Romanos 3

Objeções judaicas respondidas

1 Qual, pois, é a vantagem do judeu? Ou qual é a utilidade da circuncisão?

Comentário Barnes

O objetivo da primeira parte deste capítulo é responder a algumas das objeções que podem ser feitas por um judeu às declarações do último capítulo. A primeira objeção é declarada neste versículo. Um judeu naturalmente perguntaria, se a visão que o apóstolo deu fosse correta, que benefício especial o judeu poderia derivar de sua religião? A objeção surgiria particularmente da posição avançada em Romanos 2:25-26 , de que se um pagão fizesse as coisas exigidas pela Lei, ele seria tratado como “se” tivesse sido circuncidado. Conseqüentemente, a pergunta:”que proveito há com a circuncisão?” [Barnes, aguardando revisão]

2 Muita, em toda maneira. Pois, em primeiro lugar, as palavras de Deus lhes foram confiadas.

Comentário de David Brown

as palavras de Deus lhes foram confiadas. Esta notável expressão, denotando “comunicações divinas” em geral, é transferida para as Escrituras para expressar seu caráter oracular, divino e autoritário. [JFB]

3 Então, quê? Se alguns foram infiéis, a infidelidade deles anulará a fidelidade de Deus?

Comentário Barnes

Então, quê? Se alguns foram infiéis – Isso deve ser considerado como outra objeção de um judeu. “O que então? Ou o que se segue? Se for admitido que alguns da nação não acreditaram, não se segue que a fidelidade de Deus em suas promessas falhará?” Os pontos da objeção são estes:

(1) O apóstolo sustentou que a nação era pecadora Romanos 2 ; isto é, que eles não obedeceram ou acreditaram em Deus.

(2) Isso, o objetor naquele momento admite ou supõe em relação a alguns deles. Mas,

(3) ele pergunta se isso não envolve uma consequência que não é admissível, que Deus é infiel.

O fato de que Deus os escolheu como seu povo, e fez um pacto com eles, não implicava que os judeus deveriam ser protegidos da perdição? Era evidente que eles acreditavam que todos os judeus seriam salvos, e essa crença baseava-se em sua aliança com seus pais. A doutrina do apóstolo Romanos 2 parece implicar que em certos aspectos eles estavam no mesmo nível das nações gentias; que se pecassem, seriam tratados como os pagãos; e, portanto, eles perguntaram de que valor era a promessa de Deus? Não tinha se tornado inútil e inútil?

a infidelidade deles anulará a fidelidade de Deus? – ou impedi-lo de cumprir suas promessas. O significado da objeção é que o fato suposto de que os judeus se tornariam infiéis e se perderiam implicaria que Deus falhou em cumprir suas promessas à nação; ou que ele havia feito promessas que o resultado mostrava que ele não era capaz de cumprir. [Barnes, aguardando revisão]

4 De maneira nenhuma! Antes seja Deus verdadeiro, e todo ser humano mentiroso, como está escrito:“Para que sejas justificado em tuas palavras, e prevaleças quando julgares”.

Comentário de David Brown

De maneira nenhuma! Uma expressão não desconhecida para o grego posterior, e na Septuaginta usada em Gênesis 44:17; Js 22:29, também uma expressão favorita do apóstolo Paulo, quando ele não só repudiaria uma suposta consequência de sua doutrina, mas expressaria sua aversão a ela.

Antes seja Deus verdadeiro, e todo ser humano mentiroso, como está escrito: (Sl 51:4).

“Para que sejas justificado em tuas palavras, e prevaleças quando julgares”. Ou sej, devemos reivindicar a justiça de Deus, a qualquer custo para nós mesmos. [JFU]

5 E, se a nossa injustiça evidencia a justiça de Deus, que diremos? Acaso Deus é injusto em impor a sua ira? (Falo na lógica humana).

Comentário Barnes

E, se a nossa injustiça – Se o nosso pecado. O pecado específico que foi especificado em Romanos 3:3 foi a “incredulidade”. Mas o apóstolo aqui dá à objeção uma forma geral. Isso deve ser considerado como uma objeção que um judeu pode fazer. A força disso é:

(1) Foi admitido que alguns não acreditaram; isto é, pecou.

(2) mas Deus foi fiel às suas promessas. Apesar de seu pecado, o caráter de Deus era o mesmo. Não,

(3) Bem no meio do pecado, e como um dos resultados dele, o caráter de Deus, como um Ser justo, brilhou de forma ilustre. A questão então era,

(4) Se sua glória resultou disso; se o efeito de tudo era mostrar que seu caráter era puro; como ele poderia punir aquele pecado do qual resultou sua própria glória? E esta é uma pergunta freqüentemente feita por pecadores.

evidencia – Recomendar; mostrar; tornar ilustre.

a justiça de Deus – Seu caráter justo e santo. Este foi o efeito na mente de Davi, que ele viu mais claramente a justiça de Deus em suas ameaças contra o pecado, em conseqüência de sua própria transgressão. E se esse efeito acontecesse, se a honra fosse dada a Deus, a questão era:como ele poderia punir consistentemente o que tendia a promover sua própria glória?

que diremos? O que se segue? ou, qual é a inferência? Este é um modo de falar como se o objetor hesitasse em expressar uma inferência que pareceria se seguir, mas que era horrível em seu caráter.

Acaso Deus é injusto – O significado disso seria melhor expresso assim:”Não é” Deus injusto ao punir? Não se segue que, se Deus é honrado pelo pecado, seria errado infligir punição? “

em impor a sua ira? – O significado disso é simplesmente, “quem inflige punição”. A ideia de vingança não está necessariamente no ὀργήν orgēn original. É comumente traduzido como “ira”, mas muitas vezes significa simplesmente “punição”, sem qualquer referência ao estado de espírito daquele que a inflige, Mateus 3:7 ; Lucas 3:7 ; Lucas 21:23 ; João 3:36 . Notas, Romanos 1:18 ; Romanos 4:15 .

Falo na lógica humana. Falo como parece ser o caso para a visão humana; ou como golpearia a mente humana. Isso não significa que a linguagem era a que as pessoas perversas estavam acostumadas a usar; mas que o objetor expressou um sentimento que, para a visão humana, parece resultar do que foi dito. Considero isso a linguagem de um objetor. Implica um certo grau de reverência pelo caráter de Deus e uma aparente relutância em formular uma objeção que parecia desonrosa a Deus, mas que, no entanto, pressionava tanto a mente a ponto de parecer irresistível. Nenhuma forma de expressar a objeção poderia ter sido mais engenhosa ou impressionante. [Barnes, aguardando revisão]

6 De maneira nenhuma! De outro modo, como Deus julgará o mundo?

Comentário de David Brown

De outro modo, como Deus julgará o mundo? Isto é, “Longe de nós ser um tal pensamento; pois isso anularia todo o julgamento futuro”. [JFU]

7 Mas se, através da minha mentira, a verdade de Deus foi mais abundante para a sua glória, por que ainda sou também julgado como pecador?

