Bíblia, Revisar

Jeremias 31

Continuação da profecia em Jeremias 30.

1 Naquele tempo,diz o SENHOR, eu serei o Deus de todas as famílias de Israel, e elas serão o meu povo.

Como nesse capítulo a restauração de Judá, assim também é anunciada a restauração das dez tribos de Israel.

Ao mesmo tempo – “Nos últimos dias” (Jr 30:24).

o Deus de – manifestando Minha graça para (Gn 17:7; Mt 22:32; Ap 21:3).

todasIsrael – não apenas os exilados do reino do sul de Judá, mas também o reino do norte das dez tribos; e não apenas Israel em geral, mas “todas as famílias de Israel”. Nunca cumprido ainda (Rm 11:26).

2 Assim diz o SENHOR: O povo dos que escaparam da espada encontrou graça no deserto; este é Israel, quando eu o fizer descansar.

Sobre a graça manifestada a Israel “no deserto”, Deus baseia seu argumento para renovar Seus favores para eles agora em seu exílio; porque seu pacto é “eterno” (Jr 31:3) e não muda. O mesmo argumento ocorre em Os 13:5,9-10; 14:4-5,8. Babilônia é apropriadamente comparada ao “deserto”, como em ambos os lados Israel era um estranho longe de seu “descanso” ou lar designado, e Babilônia é em Is 40:3 chamada de “deserto” (compare Jr 50:12).

quando eu o fizer descansar – a saber, na coluna de nuvem e fogo, o símbolo da presença de Deus, que foi antes de Israel procurar um lugar de descanso (Nm 10:33; Is 63:14) para o povo , tanto um temporário em cada parada no deserto, e um permanente em Canaã (Êx 33:14; Dt 3:20; Js 21:44; Sl 95:11; Hb 3:11).

3 O SENHOR apareceu a mim já há muito tempo, dizendo: Com amor eterno eu tenho te amado; por isso com bondade te sustento.

Israel agradavelmente agradece em resposta a graça passada de Deus; mas ao mesmo tempo implica tacitamente pela expressão “de antigamente”, que Deus não aparece para ela agora. “Deus apareceu para mim de antigamente, mas agora estou abandonado!” Deus responde: Não, eu te amo com o mesmo amor agora como antigamente. Meu amor não foi um impulso momentâneo, mas “eterno” em Meus conselhos e “eterno” em sua continuidade; daí originou o pacto pelo qual eu te adotei gratuitamente (Ml 1:2; Rm 11:28-29). A margem traduz “de longe”, que não responde tão bem como “de antigamente”, a “no deserto” (Jr 31:2), que se refere aos tempos antigos da história de Israel.

com bondade amorosa … desenhada – (Os 11:4). Em vez disso, “tenho atraído continuamente a Minha benignidade para contigo”. Assim, Salmo 36:10: “Continua (Margem, ‘Tire longamente’) Tua benignidade”. Em virtude do Meu eterno amor, estenderei ainda Meu amor bondade para ti. Assim, Is 44:21, “Israel, você não será esquecido de mim”.

4 Novamente te edificarei, e serás edificada, ó virgem de Israel; novamente serás adornada com teus tamborins, e sairás na dança dos que se alegram.

serás edificada – A combinação do ativo e do passivo para expressar o mesmo fato implica a certeza infalível de sua realização. “Construa”, isto é, estabeleça prosperidade (Jr 33:7).

adornada com teus tamborins – (1Sm 18:6). Ou “adorne-se com os seus adufes”; usado por donzelas em ocasiões de rejubilamentos públicos (Êx 15:20; Jz 11:34). Israel jogou fora todos os instrumentos de alegria em seu exílio (Sl 137:4).

danças – santa alegria, não alegria carnal.

