Bíblia, Revisar

Sofonias 1

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Palavra do SENHOR que veio a Sofonias filho de Cuxi, filho de Gedalias, filho de Amarias, filho de Ezequias, nos dias de Josias filho de Amom, rei de Judá.

Sf 1: 1-18. O severo julgamento de Deus sobre Judá por sua idolatria e negligência Dele: A rápida aproximação do julgamento e a impossibilidade de escapar.

dias de Josias – Se suas idolatrias estivessem sob reis anteriores, eles poderiam ter dito: Nossos reis nos forçaram a isto e aquilo. Mas sob Josias, que fez todo o possível para reformá-los, eles não têm tal desculpa.

filho de Amom – o idólatra, cujas más práticas os judeus se apegaram, ao invés do bom exemplo de Josias, seu filho; tão incorrigíveis eles estavam em pecado.

Judá – as dez tribos de Israel haviam entrado em cativeiro antes disso.

2 Destruirei tudo de sobre a face da terra,diz o SENHOR.

consumir completamente – de uma raiz para “varrer” ou “raspar completamente”. Veja Jr 8:13, Margem e aqui.

de fora da terra – de Judá.

3 Destruirei as pessoas e os animais; destruirei as aves do céu, e os peixes do mar, e as pedras de tropeço com os perversos; e exterminarei os seres humanos de sobre a face da terra,diz o SENHOR.

Enumeração em detalhes das “todas as coisas” (Sf 1:2; compare Jr 9:10; Os 4:3).

de tropeços – ídolos que fazem Judá ofender ou tropeçar (Ez 14:3-4,7).

com os perversos – Os ídolos e seus adoradores devem estar envolvidos em uma destruição comum.

4 E estenderei minha mão contra Judá, e contra todos os moradores de Jerusalém; e exterminarei deste lugar o restante de Baal, e o nome dos idólatras com os sacerdotes;

estenderei minha mão – indicando alguma notável e incomum obra de vingança (Is 5:25; 9:12,17,21).

Judá – incluindo Benjamim. Essas duas tribos sofrerão, que se julgam perpetuamente seguras, porque escaparam do cativeiro em que as dez tribos estavam envolvidas.

Jerusalém – a fonte do mal. Deus começa com o seu santuário (Ez 9:6), e aqueles que estão perto dele (Lv 10:3).

restante de Baal – os restos da adoração de Baal, que Josias ainda não conseguiu erradicar em lugares remotos. Baal era o deus tutelar fenício. Desde o tempo dos juízes (Jz 2:13), Israel caiu nessa idolatria; e Manassés havia recentemente estabelecido este ídolo dentro do próprio templo de Jeová (2Rs 21:3,5,7). Josias começou sua reforma no décimo segundo ano de seu reinado (2Cr 34:4,8) e, no décimo oitavo, completou o mais possível.

idólatras – sacerdotes ídolos, que não haviam atingido a puberdade; significando “ministros dos deuses” [Sérvio em Eneida, 11], o mesmo nome que o Camilo de Tyriano, sendo r intercambiáveis ​​(compare com Os 10:5). Josias é expressamente dito (2Rs 23:5) para ter “abatido o Chemarim”. A raiz hebraica significa “negro” (das vestes negras que eles usavam ou as marcas que eles marcavam em suas testas); ou “zeloso”, do seu fanatismo idólatra. O próprio “nome”, assim como eles mesmos, será esquecido.

os sacerdotes – de Jeová, de ascendência aronica, que deviam ter usado todo o seu poder para erradicar, mas que secretamente encorajou a idolatria (compare Sf 3:4; Ez 8:1-18; 22:26; 44:10). Dos sacerdotes, Sofonias passa para o povo.

5 E os que se encurvam sobre os terraços ao exército do céu; e aos que se encurvam jurando pelo SENHOR, mas também jurando por Milcom;

adorai a hoste do céu – “Saba): de onde, em contraste com o sabeanismo, Jeová é chamado Senhor de Sabaoth.

sobre os terraços – que eram planos (2Rs 23:5-6,12; Jr 19:13; 32:29).

jurando pelo SENHOR – sim, “jurai a Jeová” (2Cr 15:14); solenemente dedicando-se a Ele (compare Is 48:1; Os 4:15).

e – “e ainda (com estranha inconsistência, 1Rs 18:21; Ez 20:39; Mt 6:24) juram por Malcham”, isto é, “seu rei” [Maurer]: o mesmo que Moloque (ver em Amos 5:25), e “Milcom o deus de… Amon” (1Rs 11:33). Se Satanás tiver metade do coração, ele terá tudo; se o Senhor tem metade ofereceu a Ele, Ele não terá nenhum.

6 E aos que dão as costas ao SENHOR, aos que não buscam ao SENHOR, nem perguntam por ele.

Esse versículo descreve de maneira mais abrangente os culpados pela deserção de Jeová de qualquer maneira (Jr 2:13,17).

