Biografia

Rei Davi

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


Davi, nome que significa “amado”, foi segundo rei de Israel e autor de muitos salmos da Bíblia. Após matar o gigante Golias, conquistou o povo por sua coragem e liderança. Preocupado que Davi estivesse tentando tomar seu trono, o rei Saul passou a persegui-lo. Mas depois que Saul morre em batalha, Davi é ungido como rei de todo o Israel. Tempos depois, Davi planeja a morte de Urias, seu soldado para encobrir seu adultério com Bate-Seba, mas depois mostra grande arrependimento demonstrando o motivo de ser chamado o homem segundo o coração de Deus. Antes de morrer, ele escolhe seu filho Salomão como seu sucessor. Sua história está registrada nos livros de 1 e 2 Samuel.

Davi toca harpa diante do rei Saul. Autor desconhecido

História do rei Davi

Davi foi o oitavo filho e caçula de Jessé, um morador de Belém. Seu pai parece ter sido um homem de vida simple. O nome da sua mãe não está registrado na Bíblia. Alguns sugerem que ela era a Naás de 2 Samuel 17:25. Quanto à sua aparência, só sabemos que ele era ruivo, com olhos bonitos e um rosto gentil (1Sm 16:12; 17:42).

A primeira ocupação de Davi, foi a de cuidar das ovelhas de seu pai no território de Judá. Suas primeiras façanhas registradas foram seus encontros com os animais selvagens do campo. Ele menciona que, sozinho, ele matou um leão e também um urso, quando eles saíram contra seu rebanho (1Sm 17:34-35).

A unção de Davi

Enquanto Davi era jovem e estava assim envolvido com seus rebanhos, o profeta Samuel fez uma visita inesperada a Belém, tendo sido guiado para lá pela direção divina (1Sm 16:1-13). Lá, ele ofereceu sacrifício, e chamou todos os filhos de Jessé para a refeição sacrificial. Entre todos os que apareceram antes dele, ele não conseguiu descobrir o que ele procurava. Davi foi enviado até ele e o profeta imediatamente o reconheceu como escolhido por Deus, escolhido para suceder a Saul, que agora se afastava dos caminhos de Deus, em seu reinado. Como um ato profético, ele um derramou o óleo sobre a cabeça de Davi o ungindo. Após isso, Davi voltou a sua vida de pastor, mas o Espírito do Senhor veio sobre ele desde aquele dia e também se afastou do rei Saul (1Sm 16:13-14).

Pouco tempo depois, Davi foi enviado para acalmar com sua harpa o rei Saul que estava sendo atormentado por um espirito. Ele ministrou perante o rei com tanta habilidade que Saul foi muito animado e começou a ter grande carinho pelo jovem pastor. Depois disso, ele voltou para casa em Belém.

Davi e Golias

Os exércitos dos filisteus e de Israel estavam em batalha no vale de Elá, a cerca de 10km ao sudoeste de Belém e Davi foi enviado por seu pai com provisões para seus três irmãos, que estavam lutando ao lado do rei Saul. Ao chegar no acampamento dos israelitas, Davi (agora cerca de vinte anos de idade) foi informar-se sobre a situação da batalha quando o campeão dos filisteus, Golias, um gigante, veio desafiar Israel.

Ouvindo Golias, Davi aceitou o desafio. Ele pegou sua funda colocou uma pedra que havia tirado do ribeiro e lançou em Golias. A pedra cravou na testa do gigante, de modo que ele caiu sem sentido no chão. Davi então correu e matou-o, cortando sua cabeça com sua própria espada (1Sm 17). O resultado foi uma grande vitória para os israelitas, que perseguiram os filisteus até os portões de Gate e Ecrom.

Davi mata Golias por Anton Robert Leinweber (1845-1921)

A popularidade de Davi que resultou desse heroísmo despertou o ciúme de Saul (1Sm 18:6-16). Ele passou a ter um ódio amargo em relação a ele, e pensar em maneiras de o matá-lo (1Sm 18-30). Os planos do rei enfurecido, que não podia deixar de observar o quanto Davi prosperava, se tornaram inúteis e apenas aproximou o jovem herói ao povo, e especialmente a Jônatas, o filho do rei Saul, com quem Davi formou uma grande amizade ao longo da vida.

Davi na caverna de Adulão

Para escapar da ira do rei Saul, Davi fugiu para junto do profeta Samuel em Ramá, que o recebeu (1Sm 19:12-18) e habitou entre os filhos dos profetas, que estavam lá sob o treinamento de Samuel. Algum supõe os Salmos 6, 7 e 11 foram compostas por ele neste momento.

Ramá ficava apenas cinco quilômetros da residência de Saul, que logo descobriu para onde Davi tinha fugido e tentou ineficazmente trazê-lo de volta. Jônatas tentou convencer seu pai a ver Davi com melhores olhos (1Sm 20), mas, descobriu não era seguro que Davi voltasse, mas que ficasse longe do rei.

De acordo a Bíblia, Davi foi primeiro para Nobe (1Sm 21:1-9) e depois para Gate, a principal cidade dos filisteus. O rei dos filisteus não admitiu que Davi ficasse em Gate e então ele foi para a caverna de Adulão (1Sm 22:1-4, 1Cr 12:8-18). Aqui em pouco tempo, 400 homens se reuniram ao seu redor e reconheceram-no como seu líder.

Foi nesse tempo que Davi, em meio ao assédio e aos perigos de sua posição, disse: “Oh, aquele me daria beber da água do poço de Belém”. Quando três de seus soldados correndo perigo, atravessaram o campo dos filisteus e trouxeram-lhe a água para a qual ele desejava (1Sm 23:13-17), mas que não beberia.

Davi poupa a vida de Saul

Com a raiva do fracasso de todos os seus esforços para apoderar-se de Davi, Saul deu ordens para o massacre de toda a família sacerdotal em Nobe, cerca de de oitenta e cinco pessoas foram mortas. As tristes notícias do massacre foram trazidas a Davi por Abiatar, filho de Aimeleque, o único que escapou.

Ouvindo Davi que Queila, uma cidade na fronteira ocidental, foi assediada pelos filisteus, ele e seus homens foram e a livraram (1Sm 23:1-14). E então, por medo de Saul, ele fugiu para uma região montanhosa no território de Judá. Enquanto acampava ali, na floresta do distrito de Zife, ele foi visitado e encorajado por Jônatas (1Sm 23:16-18). Os dois agora se separaram para nunca mais se encontrarem.

O rei Saul continuou a perseguir Davi, que novamente escapou e fugiu para os penhascos e barrancos de En-Gedi, na margem ocidental do Mar Morto (1Sm 23:29). Aqui Saul, que ainda o perseguiu com seu exército, escapou por pouco, através da abundante tolerância de Davi que teve a oportunidade de matá-lo mas poupou sua vida. Ser poupado por Davi fez com que Saul deixasse de persegui-lo. Davi se dirigiu a Maom, onde, com seus 600 homens, ele se manteve com as contribuições recolhidas do distrito. Aqui ocorreu o incidente relacionado com Nabal e sua esposa Abigail (1Sm 25), com quem Davi se casou após a morte de Nabal.

Davi poupa a vida de Saul novamente

Saul voltou a sair em busca de Davi, que se escondeu no monte Haquila, que está a entrada de Jesimom, no deserto de Zife, e foi uma segunda vez poupado por sua tolerância. O rei Saul voltou para casa, professando vergonha e arrependimento pela maneira como ele havia tratado Davi e predizendo sua elevação ao trono (1Sm 26).

Luta contra Israel

Assediado pela necessidade de se deslocar de um lugar para outro através do medo de Saul, Davi mais uma vez buscou refúgio entre os filisteus (1Sm 27). Ele foi recebido pelo rei, que lhe designou Ziclague como sua residência. Aqui, Davi viveu entre seus seguidores por algum tempo como um chefe independente envolvido em frequentes guerras com os amalequitas e outras tribos no sul de Judá.

Aquis convocou Davi com seus homens para se juntarem ao seu exército contra Saul, mas os filisteus desconfiaram da lealdade de Davi, e, portanto, ele foi enviado de volta a Ziclague. Quando ele chegou a cidade havia sido saqueada e queimada. Davi perseguiu os invasores amalequitas, e os venceu. Ao retornar a Ziclague, chegou a ele a notícia da morte de Saul (2Sm 1). Um amalequita trouxe a coroa e bracelete de Saul e colocou-os a seus pés. Davi e seus homens arrumaram suas roupas e lamentaram por Saul, que havia sido derrotado em batalha perto do monte Gilboa.

Davi rei sobre Judá

Davi e seus homens agora partiram para Hebrom sob a direção divina (2Sm 2:1-4). Lá eles foram cordialmente bem-vindos, e ele foi imediatamente ungido como rei. Ele tinha agora cerca de trinta anos de idade.

Mas seu título para o trono não foi incontestável. Abner tomou Isbosete, o único filho restante de Saul, e o coroou como rei. Então começou uma guerra civil em Israel. O primeiro encontro entre os dois exércitos opostos, conduzido por um lado por Abner, e por outro por Joabe, ocorreu em Gibeão. O exército de Davi derrotou Abner. Outros encontros, no entanto, entre Israel e Judá seguiram (2Sm 3:1,5), mas ainda o sucesso foi do lado de Davi. Pelo espaço de sete anos e meio, Davi reinou em Hebrom. Abner tentou se aproximar de Davi mas foi traiçoeiramente morto por Joabe em vingança por ter matado seu irmão Asael em Gibeão (1Sm 3:22-39). Davi lamentou pela morte de Abner. Pouco depois, Isbosete também foi morto por dois cananeus de Beerote. Agora sem oponentes Davi foi ungido rei sobre todo o Israel (2Sm 4:1-12).

Davi rei sobre todo o Israel

Os anciãos de Israel foram a Hebrom e ofereceram fidelidade a Davi em nome de todos os israelitas (2Sm 5:1-5).

Depois de ungido rei sobre todo Israel, Davi buscava uma nova sede de governo, mais apropriada do que Hebrom, como a capital do seu reino. Naquele tempo, havia uma fortaleza dos jebuseus na colina de Sião, chamada também Jebus. O rei Davi expulsou jebuseus transformando esse lugar na capital de Israel. Ele estabeleceu aqui a sua residência e depois construiu para si um palácio com auxílio de comerciantes de Tiro (2Sm 5:6-12).

Os filisteus, que há algum tempo observaram uma espécie de trégua, fizeram guerra contra o rei Davi, mas foram derrotados em batalha em um lugar depois chamado de Baal-Perazim. Mais uma vez invadiram a terra e passaram pela segunda vez por ele. Assim ele libertou Israel de seus inimigos (2Sm 5:13-25).

O rei Davi traz a arca para Jerusalém

Davi resolveu trazer a arca da aliança para sua nova capital (2Sm 6). Foi na casa de Abinadabe em Quiriate-Jearim, a cerca de onze quilômetros de Jerusalém, onde ficou durante muitos anos, desde o momento em que os filisteus a mandaram para casa (1Sm 6-7).

Em consequência da morte de Uzá (porque era uma ordenança divina que somente os levitas deveriam manusear a arca, Números 4), que havia segurado a arca quando o carro em que estava sendo transportada sacudiu por causa da estrada, o rei Davi manteve a comitiva e levou a arca para a casa de Obede-Edom, um filisteu de Gate.

Depois de três meses, o rei Davi trouxe a arca da casa de Obede-Edom até Jerusalém. Aqui foi colocada em uma nova tenda Davi erigiu para o propósito. Cerca de setenta anos se passaram desde que ela estava no tabernáculo em Silo. O antigo tabernáculo estava agora em Gibeá, no qual Zadoque ministrava.

O rei Davi então cuidadosamente organizou todos os rituais do culto ao Senhor em Jerusalém, juntamente com Abiatar, o sumo sacerdote. Foi o início de uma nova era da fé israelita. O serviço de louvor foi pela primeira vez introduzido no culto público. Sião tornou-se o santo monte de Deus (1Cr 16).

As guerras de Davi

Posteriormente o rei Davi entrou em uma série de conquistas que ampliaram e fortaleceram seu reino (2Sm 8). Em alguns anos, todo o território desde o Eufrates até o rio do Egito, e de Gaza ao oeste até Tapsacus ao leste, estavam sob sua influência (2Sm 8:3-13; 10).

O pecado de Davi

Ele atingira o auge de sua glória. Davi governou um vasto império, e sua capital foi enriquecida com os despojos de muitas terras. Mas, no meio de todo esse sucesso, ele pecou gravemente contra o Senhor, e seu caráter ficou manchado com o adultério (2Sm 11:2-27).

Observa-se como característica da Bíblia que, enquanto seus triunfos militares são registrados em alguns versos, a triste história de sua queda é dada em detalhes.

Na tentativa de ocultar seu adultério, Davi cometeu outro grave erro. Ele foi culpado de assassinato. Ordenou que Urias marido da mulher com quem ele adulterou e valente soldado do reino fosse colocado na frente da batalha para morrer. O profeta Natã (2Sm 7:1-17; 12:1-23) foi enviado por Deus para trazer seus crimes à consciência do monarca culpado. Ele se arrependeu verdadeiramente. Davi desprezou amargamente seus pecados diante de Deus. Os salmos 32 e 51 revelam as profundas lutas de sua alma e sua recuperação espiritual.

Bate-Seba tornou-se esposa do rei Davi após a morte de Urias. Seu filho primogênito morreu, segundo a palavra do profeta. Ela deu à luz um segundo filho, a quem Davi chamou Salomão, e que finalmente o sucedeu no trono (2Sm 12:24-25).

Davi deseja edificar um templo ao Senhor

Após ser bem sucedido em todas as suas guerras, Davi teve a ideia de construir um templo para a arca de Deus. Isso não Lhe permitiu executar, porque ele era um homem de guerra. Deus, no entanto, enviou Natã a ele com uma mensagem graciosa (2Sm 7:1-16). Ao recebê-la, ele entrou no santuário, a tenda onde estava a arca, e sentou-se diante do Senhor, e derramou seu coração com palavras de ação de graças devotas (2Sm 18-29). A construção do templo foi reservada para seu filho Salomão, que seria um homem de paz (1Cr 22:9; 28:3).

Os dias difíceis do rei Davi

Até agora, o reinado de Davi tinha sido uma grande prosperidade e sucesso. Então vieram dias nublados e obscuros. Seu filho mais velho, Amnon, cuja mãe era Ainoã de Jezreel, foi culpado de um grande e vergonhoso crime (2Sm 13). Este foi o início dos desastres de seus últimos anos.

Depois de dois anos, Absalão filho do rei Davi vingou o crime contra Tamar e matou Amnon. Isso trouxe problemas para o coração de Davi. Absalão, com medo das consequências de sua culpa, fugiu para Gesur, além do Jordão, onde permaneceu por três anos, quando foi trazido de volta e morto por Joabe (2Sm 14).

Depois disso, caiu sobre a terra a calamidade de três anos de fome (2Sm 21:1-14). Pouco depois, seguiu-se uma pestilência, trazida sobre a terra como um castigo pelo orgulho pecaminoso de Davi de numerar o povo (2Sm 24), no qual não menos de setenta mil pereceram no período de três dias.

Davi é punido por numerar o povo, por Julius Schnorr von Carolsfeld (1852-60).

Adaptado de: Wikipedia.