Mateus 13

Jesus ensina através de parábolas

1 Naquele dia, Jesus saiu de casa e se sentou junto ao mar.

Comentário Cambridge

sentou] A posição usual de um professor judeu.

junto ao mar] Na extremidade Norte do Lago de Genesaré existem pequenos riachos ou enseadas “onde o navio poderia navegar em segurança a apenas alguns metros da costa, e onde as multidões sentadas em ambos os lados e antes do barco poderiam escute sem distração ou fadiga. Como se propositalmente fornecesse assentos, a costa de ambos os lados dessas estreitas enseadas está repleta de pedras lisas de basalto” (Thomson). [Cambridge, aguardando revisão]

2 E ajuntaram-se perto dele tantas multidões, de maneira que ele entrou num barco e se sentou; e toda a multidão ficou na praia,

Comentário de David Brown

e se sentou; e toda a multidão ficou na praia – Como esta descrição é visual! – sem dúvida da pena de uma testemunha ocular, ele mesmo impressionado com a cena. Foi “o mesmo dia” no qual o discurso anterior foi feito, quando Seus parentes O consideraram “fora de si” por Sua indiferença à comida e repouso – naquele mesmo dia, retirando-se para a praia da Galileia; e sentando-se ali mesmo, talvez para se refrescar e descansar, as multidões se reúnem novamente ao redor Dele, e ele deseja se afastar delas, no barco normalmente mantido em prontidão para Ele; mas apenas para começar, sem esperar pelo repouso, uma nova sequência de ensino por parábolas para as multidões ansiosas que se alinhavam na praia. Às parábolas de nosso Senhor, não há nada em toda a linguagem para comparar, por simplicidade, graça, plenitude e variedade de ensinamentos espirituais. Elas são adaptadas a todas as classes e estágios de progresso, sendo compreendidas por cada um de acordo com a medida de sua capacidade espiritual. [JFB]

3 E ele lhes falou muitas coisas por parábolas. Ele disse:Eis que o semeador saiu a semear.

Comentário de David Brown

ele lhes falou muitas coisas por parábolas. SETE parábolas; e não é de se estranhar que, embora este seja o número sagrado, as primeiras QUATRO delas foram faladas à multidão, enquanto as TRÊS restantes foram faladas aos Doze em particular – essas divisões, quatro e três, são elas próprias notáveis na aritmética simbólica das Escrituras. Outra coisa notável na estrutura dessas parábolas é que enquanto a primeira das Sete – a do Semeador – é da natureza de uma Introdução ao todo, as Seis restantes consistem em três pares – a Segunda e a Sétima, a Terceira e Quarta, e a Quinta e Sexta, correspondendo uma a outra; cada par apresentando as mesmas verdades gerais, mas com aspectos diferentes. Tudo isso dificilmente pode ser acidental. [JFB]

Comentário Cambridge

por parábolas. Até este momento Jesus havia pregado o arrependimento, proclamando o reino e apresentando as leis do mesmo em termos diretos. Ele agora indica por parábolas a recepção, o crescimento, as características e o futuro do reino. A razão desta forma de ensino é dada abaixo (Mateus 13,10-15).

Uma parábola (Hebr. mashal) = “uma semelhança” ou “comparação”. As parábolas diferem das fábulas por serem imagens de possíveis ocorrências – frequentemente de ocorrências diárias reais,- e por ensinarem verdades religiosas em vez de verdades morais. [Cambridge]

O semeador

4 E enquanto semeava, caiu parte das sementes junto ao caminho, e vieram as aves e a comeram.

Comentário de David Brown

Esta parábola pode ser intitulada “O EFEITO DA PALAVRA DEPENDE DO ESTADO DO CORAÇÃO”. [JFB]

5 E outra parte caiu entre pedras, onde não havia muita terra, e logo nasceu, porque não tinha terra funda.

Comentário Cambridge

entre pedras] Locais onde a rocha subjacente mal estava coberta com terra. O sol quente batendo no solo fino e aquecendo a rocha abaixo faria com que o grão brotasse rapidamente e depois secasse com a mesma rapidez.  [Cambridge, aguardando revisão]

6 Mas quando o sol surgiu, queimou-se; e por não ter raiz, secou-se.

Comentário Ellicott

por não ter raiz. Ou, como em Lucas 8:6, “porque lhes faltava umidade”. O crescimento tinha sido rápido demais e a presença da rocha subjacente tornou o calor mais intenso e privou a planta de condições de resistência. [Ellicott, aguardando revisão]

7 E outra parte caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e a sufocaram.

Comentário Barnes

entre espinhos. Ou seja, em uma parte do campo onde os espinhos e arbustos foram removidos de maneira imperfeita e não destruídos. Eles cresceram com o grão, aglomeraram-no, sombreiam-no, exauriram a terra e, assim, a sufocaram. [Barnes, aguardando revisão]

8 E outra parte caiu em boa terra, e rendeu fruto:um a cem, outro a sessenta, e outro a trinta.

Comentário Cambridge

Os diferentes tipos de fertilidade podem ser atribuídos a diferentes tipos de grãos; a cevada rende mais do que o trigo, e “o milho branco semeado na vizinhança rende muitas vezes centenas de vezes”. [Cambridge, aguardando revisão]

9 Quem tem ouvidos, ouça.

Comentário Barnes

Esta é uma expressão proverbial, o que implica que era dever de todo homem prestar atenção ao que foi falado, Mateus 11:15. [Barnes, aguardando revisão]

10 Então os discípulos se aproximaram, e lhe perguntaram:Por que falas a eles por parábolas?

Comentário de David Brown

Então os discípulos se aproximaram, e lhe perguntaram — “os que estavam com ele, quando estavam a sós” (Marcos 4:10).

Por que falas a eles por parábolas? — Embora antes disso Ele tivesse formulado algumas coisas na forma parabólica, para uma ilustração mais vívida, parece que Ele agora, pela primeira vez, empregou formalmente este método de ensino. [JFB]

11 E ele respondeu:Porque a vós é dado saber os mistérios do Reino dos céus, mas a eles não é dado.

Comentário de David Brown

E ele respondeu:Porque a vós é dado saber os mistérios do Reino dos céus – A palavra “mistérios” nas Escrituras não é usada no seu sentido clássico – de segredos religiosos, nem ainda de coisas incompreensíveis, ou em sua própria natureza difícil de ser entendida – mas no sentido de coisas de revelação puramente divina e, geralmente, coisas obscuramente anunciadas sob a antiga dispensação, e durante todo esse período obscuramente compreendida, mas totalmente anunciada sob o Evangelho (1Coríntios 2:6-10; Efésios 3:3-6,8-9). “Os mistérios do reino dos céus”, então, significam aquelas gloriosas verdades do Evangelho que, naquela época, somente os discípulos mais avançados podiam apreciar, e apenas parcialmente.

