Salmo 118

1 Agradecei ao SENHOR, porque ele é bom; pois sua bondade dura para sempre.

Comentário Barnes

Que outros se unam a mim dando graças ao Senhor; que vejam, pelo que aconteceu no meu caso, que ocasião há para elogios. Cada exemplo de um favor particular mostrado a alguém é para os outros uma ocasião de louvor, visto que é uma ilustração do caráter geral de Deus. Neste versículo, compare as notas do Salmo 106:1 . A linguagem é quase a mesma. [Barnes, aguardando revisão]

2 Diga agora Israel, que sua bondade dura para sempre.

Comentário Barnes

O povo hebreu; o povo de Deus. Eles têm agora, no meu caso, uma nova ilustração da misericórdia de Deus que deve animá-los e encorajar seus corações. Compare o Salmo 115:9. [Barnes, aguardando revisão]

3 Diga agora casa de Arão, que sua bondade dura para sempre.

Comentário Barnes

Compare com Salmo 115:10 . Os ministros da religião. Eles são designados para servir a Deus; para liderar em sua adoração; para defender sua verdade; para manter a fé na verdade da religião. Eles estão, portanto, interessados ​​em meu caso, e podem derivar dele uma nova prova do caráter misericordioso de Deus, que eles podem empregar, não apenas para seu próprio encorajamento na piedade pessoal, mas nos deveres de seu ofício. Meu caso fornece um novo argumento, do qual eles podem fazer uso para defender a verdade e ilustrar o poder da religião. [Barnes, aguardando revisão]

4 Digam agora os que temem ao SENHOR, que sua bondade dura para sempre.

Comentário Barnes

Compare com Salmo 115:11 . Todos os que adoram a Deus estão interessados ​​no que Deus fez por mim. É uma manifestação do caráter divino que deve animá-los. Eles são chamados, portanto, a se unir ao autor do salmo em louvor e ação de graças, não apenas por simpatia para com ele, mas porque grandes verdades da religião foram ilustradas, em seu caso, que eram de tanta importância para eles quanto para dele. [Barnes, aguardando revisão]

5 Na angústia clamei ao SENHOR; e o SENHOR me respondeu, e me pôs num lugar amplo.

Na angustia – literalmente, “no estreito”, ao qual corresponde o “lugar amplo”, como no Sl 4:1; Salmo 31:8.

6 O SENHOR está comigo, não temerei; o que poderá me fazer o homem?

Comentário de A. R. Fausset

Os homens são incapazes de feri-lo, se Deus estiver com ele (Sl 56:9), e se forem inimigos, estes serão derrotados (Sl 54:7). [JFB]

7 O SENHOR está comigo entre os que ajudam; por isso verei o fim daqueles que me odeiam.

Comentário Barnes

O SENHOR está comigo entre os que ajudam – O salmista tinha amigos. Houve aqueles que o apoiaram. Ele confiava, de fato, na ajuda deles, mas não na ajuda deles sem Deus. Ele sentia que até a ajuda deles era valiosa para ele apenas porque Deus estava com eles. Havia dependência direta de Deus em relação a si mesmo; e havia o mesmo sentimento de dependência em relação a todos os que estavam empenhados em sua defesa. Isso pode ser processado, no entanto, simplesmente “para minha ajuda”, e é assim processado por DeWette. A Septuaginta e a Vulgata latina traduzem:”O Senhor é meu ajudador”.

por isso verei o fim daqueles que me odeiam – literalmente, “Eu verei sobre aqueles que me odeiam”; isto é, devo considerá-los de acordo com meu desejo; Eu os verei derrubados e subjugados. Veja as notas no Salmo 54:7 . Compare Salmo 92:11 ; Salmo 112:8. [Barnes, aguardando revisão]

8 Melhor é buscar refúgio no SENHOR do que confiar no homem.

Mesmo os homens mais poderosos são menos confiáveis ​​que Deus.

9 Melhor é buscar refúgio no SENHOR do que confiar em príncipes.

Comentário Barnes

Mesmo nos mais poderosos da raça humana; naqueles que, entre todas as pessoas, deveriam ter a maior habilidade para nos ajudar; naqueles cujo favor é freqüentemente buscado mais do que o favor de Deus. Os príncipes são apenas homens; freqüentemente tão infiel e enganador quanto outros homens; freqüentemente menos confiáveis ​​em seu caráter do que aqueles em vida mais humilde. e nas grandes questões onde mais precisamos de ajuda – na doença, no perigo, na morte, no mundo eterno – tão absolutamente impotentes quanto os homens nas mais baixas condições de pobreza, ou na mais humilde posição. [Barnes, aguardando revisão]

10 Todas as nações me cercaram; mas foi no nome do SENHOR que eu as despedacei.

Comentário de A. R. Fausset

Embora tão numerosas e irritantes quanto as abelhas (Sl 118:12), pela ajuda de Deus seus inimigos seriam destruídos. [JFB]

11 Cercaram-me, cercaram-me mesmo; mas foi no nome do SENHOR que eu as despedacei.

Comentário Barnes

O sentimento e a linguagem do versículo anterior são aqui repetidos, como se para dar força ao que ele havia dito, ou para aprofundar a impressão. Sua própria mente se demorou nisso, e os eventos aos quais ele se referiu vieram tão vividamente à sua lembrança, e eram tão importantes, que ele se demorou neles. O assunto valia mais do que um comentário passageiro. A mente estava cheia e a linguagem vem de um coração que transborda. [Barnes, aguardando revisão]

12 Cercaram-me como abelhas, mas se apagaram como fogo de espinhos; porque foi no nome do SENHOR que eu as despedacei.

Comentário de A. R. Fausset

como o fogo de espinhos – de repente.

no nome do SENHOR – pelo poder do SENHOR (Sl 20:5; Sl 124:8). [JFB]

13 Com força me empurraste para que eu caísse; mas o SENHOR me ajudou.

O inimigo é triunfalmente tratado como se estivesse presente.

14 O SENHOR é minha força e minha canção, porque ele tem sido minha salvação.

Comentário Barnes

O SENHOR é minha força e minha canção – Ele é a fonte de força para mim; e ele é o assunto do meu louvor. Não há motivo para elogios em mim mesmo por nada que fiz, mas tudo é devido a ele.

porque ele tem sido minha salvação – Ele me salvou. Eu vivo porque ele me preservou. Portanto, seremos salvos no céu apenas porque ele nos salva, e lá, mais do que é possível aqui, diremos:”Deus é nossa força e nossa canção, e se tornou nossa salvação”. [Barnes, aguardando revisão]

15 Nas tendas dos justos há voz de alegria e salvação; a mão direita do SENHOR faz proezas.

alegria e salvação – a salvação como causa da alegria.

16 A mão direita do SENHOR se levanta; a mão direita do SENHOR faz proezas.

a mão direitase levanta – Seu poder grandemente mostrado

17 Eu não morrerei, mas viverei; e contarei as obras do SENHOR.

Ele viveria, porque confia que sua vida seria para a glória de Deus.

18 É verdade que o SENHOR me castigou, porém ele não me entregou à morte.

Comentário Barnes

É verdade que o SENHOR me castigou – hebraico:”O Senhor me castigou – me castigou”. Veja as notas no Salmo 118:13 . O salmista havia sofrido muito e agora via sua aflição à luz de um castigo ou correção paternal. Foi uma provação severa e ele não foi insensível à sua severidade, embora a considerasse destinada ao seu próprio bem.

porém ele não me entregou à morte – Ele se interpôs quando eu estava em perigo; ele me resgatou quando eu estava à beira do túmulo. Este é o final da declaração do salmista a respeito do trato divino com ele. Ele havia passado por um grande perigo; ele tinha estado gravemente aflito; mas ele havia sido resgatado e poupado, e agora vinha expressar sua gratidão a Deus por sua recuperação. No versículo seguinte, ele se dirige aos que cuidavam do santuário e pede que lhe seja permitido entrar e agradecer a Deus. [Barnes, aguardando revisão]

19 Abri para mim as portas da justiça; entrarei por elas e louvarei ao SENHOR.

Comentário de A. R. Fausset

Se uma entrada real ou figurada na casa de Deus deve ser entendida, o propósito do louvor solene é indicado, no qual somente o justo deveria ou poderia se engajar. [JFB]

20 Esta é a porta do SENHOR, pela qual os justos entrarão.

Comentário Barnes

Esta é a porta do SENHOR – Esta porta dedicada ao serviço do Senhor; que pertence à casa do Senhor.

pela qual os justos entrarão – Através do qual os justos passarão. Isto é, é para tais pessoas, e todos os que vêm com o propósito de servir e adorar a Deus devem ter permissão para passar por elas; Reclamo o privilégio, portanto, de passar por esses portões para a casa de Deus, pois venho para louvá-lo. Todos os que são verdadeiramente justos, todos os que desejam adorar a Deus, todos os que desejam e pretendem ser santos, têm o direito de entrar na casa de Deus – para serem reconhecidos como seus amigos – para serem autorizados a participar de todas as devoções de seu povo; todos esses terão o direito de entrar no templo acima. Ninguém tem o direito de excluí-los aqui; ninguém no céu estará disposto a excluí-los lá. [Barnes, aguardando revisão]

21 Eu te louvarei porque tu me respondeste e me salvaste.

Comentário do Púlpito

Eu te louvarei porque tu me respondeste. O canto da procissão ao entrar – um prolongamento daquilo que foi iniciado no Salmo 118:19.

e me salvaste (comp. Salmo 118:14). [Pulpit, aguardando revisão]

22 A pedra que os construtores rejeitaram se tornou cabeça de esquina.

Comentário de A. R. Fausset

Estas palavras são aplicadas por Cristo (Mt 21:42) para Si mesmo, como o fundamento da Igreja (compare At 4:11; Ef 2:20; 1Pe 2:4, 7). Ela pode aqui denotar a maravilhosa exaltação de Deus ao poder e influência daquele a quem os governantes da nação desprezavam. Quer (veja no Sl 118:1) Davi ou Zorobabel (compare Ag 2:2; Zc 4:7-10) sejam primariamente entendidos, há aqui tipicamente representados os feitos mais maravilhosos de Deus em exaltar a Cristo, crucificado como impostor, para ser o Príncipe e Salvador e Cabeça de Sua Igreja. [JFB]

23 Pelo SENHOR isto foi feito, e é maravilhoso aos nossos olhos.

Comentário Barnes

Pelo SENHOR isto foi feito – Margem, como em hebraico, “Isto vem do Senhor”. Isto é, deve ser atribuída somente ao Senhor. Não é o resultado da sabedoria ou poder humano. A libertação do perigo – a elevação da condição inferior – a mudança pela qual aquele que foi rejeitado foi restaurado ao seu lugar de direito – tudo isso deveria ser rastreado somente a Deus. Assim foi no caso do salmista; assim foi no caso do Redentor. Ninguém, a não ser Deus, poderia ter feito daquele que foi rejeitado, desprezado, crucificado e posto na sepultura, o Salvador de um mundo. O lugar que o uma vez rejeitado Redentor agora ocupa na igreja – as honras concedidas a ele como o cabeça da igreja – o triunfo de seu evangelho no mundo – tudo prova que é a obra de Deus.

e é maravilhoso aos nossos olhos – é adequado para despertar admiração. Não é uma daquelas coisas que devem ser classificadas com os eventos comuns e bem conhecidos que são facilmente explicados e que não suscitam nenhuma maravilha; é uma daquelas coisas que não podem ser explicadas por nenhuma lei conhecida; que pertencem ao “sobrenatural;” que trazem as marcas de uma interposição divina direta; que são adequados para despertar a admiração da humanidade. Assim foi no caso do salmista; assim, preeminentemente, foi no caso do Redentor. Nenhuma operação de leis naturais constituirá uma explicação suficiente para o último. É motivo de admiração, de regozijo e de louvor que aquele, desprezado, rejeitado, crucificado, tenha sido ressuscitado da sepultura; que sua religião se espalhou tanto pelo mundo; que influencia a humanidade como faz; Efésios 1:21. [Barnes, aguardando revisão]

24 Este é o dia em que o SENHOR agiu; alegremos e enchamos de alegria nele.

Este é o dia – ou período distinguido de todos os outros pelo favor de Deus.