5 Novamente plantarás vinhas nos montes de Samaria; os plantadores plantarão, e delas desfrutarão.

Samaria – a metrópole das dez tribos; aqui equivalente a Israel. A natureza montanhosa de seu país combinava com o crescimento da videira.

coma … como comum – literalmente, “profano”, isto é, colocará em uso comum. Nos primeiros três anos após o plantio, a videira “não deveria ser comida”; no quarto ano a fruta deveria ser “santa para louvar ao Senhor”; no quinto ano o fruto era para ser consumido como comum, não mais restrito ao santo uso (Lv 19:23-25; compare Dt 20:6; 28:30). Assim, a ideia aqui é: “As mesmas pessoas que plantam colherão os frutos”; já não será que alguém se deve plantar e outro colher o fruto.

6 Pois haverá dia em que os vigilantes no monte de Efraim gritarão: Levantai-vos, e subamos a Sião, ao SENHOR nosso Deus!

Os vigias estacionados em eminências (tipos dos pregadores do evangelho), devem convocar as dez tribos para irem às festas anuais em Jerusalém (“Sião”), como costumavam fazer antes da revolta e da criação do ídolo. bezerros em Dan e Beer-Sheba (Ez 37:21-22).

Monte Efraim – nem uma única montanha, mas toda a região montanhosa das dez tribos.

nosso Deus – de quem nos revoltamos anteriormente, mas que agora é nosso Deus. Um penhor desse bom momento vindouro é dado no sucesso parcial do evangelho em sua primeira pregação em Samaria (Jo 4:1-42; At 8:5-25).

7 Porque assim diz o SENHOR: Cantai por Jacó com alegria, e jubilai por causa da principal de nações; anunciai, louvai, e dizei: Salva, SENHOR, o teu povo, o restante de Israel.

As pessoas são encorajadas com louvores e preces a suplicar pela sua restauração universal. Jeová é representado no contexto (Jr 31:1,8), como prometendo imediatamente restaurar Israel. Eles, portanto, louvam a Deus pela restauração, sendo tão certo dela como se fosse realmente realizado; e ao mesmo tempo rezar por isso, pois a oração era um meio para o fim desejado. A oração não move Deus para conceder nossos desejos, mas quando Deus decidiu conceder nossos desejos, Ele coloca em nossos corações para orar pelo que desejamos. Compare Sl 102:13-17, quanto à conexão da restauração de Israel com as orações de Seu povo (Is 62:1-6).

para Jacob – por conta de Jacob; por causa de sua aproximação da libertação de Jeová.

entre – “para”, isto é, por causa de, seria mais exatamente o paralelismo para “para Jacob”.

principal de nações – Israel: como o paralelismo de “Jacó” prova (compare Êx 19:5; Sl 135:4; Am 6:1). Deus estima a grandeza das nações não pelo padrão dos recursos materiais do homem, mas pelo Seu favor de eleição.

8 Eis que eu os trarei da terra do norte, e os juntarei desde os confins da terra, entre os quais haverá cegos e aleijados, mulheres grávidas e as que tiveram parto juntamente; em grande multidão voltarão para cá.

norte – Assíria, Mídia, etc. (veja Jr 3:12,18; 23:8).

ajuntar de… costas de… terra – (Ez 20:34,41; 34:13).

cego … coxo, etc. – Nem mesmo as pessoas mais enfermas e impróprias para uma viagem serão deixadas para trás, assim universal será a restauração.

uma grande empresa – ou, eles devem retornar “em uma grande empresa” (Maurer)

9 Virão com choro, e com suplicações os trarei; e os guiarei a ribeiros de águas, por um caminho plano, em que não tropeçarão; porque sou um pai para Israel, e Efraim é meu primogênito.

com choro – por seus pecados passados ​​que causaram seu exílio (Sl 126:5-6). Embora venham chorando, retornarão com alegria (Jr 50:4-5).

suplicações – (Veja Jr 31:18-19; 3:21-25; Zc 12:10). A margem traduz “favores”, como em Js 11:20; Ed 9:8; assim, os favores ou compaixões de Deus são colocados em oposição ao choro das pessoas; as lágrimas deles se transformarão em alegria. Mas a versão em inglês serve melhor para o paralelismo.

Eu farei com que … ande por … águas … caminho reto – (Is 35:6-8; 43:19; 49:10-11). Deus lhes dará águas para satisfazer a sua sede como no deserto jornada do Egito. Tão espiritualmente (Mt 5:6; Jo 7:37).

Efraim – as dez tribos não mais se separaram de Judá, mas formaram um povo com ela.

meu primogênito – (Êx 4:22; Os 11:1; Rm 9:4). Então a igreja eleita (2Co 6:18; Tg 1:18).

10 Ouvi a palavra do SENHOR, ó nações, e a anunciai nos litorais de longe, e dizei: Aquele que espalhou a Israel o juntará e o guardará, tal como um pastor ao seu gado.

As novas da interposição de Deus em favor de Israel prenderão a atenção das nações gentias mais distantes.

Aquele que se espalhou se reunirá – Ele que espalhou sabe onde encontrar Israel; Aquele que feriu também pode curar.

mantenha – não somente reunirá, mas manterá com segurança até o fim (Jo 13:1; 17:11).

pastor – (Is 40:11; Ez 34:12-14).

11 Pois o SENHOR resgatou a Jacó, o livrou da mão do mais forte que ele.

de… mão de… mais forte – Nenhuma força do inimigo pode impedir o Senhor de libertar Jacó (Is 49:24-25).

12 E virão, e jubilarão no lugar alto de Sião, e correrão para o bem do SENHOR: ao trigo, ao suco de uva, ao azeite, e aos cordeiros e bezerros; e a alma deles será como um jardim regado, e nunca mais se enfraquecerão.

altura de Sião – (Ez 17:23).

fluxo – Haverá uma confluência de adoradores para o templo em Sião (Is 2:2; Mq 4:1).

para a bondade de … Senhor – (Veja Jr 31:14). Beneficência, isto é, ao Senhor como fonte de todas as coisas boas (Os 3:5), para orar a Ele e louvá-lo por essas bênçãos das quais Ele é o Chafariz.

jardim regado – (Is 58:11). Não apenas por um tempo, mas continuamente cheio de conforto sagrado.

não mais tristeza – referindo-se à Igreja triunfante, bem como ao Israel literal (Is 35:10; 65:19; Ap 21:4).

13 Então a virgem se alegrará na dança, como também os jovens e os velhos juntamente; e tornarei seu pranto em alegria, e os consolarei, e os alegrarei em sua tristeza.

velho – (Zc 8:4-5).

14 E encherei a alma dos sacerdotes de fartura, e meu povo será saciado com o meu bem, diz o SENHOR.

minha bondade – (Jr 31:12).

15 Assim diz o SENHOR: Uma voz foi ouvida em Ramá, lamentação e choro amargo: Raquel chora por seus filhos; não quer ser consolada por causa de seus filhos, pois já não existem.

Ramá – Em Benjamin, a leste da grande estrada do norte, duas horas de viagem de Jerusalém. Raquel, que toda a sua vida ansiava por filhos (Gn 30:1), e que morreu com “tristeza” em dar à luz a Benjamim (Gn 35:18-19; 1Sm 10:2), e foi sepultado em Ramá, perto de Bete-leém, é representado como levantando a cabeça da tumba, e quebrando em “chorar” ao ver toda a terra despovoada de seus filhos, os efraimitas. Ramah era o lugar onde Nebuzara-dan reunia todos os judeus acorrentados, antes de sua remoção para a Babilônia (Jr 40:1). Deus, portanto, consola-a com a promessa de sua restauração. Mt 2:17-18 cita isso como cumprido no massacre dos inocentes sob Herodes. “Um evento menor e maior, de diferentes épocas, pode responder ao único sentido de uma passagem da Escritura, até que a profecia se esgote” (Bengel). Além da referência temporária aos exilados na Babilônia, o Espírito Santo prefigurou o exílio do Messias no Egito, e a desolação causada na vizinhança do sepulcro de Raquel pelo massacre de Herodes dos filhos, cujas mães tinham “filhos de tristeza”. ”(Ben-oni), assim como Rachel tinha. O retorno do Messias (o representante de Israel) do Egito, e a futura restauração de Israel, tanto o literal quanto o espiritual (incluindo os inocentes), no segundo advento do Senhor, são antitípicos da restauração de Israel da Babilônia, qual é a base da consolação aqui exposta por Jeremias. A sentença “Eles não estavam”, isto é, estavam mortos (Gn 42:13), não se aplica de forma tão estrita aos exilados na Babilônia como à história do Messias e Seu povo – passado, presente e futuro. Portanto, as palavras “Há esperança em teu fim” devem ser cumpridas no final, quando Raquel se encontrar com seus filhos assassinados na ressurreição, ao mesmo tempo em que Israel literalmente será restaurado. “Eles não eram”, em hebraico, é singular; cada um não era: cada mãe no massacre de Beth-lehem tinha apenas uma criança para lamentar, como a limitação da idade na ordem de Herodes, “dois anos ou menos”, implica; este uso do singular distributivamente (as mães chorando separadamente, cada uma para seu próprio filho), é uma coincidência entre a profecia do massacre de Beth-lehem e o evento, o mais notável como não sendo óbvio: o singular, também, é apropriado quanto ao Messias em seu exílio egípcio, que deveria ser um dos principais objetivos do lamento de Raquel.

16 Assim diz o SENHOR: Reprime tua voz de choro, e teus olhos de lágrimas; pois há recompensa para teu trabalho, diz o SENHOR, pois voltarão da terra do inimigo.

teu trabalho – teus pais chorando por teus filhos (Rosenmuller). Tua aflição na perda de teus filhos, assassinada por amor de Cristo, não será infrutífera para ti, como foi o caso em teu nascimento ao “filho da tua tristeza”, Benjamim. Principalmente, também, teu pesar não será perpétuo: os exilados retornarão e a terra será habitada novamente (Calvino).

vem de novo – (Os 1:11).

17 E há esperança para o teu futuro,diz o SENHOR, pois os teus filhos voltarão a suas próprias fronteiras.

esperança em … fim – Todas as tuas calamidades terão uma questão próspera.

18 De fato ouvi Efraim se queixar, dizendo: Castigaste-me, e fui castigado como um novilho não domado; converte-me e serei convertido; pois tu és o SENHOR meu Deus.

Efraim – representando as dez tribos.

lamentando-se – O espírito de súplica penitente será finalmente derramado sobre Israel como o necessário precursor de sua restauração (Zc 12:10-14).

Castigaste-me, e fui castigado – Na primeira cláusula, o próprio castigo é pretendido; no segundo, o efeito benéfico disso no ensino da verdadeira sabedoria penitente.

novilho não domado – Uma imagem semelhante ocorre em Dt 32:15. Compare “dura cervical”, At 7:51; Êx 32:9, uma imagem de bois refratários. Antes do meu castigo, eu precisava da correção severa que recebi, tanto quanto um boi indomável precisa do aguilhão. Compare At 9:5, onde a mesma figura é usada para Saul quando não convertida. Israel sofreu mais castigos do que Judá, não tendo sido restituído nem mesmo no retorno dos judeus da Babilônia. A partir de agora, na sua restauração, confessará que a disciplina dolorosa era necessária para “acostumar-se” ao “jugo suave” de Deus (Mt 11:29-30).

Volta-me, pelo teu Espírito que faz a conversão (Lm 5:21). Mas por que Efraim ora pela conversão, vendo que ele já está convertido? Porque somos convertidos por passos progressivos, e precisamos do mesmo poder de Deus para levar adiante, como para originar, nossa conversão (Jo 6:44,65; compare com Is 27:3; 1Pe 1:5; Fm 1: 6).

