Bíblia

Mateus 6

1 Ficai atentos para que não façais vossa boa ação diante das pessoas a fim de que sejais vistos por elas; de outra maneira não tereis recompensa de vosso Pai que está nos céus.

a fim de que sejais vistos por elas – para ganhar seus aplausos. A qualidade das ações externas é determinada por aquilo que as motiva. [Edwards, 1851]

Esmolas

2 Portanto, quando fizeres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem honrados pelas pessoas; em verdade vos digo que já receberam sua recompensa.

como fazem os hipócritas (aquele que coloca uma máscara e finge ser o que não é) nas sinagogas (lugares religiosos) e nas ruas (lugares seculares).

já receberam sua recompensa – pois tudo o que queriam era aplausos. [JFU, 1871]

3 Mas quando tu fizeres esmola, não saiba tua mão esquerda o que faz a tua direita;

não saiba tua mão esquerda o que faz a tua direita. Esta afirmação de Jesus foi provavelmente proverbial e indica, por meio de uma hipérbole (um exagero proposital), segredo absoluto, ou seja, ninguém precisa (nem deve) ficar sabendo quando ajudamos alguém. Segundo Ellicott, é possível que haja alguma referência à prática de usar a mão direita ao oferecer ofertas no altar.

4 Para que a tua esmola seja em segredo, e teu Pai, que vê em segredo, ele te recompensará.

ele te recompensará. Quando esta “recompensa” será dada não é informado. Se, como é provável, nosso Senhor está pensando na” recompensa” de Mt 6:1 e Mt 5:12, ela será dada no dia do julgamento. [Pulpit, 1897]

Oração

5 E quando orardes, não sejais como os hipócritas; porque eles amam orar em pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas para serem vistos pelas pessoas. Em verdade vos digo que já receberam sua recompensa.

Os hipócritas manifestavam o mesmo espírito sobre a oração que a esmola; ela era feita em locais públicos. A palavra sinagogas, neste caso, significa claramente, não o local de culto com esse nome, mas lugares onde muitos estavam acostumados a se reunir – perto dos mercados ou tribunais, onde podiam ser vistos por muitos. Nosso Senhor, evidentemente, não teve a intenção de condenar as orações nas sinagogas (que eram comuns). Poderia se dizer que ele condenou a oração daqueles que queriam aparecer, enquanto negligenciavam a oração secreta; mas esse não parece ser sua intenção. Os judeus tinham o hábito de orar em lugares públicos. Em certos momentos do dia, eles regularmente ofereciam suas orações. Onde quer que estivessem, interrompiam o seu trabalho e cumpriam as suas devoções. Isso também é praticado atualmente em todo lugar por muçulmanos, e em muitos lugares por católicos romanos. Parece, também, que eles procuravam publicidade, e consideravam essa prática uma evidência de grande piedade. [Barnes, 1832]

6 Porém tu, quando orares, entra em teu quarto, fecha tua porta, e ora a teu Pai, que está em segredo; e teu Pai, que vê em segredo, ele te recompensará.

ele te recompensará. Quando esta “recompensa” será dada não é informado. Se, como é provável, nosso Senhor está pensando na” recompensa” de Mt 6:1 e Mt 5:12, ela será dada no dia do julgamento. [Pulpit, 1897]

Instruções suplementares e modelo de oração

7 E quando orardes, não façais repetições inúteis como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos.

como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Este método pagão de devoção ainda é praticado por devotos hindus e muçulmanos. Para os judeus, afirma Lightfoot, era um ditado, “Todo aquele que multiplica a oração é ouvido”. Na Igreja de Roma, essa prática não só é levada a um grau vergonhoso, mas, como bem observa Toluck, a própria oração que o Senhor deu como antídoto para a repetição inútil é a mais abusada para este fim supersticioso; o número de vezes que a oração é repetida é o que mais importa. Não este não é o aspecto da devoção pagã que o Senhor aqui condena?[JFU, 1871]

8 Não sejais, pois, semelhantes a eles; porque vosso Pai sabe o que necessitais, antes que vós peçais a ele.

vosso Pai sabe o que necessitais. O nosso Pai conhece os nossos pedidos, ainda assim devemos expressá-los. Porque? pois isto é uma prova da nossa fé e dependência de Deus, que são as condições para o sucesso na oração. [Cambridge, 1893]

9 Vós, portanto, orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.

portanto, orareis assim. Não fazendo “repetições inúteis como os gentios”, mas a usando como exemplos para as suas orações.

10 Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra, assim como no céu.

Venha o teu Reino. Que teu Reino seja plenamente estabelecimento. A oração passa da aceitação pessoal daquilo que Deus revela sobre si mesmo para o consequente resultado. A petição tem um significado mais amplo que o desenvolvimento e a expansão da Igreja, ou mesmo o retorno pessoal de Cristo na segunda vinda. Fala do estabelecimento final e perfeito do reino de Deus, no qual todos os homens viverão segundo a sua vontade.

O Dr. C. Taylor aponta que a vinda do Reino e a santificação do Nome estão reunidas em Zc 14:9; Weiss, com muitos outros, diz que nosso Senhor provavelmente adaptou a oração judaica frequente pela vinda do reino do Messias. [Pulpit, 1897]

11 O pão nosso de cada dia nos dá hoje.

A palavra pão, aqui, sem dúvida abrange tudo o necessário para sustentar a vida. Compare Dt 8:3. Esta petição implica nossa dependência de Deus para o suprimento das nossas necessidades. Como somos dependentes dele um dia e outro, era evidentemente a intenção do Salvador que a oração fosse feita todos os dias. Além disso, a petição é expressa no plural – nos dá – e, por isso, é evidentemente destinada a ser empregada por mais de uma pessoa, ou por alguma comunidade. Nenhuma comunidade ou congregação pode se reunir todos os dias para adoração, exceto famílias. Portanto, é evidente que esta oração contém um forte comando implícito para a oração diária em família. [Barnes, 1832]

12 E perdoa-nos nossas dívidas, assim como nós também perdoamos aos nossos devedores.

nossas dívidas – obrigações morais não cumpridas, ou seja, pecados. Mt 6:14 exige que seja este sentido.

Os nossos devedores, como em “dívidas”, devem ser entendidos no sentido moral. Somos pecadores, sempre necessitados de perdão; o perdão e a prontidão para perdoar não podem ser separados, sendo o último a evidência do primeiro. [Schaff, 1879]

13 E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.

não nos deixes cair em tentação. A palavra original grega inclui dois conceitos representados em português por “provações”, isto é, sofrimentos que testam ou experimentam, e “tentações”, seduções junto ao prazer que tendem a nos levar ao mal. Destes, o primeiro é o significado dominante na linguagem do Novo Testamento, e é o que devemos pensar aqui. (Complemento Mt 26:41). Somos ensinados a não pensar na tentação em que a cobiça encontra a oportunidade como aquela na qual Deus nos conduz (Tg 1:13-14); há, portanto, algo que nos choca no pensamento de pedir que Ele não nos leve a isso. Mas provações de outro tipo, perseguição, conflitos espirituais, agonia do corpo ou do espírito, podem chegar até nós como teste ou como disciplina. Será que deveríamos nos encolher com isto? Um estoicismo ideal, uma fé aperfeiçoada, diria: “Não, aceitemos e deixemos a questão nas mãos do nosso Pai”. Mas aqueles que estão conscientes da sua fraqueza não podem se livrar do pensamento de que podem falhar no conflito, e o grito dessa fraqueza consciente é, portanto, “não nos deixes cair em tentação”, assim como nosso Senhor orou: “Se for possível, passe de mim este cálice” (Mt 26:39). E a resposta à oração pode vir como a isenção da prova, ou no “escape” (1Co 10:13), ou na força para suportá-la. Dificilmente é possível ler a oração sem pensar na experiência recente de “tentação” pela qual nosso Senhor passou. A lembrança daquela provação em todos os seus aspectos terríveis ainda estava presente com Ele, e em Seu terno amor por Seus discípulos, Ele ordenou que orassem para que não fossem levados a algo tão terrível. [Ellicott, 1905]

14 Porque se perdoardes às pessoas suas ofensas, vosso Pai celestial também vos perdoará;

Porque se perdoardes às pessoas suas ofensas. Se perdoardes aos outros quando eles vos ofendem ou ferem.

vosso Pai celestial também vos perdoará. Isto é requerido constantemente na Bíblia. Nosso Salvador diz que devemos perdoar mesmo que a ofensa seja cometida setenta vezes sete vezes (Mt 18:22). Isto significa que, quando um homem pede perdão, devemos cordialmente e para sempre perdoar a ofensa; devemos declarar a nossa disposição de perdoar-lhe. Se ele não pedir perdão, ainda assim devemos tratá-lo com benevolência; não guardar malícia, não falar mal dele, estar prontos para lhe fazer o bem, e estar sempre preparados para o perdoar quando ele o pedir, e se não estivermos prontos e dispostos a perdoá-lo, estamos certos de que Deus não nos perdoará. [Barnes]