mas a eles não é dado – (Veja em Mateus 11:25). As parábolas servem ao duplo propósito de revelar e ocultar; apresentando “os mistérios do reino” àqueles que os conhecem e apreciam, embora em grau tão pequeno, numa luz nova e atraente; mas para aqueles que são insensíveis às coisas espirituais, produzindo apenas, como tantas histórias, algum entretenimento temporário. [JFB]

12 Pois a quem tem, lhe será dado, e terá em abundância; mas a quem não tem, até aquilo que tem lhe será tirado.

Isso significa que aqueles que tivessem corações atentos e dispostos e realmente desejavam conhecer a vontade de Deus poderiam conhecer mais o reino dos céus e, assim, serem ricamente recompensados; mas aqueles que não tivessem tais características considerariam as parábolas como meros enigmas e perderiam a oportunidade de conhecer o Senhor. [Coffman, 1983]

13 Por isso falo a eles por parábolas; porque vendo, não veem; e ouvindo, não ouvem, nem entendem.

Comentário de David Brown

Por isso falo a eles por parábolas – que nosso Senhor, observa-se, não começou a fazer até que Seus milagres fossem malignamente atribuídos a Satanás.

porque vendo, não veem – Eles “viram”, pois a luz brilhou neles como nunca a luz brilhou antes; mas eles “não viram”, pois fecharam os olhos.

e ouvindo, não ouvem, nem entendem – Eles “ouviram”, porque Ele ensinou-lhes como “nunca homem algum falou”; mas eles “não ouviram”, pois não aceitaram nada, não apreendendo as palavras vivificantes e penetrantes que lhes eram dirigidas. Nos Evangelhos de Marcos e Lucas (Marcos 4:12; Lucas 8:10), o que é aqui expresso como um fato humano é representado como o cumprimento de um propósito divino – “para que, vendo, vejam e não percebam”, etc. A explicação disso está na afirmação do verso precedente (12) – que, por uma lei fixa da administração divina, o dever que os homens voluntariamente se recusam a fazer, e de fato não fazem, eles finalmente se tornam moralmente incapazes de fazer. [JFB]

14 Assim neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz:De fato ouvireis, mas não entendereis; De fato vereis, mas não percebereis.

Comentário de David Brown

a profecia de Isaías, que diz – (Isaías 6:9-10 – aqui citada de acordo com a Septuaginta).

e fato ouvireis, mas não entendereis… – Eles foram judicialmente selados sob a escuridão e a obstinação que eles deliberadamente preferiram à luz e cura que Jesus trouxe para eles. [JFB]

15 Porque o coração deste povo está insensível; Com seus ouvidos dificilmente ouvem, e seus olhos fecharam; a fim de não haver que seus olhos vejam, seus ouvidos ouçam, Seus corações entendam, e se arrependam, E eu os cure.

Comentário de David Brown

Eles foram, assim, judicialmente selados sob a escuridão e obstinação que deliberadamente preferiram à luz e cura que Jesus trouxe para perto deles. [JFU, aguardando revisão]

16 Mas benditos são os vossos olhos, porque veem; e os vossos ouvidos, porque ouvem.

Comentário de David Brown

Isto é, “feliz vós, cujos olhos e ouvidos, voluntariamente e alegremente abertos, estão bebendo na luz divina”. [JFB]

17 Pois em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vós vedes, mas não viram; e desejaram ouvir o que vós ouvis, mas não ouviram.

Comentário de David Brown

Os discípulos não foram apenas mais abençoados do os que se fizeram de cegos, mas, também favorecidos acima dos mais honrados e melhores que viviam sob a antiga dispensação, que tinham apenas vislumbres das coisas do novo reino, apenas o suficiente para acender neles desejos de não foram cumpridos em seus dias. Em Lucas 10:23,24, onde a mesma palavra é repetida no retorno dos Setenta – as palavras, em vez de “muitos profetas e justos”, são “muitos profetas e reis”; porque vários dos santos do Antigo Testamento eram reis. [JFB]

18 Portanto, ouvi vós a parábola do semeador:

Comentário Whedon

Era importante para os discípulos e para nós, que a primeira e algumas outras parábolas fossem explicadas, a fim de fornecer a chave, não só para eles, mas para outras parábolas.

A parábola do semeador divide os ouvintes do Evangelho em quatro classes. 1. O mero ouvinte, que ouve, mas não recebe. 2. O ouvinte superficial, cujas emoções são tocadas superficialmente, mas cujo coração ainda está duro. 3. O ouvinte cujo coração está totalmente correto, mas foi finalmente conquistado pela tentação externa. 4. O perseverante e fecundo receptor da palavra. Das quatro classes, infelizmente! apenas um pode ser salvo. [Whedon, aguardando revisão]

19 Quando alguém ouve a palavra do Reino e não a entende, o maligno vem e arranca o que foi semeado em seu coração; este é o que foi semeado junto ao caminho.

Comentário Ellicott

Quando alguém ouve a palavra. A explicação tornou-se tão familiar para nós que é difícil nos colocarmos na posição daqueles a quem era o desvelamento de novas verdades – o segurar um espelho no qual eles pudessem ver, talvez, sua própria semelhança. Nosso interesse nele pode, talvez, ser acelerado se pensarmos nisso como um reflexo do que realmente foi a experiência de nosso Senhor. As classes de ouvintes que se reuniram em torno dele foram representadas, grosseiramente e geralmente, pelas quatro questões da semente espalhada pelo semeador, e todos os pregadores da verdade, daquele dia em diante, sentiram que sua própria experiência se apresentou de forma análoga fenômenos.

A sequência ética descrita é assim:O homem ouve “a palavra do reino”, um discurso, digamos, como o Sermão da Montanha, ou aquele em Nazaré (Lucas 4:16-21). Ele não “entende” isso (a culpa é moral ao invés de intelectual), não se preocupa com isso ou “leva em conta”. O “maligno” (observe a conexão com a cláusula na Oração do Senhor, “Livra-nos do mal”, ou o maligno) o arranca até de sua memória. A princípio, parece estranho que “os pássaros do céu” em sua multidão representem o Tentador em sua unidade; no entanto, há uma terrível verdade no fato de que tudo o que leva os homens a esquecer a verdade está, de fato, fazendo a obra do grande inimigo. Por outro lado, os pássaros, em seu vôo rápido e em seus bandos reunidos, podem muito bem representar os pensamentos levianos e tolos que são os instrumentos do Tentador. O “lado do caminho” responde, portanto, ao caráter, que se endurece pelo desgaste da vida cotidiana, o que bem chamamos de sua rotina, de modo que as palavras da Verdade dificilmente lhe causam a impressão mais transitória. [Ellicott, aguardando revisão]

20 E o que foi semeado entre as pedras é o que ouve a palavra, e logo a recebe com alegria,

Comentário Whedon

entre as pedras. Superfícies rochosas cobertas com solo fino. Existem muitas almas com uma superfície macia e maleável, mas uma natureza verdadeiramente dura no fundo. Nesse caso, as emoções superficiais são rapidamente agitadas, mas sua natureza mais profunda permanece intocada. Os judeus estavam muito entusiasmados com a primeira pregação do Messias por João. Mas foi uma excitação superficial; o coração não foi verdadeiramente convertido. Quando a verdadeira natureza do Messias foi revelada, eles logo mostraram que o subsolo era uma rocha inalterada. Tais provam apóstatas aparentes; mas eles não são realmente assim. Eles nunca tiveram a realidade da qual apostatar. [Whedon, aguardando revisão]

21 mas não tem raiz em si mesmo. Em vez disso, dura um pouco, mas quando vem a aflição ou a perseguição pela palavra, logo tropeça na fé.

