Isaías 42

Messias, o antítipo de Ciro

1 Eis aqui meu servo, a quem sustento; meu escolhido, em quem minha alma se agrada. Sobre ele eu pus o meu Espírito; ele trará justiça às nações.

Comentário de A. R. Fausset

Uma descrição de Deus do seu caráter (Isaías 42:1-4). Deus se dirige diretamente a Ele (Isaías 42:5-7). Discurso ao povo para prestar atenção ao assunto (Isaías 42:8-9). Chame a todos, e especialmente aos judeus exilados, que se alegrem na libertação vindoura (Isaías 42:10-25).

meu servo – A lei da sugestão profética leva Isaías de Ciro ao Libertador muito maior, atrás de quem o primeiro é perdido de vista. A citação expressa em Mateus 12:18-20, e a descrição pode se aplicar somente ao Messias (Salmo 40:6; com o qual compara Êxodo 21:6; Jo 6:38; Filipenses 2:7). Israel, também, em seu mais alto ideal, é chamado de “servo” de Deus (Isaías 49:3). Mas esse ideal é realizado apenas no antitípico Israel, seu representante homem e Cabeça, Messias (compare Mateus 2:15, com Oséias 11:1). “Servo” foi a posição assumida pelo Filho de Deus durante toda a Sua humilhação.

escolhido – escolhido por Deus antes da fundação do mundo para uma expiação (1Pedro 1:20; Apocalipse 13:8). Redenção não foi uma reflexão tardia para remediar um mal imprevisto (Romanos 16:25-26, Efésios 3:9,11; 2Timóteo 1:9-10; Tito 1:2-3). Em Mateus 12:18 é traduzido “Meu amado”; o único Filho amado, amado em um sentido distinto de todos os outros. A eleição e o amor de Deus estão inseparavelmente unidos.

alma – uma frase humana aplicada a Deus, por causa da intenção de união da humanidade com a Divindade: “Eu Mesmo”.

se agrada – está bem satisfeito e aceita como propiciação. Deus poderia ter “deleitado” em nenhum ser criado como mediador (compare Isaías 42:21; 63:5; Mateus 3:17).

Sobre ele eu pus o meu Espírito – (Isaías 11:2; 61:1; Lucas 4:18; Jo 3:34).

justiça – a dispensação do evangelho, fundada na justiça, o cânon do governo divino e o princípio do julgamento chamado “a lei” (Isaías 2:3; compare com Isaías 42:4; 51:4; 49:6). O evangelho tem um efeito judicial discriminador: salvar aos apendidos; condenatória para Satanás, o inimigo (Jo 12:31; 16:11) e o intencionalmente impenitente (Jo 9:39). Mateus 12:18 tem, “Ele mostrará”, pois “Ele trará”, ou “faça sair”. Cristo produziu e anunciou Seu “julgamento”. [JFB]

2 Ele não gritará, nem levantará seu clamor; ele não fará ouvir sua voz nas ruas.

Comentário Whedon

Aqui o trabalho do Messias é descrito como sendo discreto e sem chamar a atenção para si. Ele não busca ser conhecido gritando ou clamando pelas ruas. Se trabalha, trabalha em silêncio; se sofre, ele sofre em silêncio. Veja Isaías 58:4; Mateus 6:5; 12:16. [Whedon, 1874]

3 A cana rachada ele não quebrará, nem apagará o pavio que fumega; com a verdade ele trará justiça.

Comentário de A. R. Fausset

A cana rachada ele não quebrará. “Agradou ao Senhor que o ferisse” (Isaías 53:5,10; Gênesis 3:15); para que Ele possa sentir as feridas. Como Isaías 42:2 descreveu Seu espírito inabalável para com Seus inimigos violentos (Mateus 12:14-16), e Sua total liberdade do amor à notoriedade, assim Isaías 42:3, Sua ternura em nutrir a primeira centelha de graça no penitente (Isaías 40:11).

nem apagará o pavio que fumega – formado de linho. O crente é a lâmpada (assim, o grego, Mateus 5:15; Jo 5:35): sua consciência iluminada pelo Espírito Santo é o pavio. “fumega” significa “vagamente queimado”, “ardente”, a chama não extinta. Isso expressa o lado positivo da religião do arrependido; como “cana rachada”, o negativo. De coração partido em si mesmo, mas não sem alguma centelha de fogo: literalmente, “de cima”. Cristo suprirá tal pessoa com graça como com óleo. Além disso, a luz da natureza que arde nos gentios em meio aos fumaça do erro, Ele não apenas não apagou, mas limpou as névoas e acrescentou a luz da revelação.

com a verdade ele trará justiçaMateus 12:20 cita: “envie julgamento para a vitória”. Mateus, sob o Espírito, dá o sentido, mas varia a palavra, a fim de trazer um aspecto novo da mesma coisa. A verdade tem em si os elementos da vitória sobre todas as forças opostas. A verdade é a vitória dAquele que é a verdade (Jo 14:6). O triagem judicial do evangelho (“juízo”) de crentes e incrédulos, iniciada já em parte (Jo 3:18-19; 9:39), será consumada vitoriosamente na verdade somente em Sua segunda vinda; Isaías 42:13-14, aqui e Mateus 12:32,36,41-42, mostram que há referência ao aspecto judicial do Evangelho, especialmente por último: além de o leve triunfo de Jesus vindo em misericórdia ao penitente agora (Isaías 42:2), haverá finalmente o julgamento sobre Seus inimigos, quando a “verdade” estiver perfeitamente desenvolvida. Compare Isaías 61:1-3, onde as duas vindas estão igualmente juntas (Salmo 2:4-6,8; Apocalipse 15:2,4; 19:11-16). Em “juízo”, veja em Isaías 42:1. [JFB]

4 Ele não fraquejará, nem será esmagado, até que ponha a justiça na terra; e os litorais esperarão a sua doutrina.

Comentário de A. R. Fausset

fraquejará – desmaiar; o homem na religião pode tornar-se como o pavio quase expirado (Isaías 42:3), mas não é assim em Seus propósitos de graça.

desanimado – literalmente, “quebrado”, ou seja, verificado no zelo por desencorajamentos (compare Isaías 49:4-5). Rosenmuller não se traduz tão bem: “Ele não deve ser muito lento, por um lado, nem correr muito apressadamente, por outro”.

julgamento – Sua verdadeira religião, o cânon de Seus juízos e reinado justo.

litorais esperarão – As terras distantes além do mar depositarão sua confiança no caminho do evangelho de salvação. Mateus 12:21 virtualmente dá o sentido, com a adição inspirada de outro aspecto da mesma coisa: “Em seu nome os gentios confiarão” (como “esperar” significa aqui, Isaías 30:18). “Sua lei” não é algo distinto de Si mesmo, mas é, de fato, a manifestação do caráter de Deus (“nome”) em Cristo, que é a personificação da lei (Isaías 42:21; Jeremias 23:6; Romanos 10:4). “Ilhas” aqui, e em Isaías 42:12, pode se referir ao fato de que as populações das quais a Igreja era principalmente formada eram gentios dos países vizinhos do Mediterrâneo. [Fausset, aguardando revisão]

5 Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus, e os esticou; estendeu a terra, e a tudo quanto ela produz; que dá respiração ao povo que nela habita ,e espírito aos que nela andam.

Comentário de A. R. Fausset

Anteriormente Deus havia falado do Messias; agora (Isaías 42:5-7) Ele fala com ele. Para mostrar a todos que Ele é capaz de sustentar o Messias em Sua obra designada, e que todos possam aceitar o Messias como comissionado por um Deus tão poderoso, Ele começa anunciando a Si mesmo como o Todo-Poderoso Criador e Preservador de todas as coisas.

espalhar … terra – (Salmo 136:6). [Fausset, aguardando revisão]

6 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão. E eu te guardarei, e te darei como pacto para o povo e luz para as nações;

Comentário de A. R. Fausset

Eu, o SENHOR, te chamei em justiça – sim, “por um propósito justo” [Lowth]. (Veja Isaías 42:21). Deus “apresentou” Seu Filho “para ser uma propiciação (assim como) declarar Sua justiça (de Deus), para que Deus seja justo e (ainda) o justificador daquele que crê em Jesus” (Romanos 3:25-26; compare com Isaías 41:2; 45:13; 50:8-9)

tomarei pela mão – quanto a Israel, o tipo de Messias, Oséias 11:3.

te darei como pacto para o povo e luz para as nações – o meio da aliança, originalmente feita entre Deus e Abraão (Isaías 49:8). “O mediador de uma aliança melhor” (Hebreus 8:6) do que a lei (ver Isaías 49:8; Jeremias 31:33; 50:5).

o povo – Israel; como Isaías 49:8, comparado com Isaías 42:6, prova (Lucas 2:32). [JFB]

7 Para abrir os olhos cegos, para tirar da prisão os presos, tirar do cárcere os que habitam em trevas.

Comentário de A. R. Fausset

cego – espiritualmente (Isaías 42:16, Isaías 42:18, Isaías 42:19, Isaías 35:5; Jo 9:39).

prisão – (Isaías 61:1, Isaías 61:2).

escuridão – oposta à “luz” (Isaías 42:6; Efésios 5:8; 1Pedro 2:9). [Fausset, aguardando revisão]

8 Eu, EU-SOU; este é o meu nome! Não darei a minha glória a outro, nem o meu louvor às imagens de escultura.

Comentário de A. R. Fausset

Deus passa de se dirigir ao Messias para o povo.

Eu, EU-SOU; este é o meu nome! Jeová: nome distintivo e incomunicável de Deus, indicando ser essencial e fidelidade imutável (compare Êxodo 6:3; Salmo 83:18; 96:5; Oséias 12:5).

minha glória – isso é devido a Mim e somente a mim. [JFB]

9 Eis que as coisas anteriores já aconteceram; e as novas eu vos anuncio; e antes que surjam, delas eu vos informo.

Comentário de A. R. Fausset

coisas anteriores. As antigas previsões de Deus, que agora foram cumpridas, são aqui apresentadas como prova de que eles deveriam confiar somente nEle como Deus; ou seja, as previsões quanto à restauração de Israel da Babilônia.

novas eu vos anuncio, ou seja, as previsões quanto ao Messias, que é trazer todas as nações à adoração de Jeová (Isaías 42:1,4,6).

antes que surjam, delas eu vos informo – Antes que haja as menores indicações que permitam a um observador sagaz deduzir o evento vindouro, Deus o prediz. [JFU]

10 Cantai ao SENHOR um cântico novo, um louvor a ele desde o limite da terra; vós que navegais pelo mar, e tudo quanto nele há; vós terras do litoral e seus moradores.

Comentário de A. R. Fausset

cântico novo – como nunca antes foi cantada, chamada por uma nova manifestação da graça de Deus, para expressar que nenhum hino para as antigas misericórdias seria apropriado. O novo cântico será cantado quando o Senhor reinar em Jerusalém, e todas as “nações correrão para ele” (Isaías 2:2; 26:1; Apocalipse 5:9; 14:3).

vós que navegais pelo mar – cuja conversão será o meio de difundir o Evangelho para terras distantes.

tudo quanto nele há – todas as criaturas vivas que enchem o mar (Salmo 96:11) (Maurer) Ou, todos os marinheiros e viajantes (Gesenius). Mas estes já foram mencionados na sentença anterior: lá ele chamou todos os que vão ao mar; nesta sentença todos os animais no mar; assim, em Isaías 42:11, ele pede ao deserto inanimado que eleve sua voz. A natureza externa deve ser renovada de modo a estar em harmonia com a renovação moral. [Fausset, aguardando revisão]

11 Levantem a voz o deserto e suas cidades, com as aldeias que Quedar habita; cantem os que habitam nas rochas, e gritem de alegria do cume dos montes.

Comentário de A. R. Fausset

cidades – em uma região não totalmente desperdiçada, mas principalmente assim, com um oásis aqui e ali.

Quedar – na Arábia-Deserta (Isaías 21:16; Gênesis 25:13). Os Kedarenians levaram uma vida nômade e errante. Então Kedar é colocado aqui em geral para essa classe de homens.

rochas – Sela, isto é, Petra, a metrópole da Iduméia e os ismaelitas nabateus. Ou pode se referir, em geral, àqueles da Arábia-Petraea, que tinham suas habitações recortadas da rocha.

as montanhas – ou seja, de Paran, ao sul do Sinai, na Arábia-Petraea (Vitringa). [Fausset, aguardando revisão]

12 Deem glória ao SENHOR, e anunciem louvor a ele nas terras do litoral.

Comentário Barnes

Deem glórianas terras do litoral – (Isaías 25:15; 41:1). Que as regiões distantes louvem a Deus. [Barnes]

13 O SENHOR sairá como guerreiro, como homem de guerra despertará o seu zelo; ele gritará, e fará grade ruído; e dominará a seus inimigos.

Comentário de A. R. Fausset

Jeová não mais conterá a ira Dele: Ele sairá como um poderoso guerreiro (Êxodo 15:3) para destruir os inimigos do Seu povo e para libertar Israel (compare Salmo 45:3).

Levante o ciúme – desperte sua indignação.

rugido – imagem do grito de guerra de um guerreiro. [Fausset, aguardando revisão]

14 Por muito tempo fiquei calado, quieto estive, e me retive; mas agora darei gritos como a que está de parto, suspirando e juntamente ofegando.

Comentário de A. R. Fausset

muito tempo – ou seja, durante a desolação de Israel (Isaías 32:14).

Holden minha paz – (Compare Salmo 50:21; Habacuque 1:2).

darei gritos como a que está de parto – Como uma mulher em parturição, que, depois de ter contido a respiração por algum tempo, finalmente, dominada pela dor do parto, solta a voz com um suspiro ofegante; então Jeová dará vazão à Sua longa ira reprimida. Traduza, em vez de “destruir… devorar”; Eu vou imediatamente respirar com dificuldade e calafetar, ou seja, soltar a minha ira. [Fausset, aguardando revisão]

15 Aos montes e morros tornarei em deserto, e toda sua erva farei secar; e tornarei aos rios em ilhas, e as lagoas secarei.

