Salmo 4

1 (Salmo de Davi. Ao mestre de canto, com instrumentos de cordas) Responde-me quando clamo, ó Deus da minha justiça; na angústia tu me alivias; tem misericórdia de mim, e ouve a minha oração.

Ó Deus da minha justiça. Confiante na integridade do seu coração e na legitimidade da sua causa, Davi recorre a Deus, e a Deus somente, para que faça a sua causa triunfar e assim as pessoas vejam que nesta situação ele não é culpado. Compare com Sl 7:8; 1Rs 8:32. [Kirkpatrick, 1906]

2 Filhos dos homens, até quando vocês transformarão a minha glória em vergonha? Até quando vocês amarão a vaidade e buscarão a mentira? (Selá)

Em outras palavras, “Até quando vocês jogarão minha reputação na lama? Até quando farão acusações infundadas e continuarão a mentir?” (NVT).

3 Saibam, porém, que o SENHOR separa para si o piedoso; o SENHOR ouvirá quando eu clamar a ele.

o SENHOR separa para si o piedoso – para Seus próprios propósitos. A referência aqui é, sem dúvida, ao próprio salmista; isto é, a Davi. A palavra “piedoso”, quando aplicada a ele mesmo, é provavelmente usada em contraste com seus inimigos engajados na tentativa de destituí-lo de seu trono legítimo. O salmista entendia que a sua causa era justa, que nada tinha feito para merecer ser tratado assim por eles; e que tinha sido originalmente exaltado ao trono porque Deus o considerava como um amigo seu e da sua causa. A palavra aqui traduzida como “piedoso”, חסיד hâsı̂yd, é derivada de חסד hesed, que significa desejo, ardor, zelo; e assim, bondade, benignidade, amor para com Deus ou o homem. Aqui, a palavra significa alguém que tem amor a Deus, ou alguém que é verdadeiramente fiel; e é corretamente traduzida como “piedoso”. Compare com Salmo 30:4-5; 31:23; 37:28. A ideia é que, visto que Deus o tinha nomeado para os seus próprios grandes propósitos, o verdadeiro objetivo dos rebeldes era se oporem a Yahweh; portanto, os propósitos em que estavam empenhados não podiam ser bem sucedidos. [Barnes, 1870]

4 Tremam, e não pequem; na cama de vocês, consultem o coração e sosseguem. (Selá)

Tremam, e não pequem (NAA, TB) – ou então, Quando vocês ficarem irados, não pequem (NVI, A21, NVT).

5 Ofereçam sacrifícios de justiça e confiem no SENHOR.

Ofereçam sacrifícios de justiça. Um sacrifício de justiça é aquele que a lei determina, oferecido na forma e no espírito que Deus requer. [Whedon, 1874]

6 Há muitos que dizem: 'Quem nos mostrará o bem?' Levanta sobre nós, SENHOR, a luz do teu rosto.

Ou seja, “muitos”, percebendo os problemas que os rodeiam, dão lugar ao desespero, pois não olham para além das aparências exteriores, que são todas contra eles: o clamor deles é: “Quem nos mostrará o bem? não conseguimos ver ninguém capaz e disposto a nos ajudar”. O sentimento é geral, embora talvez faça alusão a alguns de seus companheiros no exílio, que não tinham a fé de Davi. Em contraste com isso, ele expressa a sua confiança, decorrente de Yahweh – Levanta sobre nós, SENHOR, a luz do teu rosto. Um lampejo de tua presença brilhando sobre mim, e sobre aqueles que estão comigo (“nós”), é o suficiente para dissipar imediatamente a escuridão. Davi apoia-se, pela fé, na promessa implícita na ordem do SENHOR aos levitas de pronunciar a tríplice bênção (Nm 6:24-26, NVI): “O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça; o Senhor volte para ti o seu rosto e te dê paz” (compare com Sl 4:8, “paz”). [JFU, 1871]

7 Puseste no meu coração mais alegria que a deles, quando têm fartura de cereal e vinho.

Apesar dos sofrimentos e calamidades de Davi, Deus olhou para ele e, assim, pôs alegria em seu coração – uma alegria que excede em muito a de seus adversários. Embora a situação deles seja próspera, tenham “fartura de cereal e vinho” e desfrutem de todas as “bênçãos materiais prometidas a Israel – o trigo e a uva – cujo suprimento ele deve à generosidade de amigos” (Kay), ainda assim, ele não trocaria de lugar com eles. A alegria espiritual que enche o seu coração é preferível do que qualquer quantidade de confortos e prazeres materiais. [Pulpit, 1897]

8 Em paz me deito e logo durmo, porque só tu, SENHOR, fazes que eu viva em segurança.

Em paz me deito e logo durmo (compare com Salmo 3:5). Sua confiança em Deus permite que Davi se deite com calma e tranquilidade para dormir, sejam quais forem os perigos que o ameacem. Ele procura sua cama, e imediatamente (יחדּו) dorme. Nenhuma preocupação o mantém acordado por horas na cama.

porque só tu, SENHOR, fazes que eu viva em segurança. Davi tem satisfação em pensar que só Deus cuida dele. Qualquer outra ajuda seria vã, supérflua. Deus sozinho trouxe Israel através do deserto (Dt 32:12); Deus sozinho estabeleceu Israel em Canaã (Sl 44:2-3). Assim, Davi não precisa de outro protetor que não seja o SENHOR. [Pulpit, 1897]

<Salmo 3 Salmo 5>

Introdução ao Salmo 4

Rodeado por inimigos, o salmista clama ao Senhor por ajuda (Salmos 4:1). Ele então se volta para seus inimigos, e os admoesta a cessar suas tentativas de roubar sua dignidade e de seus vãos propósitos; exorta-os a refletir que a dignidade que procuraram tirar dele foi conferida por Deus, e que este fato deu ao salmista base segura para esperar o cumprimento da oração que ele profere no início; pois o que o Senhor deu, Ele também deve preservar (Salmo 4:2-3). Ele os adverte a não pecarem mais, dando lugar a emoções inflamadas; os exorta a meditar sobre essa admoestação em seu quarto silencioso, em sua cama; a pararem com o barulho e a gritaria; e em vez de oferendas hipócritas, com as quais eles pensavam fazer o Senhor favorável a eles, apresentarem sacrifícios justos; colocar sua confiança no Senhor, em vez de vangloriar-se de seu próprio poder e da superioridade de seus meios em relação aos do salmista; pois somente estas duas coisas, sacrifícios justos e confiança em Deus, podem proporcionar uma esperança bem fundamentada de um resultado próspero, e aqueles a quem essas condições falham, se gabam com esperanças vãs (Salmo 4:4-5). No Salmo 4:6-7, o salmista declara possuir a confiança no Senhor que seus inimigos queriam ter. Ele não se desespera em sua aflição, como muitos fazem, mas está firmemente persuadido de que o Senhor pode e irá ajudá-lo; e essa persuasão, operada nele pelo próprio Senhor, o torna mais abençoado do que seus inimigos na própria plenitude de sua prosperidade. Em conclusão, ele novamente expressa a mais firme confiança no Senhor, na qual se entrega ao dormir (Salmo 4:8).

A subdivisão do salmo corretamente feita por Koester assim: 1. 2. 2. 2. 1. Ele observa que o primeiro versículo obviamente permanece por si mesmo; em seguida, segue o discurso aos inimigos em duas estrofes, uma terceira expressa a alegria de Davi, e o último verso novamente fica sozinho, como uma “boa noite”. A observação de Koester, entretanto, de que a selá é colocada duas vezes um verso muito cedo, não é correta. Pelo contrário, ela forma uma ruptura mais apropriada no sentido, no meio das duas estrofes, que são dirigidas para os inimigos. O primeiro verso de ambas as estrofes contém a dissuasão, a segunda a exortação; em ambos os casos, há uma pausa no meio, como se fosse para dar-lhes espaço para reflexão, para fazê-los pensar. Precisamos apenas conceber um traço para ocupar o lugar do selá.

O Salmo começa com uma oração e termina com uma expressão de confiança em seu cumprimento. No meio, o salmista procura familiarizar-se com os fundamentos que o asseguraram. É apenas quando tomamos o vendo-o como um discurso aos inimigos meramente na forma, que o Salmo se apresenta em sua real conexão interna. Os pilares da ponte, que em Salmos 4:2-7 está colocada entre a angústia e a libertação, entre a oração e a confiança, são, 1. A eleição do salmista, e a circunstância, de que seus inimigos estavam lutando contra este Divino decreto, e procurando roubá-lo do que Deus lhe havia dado. 2. A piedade sincera e fervorosa do salmista (o חסיד, em Salmo 4:3), a religiosidade hipócrita e externa dos inimigos, implica na necessidade de serem chamados a “oferecer sacrifícios de justiça” em Salmos 4:5. 3. A viva confiança do salmista em Deus, Salmos 4:6-7, enquanto seus inimigos colocavam sua confiança não no Senhor, mas apenas nos meios humanos de ajuda – comp. Salmos 4:5, “ponha a sua confiança no Senhor”.

Os expositores, em sua maioria, referem-se a este Salmo também à conspiração de Absalão; e que eles estão certos em fazê-lo, resulta das seguintes considerações: —1. O salmista acusa seus inimigos, Salmo 4:2-3, de procurar roubá-lo da dignidade que Deus lhe conferiu. Com base nisso apenas, não podemos referir o Salmo, com alguns, e em particular Calvino, às perseguições de Saul. Pressupõe uma revolta familiar contra o salmista, depois que ele realmente ascendeu ao trono. 2. O Salmo combina tão notavelmente com o anterior, que está relacionado com a conspiração de Absalão, que deve necessariamente ser referido ao mesmo período – comp. כבודי, “minha glória”, em Salmo 4:2, com Salmo 3:3, e Salmo 4:8 com Salmo 3:5. A objeção de De Wette, de que o salmista não se dirige a um filho infiel, mas apenas aos homens em geral, além do que foi observado no Salmo 3, é eliminada pela consideração de que Absalão era uma mero instrumento de uma parte injusta insatisfeita com Davi, que tornou sua vaidade subserviente a seus próprios propósitos; portanto, Davi, que de boa vontade considerava seu filho como o seduzido, em vez de o sedutor, dirige seu discurso principalmente a esses. As outras objeções procedem de uma visão falsa de Salmo 4:57. Assim também a opinião de Hitzig, de que o Salmo deve ter sido composto após o perigo falado no anterior ter passado, é baseada em uma falsa exposição. Claus se esforça para mostrar que todas as alusões aparentemente individuais no Salmo também podem ser vistas como gerais; mas ele não provou nada que não seja compreendido à primeira vista, a saber, que o indivíduo sempre tem ao mesmo tempo um aspecto geral, e é apenas esboçado com base no geral. Já vimos como esta estrutura dos Salmos surge da natureza do caso – da fé viva de seus autores, que não lhes permitiu narrar longamente suas próprias circunstâncias, e também de terem sempre em vista as necessidades de toda a comunidade. O quanto essa peculiaridade dos Salmos os adequa para o uso geral da Igreja, é facilmente percebido. Apenas dê uma olhada por um momento neste Salmo. Quão menos edificante teria sido, se Davi, em lugar da glória, que pode ser tomada no sentido mais amplo, de forma que o mínimo possa possuí-la e perdê-la, colocasse sua honra e supremacia reais; ou em lugar de vaidade e mentiras, pelas quais cada um pode entender, de acordo com sua situação, todo tipo de calúnia e engano a que ele pode estar exposto, substituiu os conselhos tolos de Absalão, e de seus companheiros em particular! Ewald, seguindo muitos dos expositores mais antigos, conclui apropriadamente de Salmos 4:8, que o Salmo foi composto como um hino noturno e oração. A noite é o período em que os sentimentos dolorosos têm mais probabilidade de incitar e inflamar o coração dos que estão longe de Deus. Que esta noite foi a primeira da fuga de Davi, é provável a partir do Salmo 4:7, além das razões já apresentadas em nossa introdução ao Salmo anterior.

