Salmo 135

1 Aleluia! Louvai o nome do SENHOR; louvai -o vós, servos do SENHOR,

Comentário Barnes

Aleluia – hebraico, Hallelu-jah. Literalmente, “Louvado seja Jah”, um nome abreviado de Yahweh. Veja as notas no Salmo 68:4 .

Louvai o nome do SENHOR – O mesmo que louvar ao próprio Deus.

louvai -o vós, servos do SENHOR – Vós que sois especialmente designados ou nomeados para este serviço, Salmo 134:1. [Barnes, aguardando revisão]

2 Que prestais serviço na Casa do SENHOR, nos pátios da Casa do nosso Deus.

Comentário Barnes

Que prestais serviço na Casa do SENHOR – Veja as notas no Salmo 134:1 . Ou seja, aqueles que foram designados para conduzir os serviços religiosos, os sacerdotes e os levitas.

nos pátios da Casa do nosso Deus – As áreas ou partes designadas para diferentes classes de adoradores ao redor do tabernáculo e do templo. Veja as notas em Mateus 21:12 ; notas no Salmo 92:13. [Barnes, aguardando revisão]

3 Louvai ao SENHOR, porque o SENHOR é bom; cantai louvores ao seu nome, porque é agradável;

Comentário de A. R. Fausset

Louvai ao SENHOR, porque o SENHOR é bom – ou ‘adorável’; i:e., Seu nome (i:e., Ele mesmo em Seus atributos manifestos) é amável. O hebraico (na’im) é o mesmo que é traduzido como “a beleza (no’am) do Senhor”, Salmos 90:17, onde ver nota. Outros, não tão bem, traduzem “porque é agradável” cantar louvores ao Seu nome:como Salmo 147:1. [JFU, aguardando revisão]

4 Porque o SENHOR escolheu para si a Jacó, a Israel como propriedade sua;

Comentário Barnes

Porque o SENHOR escolheu para si a Jacó – os descendentes de Jacó. Ele os selecionou dentre todos os habitantes da terra para serem seu povo especial.

a Israel como propriedade sua – A palavra aqui traduzida como tesouro, significa aquilo que é adquirido; propriedade; fortuna. Eles eram o que Deus possuía, possuía ou reivindicava entre todas as pessoas da terra como especialmente suas. Ele os havia escolhido; ele os redimiu; ele os tornara seus e os considerava com o interesse com que qualquer um olha para sua própria propriedade, fruto de seu próprio trabalho. Veja Êxodo 19:5 ; Deuteronômio 7:6 ; Deuteronômio 32:9 ; 1 Reis 8:53. [Barnes, aguardando revisão]

5 Porque eu sei que o SENHOR é grande, e nosso Senhor está acima de todos os deuses.

Comentário Barnes

Porque eu sei – eu, como representante de Israel, e falando em nome do povo. Isso é dito como fundamento ou motivo de louvor. Era a convicção total do salmista de que Deus era grande acima de todos os que se diziam deuses, e que ele só era digno de adoração.

que o SENHOR é grande – Veja as notas no Salmo 95:3 .

e nosso Senhor está acima de todos os deuses – Todos os que são adorados como deuses. [Barnes, aguardando revisão]

6 O SENHOR faz tudo o que quer, nos céus, na terra, nos mares, e em todos os abismos.

Comentário Barnes

O SENHOR faz tudo o que quer – Deus é um soberano absoluto. Ele formou um plano e o executou. Ele fez o mundo como escolheu e ordenou todos os seus arranjos de acordo com sua própria vontade. Como soberano universal, ele tem direito à adoração universal. Veja as notas no Salmo 115:3 .

nos céus, na terra, nos mares, e em todos os abismos – Estes são colocados para o universo; estes são o universo. Nestes lugares – em todos os mundos – na terra e no oceano – mesmo nas profundezas do mar, não há nada que não tenha sido colocado ali por sua vontade, e que ele não tenha arranjado de acordo com seu desígnio eterno. [Barnes, aguardando revisão]

7 Ele faz as nuvens subirem desde os confins da terra, faz os relâmpagos com a chuva; ele produz os ventos de seus tesouros.

Comentário Barnes

Ele faz as nuvens subirem desde os confins da terra – A palavra traduzida por vapores significa literalmente elevações; coisas levantadas; e pode ser aplicado, portanto, a vapores ou nuvens. A Septuaginta, a Vulgata latina e Lutero traduzem-no como nuvens. É uma das provas da sabedoria e do poder divinos que ele os faz ascender, contrariando a lei comum que arrasta todas as coisas para a terra. O arranjo pelo qual isso é feito está entre as mais sábias e maravilhosas de todas as obras de Deus. Veja Jó 26:8 , nota; Jó 38:25-28 , notas.

faz os relâmpagos com a chuva – Para acompanhar a chuva. Veja as notas em Jó 28:26 .

ele produz os ventos de seus tesouros – Onde ele o tem, por assim dizer, entesourado, para ser usado quando houver ocasião para isso. Veja as notas em Jó 38:22. [Barnes, aguardando revisão]

8 Ele feriu os primogênitos do Egito, desde os homens até os animais.

Comentário Barnes

Ele feriu os primogênitos do Egito – Como a última e a maior das pragas trazidas sobre os egípcios; o julgamento principal e culminante sob o qual eles foram dispostos a irem os filhos de Israel, e que foi de fato o julgamento que assegurou sua liberdade. Isso é selecionado aqui evidentemente por esta razão, em vez de recontar todas as pragas que foram trazidas sobre os egípcios.

desde os homens até os animais – Êxodo 11:5 . Margem, como em hebraico, do homem à besta. Ou seja, incluindo ambos; golpeando ambos. [Barnes, aguardando revisão]

9 Ele enviou sinais e prodígios no meio de ti, Egito; contra Faraó, e contra todos os seus servos.

Comentário Barnes

Sinais:isto é, sinais ou evidências do poder divino. Maravilhas:coisas adequadas para impressionar a mente com admiração; coisas fora do curso normal dos eventos; coisas não produzidas por leis naturais, mas pelo poder direto de Deus. A alusão aqui é, naturalmente, às pragas do Egito, conforme registrado no Êxodo. Veja as notas no Salmo 105:27-36. [Barnes, aguardando revisão]

10 Ele feriu muitas nações, e matou reis poderosos:

Comentário do Púlpito

Ele feriu muitas nações (ver Êxodo 14:27, Êxodo 14:28; Êxodo 17:8-13; Numeros 21:24-30,33-35; Josué 8:21-26; Josué 10:10, Josué 10:11; Juízes 4:10-16; Juízes 7:19-23; Juízes 11:32, Juízes 11:33; 1Samuel 7:10-13; 2Samuel 8:1-14; 2Samuel 10:8-19; 1Reis 20:1-30; 2Reis 3:4-27; 2Reis 14:25-28; 2Reis 18:7-8; 2Reis 19:35; 2Crônicas 14:9-15; 2Cronicas 20:1-25, etc. .).

e matou reis poderosos (ver Josué 12:9-24; Juízes 7:25; Juízes 8:21; 1Samuel 15:33, etc.). [Pulpit, aguardando revisão]

11 Seom, rei dos amorreus, e Ogue, rei de Basã; e todos os reinos de Canaã.

Comentário Barnes

Estes são exemplos do que foi feito, ou exemplos de reis poderosos que foram subjugados. Não se pretende que todos foram enumerados. A subjugação dessas nações e reis mostrou o poder de Deus e lançou as bases para o louvor. [Barnes, aguardando revisão]

12 E deu a terra deles como herança; como herança a Israel, seu povo.

Comentário de J. A. Alexander

A terra de Canaã era uma herança para Israel, não como herdeiros dos cananeus, mas porque deveria ser transmitida de pai para filho, por direito hereditário e sucessão. Veja acima, no Salmo 55:44; 111:6. [Alexander, aguardando revisão]

13 Ó SENHOR, teu nome dura para sempre; e tua memória, SENHOR, de geração em geração.

Comentário Barnes

Ó SENHOR, teu nome dura para sempre – Tu és o Deus eterno, o Deus imutável. As gerações de pessoas passam; os reinos da terra mudam; os ídolos perecem, mas tu és o mesmo. O objetivo aqui parece ser trazer a imagem ou ideia de Deus diante da mente como ele era quando realizou essas grandes obras, como um Deus interpondo em favor de seu povo e como digno de louvor. A ideia é que ele é o mesmo agora; e como ele então impressionou o mundo com um senso de sua majestade e poder, e como ele então interpôs em nome de seu povo por poderosos sinais e maravilhas, devemos sentir que, sendo um Deus imutável, ele pode fazer isso agora, e é agora igualmente digno. de confiança, adoração e louvor.

e tua memória – Tua lembrança; a memória de ti mesmo. Isto é, o que fizeste para garantir uma lembrança entre as pessoas é de natureza a causar a mesma impressão em todos os tempos vindouros. Os acontecimentos foram tais que a memória deles nunca deveria passar longe da humanidade.

de geração em geração – Margem, como em hebraico, Para geração e geração. Nunca haverá uma geração na terra, nos últimos períodos, para a qual a memória dessas coisas não deva ser transmitida. [Barnes, aguardando revisão]

14 Porque o SENHOR julgará a seu povo; e terá compaixão de seus servos.

Comentário Barnes

Porque o SENHOR julgará a seu povo – Ele se interporá em seu favor por meio de seus julgamentos ou direcionando o curso dos acontecimentos a seu favor. Esta linguagem é copiada literalmente de Deuteronômio 32:36 :”Porque o Senhor julgará o seu povo e se arrependerá pelos seus servos.” Está ali uma parte da canção de Moisés após a jornada pelo deserto, após ferir os reis dos amorreus e de Basã; e quando, libertos de seus inimigos, os israelitas chegaram às fronteiras da terra prometida, Deuteronômio 31 . A linguagem era, portanto, especialmente apropriada para o projeto deste salmo.

e terá compaixão de seus servos – Em nome de seu povo. Ou seja, ele fará como se tivesse se arrependido ou mudado de ideia. Ele vai deter seus julgamentos. Ele não permitirá que seu povo seja destruído. Ele não permitirá que os julgamentos que pareciam ameaçar toda a sua ruína sejam executados por completo. Eles serão presos no meio do caminho como se Deus tivesse mudado de idéia. Claro, tudo isso é linguagem adaptada à fraqueza humana e à maneira de falar entre as pessoas. [Barnes, aguardando revisão]

15 Os ídolos das nações são prata e ouro; são obra de mãos humanas.

Comentário Barnes

Para mostrar mais plenamente a propriedade de louvar a Deus, e somente a ele como Deus, o salmista instituiu uma comparação entre ele e os ídolos, mostrando que os deuses adorados pelos pagãos careciam de todo fundamento de reivindicação de adoração e homenagem divina. Afinal, eles não eram nada além de prata e ouro, e não podiam ter direito de adoração melhor do que prata e ouro como tal. Eles tinham, de fato, bocas, olhos, ouvidos, mas não podiam falar, ver, ouvir ou respirar. A passagem aqui é substancialmente a mesma do Salmo 115:4-8; e um foi evidentemente copiado do outro, embora neste último a descrição seja ampliada em alguns aspectos; mas qual era o original é impossível determinar. Veja as notas dessa passagem. [Barnes, aguardando revisão]

16 Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não veem.

Comentário do Púlpito

Uma recitação condensada de Salmos 115:4-8 (comp. Jer 10:3-5). Em seu lugar atual, é uma espécie de exposição do Salmo 115:5. [Pulpit, aguardando revisão]

17 Têm ouvidos, mas não ouvem; não têm respiração em sua boca.

Comentário de J. A. Alexander

Veja acima, no Salmo 115:6. Este verso contém a variação mais considerável das passagens. A segunda cláusula em ambos começa com a mesma palavra hebraica; mas em um caso é um substantivo, significando o nariz, no outro um advérbio, significando da mesma forma. Este tipo de variação em que a forma é mantida, mas com uma mudança de significado, é perfeitamente compatível com o uso do hebraico. [Alexander, aguardando revisão]

18 Tornem-se como eles os que os fazem, e todos os que confiam neles.

Comentário de J. A. Alexander

Veja acima, no Salmo 115:8, com o qual este versículo concorda exatamente. Se o significado fosse simples, aqueles que os fazem são como eles, o uso do hebraico exigiria que o verbo fosse suprimido. Sua inserção, portanto, na forma futura exige que seja processado estritamente deve ser, isto é, tanto no destino quanto no caráter. Idólatras perecerão com seus ídolos perecíveis. Compare Isaías 1:31. [Alexander, aguardando revisão]

19 Casa de Israel, bendizei ao SENHOR! Casa de Arão, bendizei ao SENHOR!

Comentário Barnes

Esta passagem, também, é evidentemente uma imitação da passagem do Salmo 115:9-13 . A forma no Salmo 115 , entretanto, é antes uma exortação para confiar no Senhor, e uma garantia de que Deus abençoaria as classes mencionadas, do que um chamado para abençoar o Senhor. Ainda assim, as mesmas classes de pessoas são referidas; a casa de Israel; a casa de Aarão; e aqueles que temiam ao Senhor. A passagem não precisa de mais ilustração do que o que é encontrado nas notas do Salmo 115:9-13. É um chamado sincero a todas as classes de pessoas para abençoar e louvar ao Senhor. É uma linguagem que expressa uma alegria transbordante; a expressão de um coração cheio de conceitos exaltados da majestade, glória e misericórdia de Deus; de um coração que sente ao máximo a aptidão para o louvor e deseja que todas as classes de pessoas – sacerdotes e povo – que todas as coisas criadas se unam no louvor de Yahweh. Quem, ao ler o salmo, pode deixar de captar os sentimentos do salmista e de dizer Amém e amém! [Barnes, aguardando revisão]

20 Casa de Levi, bendizei ao SENHOR! Vós que temeis ao SENHOR, bendizei ao SENHOR.

Comentário do Púlpito

Casa de Levi, bendizei ao SENHOR! A nota final corresponde à inicial e é um simples hino de louvor. Israel em geral, a ordem sacerdotal, os levitas e os devotos adoradores de Deus, de qualquer classe, são chamados sucessivamente para louvar e abençoar a Jeová (comp. Salmos 115:9-11).

Vós que temeis ao SENHOR, bendizei ao SENHOR (ver Salmos 115:10, Salmos 115:12; Salmos 118:3). [Pulpit, aguardando revisão]

21 Bendito seja o SENHOR desde Sião, ele que habita em Jerusalém. Aleluia!

Comentário Cambridge

Bendito seja o SENHOR desde Sião] Esta adoração final corresponde à oração com a qual o Salmo 134 conclui. De Sião, que é Sua morada terrena, a bênção de Jeová vai para Seu povo:de Sião, onde eles se reúnem para adorar, deve soar a resposta de Seu povo de louvor e adoração.

Aleluia – omitido pela LXX. [Cambridge, aguardando revisão]

<Salmo 134 Salmo 136>

Introdução ao Salmo 135

Este salmo não tem título em hebraico; e o autor e a ocasião em que foi escrito são igualmente desconhecidos. É geral em seu caráter, embora suas imagens sejam tiradas principalmente da história hebraica.

O único propósito do salmo é excitar para o louvor de Deus; ou para mostrar as razões desse elogio. Como base ou razões para isso, o salmista se refere ao fato de que Deus é bom, Salmo 135:3 ; ao fato de que ele escolheu Jacó para si mesmo, Salmo 135:4 ; para a grandeza de Deus vista nas obras da natureza, Salmos 135:5-7 ; à história do povo hebreu, Salmo 135:8-12 ; à incapacidade dos ídolos de ajudar, Salmos 135:13-18 ; e, em vista de tudo isso, ele conclama todas as classes do povo a louvar ao Senhor, Salmo 135:19-21 . [Barnes, aguardando revisão]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.