Bíblia, Revisar

Amós 9

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Vi o Senhor que estava sobre o altar, e disse: Fere o topo das colunas, para que se estremeçam os umbrais; despedaça-os sobre as cabeça de todos; e os últimos deles matarei à espada; não haverá entre eles que fuja, nem quem se livre.

Am 9: 1-15. Quinta e última visão.

Ninguém pode escapar do julgamento vindouro em qualquer esconderijo: pois Deus é onipresente e irresistível (Am 9:1-6). Como reino, Israel perecerá como se nunca houvesse feito aliança com Ele; mas, como indivíduos, a casa de Jacó não perecerá totalmente, ou melhor, nem um dos menores dos justos cairá, mas somente todos os pecadores (Am 9:7-10). Restauração dos judeus, finalmente, para sua própria terra após o restabelecimento do tabernáculo caído de Davi; consequente conversão de todos os pagãos (Am 9:11-15).

Senhorsobre o altar – isto é, no templo idólatra de Betel; os bezerros de que foi falado em Am 8:14. Eles fugiriam para se proteger dos assírios e pereceriam nas ruínas, com o objeto vã de sua confiança (Henderson). Jeová está aqui para dirigir a destruição deles, deles e da nação idólatra. Ele exige muitas vítimas no altar, mas elas devem ser vítimas humanas. Calvino e Fairbairn, e outros, chegam ao templo em Jerusalém. O julgamento foi para descer tanto em Israel quanto em Judá. Como os serviços de ambos deveriam ter sido oferecidos no altar-templo de Jerusalém, é lá que Jeová permanece idealmente, como se todo o povo estivesse reunido lá, suas abominações mentindo sem perdão ali, e clamando por vingança, embora de fato cometida. em outro lugar (compare Ez 8:1-18). Essa visão se harmoniza com a semelhança da visão de Amós com a de Is 6:1-13, em Jerusalém. Também com o fim deste capítulo (Am 9:11-15), que se aplica tanto a Judá quanto a Israel: “o tabernáculo de Davi”, isto é, em Jerusalém. Sua atitude, “em pé”, implica em fixidez de propósito.

lintel – sim, a capital semelhante a esfera da coluna (Maurer)

posts – em vez disso, “limiares”, como em Is 6:4, Margem. O templo deve ser ferido abaixo e acima, para garantir a destruição total.

despedaça-os sobre as cabeça – ou seja, com os fragmentos quebrados das capitais e colunas (compare Sl 68:21; Hb 3:13).

os últimos deles matarei à espada – a sua posteridade (Henderson). Os sobreviventes (Maurer) As instruções de Jeová são dirigidas a Seus anjos, ministros do juízo (compare Ez 9:1-11).

aquele que foge … não deve fugir – Aquele que se imagina seguro e fora do alcance do inimigo será tomado (Am 2:14).

2 Ainda que cavassem até o Xeol, dali minha mão os tirará; e se subissem até o céu, dali os farei descer.

Ainda que cavassem até o Xeol – embora eles se escondam tão profundamente na terra (Sl 139:8).

se subissem até o céu – embora subam as maiores alturas (Jó 20:6-7; Jr 51:53; Ob 1:4).

3 E se se escondessem no topo do Carmelo, ali eu os buscaria e os tomaria; e ainda que se escondessem de diante de meus olhos no fundo do mar, até ali mandia uma serpente para os morder.

Carmelo – onde as florestas e, no lado oeste, as cavernas, forneceu esconderijos (Am 1:2; Jz 6:2; 1Sm 13:6).

do mar – o Mediterrâneo, que corre ao pé do Monte Carmelo; formando uma forte antítese a ele.

mandia uma serpente – a serpente do mar, termo usado para qualquer grande monstro aquático (Is 27:1). O símbolo de reis cruéis e opressivos (Sl 74:13-14).

4 E se forem levados em cativeiro diante de seus inimigos, ali mandarei a espada que os matará; e porei meus olhos sobre eles para o mal, e não para o bem.

E se forem levados em cativeiro – na esperança de salvar suas vidas voluntariamente se entregando ao inimigo.

5 Pois o Senhor DEUS dos exércitos é o que toca a terra, e ela se derrete, e choram todos os que nela moram; ela toda subirá como um rio, e se afundará como o rio do Egito.

Como Amós ameaçou que em nenhum lugar os israelitas deveriam estar a salvo dos juízos divinos, ele mostra aqui a capacidade onipotente de Deus para executar Suas ameaças. Assim, no caso da ameaça em Am 8:8, Deus é aqui declarado como a primeira causa do luto de “todos os que habitam” na terra, e da sua ascensão “como uma inundação, e do seu afogamento”. como na enchente do Egito ”.