“Ao mestre do canto”

A palavra למנצח, que está no início de cinquenta e três Salmos, é considerada por muitos como uma forma aramaica do infinitivo. Eles interpretam, ou “para cantar”, ou como Claus mais definitivamente, “para cantar através”, com referência a esse tipo de música, da qual a mesma melodia é continuada por meio de estrofes diferentes, em contraste com uma composição que abrange todo o Salmo. Ambas as traduções, no entanto, são bastante arbitrárias, e não menos arbitrária é a explicação dada da forma. A forma aramaica do infinitivo nunca é encontrada em hebraico; e mesmo que fosse, não seria como aqui. Contra esta explicação pode-se, por fim, argumentar que com aquela palavra sempre se junta o artigo. A forma só pode ser a partícula em Piel com o artigo prefixado. Agora, נִצּחַ ocorre com frequência nos livros de Crônicas e Esdras, no sentido de “presidir” e, como foi observado por Ewald, é usado apenas para a ordenação e direção que foram confiadas aos chefes dos levitas – incerto se incidentalmente, ou se a palavra é um termo técnico levítico – e em 1Cr 15:2, é especialmente usado para a direção da apresentação musical. O que poderia ser mais natural então, nos subtítulos dos Salmos, do que lembrar o líder da música? מנצח significa meramente um “chefe”, e deduzimos apenas a partir do contexto, que um diretor de música foi especialmente concebido. Do artigo, que pode ser entendido genericamente com perfeita propriedade, não devemos concluir com Ewald que a direção de música era um ofício permanente no templo. O título, “para o músico-chefe”, é importante na medida em que fornece uma prova de que os Salmos que o contêm no subtítulo se destinavam ao uso público no templo. É apenas com uma referência a isso que a palavra poderia ocupar o lugar que ocupa nos subtítulos. Este lugar deve ter sido atribuído pelos próprios autores dos Salmos, gerando assim uma predisposição muito favorável em nome da originalidade das demais informações contidas nos subtítulos. Ewald, a fim de neutralizar esse testemunho para os subtítulos, traduziria de bom grado למנצח: do músico-chefe. Em sua opinião, a palavra indica que o Salmo foi realmente musicado e executado pelo músico-chefe. Mas para a outra tradução para o músico chefe, significando que deveria ser entregue a ele para ser preparada para a execução (nesse caso, a palavra deve ter sido prefixada pelo próprio autor, antes que a execução musical realmente ocorresse), uma prova decisiva é fornecida por Hq 3:19, a mais importante em sua influência em nossa exposição aqui, visto que o profeta manifestamente imita a inscrição dos Salmos. As palavras למנצח בנגינותי, com as quais a canção da Igreja está encerrada, não podem ser explicadas de outra forma senão como significando, “para o músico-chefe sobre meu (de Israel, pois é a Igreja que fala através de todo o capítulo) instrumento de cordas; ” que é tanto quanto, atribuído ao músico-chefe, para que ele possa tê-la cantada publicamente no templo com o acompanhamento de música sacra: esta pode ser considerada a música nacional. Negionote é o nome geral de todos os instrumentos de cordas. A inscrição inteira, então, do Salmo, deve ser parafraseada assim: Um Salmo de Davi a ser entregue ao diretor musical, para que ele possa providenciar sua execução com o acompanhamento de instrumentos de cordas. [Hengstenberg]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – março de 2021.