Salmo 49

1 (Salmo para o regente, dos filhos de Coré:) Ouvi isto, vós todos os povos; dai ouvidos, todos os moradores do mundo;

Comentário Barnes

Ouvi isto, vós todos os povos – Isto é, o que estou prestes a fazer; proferir é digno de atenção universal; pertence igualmente a toda a humanidade. O salmista; portanto, apela a todas as nações para atender ao que ele está prestes a dizer. Compare as notas em Isaías 1:2 .

dai ouvidos – Incline seu ouvido; comparecer. Compare as notas do Salmo 17:6 . Veja também Isaías 37:17 ; Isaías 55:3 ; Daniel 9:18 ; Provérbios 2:2 .

todos os moradores do mundo – A verdade a ser declarada não pertence exclusivamente a qualquer nação ou classe de pessoas. Todos estão interessados ​​nisso. O termo aqui traduzido por “mundo” – חלד cheled – significa propriamente “duração de vida, vida inteira”; então, “vida, tempo, idade”; e então passa a denotar o mundo, considerado como composto pelos vivos ou pelas gerações que passam. [Barnes, aguardando revisão]

2 vós, povo, filhos dos homens, tanto os ricos como os pobres.

Comentário Barnes

vós, povo, filhos dos homens – Aqueles tanto de humilde e de posição elevada, pois pertence igualmente a todos. Sobre o significado dos “termos” empregados aqui, veja as notas em Isaías 2:9 . Essas verdades pertenciam ao “baixo”; isto é, para aqueles de posição humilde, ensinando-os a não invejar os ricos e a não temer seu poder; e diziam respeito aos de posição elevada, ensinando-os a não confiar em suas riquezas e a não supor que pudessem possuí-las e desfrutá-las permanentemente.

tanto os ricos como os pobres – Igualmente interessados ​​nessas verdades; isto é, o que o salmista estava prestes a dizer foi adaptado para transmitir lições úteis a ambas as classes. Ambos precisavam de instruções sobre o assunto; e a mesma classe de verdades foi adaptada para fornecer essa instrução. A classe de verdades mencionada foi derivada da impotência da riqueza em relação às coisas de maior importância para o homem, e do fato de que tudo o que um homem pode ganhar deve ser deixado em breve:ensinar aos de uma classe que não devem estabelecer seu coração está voltado para a riqueza, e não devem se orgulhar de possuí-la, e ensinar à outra classe que não devem invejar ou temer o possuidor de riquezas. [Barnes, aguardando revisão]

3 Minha boca falará da sabedoria; e o pensamento do meu coração estará cheio de entendimento.

Comentário Barnes

Minha boca falará da sabedoria – Isto é, expressarei sentimentos que são sábios, ou que são importantes para todos; sentimentos que permitirão a todos uma visão justa do assunto de que falo. Isso indica “confiança” no que ele estava prestes a proferir, como sendo eminentemente merecedor de atenção.

e o pensamento do meu coração estará cheio de entendimento – O que eu reflito, e o que eu expresso, no assunto em consideração. A ideia é que ele havia meditado sobre o assunto, quanto ao que era real sabedoria no assunto, e que agora ele daria expressão ao resultado de suas meditações. Não foi a sabedoria em geral, ou inteligência ou compreensão como tal, que ele pretendeu expressar os resultados de seus pensamentos, mas foi apenas em relação ao valor adequado a ser atribuído à riqueza, e quanto ao fato de ela causar medo Salmos 49:5 naqueles que não a possuíam e que poderiam estar sujeitos aos atos opressores dos ricos. [Barnes, aguardando revisão]

4 Inclinarei meus ouvidos a uma parábola; ao som da harpa declararei o meu enigma.

Comentário de A. R. Fausset

Inclinarei – para ouvir atentamente (Salmo 17:6; Salmo 31:2).

parábola – em hebraico e grego, “parábola” e “provérbio” são traduções da mesma palavra. Denota uma comparação, ou forma de discurso, que sob uma imagem inclui muitos, e é expressivo de uma verdade geral capaz de várias ilustrações. Por isso, pode ser usado para a ilustração em si. Para o primeiro sentido, “provérbio” (isto é, uma palavra para vários) é o termo inglês usual, e para o último, em que a comparação é proeminente, “parábola” (isto é, uma coisa colocada por outra). A distinção nem sempre é observada, desde aqui e no Salmo 78:2; “Provérbio” expressaria melhor o estilo da composição (compare também Provérbios 26:79; Hebreus 2:6; João 16:2529). Tais formas de fala são frequentemente muito figurativas e também obscuras (compare com Mateus 13:12-15). Daí o uso da palavra paralela –

enigma – (compare Ezequiel 17:2).

som da harpa – o acompanhamento de uma letra. [JFB, aguardando revisão]

5 Por que temeria eu nos dias do mal, quando a maldade dos meus adversários me cercar?

Comentário Barnes

Por que temeria eu nos dias do mal – Este versículo é projetado evidentemente para declarar o assunto principal do salmo; o resultado das reflexões do autor sobre o que havia sido para ele uma fonte de perplexidade; sobre o que lhe parecia um problema sombrio. Ele “havia” evidentemente sentido que havia ocasião para temer o poder de homens ricos iníquos; mas agora sentia que não havia motivo para esse medo e alarme. Ele viu que seu poder durou pouco; que toda a capacidade de prejudicar, decorrente de sua posição e riqueza, deve cessar em breve; que seus próprios interesses mais elevados não poderiam ser afetados por nada que eles pudessem fazer. Os “dias do mal” aqui mencionados são os tempos aos quais se refere a seguinte frase, “quando a iniqüidade de meus calcanhares”, etc.