6 Ele edificou suas câmaras no céu, e fundou seu alicerce sobre a terra; ele chama as águas do mar e as derrama sobre a terra. EU-SOU é o seu nome.

histórias – literalmente, “subidas”, isto é, câmaras superiores, às quais a subida é por degraus [Maurer]; evidentemente referindo-se às palavras no Sl 104:3,13. Grotius explica, o trono real de Deus, expresso em linguagem tirada do trono de Salomão, para o qual a subida foi por etapas (compare 1Rs 10:18-19).

fundou seu alicerce – ou seja, todas as criaturas animadas, que são a tropa de Deus, ou host (Gn 2:1), fazendo a sua vontade (Sl 103:20-21; Jl 2:11). Maurer traduz: “Sua abóbada”, isto é, o céu abobadado, que parece estar sobre a terra apoiado pelo horizonte.

7 Vós, filhos de Israel, por acaso não sois para mim como os filhos de Etíopes? Diz o SENHOR. Por acaso eu não fiz subir a Israel desde a terra do Egito, assim como os filisteus desde Caftor, e os sírios desde Quir?

para mim, por maiores que pareçam. Não confie em privilégios anteriores, e em ter-te livrado do Egito, como se, portanto, eu nunca te removesse de Canaã. Eu não faço mais conta de você do que do etíope (compare Jr 13:23). “Não fiz eu (quem) te tirou do Egito”, feito tanto para os outros povos? Por exemplo, eu não trouxe “os filisteus (ver em Is 14:29, etc.) de Caftor (compare Dt 2:23; veja em Jr 47:4), onde eles tinham sido servos, e os sírios de Quir? ”É apropriado que, como os sírios migraram para a Síria de Quir (compare Nota, ver em Is 22:6), então eles devem ser levados cativos para a mesma terra (ver em Am 1:15; 2Rs 16:9), assim como em outros lugares Israel está ameaçado com um retorno ao Egito de onde eles foram entregues. Os “etíopes”, hebraico, “cuchitas”, eram originalmente parecidos com a raça que fundou a Babilônia: as inscrições cuneiformes confirmavam independentemente a declaração da Escritura (Gn 10:6,8,10).

8 Eis que os olhos do Senhor DEUS estão contra este reino pecador, e eu o exterminarei da face da terra; mas não exterminarei por completo a casa de Jacó, diz o SENHOR.

este reino pecador – isto é, eu estou assistindo todo o seu curso pecaminoso, a fim de puni-lo (compare Am 9:4; Sl 34:15-16).

não exterminarei por completo a casa de Jacó – Embora como um “reino” a nação esteja agora totalmente a perecer, um remanescente deve ser poupado para “Jacó”, o amor de seu antepassado (compare Jr 30:11); para cumprir o pacto pelo qual “a semente de Israel” é daqui por diante “uma nação para sempre” (Jr 31:36).

9 Porque eis que dou ordem para que a casa de Israel seja cirandada entre todas as nações, assim como o grão é cirandado na peneira, e nenhum grão cairá na terra.

cirandado na peneira – farei com que os israelitas sejam atirados por todas as nações como o milho é sacudido em uma peneira, de tal modo, no entanto, que enquanto o joio e o pó (o ímpio) caem (perecem), todos os grãos sólidos (os eleitos piedosos) permanecem (são preservados), (Rm 11:26; compare Nota, veja em Jr 3:14). Assim, a segurança final de Israel espiritual é assegurada (Lc 22:32; Jo 10:28; 6:39).

10 Morrerão à espada todos os pecadores de meu povo, que dizem: O mal não chegará a nós, nem nos encontrará.

todos os pecadores – respondendo ao joio na imagem em Am 9:9, que cai sobre a terra, em oposição “ao grão” que não “cai”.

ultrapassar … nós – “venha sobre nós por trás” (Maurer)

11 Naquele dia voltarei a levantar a caída tenda de Davi; fecharei seus brechas, repararei suas ruínas, e a reconstruirei como nos dias antigos,

Naquele dia – citado por Tiago (At 15:16-17), “Depois disto”, isto é, na dispensação do Messias (Gn 49:10; Os 3:4-5; Jl 2:28; 3:1).

