Bíblia, Revisar

Apocalipse 14

1 E eu olhei, e eis que o Cordeiro estava de pé sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, tendo o nome dele e do Pai dele escrito em suas testas.

Em contraste com a besta, o falso profeta e a igreja apóstata (Ap 13:1-18) e introdutório ao anúncio dos juízos prestes a descer sobre eles e sobre o mundo (Ap 14:8-11, antecipatório de Ap 18:2-6), aqui estão os redimidos, “o núcleo divino da humanidade, os frutos positivos da história do mundo e da Igreja” (Auberlen). Os capítulos de décimo quarto a décimo sexto descrevem os preparativos para o julgamento messiânico. Como o décimo quarto capítulo começa com os 144.000 de Israel (compare Ap 7:4-8, não mais expostos a julgamento como então, mas agora triunfante), então o décimo quinto capítulo começa com aqueles que venceram entre os gentios (compare Ap 15:1-5 com Ap 7:9-17); as duas classes de eleitos formam juntos toda a companhia de santos transfigurados que reinarão com Cristo.

a – A, B, C, copta e Orígenes leem “o”.

Cordeiro … em … Sião – tendo deixado a Sua posição “no meio do trono”, e agora tomando sua posição em Sião.

O nome de seu pai – A, B e C dizia: “Seu nome e o nome de seu pai”.

em grego, “em cima”. O nome de Deus e de Cristo aqui responde ao selo “em suas testas” em Ap 7:3. Como os 144.000 de Israel são “os primogênitos” (Ap 14:4), assim “a colheita” (Ap 14:15) é a assembléia geral de santos gentios a ser traduzida por Cristo como Seu primeiro ato ao assumir Seu reino. antes de seu julgamento (Ap 16:17-21, as últimas sete taças) no mundo anticristão, na execução que Seus santos devem compartilhar. Como Noé e Ló foram tirados do juízo do juízo, mas expostos ao julgamento até o último momento (De Burgh), assim aqueles que reinarem com Cristo primeiro sofrerão com Ele, sendo libertados dos juízos, mas não de fora. os ensaios. Os judeus são significados pelos “santos do Altíssimo”: contra eles o Anticristo faz guerra, mudando seus tempos e leis; pois os verdadeiros israelitas não podem participar da idolatria da besta, mais do que os cristãos verdadeiros. A aflição comum se aproximará, opondo-se à adoração da besta, o povo de Deus do Antigo Testamento e do Novo Testamento. Assim, o caminho é preparado para a conversão de Israel. Esta última dispersão total do poder do povo santo leva-os, sob o Espírito, a buscar o Messias e a chorar ao se aproximar dele: “Bendito o que vem em nome do Senhor”.

2 E eu ouvi uma voz do céu como voz de muitas águas, e como voz de um grande trovão; e ouvi uma voz de tocadores de harpas, que tocavam com suas harpas;

from – Greek, “out of”

voz de muitas águas – como é a voz de si mesmo, tal também é a voz do Seu povo.

Ouvi a voz dos harpistas – A, B, C e Orígenes leram: “a voz que ouvi (era) como de harpistas”.

3 E cantavam um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais, e dos anciãos; e ninguém podia aprender aquele cântico, a não ser os cento e quarenta e quatro mil que tinham sido comprados da terra.

cantado – grego, “cantar”.

por assim dizer – Então A, C e Vulgata leem. É “como se fosse” uma nova música; porque é, na verdade, tão antigo quanto o propósito eterno de Deus. Mas B, siríaco, copta, Orígenes e Andreas omitem essas palavras.

cântico novo – (Ap 5:9-10). O cântico é o da vitória após o conflito com o dragão, a besta e o falso profeta: nunca cantado antes, pois tal conflito nunca havia sido travado antes; portanto, novo: até agora o reino de Cristo na terra havia sido usurpado; eles cantam a nova canção em antecipação do Seu reino comprado por sangue com os Seus santos.

quatro animais – sim, como grego, “quatro seres viventes”. Os harpistas e cantores evidentemente incluem os 144.000: assim o paralelo prova (Ap 15:2-3), onde o mesmo ato é atribuído à companhia geral de os santos, a colheita (Ap 14:15) de todas as nações. Não como Alford, “os harpistas e canções estão no céu, mas os 144.000 estão na terra”.

comprados – literalmente, “comprados”. Nem mesmo os anjos podem aprender essa canção, pois eles não sabem experimentalmente o que é ter “saído da grande tribulação e lavado suas vestes brancas no sangue do Cordeiro” (Ap 7:14).

4 Estes são os que não se contaminaram com mulheres, porque são virgens; estes são os que seguem ao Cordeiro onde quer que ele vá; estes foram comprados dentre os homens, sendo primícias para Deus e para o Cordeiro.

virgens – espiritualmente (Mt 25:1); em contraste com a Igreja apóstata, Babilônia (Ap 14:8), espiritualmente “uma prostituta” (Ap 17:1-5; Is 1:21; contraste 2Co 11:2; Ef 5:25-27). O fato de não serem contaminados com mulheres significa que não foram desviados da fidelidade cristã pelos tentadores que juntos constituem a “prostituta” espiritual.

os que seguem ao Cordeiro onde quer que ele vá – em glória, estando especialmente perto de Sua pessoa; a recompensa apropriada de segui-lo tão plenamente na terra.

resgatado – “comprado”.

sendo o – sim, “como um primeiro fruto”. Não meramente um “primeiro fruto” no sentido em que todos os crentes são assim, mas os 144.000 eleitos de Israel são o primeiro fruto, a Igreja eleita Judaica e Gentia é a colheita; em outro sentido, toda a Igreja transfigurada e traduzida, que reina com Cristo em Sua vinda, é o primeiro fruto, e a consequente reunião geral de Israel e das nações, terminando no último julgamento, é a colheita completa e final. .

5 E não foi encontrada mentira na boca deles, porque eles são irrepreensíveis.

guile – Então Andreas em uma cópia. Mas A, B, C, Orígenes e Andreas, em outras cópias, leram “falsidade”. Compare com a versão em Inglês lendo Sl 32:2; Is 53:9; Jo 1:47

para – So B, Syriac, Coptic, Origen e Andreas. Mas A e C omitem.

irrepreensíveis – grego, “irrepreensível”: no que diz respeito à sinceridade de sua fidelidade a ele. Não absolutamente, e em si mesmos sem culpa; mas considerados como tais com base na Sua justiça, em quem somente eles confiaram, e a quem eles fielmente serviram pelo Seu Espírito neles. A alusão parece ser o Sl 15:1-2. Compare Ap 14:1, “estava no monte Sião”.

diante do trono de Deus – A, B, C, siríaco, copta, Orígenes e Andreas omitem estas palavras. O mais antigo manuscrito da Vulgata os apoia.

6 E eu vi outro anjo voando tendo o evangelho eterno, para proclamá-lo aos que habitam sobre a terra, e a toda nação, tribo, língua e povo;

Aqui começa a parte relativa ao mundo gentio, como a primeira porção relacionada a Israel. Antes do fim, o Evangelho deve ser pregado por um testemunho a todas as nações: não que todas as nações se convertam, mas todas as nações terão a oportunidade de decidir se serão a favor ou contra Cristo. Aqueles assim pregados são “aqueles que habitam (assim A, Copta e Siríaco lêem. Mas B, C, Orígenes, Vulgata, Cipriano, 312, leia, ‘SENT’, compare Mt 4:16; Lc 1:79, tendo seu lar estabelecido) na terra, “ser da terra terrena: esta última estação da graça é dada a eles, se ainda assim eles podem se arrepender, antes do“ julgamento ”(Ap 14:7) descer: se não, eles serão deixados sem desculpa como o mundo que resistiu à pregação de Noé nos cento e vinte anos “enquanto a longanimidade de Deus esperava”. “Assim também os profetas deram ao povo uma última oportunidade de arrependimento antes da destruição babilônica de Jerusalém, e nosso Senhor e Seus apóstolos antes da destruição romana da cidade santa ”(Auberlen). O grego para “até” (“epi), em A e C) significa literalmente “sobre”, “sobre” ou “a respeito de” (Mc 9:12; Hb 7:13). A toda nação ”(Grego,“ (epi) ”, em A, B, C, Vulgata, Siríaco, Orígenes, Oriano, Cipriano e Primasio) Isto, talvez, implica que o Evangelho, embora difundido no globo , não virá salvadoramente a qualquer que não seja o eleito.O w) orld não deve ser evangelizado até que Cristo venha: enquanto isso, o propósito de Deus é “tirar dos gentios um povo para o Seu nome”, para ser testemunhas de a operação eficaz do Seu Espírito durante o contra-trabalho do “mistério da iniquidade”.

evangelho eterno – o Evangelho que anuncia as boas novas do eterno reino de Cristo, prestes a acontecer imediatamente após o “julgamento” sobre o Anticristo, anunciado como iminente em Ap 14:7. Quando o primeiro anjo “voando pelo meio do céu” (Ap 8:13) anunciou “ai”, então este anjo “voando no meio do céu” anunciou alegria. Os três anjos fazendo esta última proclamação do Evangelho, a queda da Babilônia (Ap 14:8), a meretriz e o julgamento dos adoradores da besta (Ap 14:9-11), a voz do céu a respeito dos abençoados mortos ( Ap 14:13), a visão do Filho do homem sobre a nuvem (Ap 14:11), a colheita (Ap 14:15), e a vindima (Ap 14:18), formam o sumário compendido, amplificado em detalhes no resto do livro.

7 dizendo em alta voz: 'Temei a Deus, e dai glória a ele; porque chegou a hora do seu julgamento; e adorai àquele que fez o céu, a terra, o mar e as fontes de águas.'

Temei a Deus – o precursor de abraçar o amor de Deus manifestado no Evangelho. O arrependimento acompanha a fé.

dê glória a ele – e não à besta (compare Ap 13:4; Jr 13:16).

a hora do seu julgamento – “A hora” implica o tempo definido. “Julgamento”, não o julgamento geral, mas sim a Babilônia, a besta e seus adoradores (Ap 14:8-12).

adorei aquele que fez o céu – não o Anticristo (compare At 14:15).

fontes do mar… – distinguidas também em Ap 8:8,10.

8 E seguiu outro anjo, dizendo: “Ela caiu! Caiu a Babilônia, a grande cidade, porque ela deu de beber a todas as nações do vinho da ira de seu pecado sexual.”

outro – Então Vulgata. Mas A, B, Siríaco e Andreas acrescentam “um segundo”; “Outro, um segundo anjo.”

Babilônia – aqui mencionado pela primeira vez; idêntico à prostituta, a igreja apóstata; distinta da besta e julgada separadamente.

Ela caiu – antecipação de Ap 18:2. A, Vulgata, Siríaco e Andreas apóiam o segundo “está caído”. Mas B, C e Copta o omitem.

a grande cidade – A, B, C, Vulgata, siríaca e copta omitem “cidade”. Então traduza: “Babilônia, a grande”. O cumprimento ulterior e exaustivo de Is 21:9.

porque – Então Andreas. Mas A, C, Vulgate e Syriac leram “qual”. B e copta omitem isso. Mesmo lendo “qual”, devemos entendê-lo como dando a razão de sua queda.

todas as nações – A, B e C lêem, “todas as nações”.

do vinho da ira de seu pecado sexual – o vinho da ira de Deus, consequência de sua fornicação. Assim como ela embriagou as nações com o vinho da sua fornicação, assim ela mesma será embriagada com o vinho da ira de Deus.

9 E o terceiro anjo os seguiu, dizendo em alta voz: “Se alguém adora a besta e a sua imagem, e recebe a marca dela sobre sua testa, ou sobre sua mão,

A, B, C e Andreas leram: “outro, um terceiro anjo”. Compare com este versículo Ap 13:15-16.

10 também o tal beberá do vinho da ira de Deus, que foi posto sem mistura no cálice de sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.

O mesmo – grego, “ele também”, como a justa e inevitável retribuição.

vinho de … ira de Deus – (Sl 75:8).

sem mistura – enquanto o vinho era tão comumente misturado com água que para misturar vinho é usado em grego para derramar vinho; este vinho da ira de Deus não é diluído; não há gota de água para resfriar seu calor. Nada de graça ou esperança é misturado com isso. Essa terrível ameaça pode nos elevar acima do medo das ameaças do homem. Esta taça não misturada já está misturada e preparada para Satanás e os seguidores da besta.

ira – grego, “”orges}”, “permanecendo ira”, mas o grego para “ira” acima (em grego,) “{thumou}”) está fervendo indignação, a partir de (grego, “thuo”) uma raiz significa “ferver”; isso é uma ebulição temporária da raiva; que é duradouro [Amônio], e acompanhado de um propósito de vingança [Orígenes no Salmo 2: 5].

atormentado … na presença de … anjos – (Sl 49:14; 58:10; 139:21; Is 66:24). Os inimigos de Deus são considerados pelos santos como seus inimigos, e quando o dia da graça for passado, a mente deles será tão unida com a de Deus, que eles se regozijarão em testemunhar visivelmente a vindicação judicial da justiça de Deus em punição dos pecadores.

11 E a fumaça do tormento deles sobe para todo o sempre; e não têm descanso de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e se alguém recebe a marca de seu nome.

para todo o sempre – grego “até os séculos dos séculos”

não têm descanso de dia nem de noite – Contraste o sentido muito diferente em que o mesmo é dito das quatro criaturas viventes no céu: “Não descansam dia e noite, dizendo: Santo, santo, santo”; ainda assim eles “descansam” em outro sentido; eles descansam do pecado e da tristeza, cansaço e fraqueza, provação e tentação (Ap 14:13); os perdidos não têm descanso do pecado e de Satanás, terror, tormento e remorso.

12 Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.”

Aqui, etc. – retomado de Ap 13:10; veja em Ap 13:10. No ardente calvário de perseguição que aguarda todos os que não adoram a besta, a fé e a paciência dos seguidores de Deus e de Jesus serão testadas e provadas.

paciência – grego, “{hupomene}”, “paciência paciente e perseverante”. O segundo “aqui” é omitido em A, B, C, Vulgata, siríaco, copta e Primasius. Traduza: “Aqui está a resistência dos santos, que guardam”, etc.

a fé de Jesus – a fé que tem Jesus como objeto.

13 E eu ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: “Benditos são os mortos que morrem no Senhor a partir de agora; sim, diz o Espírito, para que se descansem de seus trabalhos; e suas obras os seguem.”

Incentivo para alegrar os perseguidos sob a besta.

Escreva – para registrar isso para sempre.

Benditos – descansando de suas labutas e, no caso dos santos antes aludidos como perseguidos pela besta, descansando das perseguições. Sua plena bem-aventurança é agora “desde agora”, isto é, DESDE O TEMPO, quando o julgamento sobre a besta e as colheitas dos eleitos são iminentes. O tempo tão fervorosamente desejado pelos antigos mártires agora está quase chegando; o número total de seus companheiros de serviço está prestes a ser completado; eles não precisam mais “descansar (o mesmo grego como aqui, (anapausis) ainda por um pouco de tempo”, seu descanso eterno, ou cessação de labutas (2Ts 1:7; grego, “”anesis}”) relaxamento após dificuldades. Hb 4:9-10, sabbatismo de descanso e grego, “”catapausis},” semelhante ao grego aqui) está por perto agora. Eles são abençoados em estar prestes a sentar-se para a ceia das bodas do Cordeiro (Ap 19:9), e tendo parte na primeira ressurreição (Ap 20:6), e tendo direito à árvore da vida (Ap 22:14) .Em Ap 14:14-16 segue a explicação de por que eles são pronunciados “abençoados” agora em particular, ou seja, o Filho do homem na nuvem está apenas vindo para reuni-los como a colheita madura para o armazenamento.

sim, diz o Espírito – As palavras de Deus Pai (a “voz do céu”) são ecoadas de volta e confirmadas pelo Espírito (falando na Palavra, Ap 2:722:17; e nos santos, 2Co 5:5; 1Pe 4:14). Todas as promessas de Deus em Cristo são sim” (2Co 1:20).

para mim – omitido em A, B, C, Vulgate, Syriac e Co. ptic.

que eles podem – O grego inclui também a ideia, Eles são abençoados, em que eles DEIXARão de seus labutas) (assim o grego).

e – Então B e Andreas leram. Mas A, C, Vulgate e Syriac leem “para”. Eles descansam de suas labutas porque seu tempo de labuta já passou; eles entram no descanso abençoado por causa da fé deles / delas evidenciada pelas obras deles / delas que, consequentemente, “siga COM (assim o grego) eles.” As obras deles / delas são especificadas porque é tido respeito ao julgamento de vinda onde cada homem será “julgado de acordo para suas obras. ”Suas obras não vão antes do crente, nem mesmo vão ao seu lado, mas seguem-no ao mesmo tempo em que vão com ele como prova de que ele é de Cristo.

14 E eu olhei, e eis uma nuvem branca, e um semelhante a um filho do homem, sentado sobre a nuvem; tendo sobre sua cabeça uma coroa de ouro, e em sua mão uma foice afiada.

coroa – grego, “”stephanon)”, “guirlanda” da vitória; não seu diadema como rei. A vitória é descrita em detalhes, Ap 19:11-21.

sentado – “um sentado”, grego, “{cathemenon homoion}”, é a leitura de A, B), C, Vulgata e copta.

15 E outro anjo saiu do templo, clamando em alta voz ao que estava sentado sobre a nuvem: “Envia a tua foice, e ceifa; pois chegou a ti a hora de ceifar, porque a plantação da terra já está madura.”

Empurre – grego “, enviar”. O anjo não comanda o “Filho do homem” (Ap 14:14), mas é o mero mensageiro anunciando ao Filho a vontade de Deus Pai, em cujas mãos são mantidos os tempos e as estações.

tua foice – aludindo a Mc 4:29, onde também é “envia a foice”. O Filho envia seu anjo portador de foice para ceifar o justo quando completamente maduro.

ceifar – a colheita. Pela ceifa, os justos eleitos são recolhidos; Pela vindima, os ofensores anticristãos são removidos da terra, a cena do reino vindouro de Cristo. O próprio Filho do homem, com uma coroa de ouro, é introduzido na colheita dos elegidos, um mero anjo na vindima (Ap 14:18-20).

está maduro – literalmente, “está seco”. Maduro para a glória.

16 E aquele que está sentado sobre a nuvem lançou sua foice na terra, e a terra foi ceifada.

empurrado em – grego, “elenco”.

17 E outro anjo saiu do templo que está no céu, o qual também tinha uma foice afiada.

no céu – (Ap 11:19).

18 E outro anjo, que tinha poder sobre o fogo, saiu do altar; e ele clamou em alta voz ao que tinha a foice afiada, dizendo: “Envia a tua foice afiada, e recolhe os cachos da vinha da terra; porque suas uvas já estão maduras.”

do altar – sobre o qual foram oferecidas as orações de todos os santos acompanhadas de incenso, que derrubam em resposta o julgamento de fogo de Deus sobre os inimigos da Igreja, o fogo sendo retirado do altar e lançado sobre a terra.

totalmente maduro grego “, chegar ao seu apogeu”; maduro para punição.

19 E o anjo lançou sua foice à terra, e recolheu as uvas da vinha da terra, e as lançou na prensa da grande ira de Deus.

“A videira” é o que é o assunto do julgamento porque suas uvas não são o que Deus procurava considerando sua cultura cuidadosa, mas “uvas selvagens” (Is 5:1-30). O mundo apóstata da cristandade, não o mundo do paganismo que não ouviu falar de Cristo, é o objeto do julgamento. Compare o emblema, Ap 19:15; Is 63:2-3; Jl 3:13.

20 E a prensa foi pisada fora da cidade, e saiu sangue da prensa até os freios dos cavalos, por mil e seiscentos estádios.

fora da cidade – Jerusalém. A cena do derramamento de sangue de Cristo e do Seu povo será também a cena da vingança de Deus sobre o inimigo anticristão. Compare os “cavaleiros”, Ap 9:16-17.

sangue – respondendo ao vinho tinto. O massacre dos apóstatas é o que é dito aqui, não o seu castigo eterno.

até os freios dos cavalos – dos vingadores “exércitos dos céus”.

pelo espaço de mil… seiscentos estádios – literalmente “mil e seiscentos estádios” (W. Kelly). Mil e seiscentos é um número quadrado; quatro por quatro por cem. Os quatro quadrantes, norte, sul, leste e oeste, da Terra Santa, ou do mundo (a completude e a universalidade da destruição mundial é aqui indicada). Não responde exatamente à extensão da Palestina dada por Jerônimo, cento e sessenta quilômetros romanos. Bengel pensa que o vale de Kedron, entre Jerusalém e o Monte das Oliveiras, se destina, a torrente naquele vale estava prestes a ser descolorida com sangue a uma extensão de mil e seiscentos estádios. Essa visão está de acordo com a profecia de Joel de que o vale de Jeosafá será a cena do derrube dos inimigos anticristãos.

<Apocalipse 13 Apocalipse 15>

Introdução à Apocalipse 14

O cordeiro visto em Sião com os 144.000. Sua música O evangelho proclamado antes do final por um anjo: A queda de Babilônia, por outro: O destino dos adoradores de animais, por um terceiro. A bem-aventurança dos mortos no Senhor. A colheita. O vintage.

Leia também uma introdução ao livro do Apocalipse.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.