25 Ah, SENHOR, salva-nos! Ah, SENHOR, faze-nos prosperar!

Comentário de A. R. Fausset

salva-nos – hebraico, “Hosana” (compare Sl 115:2) é uma forma de oração (Sl 20:9), em uso no nosso louvor. [JFB]

26 Bendito aquele que vem no nome do SENHOR; nós vos bendizemos desde a casa do SENHOR.

Comentário de A. R. Fausset

aquele que vem no nome do SENHOR – Isso pode ser aplicado ao chefe visível da Igreja Judaica entrando no santuário, como liderando a procissão; tipicamente pertence àquele de quem a frase se tornou um epíteto, Cristo Jesus (Ml 3:1; Mt 21:9). [JFB]

27 O SENHOR é o verdadeiro Deus, que nos deu luz; atai os sacrifícios da festa, para levá-los aos chifres do altar.

Comentário de A. R. Fausset

nos deu luz – ou favor (Sl 27:1; Sl 97:11). Com a vítima do sacrifício trazida amarrada ao altar está unida a oferta mais espiritual de louvor (Sl 50:14, 23), expressa nos termos com os quais o Salmo foi aberto. [JFB]

28 Tu és meu Deus, por isso eu te louvarei. Eu te exaltarei, meu Deus.

Comentário Barnes

Tu és meu Deus, por isso eu te louvarei – Esta é a linguagem do autor do salmo – sua profissão solene diante do santuário e do altar; sua resposta ao sacerdócio. No Salmo 118:27 , eles declararam que “só Jeová era Deus”; a isso ele agora responde, que ele o reconhece; ele o reconhece como o verdadeiro Deus e como seu Deus; ele vem para elogiá-lo; e ele professa seu propósito de sempre exaltá-lo como seu Deus.

Eu te exaltarei, meu Deus – Repetindo a declaração solene de que somente Yahweh era o Deus a quem ele adorava, e que sempre foi seu propósito engrandecer seu nome. [Barnes, aguardando revisão]

29 Agradecei ao SENHOR, porque ele é bom; pois sua bondade dura para sempre.

Comentário Barnes

O salmo termina, como começou, com uma exortação para louvar a Deus. No início do salmo, era uma exortação geral; aqui é uma exortação fundada no curso do pensamento no salmo, ou como uma conclusão apropriada do que foi referido no salmo. Provas foram dadas de que o Senhor era bom; com base nisso, todas as pessoas são exortadas a agradecê-lo. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 117 Salmo 119>

Introdução ao Salmo 118

Sobre a autoria deste salmo e a ocasião em que foi composto, nada pode agora ser determinado com certeza. A opinião comum é que se trata de um salmo de Davi, e que foi composto quando seus problemas com Saul cessaram e quando ele foi reconhecido como rei. Alguns, entretanto, o vincularam a Ezequias por ocasião de sua restauração da doença; outros para a época do retorno do exílio babilônico; e outros ao tempo dos Macabeus. Seria inútil examinar essas opiniões, visto que são todas meras conjecturas e como nenhuma certeza pode agora ser alcançada.

O que está aparente na face do salmo é que era um salmo de ação de graças, para ser empregado no templo quando uma oferta ou sacrifício era levado ao altar (Salmo 118:27) para ser apresentado como um reconhecimento da misericórdia de Deus, em alguma ocasião de libertação do perigo, por alguém cuja pretensão de governar havia sido rejeitada, mas que agora era vitorioso sobre seus inimigos e reconhecido como o legítimo líder e governante do povo. O salmo é em certa medida dramático. O autor é o orador nos primeiros vinte e um versos; no restante do salmo, os sacerdotes e o povo falam e, no final, o salmista novamente profere louvores.