tenda de Davi – não “a casa de Davi”, que é usado em seus negócios quando prospera (2Sm 3:1), mas a tenda ou cabana, expressando a baixa condição para a qual seu reino e família haviam caído no tempo de Amós e, posteriormente, no cativeiro babilônico antes da restauração; e secundariamente, nos últimos dias que precedem a restauração de Israel sob o Messias, o antítipo de Davi (Sl 102:13-14; Jr 30:9; 34:24; 37:24; ver em Is 11:1). O tipo é tirado da arquitetura (Ef 2:20). A restauração sob Zerubabel só pode ser um cumprimento parcial e temporário; pois não incluía Israel, que nação é o assunto principal das “profecias” de Amós, mas apenas de Judá; também o reino de Zerubbabel não era independente e estabelecido; também todos os profetas terminam suas profecias com o Messias, cujo advento é a cura de todas as desordens anteriores. O “Tabernáculo” é apropriado para Ele, pois Sua natureza humana é o tabernáculo que Ele assumiu ao tornar-se Emanuel, “Deus conosco” (Jo 1:14). “Morava”, literalmente, habitou “entre nós” (compare Ap 21:3). Alguns entendem “o tabernáculo de Davi” como aquilo que Davi armou para a arca em Sião, depois de trazê-la da casa de Obed-edom. Permaneceu lá todo o seu reinado por trinta anos, até que o templo de Salomão foi construído, enquanto o “tabernáculo da congregação” permaneceu em Gibeão (2Cr 1:3), onde os sacerdotes ministravam em sacrifícios (1Cr 16:39) . Canção e louvor era o serviço dos assistentes de Davi diante da arca (Asafe, etc.): um tipo de separação do evangelho entre o serviço sacrificial (o sacerdócio do Messias agora no céu) e o acesso dos crentes na terra à presença de Deus, além do primeiro (compare 2Sm 6:12-17; 1Cr 16:37-39; 2Cr 1:3).

violações disso – literalmente, “deles”, isto é, de toda a nação, Israel, bem como Judá.

como nos dias antigos – como antigamente nos dias de Davi e Salomão, quando o reino estava em toda sua extensão e indivisível.

12 Para que tomem posse do restante de Edom, e todas as nações que se chamam pelo meu nome, diz o SENHOR, que faz isto.

do restante de Edom, e todas as nações – “Edom”, o inimigo amargo, embora o irmão, de Israel; portanto, para ser castigado (Am 1:11-12), Israel será o senhor do “remanescente” de Edom, deixado após a punição do último. Tiago cita: “Que o restante dos homens possa buscar o Senhor e todos os gentios”, etc. Pois “todas as nações pagãs” estão em pé de igualdade com Edom: Edom é o representante de todos eles. O resíduo ou remanescente em ambos os casos expressa aqueles que ficaram após grandes calamidades antecedentes (Rm 9:27; Zc 14:16). Aqui a conversão de “todas as nações” (da qual o penhor foi dado no tempo de Tiago) é representada como apenas para ser realizada no restabelecimento da teocracia sob o Messias, o herdeiro do trono de Davi (Am 9:11). A posse das nações pagãs por Israel é para ser espiritual, sendo estes últimos ministros aos primeiros para sua conversão ao Messias, Rei dos Judeus; Assim como as primeiras conversões de pagãos foram através do ministério dos apóstolos, que eram judeus. Compare Is 54:3, “a tua descendência herdará os gentios” (compare Is 49:8; Rm 4:13). Um remanescente de Edom tornou-se judeu sob o reinado de João Hircano e o resto se fundiu com os árabes, que se tornaram cristãos posteriormente.
que são chamados pelo meu nome – isto é, que pertencem a mim, a quem eu reivindico como meu (Sl 2:8); nos propósitos de eleger a graça, Deus os denomina já chamados pelo Seu nome. Compare o título “os filhos”, aplicado por antecipação, Hb 2:14. Por isso, como um ato de graça soberana, cumprindo sua promessa, é falado de Deus. Proclame Seu título como soberano, “o Senhor que faz isto” (“todas estas coisas”, At 15:17, ou seja, todos esses e tais atos de soberano amor).

13 Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que o que ara alcançará ao que colhe, e o que pisa as uvas ao que leva a semente; e os montes destilarão suco de uva, e todos os morros se derreterão.

Eis que vêm dias – na futura restauração dos judeus à sua própria terra.

em que o que ara alcançará ao que colhe, e o que pisa as uvas ao que leva a semente – cumprindo Lv 26:5. Tal será a abundância que a colheita e o vindouro dificilmente poderão ser reunidos antes que o tempo para se preparar para a próxima colheita venha. Em vez de a maior parte do ano ser gasto na guerra, o todo será gasto na semeadura e na colheita dos frutos da terra. Compare Is 65:21-23, como para o mesmo período.

Semeia a semente – literalmente, “tira-a”, isto é, do saco a fim de semeá-la.

montes destilarão suco de uva – uma imagem apropriada, como as videiras na Palestina foram treinadas em terraços nos lados das colinas.

14 E restaurarei meu povo Isarael de seu infortúnio; então reconstruirão as cidades assoladas, e nelas habitarão; e plantarão vinhas, e beberão o vinho delas; e farão jardins, e comerão o fruto deles.

construa as cidades residuais – (Is 61:4; Ez 36:33-36).

15 Pois eu os plantarei em sua terra, e nunca mais serão arrancados de sua terra, que eu lhes dei, diz o SENHOR, teu Deus.

não mais ser puxado para cima – (Jr 32:41).

teu Deus – de Israel; esta é a base de sua restauração, a escolha original de Deus deles como Sua.

<Amós 8 Obadias 1>

Leia também uma introdução ao Livro de Amós.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados