Bíblia, Revisar

Isaías 49

1 Ouvi-me, terras costeiras, e escutai, vós povos de longe; o SENHOR me chamou desde o ventre, desde as entranhas de minha mãe ele fez menção do meu nome;

Is 49: 1-26. Semelhante ao capítulo 42: 1-7 (Is 49: 1-9).

O Messias, como o Israel ideal (Is 49:3), declara o objetivo de Sua missão, Sua falta de sucesso por um tempo, mas Sua certeza do sucesso final.

terras costeiras – o Messias é aqui considerado como tendo sido rejeitado pelos judeus (Is 49:4-5), e agora voltando-se para os gentios, a quem o Pai Lhe deu “por uma luz e salvação”. Ilhas ”significa todas as regiões além do mar.

do ventre – (Is 44:2; Lc 1:31; Jo 10:36).

de… intestinos… menção do meu nome – Seu nome “Jesus” (isto é, Deus-Salvador) foi designado por Deus antes de Seu nascimento (Mt 1:21).

2 E fez da minha boca como uma espada afiada, com a sombra de sua mão ele me cobriu; e me pôs como uma flecha polida, e me guardou em sua aljava.

espada – (Is 11:4; Ap 19:15). O duplo ofício da Palavra de Deus, salvador e condenatório, está implícito (Is 50:5; Jo 12:48; Hb 4:12).

eixo – (Sl 45:5). “Polido”, isto é, livre de toda ferrugem, implica Sua pureza imaculada.

em … tremor … me escondeu – Como uma espada em sua bainha, ou uma flecha na aljava, o Messias, antes de Seu aparecimento, estava oculto a Deus, pronto para ser lançado no momento em que Deus quisesse [Hengstenberg]; também sempre protegido por Deus, como a flecha da aljava (Is 51:16).

3 E me disse: Tu és meu servo, Israel, por quem serei glorificado.

Israel – aplicado ao Messias, de acordo com a verdadeira importância do nome, o Príncipe que tinha poder com Deus na luta em favor do homem, e que prevalece (Gn 32:28; Os 12:3-4). Ele é também o ideal Israel, o homem representativo da nação (compare Mt 2:15 com Os 11:1).

em quem … glorificou – (Jo 14:13; 17:1-5).

4 Porém eu disse: Inutilmente tenho trabalhado; por nada e em vão gastei minhas forças; todavia meu direito está perante o SENHOR, e minha recompensa perante meu Deus.

Eu – Messias.

em vão – comparativamente no caso do maior número de seus próprios compatriotas. “Ele veio para os seus e os seus não o receberam” (Is 53:1-3; Lc 19:14; Jo 1:11; 7:5). Apenas cento e vinte discípulos se encontraram depois que Seu ministério pessoal foi encerrado (At 1:15).

todavia meu direito está perante o SENHOR – Em última análise, Deus fará justiça à Minha causa e recompensará (Margem para “trabalho”, compare Is 40:10; 62:11) Meus trabalhos e sofrimentos. Ele nunca foi “desencorajado” (Is 42:4; 50:7,10). Ele calmamente, apesar do aparente mau êxito para a época, deixou o resultado com Deus, confiante no triunfo final (Is 53:10-12; 1Pe 2:23). Então os ministros de Cristo (1Co 4:1-5,19).

5 E agora diz o SENHOR, que me formou desde o ventre para si por servo, que trazer Jacó de volta a si; porém Israel não se deixará ajuntar; contudo, nos olhos do SENHOR serei honrado, e meu Deus será minha força.

A razão pela qual Ele estava confiante de que Sua obra seria aceita e recompensada, isto é, porque Ele é “glorioso aos olhos de Jeová”, etc.

trazer Jacó de novo para ele – (Mt 15:24; At 3:26).

porém Israel não se deixará ajuntar – metáfora de um rebanho disperso que o pastor reúne novamente; ou uma galinha e suas galinhas (Mt 23:37). Em vez do texto “não”, o Keri tem a palavra hebraica semelhante, “a ele”, que o paralelismo favorece: “E que Israel pode ser reunido a ele.”

ainda sim, entre parênteses. “Porque eu sou glorioso, etc., e o meu Deus é a minha força.” Então (Is 49:6) retomando as palavras do começo de Is 49:5, “ele diz” (eu repito), etc. “Não obstante a incredulidade dos judeus, o Messias será glorificado na conversão dos gentios”, mas se o Keri for lido, “Israel será reunido uma vez ou outra, apesar de sua incredulidade durante o tempo do Messias. estada na terra.

6 Disse também: É pouco demais que sejas meu servo apenas para restaurares as tribos de Jacó e restabeleceres os sobreviventes de Israel; eu também te dei como luz das nações, para seres minha salvação até o limite da terra.

É uma coisa leve – “É muito pouco que Tu deves”, [Hengstenberg], isto é, não é honra suficiente para Ti levantar Jacob e Israel, mas eu designo para Ti mais, a saber, que Tu deves ser os meios de iluminar os gentios (Is 42:6-7; 60:3).

os preservados – aqueles remanescentes dos julgamentos de Deus sobre a nação – os remanescentes eleitos de Israel reservados à misericórdia. Lowth, com uma ligeira mas desnecessária mudança do hebraico, traduz para “tribos” e “preservadas”, os “descendentes” – os “ramos”.

7 Assim diz o SENHOR, o Redentor de Israel, seu Santo, à alma desprezada, ao que a nação abomina, ao servo dos que dominam: Reis o verão e se levantarão, príncipes também ; e eles se prostrarão por causa do SENHOR, que é fiel, por causa do Santo de Israel, que te escolheu.

a quem o homem despreza – hebreu, “o desprezado da alma”, isto é, por toda alma, por todos os homens (Is 52:14-15; 53:3; 50:6-9; 22:6). Lowth traduz: “cuja pessoa é desprezada”.

abhorreth – literalmente, “que é uma abominação para a nação” (Lc 23:18-23). Os judeus chamam-no desdenhosamente sempre “Tolvi}, “o crucificado”. Eu prefiro, por causa de “Goi}, o termo hebraico para nação sendo usualmente aplicado aos gentios, e isso para pessoas para os judeus (Os 1:9, de modo que os termos gregos respectivamente “Laos} e “Ethne}, Rm 9:25), para levar “nação” aqui coletivamente para o mundo gentio, que também O desprezou (Sl 2:1-3; At 4:25-27).

servo) dos governantes – (Mt 17:27). Aquele que não quis exercer o seu poder contra os governantes (Mt 26:52-53).

deve ver – ou seja, o cumprimento de prois mises de Deus (Is 49:3,6), “quando Ele (shal) l ser) uma luz para os gentios”.

Levante-se – para reverenciar-te (Sl 72:10-11; Fp 2:10).

príncipes também – pelo contrário, para o paralelismo, fornecer as reticências, assim, “Príncipes devem ver e devem adorar.”

fiel – a saber, às suas promessas.

escolha você – como os eleitos de Deus (Is 42:1).

8 Assim diz o SENHOR: No tempo do favor eu te ouvi, e no dia da salvação eu te ajudei; e eu te guardarei, e te darei por pacto do povo, para restaurares a terra, para fazer tomar posse das propriedades assoladas;

O Messias é representado como tendo pedido a graça de Deus em favor dos pecadores; este versículo contém a resposta favorável de Deus ao Pai.

No tempo do favor – “Em tempo de graça” [Hengstenberg]. Um tempo limitado (Is 61:2; 2Co 6:2). O tempo julgado por Deus para ser o mais adequado para realizar os propósitos da Sua graça pelo Messias.

te ouvi – (Sl 2:8; Hb 5:7).

dia da salvação – quando “a plenitude do tempo” (Gl 4:4) deve ter chegado. O dia da salvação é “hoje” (Hb 4:7).

ajudei – dando-lhe a ajuda necessária para permitir que você, como homem, realize a salvação do homem.

preservar – dos assaltos e esforços de Satanás, para desviar-te da tua morte voluntária para salvar o homem.

pacto do povo – (Veja em Is 42:6). “O povo”, no singular, é sempre aplicado exclusivamente a Israel.

para restaurares a terra – em vez disso, “para restaurar a terra”, isto é, Canaã para Israel. Espiritualmente, a restauração da Igreja (o Israel espiritual) para a terra celestial perdida pelo pecado do homem também está incluída.

para fazer tomar posse das propriedades assoladas – imagem do estado desolado da Judéia durante o cativeiro babilônico. Espiritualmente, o mundo gentio, um desperdício moral, se tornará um jardim do Senhor. Literalmente, a Judéia, desolada por séculos, será possuída novamente por Israel (compare Is 61:7, “em sua terra”). Jesus, o antítipo de e tendo o mesmo nome de Josué (Hb 4:8), deve, como ele, dividir a terra entre seus verdadeiros herdeiros (Is 54:3; 61:4).

9 Para que tu digas aos presos: Saí; e aos que estão em trevas: Aparecei; eles se alimentarão nos caminhos, e em todos os lugares altos haverá pasto para eles.

(Is 42: 7; Zc 9:12).

prisioneiros – os judeus ligados em servidão legal.

Eles… na escuridão – os gentios não têm luz como o próprio Deus verdadeiro (Vitringa).

Você pode ver, mas é visto (Mt 5:16; Mc 5:19). Saia da sua escuridão para a luz do sol da justiça.

nos caminhos – No deserto não há caminhos, nem “altos”, com pastos; Assim, o sentido é: “Eles são seus pastos, não em desertos, mas em lugares cultivados e habitados”. Deixando lado a figura, como as igrejas de Cristo não se reuniram, não em regiões obscuras e desconhecidas, mas não partes mais populosas do império romano, Antioquia, Alexandria, Roma, etc. (Vitringa). Outro sentido provável é correto. Israel, em seu caminho de volta à Terra Santa, não deve desviar-se para os caminhos desestabelecidos em busca de bens necessários, mas deve-se procurar todos os lugares onde quer que se encontre; então Rosenmuller. Deus é suprimido como Ele mesmo faz uma caminhada nos caminhos pisoteados e nos altos lugares estéreis.

10 Nunca terão fome nem sede; nem o calor, nem o sol os afligirá; porque aquele que se compadece deles os guiará, e os levará mansamente a mananciais de águas.

O Messias satisfará abundantemente todas as necessidades, tanto do Israel literal em seu caminho para a Palestina, e do espiritual em seu caminho para o céu, como seu Pastor (Is 65:13; Mt 5:6), também no céu (Ap 7:16-17).

11 E farei com que todos os meus montes se tornem um caminho; e minhas estradas serão levantadas.

meu – Todas as coisas são de Deus.

montanhas um caminho – vou remover todas as obstruções fora do caminho (Is 40:4).

levantadas – isto é, expulso (Is 57:14; 62:10); por exemplo, sobre vales. Vitringa explica “montanhas” como grandes reinos, Egito, Síria, etc., sujeitos a Roma, para facilitar a divulgação do Evangelho; “Estradas”, a doutrina cristã em que aqueles que se juntam à Igreja caminham e que, na época de Constantino, deveria ser elevada à proeminência antes de todos, e publicamente protegida (Is 35:8-9).

12 Eis que estes virão de longe; e eis que alguns do norte, e do ocidente, e outros da terra de Sinim.

Sinim – Os árabes e outros asiáticos, chamados China Sin, ou Tchin; os chineses não tinham nome especial para si, mas ou adotaram a da dinastia reinante ou alguns títulos de alta sonoridade. Essa visão de “Sinim” se encaixa no contexto que requer que um povo seja “longe” e distinto daqueles “do norte e do oeste” (Gesenius).

13 Cantai de júbilo, ó céus, e alegra-te tu, ó terra; e vós montes, gritai de alegria; porque o SENHOR consolou a seu povo, e terá compaixão de seus aflitos.

Então, Ap 12:12. Deus terá misericórdia dos aflitos por causa de Sua compaixão; em seu aflito, por causa de sua aliança.

14 Mas Sião diz: O SENHOR me desamparou; e o Senhor se esqueceu de mim.

Sião – a queixa literal de Israel, como se Deus a tivesse abandonado no cativeiro babilônico; também em sua dispersão anterior à sua futura restauração; por isso, a misericórdia de Deus será invocada (Is 63:15-19; Sl 77:9-10; 102:17).

15 Pode, por acaso, uma mulher se esquecer do filho que ainda amamenta, de modo que não se compadeça do filho de seu próprio ventre? Ainda que elas se esquecessem, contudo, eu não me esquecerei de ti.
16 Eis que eu te tenho escrito nas minhas palmas de ambas as mãos; teus muros estão continuamente perante mim.

Aludindo ao costume dos judeus (talvez extraído de Êx 13:9) de perfurarem em suas mãos uma representação de sua cidade e templo, em sinal de zelo por eles [Lowth], (Cantares de Salomão 8: 6).

17 Teus filhos depressa virão; e teus destruidores e teus assoladores sairão de ti.

Teus filhos – Israel (Is 49:20-21; 43:6). Jerônimo lê, por “teus filhos”, “teus construtores”; os que te destruíram se apressarão a edificar-te.

pressa – para reconstruir tua capital desolada.

sairá: os teus destruidores deixarão a Judéia a Israel em possessão ininterrupta.

18 Levanta teus olhos ao redor e olha; todos estes que se ajuntam vêm a ti; tão certo como eu vivo, diz o SENHOR, que de todos estes te vestirás, como de ornamento, e vestirás deles ao teu redor, como uma noiva.

Como Sião é frequentemente comparado a uma noiva (Is 54:5), a ascensão dos convertidos é como ornamentos nupciais (“jóias”, Is 62:3; Ml 3:17). Seus filhos literais são, no entanto, mais imediatamente significados, pois o contexto se refere à sua restauração; e apenas secundariamente aos seus filhos espirituais pela conversão a Cristo. Israel será o meio da conversão completa final das nações (Mq 5:7; Rm 11:12,15).

como uma noiva – ou seja, liga-se a seus ornamentos.

19 Pois ainda que teus desertos sejam lugares solitários, e tua terra esteja destruída, agora te verás apertada de moradores, e os que te consumiram se afastarão para longe de ti.

terra da tua destruição – tua terra uma vez a cena da destruição.

muito estreito – (Is 54:1-2; Zc 10:10).

20 Até mesmo os filhos que nascerem depois de teres perdido os primeiros dirão aos teus ouvidos: Este lugar é muito apertado para mim! Dá-me espaço para que eu possa habitar.

depois … outros – antes, “os filhos da tua viuvez”, isto é, os filhos dos quais foste destituído durante a sua dispersão em outras terras (ver em Is 47:8) (Maurer)

novamente – em vez disso, “ainda”.

Dá-me espaço – em vez disso, “fique perto de mim”, ou seja, a fim de que possamos ser os mais capazes de habitar no lugar estreito [Horsley]. Compare com os filhos espirituais de Israel e a extensão da esfera do evangelho, Rm 15:19,24; 2Co 10:14-16. Mas Is 49:22 (compare Is 66:20) mostra que seus filhos literais são primariamente destinados. Gesenius traduz: “abrir espaço”.

21 E dirás em teu coração: Quem a estes me gerou? Pois eu estava sem filhos e solitária; quem, pois, me criou a estes? Eis que eu fui deixada sozinha; e estes, onde estavam?

Quem – a alegre surpresa de Sião pela inesperada restauração das dez tribos. Secundariamente, a ascensão dos israelitas espirituais à igreja mãe de Jerusalém dos gentios é significada. Isso gerou surpresa a princípio (At 10:45; 14:27; 15:3-4).

perdido… estou desolado, um cativo, e removendo para lá e para cá – em vez disso, “enlutados de… foram estéreis, um exilado e marginalizado” [Horsley]. Ela havia sido “repudiada” por Jeová, seu marido (Is 50:1); daí sua admiração pelas crianças geradas por ela.

22 Assim diz o Senhor DEUS: Eis que levantarei minha mão às nações, e erguerei minha bandeira aos povos; então trarão teus filhos nos braços, e tuas filhas serão levadas sobre os ombros.

mão – isto é, acenar para (ver em Is 13:2).

padrão – (Is 11:12).

trarão teus filhos nos braços – Os gentios ajudarão a restaurar Israel à sua própria terra (Is 60:4; 66:20). As crianças capazes de se sustentar são levadas sobre os ombros no Oriente; mas bebês, nos braços, ou montados em um coxo (Is 60:12). “Teus filhos” devem ser distintos dos “gentios”, que os carregam; e, portanto, não pode referir-se principalmente aos convertidos entre os gentios.

23 E reis serão teus tutores, e suas princesas tuas amas; perante ti se inclinarão com o rosto em terra, e lamberão o pó de teus pés; e saberás que eu sou o SENHOR; aqueles que esperam por mim não serão envergonhados.

poeira – isto é, beije seus pés em sinal de humilde submissão.

pois eles … não … envergonhados … esperam por mim – A restauração de Israel será uma resposta à sua espera em oração no Senhor (Is 30:18-19; Sl 102:16-17; Zc 12:10; 14:3).

24 Pode, por acaso, se tirar a presa de um guerreiro, ou fazer escapar os presos capturados por um justo?

a presa – Israel, presa há muito tempo das poderosas nações gentias, cuja opressão dela alcançará seu ponto mais alto sob o Anticristo (Dn 11:36-37,41,45).

presos capturados – os judeus justamente consignados por seus pecados (Is 50:1) como cativos ao inimigo. Secundariamente, Satanás e a Morte são “os poderosos” conquistadores do homem, sobre os quais seu pecado lhes dá sua reivindicação “legal”. Cristo responde a essa reivindicação pelos pecadores, e assim o cativo é libertado (Jó 19:25; 14:14; Mt 12:29; Os 6:2, onde Is 49:4 mostra que a referência primária é a de Israel restauração, à qual corresponde a ressurreição: Is 26:19; Ef 4:8; Hb 2:14-15). Outros não tão bem traduzem “os cativos retirados de entre os justos israelitas”.

25 Porém assim diz o SENHOR: Sim, os presos serão tirados do valente, e a presa do tirano escapará; porque eu brigarei com os que brigam contigo, e resgatarei teus filhos.

(Is 53:12; Sl 68:18; Cl 2:15).

contenda com ele, etc. – (Is 54:17).

26 E darei de comer a teus opressores sua própria carne, e com seu próprio sangue se embriagarão, como com vinho; e todos saberão que eu sou o SENHOR teu Salvador, e teu Redentor, o Poderoso de Jacó.

própria carne – uma frase para as lutas internas (Is 9:20).

sangue próprio – uma justa retribuição por terem derramado o sangue dos servos de Deus (Ap 16:6).

vinho doce – isto é, deve, ou vinho novo, o suco puro que flui do amontoado de uvas antes de serem prensadas; os antigos podiam preservá-lo por um longo tempo, de modo a manter seu sabor. Era tão leve que exigia uma grande quantidade para intoxicar; Assim, a ideia aqui é que muito sangue seria derramado (Ap 14:10,20).

toda a carne deve, etc. – o efeito no mundo dos juízos de Deus (Is 66:15-16,18-19; Ap 15:3-4).

<Isaías 48 Isaías 50>

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.