Comentário Cambridge

mas quando vem a aflição ou a perseguição] Jesus prevê a perseguição dos cristãos e o tempo em que “o amor de muitos esfriará”, cap. Mateus 24:12.

logo tropeça na fé] Ver nota, cap. Mateus 5:29. Todas as coisas não são tão suaves como ele esperava. A perspectiva da cruz tirou todo o entusiasmo de Judas. Talvez até Marcos tenha ficado “ofendido” naquele momento em Perga. [Cambridge, aguardando revisão]

22 E o que foi semeado entre os espinhos é o que ouve a palavra, mas a ansiedade com o tempo presente e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica sem dar fruto.

Comentário Cambridge

a ansiedade com o tempo presente e a sedução das riquezas] Marcos acrescenta “as concupiscências de outras coisas”, Lucas, “os prazeres desta vida”. Essas coisas destroem a “condição de solteiro” da vida cristã. Compare com isso o emprego triplo do mundo conforme descrito por Cristo, no tempo do Dilúvio, na destruição de Sodoma e Gomorra e na vinda do Filho do homem. (Lucas 17:26-30.) [Cambridge, aguardando revisão]

23 Mas o que foi semeado em boa terra, este é o que ouve e entende a palavra, e o que dá e produz fruto, um a cem, outro a sessenta, e outro a trinta.

Comentário Ellicott

é o que ouve e entende a palavra. – O processo não é meramente intelectual. Ele o absorve, discerne seu significado. As frases nos outros Evangelhos expressam a mesma coisa, “ouça a palavra e receba-a” (Marcos), “com um coração honesto e bom” ouça-a (Lucas). Mesmo aqui, no entanto, existem diferentes graus de santidade que é simbolizada por “dar frutos” – “alguns cem vezes, alguns sessenta, alguns trinta” – variando de acordo com as capacidades e oportunidades dos homens.

É permitido preencher o esboço-esboço da interpretação que assim formou a primeira lição deste método na escola do grande Mestre. (1) Pode parecer estranho à primeira vista que não foi dito aos discípulos quem na obra do reino respondeu ao “Semeador” da parábola. A interpretação é dada na parábola do Semeador (“o Semeador da boa semente é o Filho do Homem”), e, em parte, pode-se dizer que este foi o único ponto em que os discípulos provavelmente não entenderiam mal Dele; mas também em parte, podemos acreditar, esta explicação não foi dada, porque, embora a parábola fosse verdadeira no primeiro exemplo Dele e de Sua obra, Ele pretendia que eles aprendessem sabedoria para seu próprio trabalho. É verdade que eles estavam colhendo o que não haviam semeado (João 4:38), mas eles também deveriam ser semeadores e também ceifeiros. (2.) Obviamente, é uma lição importante da parábola que ela nos ensina a reconhecer a possível existência de “um coração honesto e bom” (a primeira palavra significa “nobre”, “generoso”, em vez de “honesto” em nosso sentido moderno) antes da pregação da palavra. Tais personagens eram encontrados naqueles que viviam sob a Lei, ou sem a Lei (Rom. 2:14), e era a obra do pregador cuidar deles e conquistá-los para algo ainda mais alto. O que tornou o terreno bom é uma questão que a parábola talvez pretendesse sugerir, mas não responde. Os teólogos podem falar de “graça preveniente”. A linguagem de João 4:37-38 nos leva a pensar na obra da “Luz que ilumina todo homem”. Aqui também a lei diz que “ao que tem, mais será dado”. (3) Está na natureza de tal parábola que representa os fenômenos da vida espiritual apenas parcialmente. Traz diante de nós quatro classes de ouvintes, e parece assumir que seus caracteres são fixos, incapazes de mudança, produzindo resultados que poderiam ter sido previstos. Mas, se assim for, a obra da “palavra” assim pregada pareceria limitada à ordem e ao progresso, e a ideia de “conversão” – a mudança de caráter – quase seria excluída. Devemos, portanto, complementar a parábola em sua aplicação prática. O solo pode ser melhorado; a beira do caminho e os lugares pedregosos e o que continha os espinhos podem se tornar como o solo bom. É trabalho de todo pregador e professor preparar o solo, bem como semear a semente. Nas palavras de um antigo profeta, que quase parecem ter sugerido a própria parábola, eles devem “quebrar o solo não cultivado e não semear entre os espinhos” (Jeremias 4:3). [Ellicott, aguardando revisão]

O joio e o trigo

24 E ele lhes declarou outra parábola, dizendo:O Reino dos céus é semelhante a um homem que semeia boa semente em seu campo,

Comentário de David Brown

O trigo e o joio e os peixes bons e maus. O assunto de ambas as parábolas – que ensinam a mesma verdade, com uma pequena diversidade de aspectos – é: O caráter misto do reino em seu estado atual e a separação absoluta final das duas classes.

Felizmente para nós, estas excelentes parábolas são, com uma simplicidade e clareza encantadoras, expostas a nós pelo Grande Pregador. [JFB]

25 Mas, enquanto as pessoas dormiam, o inimigo dele veio, semeou joio entre o trigo, e foi embora.

Comentário de David Brown

“O joio são os filhos do maligno”. (Veja Mateus 13:38) Visto que esta semeadura só poderia ser “enquanto os homens dormiam”, nenhuma culpa parece intencional, e certamente nenhuma é atribuída aos “servos”:é provavelmente apenas o vestido da parábola. Veja Mateus 13:39. “O inimigo que os semeou é o diabo” – enfaticamente “Seu inimigo” (Mateus 13:25). Veja Gênesis 3:15; 1João 3:8. Por “joio” [zizania)] entende-se, não o que em nossa lavoura é assim chamado, mas alguma planta nociva, provavelmente joio. “O joio são os filhos do maligno”; e por serem semeados “entre o trigo” significa que foram depositados no território da Igreja visível. Como eles se parecem com os filhos do reino, então eles são produzidos, ao que parece, por um processo semelhante de “semeadura” – as sementes do mal sendo espalhadas e alojadas no solo daqueles corações sobre os quais cai a semente da palavra. O inimigo, depois de semear seu “joio”, “seguiu seu caminho” – seu trabalho sombrio logo terminou, mas demorando para desenvolver seu verdadeiro caráter. [JFU, aguardando revisão]

26 E, quando a erva cresceu e produziu fruto, então apareceu também o joio.

Comentário de David Brown

O crescimento em ambos os casos é paralelo, como os princípios antagônicos são vistos.[JFB]

27 Então os servos do dono da propriedade chegaram, e lhe perguntaram:'Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? De onde, pois, veio o joio?'