Comentário Barnes

Esta é uma objeção semelhante à anterior. Na verdade, é apenas uma outra forma do mesmo.

se, através da minha mentira – Por meio da minha mentira, ou como um dos resultados da minha falsidade. A palavra “mentira” aqui significa falsidade, engano, “infidelidade”. Se pela infidelidade do povo judeu ao pacto, fosse dada oportunidade a Deus para glorificar a si mesmo, como eles poderiam ser condenados por isso?

a verdade de Deus – Sua verdade ou fidelidade em aderir às suas ameaças. Deus ameaçou punir o culpado. Por sua culpa, ele aproveitará a ocasião para mostrar sua própria verdade; ou seu crime fornecerá ocasião para tal exibição.

foi mais abundante – Tem sido mais marcante, ou mais manifesto. Sua “verdade” será mostrada pelo cumprimento de todas as suas promessas ao seu povo e de todas as suas previsões. Mas também será demonstrado pelo cumprimento de suas ameaças ao culpado. Será, portanto, mais abundante em sua condenação; isto é, sua condenação fornecerá exemplos novos e notáveis ​​de sua verdade. Todo pecador perdido será, portanto, um monumento eterno da verdade de Deus.

para a sua glória – Para seu louvor, ou para mostrar seu caráter de forma a despertar o louvor e a admiração de sua inteligente criação.

por que ainda sou também julgado como pecador? Como pode aquele ato ser considerado mau, que tende a promover a glória de Deus? A falha no raciocínio do objetor é esta:ele assume que a tendência direta de sua conduta é promover a glória de Deus, ao passo que é exatamente o contrário; e é Deus revertendo essa tendência, ou superando-a, que ele obtém sua glória. A condenação do homicídio não é honrar a lei ou promover a segurança da sociedade, mas sim o contrário. Ainda assim, sua execução deve evitar a tendência direta de seu crime, honrar a lei e o juiz e promover a paz e a segurança da comunidade por meio da restrição de outros. [Barnes, aguardando revisão]

8 E por que não dizer:“Façamos o mal, para que venha o bem”, como alguns nos caluniam, afirmando que nós dizemos isto? (A condenação destes é justa).

Comentário Barnes

E por que não dizer – esta é a resposta do apóstolo. Ele responde à objeção mostrando sua tendência, se praticada, e se for considerada um princípio de conduta. O significado é:”Se a glória de Deus deve ser promovida pelo pecado, e se um homem não deve, portanto, ser condenado ou considerado culpado por isso; se este fato absolve o homem do crime”, por que não levar a cabo a doutrina, e torná-lo um princípio de conduta, e fazer todo o mal que pudermos, a fim de promover sua glória. “Esta foi a justa consequência da objeção. E ainda assim foi um resultado tão chocante e monstruoso que tudo o que foi necessário em a fim de responder à objeção era meramente declarar esta conseqüência. Os sentimentos morais de cada homem se revoltariam com a doutrina; todos saberiam que ela não poderia ser verdade; e cada homem, portanto, poderia ver que a objeção não era válida.

como alguns nos caluniam – Isto se refere, sem dúvida, aos apóstolos e aos cristãos em geral. É inquestionável que essa acusação foi freqüentemente feita contra eles.

Façamos o mal – isto é, visto que o pecado é para promover a glória de Deus, vamos cometer o máximo possível.

para que venha o bem – Para que Deus aproveite a ocasião para promover sua glória.

como alguns nos caluniam, afirmando que nós dizemos isto? – Judeus sem dúvida. Por que eles deveriam afirmar isso, não se sabe. Sem dúvida, no entanto, alguma perversão das doutrinas que os apóstolos pregavam. As doutrinas que foram assim deturpadas e abusadas foram provavelmente estas:os apóstolos ensinaram que os pecados das pessoas eram a ocasião para promover a glória de Deus no plano de salvação. Que “onde abundou o pecado, superabundou a graça”; Rom 5:20. Que Deus, na salvação das pessoas, seria glorificado na proporção da profundidade e poluição da culpa que foi perdoada. Isso era verdade; mas como foi fácil representar isso erroneamente como um ensino de que as pessoas deveriam pecar para promover a glória de Deus! e em vez de declarar isso como uma inferência que eles tiraram da doutrina, declará-lo como o que os apóstolos realmente ensinaram. Este é o modo comum pelo qual as acusações são feitas contra outras pessoas. As pessoas fazem uma inferência para si mesmas, ou supõem que a doutrina leva a tal inferência, e então acusam os outros como o que realmente sustentam e ensinam. Há uma máxima que nunca deve ser abandonada:“Que o homem não deve ser considerado responsável pelas inferências que podemos tirar de sua doutrina; e que ele nunca deve ser representado como sustentando e ensinando o que supomos resultar de sua doutrina ”. Ele é responsável apenas pelo que confessa.

A condenação destes é justa – Cuja “condenação”; veja a nota em Romanos 14:23. Isso não se refere necessariamente à punição futura, mas significa que a conduta daqueles que assim caluniosamente perverteram as doutrinas da religião cristã, e acusaram os apóstolos de ensinarem essa doutrina, era merecedora de condenação ou punição. Assim, ele rejeita expressamente, em linguagem forte, a doutrina imputada aos cristãos. Assim, ele silencia a objeção. E assim ele ensina, como uma grande lei fundamental, “que não se faça o mal para que venha o bem”. Esta é uma regra universal. E isso em nenhum caso deve ser afastado. Tudo o que é mau não deve ser feito sob nenhum pretexto. Qualquer bem imaginável que possamos pensar resultará disso; qualquer vantagem para nós ou para nossa causa; ou qualquer glória que possamos pensar pode resultar para Deus, não sancionará ou justificará o ato. Rigoroso, integridade e honestidade intransigentes devem ser a máxima de nossas vidas; e em tal vida apenas podemos esperar o sucesso, ou a bênção de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

Todos os homens estão debaixo do pecado

9 Então, quê? Somos nós melhores? Não, de maneira nenhuma. Pois já delatamos que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado,

Comentário Barnes

Então, quê? – Esta é outra observação supostamente feita por um objetor judeu. “O que se segue? Ou devemos inferir que somos melhores do que os outros?

Somos nós melhores? Somos judeus melhores do que os gentios? Ou melhor, temos alguma preferência, ou vantagem quanto ao caráter e perspectivas, sobre os gentios? Essas perguntas referem-se apenas ao grande ponto do debate, a saber, sobre a justificação diante de Deus. O apóstolo admitiu Romanos 3:2 que os judeus tinham vantagens importantes em alguns aspectos, mas agora afirma que essas vantagens não faziam diferença entre eles e os gentios quanto à justificação.

Não, de maneira nenhuma. De forma alguma. Ou seja, os judeus não têm preferência ou vantagem sobre os gentios no que diz respeito ao assunto da justificação diante de Deus. Eles falharam em guardar a Lei; eles são pecadores; e se eles são justificados, deve ser da mesma maneira que o resto do mundo.

Pois já delatamos que todos… – Romanos 1:21-32 ; 2

estão debaixo do pecado – pecadores. Sob o poder e domínio do pecado. [Barnes, aguardando revisão]

10 como está escrito:Não há justo, nem um sequer.

Comentário de David Brown

como está escrito… – (Sl 14:1-353:1-3). As passagens que aqui se seguem – dos Salmos, Provérbios e Isaías – foram de fato sugeridas por manifestações particulares de depravação humana ocorrendo sob seus próprios olhos; mas como isso só mostrou o que o homem, quando desenfreado, está em sua condição presente, elas eram bastante pertinentes ao propósito do apóstolo. As passagens são apresentadas em substância e não à risca. [JFU]

11 Ninguém há que entenda, ninguém há que busque a Deus.

Comentário Whedon

Entenda – O Antigo Testamento fala de sabedoria, loucura e compreensão não tanto do ponto de vista intelectual quanto do ponto de vista moral. Ser ímpio é ser insensato; ser justo era ser entendido. Assim verdadeiramente o livro santo é a expressão do sentido moral. [Whedon]

12 Todos se desviaram, e juntamente se tornaram inúteis. 'Não há quem faça o bem, não há um sequer'.

Comentário de David Brown

(Sl 14:1-353:1-3) Dos genéricos o apóstolo agora vem a detalhes, colhendo de diferentes partes das passagens das Escrituras que falam de depravação como ela afeta os diferentes membros do corpo; como se para mostrar mais afetivamente como, “desde a planta do pé até a cabeça, não há solidez” em nós. [JFU]

13 “Suas gargantas são sepulcro aberto; com suas línguas enganam'; 'veneno de serpentes está sob seus lábios'.

