Bíblia, Revisar

2 Crônicas 33

O reinado perverso de Manassés

1 De doze anos era Manassés quando começou a reinar, e cinquenta e cinco anos reinou em Jerusalém.
2 Mas fez o que era mau em olhos do SENHOR, conforme as abominações das nações que havia lançado o SENHOR diante dos filhos de Israel:

fez o que era mau em olhos do SENHOR – (Veja em 2Rs 21:1-16).

3 Porque ele reedificou os altos que Ezequias seu pai havia derrubado, e levantou altares aos baalins, e fez bosques, e adorou a todo o exército dos céus, e a ele serviu.
4 Edificou também altares na casa do SENHOR, da qual havia dito o SENHOR: Em Jerusalém será meu nome perpetuamente.
5 Edificou assim altares a todo o exército dos céus nos dois átrios da casa do SENHOR.
6 E passou seus filhos por fogo no vale dos filhos de Hinom; e olhava adivinhações, predições supersticiosas, e feitiçarias, e consultava médiuns e interpretadores de espíritos; ele fez muito mal aos olhos do SENHOR, para irritar-lhe.
7 A mais disto pôs uma imagem de fundição, que fez, na casa de Deus, da qual havia dito Deus a Davi e a Salomão seu filho: Nesta casa e em Jerusalém, a qual eu escolhi sobre todas as tribos de Israel, porei meu nome para sempre:
8 E nunca mais tirarei o pé de Israel da terra que eu entreguei a vossos pais, a condição que guardem e façam todas as coisas que eu lhes ei mandado, toda a lei, estatutos, e ordenanças, por meio de Moisés.
9 Fez, pois, Manassés desviar-se a Judá e aos moradores de Jerusalém, para fazer mais mal que as nações que o SENHOR destruiu diante dos filhos de Israel.
10 E falou o SENHOR a Manassés e a seu povo, mas eles não escutaram:

[/su_spoiler]

Manassés é levado para a Babilônia, onde se humilha diante de Deus e é restaurado ao seu reino

Spoiler title

os generais do exército do rei dos assírios - Este rei era Esar-Haddon. Depois de ter dedicado os primeiros anos do seu reinado à consolidação do seu governo em casa, ele voltou sua atenção para reparar a perda das províncias tributárias a oeste do Eufrates, que, sobre o desastre e a morte de Senaqueribe, haviam aproveitado sacudindo o jugo assírio. Tendo invadido a Palestina e removido o remanescente que restara no reino de Israel, ele despachou seus generais, dos quais o principal era Tartã (Is 20:1), com uma porção de seu exército para a redução de Judá também. Em um ataque bem-sucedido contra Jerusalém, eles levaram multidões de cativos e receberam um grande prêmio, incluindo o próprio rei, entre os prisioneiros.

os quais aprisionaram com grilhões a Manassés - Isto pode significar, como é comumente suposto, que ele se escondeu entre um bosque de sarças e sarças. Sabemos que os hebreus às vezes se refugiavam de seus inimigos em moitas (1Sm 13:6). Mas, em vez do hebraico, "Bacochim}, "entre os espinhos"), algumas versões leram "Bechayim}, "entre os vivos", e assim a passagem seria "levou-o vivo".

acorrentado com correntes levaram-no a Babilônia - A palavra hebraica traduzida por “grilhões” denota apropriadamente duas cadeias de bronze. O estado humilhante em que Manasseh apareceu diante do monarca assírio pode ser julgado por uma foto em uma tabuinha no palácio de Khorsabad, representando prisioneiros conduzidos à presença do rei. “Os prisioneiros r) e apresentados parecem ser habitantes da Palestina. Atrás dos prisioneiros estão as pessoas com inscrições na parte inferior de suas túnicas; os dois primeiros são barbudos e parecem ser acusadores; os dois restantes são quase desfigurados; mas por trás do último aparece o eunuco, cuja função parece ser levar à presença do rei aqueles que têm permissão para aparecer diante dele. Ele é seguido por outra pessoa da mesma raça daqueles sob punição; suas mãos estão algemadas e, nos tornozelos, são fortes anéis presos juntos por uma barra pesada ”[Nínive e seus palácios]. Nenhum nome é dado e, portanto, nenhuma conclusão pode ser tirada de que a figura representa Manassés. Mas o povo parece ser hebreus, e essa cena pictórica nos permitirá imaginar a maneira pela qual o rei cativo de Judá foi recebido na corte da Babilônia. Esar-haddon havia estabelecido sua residência lá; pois, apesar das muitas revoltas que se seguiram à morte de seu pai, ele conseguiu a princípio apenas no trono da Assíria, mas ainda tendo algum tempo antes de conquistar Judá, recuperou a posse da Babilônia, esse rei empreendedor uniu sob seu domínio dois impérios de Babilônia e Caldéia e transferiu a sede de seu governo para a Babilônia.

12 Mas logo que foi posto em angústias, orou ante o SENHOR seu Deus, humilhado grandemente na presença do Deus de seus pais.

Mas logo que foi posto em angústias, orou ante o SENHOR seu Deus – Na solidão do exílio ou prisão, Manassés teve lazer para reflexão. As calamidades forçaram-lhe uma revisão de sua vida passada, sob a convicção de que as misérias de seu destronamento e condição de cativeiro eram devidas à sua terrível e inaudita apostasia (2Cr 33:7) do Deus de seus pais. Ele se humilhou, arrependeu-se e orou por uma oportunidade de produzir os frutos do arrependimento. Sua oração foi ouvida; pois seu conquistador não só o libertou, mas, após dois anos de “exílio”, restaurou-o, com honra e o pleno exercício do poder real, a um reino tributário e dependente. Alguns motivos políticos, sem dúvida, levaram o rei assírio a restaurar Manassés, e provavelmente seria o reino de Judá como uma barreira entre o Egito e seus domínios assírios. Mas Deus rejeitou essa medida para propósitos mais elevados. Manassés mostrou-se agora, pela influência da aflição santificada, um homem novo e melhor. Ele fez uma reversão completa de sua política anterior, não apenas destruindo todas as estátuas e altares idólatras que havia erigido anteriormente em Jerusalém, mas exibindo o mais fervoroso zelo em restaurar e encorajar a adoração a Deus.

13 E havendo a ele orado, foi atendido; pois que ouviu sua oração, e voltou-o a Jerusalém, a seu reino. Então conheceu Manassés que o SENHOR era Deus.
14 Depois disto edificou o muro de fora da cidade de Davi, ao ocidente de Giom, no vale, à entrada da porta do peixe, e cercou a Ofel, e levantou-o muito alto; e pôs capitães de exército em todas as cidades fortes por Judá.

edificou o muro de fora da cidade de Daviao ocidente de Giom, no vale, à entrada da porta do peixe – “A posição bem estabelecida do portão dos peixes, mostra que o vale de Giom não poderia ser outro senão o noroeste da porta de Damasco, e descendo suavemente para o sul, unindo-se ao tiranoe no canto nordeste do monte Sião, onde este gira em ângulo reto e corre em direção a Siloé. O muro assim construído por Manassés, no lado oeste do vale de Giom, se estenderia da vizinhança do canto nordeste da muralha de Sião, em direção ao norte, até atravessar o vale para formar uma junção com a muralha externa. a trincheira de Antonia, precisamente no bairro onde o templo seria mais facilmente assaltado ”[Barclay].

15 Também tirou os deuses alheios, e o ídolo da casa do SENHOR, e todos os altares que havia edificado no monte da casa do SENHOR e em Jerusalém, e lançou-os fora da cidade.
16 Reparou logo o altar do SENHOR, e sacrificou sobre ele sacrifícios pacíficos e de louvor; e mandou a Judá que servissem ao SENHOR Deus de Israel.
17 Porém o povo ainda sacrificava nos altos, ainda que somente ao SENHOR seu Deus.

Aqui parece que a adoração nos altos, embora tenha se originado em grande parte da prática do paganismo, e muitas vezes levado a isso, não implicam necessariamente idolatria.

18 Os demais dos feitos de Manassés, e sua oração a seu Deus, e as palavras dos videntes que lhe falaram em nome do SENHOR o Deus de Israel, eis que tudo está escrito nos feitos dos reis de Israel.
19 Sua oração também, e como foi ouvido, todos seus pecados, e sua transgressão, os lugares de onde edificou altos e havia posto bosques e ídolos antes que se humilhasse, eis que estas coisas estão escritas nas palavras dos videntes.

Manassés morre e Amom o sucede

20 E descansou Manassés com seus pais, e sepultaram-no em sua casa: e reinou em seu lugar Amom seu filho.

(Veja em 2Rs 21:19).

21 De vinte e dois anos era Amom quando começou a reinar, e dois anos reinou em Jerusalém.
22 E fez o que era mau em olhos do SENHOR, como havia feito Manassés seu pai: porque a todos os ídolos que seu pai Manassés havia feito, sacrificou e serviu Amom.
23 Mas nunca se humilhou diante do SENHOR, como se humilhou Manassés seu pai: antes aumentou o pecado.
24 E conspiraram contra ele seus servos, e mataram-no em sua casa.
25 Mas o povo da terra feriu a todos os que haviam conspirado contra o rei Amom; e o povo da terra pôs por rei em seu lugar a Josias seu filho.
<2 Crônicas 32 2 Crônicas 34>

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles - fevereiro de 2018.