmo 126:2, Salmo 126:4), exceto que em muitas passagens a miséria do exílio em que o povo cravado é representado como encarceramento. A passagem diante de nós é totalmente decisiva contra o significado de trazer de volta os prisioneiros, já que se fala da reunião dos pagãos como sendo a própria conseqüência da “volta do cativeiro”; assim também é Jeremias 29:14, onde a volta (השׁיב) é expressamente distinguida dela. Mas é especialmente este o caso de Jeremias 30:18, onde “virar o cativeiro das tendas de Jacó” é sinônimo de ter piedade de seus locais de moradia, e construir a cidade, novamente, para que a cidade deitada em ruínas seja representada como שׁבוּת, uma prisão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 O SENHOR te restaurará de teu infortúnio, terá misericórdia de ti, e voltará a recolher-te de todos os povos aos quais o SENHOR, teu Deus, te houver disperso.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) “Quando todas estas palavras, a bênção e a maldição que eu pus diante de ti, vierem”. A alusão à bênção neste contexto pode ser explicada com base no fato de que Moisés estava vigiando o futuro em geral, no qual não apenas uma maldição, mas uma bênção também viria sobre a nação, de acordo com sua atitude para com o Senhor como um todo e em seus vários membros, uma vez que mesmo em tempos de maior apostasia por parte da nação haveria sempre uma semente santa que não poderia se extinguir; porque, caso contrário, a nação teria sido necessariamente totalmente e para sempre rejeitada, pelo que as promessas de Deus teriam sido reduzidas a nada, – um resultado que era absolutamente impossível. “E tu tomas a peito entre todas as nações”, etc., isto é, o que te aconteceu – não apenas a maldição que te pressiona, mas também a bênção que acompanha a obediência aos mandamentos de Deus, – “e devolves ao Senhor teu Deus, e ouves a sua voz com todo o coração”, etc. (compare com Deuteronômio 4:29); “o Senhor converterá teu cativeiro, e terá compaixão de ti, e te reunirá de novo”. את-שׁבוּת שׁוּב não significa trazer de volta os prisioneiros, como os lexicógrafos mais modernos erroneamente supõem (o Kal שׁוּב nunca tem a força do Hiphil), mas para transformar a prisão, e isso num sentido figurativo, em outras palavras, para pôr um fim à angústia (Jó 42: 10; Jeremias 30:8; Ezequiel 16:53; Salmo 14:7; também Salmo 85:2; Salmo 126:2, Salmo 126:4), exceto que em muitas passagens a miséria do exílio em que o povo cravado é representado como encarceramento. A passagem diante de nós é totalmente decisiva contra o significado de trazer de volta os prisioneiros, já que se fala da reunião dos pagãos como sendo a própria conseqüência da “volta do cativeiro”; assim também é Jeremias 29:14, onde a volta (השׁיב) é expressamente distinguida dela. Mas é especialmente este o caso de Jeremias 30:18, onde “virar o cativeiro das tendas de Jacó” é sinônimo de ter piedade de seus locais de moradia, e construir a cidade, novamente, para que a cidade deitada em ruínas seja representada como שׁבוּת, uma prisão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Se houveres sido lançado até a extremidade dos céus, dali te recolherá o SENHOR teu Deus, e dali te tomará:

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-5) A reunião de Israel fora de todos as nações da Terra se seguiria então. Mesmo que o povo rejeitado estivesse no fim do céu, o Senhor os buscaria dali e os traria de volta à terra de seus pais, e faria o bem à nação, e os multiplicaria acima de seus pais. Estas últimas palavras mostram que as prometidas não apontam diretamente para a reunião de Israel da dispersão em sua conversão final a Cristo, nem fornecem qualquer prova de que os judeus serão então trazidos de volta à Palestina. É verdade que mesmo estas palavras têm alguma referência à redenção final de Israel. Isto é evidente pela maldição da dispersão, que não pode ser restrita aos cativos assírios e babilônicos, mas inclui também a dispersão romana; e é ainda mais evidente pela renovação desta promessa em Jeremias 32:37 e outras passagens proféticas. Mas esta aplicação se encontra no espírito, e não nesta última. Pois, se houver um aumento no número de judeus, quando reunidos de sua dispersão em todo o mundo, acima do número de seus pais, e portanto acima do número dos israelitas no tempo de Salomão e dos primeiros monarcas dos dois reinos, a Palestina nunca mobilará espaço suficiente para uma nação multiplicada como esta. A multiplicação prometida aqui, na medida em que se enquadra na era messiânica, consistirá na realização da promessa dada a Abraão, de que sua semente deveria crescer em nações (Gênesis 17:6 e Gênesis 17:16), ou seja, na multiplicação inumerável, não do “Israel segundo a carne”, mas do “Israel segundo o espírito”, cuja terra não está restrita aos limites da Canaã terrestre ou da Palestina (ver p. 144). A posse da Canaã terrestre para sempre não está prometida na lei à nação israelita (ver em Deuteronômio 11:21). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E te fará voltar o SENHOR teu Deus à terra que herdaram teus pais, e a possuirás; e te fará bem, e te multiplicará mais que a teus pais.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-5) A reunião de Israel fora de todos as nações da Terra se seguiria então. Mesmo que o povo rejeitado estivesse no fim do céu, o Senhor os buscaria dali e os traria de volta à terra de seus pais, e faria o bem à nação, e os multiplicaria acima de seus pais. Estas últimas palavras mostram que as prometidas não apontam diretamente para a reunião de Israel da dispersão em sua conversão final a Cristo, nem fornecem qualquer prova de que os judeus serão então trazidos de volta à Palestina. É verdade que mesmo estas palavras têm alguma referência à redenção final de Israel. Isto é evidente pela maldição da dispersão, que não pode ser restrita aos cativos assírios e babilônicos, mas inclui também a dispersão romana; e é ainda mais evidente pela renovação desta promessa em Jeremias 32:37 e outras passagens proféticas. Mas esta aplicação se encontra no espírito, e não nesta última. Pois, se houver um aumento no número de judeus, quando reunidos de sua dispersão em todo o mundo, acima do número de seus pais, e portanto acima do número dos israelitas no tempo de Salomão e dos primeiros monarcas dos dois reinos, a Palestina nunca mobilará espaço suficiente para uma nação multiplicada como esta. A multiplicação prometida aqui, na medida em que se enquadra na era messiânica, consistirá na realização da promessa dada a Abraão, de que sua semente deveria crescer em nações (Gênesis 17:6 e Gênesis 17:16), ou seja, na multiplicação inumerável, não do “Israel segundo a carne”, mas do “Israel segundo o espírito”, cuja terra não está restrita aos limites da Canaã terrestre ou da Palestina (ver p. 144). A posse da Canaã terrestre para sempre não está prometida na lei à nação israelita (ver em Deuteronômio 11:21). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E circuncidará o SENHOR teu Deus teu coração, e o coração de tua descendência, para que ames ao SENHOR teu Deus com todo teu coração e com toda tua alma, a fim de que tu vivas.

Comentário de Keil e Delitzsch

O Senhor circuncidará então seu coração, e o coração de seus filhos (ver Deuteronômio 10:16), para que eles O amem de todo o coração. Quando Israel se voltasse com verdadeira humildade para o Senhor, Ele seria encontrado deles, – os levaria ao verdadeiro arrependimento, e os santificaria através do poder de Sua graça, – tiraria o coração pedregoso de sua carne, e lhes daria um coração de carne, um coração novo e um espírito novo, – para que eles O conhecessem verdadeiramente e guardassem Seus mandamentos (vid., Ezequiel 11:19; Ezequiel 36:26; Jeremias 31:33. e Deuteronômio 32:39.). “Por causa de tua vida”, ou seja, para que possas viver, isto é, alcançar a verdadeira vida. O cumprimento desta promessa não se dá de uma só vez. Ela começou com pequenos começos na libertação do exílio babilônico, e em um grau ainda mais elevado na aparência de Cristo no caso de todos os israelitas que O receberam como Salvador. Desde então, ela tem sido levada adiante através de todas as idades na conversão de filhos individuais de Abraão a Cristo; e será realizada no futuro de uma maneira ainda mais gloriosa na nação em geral (Romanos 11:25.). As palavras de Moisés não se referem a nenhuma era em particular, mas compreendem todos os tempos. Pois Israel nunca foi endurecido e rejeitado em todos os seus membros, embora a massa da nação viva sob a maldição até os dias de hoje. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E porá o SENHOR teu Deus todas estas maldições sobre teus inimigos, e sobre teus aborrecedores que te perseguiram.

Comentário de Keil e Delitzsch

Mas após sua conversão, as maldições, que até então recaíam sobre ela, cairiam sobre seus inimigos e odiadores, de acordo com a promessa de Gênesis 12:3. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E tu voltarás, e ouvirás a voz do SENHOR, e porás por obra todos os seus mandamentos, que eu te intimo hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-10) Deuteronômio 30:8-10 contém o pensamento geral, de que Israel voltaria então à sua relação normal com seu Deus, entraria em verdadeira e perfeita comunhão do pacto com o Senhor, e desfrutaria de todas as bênçãos do pacto. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E te fará o SENHOR teu Deus abundar em toda obra de tuas mãos, no fruto de teu ventre, no fruto de teu animal, e no fruto de tua terra, para o bem: porque o SENHOR voltará a se alegrar sobre ti para o bem, da maneira que se alegrou sobre teus pais;

Comentário de Keil e Delitzsch

Deuteronômio 30:9 é uma repetição de Deuteronômio 28:11. O Senhor se alegrará novamente sobre Israel, para fazê-los bem (vid., Deuteronômio 28:63), como Ele havia se alegrado sobre seus pais. Os pais não são os patriarcas sozinhos, mas todos os antepassados piedosos do povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Quando ouvires a voz do SENHOR teu Deus, para guardar seus mandamentos e seus estatutos escritos neste livro da lei; quando te converteres ao SENHOR teu Deus com todo teu coração e com toda tua alma.

Comentário de Keil e Delitzsch

Uma aplicação renovada da condição indispensável de salvação. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Porque este mandamento que eu te intimo hoje, não te é encoberto, nem está longe:

Comentário de Robert Jamieson

A lei de amar e obedecer a Deus, que era o tema do discurso de Moisés, era bem conhecida dos israelitas. Eles não podiam alegar ignorância de sua existência e exigências. Não foi ocultado como um mistério impenetrável no céu, pois havia sido revelado; nem foi cuidadosamente retido do povo como uma descoberta perigosa; pois os mais jovens e humildes eram instruídos naquelas verdades, que eram assuntos de estudo e pesquisa sinceros entre as mais sábias e maiores das outras nações. Eles não estavam sob a necessidade de empreender longas jornadas ou viagens distantes, como muitos sábios antigos faziam em busca de conhecimento. Eles desfrutaram do privilégio peculiar de uma familiaridade com ele. Foi com eles um assunto de conversa comum, gravado em suas memórias, e frequentemente explicado e inculcado em seus corações. O apóstolo Paulo (Romanos 10:6-8) aplicou essa passagem ao Evangelho, pois a lei de Cristo é substancialmente a mesma que a de Moisés, apenas exibida mais claramente em sua natureza espiritual e ampla aplicação; e, acompanhado das vantagens da graça do Evangelho, é praticável e fácil. [JFB, aguardando revisão]

12 Não está no céu, para que digas: Quem subirá por nós ao céu, e nos o trará e o apresentará para nós, para que o cumpramos?

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-14) O cumprimento desta condição não é impossível, nem realmente muito difícil. Este natural, porém, leva ao motivo, que Moisés impressiona os corações do povo em Deuteronomio 30:11-14, em outras palavras, para que Ele possa dar a bênção a eles. Deus tinha feito tudo para tornar possível a Israel a observância de Seus mandamentos. “Este mandamento” (usado como em Deuteronômio 6:1 para denotar toda a lei) não é “maravilhoso demais para ti”, ou seja, não é muito difícil de entender, ou ininteligível (vid., Deuteronômio 17:8), nem está muito longe: não está no céu, ou seja a uma altura inacessível; nem além do mar, ou seja, a uma distância inatingível, no fim do mundo, para que qualquer um possa dizer: Quem é capaz de buscá-lo dali? mas está muito perto de ti, na tua boca e no teu coração para fazê-lo. Não só estava diante das pessoas por escrito, mas também lhes foi pregado de boca em boca, e assim levado ao conhecimento delas, de modo que se tornou um assunto de conversa, bem como de reflexão e exame cuidadoso. Mas por mais próximo que a lei tivesse sido trazida ao homem, o pecado tinha afastado tanto o coração humano da palavra de Deus, que fazer e guardar a lei tinha se tornado invariavelmente difícil, e de fato impossível; de modo que a declaração, “a palavra está em teu coração”, só atinge sua plena realização através da pregação do evangelho da graça de Deus, e da justiça que é pela fé; e a isto o Apóstolo Paulo aplica a passagem em Romanos 10:8. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Nem está da outra parte do mar, para que digas: Quem passará por nós o mar, para que o traga até nós e a nós o apresente, a fim de que o cumpramos?

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-14) O cumprimento desta condição não é impossível, nem realmente muito difícil. Este natural, porém, leva ao motivo, que Moisés impressiona os corações do povo em Deuteronomio 30:11-14, em outras palavras, para que Ele possa dar a bênção a eles. Deus tinha feito tudo para tornar possível a Israel a observância de Seus mandamentos. “Este mandamento” (usado como em Deuteronômio 6:1 para denotar toda a lei) não é “maravilhoso demais para ti”, ou seja, não é muito difícil de entender, ou ininteligível (vid., Deuteronômio 17:8), nem está muito longe: não está no céu, ou seja a uma altura inacessível; nem além do mar, ou seja, a uma distância inatingível, no fim do mundo, para que qualquer um possa dizer: Quem é capaz de buscá-lo dali? mas está muito perto de ti, na tua boca e no teu coração para fazê-lo. Não só estava diante das pessoas por escrito, mas também lhes foi pregado de boca em boca, e assim levado ao conhecimento delas, de modo que se tornou um assunto de conversa, bem como de reflexão e exame cuidadoso. Mas por mais próximo que a lei tivesse sido trazida ao homem, o pecado tinha afastado tanto o coração humano da palavra de Deus, que fazer e guardar a lei tinha se tornado invariavelmente difícil, e de fato impossível; de modo que a declaração, “a palavra está em teu coração”, só atinge sua plena realização através da pregação do evangelho da graça de Deus, e da justiça que é pela fé; e a isto o Apóstolo Paulo aplica a passagem em Romanos 10:8. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Porque muito próxima de ti está a palavra, em tua boca e em teu coração, para que a cumpras.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-14) O cumprimento desta condição não é impossível, nem realmente muito difícil. Este natural, porém, leva ao motivo, que Moisés impressiona os corações do povo em Deuteronomio 30:11-14, em outras palavras, para que Ele possa dar a bênção a eles. Deus tinha feito tudo para tornar possível a Israel a observância de Seus mandamentos. “Este mandamento” (usado como em Deuteronômio 6:1 para denotar toda a lei) não é “maravilhoso demais para ti”, ou seja, não é muito difícil de entender, ou ininteligível (vid., Deuteronômio 17:8), nem está muito longe: não está no céu, ou seja a uma altura inacessível; nem além do mar, ou seja, a uma distância inatingível, no fim do mundo, para que qualquer um possa dizer: Quem é capaz de buscá-lo dali? mas está muito perto de ti, na tua boca e no teu coração para fazê-lo. Não só estava diante das pessoas por escrito, mas também lhes foi pregado de boca em boca, e assim levado ao conhecimento delas, de modo que se tornou um assunto de conversa, bem como de reflexão e exame cuidadoso. Mas por mais próximo que a lei tivesse sido trazida ao homem, o pecado tinha afastado tanto o coração humano da palavra de Deus, que fazer e guardar a lei tinha se tornado invariavelmente difícil, e de fato impossível; de modo que a declaração, “a palavra está em teu coração”, só atinge sua plena realização através da pregação do evangelho da graça de Deus, e da justiça que é pela fé; e a isto o Apóstolo Paulo aplica a passagem em Romanos 10:8. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Morte e vida são colocadas diante dos israelitas

15 Olha, eu pus diante de ti hoje a vida e o bem, a morte e o mal:

Comentário de Robert Jamieson

Alternativa de uma vida boa e feliz, ou desobediente e miserável. O amor a Deus e o cumprimento de Sua vontade são as únicas formas de assegurar as bênçãos e evitar os males descritos. A escolha foi deixada para eles, e ao incitá-los aos incentivos para uma escolha sábia, Moisés se aqueceu, ao mesmo tempo em que começou a tomar um tom solene e impressionante semelhante ao de Paulo aos élderes de Éfeso (Atos 20.26, Atos 20). :27). [JFB, aguardando revisão]

