Salmo 14

1 (Ao mestre de canto. Salmo de Davi) O tolo diz em seu coração: 'Não há Deus'. Eles têm se pervertido, fazem obras abomináveis; não há quem faça o bem.

O tolo. Uma classe de homens, não um indivíduo em particular. A palavra nâbâl aqui usada para “tolo” (ou “insensato”) significa perversidade moral, não mera ignorância ou raciocínio fraco. Tolice é o oposto de sabedoria em seu sentido mais elevado. Pode ser atribuída ao esquecimento de Deus ou oposição ímpia à Sua vontade (Dt 32:6,21; Jó 2:10; 42:8; Sl 74:18,22), à ofensas graves contra moralidade (2Sm 13:12-13), ao sacrilégio (Js 7:15), à falta de cortesia (1Sm 25:25).

diz em seu coração: ‘Não há Deus’ (compare com Sl 10:4). Isso dificilmente deve ser entendido como uma negação especulativa da existência de Deus; mas sim de uma descrença prática no Seu governo moral. Compare com Sl 73:11; Jr 5:12; Sf 1:12; Rm 1:28 em diante.

Eles têm se pervertido, fazem obras abomináveis; não há quem faça o bem. A humanidade em geral é o sujeito da frase. Abandonando a fé em Deus, as pessoas depravaram sua natureza e se entregaram a práticas que Deus abomina (Sl 14:6). “Pervertido” descreve a auto-degradação de seus melhores qualidades; abominável descreve o caráter de sua conduta aos olhos de Deus. Essa era a condição do mundo antes do Dilúvio. Veja Gênesis 6:11-12; e com a última linha deste versículo, compare com Gênesis 6:5. [Kirkpatrick, 1906]

2 O SENHOR olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia alguém que tivesse entendimento, que buscasse a Deus.

para os filhos dos homens – ou seja, para toda a humanidade.

alguém que tivesse entendimento – em contraste com “tolo”, no Salmo 14:1, e certamente significando aquele que regula sua conduta na convicção da existência de um Deus santo e justo. [Ellicott, 1905]

3 Todos se desviaram, juntamente se contaminaram; não há quem faça o bem, nem um sequer.

Todos se desviaram (compare com Sl 119:176Ec 7:29Is 53:6Is 59:7,8,13-15Jr 2:13Rm 3:10-12,23; 2Pe 2:13-15).

se contaminaram (compare com Salmo 38:5Jó 15:16Is 64:6Ez 36:252Co 7:1).

4 Será que não têm conhecimento todos os que praticam a maldade? Eles devoram meu povo como se comessem pão, e não clamam ao SENHOR.

Eles devoram meu povo como se comessem pão – ou seja, “Eles vivem explorando meu povo” (NTLH), ou então, Eles devoram meu povo tão naturalmente como comem o seu pão diário (Whedon).

5 Ali eles se encherão de medo, porque Deus está com a geração dos justos.

geração dos justos. A palavra “geração” aqui, aplicada aos justos, parece se referir a eles como um tipo de pessoas. É comum nas Escrituras se referir a um período de tempo com entre trinta ou quarenta anos como uma “geração” (compare com Jó 42:16); mas no uso do termo que temos diante de nós, a ideia de um período é abandonada, e os justos são mencionados apenas como um tipo de pessoas. A ideia aqui é que havia tais provas manifestas de que Deus estava entre os justos, e que ele era seu amigo, que os ímpios não podiam resistir à força dessas evidências, por mais que desejassem isso, e por mais que desejassem para chegar à conclusão de que Deus não existia. A evidência de que ele estava entre os justos iria, naturalmente, deixá-los aterrorizados, porque o próprio fato de ele ser o amigo dos justos demonstrava que ele era necessariamente o inimigo dos ímpios, e, claro, que eles estavam expostos à sua ira. [Barnes, 1870]

6 Vocês querem frustrar os planos dos aflitos, mas o SENHOR é o refúgio deles.

Vocês querem frustrar os planos dos aflitos (compare com Salmo 3:2Sl 4:2Sl 22:7,8Sl 42:10Ne 4:2-4Is 37:10,11; Dn 3:15Mt 27:40-43).

o SENHOR é o refúgio deles (compare com Sl 9:9Hb 6:18) – ou seja, “estes são protegidos pelo SENHOR” (NVT).

7 Ah, que de Sião venha a salvação de Israel! Quando o SENHOR restaurar o seu povo de seu infortúnio, Jacó jubilará, Israel se alegrará.

Ah, que de Sião venha a salvação de Israel! Sião é um outro nome para Jerusalém; ela tornou-se a morada especial de Javé desde o momento em que a Arca, o símbolo de Sua Presença, foi ali colocada (Sl 76:2; 132:13). Os querubins que cobriam a arca eram o trono de Sua glória (Sl 80:1; 99:1). Era a contraparte terrestre do céu (Sl 2:4): donde Ele se manifestou para socorrer o Seu povo (Salmo 3:4; 20:2). [Kirkpatrick, 1906]

Jacó jubilará. “Jacó”, aqui, é outro nome para o povo hebreu, como descendente de Jacó. Compare com Is 2:3; 41:21; 10:21; 14:1; Am 7:2. [Barnes, 1870]

<Salmo 13 Salmo 15>

Introdução ao Salmo 14

O Salmo 14 é tido como umas das composições de Davi, e não há razão para duvidar da exatidão do subtítulo. No entanto, desconhecemos totalmente a época e as circunstâncias de sua composição. Não há nada no salmo que lance alguma luz sobre este ponto, e as conjecturas seriam vãs. Parece ter sido composto sob a influência de uma convicção comovente da profundidade e extensão da depravação humana, e em vista da impiedade predominante e da negligência de Deus; mas tal estado de coisas não estava confinado a nenhum período da vida de Davi, como não se limitou a qualquer nação ou período do mundo. Infelizmente, não houve nenhuma nação e nenhuma época em que, em vista dos fatos existentes, um salmo como este pudesse não ter sido composto; ou em que toda as evidências em que o salmista se baseia para apoiar suas conclusões melancólicas pode não ter sido encontrada.

O salmo abrange os seguintes pontos:

(1) Uma declaração de depravação predominante, particularmente em negar a existência de Deus, ou em expressar o desejo de que Deus não existisse (Salmo 14:1).

(2) A evidência disso (Salmo 14:2-4). Isso é encontrado em duas coisas:

(a) primeiro, na representação de que o Senhor olhou para baixo do céu com o próprio propósito de verificar se havia alguém que “entendeu e buscou a Deus”, e que o resultado desta procura foi que todos tinham se afastado, e tinham se tornado sujos de pecado (Salmo 14:2-3).

(b) A segunda prova é uma disposição predominante por parte dos ímpios de julgar severamente a conduta do povo de Deus; para ampliar seus erros e falhas; fazer uso de suas imperfeições para sustentar-se em seu próprio caminho de vida – representado por seu “comer os pecados do povo de Deus enquanto comem o pão” (Salmo 14:4).

Havia total falta de bondade e caridade em relação às imperfeições dos outros; e um desejo de encontrar o povo de Deus tão ofensivo que pudesse, por “suas” imperfeições e falhas, sustentar e reivindicar sua própria conduta em negligenciar a religião. A ideia é que, na compreensão deles, a religião de tais pessoas não era desejável – que o Deus a quem professavam servir não poderia ser Deus.

(3) No entanto, diz o salmista, eles não estavam totalmente tranquilos e satisfeitos com a conclusão a que estavam se esforçando para chegar, de que não havia Deus. Apesar de seu desejo expresso (Salmo 14:1), que não havia, ou que poderia não haver Deus, suas mentes não estavam à vontade nessa conclusão ou desejo.

Eles estavam, diz o salmista, “com grande temor”, pois havia evidência que eles não podiam negar ou resistir de que Deus estava “na geração dos justos”, ou que havia um Deus tal como os justos serviam (Salmo 14:5). Essa evidência foi encontrada na manifestação de seu favor para com eles; em sua intervenção em seu favor, na prova que não se podia resistir ou negar que ele era seu amigo. Esses fatos produziram “medo” ou apreensão nas mentes dos ímpios, apesar de todos os seus esforços para se manterem tranquilos.

(4) O salmista diz que eles tinham como propósito envergonhar o conselho ou os propósitos dos “pobres” (isto é, o povo de Deus, que estava principalmente entre os pobres, ou as classes humildes e oprimidas da comunidade) – porque eles consideravam Deus como seu refúgio (Salmo 14:6). Visto que Deus era seu único refúgio, uma vez que eles não tinham esperança ou confiança humana, já que toda a sua esperança falharia se sua esperança em Deus falhasse, então a tentativa de mostrar que não havia Deus foi ajustada e planejada para subjugá-los de vergonha e confusão – ainda mais para agravar seus sofrimentos, tirando sua única esperança e deixando-os morrer. A religião deles era seu único consolo e o propósito daqueles que desejavam que Deus não existisse era tirar até mesmo este último conforto.

(5) O salmo termina, em vista desses pensamentos, com uma oração fervorosa para que Deus intervenha para libertar seu povo pobre e oprimido, e com a declaração de que quando isso ocorresse, seu povo se regozijaria (Salmo 14:7). Em vez de sua condição baixa e oprimida – uma condição em que seus inimigos triunfaram sobre eles, e se esforçaram ainda mais para agravar suas tristezas tirando até mesmo sua fé em Deus – eles se regozijariam nele e na prova plena de sua existência e de seu favor para eles.

O salmo, portanto, tem por objetivo descrever uma condição das coisas em que a maldade transborda, e quando assume esta forma – uma tentativa de mostrar que não há Deus; isto é, quando há uma prevalência do ateísmo, e quando o propósito disto é agravar os sofrimentos e as provações daqueles que creem, perturbando sua fé na existência divina. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – abril de 2021.