Salmo 11

1 (Ao mestre de canto. Salmo de Davi) No SENHOR eu confio; como, pois, você diz à minha alma: 'Fuja como um pássaro para o seu monte?'

Isso não é uma rejeição do conselho dado, como alguns ensinaram, como se Davi desprezasse ceder às circunstâncias e salvar sua vida fugindo. Tanto no tempo de Saul quanto de Absalão, ele fugiu “para as montanhas”. Não é uma honra para nossa fé em Deus desprezar o perigo ou recusar os meios legais para salvar vidas, quando o dever assim o permite. Jesus e seus apóstolos se retiraram repetidamente diante de seus inimigos. Davi aqui professa confiança mais elevada e essencial em Javé do que em qualquer meio natural de defesa ou fuga. [JFU, 1871]

2 Porque eis que os maus estão armando o arco; eles estão pondo suas flechas na corda, para atirarem às escuras com elas aos corretos de coração.

Comentário Whedon

Aqui está dada a razão para o conselho acima dos amigos de Davi, ou seja, o caráter e a atitude de seus inimigos.

às escuras. Isto é, traiçoeiramente. Veja a conduta de Saul para com Davi (1Sm 19:11). A imagem é a de um arqueiro numa emboscada, com arco armado e com o propósito de um assassino, aguardando sua vítima. [Whedon]

3 Se os fundamentos são destruídos, o que o justo pode fazer?

Se os fundamentos são destruídos. Os pilares do estado não são os governantes, mas as leis e as instituições de justiça (Sl 75:3; 82:5). Quando estes “fundamentos são destruídos”, os justos não têm a quem apelar.

o que o justo pode fazer? É como se ele dissesse: Não havendo apelo à justiça ou à lei, nada resta senão fugir para encontrar segurança. [Whedon, 1874]

4 O SENHOR está em seu santo Templo, o trono do SENHOR está nos céus; seus olhos observam com atenção; suas pálpebras provam aos filhos dos homens.

Comentário Whedon

O SENHOR está em seu santo Templo. Seu templo terreno, ou tabernáculo chamado templo (1Sm 1:9; 3:3) e, por implicação, está lá com o propósito de graça e proteção ao seu povo da aliança.

trono do SENHOR está nos céus. Como o governante e juiz universal. De modo que nesta dupla base Davi descansa sua causa com segurança. [Whedon]

5 O SENHOR prova ao justo; mas sua alma odeia ao perverso e ao que ama a violência.

Comentário de A. R. Fausset

O SENHOR prova ao justo. Em amor; como exige o contraste com o “ódio” na segunda sentença. Seu testar os justos por meio de provações é uma evidência de amor (Hb 12:6-12), não de ódio. Seu abandono dos ímpios por um tempo à impunidade, enquanto dá a oportunidade de arrependimento, é também uma marca de descontentamento judicial porque eles há muito têm cauterizado sua consciência contra Seu amor e Seus castigos. [JFU]

6 Sobre os perversos choverá brasas de fogo e enxofre, e vento abrasador será a parte do seu cálice.

Sobre os perversos choverá brasas de fogo e enxofre. Uma clara alusão à queda de Sodoma e Gomorra (Gênesis 19:24-25). A destruição dos ímpios será repentina e terrível, como a de Sodoma e Gomorra, manifestamente o julgamento de Deus.

vento abrasador será a parte do seu cálice (NAA, NVI, A21) – ou então, vento tempestuoso será a parte do seu cálice (ACF, BKJ). Essa é uma uma expressão idiomática que significa aquela recompensa ou parte que o próprio Deus precisamente mediu para os ímpios como seu justo merecimento (Sl 75:8; Ap 14:10).  Ela também é usada no bom sentido (Salmo 16:5; 116:13). [Whedon, 1874]

7 Porque o SENHOR é justo, e amas a justiça; seu rosto presta atenção ao que é correto.

Comentário de A. R. Fausset

o SENHOR é justo, e amas a justiça (Deus por Sua própria natureza não pode fazer outra coisa senão favorecer os santos e punir os pecadores.