7 Cala-te na presença do Senhor DEUS, porque o dia do SENHOR está perto; porque o SENHOR tem preparado um sacrifício, e santificou a seus convidados.

Cala-te na presença do Senhor – (Hb 2:20). Deixe a terra silenciar em sua aproximação (Maurer) Ou: “Todos os que têm estado acostumados a falar contra Deus, como se Ele não tivesse nenhum cuidado com os assuntos terrenos, cessam seus murmúrios e autojustificativas; submeta-se a Deus e arrependa-se no tempo ”(Calvino).

SENHOR tem preparado um sacrifício – a saber, um massacre dos culpados judeus, as vítimas devidas à Sua justiça (Is 34:6; Jr 46:10; Ez 39:17).

santifico a seus convidado – literalmente, “santificou seus chamados” (compare Isa 13: 3). Isso aumenta a amargura do juízo de que os caldeus pagãos deveriam ser santificados, ou consagrados como eram, por Deus como Seus sacerdotes, e ser chamados a comer a carne do povo eleito; como nos dias de festa, os sacerdotes costumavam banquetear-se entre si sobre os restos dos sacrifícios (Calvino). A Versão em Inglês não o leva dos sacerdotes, mas os convidados convidados, que também tiveram que “santificar” ou purificar-se antes de vir para a festa do sacrifício (1Sm 9:13,22; 16:5). Nabucodonosor foi convidado a se vingar da culpada Jerusalém (Jr 25: 9).

8 E será que, no dia do sacrifício do SENHOR, punirei os príncipes, os filhos do rei, e todos os que vestem roupas estrangeiras.

os príncipes – que deveriam ter sido um exemplo de bem para os outros, mas eram líderes em todo o mal.

os filhos do rei – cumpridos com os filhos de Zedequias (Jr 39:6); e anteriormente, sobre Jeoacaz e Eliaquim, os filhos de Josias (2Rs 23:31,36; 2Cr 36:6; compare também 2Rs 20:18; 21:13). Hulda, a profetisa (2Rs 22:20), insinuou aquilo que Sofonias anuncia agora mais expressamente.

todos os que vestem roupas estrangeiras – os príncipes ou cortesãos que se vestem com roupas caras, importadas do exterior; em parte por uma questão de luxo, e em parte para agradar as grandes nações estrangeiras, cujo traje, bem como suas idolatrias, imitavam, (Calvino); enquanto no traje, como em outros aspectos, Deus quer que eles sejam separados das nações. Grotius refere-se a “roupa estranha” para roupas proibidas pela lei, por exemplo, roupas masculinas usadas por mulheres e vice-versa, um uso pagão na adoração de Marte e Vênus (Dt 22:5).

9 Também punirei naquele dia todos os que saltam sobre o umbral, os que enchem as casas de seus senhores de produtos de violência e de engano.

são adivinhadores como os filisteus ”. A opinião de Calvin concorda melhor com a última sentença do verso.

enchem as casas de seus senhores de produtos de violência – isto é, com bens obtidos com violência, etc.

10 E naquele dia, diz o SENHOR, haverá voz de clamor desde a porta dos peixes, lamentação desde a segunda parte da cidade ,e grande quebrantamento desde os morros.

porta dos peixes – (2Cr 33:14; Ne 3:3; 12:39). Situada a leste da cidade baixa, ao norte do portão das ovelhas [Maurer]: perto da fortaleza de Davi em Milo, entre Sião e a cidade baixa, em direção ao oeste (Jerônimo). Este verso descreve o estado da cidade quando foi sitiada por Nabucodonosor. Foi através do portão de peixe que ele entrou na cidade. Recebeu o nome do mercado de peixe que estava perto dele. Através dela passou aqueles que costumavam trazer peixes do lago de Tiberíades e da Jordânia. Ele responde ao que hoje é chamado de portão de Damasco (Henderson).

a segunda – ou seja, o portão que foi o segundo em dignidade (Calvino). Ou a segunda ou parte mais baixa da cidade. Apropriadamente, o portão dos peixes, ou extremidade extrema da parte baixa da cidade, primeiro ressoa com os gritos dos cidadãos quando o inimigo se aproxima; depois, à medida que avança, parte da própria cidade, a saber, sua parte interna; por último, quando o inimigo na verdade vem e entra, as colinas, as mais altas, especialmente Sião e Moriá, nas quais a cidade e o templo superiores foram fundados (Maurer) A segunda cidade, ou cidade mais baixa, responde a Akra, ao norte de Sião, e separada dela pelo vale de Típtero, descendo até a piscina de Siloé (Henderson). O hebraico é traduzido como “colégio”, 2Rs 22:14; então Vatablus traduziria aqui.

morros – não aqui aqueles de fora, mas aqueles dentro dos muros: Sião, Moriá e Ophel.

11 Lamentai, vós moradores do vale, porque todo o povo mercador está destruído; todos os que pesavam dinheiro são exterminados.

Maktesh – em vez disso, “a argamassa”, um nome aplicado ao vale de Siloé de sua forma oca (Jerônimo). O vale entre Sião e Monte Olivet, na extremidade leste do Monte Moriá, onde moravam os mercadores. Zc 14:21, “O cananeu”, ou seja, comerciante [Versão Chaldee]. O Tyropoeon (isto é, produtores de queijo) vale abaixo do Monte Akra (Rosenmuller). Melhor a própria Jerusalém, assim chamada como estando no meio das colinas (Is 22:1; Jr 21:13) e como condenada a ser a cena de seu povo sendo destruída como milho ou drogas são marteladas em um almofariz (Pv 27:22 [Maurer] Compare a imagem semelhante de um “pote” (Ez 24:3,6). A razão para a destruição é subjugada, ou seja, a ganância de lucro de seus comerciantes.

todo o povo mercador – literalmente, o “povo cananeu”: ironia: todo o povo mercantil de Jerusalém são muito cananeus na ganância por ganhos e idolatrias (ver em Os 12:7).

todos os que pesavam dinheiro – carregando-se com aquilo que será apenas um fardo (Hb 2:6).

12 E será naquele tempo, que farei busca em Jerusalém com lâmpadas, e punirei os homens que estão acomodados como sedimentos de vinho, os quais dizem em seu coração: O SENHOR nem fará bem nem mal.

com lâmpadas – de modo a não deixar nenhum canto escuro em que o pecado pode escapar do castigo, dos quais os caldeus são Meus instrumentos (compare Sf 1:13, Lc 15:8).

assente em suas borras – “endurecidas” ou com crosta; imagem da crosta formada no fundo de vinhos há muito deixados intactos (Jr 48:11). O efeito da riqueza da tranquilidade não perturbada (“lees”) sobre os ímpios está endurecendo: eles se tornam estupidamente seguros (compare com Sl 55:19; Am 6:1).

O SENHOR nem fará bem nem mal – Eles negam que Deus considera os assuntos humanos, ou presta bem ao bem; ou mal ao mal, mas que todas as coisas acontecem ao acaso (Sl 10:4; Ml 2:17).

13 Por isso a riqueza deles será despojada, e suas casas serão arruinadas; edificarão casas, mas não habitarão nelas; e plantarão vinhas, mas não beberão seu vinho.

Por isso a riqueza deles será despojada – Cumprindo a profecia em Dt 28:30,39 (compare Am 5:11).

14 Perto está o grande dia do SENHOR; perto está, e com muita pressa se aproxima; a voz do Dia do SENHOR; ali o guerreiro gritará amargamente.

dia do SENHOR – isto é, Jeová introduzindo naquele dia com um rugido de vingança contra os culpados (Jr 25:30; Am 1:2). Aqueles que não atentam agora (Sf 1:12) Sua voz por Seus profetas, devem prestar atenção quando proferida pelo inimigo vingador.

guerreiro gritará amargamente – em desespero sem esperança; o poder sobre o qual Jerusalém agora se orgulha, falhará totalmente.

15 Aquele dia será dia de fúria; dia de angústia e de aflição, dia de devastação e de ruína; dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de espessa obscuridade.

desolação – Os termos hebraicos, por sua semelhança de sons, “S) hoah}, {Umeshoah}, expressam a sombria monotonia da desolação (ver em Na 2:10).

16 Dia de trombeta e de alarme contra as cidades forte e contra as torres as altas.

de trombeta – ou seja, do inimigo sitiante (Am 2:2).

alarme – o grito de guerra (Maurer)

torres – literalmente, “ângulos”; pois as muralhas da cidade costumavam não ser construídas em linha direta, mas com curvas e ângulos sinuosos, de modo que os sitiantes que avançavam pudessem ser atacados não apenas na frente, mas em ambos os lados, apanhados como se estivessem em um beco sem saída; torres foram construídas especialmente nos ângulos. Então, Tácito descreve os muros de Jerusalém [Histories, 5.11.7].

17 E angustiarei as pessoas, que andarão como cegas, porque pecaram contra o SENHOR; e o sangue delas será derramado como pó, e sua carne será como esterco.

como cegas – incapazes de ver para onde se virar para encontrar uma fuga dos males existentes.

carne – hebraico, “pão”; então o termo árabe para “pão” é usado para “carne” (Mt 26:26).

18 Nem sua prata nem seu ouro poderá os livrar no dia do furor do SENHOR; pois toda esta terra será consumida pelo fogo de seu zelo; porque ele certamente fará destruição repentina com todos os moradores da terra.

prata nem… ouro os livrará, etc. – (Pv 11:4).

fogo de seu zelo – (Ez 38:19); Sua ira inveja por sua honra consumindo o culpado como fogo.

porque ele certamente fará destruição repentina com todos – em vez disso, uma “consumação” (completa destruição: “fim total”, Jr 46:28; Ez 11:13) “totalmente repentina” (Maurer) “Um consumo, e de repente” (Calvino).

<Habacuque 3 Sofonias 2>

Leia também uma introdução ao Livro de Sofonias

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados