Bíblia

1 João 2

1 Meus filhinhos, vos escrevo estas coisas para que não pequeis; mas se alguém pecar, nós temos um advogado com o Pai: Jesus Cristo, o justo.

(1Jo 5:18)

Meus filhinhos – O diminutivo expressa a terna afeição de um pastor idoso e pai espiritual. Meus queridos filhos, isto é, filhos e filhas (ver 1Jo 2:12).

estas coisas  – (1Jo 1:6-10). Meu propósito ao escrever o que acabei de escrever não é que você use isso como uma licença para pecar, mas, pelo contrário, “para que não pequeis” (o aoristo grego, implicando não apenas a ausência do hábito, mas de atos únicos de pecado [Henry Alford]). Para “andar na luz” (1Jo 1:5,7), o primeiro passo é a confissão do pecado (1Jo 1:9), o próximo (1Jo 2:1) é que nós devemos abandonar todo pecado. O propósito divino tem por objetivo impedir a prática do pecado ou destruí-lo (J.A. Bengel).

mas se alguém pecar – deixe o pecado, enquanto o odeia e condena, não tenha medo de ir imediatamente a Deus, o Juiz, confessando-o, pois “temos um Advogado com Ele”. Ele está falando dos pecados ocasionais de um crente praticados por causa do engano e malícia de Satanás. O uso de “nós” imediatamente depois implica que todos nós estamos sujeitos a isso, embora não necessariamente constrangidos a pecar.

nós temos um advogado – A defesa é um bênção da família de Deus; outras bênçãos que Ele concede aos bons e aos maus, mas a justificação, santificação, intercessão contínua e paz, Ele concede somente a Seus filhos.

advogado – grego, “paracleto”, o mesmo termo que é aplicado ao Espírito Santo, como o “outro Consolador”; mostrando a unidade da Segunda e Terceira Pessoa da Trindade. Cristo é o nosso Intercessor nos céus; e, em Sua ausência aqui na terra, temos o Espírito Santo a interceder por nós. A defesa de Cristo é inseparável do consolo do Espírito Santo e opera em nós, como o espírito da oração de intercessão.

o justo – Como nosso “advogado”, Cristo não é um mero suplicante. Ele advoga por nós no terreno da justiça, ou da retidão, bem como da misericórdia. Embora Ele não possa dizer nada de bom de nós, Ele pode dizer muito por nós. É a Sua justiça, ou obediência à lei, e sofrimento da sua total penalidade por nós, sobre a qual Ele alega sua reivindicação pela nossa absolvição. O sentido, portanto, é “em que ele é justo”; em contraste com o nosso pecado (“se alguém pecar”). O Pai, ressuscitando-o dentre os mortos, e colocando-o a sua própria direita, aceitou de uma vez por todas a reivindicação de Cristo por nós. Portanto, as acusações do acusador contra os filhos de Deus são vãs. “A justiça de Cristo está do nosso lado; porque a justiça de Deus é, em Jesus Cristo, nossa”(Lutero). [JFB]

2 E ele é o sacrifício para perdão dos nossos pecados; e não somente dos nossos, mas também dos de todo o mundo.

E ele é – grego, “E ele mesmo”. Ele é o nosso advogado vitorioso, porque Ele é “o sacrifício”; resumo, como em 1Co 1:30: Ele nos é tudo o que é necessário para “perdão dos nossos pecados”; o sacrifício propiciatório, provido pelo amor do Pai, removendo o afastamento e apaziguando a justa ira da parte de Deus contra o pecador. O único outro lugar no Novo Testamento onde ocorre a expressão “sacrifício para perdão” é 1Jo 4:10; ela corresponde na Septuaginta ao hebraico, “caphar”, para efetuar uma expiação ou reconciliação com Deus; e em Ez 44:29, para a oferta pelo pecado. Em Rm 3:25, no grego é “propiciatório”, isto é, a tampa da arca sobre a qual Deus, representado pela glória da Shekinah acima dela, encontrou Seu povo, representado pelo sumo sacerdote que aspergiu o sangue do sacrifício sobre ela.

e não somente dos nossos – crentes: não judeus, em contraste com os gentios; porque ele não está escrevendo para os judeus (1Jo 5:21).

mas também dos de todo o mundo – a “defesa” de Cristo é limitada aos crentes (1Jo 2:1; 1Jo 1:7): Sua propiciação se estende tão amplamente quanto o pecado se estende: veja 2Pe 2:1, “negando o Senhor que os comprou”. “Todo o mundo” não pode ser restrito à porção crente do mundo (compare 1Jo 4:14; 1Jo 5:19). “Tu também, fazes parte do mundo, para que teu coração não possa se enganar e pensar: O Senhor morreu por Pedro e Paulo, mas não por mim” (Lutero). [JFB]

3 E nisto sabemos que o conhecemos, se guardamos os seus mandamentos.

E nisto – “É aqui”, e aqui apenas, que sabemos (tempo presente) que temos conhecimento (tempo perfeito, uma vez por todas obtido e contínuo conhecimento) dEle” (1Jo 2:4,13-14). Os gnósticos, que se vangloriavam de conhecimento, mas deixavam de lado a obediência, pelo aviso prévio do Espírito, são refutados. O “conhecemos”, a saber, como “o Justo” (1Jo 2:1,29); nosso “Advogado e Intercessor”.

se guardamos – a palavra favorita de João, em vez de “fazer”, literalmente, “vigiar”, “guardar” e “manter seguro” como uma coisa preciosa. Então o próprio Cristo. Não uma conformidade irrepreensível, mas uma sincera aceitação e sujeição voluntária à inteira vontade revelada de Deus.

os seus mandamentos – determinações para fé, amor e obediência. João nunca usa “a lei” para expressar a regra da obediência cristã: ele a usa como a lei mosaica. [JFB]

4 Aquele que diz: “Eu o conheço”, mas não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.

“Eu o conheço” – no grego “tenho conhecimento (perfeito) dele”. Compare com este versículo 1Jo 1:8.

5 Mas quem guarda a sua palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus tem se aperfeiçoado; nisso sabemos que estamos nele.

Não apenas repetindo a proposição, 1Jo 2:3, ou afirmando a alternativa meramente oposta a 1Jo 2:4, mas expandindo o “conhecê-lo” de 1Jo 2:3, em “nele verdadeiramente (não como uma questão de vaidosa ostentação) o amor de (que é para) Deus tem se aperfeiçoado”, e “estamos nele”. Amor aqui responde ao conhecimento em 1Jo 2:3. Na proporção em que amamos a Deus, na mesma proporção nós O conhecemos, e vice-versa, até que nosso amor e conhecimento alcancem sua completa maturidade de perfeição.

a sua palavra – Sua palavra é uma só (ver em 1Jo 1:5), e compreende Seus “mandamentos”, que são muitos (1Jo 2:3).

nisso – em nosso progresso em direção a esse ideal de amor aperfeiçoado e obediência. Há uma gradação: 1Jo 2:3, o conhecemos”; 1Jo 2:5, “estamos nele”; 1Jo 2:6, “permanece nele”; respectivamente, conhecimento, companheirismo, constância permanente (J.A. Bengel). [JFB]

6 Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou.

está – implicando uma condição duradoura, sem intervalo e sem fim.

Aquele que dizdeve – para que suas ações possam ser consistentes com suas palavras.

como ele – Os crentes prontamente fornecem o nome, seus corações estão cheios Dele (compare Jo 20:15). “Como ele andou” quando estava na terra, especialmente no que diz respeito ao amor. João se deleita em se referir a Cristo como o homem modelo, com as palavras: “Como ele”, etc. “Não é Cristo andando sobre o mar, mas a sua caminhada comum, que somos chamados a imitar” (Lutero). [JFB]

7 Amados, não vos escrevo um mandamento novo, mas sim o mandamento antigo, que tivestes desde o princípio. Este mandamento antigo é a palavra que ouvistes.

não vos escrevo um mandamento novo – a saber, o amor, o principal princípio de andar como Cristo andou (1Jo 2:6), e aquele mandamento, do qual um exemplo é dado, 1Jo 2:9,10, o amor de irmãos.

que tivestes desde o princípio – desde o tempo em que ouvistes pela primeira vez a palavra do Evangelho pregada. [JFB]

8 Mas também vos escrevo um mandamento novo, que é verdadeiro nele e em vós; pois as trevas passaram, e a verdadeira luz já ilumina.

um mandamento novo – Era “antigo”, pois os cristãos ouviram isso desde o início; mas “novo” (grego, “kaine“, não “nea“: novo e diferente do antigo preceito legal) na medida em que foi propagado claramente com o cristianismo; embora o espírito interior da lei fosse o amor até mesmo para os inimigos, ainda assim ele estava envolvido em alguns preceitos amargos que o fizeram ser temporariamente quase desconhecido, até que o Evangelho veio. O cristianismo colocou amor aos irmãos no novo e mais elevado MOTIVO, constrangendo-nos a amar a todos, até mesmo aos inimigos, andando assim nos passos dAquele que nos amou quando inimigos. Então, Jesus chama isso de “novo”, Jo 13:34-35, “Amem uns aos outros como eu vos amei” (o novo motivo); Jo 15:12

que é verdadeiro nele e em vós“Em Cristo todas as coisas são verdadeiras, e assim foram desde o princípio; mas em Cristo e em nós conjuntamente o mandamento (do amor aos irmãos) é então verdadeiro quando reconhecemos a verdade que está Nele, e temos o mesmo crescimento em nós” (J.A. Bengel). O novo mandamento é sua verdade em prática na caminhada dos cristãos em união com Cristo. [JFB]

9 Aquele que diz que está na luz, e odeia seu irmão, até agora está nas trevas.

Não há um meio termo entre a luz e as trevas, o amor e o ódio, a vida e a morte, Deus e o mundo: onde quer que a vida espiritual está, por mais fraca que seja, lá a escuridão e a morte não reinam mais, e o amor suplanta o ódio (Lc 9:50), onde quer que a vida não esteja, lá a morte, a escuridão, a carne, o mundo e o ódio, por mais encoberto e escondido da observação do homem, prevalecem (Lc 11:23). “Onde o amor não existe, existe o ódio; porque o coração não pode permanecer vazio” (J.A. Bengel).

seu irmão – seu vizinho e especialmente os da família cristã. O próprio título “irmão” é uma razão pela qual o amor deve ser exercido.

até agora – apesar de que “a verdadeira luz já começou a brilhar” (1Jo 2:8). [JFB]

10 Aquele que ama o seu irmão está na luz, e nele não há motivo algum de tropeço.

Permanecer no amor é permanecer na luz; porque a luz do evangelho não apenas ilumina o entendimento, mas aquece o coração no amor.

não há motivo algum de tropeço – Em contraste com: “Aquele que odeia a seu irmão está nas trevas, e anda nas trevas, e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos”. “Naquele que ama não há cegueira nem ocasião de tropeço (para si mesmo): naquele que não ama, há cegueira e ocasião de tropeço. Aquele que odeia seu irmão é ao mesmo tempo uma pedra de tropeço para si mesmo, e tropeça contra si mesmo e tudo dentro e fora de si; quem ama tem um caminho desimpedido” (J.A. Bengel). João tem em mente as palavras de Jesus, Jo 11:9-10. [JFB]

11 Mas aquele que odeia seu irmão está nas trevas, anda nas trevas, e não sabe para onde vai, pois as trevas lhe cegaram os olhos.

está nas trevas, anda nas trevas – “está” marca seu estado contínuo: ele nunca saiu da “escuridão”; “anda” marca seus caminhos e ações.

para onde – grego, “onde”; incluindo não apenas o destino, mas também o percurso.

cegaram– A escuridão não apenas envolve, mas o cega, e é uma cegueira de longo tempo. [JFB]

12 Eu vos escrevo, filhinhos, porque pelo nome dele os vossos pecados são perdoados.

vossos pecados são perdoados– “foram e são perdoados”: TODOS os filhos e filhas de Deus desfrutam deste privilégio.

13 Eu vos escrevo, pais, porque conheceis aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevo, jovens, porque vencestes o maligno. Eu vos escrevi, filhinhos, porque conheceis o Pai.

aquele que é desde o princípio – Cristo: “o que era desde o princípio”.

14 Eu vos escrevi, pais, porque conheceis aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, a palavra de Deus está em vós, e vencestes o maligno.

jovensfortes – A fé é a vitória que supera o mundo. Este termo “vencestes” é peculiarmente de João, adotado de seu amado Senhor. Ocorre dezesseis vezes no Apocalipse, seis vezes na Primeira Epístola, apenas três vezes no resto do Novo Testamento. Para vencer o mundo na força do sangue do Salvador, devemos estar dispostos, como Cristo, a nos separar de qualquer coisa que nos seja do mundo: “Não ameis o mundo, nem as coisas … no mundo”.

O segredo da força dos jovens: a palavra do Evangelho, revestida de poder vivo pelo Espírito que é permanentemente neles; esta é “a espada do Espírito” empunhada em oração dependente de Deus. Contraste a mera força física dos homens jovens (Is 40:30-31). O ensino oral preparou esses jovens para o uso proveitoso da palavra quando escrita. “O Anticristo não pode colocar você em perigo (1Jo 2:18), nem Satanás arranca de você a palavra de Deus.”

o maligno – que, como “príncipe deste mundo”, cativa “o mundo” (1Jo 2: 5-17; 1Jo 5:19, grego, “o iníquo”), especialmente os jovens. Cristo veio para destruir o “príncipe do mundo”. Os crentes alcançam a primeira grande conquista quando passam das trevas para a luz, mas depois precisam manter uma manutenção contínua de si mesmos de seus ataques, olhando para Deus por quem eles são mantidos em segurança. J.A. Bengel pensa que João se refere especialmente à notável constância exibida pelos jovens na perseguição de Domiciano. Também ao jovem a quem João, depois de voltar de Patmos, liderou com gentil e amorosa persuasão ao arrependimento. Este jovem havia sido elogiado pelos encarregados da Igreja que João estabeleceu, como um promissor discípulo; sendo cuidadosamente observado até o batismo. Mas depois confiando demais na graça batismal, ele se juntou às más companhias e decaiu, até se tornar capitão de ladrões. Quando João, alguns anos depois, revisitou a Igreja e ouviu sobre a triste queda do jovem, se permitiu ser capturado por ladões e foi levado à presença do capitão. Os jovens, atormentados pela consciência e pela lembrança de anos anteriores, fugiram do venerável apóstolo. Cheio de amor, o velho pai correu atrás dele, pediu-lhe coragem e anunciou-lhe o perdão dos seus pecados em nome de Cristo. O jovem foi recuperado para os caminhos do cristianismo, e foi o meio de induzir muitos dos seus maus companheiros a se arrependerem e acreditarem (Clemente de Alexandria, Quem é o homem rico que será salvo? Eusébio, História Eclesiástica; Exortação a Teodoro I). [JFB]

15 Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.

Não ameis o mundo. “O mundo jaz no maligno” (1Jo 5:19), a quem vocês, jovens, venceram. Tendo uma vez por todas, através da fé, vencido o mundo (1Jo 4:4; 1Jo 5:4), prossigam a conquista não amando-o. “O mundo” aqui significa “homem e mundo do homem” (Henry Alford), em seu estado caído de Deus. “Deus amou (com o amor da compaixão) o mundo”, e devemos sentir o mesmo tipo de amor pelo mundo caído; mas não devemos amar o mundo com simpatia em seu afastamento de Deus; não podemos ter este último tipo de amor pelo mundo separado de Deus, e ainda ter também “o amor do Pai” em nós.

nem as. Um homem pode negar em geral que ele ama o mundo, ao mesmo tempo em que busca intensamente algumas das SUAS COISAS: riquezas, honras ou prazeres.

Se alguém. Portanto, a advertência, embora dirigida principalmente aos jovens, aplica-se a todos.

o amor do Pai não está nele. Isto é, para “o Pai”. Os dois, Deus e o mundo (pecaminoso), são tão opostos que ambos não podem ser amados de uma só vez. [JFU]

16 Pois tudo o que há no mundo, a cobiça da carne, a cobiça dos olhos, e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.

Pois tudo o que há no mundo – pode ser classificado em um ou outro dos três; o mundo contém estes e não mais.

a cobiça da carne – isto é, o desejo que tem sua sede e fonte em nossa natureza carnal. Satanás usou essa tentação em Cristo: Lc 4:3: “Ordena a esta pedra que se transforme em pão”. A juventude está especialmente sujeita a desejos carnais.

a cobiça dos olhos – a avenida através da qual as coisas exteriores do mundo, riquezas e beleza, nos inflamam. Satanás usou essa tentação em Cristo quando mostrou a Ele os reinos do mundo. Pela cobiça dos olhos, Davi (2Sl 11:2) e Acã caíram (Js 7:21). Compare a oração de Davi, Sl 119:37; Mt 5:28. O único bem das riquezas do mundo para seu possuidor é vê-las com os olhos. Compare Lc 14:18: “preciso ir e vê-lo”.

soberba da vida – literalmente, “presunção arrogante”: exibição vaidosa. O orgulho era o pecado de Satanás pelo qual ele caiu e forma o elo entre os dois inimigos do homem, o mundo (respondendo à “cobiça dos olhos”) e o diabo (como “a cobiça da carne” é o terceiro inimigo). Satanás usou essa tentação em Cristo ao colocá-lo no pináculo do templo que, em orgulho e presunção espiritual, com base no cuidado de Seu Pai, Ele deveria se lançar para baixo. Os mesmos três inimigos aparecem nas três classes de solo em que a semente divina cai: os ouvintes do caminho, o diabo; os espinhos, o mundo; o subsolo rochoso, a carne (Mt 13:18-23; Mc 4:3-8). A horrenda antiTrindade do mundo, a “cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a soberba da vida” são similarmente apresentadas na tentação de Eva por Satanás: “Quando ela viu que a árvore era boa para comida, agradável aos olhos e uma árvore a ser desejada para tornar um sábio,” Gn 3:6 (uma manifestação do” orgulho da vida”, o desejo de saber acima do que Deus revelou, Cl 2:8, o orgulho do conhecimento não santificado).

não é do Pai, mas do mundo – não nasce do “Pai” (usado em relação aos “filhinhos” precedentes, 1Jo 2:12). Somente aquele que é nascido de Deus se volta para Deus; aquele que é do mundo se volta para o mundo; as fontes de amor a Deus e amor ao mundo são irreconciliavelmente distintas. [JFB]

17 O mundo passa, e também a sua cobiça; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.

o mundo – com todos os que são do mundo secular.

passa – grego, “está passando” até agora.

a sua cobiça – em sua tríplice manifestação (1Jo 2:16).

mas aquele que faz a vontade de Deus – não a sua própria vontade carnal, ou a vontade do mundo, mas a vontade de Deus (1Jo 2:3,6), especialmente em relação ao amor.

permanece para sempre – “assim como Deus também permanece para sempre” (com quem o piedoso é um; compare Sl 55:19): um comentário verdadeiro, que Cipriano e Lúcifer acrescentaram ao texto sem apoio de manuscritos gregos. Em contraste com as três cobiças passageiras do mundo, o que faz a vontade de Deus tem três bens permanentes, “riquezas, honra e vida” (Pv 22:4). [JFB]

18 Filhinhos, é a última hora. E como ouvistes que o anticristo vem, já agora muitos anticristos chegaram. Por isso sabemos que é a última hora.

Filhinhos – Depois que os pais e os jovens se foram, “a última hora” com seus “anticristos” estava prestes a vir de repente sobre os filhos. “Todos nós vivemos nesta última hora” (J.A. Bengel). Cada era sucessiva teve nela alguns dos sinais da “última hora” que precede a vinda de Cristo, a fim de manter a Igreja em contínua espera pelo Senhor. A conexão com 1Jo 2:15-17 é: Estão chegando aqueles sedutores que são do mundo (1Jo 4:5), e iriam tentá-los a saírem de nós (1Jo 2:19) e negarem Cristo (1Jo 2: 22).

como ouvistes – dos apóstolos, pregadores do Evangelho (por exemplo, 2Ts 2:3-10; e na região de Éfeso, At 20:29-30).

o anticristo vem – ou seja, fora de seu próprio lugar. O Anticristo é interpretado de duas maneiras: um falso Cristo (Mt 24:5,24), literalmente, “em vez de Cristo”; ou um adversário de Cristo, literalmente, “contra Cristo”. Como João nunca usa pseudo-Cristo, ou “falso Cristo”, para o Anticristo, é claro que ele quer dizer um adversário de Cristo, reivindicando a si mesmo o que pertence a Cristo e desejando substituir-se a Cristo como o supremo objetivo de adoração. O anticristo não apenas nega o Filho, como o papa, como também age em nome do Filho, 2Ts 2:4, “que se opõe (grego,“ANTI-keimenos”) a tudo o que se chama Deus”. Para a grande verdade de Deus, “Deus é homem”, ele a substitui para sua própria mentira, “o homem é Deus” (R.C. Trench).

já agora muitos anticristos chegaram – grego, “começaram a existir”; surgiram. Esses “muitos anticristos” respondem ao “espírito da iniquidade já operando”. O princípio anticristão apareceu então, como agora, em homens maus e ensinos e escritos malignos; mas ainda “O Anticristo” significa uma pessoa hostil, assim como “O Cristo” é um Salvador pessoal. Como “vem” é usado por Cristo, assim também aqui do Anticristo, a personificação em sua própria pessoa de todas as características anticristãs e espírito daqueles “muitos anticristos” que foram, e são, seus precursores. João usa o singular dele. Nenhum outro escritor do Novo Testamento usa o termo. Ele provavelmente responde ao “chifre pequeno tendo os olhos de um homem, e falando grandes coisas” (Dn 7:8,20); “O homem do pecado, o filho da perdição” (2Ts 2:3); “A besta que sobe do abismo” (Ap 11:7; Ap 17:8). [JFB]

19 Eles saíram de nós, mas não eram dos nossos, pois se fossem dos nossos, continuariam conosco; mas o que aconteceu foi para tornar claro que todos eles não eram dos nossos.

Eles saíram de nós – da nossa comunhão cristã. Não necessariamente uma secessão formal ou saída: assim como Roma saiu espiritualmente, embora formalmente ainda permaneça na Igreja Cristã.

mas não eram dos nossos – pela comunhão espiritual (1Jo 1:3). “Eles são como maus elementos no corpo de Cristo, a Igreja: quando são vomitados, o corpo fica aliviado; o corpo de Cristo está agora ainda sob tratamento, e ainda não alcançou a perfeita solidez que terá somente na ressurreição” (Agostinho, dez homilias sobre a primeira epístola de João).

continuariam conosco – implicando a infalibilidade graça nos eleitos. “Onde o chamado de Deus é eficaz, haverá perseverança certa” (Calvino). Ainda assim, não é uma necessidade mortal, mas uma “necessidade voluntária”, que faz com que os homens permaneçam, ou então saiam do corpo de Cristo. “Estamos entre os membros ou entre os maus elementos. É de sua própria vontade que cada um seja um Anticristo ou em Cristo” (Agostinho). Ainda assim, os atos de Deus na eleição eterna harmonizam de uma forma inexplicável para nós, com a livre agência e responsabilidade do homem. É a má vontade do próprio homem que escolhe o caminho para o inferno; é a graça livre e soberana de Deus que atrai alguém para si e para o céu. A Deus, este último atribuirá inteiramente a salvação dele do princípio ao fim: os primeiros se acusarão sozinhos, e não o decreto de Deus, com sua condenação (1Jo 3:9; 1Jo 5:18).

que todos eles não eram dos nossos – Compare 1Co 11:19: “Deve haver heresias entre vós, para que os que são aprovados se manifestem entre vós”. Tais ocasiões testam os que são e os que não são povo do Senhor. [JFB]

20 Vós, porém, tendes a unção do Santo, e todos vós tendes conhecimento.

porém – Ele aqui declara os meios que eles, como crentes, têm para resistir. Anticristos (1Jo 2:18), ou seja, o crisma (no grego faz um jogo de palavras com sons semelhantes), ou “ungir com óleo”, ou seja, o Espírito Santo (mais claramente mencionado mais adiante, como João faz com frequência, 1Jo 3:24, 1Jo 4:13, 1Jo 5:6), que eles (“vós” é enfático em contraste com aqueles apóstatas, 1Jo 2:19) têm “do Santo” Cristo (Jo 1:33; Jo 3:34; Jo 15:26; Jo 16:14): “o Justo” (1Jo 2:1), “puro” (1Jo 3:3), “o Santo” (At 3:14) “de Deus”; Mc 1:24. Somente aqueles ungidos de Deus em Cristo podem resistir aos ungidos com o espírito de Satanás, os anticristos, que os separariam do Pai e do Filho. Os crentes também têm a unção do Espírito do Pai, bem como do Filho; assim como o Filho é ungido pelo Pai. Por isso, o Espírito é o sinal de que estamos no Pai e no Filho; sem isso um homem não é de Cristo. O óleo físico de ingredientes mais caros, derramado sobre a cabeça de sacerdotes e reis, tipificava esse óleo espiritual, derivado de Cristo, a Cabeça, para nós, Seus membros. Nós não podemos ter nenhuma participação nEle como Jesus, a menos que nos tornemos verdadeiramente cristãos, e assim seja Nele como Cristo, ungido com aquela unção do Santo. O Espírito derramado sobre Cristo, a Cabeça, é por Ele difundido através de todos os membros. “Parece que todos nós somos o corpo de Cristo, porque todos somos ungidos; e todos nós n’Ele somos de Cristo e Cristo, porque em certa medida o Cristo inteiro é Cabeça e corpo”.

e todos vós tendes conhecimento – necessários para agir corretamente contra as seduções do Anticristo, e para a vida cristã e piedade. Na mesma medida que alguém tem o Espírito, nessa medida (nem mais nem menos) ele conhece todas essas coisas. [JFB]

21 Eu vos escrevi, não porque não conheceis a verdade, mas sim, porque a conheceis, e porque nenhuma mentira vem da verdade.

mas sim, porque a conheceis… – Vocês não só sabem o que é a verdade (acerca do Filho e do Pai, 1Jo 2:13), mas também são capazes de detectar uma mentira como uma coisa oposta à verdade. Para direita (uma linha reta) é o indicador de si mesmo e do que é torto (Estius). O grego é suscetível à tradução de Alford: “Porque vocês sabem disso e porque nenhuma mentira é da verdade” (literalmente, “toda mentira é excluída da verdade”). Eu, portanto, escrevi (nesta epístola) para indicar qual é a mentira e quem são os mentirosos. [JFB]

22 Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Esse é o anticristo, que nega o Pai e o Filho.

o mentiroso – culpado da mentira que acabamos de mencionar (1Jo 2:21).

que Jesus é o Cristo – a grande verdade central.

Esse é o anticristo –  não pessoal, mas no abstrato; o ideal do Anticristo é “aquele que nega o Pai e o Filho”. Negar o último é automaticamente negar o primeiro. Mais uma vez, a verdade quanto ao Filho deve ser mantida em sua integridade; negar que Jesus é o Cristo, ou que Ele é o Filho de Deus, ou que Ele veio em carne, invalida o todo (Mt 11:27). [JFB]

23 Quem nega o Filho também não tem o Pai; aquele que confessa o filho também tem o Pai.

Grego: “Todo aquele que nega o Filho, também não tem o Pai” (1Jo 4:2-3): “na medida em que Deus se deu a nós por completo para ser desfrutado em Cristo” (Calvino).

tem – ou seja, em sua posse permanente como sua “herança”; vivendo uma “comunhão” pessoal. [JFB]

24 O que ouvistes desde o princípio permaneça em vós. Se o que ouvistes desde o princípio permanecer em vós, também permanecereis no Filho e no Pai.

O que – a verdade a respeito do Pai e do Filho, considerada como uma semente que não foi lançada, mas tendo se enraizado (1Jo 3:9)

desde o princípio – desde a primeira vez que ouviram o Evangelho.

também – na vossa vez, distinto de “aquilo que ouvistes”, a semente que permanece em vós. Compare 1Jo 2:27, “a unção habita em vós … permaneçais Nele”. Tendo tomado em nós a semente viva da verdade acerca do Pai e do Filho, nós nos transformamos na semelhança daquele cuja semente temos levado dentro de nós. [JFB]

25 E esta é a promessa que ele nos prometeu: a vida eterna.

esta é a promessa – A vida eterna será a consumação permanente de assim permanecer no Filho e no Pai (1Jo 2:24).

ele – grego, “ele mesmo”, Cristo, “o Filho” (compare 1Jo 1:1).

prometeu – (Jo 3:15,36, Jo 6:40,47,57, Jo 17:2-3).

26 Estas coisas vos escrevi acerca dos que vos tentam vos enganar.

Essas coisas – (1Jo 2:18-25).

tentam vos enganar – isto é, está tentando seduzir ou levar você a um erro.

27 E a unção que recebeste dele continua em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a unção dele vos ensina tudo, e é verdadeira, e não mentira, e como ela vos ensinou, assim nele permanecei.

que recebeste dele – (Jo 1:16). Então, “somos para Deus um cheiro suave de Cristo”.

continua em vós – Ele implicitamente adverte-os a dizer, quando tentados por sedutores, “A unção habita em nós, não precisamos de um professor (pois temos o Espírito Santo como nosso mestre, Jr 31:34; Jo 6:45; Jo 16:13); nos ensina a verdade; nesse ensinamento nós permaneceremos” (J.A. Bengel).

e – portanto. Deus é suficiente para aqueles que são ensinados sobre ele; eles são independentes de todos os outros, embora, naturalmente, não recusem o conselho cristão de ministros fiéis. “A comunicação mútua não é posta de lado, mas aprovada, no caso daqueles que são participantes da unção em um corpo” (J. A. Bengel).

como a unção dele – que você uma vez por todas recebeu, e que agora ainda permanece em você.

vos ensina tudo – essencial para a salvação; o ponto em discussão. Não que o crente seja feito infalível, pois nenhum crente aqui recebe o Espírito em toda a sua plenitude, mas apenas a medida necessária para impedi-lo do erro que destrói a alma. Assim, a Igreja, apesar de ter o Espírito nela, não é infalível (pois muitos membros falíveis nunca podem fazer um todo infalível), mas é impedida de perder totalmente a verdade salvadora.

e é verdadeira, e não mentira – como ensinamento anticristão.

assim nele permanecei – (1Jo 2:24); assim como “a unção habita em vós”. [JFB]

28 E agora, filhinhos, permanecei nele; a fim de que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não sejamos envergonhados diante dele na sua vinda.

filhinhos – como em 1Jo 2:12; crentes de todos os estágios e idades.

permanecei nele – em Cristo. João repete sua advertência com uma apelação amorosa, como um pai dirigindo-se a queridos filhos.

29 Se sabeis que ele é justo, sabeis que todo aquele que pratica a justiça é nascido dele.

O título da segunda divisão da Epístola: “Deus é justo; portanto, todo aquele que pratica a justiça é nascido Dele”. O amor é a grande característica e princípio da “ justiça” selecionada para a discussão, 1Jo 2:29-3:3.

Se sabeis quesabeis que – verbos gregos distintos: “se estais conscientes (possuidores do conhecimento)… estais discernindo ou apreendendo também isso”, etc. Vós já estais conscientes de que Deus (“Ele” inclui tanto “o Pai”, de quem o crente nasce (final deste verso, e 1Jo 3:1), e “o Filho”, 1Jo 2:1,23) é justo, deveis necessariamente, assim, perceber também a consequência dessa verdade, a saber, “que todo aquele que pratica a justiça (e somente ele; literalmente, a justiça tal como o justo Deus aprova) é nascido Dele”. O justo produz o justo. Nunca se diz que nascemos de novo de Cristo, mas de Deus, com quem Cristo é um. Hollaz em Alford define a justiça de Deus: “É a energia divina por cujo poder Deus quer e faz que todas as coisas estejam de acordo com Sua lei eterna, prescreve leis adequadas às Suas criaturas, cumpre Suas promessas aos homens, recompensa os bons, e castiga os ímpios”.

todo aquele que pratica a justiça é nascido dele – Deus é justo e, portanto, a fonte da justiça; quando, pois, o homem pratica a justiça, sabemos que a fonte de sua justiça é Deus, de modo que ele adquiriu por novo nascimento de Deus aquela retidão que ele não possuía por natureza. Nós argumentamos que ele faz justiça, pois é nascido de Deus. O erro dos pelagianos é concluir que fazer justiça é uma condição de se tornar um filho de Deus” (Henry Alford). Compare com Lc 7:47,50: Seu muito amar evidenciou que seus pecados já foram perdoados; não, a condição de seus pecados serem perdoados.

<1 João 1 1 João 3>

Introdução à 1 João 2

A defesa de Cristo é o nosso antídoto para o pecado enquanto caminhamos na luz; para conhecer a Deus, devemos guardar seus mandamentos e amar os irmãos, e não amar o mundo, nem dar ouvidos aos anticristos, contra quem estamos seguros por meio da unção de Deus para permanecer nEle. Assim, na vinda de Cristo, não seremos envergonhados.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola de João.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.