Comentário de David Brown

Então os servos do dono da propriedade chegaram – isto é, os ministros de Cristo.

e lhe perguntaram:“Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? De onde, pois, veio o joio? – Isto bem expressa a surpresa, o desapontamento e a ansiedade dos fiéis crentes em Cristo na descoberta de “falsos irmãos” entre os membros da Igreja. [JFB]

28 E ele lhes respondeu:'Um inimigo fez isto'. Em seguida, os servos lhe perguntaram:'Queres, pois, que vamos e o tiremos?'

Comentário de David Brown

E ele lhes respondeu:’Um inimigo fez isto’ – Palavras gentis de um bom lavrador, honrosamente absorvendo Seus servos fiéis do mal feito ao seu campo.

os servos lhe perguntaram:’Queres, pois, que vamos e o tiremos?’ – Compare com isso a questão de Tiago e João (Lucas 9:54), “Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e consuma” aqueles samaritanos? Nesse tipo de zelo, geralmente há uma grande mistura de cólera carnal. (Veja Tiago 1:20). [JFB]

29 Ele, porém, lhes respondeu:'Não, para não haver que, enquanto tirais o joio, arranqueis com ele também o trigo.

Comentário de David Brown

Ele, porém, lhes respondeu:’Não – “Isso será feito no devido tempo, mas não agora, nem é da sua conta.”

para não haver que, enquanto tirais o joio, arranqueis com ele também o trigo – Nada poderia mais clara ou forçosamente ensinar a dificuldade de distinguir as duas classes, e a alta probabilidade de que, na tentativa de fazê-lo, elas sejam confundidas. [JFB]

30 Deixai-os crescer ambos juntos até a colheita; e no tempo da colheita direi aos que colhem:'Recolhei primeiro o joio, e amarrai-o em molhos, para o queimarem; mas ao trigo ajuntai no meu celeiro'.

Comentário de David Brown

Deixai-os crescer ambos junto – isto é, na Igreja visível.

até a colheita – até que um tenha amadurecido para a salvação completa, o outro para a destruição. (Veja em Mateus 13:39).

e no tempo da colheita direi aos que colhem – (Veja em Mateus 13:39).

mas ao trigo ajuntai no meu celeiro – Cristo, como o juiz, separará as duas classes (como em Mateus 25:32). Observa-se que o joio é queimado antes do trigo ser guardado; na exposição da parábola (Mateus 13:41,43) a mesma ordem é vista:e a mesma em Mateus 25:46 – como se, em algum sentido literal, “com os teus olhos olharás e verás a recompensa dos ímpios” (Salmo 91:8). [JFB]

O grão de mostarda

(Mateus 13:31, Mateus 13:32)

31 Ele lhes propôs outra parábola:O Reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda que alguém tomou e semeou no seu campo.

Comentário Whedon

outra parábola. A parábola do grão de mostarda é uma espécie de suplemento à parábola do joio e do trigo. Ele fornece o que foi omitido, a saber, o fato de que, embora os ímpios não sejam destruídos, o reino de Deus deve ser progressivo e triunfante na terra. Embora não deva haver nenhum milênio pela destruição dos iníquos, ainda assim pode haver um pelo crescimento da causa da justiça. O reino dos céus está nesta parábola, como na última, a administração divina, e o campo é novamente o mundo. A Igreja aqui não é o trigo, mas o grão de mostarda, semeado pela mesma mão divina que o trigo. Se era desanimador para os discípulos saber que os iníquos não seriam destruídos, era animador saber que a justiça, por menor que fosse seu início, triunfaria na Terra.

semelhante a um grão de mostarda. A planta aqui mencionada era provavelmente o “Khardal” ou mostarda turca, (botanicamente a Salvadora Pérsia), que de uma semente muito pequena cresce até uma árvore com uma fibra de madeira, e em um tamanho que pode ser escalada por um homem ; e assim realmente se torna uma árvore. Produz numerosos ramos e folhas, entre os quais os pássaros podem e de fato se abrigam e constroem seus ninhos. Essa é a declaração de Royle. Hackett, após longa e duvidosa busca, encontrou nas planícies de Akka, a caminho do Carmelo, uma pequena floresta de pés de mostarda que ele descreve de maneira interessante:“Estava então em flor, totalmente crescida, em alguns casos seis, sete, e nove pés de altura, com uma haste ou tronco de uma polegada ou mais de espessura, lançando galhos de todos os lados. Agora estava parcialmente satisfeito. Achei que tal planta bem poderia ser chamada de árvore e, em comparação com a semente que a produziu, uma grande árvore. Mesmo assim, os galhos, ou caules dos galhos, não eram muito grandes ou, aparentemente, muito fortes. Podem os pássaros, disse a mim mesmo, pousar sobre eles? Eles não são muito leves e flexíveis? Eles não se dobrarão ou quebrarão sob o peso sobreposto? Naquele exato instante, enquanto eu me levantava e revolvia o pensamento, eis! uma das aves do céu parou em seu vôo pelo ar, pousou em um dos galhos, que mal se moveu sob o choque, e então começou, empoleirado ali diante de meus olhos, a gorjear uma faixa da mais rica música. Todas as minhas dúvidas foram agora dissipadas. Fiquei encantado com o incidente. Pareceu-me naquele momento que gozava o suficiente para me retribuir por todos os problemas de toda a viagem “. [Whedon, aguardando revisão]

32 De fato, dentre todas as sementes, esta é a menor. Mas quando cresce, é a maior das hortaliças; e se torna tamanha árvore, que as aves do céu vêm e se aninham em seus ramos.

Comentário de David Brown

De fato, dentre todas as sementes, esta é a menor – não absolutamente, mas popularmente e proverbialmente, como em Lucas 17:6:“Se tivésseis fé como um grão de mostarda”.

Mas quando cresce, é a maior das hortaliças – não absolutamente, mas em relação ao pequeno tamanho da semente, e em proporções proverbialmente grandes.

e se torna tamanha árvore, que as aves do céu vêm e se aninham em seus ramos – Isto é adicionado, sem dúvida, para expressar a amplitude da árvore. Mas como essa semente tem um vigor ardente e ardente, dá suas melhores virtudes quando machucada, e é grata ao gosto das aves, que são atraídas aos seus ramos tanto por abrigo como por comida, está forçando a parábola, pergunta Trench, supor que, além do maravilhoso crescimento de Seu reino, nosso Senhor selecionou esta semente para ilustrar melhor o abrigo, repouso e bem-aventurança que ela está destinada a dar às nações do mundo? [JFB, aguardando revisão]

O fermento

33 Ele lhes disse outra parábola:O Reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher tomou e misturou em três medidas de farinha, até que tudo ficasse fermentado.

