Salmo 6

1 (Salmo de Davi. Ao mestre de canto, com instrumentos de oito cordas) SENHOR, não me repreendas na tua ira, nem me castigues no teu furor.

Ao mestre de canto, com instrumentos de oito cordas – ou então, Ao mestre de canto, com instrumentos cordas, de acordo com o seminite.

2 Tem misericórdia de mim, SENHOR, pois estou enfraquecido; cura-me, SENHOR, pois meus ossos estão abalados.

meus ossos estão abalados. A alusão direta ao sofrimento corporal, a ausência de qualquer confissão de pecado, e a oração “cura-me” (ופא) — palavra normalmente usada para restauração da saúde — tudo aponta para algum sofrimento físico. [Whedon, 1874]

3 Até minha alma está muito perturbada; mas tu, SENHOR, até quando?

Até minha alma está muito perturbada. A palavra “alma” aqui é usada como se referindo a mente. A ideia é que as dores do salmista não eram apenas aquelas do corpo. Eles tinham um lugar mais profundo até do que os ossos. Sua mente, sua alma, também estava cheia de angústia, dadas as circunstâncias que o rodeavam, e que tinham provocado estas aflições em seu corpo.

mas tu, SENHOR. Esta é uma frase quebrada, como se o salmista tivesse começado a falar algo para Deus, mas não completasse. É como se ele tivesse dito: “Aqui sofro e desfaleço; minhas dores são profundas e constantes; quanto a ti, Senhor” – como se estivesse prestes a dizer que esperava que Deus intervisse; ou, que seus procedimentos eram misteriosos; ou, que pareciam estranhos ou duros demais; mas ele termina a frase sem nenhuma linguagem de queixa ou reclamação, mas simplesmente perguntando “por quanto tempo” essas tristezas continuariam.

até quanto? Ou seja, Por quanto tempo me deixarás assim sofrer? Por quanto tempo continuará minha angústia? Quanto tempo demorará até que intervenhas para me trazer alívio? A linguagem implica que, no entender do salmista, o sofrimento já havia durado tempo demais – como geralmente parece para quem sofre (compare com Jó 7:2-4), e que ele estava constantemente à procura de Deus para intervir na situação e o ajudar. Esta é uma linguagem que todas as pessoas tendem a usar momentos de dor e desânimo. Parece muito longo para eles agora; parecerá, no entanto, curto quando olharem para trás a partir das glórias do mundo celestial. Compare com 2 Coríntios 4:17-18. [Barnes, 1870]

4 Volta-te, SENHOR, e livra-me; salva-me por tua misericórdia.

Volta-te, SENHOR, e livra-me (NAA, NVI, A21) – ou então, “Volta-te, SENHOR, e livra a minha alma” (BKJ, ACF, RA). O salmista pede que o SENHOR se volte para ele, pois lhe parece que Deus o abandonou. Compare com Salmo 90:13.

salva-me por tua misericórdia. Javé se declara um Deus “compassivo e bondoso, tardio em irar-se e grande em misericórdia e fidelidade, que guarda a misericórdia em mil gerações” (Êx 34:6-7), e o salmista pede-o que seja fiel a esse atributo central na Sua própria revelação de Seu caráter. [Kirkpatrick, 1906]

5 Pois na morte não há lembrança de ti; na sepultura, quem te louvará?

na morte não há lembrança de ti (compare com Salmo 30:9; 88:11; 115:17; 118:17; Is 38:18). A visão geral dos salmistas parece ter sido que a morte era uma interrupção do serviço ativo a Deus – seja por um tempo ou permanentemente, eles não nos deixam claro. A morte é representada como um sono (Sl 13:3), mas se há um despertar dela, não nos é dito. Sem dúvida, como foi afirmado (Comentário do Orador), “o cessar do serviço ativo, mesmo da lembrança ou devoção, não afeta a questão de uma restauração futura”, e a metáfora do sono certamente sugere a ideia de um despertar. Mas tal véu pairava sobre o outro mundo, sob a antiga dispensação, e sobre a condição dos que partiram nela, de forma que pouco se pensou sobre o assunto. Os deveres nesta vida eram o que os ocupavam, e eles não percebiam que em outra teriam coisas a fazer – muito menos formar qualquer noção de quais seriam essas tarefas. O túmulo parecia um lugar de silêncio, inatividade, tranquilidade – na sepultura (hebraico, no Sheol) quem te louvará? [Pulpit, 1895]

6 Estou cansado de tanto gemer; toda a noite faço nadar a minha cama; com minhas lágrimas encharco meu leito.

toda a noite faço nadar a minha cama – em outras palavras, “à noite inundo a cama de tanto chorar” (NVT).

7 Os meus olhos estão consumidos pela mágoa, envelhecidos estão por causa de todos os meus adversários.

Os meus olhos estão consumidos pela mágoa – ou seja, os meus olhos estão inchados de tanto chorar (NTLH), ou então, estou ficando fraco da vista de tanto chorar (VIVA).

8 Afastem-se de mim de mim todos vocês que praticam o mal; pois o SENHOR já ouviu o meu choro.

todos vocês que praticam o mal – ou seja, os adversários do salmista, mencionados no verso anterior (Sl 6:7).

9 O SENHOR ouviu a minha súplica; o SENHOR acolheu a minha oração.

O SENHOR ouviu a minha súplica (compare com Salmo 3:4Salmo 31:22Sl 40:1-2Sl 66:19-20Sl 118:5Sl 120:1Sl 138:3Jn 2:2,72Co 12:8-10).

o SENHOR acolheu a minha oração (compare com Sl 116:1-22Co 1:10-11).

10 Sejam humilhados e aterrorizados todos os meus inimigos; recuem de repente, envergonhados.

Sejam humilhados [todos os meus inimigos] (compare com Salmo 35:26Sl 40:14,15Sl 71:13Sl 83:16,17Sl 86:17Sl 109:28,29Sl 132:18Is 26:11Jr 20:11).

[Sejam] aterrorizados todos os meus inimigos (compare com Sl 2:5Sl 21:8,9).
<Salmo 5 Salmo 7>

Introdução ao Salmo 6

Autor do salmo. O subtítulo do salmo nos informa ter sido escrito por Davi, e não há nada nele que nos leve a duvidar da veracidade dessa apresentação. Pode-se presumir, portanto, que seja dele.

Ocasião em que o salmo foi escrito. Algumas traduções, o título dado a este salmo é “queixa de Davi em sua enfermidade”. Nem é necessário dizer que esses títulos foram escritos pelos tradutores, e que não há nada no hebraico que corresponda a isso. Ainda assim, esta tem sido uma tradição prevalecente quanto à ocasião em que este salmo foi composto. Horsley dá o seguinte título a ele: “Uma oração arrependida sob a figura de uma pessoa doente”, e na exposição deste salmo supõe que o suplicante é um personagem emblemático, e que o objetivo é representar os sentimentos de um penitente sob a imagem de tal personagem, ou que “o doente é a alma do crente que trabalha com o senso de suas enfermidades e espera ansiosamente a redenção prometida; a doença é a depravação e desordem ocasionada pela queda do homem”. Lutero a considera “Uma oração arrependida, pela saúde do corpo e da alma.” DeWette a considera como a oração de um oprimido ou em apuros, sob a imagem de um doente; e nesta opinião Rosemnuller concorda. Outros consideram-no como um salmo composto em vista da doença, e supõem que foi escrito em consequência da doença trazida sobre Davi em consequência da rebelião de Absalão. Na verdade, tem havido uma concordância bastante geral entre os expositores no sentimento de que, como os dois salmos anteriores foram compostos em vista dessa rebelião, então este também foi. Calvino supõe que não foi composto especificamente em vista da “doença”, mas de alguma grande calamidade que levou Davi a sentir que ele estava perto das fronteiras da sepultura, e esse foi, portanto, o meio de trazer os pecados de sua vida passada de forma impressionante à sua lembrança.

Nesta incerteza, e nesta falta de testemunho positivo quanto à ocasião em que o salmo foi composto, é natural olhar para o próprio salmo e indagar se há alguma indicação “interna” que nos permitirá determinar com algum grau de probabilidade as circunstâncias do escritor no momento de sua composição. O salmo, então, tem as seguintes marcas internas quanto à ocasião em que foi composto:

(1) O escritor estava no meio de inimigos, e em grande perigo por causa deles. “Meus olhos estão consumidos por causa da dor; envelhece por causa de todos os meus inimigos” (Salmo 6:7). “Apartai-vos de mim, todos os que praticam a iniqüidade” (Salmo 6:8). “Que todos os meus inimigos sejam envergonhados e contrariados” (Salmo 6:10). Não podemos estar enganados, então, ao supor que isso foi em algum período da vida de Davi, quando seus numerosos inimigos pressionaram duramente sobre ele e colocaram sua vida em perigo.

(2) Ele ficou arrasado e com o coração partido por causa dessas provações; ele não tinha força de corpo para suportar o peso das aflições acumuladas; ele afundou sob o peso desses problemas e calamidades, e foi levado para perto da sepultura. Havia muitos e formidáveis ​​inimigos externos que ameaçaram sua vida; e havia, de alguma forma, ligado a isso, profunda e esmagadora angústia “mental”, e o resultado foi uma doença real e perigosa – de modo que ele foi levado a contemplar o mundo eterno tão próximo a ele. Tornou-se, portanto, um caso de doença real causada por problemas externos únicos. Isso se manifesta a partir de expressões como as seguintes: – “me sinto debilitado; sara-me, SENHOR, porque os meus ossos estão abalados” (Salmo 6:2, NAA). “Na morte não há lembrança de ti; na sepultura quem te dará graças? (Salmo 6:5). “Estou cansado de gemer; Eu rego o meu leito com as minhas lágrimas: os meus olhos estão consumidos pela dor” (Salmo 6:6-7). Esta é a linguagem que seria usada por alguém que foi esmagado e destroçado pela dor, e que, incapaz de suportar a pesada carga, acabou no no leito de enfermidade. Não é raro que os problemas externos se tornem grandes demais para a fraca estrutura humana suportar, e que, esmagado sob eles, o corpo seja colocado sobre o leito de enfermidade, e levado para as fronteiras da sepultura, ou para a própria sepultura.

(3) O salmista expressa um sentimento que é comum em tais casos – uma profunda ansiedade sobre o assunto de seu próprio pecado, como se essas calamidades tivessem vindo sobre ele por causa de suas transgressões, e como uma punição por seus pecados. Isso está implícito no Salmo 6:1: “Ó Senhor, não me repreendas na tua ira, nem me castigas no teu ardente descontentamento”. Ele considerou isso uma “repreensão” de Deus e interpretou-o como uma expressão de “grande desprazer”. Este é o estímulo do sentimento natural quando alguém está aflito, pois esta pergunta surge espontaneamente na mente, se a aflição não é por causa de algum pecado que cometemos, e não deve ser considerada como prova de que Deus está irado conosco. É uma indagação tão própria quanto natural, e Davi, nas circunstâncias mencionadas, parece ter sentido toda sua força.

Levando todas essas considerações em vista, parece provável que o salmo foi composto durante os problemas trazidos sobre Davi na rebelião de Absalão, e quando, esmagado pelo peso dessas tristezas, suas forças cederam e ele foi colocado num leito de enfermidade, e levado para perto da sepultura.

Conteúdo do salmo. O salmo contém os seguintes pontos:

(1) Um apelo do autor por misericórdia e compaixão na angústia, sob a apreensão de que Deus o estava repreendendo e punindo por seus pecados (Salmo 6:1-2). Seus sofrimentos profundos, descritos nos versos seguintes, tinham, como observado acima, o levado a indagar se não foi por causa de seus pecados que ele foi afligido, e se ele não deveria considerar sua tristeza como prova de que Deus estava descontente com ele por seus pecados.

(2) Uma descrição de seus sofrimentos (Salmo 6:2-7). Ele foi esmagado pela tristeza e se tornou “fraco”; seus próprios “ossos” estavam “atormentados”; ele estava se aproximando do túmulo; ele estava cansado de gemer; ele regou seu leito com suas lágrimas; seus olhos estavam consumidos pela dor. Esses sofrimentos eram em parte físicos e em parte mentais; ou melhor, como sugerido acima, provavelmente suas tristezas mentais tinham sido tão grandes a ponto de prostrar seu corpo físico e colocá-lo num leito de enfermidade.

(3) A certeza de que Deus tinha ouvido sua oração, e que ele triunfaria sobre todos os seus inimigos, e que todos os seus problemas passariam (Salmo 6:8-10). A esperança irrompe repentinamente em sua alma aflita e, sob esse sentimento exultante, ele se dirige a seus inimigos e diz-lhes que se afastem dele. Eles não poderiam ter sucesso, pois o Senhor ouvira sua oração. Essa resposta repentina à oração – essa feliz mudança de pensamento – ocorre frequentemente nos Salmos, como se, enquanto o salmista estava implorando, uma resposta imediata à oração fosse concedida e a luz surgisse na mente obscurecida. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – março de 2021.