O salmo consiste nas seguintes partes:

I. O autor do salmo fala (Salmo 118:1-21).

(1) ele exorta todos a louvarem ao Senhor e a se unirem a ele na expressão de agradecimento, porque o ocorrido era assunto do interesse de todo o povo; a Israel, à casa de Arão, ao sacerdócio a todos os que temem a Deus (Salmo 118:14).

(2) uma descrição de seu perigo e libertação (Salmo 118:5-18). Ele estava em perigo; ele invocou o Senhor; ele tinha visto o benefício de confiar no Senhor em vez de no homem. Todas as nações o cercaram como abelhas; eles o haviam empurrado com força; eles haviam procurado sua vida; mas ele não ficou desanimado; ele sentiu, mesmo em meio a seus perigos, que viveria para declarar as obras do Senhor (Salmo 118:17-18).

(3) O orador se aproxima do templo. Ele pede que as portas sejam abertas para que ele possa entrar e louvar ao Senhor. Ele se dirige aos que estão encarregados do templo – os ministros – e deseja deixar para vir e apresentar sua oferta (Salmo 118:19-21).

II. Os sacerdotes e o povo falam (Salmo 118:22-27).

(1) eles o reconhecem agora como o Governante – a pedra angular – a base da prosperidade da nação e sua esperança. Ele havia sido rejeitado por aqueles que declaradamente estavam lançando o fundamento do império, mas agora ele havia estabelecido suas reivindicações de ser considerado a própria pedra angular sobre a qual todo o edifício deve repousar (Salmo 118:22).

(2) eles reconhecem isso como uma obra maravilhosa de Deus, e como adequada para despertar a mais profunda admiração (Salmo 118:23).

(3) eles reconhecem este como um dia alegre, como se Deus tivesse criado um dia com o propósito de celebrar um evento tão alegre (Salmo 118:24).

(4) eles o declaram bem-aventurado aquele que assim veio em nome do Senhor; eles o abençoam fora da casa do Senhor (Salmo 118:25-26).

(5) eles o instruem a trazer sua oferta, e amarrá-la às pontas do altar preparatório para o sacrifício. Ele tem permissão para vir livremente. Sua oferta é reconhecida como adequada, para que ele possa se aproximar com uma garantia de aceitação (Salmo 118:27).

III. O autor do salmo fala novamente (Salmo 118:28-29). Ele reconhece Deus como seu Deus e conclama todos a louvá-lo.

Partes do salmo são, no Novo Testamento, aplicadas a Cristo; e foi questionado se tinha, ou não, uma referência original a ele. Assim, em Mateus 21:42; Marcos 12:11; Lucas 20:17, é citado pelo Salvador como ilustrando uma verdade a respeito de si mesmo. Em Atos 4:11, o ver 22 do salmo é aplicado por Pedro ao Salvador, como tendo sido cumprido nele – ou, no sentido de que a linguagem do salmo descreveria apropriadamente o fato que ocorreu no tratamento de Jesus de Nazaré. Muitos dos rabinos judeus consideraram o salmo como uma referência ao Messias, e não poucos intérpretes cristãos supuseram que ele tinha uma referência original.

Parece claro, no entanto, a partir do próprio salmo que não poderia ter sido composto principalmente com referência a ele. Há partes dela que não podem, sem um uso muito forçado da linguagem, ser aplicada a ele, como por exemplo, a alusão ao ataque feito por “todas as nações” à pessoa referida no salmo (Salmo 118:10), e na alusão ao perigo de morte (Salmo 118:17-18). A pessoa mencionada no salmo corria perigo de morte, mas não foi entregue à morte. Ele tinha a certeza em meio ao perigo de que não morreria, mas continuaria a viver (Salmo 118:17). O Redentor, entretanto, morreu. Seus inimigos cumpriram seu propósito a este respeito. Eles o mataram, embora ele tenha ressuscitado dos mortos.

É claro, portanto, creio, que o salmo não tinha uma referência original ao Messias. Ainda assim, há muito nele que se aplica a ele e que pode ser usado como expressão do que lhe ocorreu. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.