Comentário de David Brown

Esta parábola, enquanto ensina a mesma verdade geral que a anterior, sustenta, talvez, o interior crescimento do reino, enquanto “a Semente de Mostarda” parece apontar principalmente para o exterior. Sendo um trabalho de mulher amassar, parece um refinamento dizer que “a mulher” aqui representa a Igreja, como instrumento de depósito do fermento. Tampouco produz muita satisfação compreender as “três medidas de refeição” dessa tríplice divisão de nossa natureza em “espírito, alma e corpo”, aludidas em 1Tessalonicenses 5:23 ou na tripla divisão do mundo entre os três filhos de Noé (Gênesis 10:32), como alguns fazem. Ela oferece mais satisfação real ao ver nesta breve parábola apenas a qualidade totalmente penetrante e assimiladora do Evangelho, em virtude da qual ainda moldará todas as instituições e tribos de homens, e exibirá sobre toda a terra um “reino de nosso Senhor” e do seu Cristo. [JFB, aguardando revisão]

34 Tudo isto Jesus falou por parábolas às multidões. Sem parábolas ele não lhes falava,

Comentário de David Brown

Isto é, nesta ocasião; abstendo-se não só de todo discurso exposto, mas até mesmo de toda interpretação dessas parábolas à multidão mista. [JFB, aguardando revisão]

35 para que se cumprisse o que foi falado pelo profeta, que disse:Abrirei a minha boca em parábolas; Pronunciarei coisas escondidas desde a fundação.

Comentário de David Brown

Para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta, dizendo:(Salmo 78:2, quase como na Septuaginta).

Abrirei a minha boca em parábolas… – Embora o Salmo pareça conter apenas um resumo da história israelita, o próprio salmista chama isto de “parábola” e “ditos obscuros da antiguidade” – como contendo, por baixo da história, verdades de todos os tempos, não totalmente trazidas à luz até o dia do Evangelho. [JFB, aguardando revisão]

36 Então Jesus despediu as multidões, e foi para casa. Seus discípulos se aproximaram dele, e disseram:Explica-nos a parábola do joio do campo.

Comentário de David Brown

Na parábola do Semeador, “a semente é a palavra de Deus” (Lucas 8:11). Mas aqui essa palavra foi recebida no coração, e converteu aquele que a recebeu em uma nova criatura, um “filho do reino”, de acordo com aquela declaração de Tiago (Tiago 1:18), “De Sua própria vontade gerou Ele nos com a palavra da verdade, que devemos ser uma espécie de primeiros frutos de Suas criaturas. “É digno de nota que este vasto campo do mundo é aqui dito ser o próprio de Cristo -” Seu campo “, diz a parábola. (Veja Salmo 2:8). [JFB, aguardando revisão]

37 E ele respondeu:O que semeia a boa semente é o Filho do homem.

Comentário Ellicott

O que semeia a boa semente é o Filho do homem. Primeiramente, devemos lembrar que a parábola se refere ao reino dos céus – ou seja, àquela nova ordem de coisas que o Cristo veio estabelecer, e que é convenientemente descrita como a Igreja que O possui como seu Senhor. Ele oferece, portanto, uma explicação da presença do mal naquela Igreja, e somente por inferência e analogia ela se relaciona com o problema mais amplo da origem do mal no mundo em geral. Essa analogia, entretanto, provavelmente não nos enganará. Se o Filho do Homem foi “a luz que ilumina todos os homens” (João 1:9), então Ele foi um semeador da boa semente em toda a região do mundo desde o início, e então também todos os que seguiram a justiça era filha do reino. [Ellicott, aguardando revisão]

38 E o campo é o mundo; e a boa semente, estes são os filhos do Reino; e o joio são os filhos do maligno.

Comentário de David Brown

o joio são os filhos do maligno – Como essa semeadura só poderia ser “enquanto os homens dormiam”, nenhuma culpa parece destinada, e certamente nenhuma é imputada aos “servos”; provavelmente é apenas o vestido da parábola. [JFB, aguardando revisão]

39 E o inimigo, que o semeou, é o diabo; e a colheita é o fim da era; e os que colhem são os anjos.

Comentário de David Brown

E o inimigo, que o semeou, é o diabo – enfaticamente “Seu inimigo” (Mateus 13:25). (Veja Gênesis 3:15; 1João 3:8). Por “joio” entende-se, não o que em nossa criação é assim chamado, mas alguma planta nociva, provavelmente perdida. “O joio são os filhos do maligno”; e por serem semeados “no meio do trigo”, significa que foram depositados no território da Igreja visível. Como eles se assemelham aos filhos do reino, assim eles são produzidos, ao que parece, por um processo similar de “semear” – as sementes do mal sendo espalhadas e alojadas no solo daqueles corações sobre os quais cai a semente do mundo. O inimigo, após semear seu “joio”, “seguiu seu caminho” – seu trabalho sombrio logo acabou, mas demorou para desenvolver seu verdadeiro caráter.

a colheita é o fim da era – o período da segunda vinda de Cristo e da separação judicial entre os justos e os ímpios. Até então, nenhuma tentativa deve ser feita para efetuar tal separação. Mas estender isso até o ponto de justificar permitir que pessoas abertamente escandalosas permaneçam na comunhão da Igreja, é arrancar o ensino desta parábola a outro que não o seu próprio desígnio, e ir no meio das injunções apostólicas (1Coríntios 5:1-13).

e os que colhem são os anjos – Mas de quem são os anjos? “O Filho do homem enviará os seus anjos” (Mateus 13:41). Compare 1Pedro 3:22:“Quem foi para o céu e está à direita de Deus; anjos e autoridades e poderes estão sujeitos a ele. ” [JFB, aguardando revisão]

40 Portanto, como o joio é colhido e queimado no fogo, assim também será no fim da era.

Comentário do Púlpito

Portanto. Observe que em Mateus 13:40-43 nosso Senhor se alonga muito mais nos detalhes do trabalho dos ceifeiros do que nos estágios anteriores da parábola. ele deseja chamar atenção especial para o fato de que o joio será, sem dúvida, um dia separado, e o trigo aparecerá em todo esplendor. O joio é colhido e queimado no fogo – queimado no fogo (versão revisada); cf. Mateus 3:10, observe – assim será no fim deste mundo. [Pulpit, aguardando revisão]

41 O Filho do homem enviará seus anjos, e eles recolherão do seu Reino todas as causas do pecado, assim como os que praticam injustiça,

Comentário de David Brown

O Filho do homem enviará seus anjos, e eles recolherão do seu Reino – ao qual eles realmente nunca pertenceram. Eles usurparam seu lugar e nome e privilégios externos; mas “os ímpios não subsistem no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos” (Salmo 1:5).

todas as causas do pecado – todos aqueles que provaram ser um obstáculo para os outros.

assim como os que praticam injustiça – A primeira classe, como a pior, é mencionada primeiro. [JFB, aguardando revisão]

42 e os lançarão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes.

Comentário de David Brown

Ali haverá choro e ranger de dentes – Que tremenda força da linguagem – o “vazamento” ou “arremesso” expressivo de indignação, aversão, desprezo (compare Salmo 9:17; Daniel 12:2):”a fornalha de fogo” denotando a ferocidade do tormento:o “choro” significando a angústia que isso causa; enquanto o “ranger de dentes” é uma maneira gráfica de expressar o desespero em que seus problemas de remissão (veja Mateus 8:12)! [JFB, aguardando revisão]

43 Então os justos brilharão como o sol, no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça.

Comentário de David Brown

Então os justos brilharão como o sol, no Reino de seu Pai – como se tivessem estado debaixo de uma nuvem durante a presente associação com os ímpios pretendentes ao seu caráter, e reclamantes de seus privilégios e obstrutores de seu curso. [JFB, aguardando revisão]

O tesouro escondido

44 O Reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo, que um homem, depois de achá-lo, escondeu. Então, em sua alegria, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo.

Comentário Whedon

As três parábolas a seguir não foram ditas, como as anteriores, à multidão ao lado do mar, mas em particular aos discípulos em casa. Elas ilustram principalmente o mesmo assunto, e afirmam as mesmas visões das parábolas anteriores. O Reino de Deus, como trazendo um Evangelho inestimável, e como implicando um tempo de provação, é apresentado em breves sínteses. Tesouro escondido em um campo – A verdade divina é um tesouro por seu valor; ela está escondida porque os olhos humanos estão dispostos a ser moralmente cegos à sua realidade. Mas o que busca a verdade está pronto para dar tudo por ela. E como as parábolas anteriores foram entregues às multidões, e depois explicadas somente aos discípulos, pode haver uma alusão ao fato de que as instruções mais profundas de Cristo são reservadas da multidão incapaz e entregues a seus discípulos. [Whedon]

Comentário Cambridge

Nos tempos antigos, e em um país inseguro como a Palestina, onde não existiam bancos, no sentido moderno, era uma prática comum esconder tesouros na terra. Mesmo nos dias de hoje, os árabes estão muito atentos à chance de encontrar tais depósitos enterrados. A desonestidade do comprador deve ser excluída do pensamento da parábola. A descoberta inesperada, a consequente excitação e alegria, e a ânsia de comprar em qualquer sacrifício, são os pontos a serem observados na interpretação.

depois de achá-lo. Aqui o reino dos céus se apresenta inesperadamente, “Cristo é encontrado de quem não O buscou”. A mulher de Samaria, a carcereira de Filipos, o centurião junto à cruz.

vende tudo quanto tem. Esta é a renúncia que é sempre necessária para a conquista do reino (Mateus 10:38). Assim Paulo desistiu da posição, Mateus riqueza, Barnabé terras.

compra aquele campo. Coloca-se em posição de alcançar o reino. [Cambridge]

A pérola de grande valor

45 O Reino dos céus também é semelhante a um homem negociante, que buscava boas pérolas.

Comentário Whedon

um homem negociante, que buscava boas pérolas. A profissão oriental de joalheiro viajante ainda existe. Ele trabalha com pedras preciosas e pérolas. Ele pode encontrar um que, se comprado com todo o seu estoque atual, pode fazer sua fortuna sendo vendido a um preço exorbitante a algum príncipe extravagante por uma joia da coroa.

A pérola é escolhida como uma bela imagem da verdade divina. Atinge os olhos de quem vê com admiração por sua beleza e valor. A pérola é um pedaço de substância branca, dura, lisa e brilhante, geralmente bastante globular, encontrada em um marisco do tipo ostra. Sua concha é chamada de madrepérola. A pérola é encontrada nos mares persas e em muitas partes do oceano que banha as costas da Arábia, o continente e as ilhas da Ásia. É trazido das profundezas marinhas por mergulhadores profissionais. As pérolas são de diferentes tamanhos e cores. Algumas foram encontradas com mais de uma polegada de comprimento, as maiores se aproximando da figura de uma pêra. Eles são avaliados de acordo com seu tamanho, sua forma arredondada e sua pureza ou brilho. Os orientais foram mais atraídos pela beleza da pérola do que pelo brilho do diamante. Um colar das maiores pérolas, tanto na antiguidade extrema como nos dias de hoje, é uma parte indispensável da decoração de um monarca oriental. As referências à pérola ocorrem em diferentes partes das Escrituras. Mateus 7:6; 1Timóteo 2:9; Apocalipse 17:4. Em Apocalipse 21:21, as doze portas da Nova Jerusalém eram “doze pérolas; todos os vários portões eram de uma só pérola”. [Whedon, aguardando revisão]

46 Quando este achou uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e a comprou.

Comentário de David Brown

A única pérola de grande preço, em vez de ser encontrada acidentalmente, como no primeiro caso, é encontrada por alguém cujo negócio é procurar por tal, e quem o encontra apenas no caminho de procurar por tais tesouros. Mas, em ambos os casos, o valor extraordinário do tesouro é igualmente reconhecido, e em ambos é separado por ele. [JFB, aguardando revisão]

47 O Reino dos céus também é semelhante a uma rede lançada ao mar, que colhe toda espécie de peixes.

Comentário de David Brown

O objeto desta breve parábola é o mesmo que o dos Tara e do Trigo. Mas como seus detalhes são menores, seu ensino é menos rico e variado.

A palavra aqui traduzida “rede” significa uma grande rede de arrastar, que atrai tudo depois dela, não sofrendo nada para escapar, como distinto de uma rede de elenco (Marcos 1:16,18). A eficácia de longo alcance do Evangelho é assim denotada. Esta rede do Evangelho “reuniu-se de todo tipo”, significando toda variedade de caráter. [JFB, aguardando revisão]

48 E quando está cheia, os pescadores puxam-na à praia, sentam-se, e recolhem os bons em cestos, mas os ruins lançam fora.

Comentário do Púlpito

quando está cheia; ou seja, não naturalmente, mas por aqueles que vieram ou foram trazidos.

os pescadores puxam-na à praia. Na parábola, aqueles que lançam a rede também separam os peixes, mas essa identificação de dois grupos distintos de pessoas (Mateus 13:24,30,37,41) é apenas parte do mecanismo da história (cf. Mateus 13,25)

sentam-se. Quão verdadeiro para a vida. Talvez “denuncie o cuidado atencioso com que o trabalho de separação é executado” (Goebel).

e recolhem os bons. Correspondendo à sua própria natureza também na aparência (τὰ καλά:cf. Mateus 7:17, nota).

em cestos, mas os ruins (τὰ δε); Mateus 7:17-18, notas; Mateus 12:33. Não deve ser pressionado para significar “peixe morto, corrupto, em estado de podridão” (Goebel), pois certamente os pescadores raramente obtêm muitos destes, mas simplesmente os sem valor, os impróprios para uso. Isso incluiria o legalmente impuro. Tristram escreve:”O maior número de espécies capturadas no lago é rejeitado pelos pescadores, e sentei-me com eles na amurada enquanto eles atravessavam sua rede e jogavam no mar aqueles que eram pequenos demais para o mercado ou foram considerados impuros “.

lançam fora (ἔξω ἔβαλον). Compare, tanto para a linguagem quanto para o pensamento, o tratamento dado ao sal que perdeu seu sabor (Mateus 5:13). [Pulpit, aguardando revisão]

49 Assim será ao fim da era; os anjos sairão, e separarão dentre os justos os maus,

Comentário Whedon

fim da era. O julgamento é o fim do mundo. É o fim da condição mista de coisas em que homens bons e maus coexistem em um estado de provação. Cada grupo passa pelo escrutínio divino e vai para o seu lugar.

anjos. Os anjos parecem ser representados pelo pescador, que tanto lança a rede do Evangelho quanto separa os peixes quando puxados para a praia. Os pescadores, portanto, representam os mensageiros de Deus, humanos ou sobre-humanos; isto é, seus ministros na terra e seus anjos no julgamento. Esses são de fato os anjos da Igreja abaixo e da Igreja acima.

separarão dentre os justos os maus. Dia terrível, mas glorioso! A Igreja então se tornará pura. O reino dos céus então se tornará o próprio céu. O reino da graça terá fechado, e o reino da glória terá começado, para nunca mais se fechar. [Whedon, aguardando revisão]

50 e os lançarão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes.

Comentário de David Brown

Dissemos que cada uma dessas duas parábolas apresenta a mesma verdade sob uma ligeira diversidade de aspectos. Que diversidade é essa? Primeiro, os maus, na parábola anterior, são representados como semente vil semeada entre o trigo pelo inimigo das almas; no último, como peixes imundos arrancados do grande mar dos seres humanos pela própria rede do Evangelho. Ambas são verdades importantes – que o Evangelho atrai para dentro de si, e para a comunhão da Igreja visível, multidões que são cristãs apenas no nome; e que o dano assim causado à Igreja na Terra deve ser atribuído ao iníquo. Mas, além disso, enquanto a primeira parábola dá destaque principal à presente mistura de bom e mau, na última, a proeminência é dada à futura separação das duas classes. [JFU, aguardando revisão]

51 Entendestes todas estas coisas? Eles lhe responderam:Sim.

Comentário de David Brown

Jesus disse a eles – isto é, aos Doze. Ele havia falado os quatro primeiros ouvindo a multidão mista:os três últimos Ele reservou, até a demissão do público misto, Ele e os Doze estavam sozinhos (Mateus 13:36, etc.). [JFB, aguardando revisão]

52 E ele lhes disse:Portanto todo escriba que se tornou discípulo no Reino dos céus é semelhante a um chefe de casa, que do seu tesouro tira coisas novas e velhas.

Comentário de David Brown

todo escriba – ou mestre cristão:aqui chamado daquela classe conhecida entre os judeus. (Veja Mateus 23:34).

que se tornou discípulo no Reino dos céus – ele mesmo ensinou nos mistérios do Evangelho que ele tem que ensinar aos outros.

do seu tesouro – o seu estoque da verdade divina.

coisas novas e velhas – antigas verdades em formas, aspectos, aplicações e com ilustrações sempre novas. [JFB, aguardando revisão]

Como Jesus foi considerado por seus parentes

53 E aconteceu que, quando Jesus acabou essas parábolas, retirou-se dali.

Comentário do Púlpito

A sentença marca o fim de um trecho dos discursos. Deve-se, no entanto, notar que a primeira e a última palavra, καὶ… ἐκεῖθεν, vêm em Marcos 6:1, introduzindo a passagem paralela aos nossos versos seguintes. Mas, no caso de tais palavras comuns, essa coincidência deve, talvez, ser considerada acidental. Ele partiu (μετῆρεν). Em outra parte do Novo Testamento apenas em Mateus 19:1, onde vem na mesma conexão que aqui. [Pulpit, aguardando revisão]

54 E vindo à sua terra, ensinava-os na sinagoga deles, de tal maneira que ficavam admirados, e diziam:De onde vêm a este tal sabedoria, e os milagres?

Comentário de David Brown

E vindo à sua terra – isto é, Nazaré; como está claro em Marcos 6:1. Veja em Jo 4:43, onde também ocorre a mesma frase. Isso, de acordo com a maioria dos Harmonistas, foi a segunda de duas visitas que nosso Senhor pagou a Nazaré durante seu ministério público; mas em nossa opinião, foi sua primeira e única visita a ele. Veja em Mateus 4:13; e pelas razões, veja Lucas 4:16-30.

De onde vêm a este tal sabedoria, e os milagres? – “estes milagres”. Estas certamente não são como as perguntas de pessoas que haviam feito exatamente as mesmas perguntas antes, que, de espanto, haviam se enfurecido, e em sua fúria o expulsaram da sinagoga, e se afastaram até a testa de a colina sobre a qual sua cidade foi construída, para empurrá-lo de cabeça, e que tinha sido frustrado mesmo naquele objeto por sua passagem pelo meio deles, e seguir seu caminho. Mas veja em Lucas 4:16, etc. [JFB, aguardando revisão]

55 Não é este o filho do carpinteiro? E não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, José, Simão, e Judas?

Comentário de David Brown

Não é este o filho do carpinteiro? – Em Marcos (Marcos 6:3) a pergunta é:“Não é este o carpinteiro?” Com toda a probabilidade, nosso Senhor, durante a sua permanência sob o teto de Seus pais terrenos, forjou junto com Seu pai legal.

