Mateus 5

As Bem-aventuranças

1 E quando Jesus viu as multidões, subiu a um monte; e sentando-se, achegaram-se a ele os seus discípulos.

Comentário de David Brown

E quando Jesus viu as multidões – aquela multidão mencionada em Mateus 4:25subiu a um monte – uma das dezenas de montanhas que Robinson diz que existem nas proximidades do Mar da Galileia, qualquer uma delas respondendo igualmente bem à ocasião.

achegaram-se a ele os seus discípulos – já um grande círculo, mais ou menos atraídos e subjugados por Sua pregação e milagres, além do pequeno grupo de seguidores devotos. Embora só a estes últimos respondessem aos assuntos do Seu Reino descritos neste Discurso, de tempos em tempos eram atraídos para este círculo interno almas do exterior, que, pelo poder da Sua palavra incomparável, eram obrigadas a abandonar tudo pelo Senhor Jesus. [JFU]

2 Então ele abriu sua boca e lhes ensinou, dizendo:

Comentário de David Brown

Então ele abriu sua boca – uma maneira séria de despertar a atenção do leitor e prepará-lo para algo de importância. (Jó 9:1; Atos 8:3510:34). [JFU]

3 Bem-aventurados são os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos céus.

humildes de espírito (“pobres de espírito”, NVI). O espírito é o elemento imortal no homem; e sobretudo a parte moral da alma humana com a qual o homem é religioso e recebe e comunga com o Espírito Divino. Aquele cujo espírito o Evangelho encontra suprido e falsamente rico com algo mais do que o Evangelho, não pode receber o Evangelho. Se o espírito estiver cheio e satisfeito com alguma falsa religião, ou orgulho, ou bem terreno, ou moralismo, não tem espaço ou receptividade para o Evangelho, e nenhuma bênção de Cristo. Assim, o completo e auto-consciente pecador, moralmente pobre de fato e de espírito, tem muitas vezes mais probabilidade de receber o Evangelho do que aquele que tem algo que não é religião no lugar da religião. Bem-aventurado, portanto, aquele que tem um vazio receptivo, uma pobreza, real e sentida, para o Evangelho. [Whedon, 1874]

“Deus resiste aos soberbos, mas concede graça aos humildes.” (Tiago 4:6)

4 Bem-aventurados são os que choram, porque eles serão consolados.

Comentário Whedon

os que choram. Naturalmente, todos os termos devem ser entendidos dentro da esfera religiosa. O luto não é propriamente o secular, mas religioso — o arrependimento. Visto que o pecado é o único mal essencial, então este luto é pelo pecado. E para o pecado o único conforto é o perdão e o favor divino. [Whedon, 1874]

5 Bem-aventurados são os mansos, porque eles herdarão a terra.

os mansos. Salmo 37:11: “os mansos herdarão a terra”.

6 Bem-aventurados são os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão saciados.

os que têm fome e sede de justiça. Compare com Isaías 55:1-2.

7 Bem-aventurados são os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia.

Comentário Cambridge

alcançarão misericórdia. Este princípio no governo divino de que os homens serão tratados da mesma forma como tratam seus semelhantes é ensinado na parábola do Servo Impiedoso (Mateus 18:21-35), e está por trás da quinta petição na oração do Pai Nosso (Mateus 6:12). [Cambridge, 1893]

8 Bem-aventurados são os limpos de coração, porque eles verão a Deus.

Comentário Cambridge

limpos de coração (“puro de coração”, Salmo 24:4). A pureza é uma virtude própria do cristianismo. Ela não encontra lugar nem no ensino de Sócrates, nem no sistema de Aristóteles.

verão a Deus. A educação cristã é uma revelação gradual de Deus, todos têm vislumbres Dele, ao puro Ele se mostra muito claramente. Compare com 1 João 3:2-3. Em outro sentido, a visão não revelada de Deus é reservada para a vida eterna. [Cambridge, 1893]

9 Bem-aventurados são os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.

Comentário Cambridge

os pacificadores. Não só no sentido daqueles que enceram a contenda. A paz é usada num sentido mais profundo, “a paz de Deus” (Filipenses 4:7); “a paz de Cristo” (Colossenses 3:15).

filhos de Deus. Estes são muito parecidos com a natureza divina, perfeitos como o seu Pai que está no céu é perfeito (Mateus 5:48, compare 1João 3:1: “Vede quão grande amor o Pai nos concedeu para que fôssemos chamados Filhos de Deus”). [Cambridge, 1893]

10 Bem-aventurados são os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus.

Comentário Cambridge

por causa da justiça…(11) por minha causa. Observe estas limitações. A causa pela qual um homem sofre é tudo. Muitos zelotes galileus que haviam sido perseguidos, insultados, difamados, quando se levantaram contra Herodes ou contra o poder romano não tinham qualquer participação nessa bem-aventurança. [Cambridge, 1893]

11 Bem-aventurados sois vós, quando vos insultarem, perseguirem, e mentirem, falando contra vós todo mal por minha causa.

Comentário Cambridge

por causa da justiça (10)…por minha causa. Observe estas limitações. A causa pela qual um homem sofre é tudo. Muitos zelotes galileus que haviam sido perseguidos, insultados, difamados, quando se levantaram contra Herodes ou contra o poder romano não tinham qualquer participação nessa bem-aventurança. [Cambridge, 1893]

12 Jubilai e alegrai-vos, porque grande é vossa recompensa nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós.

pois assim perseguiram aos profetas (2Crônicas 36:16; Atos 7:52).

O sal da terra e a luz do mundo

13 Vós sois o sal da terra; mas se o sal perder seu sabor, com que se salgará? Para nada mais presta, a não ser para se lançar fora, e ser pisado pelas pessoas.

Comentário de John Wesley

Vós. Não os apóstolos, não apenas os ministros; mas todos vós que sois assim santos, sois o sal da terra – estais para temperar os outros (Marcos 9:50; Lucas 14:34). [Wesley, 1765]

14 Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade fundada sobre o monte;

Comentário Cambridge

a luz do mundo. Veja João 8:12; 9:5, onde Jesus diz de Si mesmo: “Eu sou a luz do mundo”. Compare com Filipenses 2:15, “na qual brilhais como luminárias no mundo”.

uma cidade fundada sobre o monte. Stanley (séc. 19) observou que no norte da Palestina “a planície e as encostas das montanhas estão pontilhadas de aldeias…situadas na maior parte (não como as da Judeia, no topo das colinas, ou Samaria, em vales profundos, mas) como na Filístia, nas encostas das cordilheiras que cruzam ou delimitam a planície”. A figura no texto lembra, portanto, Judeia em vez de Galileia, Belém em vez de Nazaré. Alguns, porém, conjecturaram que a alta Safed estava à vista, e foi apontada por nosso Senhor. [Cambridge, 1893]

15 Nem se acende a lâmpada para se pôr debaixo de um cesto, mas sim na luminária, e ilumina a todos quantos estão na casa.

Comentário Cambridge

luminária (“candeia” em algumas versões). A candeia em uma casa judaica não era colocada sobre uma mesa, mas sobre um pedestal alto ou um suporte, às vezes feito com um eixo deslizante.

a todos quantos estão na casa – ou seja, os judeus. Lucas, fiel ao caráter de seu evangelho, diz “para que os que entram”, ou seja, os gentios, “vejam a luz” (Lucas 8:16). [Cambridge, 1893]

16 Assim brilhe vossa luz diante das pessoas, para que vejam vossas boas obras, e glorifiquem ao vosso Pai, que está nos céus.

Comentário de John Wesley

para que vejam vossas boas obras, e glorifiquem – isto é, para que, vendo suas boas obras, sejam movidos a amar e servir a Deus da mesma forma. [Wesley, 1765]

Jesus cumpre a Lei

17 Não penseis que vim para revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, mas sim para cumprir.

Comentário de Genebra

Cristo não veio para trazer ao mundo nenhum caminho novo de justiça e salvação, mas sim para cumprir o que era ocultado pelas figuras da Lei, libertando os homens através da graça da maldição da Lei; e, além disso, para ensinar o verdadeiro uso da obediência que a Lei designou, e para gravar em nossos corações o poder da obediência.

mas sim para cumprir. Para que as profecias sejam cumpridas. [Genebra, 1599]

18 Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota nem um til passará da Lei até que tudo se cumpra.

Comentário Cambridge

em verdade. O amém hebraico é mantido no texto grego. Esta palavra é usada (a) para confirmar a verdade do que foi dito. (b) Afirmar a verdade do que está prestes a ser dito. O segundo (b) é um uso siríaco, e, portanto, mais comum no Novo Testamento do que no Antigo Testamento, onde o uso é quase limitado a (a).

jota. No original,“yod” (‘), a menor letra do alfabeto hebraico, ela é mais o adjunto de uma letra do que uma letra independente.

cumpra. A palavra grega é diferente daquela que tem a mesma interpretação em Mateus 5:17. [Cambridge, 1893]

19 Portanto qualquer um que desobedecer a um destes menores mandamentos, e assim ensinar às pessoas, será chamado o menor no Reino dos céus; porém qualquer que os cumprir e ensinar, esse será chamado grande no Reino dos céus.

Comentário Cambridge

Novamente dirigido aos Apóstolos como mestres. A união do fazer e do ensinar é essencial. Foi o grave pecado dos fariseus que ensinavam sem fazer. Veja Mateus 23:2-3. Isso explica o “Porque” do próximo versículo. [Cambridge, 1893]

20 Porque eu vos digo que se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e dos fariseus, de maneira nenhuma entrareis no Reino dos céus.

Comentário de Matthew Poole

se a vossa justiça não for maior. A justiça dos escribas e fariseus acaba de ser mencionada (veja Mateus 3:7). Eles afirmavam ser os mestres e exemplos de justiça, mas não possuíam o espírito humilde da verdadeira obediência. [Poole, 1891]

O homicídio

21 Ouvistes o que foi dito aos antigos: 'Não cometerás homicídio'; 'mas qualquer um que cometer homicídio será réu do julgamento'.

Comentário Cambridge

Ouvistes o que foi dito. Melhor, ouvistes, ou na reunião da sinagoga ou no ensino dos escribas.

aos antigos – ou, pelos antigos. [Cambridge, 1893]

22 Porém eu vos digo que qualquer um que se irar contra seu irmão será réu do julgamento. E qualquer um que disser a seu irmão: 'Idiota!' será réu do tribunal. E qualquer que lhe disser: 'Louco!' será réu do fogo do inferno.

Comentário Cambridge

Porém eu vos digo. Uma expressão muito enfática, que implica a autoridade de um legislador.

do julgamento. O tribunal local: veja a nota seguinte.

Idiota! (“Racá” em algumas versões). Uma palavra de desprezo, que se diz ter uma raiz que significa “cuspir”. A distinção entre Idiota e Louco (no original) se perdeu, e naturalmente, pois elas pertencem a essa classe de palavras, cujo significado depende inteiramente do momento em que é usada. Uma expressão inocente e sem sentido numa época torna-se a palavra de ordem de uma revolta noutra. Há, no entanto, claramente um clímax. (1) Sentimento de ira sem palavras. (2) A ira se exprime em palavras. (3) Ira ofensiva. A gradação da punição é correspondente; sujeita (1) ao tribunal local; (2) ao Sinédrio; (3) ao Geena.

do tribunal. Ou seja, o Sinédrio (Mateus 26:3). [Cambridge, 1893]

23 Portanto, se trouxeres tua oferta ao altar, e ali te lembrares que teu irmão tem algo contra ti,

se trouxeres tua oferta ao altar, que poderia ser um cordeiro ou dois pombinhos.

24 Deixa ali tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão, e então vem oferecer a tua oferta.

Comentário Cambridge

diante do altar. Deus não aceitará o sacrifício a menos que o coração esteja livre da raiva e a consciência da ofensa. É uma aplicação do grande princípio que se resume em “Quero misericórdia e não sacrifício”. Compare também com Salmo 26:6: “Lavo minhas mãos em inocência, e ando ao redor do teu altar, SENHOR;”. [Cambridge, 1893]

25 Faze acordo depressa com teu adversário, enquanto estás com ele no caminho, para não acontecer que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz ao oficial, e te lancem na prisão.

Comentário Cambridge

Faze acordo. O particípio no original transmite a ideia de continuidade. O pensamento do verso anterior é estendido e generalizado. Por adversário entende-se aqueles contra os quais guardamos esse ressentimento que nos afasta do reino de Deus. “Enquanto há tempo nesta vida, afasta o ressentimento. Mostra-te um filho de Deus, sendo um pacificador” (Mateus 5:9).

O imaginário é tirado dos tribunais. Seria bom que um homem se reunisse com o seu credor antes de o caso ser apresentado ao juiz. [Cambridge, 1893]

26 Em verdade te digo que não sairás dali enquanto não pagares a última moeda.

Comentário do Púlpito

Uma declaração solene do caráter implacável da justiça. Os romanistas sustentam que o verso implica (1) que, se o pagamento puder ser feito, a libertação acontece; (2) e esse pagamento pode ser feito.

A primeira afirmação é provável; mas quanto à menor sugestão da segunda, é totalmente insuficiente. Cristo afirma que a não reconciliação com um irmão, se levada além do limite de tempo dentro do qual a contenda pode ser resolvida, envolve consequências nas quais o elemento de misericórdia estará totalmente ausente. O elemento da misericórdia pode entrar até certo momento, mas depois disso só a justiça.

Será observado que, na interpretação acima, ἀντίδικος (“adversário”) foi consistentemente explicado como um adversário humano, pois esse parece ser o significado principal aqui. Mas não se deve esquecer que, na passagem paralela em Lucas, a referência é a Deus. As ofensas contra o homem são representadas em seu verdadeiro caráter como ofensas contra Deus, que é, portanto, descrito como o adversário em uma ação judicial. Que, de outro ponto de vista, seja também o juiz, não importa.

Ambas as concepções sobre este texto são verdadeiras e podem ser mantidas bem distintas. Pode ser que, de fato, essa referência de ἀντίδικος (“adversário”) a Deus também estivesse presente na mente de Mateus quando ele registrou essas palavras, e isso explicaria parcialmente a terrível ênfase no versículo 26. [Pulpit, 1897]

O adultério

27 Ouvistes o que foi dito: 'Não adulterarás'.

Comentário Whedon

‘Não adulterarás’. Os mesmos princípios usados ao parágrafo são aplicados ao sétimo mandamento para esclarecer o sexto. O adultério real é atribuído à cobiça do coração. O crime oculto é visto como o crime essencial do qual o ato externo é a manifestação. [Whedon, 1874]

28 Porém eu vos digo que qualquer um que olhar para uma mulher para a cobiçar, em seu coração já adulterou com ela.

Comentário de David Brown

em seu coração já adulterou com ela. Não devemos supor, por causa da palavra aqui usada – “adultério” – que nosso Senhor restringiu a violação desse mandamento a pessoas casadas. A expressão “qualquer um que olhar” parece claramente estender o alcance deste mandamento a todas as formas de impureza, e os conselhos na sequência – como, com certeza, foram dirigidos a todos, sejam casados ​​ou não – parece confirmar isso. Assim como ao tratar do sexto mandamento, nosso Senhor primeiro o expõe e depois, nos quatro versículos seguintes, aplica Sua exposição (Mateus 5:21-25), assim aqui, Ele primeiro expõe o sétimo mandamento e depois, nos quatro versículos seguintes, aplica Sua exposição (Mateus 5:28-32). [JFU, 1871]

29 Se o teu olho direito te faz pecar, arranca-o e lança-o de ti; porque é melhor para ti que um dos teus membros se perca do que o teu corpo todo seja lançado no inferno.

Comentário Cambridge

o teu olho direito. O olho e a mão não são apenas bons e úteis em si mesmos, mas necessários. Ainda assim, eles podem se tornar causa de pecado para nós. Portanto, atividades e prazeres inocentes em si mesmos podem trazer tentações e nos envolver no pecado. Estes devem ser renunciados, por maior que seja o esforço necessário. [Cambridge, 1893]

30 E se a tua mão direita te faz pecar, corta-a e lança-a de ti; porque é melhor para ti que um dos teus membros se perca do que o teu corpo todo vá ao inferno.

Comentário Barnes

se a tua mão direita te faz pecar. A mão direita é indicada pela mesma razão que o olho direito, porque é um dos membros mais importantes do corpo humano. A ideia é que os mais queridos bens terrenos devem ser sacrificados no lugar de pecarmos; que a mais rígida abnegação deve ser praticada, e que o mais absoluto autogoverno deve ser mantido em qualquer sacrifício, no lugar de permitirmos que a mente seja poluída por pensamentos profanos e desejos impuros. [Barnes, 1870]

O divórcio

31 Também foi dito: 'Qualquer um que se divorciar de sua mulher, dê a ela carta de divórcio'.

Comentário Cambridge

Grandes abusos haviam surgido em relação ao divórcio, de maneira que era permitido por motivos muito banais. Um ditado rabínico dizia: “Se alguém odeia sua esposa, que a deixe”. [Cambridge, 1893]

32 Porém eu vos digo que qualquer um que se divorciar de sua mulher, a menos que seja por causa de pecado sexual, faz com que ela adultere; e qualquer um que se casar com a divorciada comete adultério.

Comentário de Rhoderick D. Ice

Porém eu vos digo. Jesus proíbe o divórcio, a menos que seja por infidelidade. Um divórcio por qualquer outra causa não é válido, tornando aqueles que se casam novamente culpados de bigamia e, portanto, de adultério. [Ice, 1974]

Os juramentos

33 Também ouvistes que foi dito aos antigos: 'Não jurarás falsamente', 'mas cumprirás ao Senhor os teus juramentos'.

Comentário Cambridge

Não jurarás falsamente. Compare com o terceiro mandamento. Levítico 19:12: “E não jurareis em meu nome com mentira, nem profanarás o nome de teu Deus: Eu sou o SENHOR”. No reino de Deus não há lugar para ato ou declaração externa que seja diferente do que se passa no coração. Mas palavras como as do apóstolo, “O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que é bendito eternamente, sabe que eu não estou mentindo” (2Coríntios 11:31), impedirão que os cristãos observem a letra e não o espírito das palavras de nosso Salvador. [Cambridge, 1893]

34 Porém eu vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus;

Comentário Cambridge

de maneira nenhuma jureis. A proibição deve ser entendida quanto a juramentos precipitados e descuidados nas relações cotidianas, não por afirmação solene nos Tribunais de Justiça.

porque é o trono de Deus. Tamanha era a hipocrisia dominante que os judeus da época pensavam que escapavam do pecado de perjúrio se em seus juramentos evitassem usar o nome de Deus. Um dos ditos rabínicos era: “Assim como o céu e a terra passarão, assim passará o juramento feito por eles”. Nosso Senhor mostra que um falso juramento feito pelo céu, pela terra ou por Jerusalém é, no entanto, uma profanação do nome de Deus. [Cambridge, 1893]

35 Nem pela terra, porque é o suporte de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei.

Nem pela terra, porque é o suporte de seus pés (citando Isaías 66:1).

nem por Jerusalém, pois é a cidade do grande rei (citando Salmo 48:2).

36 Nem por tua cabeça jurarás, pois nem sequer um cabelo podes tornar branco ou preto.

por tua cabeça. Uma forma de juramento comum no mundo antigo.

37 Mas seja vosso falar: 'sim', 'sim', 'não', 'não'; porque o que disso passa procede do maligno.

Comentário Ellicott

Mas seja vosso falar: ‘sim’, ‘sim’, ‘não’, ‘não’. O seu Sim deve significar sim, e o Não deve significar não, mesmo que não seja acompanhado de palavras de  juramento.

procede do maligno. O original grego pode (como no Pai Nosso, “livrai-nos do mal”) ser neutro, “do mal em abstrato”, ou masculino, “do maligno”. Com certa hesitação, e guiado principalmente por Mateus 13:19-38, eu aceito a última possibilidade como a mais provável. Estes juramentos fantasiosos não vêm d’Aquele que é a Verdade, mas daquele que “quando mente, fala a sua própria língua” (Jo 8:44, NVI). [Ellicott, 1905]

A vingança

38 Ouvistes o que foi dito: 'Olho por olho, e dente por dente'.

Comentário Cambridge

Olho por olho. Ver Êxodo 21:24. Os escribas extraíram uma falsa conclusão da letra da lei. Como um recurso legal, a Lei de Talião foi provavelmente o melhor que se podia obter num estado embrionário da sociedade. O princípio foi reconhecido em todas as nações antigas. Mas a retribuição era exigida por uma sentença judicial para o bem da comunidade, não para satisfazer a vingança pessoal. A conclusão de que era moralmente correto que os indivíduos se vingassem não era justificável. [Cambridge, 1893]

39 Mas eu vos digo que não resistais a quem for mau; em vez disso, a qualquer um que te bater à tua face direita, apresenta-lhe também a outra.

Comentário Cambridge

não resistais a quem for mau, ou seja, não revide o mal.

A gradação dos exemplos dados é da maior provocação para a menor. [Cambridge, 1893]

40 E ao que quiser disputar contigo, e te tomar tua túnica, deixa-lhe também a capa.

Comentário Cambridge

túnica. A roupa debaixo. Esta tinha mangas, e chegava abaixo dos joelhos. capa, a peça de roupa externa. Um grande manto quadrado de lã. As pessoas mais pobres vestiam apenas uma túnica. Entre as pessoas mais ricas muitos usavam duas túnicas além da capa. A riqueza no Oriente é frequentemente mostrada não só pela qualidade, mas também pela quantidade de roupa usada. Para o sentido geral compare com 1 Coríntios 6:7: “O fato de haver litígios entre vocês já significa uma completa derrota. Por que não preferem sofrer a injustiça? Por que não preferem sofrer o prejuízo?” (NVI). [Cambridge, 1893]