19 Pois depois que me desviei, arrependi-me; depois que entendi, golpeei-me na coxa; envergonhei-me, e me senti humilhado, porque levei a vergonha de minha juventude.

Pois depois que me desviei, arrependi-me – O arrependimento no sentido pleno segue, não precede, nosso ser voltado para Deus por Deus (Zc 12:10). Os judeus “olhando para Aquele a quem eles traspassaram” resultarão em seu “luto por Ele”. O arrependimento é a lágrima que flui dos olhos da fé voltada para Jesus. Ele mesmo o dá: não o damos de nós mesmos, mas devemos chegar a Ele por ele (At 5:31).

instruído – feito para aprender por castigo. O Espírito de Deus frequentemente trabalha através das correções de Sua providência.

golpeei-me na cox – (Ez 21:12). Um sinal de remorso indignado, vergonha e pesar, por causa de seu pecado passado.

levei a vergonha de minha juventude – “porque as calamidades que carreguei foram o justo castigo de minha escandalosa libertinagem contra Deus em minha juventude”; aludindo aos ídolos montados em Dan e Betel imediatamente depois que as dez tribos se revoltaram de Judá. Seu senso de vergonha mostra que ele não se deleita mais com seu pecado.

20 Por acaso não é Efraim um filho precioso para mim? Não é ele um filho do meu agrado? Pois mesmo tendo eu falado contra ele, eu me lembro dele constantemente. Por isso minhas entranhas se comovem por ele; certamente terei compaixão dele,diz o SENHOR.

não é Efraim um filho precioso para mim? – A questão implica que uma resposta negativa era de se esperar. Quem teria pensado que alguém tão inaceitável para o Seu Pai celestial como Efraim tivesse sido ainda deveria ser considerado por Deus como uma “criança agradável”? Certamente ele não era assim em relação ao seu pecado. Mas em virtude do “amor eterno” de Deus (Jr 31:3) em Efraim sendo “voltado” para Deus, ele foi imediatamente recebido como “filho querido” de Deus. Este versículo expõe a disposição de Deus para Saúdo o penitente (Jr 31:18-19), antecipando seu retorno com graça e amor preveniente. Compare Lc 15:20: “Quando ele ainda estava longe, seu pai o viu e teve compaixão”, etc.

falou contra – ameaçou-o por sua idolatria.

lembre-se – com favor e preocupação, como em Gn 8:1; 30:22.

entranhas se comovem por ele – (Dt 32:36; Is 63:15; Os 11:8) – a saber, com os anseios do amor compassivo. As “entranhas” incluem a região do coração, a sede das afeições.

21 Levanta para ti sinais, põe para ti marcos altos; presta atenção à vereda, ao caminho por onde vieste; volta-te, ó virgem de Israel, volta-te para estas tuas cidades.

sinais – pilares para marcar a estrada para os exilados que retornam. Caravanas montaram pilares, ou apontaram montes de pedras, para marcar o caminho através do deserto contra o seu retorno. Assim, a Israel é dito por Deus para marcar o caminho pelo qual eles foram ao deixar seu país para o exílio; porque da mesma maneira eles retornarão.

estrada – (Is 35:8,10).

22 Até quando andarás sem rumo, ó filha rebelde? Pois o SENHOR criará uma coisa nova sobre a terra: uma fêmea cercará ao varão.