16 Porque eu te mando hoje que ames ao SENHOR teu Deus, que andes em seus caminhos, e guardes seus mandamentos e seus estatutos e seus regulamentos, para que vivas e sejas multiplicado, e o SENHOR teu Deus te abençoe na terra à qual entras para possuí-la.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-17) Em conclusão, Moisés resume o conteúdo de toda esta pregação da lei nas palavras “vida e bem, e morte e mal”, como ele já havia feito em Deuteronomio 11:26-27, na primeira parte deste discurso, para colocar o povo por um aditamento solene sob a obrigação de ser fiel ao Senhor, e através desta obrigação de concluir de novo o pacto. Ele havia colocado diante deles neste dia a vida e o bem (“bem” é igual a prosperidade e salvação), assim como a morte e o mal (רע, adversidade e destruição), ordenando-lhes que amassem o Senhor e andassem em Seus caminhos. O amor é colocado em primeiro lugar, como em Deuteronômio 6:5, como sendo o princípio essencial do cumprimento dos mandamentos. Expondo a lei estava colocando diante deles vida e morte, salvação e destruição, porque a lei, como palavra de Deus, era viva e poderosa, e provou ser em cada homem um poder de vida ou de morte, de acordo com a atitude que ele assumiu em relação a ela (vid., Deuteronômio 32:47). נדּח, para se permitir ser arrancado à idolatria (como em Deuteronômio 4:19). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Mas se teu coração se desviar, e não ouvires, e fores incitado, e te inclinares a deuses alheios, e os servires;

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-17) Em conclusão, Moisés resume o conteúdo de toda esta pregação da lei nas palavras “vida e bem, e morte e mal”, como ele já havia feito em Deuteronomio 11:26-27, na primeira parte deste discurso, para colocar o povo por um aditamento solene sob a obrigação de ser fiel ao Senhor, e através desta obrigação de concluir de novo o pacto. Ele havia colocado diante deles neste dia a vida e o bem (“bem” é igual a prosperidade e salvação), assim como a morte e o mal (רע, adversidade e destruição), ordenando-lhes que amassem o Senhor e andassem em Seus caminhos. O amor é colocado em primeiro lugar, como em Deuteronômio 6:5, como sendo o princípio essencial do cumprimento dos mandamentos. Expondo a lei estava colocando diante deles vida e morte, salvação e destruição, porque a lei, como palavra de Deus, era viva e poderosa, e provou ser em cada homem um poder de vida ou de morte, de acordo com a atitude que ele assumiu em relação a ela (vid., Deuteronômio 32:47). נדּח, para se permitir ser arrancado à idolatria (como em Deuteronômio 4:19). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Declaro-vos hoje que certamente perecereis: não tereis longos dias sobre a terra, para ir à qual passas o Jordão para possuí-la.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Como Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 8:19. Invoca o céu e a terra como testemunhas (Deuteronômio 30:19, como em Deuteronômio 4:26), a saber, que lhes tinha proposto a vida e a morte. וּבחרתּ, em Deuteronômio 30:19, é a apodose: “portanto escolhe a vida”. [Keil e Delitzsch]

19 Aos céus e a terra chamo por testemunhas hoje contra vós, que pus diante de vós a vida e a morte, a bênção e a maldição: escolhe, pois, a vida, para que vivas tu e tua descendência:

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Como Deuteronômio 4:26; Deuteronômio 8:19. Invoca o céu e a terra como testemunhas (Deuteronômio 30:19, como em Deuteronômio 4:26), a saber, que lhes tinha proposto a vida e a morte. וּבחרתּ, em Deuteronômio 30:19, é a apodose: “portanto escolhe a vida”. [Keil e Delitzsch]

20 Que ames ao SENHOR teu Deus, que ouças sua voz, e te achegues a ele; porque ele é tua vida, e o comprimento de teus dias; a fim de que habites sobre a terra que jurou o SENHOR a teus pais Abraão, Isaque, e Jacó, que lhes havia de dar.

Comentário de Keil e Delitzsch

חיּיך הוּא כּי, pois isso (isto é, amar o Senhor) é a tua vida, isto é, a condição de vida, e de longa vida, na terra prometida (vid., Deuteronômio 4:40). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 29 Deuteronômio 31>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.