15 Mas se não perdoardes às pessoas, também vosso Pai não vos perdoará vossas ofensas.

se não perdoardes às pessoas (que vos ofenderam), também vosso Pai não vos perdoará vossas ofensas. Isto é constantemente requerido na Bíblia. Nosso Salvador diz que devemos perdoar mesmo que a ofensa seja cometida setenta vezes sete vezes, (Mt 18:22). Isso significa que, quando alguém pede perdão, devemos sincero e eternamente perdoar a ofensa; devemos declarar nossa disposição de perdoá-lo. Se ele não pedir perdão, ainda assim devemos tratá-lo gentilmente; não guardar mágoa, não falar mal dele, estar pronto para fazer bem a ele e estar sempre preparado para declara-lo perdoado quando ele pedir, e se não estivermos prontos e dispostos a perdoá-lo, é certo de que Deus não nos perdoará. [Barnes, 1832]

Jejum

16 E quando jejuardes, não vos mostreis tristonhos, como os hipócritas; porque eles desfiguram seus rostos, para parecerem aos outros que jejuam. Em verdade vos digo que eles já receberam sua recompensa.

E quando jejuardes – referindo-se, provavelmente, ao jejum privado e voluntário; embora em espírito se aplicasse a qualquer jejum.

para parecerem aos outros que jejuam. Não era o ato, mas a reputação pelo ato que procuravam; e com esta perspectiva aqueles hipócritas agravavam seus jejuns. [JFU, 1871]

17 Porém tu, quando jejuares, unge a tua cabeça e lava o teu rosto,

unge a tua cabeça e lava o teu rosto. Como os judeus normalmente faziam, exceto quando estavam de luto (Dn 10:3); assim o significado é: “que sua aparência esteja como de costume”. [JFU, 1871]

18 Para não pareceres às pessoas que jejuas, mas sim ao teu Pai, que está em segredo; e teu Pai, que vê em segredo, ele te recompensará.

ele te recompensará. Quando esta “recompensa” será dada não é informado. Se, como é provável, nosso Senhor está pensando na” recompensa” de Mt 6:1 e Mt 5:12, ela será dada no dia do julgamento. [Pulpit, 1897]

19 Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões invadem e roubam;

onde a traça. Parte dos tesouros orientais eram vestes caras (Jó 27:16), por isso poderiam serem consumidos por traças (Jó 13:28; Is 50:951:8) . Em Tg 5:2 há uma referência clara às palavras do nosso Senhor aqui. Quão perecíveis são os tesouros terrenos! [JFU, 1871]

20 Mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem gastam, e onde os ladrões não invadem nem roubam.

ajuntai para vós tesouros no céu. Estas, como na passagem paralela de Lc 12:33, são as boas obras, ou melhor, o caráter formado por elas, que nos segue para o mundo invisível (Ap 14:13), e não está sujeito a nenhum processo de decadência. Portanto, os homens são “ricos em boas obras” (1Tm 6:18), “ricos em fé” (Tg 2:5), são feitos participantes das “riquezas insondáveis de Cristo e de Sua glória” (Ef 3:8,16). [Ellicott, 1905]

21 Porque onde estiver o teu tesouro, ali estará também o teu coração.

Os homens podem tentar convencer-se de que terão um tesouro na terra e também um tesouro no céu, mas, a longo prazo, um ou outro afirmará sua pretensão de ser o verdadeiro tesouro, e reivindicará a lealdade total do coração. [Ellicott, 1905]

22 A lâmpada do corpo é o olho; portanto, se o teu olho for puro, todo o teu corpo será cheio de luz.

Como teremos certeza de que estamos acumulando tesouros no céu e agindo de maneira simples e pura para a glória de Deus? Aqui nosso Senhor responde: Prestando atenção nas nossas consciências e mantendo-as saudáveis. Estamos muito inclinados a acreditar que elas certamente nos levarão ao que é certo, esquecendo que a própria consciência pode ser obscurecida pelo pecado. A consciência é como o olho. Quando o olho está saudável, todo o corpo é cheio de luz (Mt 6:22). Todo objeto é visto em suas cores e proporções verdadeiras. Mas se houver catarata no olho, malformação ou daltonismo, todo o corpo estará cheio de luz distorcida ou escuridão (Mt 6:23). Assim pode ser com a consciência, e por isso somos advertidos contra confiar cegamente em nossa consciência, que pode, através do pecado passado ou da falta de educação moral, estar vendo as coisas em uma luz falsa, ou até mesmo ser totalmente corrompida, proporcionando-nos escuridão moral em vez de luz. Devemos submeter nossas consciências aos ensinos de Jesus Cristo, e ter certeza antes de confiar nelas, que elas emitem os mesmos julgamentos morais e são tão sensíveis quanto as dos melhores cristãos. Quando nossa consciência estiver sã e nossa alma cheia de luz, poderemos discernir se estamos servindo a Deus ou a mamom. Se nossas consciências não são saudáveis, podemos continuar servindo mamom a vida inteira sem saber. [Dummelow, 1909]

23 Porém se o teu olho for maligno, todo o teu corpo será cheio de trevas. Assim, se a luz que há em ti são trevas, como são grandes essas trevas!