Comentário de David Brown

Suas…etc – De generais, o apóstolo aqui vem para particulares, selecionando de diferentes partes das passagens das Escrituras que falam de depravação, uma vez que afeta os diferentes membros do corpo; como se mostrasse mais afetivamente como “da sola do pé até a cabeça não há solidez” em nós.

gargantas são sepulcro aberto – (Sl 5:9); isto é, “O que sai do coração deles e encontra abertura na fala e ação pela garganta, é como o sopro pestilento de uma sepultura aberta”.

com suas línguas enganam – (Sl 5:9); isto é, “Aquela língua que é a glória do homem (Sl 16:9; 57:8) é prostituída para os propósitos de engano.”

veneno de serpentes está sob seus lábios – (Sl 140:3):isto é, “aqueles lábios que deveriam cair como favo de mel”, e “alimentar muitos”, e dar graças a seu nome ”(Ct 4:11; Pv 10:21; Hb 13:15), são empregados para secretar e lançar veneno mortal. ” [JFB, aguardando revisão]

14 “Suas bocas estão cheias de maldição e amargura'.

Comentário Barnes

Suas bocas – Salmo 10:7 . O apóstolo não citou isso literalmente, mas deu o sentido. Davi no salmo está descrevendo seus amargos inimigos.

maldição – linguagem reprovadora e injuriosa, como o Simei usado em relação a Davi; 2 Samuel 16:5 , 2 Samuel 16:7-8 .

amargura – No salmo, enganos. A palavra “amargura” é usada para denotar severidade, aspereza, crueldade; palavras de reprovação e maliciosas. [Barnes, aguardando revisão]

15 “'Seus pés são velozes para derramar sangue'.

Comentário de David Brown

(Pv 1:16; Is 59:7):’Aqueles pés que deveriam “seguir o caminho dos mandamentos de Deus” (Sl 119:32) são usados para conduzir os homens a atos de crime mais terríveis”. [JFU]

16 Destruição e miséria há em seus caminhos,

Comentário Barnes

Destruição. Ou seja, eles “causam” a destruição ou a ruína da reputação, felicidade e paz dos outros.

miséria. Calamidade, ruína.

em seus caminhos. Onde quer que eles vão. Esta é uma descrição marcante não só dos ímpios, mas de todos os tempos. A tendência de sua conduta é destruir a virtude, felicidade e paz de todos com quem eles têm contato. [Barnes]

17 e não conheceram o caminho da paz'.

Comentário Barnes

O que tende a promover a sua própria felicidade, ou a dos outros, eles não consideram. Preocupados com os seus planos malignos, não sabem nem consideram o que é adequado para promover o bem-estar de si mesmos ou dos outros. Este é o caso de todos os que são egoístas, e que procuram alcançar seus propósitos de transgressão e ambição. [Barnes]

18 'Diante dos seus olhos não há temor a Deus'.

Comentário de David Brown

(Salmo 36:1):isto é:“Os olhos, porém, ‘viram aquele que é invisível’ (Hb 11:27), um respeito reverente por Aquele com quem temos que fazer? puniria toda a alegria e tiraria a alma de suas depressões mais profundas; mas a tudo isso o homem natural é um estranho ”. Como gráfico é esta imagem da depravação humana, encontrando o seu caminho através de cada vários órgãos do corpo para a vida (Rm 3:13-17):mas como uma pequena parte do “Maldade desesperada” que está dentro (Jr 17:9) “procede do coração do homem!” (Mc 7:21-23; Sl 19:12). [JFB, aguardando revisão]

19 Ora, sabemos que tudo o que a Lei diz, diz aos que estão na Lei, para que toda boca se cale, e todo o mundo seja condenável perante Deus.

Comentário Barnes

Ora, sabemos – todos nós admitimos. É um ponto claro reconhecido.

que tudo o que a Lei diz – sejam dadas como preceitos ou registradas como fatos históricos. Todas as coisas são encontradas na lei. “A lei diz.” Isso significa aqui evidentemente o Antigo Testamento. Disto o apóstolo vinha tirando seus argumentos, e sua linha de pensamento exige que aqui entendamos todo o Antigo Testamento. O mesmo princípio se aplica, entretanto, a todas as leis, que fala apenas àqueles a quem é expressamente dado.

diz aos que estão na Lei – Fala-lhes para quem foi expressamente destinado; para aqueles para quem a lei foi feita. O apóstolo faz essa observação para evitar que o judeu evite a força de sua conclusão. Ele havia trazido provas de suas próprias leis reconhecidas, de escritos dados expressamente para eles, e que registravam sua própria história, e que eles admitiam ser divinamente inspirados. Essas provas, portanto, eles não podiam escapar.

para que toda boca se cale – Esta é talvez, uma expressão proverbial, Jó 5:15 ; Salmo 107:42 . Isso denota que eles seriam totalmente convencidos; que o argumento seria tão conclusivo que eles não teriam nada a responder; que todas as objeções seriam silenciadas. Aqui denota que o argumento para a depravação dos judeus do Antigo Testamento era tão claro e satisfatório, que nada poderia ser alegado em resposta. Isso pode ser considerado como a conclusão de todo o seu argumento, e as expressões podem referir-se não apenas aos judeus, mas a todo o mundo. Seu significado pode, talvez, ser expresso assim:”Os gentios são provados culpados por seus próprios atos e pela violação das leis da natureza. Eles pecam contra sua própria consciência; e, portanto, foram mostrados para serem culpados diante de DeusRomanos 1 . Os judeus também foram considerados culpados; todas as suas objeções foram silenciadas por uma seqüência independente de comentários; por recursos à sua própria Lei; por argumentos retirados da autoridade que eles admitem. Assim, as bocas de ambos ficam tapadas. Assim, o mundo inteiro se torna culpado diante de Deus. “Considero, portanto, a palavra” que “aqui ἵνα hina como se referindo, não particularmente ao argumento da Lei dos judeus, mas a toda a linha de argumentos anterior, abrangendo ambos Judeus e gentios Sua conclusão é, portanto, geral ou universal, extraída de argumentos adaptados às duas grandes divisões da humanidade.

e todo o mundo – Judeus e Gentios, pois assim mostra a tensão do argumento. Ou seja, tudo por natureza; todos os que estão fora de Cristo; todos os que não estão perdoados. Todos são culpados onde não existe algum esquema contemplando o perdão e que não é aplicado para purificá-los. O apóstolo em todo este argumento fala do que o homem é, e sempre será, sem algum plano de justificação apontado por Deus.

seja – pode “ser”. Eles não são culpados pela lei; mas o argumento da Lei, e do fato, prova que eles são culpados.

condenável perante Deus – ὑπόδικος τῷ Θεῷ hupodikos tō Theō. Margem, “sujeito ao julgamento de Deus”. A frase foi tirada de tribunais de justiça. É aplicado a um homem que não se justificou ou se defendeu; contra quem, portanto, a acusação ou a acusação é considerada verdadeira; e quem está, em conseqüência, sujeito a punição. A ideia é a de sujeição ao castigo; mas sempre porque o homem pessoalmente o merece e porque, não podendo se justificar, deve ser punido. Nunca é usado para denotar simplesmente uma obrigação de punição, mas com referência ao fato de que a punição é pessoalmente merecida. “Esta palavra, traduzida como” culpado “, não é usada em nenhum outro lugar no Novo Testamento, nem é encontrada na Septuaginta . O argumento do apóstolo aqui mostra,

(1) Que, para a culpa, deve haver uma lei, seja da natureza ou por revelação Rom. 1; 2; 3; e,

(2) Para que haja culpa, deve haver uma violação dessa lei que pode ser acusada deles como indivíduos e pela qual devem ser pessoalmente responsabilizados. [Barnes, aguardando revisão]

20 Assim, ninguém será justificado diante dele pelas obras da Lei, porque o que vem pela Lei é o conhecimento do pecado.

Comentário Barnes

ninguém – Nenhum homem; nenhum ser humano, nem entre os judeus nem entre os gentios. É uma expressão forte, denotando a universalidade absoluta de sua conclusão; veja a nota em Romanos 1:3 .

será justificado – seja considerado e tratado como justo. Ninguém será considerado como tendo guardado a Lei e com direito às recompensas da obediência; veja a nota em Romanos 1:17 .

diante dele. Deus se senta como um Juiz para determinar o caráter das pessoas, e ele não deve julgar ninguém por ter guardado a lei.