41 E se qualquer um te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.

Comentário Cambridge

O original grego tem uma palavra que significa “prestar serviço como mensageiro” para o serviço real e, em geral, “ser forçado a ser guia”, “ser requisitado”, seja homem ou gado. Esta foi uma das exigências que os judeus suportaram sob o domínio dos romanos. Alford cita Josefo, onde Demétrio promete não colocar em serviço os animais de carga pertencentes aos judeus. Para um exemplo deste serviço forçado, veja Mateus 27:32. [Cambridge, 1893]

42 Dá a quem te pedir; e não te desvies de quem quiser de ti tomar emprestado.

Comentário Cambridge

não te desvies de quem quiser de ti tomar emprestado. Empréstimos forçados têm sido um modo de opressão em todas as épocas, pelo qual, talvez, ninguém tenha sofrido mais que os judeus. [Cambridge, 1893]

O amor aos inimigos

43 Ouvistes o que foi dito: 'Amarás teu próximo', e 'odiarás teu inimigo'.

Comentário Cambridge

Amarás teu próximo. Levítico 19:18: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. A segunda sentença não ocorre em Levítico, mas foi uma conclusão rabínica. Inimigos, todos aqueles que estão fora da raça escolhida. [Cambridge, 1893]

44 Porém eu vos digo: amai vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem,

Comentário Schaff

Passagem paralela: Lucas 6:27-28.

amai vossos inimigos. O princípio controlador, literal e universalmente aplicável. Um dos poucos mandamentos que não admitem distinção entre ‘letra’ e ‘espírito’ A lei do amor, antes julgada aplicável apenas aos da mesma nação, é agora declarada válida para todos os homens, até mesmo para os inimigos pessoais. Esse princípio do evangelho e o farisaísmo não podem ser reconciliados; aqui, principalmente, nossa justiça deve exceder a dos escribas e fariseus. Por seu ódio, nosso inimigo se torna nosso próximo; seu ódio nos provoca a retaliação, não nos deixando outra escolha senão ceder ou nos defender com as armas do amor, ou seja, enfrentar a ‘perseguição’ com a ‘oração’. [Schaff, 1879]

45 Para que sejais filhos de vosso Pai que está nos céus; porque ele faz seu sol sair sobre maus e bons, e chover sobre justos e injustos.

Comentário Cambridge

Para que sejais filhos de vosso Pai que está nos céus. Agir assim seria agir como Deus, que abençoa aqueles que O amaldiçoam e são Seus inimigos, através das dádivas do sol e da chuva. Isto é divino. O mero retorno do amor por amor é uma virtude humana, até mesmo pagã. [Cambridge, 1893]

46 Pois se amardes os que vos amam, que recompensa tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?

Comentário Cambridge

publicanos. Cobradores de impostos; não cobradores de um imposto regular fixado pelo governo como o nosso, mas homens que arrecadavam para o publicum (receita do estado), por isso chamados Publicani. Em Roma, a ordem equestre gozava quase exclusivamente do privilégio lucrativo de arrecadar as receitas do Estado.

Os publicanos do Novo Testamento, no entanto, foram uma classe mais inferior de cobradores de impostos, a quem os contratantes subalugam a cobrança de impostos. Estes homens lucravam através de cruéis e opressivas extorsões. Apenas os menos patriotas e mais degradados da população assumiram essas funções, o que naturalmente os tornava odiosos para os seus concidadãos. [Cambridge, 1893]

47 E se saudardes somente os vossos irmãos, o que fazeis de mais? Não fazem os gentios também assim?

E se saudardes somente os vossos irmãos – aqueles da mesma nação e religião que vocês.

48 Portanto, sede vós perfeitos, assim como vosso Pai celestial é perfeito.

Comentário Cambridge

sede vós perfeitos. Ou (1) em referência a um estado futuro, “se tiverdes esse verdadeiro amor ou caridade, sereis perfeitos no futuro”; ou (2) o futuro tem uma força imperativa, e perfeito é limitado pelas palavras precedentes = perfeito em relação ao amor, isto é, “amai os vossos inimigos, assim como o vosso próximo”, porque vosso Pai, sendo perfeito em relação ao amor, faz isso. [Cambridge, 1893]

<Mateus 4 Mateus 6>

Visão geral de Mateus

No evangelho de Mateus, Jesus traz o reino celestial de Deus à terra e, por meio da sua morte e ressurreição, convoca os seus discípulos a viverem um novo estilo de vida. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Mateus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.