seu rosto presta atenção ao que é correto. No original hebraico, “seus rostos”, um uso do plural aplicado a Deus, como em Gênesis 1:26; 3:22; 11:7; Is 6:8, etc., denotando a plenitude de Suas perfeições, ou mais provavelmente originando-se de uma referência à Trindade de pessoas. “Rosto” é usado como “olhos” (Sl 11:4), expressando aqui o amparo de Deus para com os retos (compare Salmo 34:15-16). [JFU]

<Salmo 10 Salmo 12>

Introdução ao Salmo 11

Autoria. Este salmo é atribuído a Davi, tanto no título quanto na localização que tem entre os Salmos. Não há nada no salmo que torne isso duvidoso, e de fato sua estrutura está tão de acordo com aqueles geralmente atribuídos a Davi, que não deixa dúvida quanto à sua autoria.

Ocasião. Não há insinuação no título ou no próprio salmo acerca disto. Não há nenhuma referência especial a qualquer um dos acontecimentos da vida de Davi, embora alguns dos pensamentos ou imagens tenham sido sugeridos aparentemente pela lembrança do que ocorreu nas perseguições de Saul ou na rebelião de Absalão. De fato, mencionou-se que diferentes ocasiões na vida de Davi levaram à composição do salmo. Venema supõe que foi composta quando Davi estava no deserto de Zife, e quando, traído pelos habitantes do deserto e perseguido por Saul, seus amigos começaram a aconselhá-lo a buscar um lugar seguro na fuga (1Sm 23:14-23. Isso deu ocasião, supõe Venema, por expressar o sentimento – que é o sentimento dominante no salmo – de que, quando nossos assuntos parecem sem esperança, não devemos estar em desespero, mas devemos colocar nossa confiança ainda em Deus. Outros supõem que o salmo foi composto quando ele estava na caverna de Adulão (1Sm 22), e em perigo de vida devido às perseguições de Saul. Uma opinião mais plausível é a de Amyraut, que supõe que foi composto quando Davi estava na corte de Saul, e quando ele pode ter sido aconselhado a deixar a corte – um local de perigo – e fugir para um local seguro. Mas não pode ser determinado com certeza em qual dessas ocasiões o salmo foi composto, se foi em qualquer uma delas. Tudo o que está aparente no próprio salmo é que foi quando o autor estava em perigo, e quando alguns de seus amigos o aconselharam a buscar segurança fugindo (Salmo 11:1). Em vez de fazer isso, Davi decidiu permanecer onde estava e colocar sua confiança em Deus, com a crença de que ele iria intervir e o libertá-lo.

Conteúdo. Este salmo pode ser apropriadamente dividido em duas partes:

(1) O conselho de alguns amigos tímidos e temerosos ao escritor, nas circunstâncias de perigo em que se encontrava, para fugir e buscar segurança na fuga (Salmo 11:1-3). Eles o aconselham a fugir como um pássaro para a montanha; isto é, fugir para um lugar seguro enquanto podia, pois ele parece ter sido cercado por inimigos. Os argumentos pelos quais eles aplicaram este conselho parecem ser referidos no Salmo 11:2-3, e foram estes:

(a) que os ímpios haviam feito preparativos para destruí-lo, pois seus arcos e flechas estavam prontos, Salmo 11:2; e

(b) que o estado das coisas era como se as próprias fundações tivessem sido destruídas; que não havia onde se apoiar; e que todas as suas esperanças, em sua condição presente, deveriam ser destruídas (Salmo 11:3).

Nessas circunstâncias, todas as suas esperanças de segurança, em segundo a compreensão deles, estavam em fugir.

(2) As opiniões que o autor do salmo teve sobre o assunto, em resposta a isso (Salmo 11:4-7). Ele tinha uma confiança inabalável em Deus; ele não se desesperou; ele acreditava que Deus o protegeria; ele acreditava que o objetivo de Deus ao permitir isso era provar os justos e que no devido tempo ele surgiria e lançaria armadilhas, fogo e enxofre sobre os ímpios. O estado de espírito assim evidenciado é o de firmeza em circunstâncias difíceis; confiança constante em Deus quando as coisas parecem mais adversas; e uma convicção segura de que Deus, no tempo devido, resgatará aqueles que nele depositam sua confiança. É a manifestação de firmeza contra os conselhos dos tímidos; a linguagem da confiança inabalável em Deus quando os temerosos e incrédulos se desesperam. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – abril de 2021.