pelas obras da lei – Pelas obras; ou por atos como a lei exige. A palavra “Lei” tem, nas Escrituras, uma grande variedade de significados. Seu significado estrito e adequado é uma regra de conduta prescrita por autoridade superior. O curso de raciocínio nestes capítulos mostra o sentido em que o apóstolo o usa aqui. Ele pretende evidentemente aplicá-lo às regras ou leis pelas quais os judeus e gentios pretendiam enquadrar suas vidas; e para afirmar que as pessoas poderiam ser justificadas pela não conformidade com essas leis. Ele havia mostrado a Romanos 1 que “o pagão, todo o mundo gentio”, havia violado as leis da natureza; as regras da virtude tornadas conhecidas a eles pela razão, tradição e consciência. Ele havia mostrado os mesmos Romanos 2-3em relação aos judeus. Eles também falharam em prestar obediência à sua lei. Em ambos os casos, a referência não era às leis “cerimoniais” ou rituais, mas à lei moral; se essa lei foi dada a conhecer pela razão ou por revelação. O apóstolo não estava discutindo a questão de saber se eles haviam obedecido à lei cerimonial, mas se haviam sido achados santos, isto é, se haviam obedecido à lei moral. A conclusão foi que em tudo isso eles falharam e, portanto, não poderiam ser justificados por aquela lei. Que o apóstolo não pretendia falar apenas de obras externas é aparente; pois o tempo todo ele os acusa de falta de conformidade do coração, não menos do que de falta de conformidade da vida; veja Romanos 1:26 , Romanos 1:29-31 ;Romanos 2:28-29 . A conclusão é, portanto, geral, que por nenhuma lei, tornada conhecida seja pela razão, consciência, tradição ou revelação, poderia o homem ser justificado; que não havia forma de obediência que pudesse ser prestada, que justificasse as pessoas aos olhos de um Deus santo.

porque o que vem pela Lei – isto é, por toda a lei. A conexão mostra que esse é o sentido. A lei é uma regra de ação. O efeito de aplicar uma regra à nossa conduta é nos mostrar o que é o pecado. O significado do apóstolo é claramente, que a aplicação de uma lei para testar nossa conduta, em vez de ser uma base de justificação, será meramente para nos mostrar nossa própria pecaminosidade e desvios do dever. Um homem pode considerar-se muito certo e correto, até que se compare a uma regra ou lei; assim, quer os gentios comparassem sua conduta com suas leis da razão e consciência, ou o judeu a sua com sua lei escrita, o efeito seria mostrar-lhes quão longe eles haviam partido. Quanto mais rigorosa e fielmente deveria ser aplicado, mais eles o veriam. Longe de serem justificados por ela, eles seriam cada vez mais condenados; comparar Romanos 7:7-10 . O mesmo é o caso agora. Esta é a maneira pela qual um pecador é convertido; e quanto mais de perto e fielmente a Lei for pregada, mais ela o condenará e mostrará que ele precisa de algum outro plano de salvação. [Barnes, aguardando revisão]

🔗 Alguns afirmam que há contradição entre Paulo e Tiago; qual a relação entre a fé e as obras? Ouça a resposta do Rev. Hernandes Dias Lopes. (5 minutos)

21 Mas agora, independentemente da Lei, a justiça de Deus se manifestou, tendo testemunho da Lei e dos Profetas;

Comentário de David Brown

Mas agora – Podemos ver isto como uma partícula de transição para uma nova etapa do argumento (como Fritzsche, Meyer, DeWette e Alford o tomam) ou como uma partícula de tempo, para marcar o contraste brilhante entre a fraca percepção desta verdade sob a Lei e a manifestação plena dela “agora” sob o Evangelho (como Grotius, Bengel, Tholuck, Philippi e Hodge a entendem). Mas as duas idéias, embora bem diferentes, são tão naturais, que qualquer uma delas surgisse primeiro certamente sugeriria a outra.

independentemente da Lei, a justiça de Deus (veja a nota em Rm 1:17) – aquela justiça para a qual a nossa obediência à lei não contribui em nada (Rm 3:28; Gl 2:16),

da Lei e dos Profetas – as Escrituras do Antigo Testamento. Assim, essa justificação justificadora, embora nova, como só agora plenamente revelada, é uma antiga justiça, predita e prefigurada no Antigo Testamento. [JFU]

22 isto é, a justiça de Deus por meio da fé em Jesus Cristo, para todos os que creem; pois não há diferença;

Comentário Barnes

isto é, a justiça de Deus – O apóstolo, tendo declarado que o propósito do evangelho era revelar um novo plano de se tornar justo aos olhos de Deus, prossegue aqui para explicá-lo de forma mais completa. A explicação que ele oferece deixa claro que a frase tão freqüentemente usada por ele, “justiça de Deus”, não se refere a um atributo de Deus, mas ao seu plano de tornar as pessoas justas. Aqui ele diz que é pela fé em Jesus Cristo; mas certamente um atributo de Deus não é produzido pela fé em Jesus Cristo. Significa o modo como Deus considera as pessoas justas por meio de sua fé em Jesus Cristo.

(Que a “justiça de Deus” não pode ser explicada pelo atributo da justiça, é bastante óbvio. Não se pode dizer da justiça divina que é “para e sobre todos os que crêem.” Mas não somos reduzidos à alternativa de explicar a frase, seja da justiça de Deus, ou do plano de Deus de justificar as pessoas. Por que não podemos entendê-la daquela justiça que Yahweh planejou, Jesus executou e o Espírito se aplica; e que, portanto, é justamente denominada a justiça de Deus? consiste naquela conformidade com a lei que Jesus manifestou em sua morte expiatória e obediência meritória. Sua morte, em razão de sua natureza divina, foi de valor infinito. E quando ele voluntariamente se submeteu a dar uma vida que foi perdida por nenhuma transgressão de sua própria, a Lei, em sua parte penal, foi mais ampliado do que se cada descendente de Adão tivesse afundado sob o peso de sua vingança.

Nem foi a parte preceptiva da Lei menos honrada, na obediência imaculada de Cristo. Ele se absteve de todos os pecados, cumpriu todos os deveres e exemplificou todas as virtudes. Nem Deus nem o homem podiam acusá-lo de falha no dever. A Deus ele deu sua piedade, ao homem seu amor brilhante, aos amigos seu coração, aos inimigos sua piedade e seu perdão. E pela obediência do Criador em forma humana, o preceito da Lei foi mais honrado do que se os anjos mais elevados tivessem descido para reverenciá-lo, na presença das pessoas. Aqui, então, está uma justiça digna desse nome, divina, imaculada, ampla, duradoura – além do poder da linguagem para caracterizar. É essa justiça eterna que Daniel predisse que o Messias traria. A justiça de Adão falhou e passou. O de anjos outrora felizes também pereceu, mas isso perdurará. “Romanos 1:17 , para o verdadeiro significado da expressão “justiça de Deus.”)

por meio da fé em Jesus Cristo – isto é, pela fé em Jesus Cristo. Assim, a expressão, Marcos 11:22 , “Tenha a fé de Deus” (margem), significa, tenha fé em Deus. Assim, Atos 3:16 , a “fé em seu nome” “(grego)”, significa fé em seu nome. Portanto, Gálatas 2:20 , a “fé no Filho de Deus” significa fé no Filho de Deus. Isso não pode significar que a fé é a causa meritória da salvação, mas que é o instrumento ou meio pelo qual nos tornamos justificados. É o estado de espírito, ou condição do coração, para o qual Deus se agradou em prometer a justificação. (Sobre a natureza da fé, veja a nota em Marcos 16:16.) Deus prometeu que aqueles que crêem em Cristo serão perdoados e salvos. Este é o seu plano em distinção do plano daqueles que procuram ser justificados pelas obras.