ir sobre – ou seja, depois de ajuda humana (Jr 2:18,23,36). Por que não voltar imediatamente para mim? Maurer traduz, como em Cânticos de Salomão 5: 6: “Até quando te retiras a ti mesmo?” Que as tuas apostasias no passado sejam suficientes para ti agora que uma nova era se aproxima. O que Deus acha defeituoso neles é que eles olhavam para cá e para lá, apoiando-se em contingências, em vez de confiarem imediatamente na palavra de Deus, que prometia sua restauração. Para garantir isso, Deus promete criar uma coisa nova em sua terra. Uma mulher deve cercar um homem. Calvino explica isso: Israel, que é fraco como mulher, deve ser superior aos guerreiros caldeus; os cativos reduzirão seus captores ao cativeiro. Hengstenberg torna a “mulher” a Igreja Judaica e o “homem” Jeová, seu marido, cujo amor ela novamente buscará (Os 2:6-7). Maurer, Uma mulher deve proteger (Dt 32:10; Sl 32:10) um homem, isto é, Você não precisa temer nenhum inimigo em retornar, pois todas as coisas serão tão pacíficas que uma mulher seria capaz de levar o homem s parte e agir como seu protetor. Mas os pais cristãos (Agostinho, etc.) quase unanimemente a interpretaram da Virgem Maria circundando Cristo em seu ventre. Essa visão é favorecida: –

(1) pela conexão; dá uma razão pela qual os exilados deveriam desejar um retorno ao seu país, isto é, porque Cristo foi concebido lá.

(2) A palavra “criado” implica um poder divino colocado na criação de um corpo no ventre da Virgem pelo Espírito Santo para o segundo Adão, tal como foi exercido na criação do primeiro Adão (Lc 1:35; Hb 10:5).

(3) A frase “uma coisa nova”, algo sem precedentes; um homem cujo semelhante nunca existiu antes, ao mesmo tempo Deus e homem; uma mãe fora do curso normal da natureza, ao mesmo tempo mãe e virgem. Um modo extraordinário de geração; um concebido pelo Espírito Santo sem o homem.

(4) A especificação “na terra” (não “terra”, como a versão inglesa), a saber, de Judá, onde provavelmente Cristo foi concebido, em Hebrom (compare Lc 1:39,42,44, com Js 21:11) ou então em Nazaré, “no território” de Israel, a quem Jr 31:5-6,15,18,21 se referem; Seu nascimento foi em Beth-lehem (Mq 5:2; Mt 2:5-6). Como o lugar de Sua natividade, e de Seu ser criado (Mt 2:23), e de Sua pregação (Ag 2:7; Ml 3:1), são especificados, assim é provável que o Espírito Santo designasse o lugar de Sua sendo concebido.

(5) O hebraico para “mulher” implica um indivíduo, como a Virgem Maria, ao invés de uma coleção de pessoas.

(6) A restauração de Israel é baseada na aliança de Deus em Cristo, para quem, portanto, a alusão é naturalmente feita como o fundamento da esperança de Israel (compare Is 7:14). A concepção da Virgem Maria do Messias no útero responde à “Virgem de Israel” (portanto chamada Jr 31:21), isto é, Israel e seus filhos na restauração final, recebendo Jesus como Messias (Zc 12:10).

(7) A referência à concepção do filho Messias está de acordo com a menção do massacre de “filhos” mencionado em Jr 31:15 (compare Mt 2:17).

(8) O hebraico para “homem” é propriamente “homem poderoso”, um termo aplicado a Deus (Dt 10:17); e para Cristo (Zc 13:7; compare Sl 45:3; Is 9:6) (Calovius).

23 Assim diz o SENHOR dos exércitos, Deus de Israel: Novamente dirão esta palavra na terra de Judá e em suas cidades, quando eu os restaurar de seu infortúnio: O SENHOR te abençoe, ó morada de justiça, ó monte santo.

Jerusalém novamente será a metrópole de toda a nação, a sede da “justiça” (Sl 122:5-8; Is 1:26) e da adoração sagrada (“santidade”, Zc 8:3) sobre “Monte” Moriah .

24 E nela habitarão Judá, e em todas as suas cidades juntamente: os lavradores, e os que caminham com o rebanho.

Judácidadeslavradorescom o rebanho – Duas classes, cidadãos e compatriotas, estes divididos em agricultores e pastores, todos igualmente em segurança, embora estes últimos estivessem fora da proteção das muralhas da cidade. “Judá” aqui representa o país, distinto de suas cidades.

25 Porque terei saciado a alma cansada, e enchido toda alma entristecida.

O estado “cansado, triste” e indigente de Israel não provará nenhum obstáculo no caminho de Meu auxílio a eles.

26 (Nisto me despertei, e olhei; e meu sonho me foi agradável).

As palavras de Jeremias: Sobre isso (ou, por causa disso) anúncio de uma feliz restauração, “eu despertei” do sonho profético que me foi concedido (Jr 23:25) com a impressão “doce” remanescente em minha mente. “Dormir” aqui significa sonho, como no Salmo 90: 5.

27 Diz o SENHOR: Eis que vêm dias, em que semearei a casa de Israel e a casa de Judá com semente de homens e com semente de animais.

Ele mostra como uma terra tão despovoada será novamente povoada. Deus fará com que tanto os homens como os animais aumentem para uma multidão (Ez 36:9-11; Os 2:23).

28 E será que, como tive atenção com eles para arrancar e para derrubar, para transtornar para destruir, e afligir, assim terei atenção com eles para edificar e plantar,diz o SENHOR.

(Jr 44:27). O mesmo Deus que, por assim dizer (em linguagem humana), estava atento a todos os meios para destruir, deve estar atento aos meios de sua restauração.

29 Naqueles dias nunca mais dirão: Os pais comeram uvas verdes, mas foram os dentes dos filhos que se estragaram.

Naqueles dias – depois que a punição foi completada, e misericórdia os visita novamente.

pais… comidos… uva amarga… dentes de crianças… no limite – o provérbio entre os filhos dos exilados nascidos na Babilônia, para expressar que eles sofreram as más consequências dos pecados de seus pais ao invés de seus próprios pecados (Lm 5:7; Ez 18:2-3).

30 Ao contrário, cada um morrerá por sua própria maldade; todo homem que comer as uvas verdes estragará seus dentes.

(Gl 6:5,7).

31 Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que farei um novo pacto com a casa de Jacó e a casa de Judá;

nova aliança com … Israel … Judá – A nova aliança é feita literalmente com Israel e Judá, não com o Israel espiritual, isto é, os crentes, exceto secundariamente, e como enxertados na linhagem de Israel (Rm 11:16-27). Para todo o assunto do trigésimo e trigésimo primeiro capítulos é a restauração dos hebreus (Jr 30:4,7,10,18; 31:7,10-11,23-24,27,36). Com o “remanescente segundo a eleição da graça” em Israel, a nova aliança já entrou em vigor. Mas com relação a toda a nação, sua realização é reservada para os últimos dias, para os quais Paulo se refere a essa profecia de forma abreviada (Rm 11:27).

32 Não como o pacto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito; pois invalidaram meu pacto, ainda que eu tenha me casado com eles, diz o SENHOR.

o pacto que fiz com seus pais – o pacto do Antigo Testamento, em contraste com o nosso pacto do evangelho (Hb 8:8-12; 10:16-17, onde essa profecia é citada para provar a revogação da lei pelo evangelho), das quais as características distintivas são a garantia, por meio de uma expiação adequada, do perdão dos pecados e do inworking da graça eficaz, assegurando a obediência permanente. Uma seriedade disto é dada parcialmente na atual Igreja eclética ou eleita, reunida de judeus e gentios. Mas a promessa aqui a Israel nos últimos dias é nacional e universal, e efetuada por um derramamento extraordinário do Espírito (Jr 31:33-34; Ez 11:17-20), independente de qualquer mérito da sua parte. (Ez 36:25-32; 37:1-28; 39:29; Jl 2:23-28; Zc 12:10; 2Co 3:16).

levou … por … mão – (Dt 1:31; Os 11:3).

ainda que eu tenha me casado com eles – (compare Jr 3:14; Os 2:7-8). Mas a Septuaginta, o siríaco e o são Paulo (Hb 8:9) traduzem: “Eu não os considerava”; e Gesenius, etc., justificam esta tradução do hebraico do árabe. Os hebreus não consideravam a Deus, por isso Deus não os considerava.

33 Mas este é o pacto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias,diz o SENHOR: Darei minha lei em seu interior, e a escreverei em seus corações; e eu serei o Deus deles, e eles serão meu povo.

será o seu Deus – (Jr 32:38).

34 E não ensinará mais ninguém a seu próximo, nem ninguém a seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR; pois todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior, diz o SENHOR; porque perdoarei a maldade deles, e nunca mais me lembrarei mais de seus pecados.

É verdade, especialmente de Israel (Is 54:13); secundariamente, verdade dos crentes (Jo 6:45; 1Co 2:10; 1Jo 2:20).

perdoe … iniquidade … lembre-se … não mais – (Jr 33:8; 50:20; Mq 7:18); aplicando peculiarmente a Israel (Rm 11:27). Secundariamente, todos os crentes (At 10:43).

35 Assim diz o SENHOR, que dá o sol para a luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para a luz da noite; que divide o mar, e bramam suas ondas; EU-SOU dos exércitos é seu nome:

mar quando… ondas… rugem… Senhor dos exércitos… nome – citado em Is 51:15, a autenticidade de qual passagem é assim estabelecida sobre a autoridade de Jeremias.

36 Se estas ordenanças se desviarem diante de mim, diz o SENHOR, também a semente de Israel deixará de ser nação diante de mim para sempre.

uma nação – a política nacional de Israel foi quebrada pelos romanos. Mas a preservação deles como um povo distinto em meio a perseguições violentas, embora espalhadas por todas as nações por dezoito séculos, não foram adotados, enquanto todos os outros povos em tais circunstâncias se incorporaram às nações em que foram dispersos, é um milagre perpétuo (compare Jr 33:20; Sl 148:6; Is 54:9-10).

37 Assim diz o SENHOR: Se os céus acima ser medidos, e se podem investigar abaixo os fundamentos da terra, então também eu rejeitarei toda a semente de Israel por tudo quanto fizeram, diz o SENHOR.

(Veja Jr 33:22).

por tudo quanto fizeram – a saber, todos os pecados. Deus considerará Sua própria promessa de aliança, ao invés de seus méritos.

38 Diz o SENHOR: Eis que vêm dias em que a cidade de Jerusalém será edificada ao SENHOR, desde a torre de Hananeel até a porta da esquina.

torre de Hananeel – A cidade se estenderá além de seus limites anteriores (Ne 3:1; 14:10).

portão de… canto – (2Rs 14:13; 2Cr 26:9).

39 E a linha de medir sairá também diante dela, até sobre à colina de Garebe, e virará ao redor até Goa.

linha de medição – (Ez 40:8; Zc 2:1).

Garebe – de uma raiz hebraica, “raspar”; Siríaco, “lepra”; a localidade fora da cidade, para a qual os leprosos foram removidos.

Goa – de uma raiz, “para trabalhar”, referindo-se à penosa subida lá: fora da cidade de David, para o sudoeste, como Gareb estava noroeste [Junius].

40 E todo o vale dos cadáveres e da cinza, e todas os campos até o ribeiro de Cedrom, até a esquina da porta dos cavalos ao oriente, serão consagrados ao SENHOR; nunca mais será arrancada nem derrubada.

morto – Tophet, onde os corpos de malfeitores foram lançados (Is 30:33), ao sul da cidade.

campos … Kidron – assim 2Rs 23:4. Campos nos subúrbios chegando até Kidron, a leste da cidade.

porta dos cavalos – Através dele cavalos do rei foram levados adiante por regar ao riacho Kidron (2Rs 11:16; Ne 3:28).

para sempre – A cidade não será apenas espaçosa, mas ambas “santas ao Senhor”, isto é, livre de todas as poluições e eternas (Jl 3:17,20; Ap 21:2,10,27).

<Jeremias 30 Jeremias 32>

Leia também uma introdução ao Livro de Jeremias.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.