Veja o comentário no versículo anterior (Mt 6:22).

24 Ninguém pode servir a dois senhores; pois ou odiará um e amará outro; ou se apegará a um, e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.

dois senhores. Nosso Senhor declara que, em último caso, existem apenas duas classes de homens, aqueles que servem a Deus e aqueles que servem ao [sistema do] mundo. [Dummelow, 1909]

25 Por isso vos digo: não andeis ansiosos por vossa vida, sobre o que haveis de comer, ou que haveis de beber; nem por vosso corpo, sobre com que vos haveis de vestir. Não é a vida mais que o alimento, e o corpo mais que a roupa?

não andeis ansiosos. A mesma palavra ocorre em Fp 4:6, “não estejais ansiosos”. Compare com 1Pe 5:7, “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade”.

O argumento no versículo é: tal ansiedade é desnecessária; Deus deu a vida e o corpo; Ele não suprirá as necessidades de comida e roupa? [Cambridge, 1893]

26 Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e contudo vosso Pai celestial as alimenta. Não sois vós muito mais importantes que elas?

as aves do céu – elas fazem sua parte, e Deus cuida do resto. Portanto, não temos um destino impessoal ou um acaso cego adiante; mas um Pai celestial, que conhece seus filhos e como provê-los. Os pássaros do céu ensinarão você a viver pela fé. [Whedon, 1874]

♬ Sobre a providência de Deus, ouça a música Lírios e Pardais de Stênio Marcius.

27 E qual de vós poderá, por sua ansiedade, acrescentar um côvado à sua estatura?

acrescentar um côvado à sua estatura? Como ninguém literalmente desejaria adicionar um côvado (45cm) à sua estatura, e a palavra traduzida “estatura” geralmente significa “idade”, a melhor tradução seria: “Quem de vocês…pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?” (NVI). [Dummelow, 1909]

28 E por que andais ansiosos pela roupa? Prestai atenção aos lírios do campo, como crescem; eles nem trabalham nem fiam.

Prestai atenção aos lírios do campo. A qual lírio Jesus se refere, não sabemos. Calcott acha que é o lírio branco perfumado que cresce abundantemente por toda a Palestina. Tristam favorece a anemone coronaria; e Thomson, o lírio huleh, uma espécie de íris. É possível, no entanto, que os estudiosos estejam tentando fazer distinções onde o próprio Jesus não fez nenhuma. É altamente provável que, na linguagem popular, muitas das flores comuns da primavera se agrupassem livremente sob o nome de lírio. [The Fourfold Gospel, 1914]

29 Mas eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles.

Para uma descrição da glória de Salomão leia 1Rs 10:4-7.

30 Se Deus veste desta maneira a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vestirá ele muito mais a vós, que tendes pouca fé?

lançada no forno. O forno judeu era um recipiente mais estreito em cima do que em baixo, feito de barro cozido. Às vezes, o combustível era colocado dentro, e os bolos colocados contra os lados. Às vezes, o forno era aquecido com fogo aceso por baixo ou à sua volta. A erva do campo (incluindo os lírios), assim como galhos e madeira eram provavelmente usados como combustível. [Cambridge, 1893]

31 Não andeis, pois, ansiosos, dizendo: 'Que comeremos?' ou 'que beberemos?' ou 'com que nos vestiremos?'

Não andeis, pois, ansiosos (“não se preocupem”, NVI; “não vos inquieteis”, JFA).

32 Porque os gentios buscam todas estas coisas, e vosso Pai celestial sabe que necessitais destas coisas, todas elas.

Porque os gentios buscam todas estas coisas. Uma gentil repreensão ao orgulho nacional dos israelitas. Em outras palavras, “Vocês desprezam as nações pagãs, e se consideram como povo de Deus, mas são melhores que eles, se vocês buscam apenas o que eles buscam?”. [Ellicott, 1905]

33 Mas buscai primeiramente o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

Observe que a promessa feita não aos ociosos, aos negligentes ou aos cruéis, mas sim aos justos, que buscam primeiro o reino de Deus e Sua justiça. [Dummelow, 1909]

34 Não andeis, pois, ansiosos pelo dia de amanhã, porque o amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.

o amanhã cuidará de si mesmo – ou seja, trará suas próprias razões para ansiedade, logo basta a cada dia o seu mal. Cada dia traz consigo suas próprias preocupações; e antecipá-las é apenas dobrá-las. [JFU, 1871]

<Mateus 5 Mateus 7>

Leia também uma introdução ao Evangelho de Mateus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.