para todos os que creem – É evidente que essas expressões são destinadas a ser enfáticas, mas por que ambas são usadas não é muito aparente. Muitos supuseram que não havia nenhuma diferença essencial no significado. Se houver uma diferença, é provavelmente esta:a primeira expressão, “a todos” εἰς πᾶς eis pas, pode denotar que este plano de justificação veio “(Lutero)” a todos os homens, aos judeus e gentios; isto é, que foi provido para eles e oferecido a eles sem distinção. O plano era amplo para todos, adequado a todos, igualmente necessário para todos e oferecido a todos. A segunda frase, “sobre todos” ἐπὶ πᾶντας epi pantas, pode ser projetada para prevenir contra a suposição de que todos, portanto, seriam beneficiados por ela, ou seriam salvos pelo mero fato de que o anúncio veio a todos. O apóstolo acrescenta, portanto, que os benefícios deste plano devem realmente vir sobre todos, ou devem ser aplicados a todos, se eles forem justificados. Eles não podiam ser justificados meramente pelo fato de que o plano foi fornecido, e de que o conhecimento dele havia chegado a todos, mas por terem realmente aderido a esse plano e se aproveitado dele. Talvez haja referência na última expressão, “sobre todos”, a uma túnica ou vestimenta que é colocada sobre a pessoa para esconder sua nudez, ou pecado; comparar Talvez haja referência na última expressão, “sobre todos”, a uma túnica ou vestimenta que é colocada sobre a pessoa para esconder sua nudez, ou pecado; comparar Talvez haja referência na última expressão, “sobre todos”, a uma túnica ou vestimenta que é colocada sobre a pessoa para esconder sua nudez, ou pecado; comparar Isaías 64:6 , também Filipenses 3:9 .

pois não há diferença – isto é, não há diferença em relação ao assunto em discussão. O apóstolo não quer dizer que não haja diferença com respeito aos talentos, disposições, educação e propriedades das pessoas; mas não há distinção quanto ao modo como devem ser justificados. Todos devem ser salvos, se realmente salvos, da mesma maneira, sejam judeus ou gentios, escravos ou livres, ricos ou pobres, eruditos ou ignorantes. Nenhum pode ser salvo por obras; e todos são, portanto, dependentes da misericórdia de Deus em Jesus Cristo. [Barnes, aguardando revisão]

23 porque todos pecaram, e carecem da glória de Deus;

Comentário de David Brown

porque todos pecaram (compare com Rm 3:9,19; 1:28-32; 2:1-16; 11:32; Ec 7:20; Gl 3:22; 1Jo 1:8-10). O original grego indica (sendo um aoristo) que aquilo que é afirmado — “todos pecaram” — é um fato já consumado e afeta toda a raça humana.

e carecem da glória de Deus (compare com Rm 5:2; 1Ts 2:12; 2Ts 2:14; 1Pe 4:13; 5:1,10). Duas interpretações tem sido propostas:“e não alcançaram o padrão da glória de Deus” (NVT), e,“estão afastados da presença gloriosa de Deus” (NTLH). Embora os homens sejam muito diferentes na natureza e extensão dos seus pecados, não há absolutamente nenhuma diferença entre o melhor e o pior dos homens, visto que “todos pecaram”, e assim estão debaixo da ira de Deus. [JFU, 1871]

24 e são justificados gratuitamente pela sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus.

Comentário Barnes

são justificados – ser tratado como se fosse justo; isto é, sendo considerados e tratados como se tivessem guardado a lei. O apóstolo mostrou que eles não podiam ser considerados e tratados por nenhum mérito próprio, ou por obediência pessoal à lei. Ele agora afirma que se eles foram tratados assim, deve ser por mero favor, e por uma questão não de direito, mas de dádiva. Essa é a essência do evangelho. E mostrar isso, e a maneira como isso é feito, é o objetivo principal desta epístola. A expressão aqui deve ser entendida como referindo-se a todos os que são justificados; Romanos 3:22 . A justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo é “sobre todos os que crêem”, que são todos “justificados gratuitamente por sua graça”.

gratuitamente – δωρεὰν dōrean. Essa palavra se opõe ao que é comprado, ou obtido com trabalho, ou que é uma questão de reivindicação. É um dom gratuito e imerecido, não merecido por nossa obediência à Lei, e não aquele que temos qualquer direito. O apóstolo usa a palavra aqui em referência àqueles que são justificados. Para eles é um mero presente imerecido. Não significa que tenha sido obtido, porém, sem qualquer preço ou mérito de ninguém, pois o Senhor Jesus o comprou com seu próprio sangue, e para ele se torna uma questão de justiça que aqueles que foram dados a ele deveriam ser justificados, 1 Coríntios 6:20 ; 1 Coríntios 7:23 ; 2 Pedro 2:1 ; 1 Pedro 2:9 . (Grego). Atos 20:28 ; Isaías 53:11. Não temos nenhuma oferta a trazer e nenhuma reclamação. Para nós, portanto, é inteiramente uma questão de presente.

pela sua graça – Por seu favor; por sua mera misericórdia imerecida; veja a nota em Romanos 1:7 .

por meio da redenção – διὰ τῆς ἀπολυτρώσεως dia tēs apolutrōseōs. A palavra usada aqui ocorre apenas 10 vezes no Novo Testamento, Lucas 21:28 ; Romanos 3:24 ; Romanos 8:23 ; 1 Coríntios 1:30 ; Efésios 1:7 , Efésios 1:14 ; Efésios 4:30 ; Colossenses 1:14 ; Hebreus 9:15 ; Hebreus 11:35. Sua raiz (λύτρον lutron) denota propriamente o preço pago por um prisioneiro de guerra; o resgate, ou dinheiro de compra estipulado, que sendo pago, o cativo é libertado. A palavra usada aqui é então empregada para denotar a libertação da escravidão, cativeiro ou mal de qualquer tipo, geralmente mantendo a idéia de um preço, ou resgate pago, em conseqüência do qual a entrega é efetuada. Às vezes é usado em um sentido amplo, para denotar simples libertação por qualquer meio, sem referência a um preço pago, como em Lucas 21:28 ; Romanos 8:23 ; Efésios 1:14. Que este não é o sentido aqui, no entanto, é aparente. Pois o apóstolo no próximo versículo passa a especificar o preço que foi pago, ou os meios pelos quais essa redenção foi efetuada. A palavra aqui denota aquela libertação do pecado, e das más conseqüências do pecado, que foi efetuada pela oferta de Jesus Cristo como uma propiciação; Romanos 3:25 .

que há em Cristo Jesus – Ou, isso foi efetuado por Cristo Jesus; aquele do qual ele é o autor e procurador; compare João 3:16 . [Barnes, aguardando revisão]

25 Deus propôs Jesus por sacrifício de reconciliação, pela fé em seu sangue, para demonstrar a sua justiça. Ele deixou de considerar os pecados antes cometidos, sob a paciência de Deus,

Comentário Barnes

Deus propôs – Margem, “Pré-ordenado” (προέθετο proetheto). A palavra significa propriamente “colocar à vista do público”; para exibir em uma situação conspícua, como mercadorias são exibidas ou expostas para venda, ou como prêmios ou recompensas de vitória foram exibidos à vista do público nos jogos dos gregos. Às vezes tem o significado de decretar, propor ou constituir, como na margem (compare Romanos 1:13 ; Efésios 1:9); e muitos supõem que este é o seu significado aqui. Mas a conexão parece requerer o significado usual da palavra; e significa que Deus exibiu publicamente Jesus Cristo como um sacrifício propiciatório pelos pecados das pessoas. Esta exposição pública foi feita por ele ser oferecido na cruz, ao rosto de anjos e de pessoas. Não estava oculto; foi feito abertamente. Ele foi exposto à vergonha; e assim condenados à morte a fim de atrair para a cena os olhos dos anjos e dos habitantes de todos os mundos.

por sacrifício de reconciliação – ἱλαστήριον hilastērion. Esta palavra ocorre, mas em outro lugar no Novo Testamento. Hebreus 9:5 , “e sobre ela (a arca) os querubins de glória sombreando o propiciatório. É usado aqui para denotar a tampa ou cobertura da arca do pacto. Era feita de ouro, e sobre ela havia os querubins. Neste sentido, é freqüentemente usado pela Septuaginta Êxodo 25:17 :”E farás um propiciatório ἱλαστήριον hilastērion de ouro”, Êxodo 18-20,22 ; Êxodo 30:6 ; Êxodo 31:7 ; Êxodo 35 :11 ; Êxodo 37:6-9 ; Êxodo 40:18 ; Levítico 16:2 , Levítico 16:13. O nome hebraico para isso era כפּרת kaphoreth, do verbo כּפר kaaphar, “cobrir” ou “ocultar”. Foi desse lugar que Deus foi representado falando aos filhos de Israel. Êxodo 25:22 , “e falarei contigo de cima do Hilasterion, o propiciatório, o propiciatório. Levítico 16:2 ,“ Porque aparecerei na nuvem sobre o propiciatório. ”Este assento, ou cobertura , foi coberto com a fumaça do incenso, quando o sumo sacerdote entrou no lugar santíssimo, Levítico 16:13 .

E o sangue do novilho oferecido no grande dia da expiação, devia ser aspergido “sobre o propiciatório” e “diante do propiciatório”, “sete vezes”, Levítico 16:14-15 . Esta aspersão ou oferta de sangue era chamada de fazer “expiação pelo lugar santo, por causa da impureza dos filhos de Israel”, etc. Levítico 16:16. Foi desse propiciatório que Deus pronunciou o perdão, ou se expressou reconciliado com seu povo. A expiação foi feita, o sangue foi aspergido e a reconciliação assim efetuada. O nome foi então dado àquela tampa da arca, porque foi o lugar de onde Deus se declarou reconciliado com seu povo. Ainda assim, a pergunta é:por que esse nome foi dado a Jesus Cristo? Em que sentido ele é declarado uma propiciação? É evidente que não pode ser aplicado a ele em nenhum sentido literal. Entre a capa dourada da arca da aliança e o Senhor Jesus, a analogia deve ser muito leve, se alguma analogia pode ser percebida. Podemos observar, no entanto,

(1) Que a idéia principal, com respeito à cobertura da arca chamada propiciatório, era que Deus se reconciliasse com seu povo; e que esta é a idéia principal com respeito ao Senhor Jesus a quem “Deus apresentou”.

(2) esta reconciliação foi efetuada então pela aspersão de sangue no propiciatório, Levítico 16:15-16 . O mesmo é verdade para o Senhor Jesus – pelo sangue.

(3) no primeiro caso, foi pelo sangue da expiação; a oferta do novilho no grande dia da expiação, que a reconciliação foi efetuada, Levítico 16:17-18 . No caso do Senhor Jesus também foi por sangue; pelo sangue da expiação. Mas foi por seu próprio sangue. Isso o apóstolo afirma claramente neste versículo.

(4) no primeiro caso, houve um sacrifício ou oferta expiatória; e assim é na reconciliação pelo Senhor Jesus. No primeiro caso, o propiciatório era o lugar visível e declarado onde Deus expressaria sua reconciliação com seu povo. Portanto, neste último, a oferta do Senhor Jesus é o caminho manifesto e aberto pelo qual Deus se reconciliará com as pessoas.

(5) no primeiro, foi associada a ideia de um sacrifício pelo pecado, Levítico 16 . Então, no último. E, portanto, a idéia principal do apóstolo aqui é transmitir a idéia de um sacrifício pelo pecado; ou apresentar o Senhor Jesus como tal sacrifício. Portanto, a palavra “propiciação” no original pode expressar a ideia de um sacrifício propiciatório, bem como a cobertura da arca. A palavra é um adjetivo e pode ser associada ao substantivo sacrifício, bem como para denotar o propiciatório da arca. Este significado também está de acordo com seu significado clássico para denotar uma oferta propiciatória, ou uma oferta para produzir reconciliação. Cristo é assim representado, não como um propiciatório, o que seria ininteligível; mas como o meio, a oferta, a expiação, pela qual a reconciliação é produzida entre Deus e o homem.

pela fé – Ou por meio da fé. A oferta não terá valor sem fé. A oferta foi feita; mas não será aplicado, exceto onde houver fé. Ele fez uma oferta que pode ser eficaz para eliminar o pecado; mas não produz reconciliação, nem perdão, exceto onde é aceito pela fé.

em seu sangue – Ou em sua morte – em sua morte sangrenta. Entre os judeus, o sangue era considerado a sede da vida, ou vitalidade. Levítico 17:11 , “a vida da carne está no sangue”. Portanto, eles foram ordenados a não comer sangue. Gênesis 9:4 , “mas a carne com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis”. Levítico 19:26 ; Deuteronômio 12:23 ; 1 Samuel 14:34. Esta doutrina está contida uniformemente nas Sagradas Escrituras. E tem sido também a opinião de não poucos fisiologistas célebres, tanto nos tempos modernos como nos antigos. O mesmo era a opinião dos antigos parses e hindus. Homero, portanto, freqüentemente fala do sangue como a sede da vida, como na expressão πορφυρεος θανατος porphureos thanatos, ou “morte roxa”. E Virgil fala de “vida roxa”, Purpuream vomit ille animam. AEniad, ix. 349. Empédocles e Crítias, entre os filósofos gregos, também abraçaram essa opinião. Entre os modernos, Harvey, a quem devemos o conhecimento da circulação do sangue, acreditava plenamente nisso. Hoffman e Huxham acreditaram que o Dr. John Hunter adotou totalmente a crença e sustentou-a, como ele supôs, por uma grande variedade de considerações. Ver Good’s Book of Nature, pp. 102, 108, edição de Nova York, 1828. Esta era, sem dúvida, a doutrina dos hebreus; e, portanto, para eles derramar o sangue era uma frase que significava matar; portanto, a eficácia de seus sacrifícios deveria consistir no sangue, isto é, na vida da vítima. Conseqüentemente, era ilegal comê-lo, por assim dizer, a vida, a sede da vitalidade; o dom mais imediato e direto de Deus. Quando, portanto, o sangue de Cristo é falado no Novo Testamento, significa oferecer sua vida em sacrifício ou sua morte em expiação. Sua vida foi dada para fazer expiação. Veja a palavra “sangue” assim usada emRomanos 5:9 ; Efésios 1:7 ; Colossenses 1:14 ; Hebreus 9:12 , Hebreus 9:14 ; Hebreus 13:12 ; Apocalipse 1:5 ; 1 Pedro 1:19 ; 1 João 1:7 . Pela fé em sua morte como um sacrifício pelo pecado; por acreditar que ele levou nossos pecados; que ele morreu em nosso lugar; assim, em certo sentido, fazendo sua oferta nossa; ao aprová-lo, amá-lo, abraçá-lo, confiar nele, nossos pecados são perdoados e nossas almas purificadas.

para demonstrar – εἰς ἔνδειξις eis endeixis. Para “o propósito” de mostrar ou expor; para apresentá-lo ao homem. O significado é que o plano foi adotado; o Salvador foi dado; ele sofreu e morreu: e o esquema é proposto às pessoas, com o propósito de fazer uma manifestação plena de seu plano, em contraste com todos os planos das pessoas.

a sua justiça – Seu plano de justificação. O método ou esquema que ele adotou, em distinção daquele do homem; e que ele agora exibe ou oferece aos pecadores. Há uma grande variedade na explicação da palavra aqui traduzida como “justiça”. Alguns o explicam como significando veracidade; outros como santidade; outros como bondade; outros como justiça essencial. A maioria dos intérpretes, talvez, tenha explicado isso como se referindo a um atributo de Deus. Mas toda a conexão requer que entendamos isso aqui como em Romanos 1:17, não de um atributo de Deus, mas de seu “plano” de justificar os pecadores. Ele adotou e propôs um plano pelo qual as pessoas podem se tornar justas pela fé em Jesus Cristo, e não por suas próprias obras. Seu absolvendo as pessoas do pecado; ele considerá-los e tratá-los como justos é apresentado no evangelho pela oferta de Jesus Cristo como um sacrifício na cruz. (Para o verdadeiro significado desta frase, veja a nota em Romanos 1:17 ; Romanos 3:22 .)

Ele deixou de considerar os pecados – Margem, “Passagem”. A palavra usada aqui πάρεσιν paresin ocorre em nenhum outro lugar do Novo Testamento, nem na Septuaginta. Significa “passar”, como não perceber e, portanto, perdoar. Uma ideia semelhante ocorre em 2 Samuel 24:10 e Miquéias 7:18 . “Quem é um Deus semelhante a ti, que passa pela transgressão do restante de sua herança?” Em Romanos, significa “perdão” ou para perdoar transgressões passadas.

antes cometidos – isso foi cometido; ou que existiram antes. Isso tem sido comumente entendido como se referindo às gerações passadas, afirmando que os pecados em todas as dispensações do mundo devem ser perdoados dessa maneira, por meio do sacrifício de Cristo. E foi suposto que todos os que foram justificados receberam perdão pelos méritos do sacrifício de Cristo. Isso pode ser verdade; mas não há razão para pensar que essa seja a ideia nesta passagem. Para,

(1) O escopo da passagem não o exige. O argumento não é mostrar como as pessoas foram justificadas, mas como poderiam ser. Não é para discutir um fato histórico, mas para declarar a maneira pela qual o pecado deve ser perdoado sob o evangelho.

(2) a linguagem não tem nenhuma referência imediata ou necessária às gerações anteriores. Evidentemente, se refere às vidas passadas dos indivíduos que são justificados, e não aos pecados dos tempos anteriores. Tudo o que a passagem significa, portanto, é que o plano de perdão é tal que remova completamente todos os pecados anteriores da vida, não de todas as gerações anteriores. Se se referisse aos pecados dos tempos antigos, não seria fácil evitar a doutrina da salvação universal.

(O desígnio do apóstolo é mostrar a única base da justificação do pecador. Essa base é “a justiça de Deus”. Para manifestar essa justiça, Cristo foi estabelecido no início da era do evangelho como um sacrifício propiciatório. Mas embora neste momento se manifestasse ou declarasse, na realidade tinha sido a base da justificação o tempo todo. Os crentes em todas as dispensações passadas, aguardando o período de sua revelação, construíram suas esperanças nele e foram admitidos na glória.

A ideia de manifestação nos tempos do evangelho parece mais intimamente ligada ao fato de que em eras passadas, a base do perdão tinha sido escondida, ou na melhor das hipóteses, mas vagamente vista através do tipo e da cerimônia. Parece haver pouca dúvida de que essas duas coisas estavam associadas na mente do apóstolo. Embora a base do procedimento de Deus em remir os pecados de seu povo, durante a economia anterior, houvesse sido ocultada por muito tempo, ela agora era gloriosamente exibida aos olhos do universo. Paulo tem a mesma ideia em Hebreus 9:15 , “E por isso ele é o Mediador do Novo Testamento, que por meio da morte, para a redenção das transgressões que estavam sob o primeiro testamento, aquelas que são chamadas de poder receber a promessa de herança eterna. ” Pode-se notar também que a expressão em Hebreus 9:20 , “neste tempo”, isto é, na era do evangelho, exige que entendamos a outra cláusula, “pecados passados”, como apontando para o pecado cometido nas dispensações anteriores. Nem há qualquer medo de apoiar a doutrina da salvação universal. se defendermos essa visão. os pecados remidos nas eras passadas sendo obviamente apenas dos crentes. A mesma objeção pode ser levantada contra a passagem paralela em Hebreus 9:15 .)

sob a paciência de Deus – Por meio de sua paciência, sua longanimidade. Isto é, ele não saiu em julgamento quando o pecado foi cometido; ele nos poupou, embora merecesse punição; e agora ele sai completamente para perdoar aqueles pecados a respeito dos quais ele tanto tempo e tão graciosamente exerceu tolerância. Esta expressão obviamente se refere não à remissão de pecados, mas ao fato de que eles foram cometidos enquanto ele demonstrava tanta longanimidade; compare Atos 17:30. Não sei melhor como mostrar o valor prático e a importância dessa importante passagem das Escrituras do que transcrever uma parte da experiência comovente do poeta Cowper. É bem sabido que antes de sua conversão foi oprimido por uma longa e terrível melancolia; que isso finalmente aumentou para o desespero; e que ele foi então submetido ao tratamento gentil do Dr. Cotton em Alban’s, como um caso melancólico de perturbação.

Seu pensamento principal era que ele estava condenado à destruição inevitável e que não havia esperança. Disto ele foi despertado apenas pela bondade de seu irmão e pelas promessas do evangelho; (ver Vida de Cowper de Taylor). O relato de sua conversão agora darei em suas próprias palavras. “O período feliz, que era para se livrar das minhas algemas e me permitir uma descoberta clara da misericórdia de Deus em Cristo Jesus, já havia chegado. Eu me joguei em uma cadeira perto da janela e, vendo uma Bíblia ali, arrisquei mais uma vez para aplicar a ele para obter conforto e instrução. O primeiro versículo que vi foi Romanos 3:25.; “Quem Deus estabeleceu, etc.” Imediatamente recebi força para acreditar, e todo o raio do Sol da justiça brilhou sobre mim. Eu vi a suficiência da expiação que ele havia feito para meu perdão e justificação. Em um momento eu acreditei e recebi a paz do evangelho. A menos que o braço Todo-Poderoso estivesse sob mim, acho que deveria ter ficado maravilhado com a gratidão e a alegria. Meus olhos se encheram de lágrimas e minha voz engasgou com o transporte. Eu só pude olhar para o céu com medo silencioso, dominado pelo amor e admiração. Quão feliz eu deveria estar agora por ter passado cada momento em oração e ação de graças. Não perdi a oportunidade de retornar a um trono de graça; mas voei para lá com uma seriedade irresistível, e nunca para ficar satisfeita. ” [Barnes, aguardando revisão]

26 para demonstrar a sua justiça neste presente tempo, a fim de que ele seja justo, e justificador daquele que tem fé em Jesus.

Comentário de David Brown

para demonstrar a sua justiça neste presente tempo. Agora pela primeira vez, sob o Evangelho.

a fim de que ele seja justo, e justificador daquele que tem fé em Jesus. Glorioso paradoxo! “Juto em punir” e “misericordioso em perdoar”, os homens podem entender; mas “justo, e justificador” dos culpados os assusta. No entanto, a propiciação pela fé no sangue de Cristo resolve o paradoxo e harmoniza o elemento aparentemente discordante. Pois em “Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado”, a justiça tem plena satisfação; e “para que nele nos tornássemos justiça de Deus”, a misericórdia tem o deleite do seu coração! [JFU]

Conclusões desta doutrina da graciosa justificação pela fé

27 Onde, pois, está o orgulho? Este é excluído. Por qual lei? A das obras? Não, mas sim, pela Lei da fé.

Comentário de David Brown

Onde, pois, está o orgulho? Este é excluído. Por qual lei? Em que princípio?

A das obras? Não, mas sim, pela Lei (ou pelo princípio) da fé. [JFU]

28 Concluímos, portanto, que o ser humano é justificado pela fé, independentemente das obras da Lei.

Comentário Barnes

portanto – como resultado da linha de argumentação anterior.

que o ser humano – que todos os que são justificados; isto é, que não há outra maneira.

é justificado pela fé – É considerado e tratado como justo, por crer no Senhor Jesus Cristo.

independentemente das obras da Lei– Sem funciona como fundamento meritório de justificação. O apóstolo, é claro, não quer dizer que o Cristianismo não produz boas obras, ou que aqueles que são justificados não obedecerão à Lei e serão santos; mas que nenhuma justiça própria será a base de sua justificação. Eles são pecadores; e, como tal, não pode ter direito de ser tratado como justo. Deus planejou um plano pelo qual eles podem ser perdoados e salvos; e isso é somente pela fé. Esta é a grande singularidade da religião cristã. Este foi o ponto especial na reforma do papado. Lutero freqüentemente chamou essa doutrina da justificação pela fé de artigo sobre o qual a igreja se ergueu ou caiu – articulus stantis, vel cadentis ecclesiae – e é assim. Se esta doutrina for considerada íntegra, todas as outras serão sustentadas por ela. Se for abandonado, todos os outros cairão também. Pode-se observar aqui, entretanto, que essa doutrina de forma alguma interfere com a doutrina de que boas obras devem ser realizadas pelos cristãos. Paulo insiste nisso tanto quanto qualquer outro escritor do Novo Testamento. Sua doutrina é que não se deve confiar neles como base de justificação; mas que ele não pretendia ensinar que eles não deveriam ser realizados por cristãos é evidente a partir da conexão e dos seguintes lugares em suas epístolas:Romanos 2:7 ; 2 Coríntios 9:8 ; Efésios 2:10 ; 1 Timóteo 2:10 ; 1 Timóteo 5:10 , 1 Timóteo 5:25 ; 1 Timóteo 6:18 ; 2 Timóteo 3:17 ; Tito 2:7 , Tito 2:14 ; Tito 3:8 ; Hebreus 10:24 . Que não somos justificados por nossas obras é uma doutrina que ele exortou e repetiu com grande poder e frequência. Veja Romanos 4:2 , Romanos 4:6 ; Romanos 9:11 , Romanos 9:32 ; Romanos 11:6 ; Gálatas 2:16 ;Gálatas 3:2 , Gálatas 3:5 , Gálatas 3:10 ; Efésios 2:9 ; 2 Timóteo 1:9 . [Barnes, aguardando revisão]

29 Por acaso Deus é somente dos judeus, e não também dos gentios? Certamente que dos gentios também;

Comentário de David Brown

O caminho da salvação deve ser igualmente adequado a toda a família do homem caído; mas a doutrina da justificação pela fé é a única que estabelece as bases de uma religião universal; esta, portanto, é outra marca de sua verdade. [JFU, aguardando revisão]

30 já que há um só Deus, que justificará pela fé os circuncisos, e por meio da fé os incircuncisos.

Comentário de David Brown

por meio da fé os incircuncisos. O futuro – “justificará” – é usado aqui para denotar o propósito fixo de Deus de agir de acordo com este princípio em todos os tempos. Orígenes, e depois dele Bengel, considerou que é a justificação do judeu que aqui se diz ser ‘da fé’, como sendo os herdeiros natos da promessa; enquanto que a dos gentios, como sendo anteriormente “estranhos aos pactos da promessa”, é considerada apenas “pela fé”, como os admitindo em uma nova família. Mas, além de que isso é muito rebuscado, parece ser contradito por Gálatas 3:8, onde a mesma frase – ‘da fé’ – que aqui se diz ser usada para os judeus, é aplicada à justificação dos Gentios. Com a maioria dos críticos, consideramos isso apenas uma declaração variada da mesma verdade, mas com uma ligeira diferença no sentido; a primeira expressão – ‘da fé’ – denotando o método ordenado de justificação; a segunda, “pela fé”, o instrumento ou canal pelo qual chega até nós. Exemplos semelhantes de duas declarações quase equivalentes serão encontrados em Romanos 3:22 e em Gálatas 3:22 (compare com 23). [JFU, aguardando revisão]

31 Por acaso anulamos a Lei pela fé? De maneira nenhuma. Pelo contrário, confirmamos a Lei.
Objeção:

Comentário Barnes

Por acaso anulamos a Lei – A tornamos vã e inútil; destruímos sua obrigação moral; e impedimos a obediência a ela, pela doutrina da justificação pela fé? Esta foi uma objeção que naturalmente seria feita; e que tem sido feito milhares de vezes desde então, que a doutrina da justificação pela fé tende à licenciosidade. A palavra “lei” aqui, entendo como se referindo à lei moral, e não apenas ao Antigo Testamento. Isso é evidente em Romanos 3:20-21 , onde o apóstolo mostra que nenhum homem pode ser justificado pelas obras da lei, pela conformidade com a lei moral. Veja a nota.

De maneira nenhuma. Observe, Romanos 3:4 . Esta é uma negação explícita de qualquer tendência.

Pelo contrário, confirmamos a Lei. – isto é, pela doutrina da justificação pela fé; por este esquema de tratar as pessoas como justas, a lei moral é confirmada, sua obrigação é reforçada, a obediência a ela é garantida. Isso é feito da seguinte maneira:

(1) Deus mostrou respeito por ela, não estando disposto a perdoar pecadores sem uma expiação. Ele mostrou que não pode ser violado impunemente; que ele estava decidido a cumprir suas ameaças.

(2) Jesus Cristo veio para magnificá-la e torná-la honrosa. Ele mostrou respeito por isso em sua vida; e ele morreu para mostrar que Deus estava determinado a infligir sua penalidade.

(3) o plano de justificação pela fé leva à observância da lei. O pecador vê o mal da transgressão. Ele vê o respeito que Deus tem pela lei. Ele entrega seu coração a Deus e se entrega para obedecer à sua lei. Todos os sentimentos que surgem da convicção do pecado; que fluem de gratidão por misericórdias; que brota do amor a Deus; todos os seus pontos de vista sobre a santidade da Lei, o levam a obedecer a ela. O fato de que Cristo suportou tais sofrimentos para mostrar o mal de violar a Lei é um dos motivos mais fortes que levam à obediência. Não repetimos fácil e prontamente o que oprime nossos melhores amigos na calamidade; e somos levados a odiar o que infligiu tais desgraças à alma do Salvador. O sentimento registrado por Watts é tão verdadeiro quanto belo:

“Foi por meus pecados, meu querido Senhor.

Pendurado na árvore amaldiçoada.

E gemeu sua vida agonizante,

Por ti, minha alma, por ti.

“Oh, como eu odeio essas minhas luxúrias.

Isso crucificou meu Senhor;

Aqueles pecados que perfuraram e cravaram sua carne.

Rápido para a madeira fatal.

“Sim, meu Redentor, eles morrerão,

Meu coração assim decretou;

Nem vou poupar as coisas culpadas.

Isso fez meu Salvador sangrar. “

Esta é uma vantagem na influência moral que nenhuma lei fria e abstrata sempre tem sobre a mente humana. E uma das maiores glórias do plano de salvação é que, embora justifique o pecador, traz um novo conjunto de influências do céu, mais ternas e poderosas do que qualquer outra fonte, para produzir obediência à Lei de Deus.

Ele explicou que ninguém poderia ser justificado, mas aqueles que pela fé o receberam. “Será que nós, então”, ele pergunta em conclusão, “anulamos a Lei, mantendo assim, que nenhum pecador pode ser aceito se não receber uma justiça compatível com todas as suas exigências ?.” “Sim, estabelecemos a lei”, é a resposta óbvia. Jesus morreu para satisfazer suas reivindicações e vive para honrar seus preceitos. Assim, ele trouxe “justiça”, que, sendo imputada àqueles que crêem, forma uma base de perdão e aceitação que a Lei não pode desafiar. Jesus morreu para satisfazer suas reivindicações e vive para honrar seus preceitos. Assim, ele trouxe “justiça”, que, sendo imputada aos que crêem, forma uma base de perdão e aceitação, como a Lei não pode contestar. Jesus morreu para satisfazer suas reivindicações e vive para honrar seus preceitos. Assim, ele trouxe “justiça”, que, sendo imputada àqueles que crêem, forma uma base de perdão e aceitação que a Lei não pode desafiar.

Calvino, em seu comentário sobre a passagem, embora ele não exclua a ideia de santificação, ainda dá destaque à visão agora declarada. “Quando”, diz ele, “vamos a Cristo, a exata justiça da Lei é primeiro encontrada nele, que também se torna nossa por imputação; no próximo lugar, a santificação é adquirida”, etc.) [Barnes, aguardando revisão]

<Romanos 2 Romanos 4>

Visão geral de Romanos

Na carta aos Romanos, “Paulo mostra como Jesus criou a nova família da aliança com Abraão através da sua morte e ressurreição, e através do envio do Espírito Santo”. Para uma visão geral desta carta, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (10 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Romanos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.