quando a maldade dos meus adversários me cercar? Seria difícil entender esta expressão, embora seja substancialmente a mesma tradução que é encontrada na Vulgata e na Septuaginta. Lutero traduz “quando a iniqüidade de meus opressores me envolve”. A paráfrase caldéia traduz:”por que eu deveria temer nos dias do mal, a menos que seja quando a culpa do meu pecado me circunda?” O siríaco traduz como “a iniqüidade de” meus inimigos “. O árabe,” quando meus inimigos me cercam. “DeWette traduz como Lutero. Rosenmuller,” quando a iniqüidade daqueles que armaram armadilhas contra mim me cercarão. “Prof. Alexander,” quando a iniqüidade de meus opressores (ou suplantadores) me cercar. “A palavra traduzida como” calcanhares “Jó 18:9 ; Juízes 5:22 ; então, a retaguarda de um exército, Josué 8:13 ; então, no plural, “pegadas”, impressões do calcanhar ou pé, Salmo 77:19 ; e então, de acordo com Gesenius (Lexicon) “um mentiroso à espreita, insidiador.”

Talvez haja na palavra a ideia de arte; de mentir à espreita; de tirar as vantagens – do verbo עקב ‛âqab, estar por trás, vir por trás; e, portanto, suplantar; Contornar. Assim, em Oséias 12:3 , “no ventre segurou seu irmão pelo calcanhar” (compare Gênesis 25:26 ). Conseqüentemente, a palavra é usada com o significado de suplantar; para contornar, Gênesis 27:36 ; Jeremias 9:4 (hebraico, Jeremias 9:3) Este é, sem dúvida, o significado aqui. A verdadeira ideia é, quando sou exposto às artes, à astúcia, aos truques daqueles que estão à minha espera; Posso ser atacado repentinamente ou ser pego de surpresa; mas o que tenho eu a temer? O salmista se refere à má conduta de seus inimigos, como o alarmando. Eles eram ricos e poderosos. Eles se esforçaram de alguma forma para suplantá-lo – talvez, como deveríamos dizer, para “tropeçar” – para vencê-lo pela arte, pelo poder, pelo truque ou pela fraude. Ele “tinha” medo desses inimigos poderosos; mas, em uma revisão calma de todo o assunto, ele chegou à conclusão de que realmente não tinha motivo para temer. As razões para isso ele passa a declarar na parte seguinte do salmo. [Barnes, aguardando revisão]

6 Eles confiam em seus bens, e se orgulham da abundância de suas riquezas.

Comentário Barnes

Eles confiam em seus bens – A primeira razão pela qual não houve causa de alarme é extraída do Salmo 49:6-10 da “impotência” da riqueza, como ilustrado pelo fato de que ela nada pode fazer para salvar a vida ou prevenir a morte . Ele se refere àqueles que os possuem como “confiando” em sua riqueza ou “contando com” isso como a fonte de seu poder.

e se orgulham – se orgulhar; ou se sentem conscientes da segurança e da força porque são ricos. É o “poder” que a riqueza supostamente confere, a que se alude aqui.

da abundância de suas riquezas – A abundância de suas riquezas. [Barnes, aguardando revisão]

7 Mas ninguém pode livrar o seu irmão, nem pagar a Deus o seu resgate,

Comentário Barnes

Mas ninguém pode livrar o seu irmão – Nenhum daqueles que são ricos. Este versículo pode ser traduzido literalmente, “um irmão não pode redimir redimir; um homem não pode dar a Deus seu próprio resgate. ” A passagem, portanto, pode significar, como em nossa versão, que ninguém, por mais rico que seja, pode redimir um irmão – seu próprio irmão – por sua riqueza; ou, que um irmão – aquele que mantém a relação de um irmão – não pode resgatar outro da morte. Sobre a palavra “redimir”, veja Salmo 25:22, nota; Isaías 43:3, nota. Significa aqui que ele não poderia resgatá-lo ou salvá-lo do túmulo; ele não poderia por sua riqueza preservá-lo em vida. Toda a expressão é enfática:”redimindo, ele não pode redimir;” isto é – de acordo com o uso hebraico – ele não pode “possivelmente” fazer isso; isso “não pode” ser feito. Não há aqui nenhuma referência particular aos “meios” a serem empregados, mas apenas uma declaração enfática do fato de que “isso não pode ser feito de forma alguma.” O objetivo é mostrar quão impotente e sem valor é a riqueza em relação às coisas que mais pertencem ao bem-estar de um homem. Pode fazer literalmente “nada” naquilo que afeta mais profundamente o homem e no qual ele mais precisa de ajuda. Não há nenhuma alusão aqui à redenção da alma, ou à grande obra da redenção, como esse termo é comumente entendido; mas é “verdade”, no sentido mais elevado, que se a riqueza não pode “redimir” a vida, ou manter nosso melhor e mais próximo amigo da sepultura, muito menos pode valer naquilo que é muito mais importante, e muito mais difícil, a redenção da alma da ruína eterna. Aqui, também, como na questão de salvar da sepultura, é absolutamente verdade que a riqueza não pode fazer “nada” – literalmente, “nada” – para salvar a alma de seu possuidor, ou para permitir que seu possuidor salve seu melhor amigo . Nada além do sangue da cruz pode valer então; e a riqueza dos mais ricos não pode fazer mais aqui do que a pobreza dos mais pobres.

nem pagar a Deus o seu resgate – Isso seria mais literalmente traduzido, “um homem não pode dar a Deus seu resgate”; isto é, ele não pode, embora na posse da mais ampla riqueza, dar a Deus aquilo que compraria sua própria libertação da sepultura. Sobre a palavra “resgate”, veja como acima, as notas em Isaías 43:3. Compare Mateus 16:26. [Barnes, aguardando revisão]

8 porque a redenção da sua alma é caríssima, e sempre será insuficiente

Comentário Barnes

porque a redenção da sua alma é caríssima – A palavra “alma” aqui significa “vida”, e não a parte imortal. A única questão que o salmista considera aqui é o valor da riqueza em preservar a “vida” ou em salvar o homem da sepultura. A frase, “” sua “alma”, refere-se sem dúvida ao homem e seu irmão, como aludido no versículo anterior. A ideia é que nem o homem rico pode resgatar sua própria vida da sepultura, nem a vida de seu irmão. A riqueza não pode salvar nenhum deles. A palavra “precioso” significa “caro”, “valioso”. A palavra é aplicada 1 Reis 10:2 , 1 Reis 10:10-11 a gemas, e então aos tipos mais caros de pedras empregadas na construção, como mármore e pedras lavradas, 2 Crônicas 3:6 . Compare as notas do Salmo 36:7. A ideia aqui é que o resgate da vida, ou a salvação da sepultura, seria muito “custoso”; estaria além do poder de toda riqueza comprá-lo; nenhuma quantidade de prata ou ouro, ou vestimenta, ou pedras preciosas, poderia “constituir” um “preço” suficiente para garanti-lo.

e sempre será insuficiente – Ou seja, a riqueza para sempre fica aquém do poder necessário para realizar isso. Sempre foi insuficiente; sempre “será”. Não há esperança de que “sempre” seja suficiente; que por qualquer aumento no valor – ou por qualquer mudança nas condições da barganha – propriedades ou riquezas podem valer para isso. A questão toda é perfeitamente “desesperadora” quanto ao poder da riqueza em salvar um ser humano da sepultura. Deve sempre “falhar” em salvar um homem da morte. A palavra traduzida “cessa” – חדל châdal – significa “parar, desistir, falhar”, Gênesis 11:8; Exo 9:34; Is 2:22. Como não há alusão aqui à redenção da “alma” – a parte imortal – esta passagem nada afirma a respeito do fato de que a obra de redenção pelo Salvador foi completada ou terminada, e que uma expiação não pode ser feita novamente, que é verdade; nem ao fato de que, quando a salvação por meio dessa expiação é rejeitada, toda esperança de redenção chega ao fim, o que também é verdade. Mas embora não haja, originalmente, nenhuma referência aqui, a “linguagem” é tal como é “adaptada” para expressar essa ideia. Em um sentido muito mais elevado e importante do que qualquer outro que diga respeito ao poder da riqueza em salvar da sepultura, é verdade que a obra da expiação cessou para sempre quando o Redentor expirou na cruz, e que toda esperança de salvação cessa para sempre quando a expiação for rejeitada, e quando o homem se recusar a ser salvo por seu sangue; nada então pode salvar a alma. Nenhum outro sacrifício será feito, e quando um homem finalmente rejeitou o Salvador, pode-se dizer no sentido mais elevado do termo, que a redenção da alma é muito cara para ser efetuada por qualquer outro meio, e que toda esperança de sua salvação “cessou” para sempre. [Barnes, aguardando revisão]

9 para viver eternamente, e jamais ver a cova.

Comentário Barnes

para viver eternamente – Para que seu irmão a quem ele não poderia redimir – ou que ele mesmo – não morresse, Salmo 49:8 . A ideia é que o preço da vida é tão alto que nenhuma riqueza pode resgatá-la para que um homem não morra.

e jamais ver a cova – Não deve voltar ao pó, nem se desintegrar na sepultura. Veja as notas no Salmo 16:10. [Barnes, aguardando revisão]

10 Pois se vê que os sábios morrem, que o tolo e o bruto igualmente perecem; e deixam suas riquezas a outros.

Comentário Barnes

Pois se vê que os sábios morrem – Ele deve ver isso; ele vê isso. Ele percebe que ninguém pode ser salvo da morte. Acontece da mesma forma – o sábio e o insensato. Nada salva disso. A alusão está aqui especialmente para os “ricos”, sejam “eles” sábios ou tolos e “brutais”. O simples fato, conforme declarado, é que não importa qual seja o caráter do homem rico, seja sábio ou tolo, ele certamente deve morrer. Sua riqueza não pode salvá-lo da sepultura. O próprio possuidor de riqueza “vê” isso. Não pode ser escondido dele.

que o tolo – O homem rico que é um tolo, ou que é destituído de sabedoria. Aquele que é rico e que é sábio – sábio nas coisas desta vida e sábio para a salvação – (ou que é dotado de um alto grau de inteligência e que demonstra sabedoria em relação às questões superiores da existência) – e o homem rico quem é um tolo – (que é indiferente aos seus interesses mais elevados, e que não demonstra nenhuma inteligência especial, embora possua riqueza) – todos, todos morrem da mesma forma.

e o bruto igualmente perecem – O homem rico que é estúpido e obtuso; quem vive como um bruto; quem vive para comer e beber; quem vive para a sensualidade grosseira – “ele” morre tanto quanto aquele que é sábio. A riqueza não pode, em nenhum dos casos, ser salva da morte. Quer esteja relacionado com sabedoria ou tolice – seja cuidadosamente administrado ou gasto abundantemente – se um homem o emprega da maneira mais elevada e nobre em que pode ser devotado, ou na indulgência dos prazeres mais baixos e degradantes – é igualmente impotente para salvar pessoas do túmulo.

e deixam suas riquezas a outros – Tudo passa para outras mãos. “Deve” ser assim deixado. Não pode ser levado por seu possuidor quando ele vai para o mundo eterno. Não só não pode salvá-lo do túmulo, mas ele não pode nem mesmo levá-lo consigo. Todas as suas casas, suas terras, seus títulos de propriedade, sua prata, seu ouro, seus parques, jardins, cavalos, cães – tudo o que ele acumulou com tanto cuidado, e adorou com um afeto tão idólatra, não é nem mesmo seu no sentido de que ele pode levá-lo consigo. O título passa totalmente para outras mãos, e mesmo se ele pudesse voltar à terra novamente, ele não poderia mais reivindicá-lo, pois quando ele morrer, ele deixará de ser seu para sempre. Quão impotente, então, é a riqueza em referência aos grandes propósitos da existência humana! [Barnes, aguardando revisão]

11 Seu pensamento interior é que suas casas serão perpétuas, que suas moradas durarão de geração em geração; dão às terras os seus próprios nomes.

Comentário Barnes

Seu pensamento interior é – Sua expectativa e sentimento secreto é que eles garantiram a permanência de sua riqueza em suas próprias famílias, embora eles próprios possam morrer. O pensamento essencial neste versículo é que as pessoas ricas mencionadas nos versos anteriores imaginam que suas posses serão perpetuadas em suas próprias famílias. A palavra traduzida como “pensamento interior” – קרב qereb – significa propriamente “o meio, o meio, a parte interna”; e, portanto, passa a significar o coração, ou a mente, como a sede do pensamento e da afeição:Salmo 5:9 ; Salmo 64:6. Significa aqui, sua esperança, seu cálculo, sua expectativa secreta; e todo o versículo visa mostrar o valor ou importância que eles atribuem à riqueza como sendo, em sua compreensão, adequada para edificar suas famílias para sempre.

é que suas casas serão perpétuas – Ou as moradias que eles construíram, ou – mais provavelmente – suas famílias.

que suas moradas durarão de geração em geração – Margem, como em hebraico, “para geração e geração”. Ou seja, para sempre. Eles esperam que seus bens permaneçam para sempre na família e sejam transmitidos de uma geração para outra.

dão às terras os seus próprios nomes – Eles dão seus próprios nomes às fazendas ou terrenos de sua propriedade, na esperança de que, embora devam morrer, seus “nomes” possam ser passados ​​para tempos futuros. Essa prática, que não é incomum no mundo, mostra o quão intenso é o desejo das pessoas de não serem esquecidas; e ao mesmo tempo ilustra o pensamento principal do salmo – a importância atribuída à riqueza por seu possuidor, como se ela pudesse levar seu “nome” para tempos futuros, quando ele terá falecido. A esse respeito, também, a riqueza é comumente tão impotente quanto para salvar seu possuidor da sepultura. Não é muito longe no futuro que a mera riqueza pode levar o nome de um homem depois que ele morrer. terras e cortiços passam para outras mãos, e o futuro proprietário logo deixa de se preocupar com o “nome” do antigo ocupante, e o mundo não se importa com isso. Um homem deve ter alguma outra reivindicação para ser lembrado além do mero fato de ter sido rico, ou ele logo será esquecido. Compare as notas em Isaías 22:15-19. [Barnes, aguardando revisão]

12 Mas o ser humano, ainda que em honra, não dura para sempre; semelhante é aos animais, que perecem.

Comentário Barnes

Mas o ser humano, ainda que em honra, não dura para sempre – Não importa a que posição ele possa subir, não importa quanta riqueza ele possa acumular, não importa o quão fixo e seguro ele possa parecer fazer suas posses, ele não pode torná-las permanentes e duradouras. Ele deve morrer e deixar tudo isso para os outros. A palavra traduzida por “permanece” – ילין yālı̂yn – significa passar a noite propriamente; para permanecer durante a noite; hospedar-se, como se faz por uma noite; e a ideia é que ele não deve se alojar ou permanecer permanentemente nessa condição; ou, mais estritamente, ele não se hospedará lá nem por uma noite; isto é, ele logo falecerá. É possível que o Salvador estivesse de olho nesta passagem na parábola do rico tolo, e especialmente na declaração:”Esta noite a tua alma será exigida de ti”, Lucas 12:20 .

semelhante é aos animais, que perecem – Ele é como os animais; eles perecem. Isso não significa que em todos os aspectos ele seja como eles, mas apenas nesse aspecto, que deve morrer como eles; que ele não pode por sua riqueza tornar-se imortal. Ele deve morrer como se fosse um animal da criação inferior e não tivesse o poder de acumular riquezas ou de fazer planos que se estendam pelo futuro. O esquilo e o castor – animais que “acumulam” algo, ou que, como as pessoas, têm o poder de “acumular”, morrem como os demais animais. Portanto, o “homem” rico. Sua inteligência, suas grandes esperanças, seus planos de longo alcance não fazem diferença entre ele e seus semelhantes e o bruto no que diz respeito à morte. Todos eles morrem da mesma forma. [Barnes, aguardando revisão]

13 Este é o caminho dos tolos e dos seus seguidores, que se agradam de suas palavras. (Selá)

Comentário Barnes

Este é o caminho dos tolos – Isto pode ser traduzido, “Este é o seu caminho ou curso de vida. É a loucura deles; ” ou, tal é sua loucura. Sobre a palavra “caminho”, veja as notas no Salmo 1:6. A idéia é que é loucura para um homem nutrir essas esperanças; sentir que a riqueza é tão importante; imaginar que pode livrar da sepultura; supor que ele pode perpetuar seu próprio nome e assegurar suas posses em sua própria família na terra. No entanto, o mundo ainda está cheio de pessoas tão tolas quanto as da época do salmista; pessoas que não serão advertidas pelas sugestões da razão, ou pela experiência de 6.000 anos no passado. Isso é algo em que o mundo não faz progresso – em que nada aprende com a experiência do passado; e como o castor sob a influência do instinto constrói sua casa e sua casa agora da mesma maneira que o primeiro castor fez a sua, e como os brutos todos agem da mesma maneira de geração em geração, não acumulando conhecimento e não fazendo avanços da experiência do passado, o mesmo acontece com as pessoas em seu desejo de enriquecer. Em outros pontos, o mundo acumula conhecimento e lucra com a experiência, acumulando as lições ensinadas por experimentos e observações anteriores, tornando-se assim mais sábio em todos os outros aspectos; mas com respeito ao desejo de riqueza, ele não faz nenhum progresso, não ganha conhecimento, não tira vantagem das gerações de tolos que viveram e morreram em eras passadas. Eles agora se envolvem na busca de ouro com o mesmo zelo e a mesma expectativa e esperança que foram evidenciadas nas primeiras eras do mundo, e “como se” suas próprias habilidades e sabedoria superiores pudessem anular todas as lições ensinadas por o passado.

e dos seus seguidores – A próxima geração é tão confiante e tola quanto a que veio antes.

que se agradam de suas palavras – Margem, “deleite-se na boca deles”. Ou seja, eles se deleitam ou têm prazer com o que sai de sua boca; no que eles dizem; em suas visões das coisas. Eles adotam “seus” princípios e agem de acordo com “suas” máximas; e, atribuindo à riqueza a mesma importância que “eles” buscavam, “eles” procuravam perpetuar seus nomes na terra. [Barnes, aguardando revisão]

14 São como ovelhas levados ao Sheol; a morte se alimentará deles. Os corretos os dominarão pela manhã, e sua beleza será consumida no Sheol, longe de sua morada.

Comentário Barnes

São como ovelhas levados ao Sheol – A alusão aqui é para um rebanho como “conduzido” pelo pastor; e o significado é que eles são conduzidos à sepultura, por assim dizer, em rebanhos, ou como um rebanho de ovelhas é conduzido por um pastor. A palavra traduzida “são colocados” – שׁתוּ śatû – provavelmente não é derivada do verbo שׁות śûth, ou שׁית śı̂yth, como nossos tradutores parecem ter suposto, mas de שׁתת śâthath, definir ou colocar; e o significado é:”Como ovelhas, eles os colocam no Sheol ou na sepultura”; isto é, eles os empurram ou os conduzem até lá. Em outras palavras, isso é “feito”, sem avisar por quem foi feito. Eles são incentivados a seguir em frente; eles são conduzidos ao túmulo como um rebanho de ovelhas é conduzido para o matadouro. Alguma influência ou poder os está pressionando em massa até a sepultura. A palavra traduzida como “túmulo” é “Sheol”. Às vezes é usado no sentido de sepultura, e às vezes como se referindo à morada dos espíritos que partiram. VerJó 10:21-22 , nota; Salmo 6:5 , nota. Parece aqui ser usado no primeiro sentido.

a morte se alimentará deles – A palavra traduzida como “alimentar” aqui – רעה râ‛âh – significa alimentar um rebanho apropriadamente; para pastar; então, para exercer o ofício de pastor. A ideia aqui não é, como em nossa tradução, “a morte se alimentará deles”; mas, a morte governará sobre eles como o pastor governa seu rebanho. A alusão ao “rebanho” sugeria isso. Eles são conduzidos à sepultura ou ao Sheol. O pastor, o governante, aquele que faz isso, é “morte”; e a ideia não é que a morte seja um monstro faminto, devorando-os “na” sepultura, mas que o pastor desse “rebanho”, em vez de ser um amigo e protetor gentil e gentil (como a palavra “pastor” naturalmente sugere) , é “morte” – um governante temeroso e severo dos que partiram. A ideia, portanto, não é a de “alimentar,

Os corretos – o justo; o correto. O significado desta parte do versículo, sem dúvida, é que o justo ou piedoso teria algum tipo de ascendência ou superioridade sobre eles no período aqui referido como a “manhã”.

os dominarão – ou melhor, como DeWette descreve, “triunfará” sobre eles. Ou seja, será exaltado sobre eles; ou terá um lote mais favorecido. Embora deprimidos agora, e embora esmagados pelos ricos, ainda assim eles terão uma posição mais exaltada e uma honra mais elevada do que aqueles que, embora uma vez ricos, são colocados na tumba como o domínio da morte.

pela manhã – ou seja, muito em breve; amanhã; quando amanhece após a escuridão do presente. Veja as notas no Salmo 30:5. Chegará um tempo – um tempo mais brilhante – quando a condição relativa das duas classes será mudada, e quando os retos – os piedosos – embora pobres e oprimidos agora, serão exaltados a honras mais elevadas do que “eles” serão. Não há nenhuma evidência certa de que isso se refere à “manhã” da ressurreição; mas é a linguagem que expressa bem a ideia quando conectada com aquela doutrina, e que pode ser melhor explicada na suposição de que essa doutrina foi mencionada, e que a esperança de tal ressurreição foi nutrida pelo escritor. Na verdade, quando lembramos que o salmista se refere expressamente ao “túmulo” em relação aos ricos, é difícil explicar a linguagem em qualquer outra suposição além de que ele se refere aqui à ressurreição – certamente não tão bem como nesta suposição – e especialmente quando é lembrado que a morte não faz distinção no corte de pessoas, sejam elas justas ou iníquas. Ambos são colocados na sepultura da mesma forma, e “qualquer” perspectiva de distinção ou triunfo no caso deve ser derivada de cenas além da sepultura. Este versículo, portanto, pode pertencer à classe de passagens do Antigo Testamento que se baseiam na crença da ressurreição dos mortos, sem sempre afirmá-la expressamente, e que são melhor explicadas na suposição de que os escritores do Antigo Testamento foram familiarizado com essa doutrina, e extraiu suas esperanças, bem como suas ilustrações. Compare Dan 12:2; Is 26:19; Salmos 16:9-10.

e sua beleza – Margem, “força”. A palavra hebraica significa “forma, formato, imagem”; e a ideia aqui é que sua forma ou figura será alterada, ou desaparecerá, a saber, consumindo-se. A ideia de “beleza” ou “força” não está necessariamente na passagem, mas o significado é que a forma ou figura tão familiar entre as pessoas será dissolvida e desaparecerá na sepultura.

será consumida no Sheol – hebraico, “no Sheol.” A palavra provavelmente significa aqui “o túmulo”. A palavra original traduzida por “consumir” significa literalmente envelhecer; se desgastar; para definhar. Toda a forma do homem desaparecerá.

longe de sua morada – Margem, “o túmulo sendo uma habitação para cada um deles.” Septuaginta, “e sua ajuda envelhecerá na sepultura de sua glória.” Portanto, a Vulgata Latina. Toda a expressão é obscura. O significado mais provável é, “eles consumirão na sepultura”, de ser uma habitação para ele; “” isto é, para cada um deles. Sheol, ou a sepultura, torna-se uma morada para o homem rico, e naquela morada sombria – aquela que agora é sua morada – ele se consome. Pertence a essa habitação, ou é uma das condições de aí residir, que tudo se consome e desaparece. Outros traduzem, “de modo que não haja habitação ou habitação para eles.” Outros, e esta é a interpretação mais comum, “sua forma passa, o mundo subterrâneo é sua habitação”. Veja DeWette in loc. Esta última renderização requer uma ligeira mudança na pontuação do original. DeWette, Note, p. 339. A idéia “geral” da passagem é clara, que os possuidores de riqueza logo encontrarão seu lar na sepultura, e que suas formas, com tudo o que lhes dá valor, logo desaparecerão. [Barnes, aguardando revisão]

15 Mas Deus resgatará a minha alma da violência do mundo dos mortos, pois ele me tomará consigo. (Selá)

Comentário Barnes

Mas Deus resgatará a minha alma da violência do mundo dos mortos – literalmente, “das mãos do Seol”; isto é, do domínio da morte. A mão é um emblema de poder, e aqui significa que a morte ou Sheol detém o domínio sobre todos aqueles que estão na sepultura. O controle é absoluto e ilimitado. O túmulo ou Sheol é aqui personificado como se reinasse ali, ou estabelecesse um império ali. Compare as notas em Isaías 14:9 . Sobre a palavra “redimir”, veja as referências nas notas do Salmo 49:7 .

pois ele me tomará consigo – literalmente, “ele me levará”. Ou seja, Ele me tirará do túmulo; ou, Ele vai me levar “para” si mesmo. A idéia geral é que Deus o tomaria e o salvaria do domínio da sepultura; daquele poder que a morte exerce sobre os mortos. Isso significaria que ele seria preservado de descer à sepultura e retornar à corrupção ali; ou, que doravante ele seria resgatado do poder da sepultura em um sentido que não se aplicaria em relação ao homem rico. O primeiro evidentemente não pode ser a idéia, visto que o salmista não tinha esperança de escapar da morte; ainda assim, pode haver uma esperança de que o domínio da morte não seria permanente e duradouro, ou que haveria uma vida futura, uma ressurreição da sepultura. Parece-me, portanto, que esta passagem,Salmo 49:14 , “pela manhã”, e as passagens mencionadas nas notas desse versículo, baseia-se na crença de que a morte não é o fim de um homem bom, mas que ele ressuscitará e viverá em uma estado superior e melhor. Foi essa consideração que deu tanto conforto ao salmista ao contemplar todo o assunto; e a idéia, assim ilustrada, é substancialmente a mesma declarada pelo Salvador em Mateus 10:28 :”Não temas os que matam o corpo, mas não podem matar a alma”. [Barnes, aguardando revisão]

16 Não temas quando um homem enriquece, quando a glória de sua casa se engrandece.

Comentário Barnes

Não temas quando um homem enriquece – Não tema o poder derivado da riqueza; não tema nada que um homem possa fazer simplesmente porque é rico. O original é “quando um“ homem ”se torna rico”. A alusão não é necessariamente a um homem mau, embora isso esteja implícito em toda a passagem, uma vez que não há razão para temer um homem “bom”, seja ele rico ou pobre. A única coisa que parece ter sido apreendida na mente do salmista foi o poder de prejudicar os outros, ou de empregar meios para prejudicar os outros, que a riqueza confere a um homem mau. O salmista aqui muda a forma da expressão, não mais se referindo a si mesmo e aos seus próprios sentimentos, como na primeira parte do salmo, mas fazendo uma aplicação de todo o curso do pensamento aos outros, mostrando-os como resultado de sua própria reflexão e observação, que nenhum homem teve qualquer motivo real para temor e alarme quando as riquezas aumentaram nas mãos dos ímpios. As razões pelas quais esse poder não deve ser temido são declaradas nos versos a seguir.

quando a glória de sua casa se engrandece – Pessoas ricas freqüentemente esbanjam grande parte de sua riqueza em suas casas; na própria habitação; nos móveis; com base nos fundamentos e apêndices de sua habitação. Isso é evidentemente referido aqui como “a” glória “de sua casa”; como aquilo que seria adaptado para impressionar o poder e a posição de seu possuidor. [Barnes, aguardando revisão]

17 Pois ele, quando morrer, nada levará; nem sua glória o seguirá abaixo.

Comentário Barnes

Pois ele, quando morrer – Ele deve morrer. Sua riqueza não pode salvá-lo do túmulo. Sempre se deve “presumir” das pessoas ricas, como de todos os outros homens, que elas “terão” de morrer. O ponto não deve ser discutido; nenhum sobre o qual possa haver qualquer dúvida. De todas as pessoas, seja o que for que se diga delas, pode-se sempre afirmar que devem morrer, e importantes inferências podem ser sempre tiradas desse fato.

nada levará – Não é improvável que o apóstolo Paulo tivesse essa passagem em seus olhos no que diz em 1 Timóteo 6:7 , “Porque nada trouxemos a este mundo, e é certo que nada podemos levar a cabo . ” Veja as notas dessa passagem. Compare Jó 27:16-19 .

nem sua glória o seguirá abaixo – Sua riqueza, e aquelas coisas que foram adquiridas pela riqueza, como indicando posição e posição, não podem acompanhá-lo ao outro mundo. Diz-se que isso mostra que ele não deve ser “temido” por causa de sua riqueza. O argumento é que tudo o que existe na riqueza que pareça dar poder e permitir os meios de causar danos deve logo ser separado dele. Com respeito à riqueza e a todo o poder derivado da riqueza, ele será como o mais pobre e pobre dos mortais. Tudo o que ele possui passará para outras mãos, e seja para o bem ou para o mal, não estará mais em seu poder usá-lo. Como isso “deve” ocorrer logo – já que “pode” ocorrer em um momento – não há razão para “temer” tal homem, ou supor que ele pode causar dano permanente por qualquer poder derivado da riqueza. Compare as notas emIsaías 14:6-7 , notas em Isaías 14:10-11. [Barnes, aguardando revisão]

18 Ainda que, em vida, tenha pronunciado a si mesmo a bênção “Louvam-te ao fazeres o bem a ti”,

Comentário Barnes

Ainda que, em vida – Margin, como em hebraico, “em sua vida.” Mais literalmente, “em suas vidas”. A ideia é, enquanto ele viveu.

tenha pronunciado a si mesmo a bênção – isto é, ele abençoou a si mesmo; ele se parabenizou; ele considerava sua condição como desejável e invejável. Ele “assumiu ares” sobre si mesmo; ele sentiu que o seu era muito feliz; ele esperava e exigia respeito e honra dos outros por causa de sua riqueza. Ele elogiou a si mesmo por ter demonstrado sagacidade nos meios pelos quais adquiriu riqueza – conferindo assim honra a si mesmo; e felicitou-se pelo resultado, por colocá-lo em uma condição acima da carência e em uma condição que lhe conferia honra. Uma ilustração impressionante desse sentimento é encontrada na parábola do rico insensato, Lucas 12:19 :”E direi à minha alma:Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe, e seja feliz. “

tenha pronunciado a si mesmo a bênção – Bem, em referência ao sucesso na vida, ou no sentido de que você prosperou. Sua indústria, sua sagacidade, sua prosperidade serão o tema de elogios. Até certo ponto, quando isso não leva à lisonja e orgulho de si mesmo, é apropriado e correto. As virtudes que normalmente contribuem para a prosperidade “são” dignas de elogio e devem ser apresentadas ao exemplo dos jovens. Mas o que é mau e errado no assunto aqui referido é que o elogio que o homem faz de si mesmo, e o elogio dos outros, tudo tende a fomentar um espírito de orgulho e autoconfiança; para tornar a alma fácil e satisfeita com a condição; para produzir a sensação de que tudo o que precisa ser ganho foi ganho; para tornar o possuidor de riquezas arrogante e altivo; e levá-lo a negligenciar os interesses superiores da alma.

Louvam-te ao fazeres o bem a ti – Outros vão te louvar. Ele não apenas se abençoou ou elogiou, mas também esperava que outros o elogiassem e parabenizassem. Eles o considerariam um homem feliz; feliz, porque ele foi bem sucedido; feliz, porque havia acumulado aquilo que era objeto de desejo tão universal entre as pessoas. O sucesso, embora fundamentado naquilo que não merece elogio, e que é mesmo o resultado de conduta sem princípios, muitas vezes garante o elogio temporário dos homens, enquanto a falta de sucesso, embora conectada com a virtude mais estrita e severa, muitas vezes é seguida por negligência, ou mesmo considerada como prova de que aquele que falha não tem direito à honra. [Barnes, aguardando revisão]

19 ele, porém, se juntará à geração de seus pais; nunca mais verão a luz.

Comentário Barnes

ele, porém, se juntará à geração de seus pais – Para ser reunido ao seu próprio povo, ou aos seus pais, é uma expressão comum no Antigo Testamento ao falar da morte. Veja Gênesis 25:8 , Gênesis 25:17 ; Gênesis 35:29 ; Gênesis 49:29 , Gênesis 49:33 , Números 20:24 , Números 20:26 ; Números 27:13 ; Números 31:2 ; Deuteronômio 32:50 ; Juízes 2:10 . Isso significa que eles foram unidos novamente com aqueles que partiram antes deles, nas regiões dos mortos. A morte realmente os separou, mas pela morte eles foram novamente unidos.

nunca mais verão a luz – Ele e a “geração” para a qual ele foi se unir não mais veriam a luz deste mundo; não mais andar entre os vivos:Jó 33:30 . Compare as notas em Isaías 38:11 ; notas no Salmo 27:13 . O significado é que o pecador rico morrerá como outros morreram antes dele, deixando todos os seus bens terrenos, e não terá mais permissão para revisitar o mundo onde seus bens abandonados estão, e nem mesmo terá permissão para “olhar” o que antes tinha sido para ele uma fonte de autoconfiança, autogratificação e orgulho. [Barnes, aguardando revisão]

20 O homem em posição de honra que não tem entendimento é semelhante aos animais, que perecem.

Comentário Barnes

O homem em posição de honra – Homem que possui riqueza, ou que ocupa uma posição elevada. Veja as notas no Salmo 49:12.

que não tem entendimento – Ou seja, quem não tem apreciação adequada do que é ser um homem; de qual é sua verdadeira posição “como” homem; de suas relações com Deus; de sua condição de ser imortal – homem que se valoriza apenas pelo fato de ser rico; que vive apenas para este mundo; que considera uma distinção suficiente que ele “é” rico; que degrada sua natureza mais nobre no mero gozo dos prazeres dos sentidos – é como os animais – não está de forma alguma elevado acima deles.

é semelhante aos animais, que perecem – Eles vivem apenas para esta vida. Eles não têm natureza superior à que pertence aos sentidos e vivem de acordo com isso. O homem que, embora de posição elevada, vive apenas para esta vida, aqui se assemelha a eles. Veja as notas no Salmo 49:12. Ai de mim! que multidões existem que assim vivem – cujo único objetivo é garantir a riqueza e as honras desta vida – que não têm mais pensamento sobre um estado futuro, e que não fazem mais planos em relação a um mundo futuro, do que os brutos ! Para muitos existem em posições elevadas, que estão rodeados por tudo o que a riqueza pode oferecer, mas não admitem mais o pensamento de um mundo futuro em suas esperanças e planos do que se eles não tivessem outro dote além do camelo ou do boi, e de quem a conduta a esse respeito não seria mudada se todos os dotes superiores que constituem a natureza do homem fossem retirados, e eles fossem imediatamente reduzidos à condição de um bruto. Embora, portanto, o objetivo principal deste salmo seja mostrar que a riqueza não confere nenhum “poder” que deva ser temido – que seu possuidor, embora perverso, não pode nos prejudicar permanentemente, já que logo deve morrer – o curso de o pensamento ao mesmo tempo nos ensina que não devemos “desejar” a riqueza como nossa porção; que não devemos viver para isso, como o objetivo principal da vida. O possuidor da fortuna mais ampla será em breve enterrado. Tudo o que ele adquiriu passará para outras mãos e não será mais dele. Mas ele “tem” uma natureza superior. Ele “pode” viver de uma maneira diferente do bruto que perece. Ele “pode” agir com referência a um estado de existência superior – um eterno; e, quando ele morrer, ele “pode” deixar sua herança terrena, seja grande ou pequena, apenas para entrar em uma herança que será permanente e eterna. “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” Marcos 8:36. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 48 Salmo 50>

Introdução ao Salmo 49

O título do Salmo 49 é essencialmente o mesmo que o título dos Salmos 42; 44; 45; 46; 47. Sobre o significado dos termos que ocorrem no título, consulte as notas no título do Salmo 42.

O “autor” do salmo é desconhecido. Não há evidência de que foi composto por Davi; e, de fato, presume-se que ele não foi o autor, já que seu nome não vem prefixado.

Obviamente, é impossível determinar a “ocasião” em que foi composto. Parece, a partir do próprio salmo, que foi escrito em vista de algum mal ou injustiça que o autor estava sofrendo de ricos opressores, e que ele buscou consolo em suas provações a partir das reflexões que faz no salmo – a saber, do fato de que a riqueza não constitui segurança – que não dá permanência aos projetos de seus donos e que realmente não possui “poder” na execução dos planos daqueles que abusam dele para fins de opressão e injustiça. O homem rico, não importa quão grandes sejam suas posses, não pode resgatar um irmão da sepultura; ele não pode salvar-se da tumba; ele não pode tornar suas posses permanentes em sua família; ele não pode levar suas riquezas consigo quando morrer. Portanto, não há realmente nada a “temer” do homem rico, pois tudo o que esse homem pode fazer deve ser temporário. Os interesses superiores da alma não podem ser afetados permanentemente por algo tão incerto e transitório como as riquezas. Não é improvável que esta linha de pensamento tenha sido sugerida por uma ocorrência real na vida do salmista, seja ele quem for; mas as reflexões são de importância universal em relação às riquezas consideradas como um meio de poder, e ao seu real valor.

O conteúdo do salmo é o seguinte:

I. Uma introdução, chamando a atenção para o assunto geral como digno da consideração de todas as classes de pessoas […]; como transmitir lições de sabedoria; e como sendo o resultado de muita reflexão (Salmo 49:1-4).

II. O assunto principal do salmo, ou o ponto a ser ilustrado; a saber, “que os justos não têm razão para temer quando ricos opressores os cercam; ou quando os ricos os oprimem e injustiçam” (Salmo 49:5).

III. Razões para isso; ou, razões pelas quais aqueles que possuem riqueza, e que se gloriam na auto-importância derivada da riqueza, não devem ser temidos (Salmo 49:6-20).

(1) ninguém pode por suas riquezas salvar outro – nem mesmo seu próprio irmão – da sepultura, pois todos (qualquer que seja sua condição) devem morrer, e deixar suas riquezas para outros (Salmo 49:6-10).

(2) eles não podem, por qualquer sabedoria ou habilidade, tornar suas posses “permanentes” ou seguras, (Salmo 49:11-12).

(3) eles não aprenderão sabedoria neste assunto com a experiência do passado, mas a geração vindoura é tão tola quanto a anterior (Salmo 49:13).

(4) todos devem descer à sepultura, por mais ricos que sejam (Salmo 49:14).

(5) há uma esperança melhor para o justo, e embora ele desça à sepultura, ele viverá depois (Salmo 49:15).

(6) os ricos não podem carregar nenhuma de suas riquezas consigo quando vão para o túmulo. Todos devem ser deixados para trás e passar para as mãos de outros (Salmo 49:16-20). [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.