Bíblia, Revisar

Salmo 115

1 Não a nós, SENHOR; não a nós, mas a teu nome dá glória; por tua bondade, por tua fidelidade.

(v. 1-3) A revindicação da misericórdia e fidelidade de Deus (Sl 25:10; Sl 36:6) é a “glória” de Seu “nome”, que é desejado para ser ilustrado na libertação de Seu povo, como o modo implícito de seu manifestação. Em vista das insultos dos pagãos, a fé em Seu domínio como entronizado no céu é declarada (Sl 2:4; Sl 11:4). [JFB]

2 Porque as nações dirão: Onde está o Deus deles?

Onde está – “agora” não é “uma partícula de tempo, mas de súplica”, como em nossas formas de discurso, “Venha agora”, “Veja agora”…

3 Porém nosso Deus está nos céus, ele faz tudo o que lhe agrada.

Porém nosso Deus está nos céus – O “nosso” é enfático. O pagão não conhece a distância infinita que separa o nosso Deus dos seus ídolos (Sl 2:4; 11:4; 103:19). Ele está com a majestade celestial levantada muito acima da terra, que é a morada dos ídolos. Esses ídolos são os dispositivos dos homens terrenos e, portanto, sujeitos à impotência terrena.

ele faz tudo o que lhe agrada – enquanto os ídolos não podem fazer o que quiserem; ou melhor, não podem nem desejar nada, sendo apenas ídolos. Deus (Gn 18:14) pode efetuar tudo o que Ele quiser. Não foi por falta de poder, mas por causa de Sua bondade, sabedoria e justiça, que Ele até então conduziu Israel para ser afligido. Em seu próprio tempo, e de acordo com o prazer da sua vontade, Ele restaurará Israel (Ef 1:5; At 1:6-7). Então, quanto ao Israel espiritual em aflição. [JFU]

4 Os ídolos deles são prata e ouro, obras de mãos humanas.

(v. 4-5) Tirado de Dt 4:28. O hebraico para “ídolos” expressa literalmente “dores”, expressando as tristezas que trazem sobre seus adoradores: compare com Sl 16:4. Nosso salmo é a medida em relação aos ídolos em contraste com o Senhor; como Is 44:9-20, e Jr 10:3-16 são as principais passagens dos profetas sobre o mesmo assunto. Os pagãos mais inteligentes consideravam os ídolos apenas símbolos de seus deuses. Mas o salmista vê a coisa na realidade, não de acordo com as concepções dos idólatras, que eram fantasias corruptas: os deuses pagãos não tinham existência além das imagens (Sl 95:3; 96:5). [JFU]

5 Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não veem;
6 Têm ouvidos, mas não ouvem; tem nariz, mas não cheiram;

Têm ouvidos, mas não ouvem – Contraste com isso e Sl 115:5 a descrição do nosso Deus, Sl 94:9.

7 Têm mãos, mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem falam com suas gargantas.

nem falam com suas gargantas – literalmente, “murmurar”, nem sons articulados.

8 Tornem-se como eles os que os fazem, e todos os que neles confiam.

e todos os que neles confiam – sejam criadores ou não.

9 Ó Israel, confia no SENHOR; ele é sua ajuda e seu escudo.

(Sl 33:20) “sua ajuda” – ou seja, a ajuda dos israelitas. De falar com eles, ele passa a falar deles.

10 Ó casa de Arão, confiai no SENHOR; ele é sua ajuda e seu escudo.

Ó casa de Arão, confiai no SENHOR – Os ministros do santuário, como sendo os guias espirituais do povo, devem liderar o caminho confiando no Senhor.

11 Vós que temeis ao SENHOR, confiai no SENHOR; ele é sua ajuda e seu escudo.

Vós que temeis ao SENHOR – O temor reverente e filial do Senhor é semelhante a confiar nele. A frase “Vós que temeis ao Senhor” compreende toda a verdadeira “semente de Jacó” (Sl 22:23) “pequenos e grandes” (Sl 115:13); os leigos, como distintos da “casa de Arão”, os sacerdotes. Assim, Sl 115:9 é Israel em geral; Sl 115:10, os sacerdotes; Sl 115:11, os leigos. Compare com Sl 118:3; 135:20. [JFU]

12 O SENHOR tem se lembrado de nós; ele há de abençoar; ele abençoará a casa de Israel; ele abençoará a casa de Arão.

O SENHOR tem se lembrado de nós – nos libertando do cativeiro babilônico. Este grupo de salmos evidentemente alude a algum livramento recente (Sl 116:17-18: comparar com Sl 107:1-43, introdução).

ele abençoará a casa de Israel; ele abençoará a casa de Arão – Isto e Sl 115:13 é a resposta tripla e o reconhecimento da bênção, respondendo ao triplo apelo a Israel coletivamente, à casa de Aarão e aos que temem o Senhor, a confiar Nele, e assim obter a bênção (Sl 115:9-11). [JFU]

13 Ele abençoará aos que temem ao SENHOR; tanto os pequenos como os grandes.
14 O SENHOR vos aumentará, vós e vossos filhos.

Oposto à diminuição durante o cativeiro.

15 Benditos sois vós que pertenceis ao SENHOR, que fez os céus e a terra.

Eles não eram apenas o povo peculiar de Deus, mas como habitantes vivos da terra, atribuíam a obra de Seu louvor como monumentos de poder, sabedoria e bondade divinos. [JFB]

16 Quanto aos céus, os céus são do SENHOR; mas a terra ele deu aos filhos dos homens.

Embora possua terra e céu igualmente (Sl 89:11), Ele deu em Sua bondade a terra para ser a herança do homem, onde Deus esbanja no homem Suas bênçãos e espera louvores do homem (Gn 1:28; 9:1). Deus não permitirá que Seu propósito de amor seja frustrado, deixando que Seu povo eleito entre os “filhos dos homens” seja extirpado da Terra por seus inimigos. Compare Hc 1:14-17 – Hebraico, ‘os céus, céus’; o segundo sem o artigo: talvez o primeiro aponte para o céu visível; o último, o nome geral de tudo o que está acima da terra. [JFU]

17 Os mortos não louvam ao SENHOR, nem os que descem ao silêncio.

Não negando que Deus pode receber louvor das almas desencarnadas, mas que os mortos podem louvar a Deus na terra. Deus não permitirá que Sua nação eleita (ou seu antítipo espiritual, a Igreja) seja entregue ao túmulo “silencioso” (Sl 94:17); porque então ele seria roubado do louvor na terra que somente Seu povo Lhe daria. [JFU]

18 Porém nós bendiremos ao SENHOR, desde agora e para sempre. Aleluia!

Por isso, cumpramos o propósito da nossa criação e mostremos sempre o Seu louvor.

<Salmo 114 Salmo 116>

Introdução ao Salmo 115

No Salmo 115, o autor ora para que Deus justifique a Sua glória, que é contrastada com a vaidade dos ídolos, enquanto a loucura de seus adoradores é contrastada com a confiança do povo de Deus, que é encorajado ao seu exercício e a unir-se ao louvor que ele ocasiona.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.