E não se chama sua mãe Maria – “Não sabemos tudo sobre a paternidade dele? Ele não cresceu no meio de nós? Todos os seus parentes não são nossos próprios habitantes? De onde, então, tal sabedoria e tais milagres? ”Estas particularidades da história humana de nosso Senhor constituem o testemunho mais valioso, primeiro, para Sua verdadeira e verdadeira humanidade – pois provam que durante todos os seus primeiros trinta anos Seus homens da cidade nada descobriram. sobre ele diferente de outros homens; em segundo lugar, ao caráter divino de Sua missão – pois esses nazarenos proclamam tanto o caráter inigualável de Seu ensino como a realidade e a glória de Seus milagres, como transcendendo a capacidade humana; e, em terceiro lugar, a Sua maravilhosa humildade e abnegação – em que, quando Ele era o que agora o viam, Ele nunca deu nenhuma indicação disso por trinta anos, porque “Sua hora ainda não havia chegado”. [JFB, aguardando revisão]

56 Não estão todas as suas irmãs conosco? Ora, de onde vem a este tudo isto?

Comentário de David Brown

Uma questão extremamente difícil surge aqui – Quais eram esses “irmãos” e “irmãs” para Jesus? Foram eles, primeiro, seus irmãos e irmãs? ou, em segundo lugar, eles eram seus meio-irmãos e meio-irmãs, filhos de José por um casamento anterior? ou, em terceiro lugar, eles eram primos, de acordo com um modo comum de falar entre os judeus, respeitando pessoas de ascendência colateral? Sobre este assunto, um imenso acordo foi escrito, e ainda não há opiniões por qualquer meio acordado. Para a segunda opinião, não há fundamento, mas uma tradição vaga, surgindo provavelmente do desejo de alguma explicação desse tipo. A primeira opinião, sem dúvida, se adapta melhor ao texto em todos os lugares onde as partes são certamente referidas (Mateus 12:46; e seus paralelos, Marcos 3:31; Lucas 8:19; nossa passagem atual e seus paralelos, Marcos 6:3 Jo 2:12, Jo 7:3,5,10, Atos 1:14).

Mas, além de outras objeções, muitos dos melhores intérpretes, pensando-o no último grau improvável que nosso Senhor, quando pendurado na cruz, teria comprometido sua mãe a João se ele tivesse seus irmãos completos então vivos, prefira a terceira opinião; embora, por outro lado, não se deva duvidar de que nosso Senhor possa ter boas razões para confiar a tutela de sua mãe duplamente viúva ao discípulo amado, de preferência até mesmo para os irmãos dele mesmo. Assim, duvidosamente, preferimos deixar esta questão complicada, abrangida como é com dificuldades. Quanto aos nomes aqui mencionados, o primeiro deles, “Tiago”, é posteriormente chamado de “o irmão do Senhor” (ver em Gálatas 1:19), mas talvez não seja confundido com “Tiago, filho de Alfeu, ”Um dos Doze, embora muitos pensem que sua identidade está além da disputa. Esta questão também é de considerável dificuldade, e não sem importância; já que o Tiago, que ocupa um lugar tão proeminente na Igreja de Jerusalém, na última parte dos Atos, era aparentemente o apóstolo, mas é considerado por muitos como “o irmão do Senhor”, enquanto outros acham que sua identidade é mais adequada a todos. as declarações. O segundo daqueles aqui chamado “Joses” (ou Joseph), não deve ser confundido com “Joseph chamado Barsabas, que foi apelidado de Justus” (Atos 1:23); e o terceiro aqui chamado “Simão” não deve ser confundido com Simão, o Kananita ou Zelote (ver em Mateus 10:4). Estes três são em nenhum outro lugar mencionados no Novo Testamento. O quarto e último nome, “Judas”, dificilmente pode ser idêntico ao apóstolo desse nome – embora os irmãos de ambos fossem do nome de “Tiago” – nem (a menos que os dois sejam idênticos, era este Judas) com o autor da epístola católica assim chamado. [JFB, aguardando revisão]

57 E ofenderam-se por causa dele. Mas Jesus lhes disse:Não há profeta sem honra, a não ser em sua terra, e em sua casa.

Comentário Barnes

ofenderam-se por causa dele – isto é, eles se ofenderam com seu nascimento humilde e com as circunstâncias pobres de sua família. Eles eram orgulhosos demais para serem ensinados por alguém que, em conexões familiares, consideravam ser seus iguais ou inferiores. As pessoas sempre olham com inveja para aqueles de sua própria posição que promovem pretensões de sabedoria incomum ou poder superior.

Não há profeta sem honra, a não ser em sua terra, e em sua casa. Esta parece ser uma expressão proverbial. Jesus apresenta isso como uma verdade geral. Pode haver algumas exceções, mas Ele não foi uma exceção. Em todos os outros lugares ele tinha sido mais honrado do que em casa. Lá eles conheceram sua família. Eles tinham visto sua vida humilde. Eles haviam sido seus companheiros. Eles tinham inveja de sua sabedoria e eram orgulhosos demais para serem ensinados por ele. Um caso notavelmente semelhante a este ocorre na história da descoberta da América. Colombo, um nativo de Gênova, por paciente estudo concebeu a idéia de que havia um vasto continente que poderia ser alcançado navegando para o oeste. Nisso seus compatriotas não acreditavam. Pessoas eruditas há muito estudavam a ciência da geografia e nunca imaginaram que tal continente pudesse existir; e eles ficaram indignados por Ele, um homem obscuro, supor que “possuía sabedoria superior a todo o resto da humanidade unida”. Era, portanto, um fato que ele era obrigado a buscar patrocinadores para sua empresa fora de seu próprio país; que lá ele recebeu suas primeiras honras; e a outros reinos as descobertas dos obscuros genoveses deram sua maior riqueza e maior esplendor. [Barnes, aguardando revisão]

58 E não fez ali muitos milagres por causa da incredulidade deles.

Comentário Barnes

E não fez ali muitos milagres. Isso implica que ele realizou alguns milagres. Marcos nos diz o que eles eram:“Ele impôs as mãos sobre alguns enfermos e os curou”, Marcos 6:5.

por causa da incredulidade deles. Ou seja, teria sido inútil para os grandes propósitos de sua missão fazer milagres ali. Não devemos supor que seu poder foi limitado pela crença ou descrença das pessoas; mas eles eram tão “preconceituosos”, tão postos contra ele, que não estavam em condições de “julgar as evidências” e serem convencidos. Eles a teriam acusado de loucura, feitiçaria ou agência do diabo. Compare Jo 10:20. Teria sido inútil, portanto, provar a eles que ele era de Deus, fazer milagres. Ele fez, portanto, apenas aquelas coisas que eram a obra adequada de benevolência, e que não podiam ser facilmente imputadas ao diabo. Ele deu provas “suficientes” de sua missão, e os deixou em sua descrença escolhida sem desculpa. Também é verdade, nas coisas espirituais, que a incredulidade de um povo impede que as influências do Espírito Santo sejam enviadas para abençoá-los. Deus requer fé. Ele ouve apenas as orações da fé. E quando há pouca crença verdadeira e a oração é fria e formal, aí as pessoas dormem na morte espiritual e não são abençoadas. [Barnes, aguardando revisão]

<Mateus 12 Mateus 14>

Visão geral de Mateus

No evangelho de Mateus, Jesus traz o reino celestial de Deus à terra e, por meio da sua morte e ressurreição, convoca os seus discípulos a viverem um novo estilo de vida. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Mateus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.