Comentário de A. R. Fausset

Eu destruirei todos os meus inimigos.

morros – na Palestina geralmente plantadas com videiras e azeitonas em terraços, até seus topos.

ilhas – sim, “terras secas”. Deus destruirá seus inimigos, os pagãos e seus ídolos, e “secará” as fontes de seus oráculos, suas doutrinas e instituições, cujo símbolo é a água, e suas escolas que promoveram idolatria (Vitringa). [Fausset, aguardando revisão]

16 E guiarei aos cegos por um caminho que nunca conheceram; eu os farei caminhar pelas veredas que não conheciam; tornarei as trevas em luz perante eles, e as coisas tortas farei direitas; estas coisas lhes farei, e nunca os desampararei.

Comentário de A. R. Fausset

eles não sabiam ”, refere-se aos vários meios usados ​​pela Providência para o estabelecimento da Igreja no mundo, como nunca teria ocorrido à mente do simples homem. “Cegos”, eles são chamados, como não tendo visto os caminhos de Deus para ordenar Sua Igreja.

tornarei as trevas em luz – implica que a questão gloriosa só seria conhecida pelo próprio evento (Vitringa). O mesmo vale para o crente individual (Isaías 30:21; Salmo 107:7; compare com Oséias 2:6,14; Efésios 5:8; Hebreus 13:5). [Fausset, aguardando revisão]

17 Mas serão conduzidos para trás e se envergonharão os que confiam em imagens de escultura, e dizem às imagens de fundição: Vós sois nossos deuses.

Comentário de A. R. Fausset

Mas serão conduzidos para trás e se envergonharão os que confiam em imagens de escultura. Ficarão desapontados com a sua confiança. A mesma frase ocorre no Salmo 35:4. [JFU]

18 Surdos, ouvi; e vós cegos, olhai para que possais ver.

Comentário de A. R. Fausset

surdo – a saber, a voz de Deus.

cegos – ao seu dever e interesse; propositadamente assim (Isaías 42:20). Nisso eles diferem dos “cegos” (Isaías 42:16). Os judeus são referidos. Ele dissera que Deus destruiria a idolatria pagã; aqui ele se lembra de que mesmo Israel, Seu “servo” (Isaías 42:19), de quem as coisas melhores poderiam ter sido esperadas, está contaminado com esse pecado. [Fausset, aguardando revisão]

19 Quem é cego, senão o meu servo? Ou surdo, como o meu mensageiro, a quem envio? Quem é cego como o aliançado, e cego como o servo do SENHOR?

Comentário de A. R. Fausset

meu servo – ou seja, Israel. Quem dos pagãos é tão cego? Considerando os altos privilégios de Israel, a cegueira dos pagãos não era nada comparada com a dos idólatras israelitas.

meu mensageiro, a quem envio – Israel foi designado por Deus para ser o arauto de Sua verdade para outras nações.

perfeita – mobiliada com instituições, civis e religiosas, adequadas ao seu perfeito bem-estar. Compare o título, “Jeshurun”, o perfeito, aplicado a Israel (compare Isaías 44:2), como o tipo de Messias (Vitringa). Ou traduzir, o amigo de Deus, que Israel era em virtude da descendência de Abraão, que era assim chamado (Isaías 41:8), (Gesenius). A língua “meu servo” (compare Isaías 42:1), “mensageiro” (Malaquias 3:1), “perfeito” (Romanos 10:4; Hebreus 2:10; 1Pedro 2:22), pode sentido antitípico completo, só se aplicam a Cristo. Então Isaías 42:21 claramente se refere a ele. “Cego” e “surdo” em seu caso referem-se à sua perseverança de sofrimento e opróbrio, como se Ele não visse nem ouvisse (Salmo 38:13-14). Assim, há uma transição, por contraste, da cegueira moral de Israel (Isaías 42:18) para a cegueira e surdez do Messias [Horsley]. [Fausset, aguardando revisão]

20 Tu vês muitas coisas, porém não as guardas; mesmo abrindo os ouvidos, contudo nada ouve.

Comentário de A. R. Fausset

observest – Tu não os guardas. As “muitas coisas” são as muitas provas que desde o primeiro Deus deram a Israel a Sua bondade e o Seu poder (Deuteronômio 4:32-38; 29:2-4; Salmo 78:1-72; 105:1-45).

ele – transição da segunda para a terceira pessoa. “Abrindo… ouvidos”, isto é, embora ele (Israel) tenha seus ouvidos abertos (ver em Isaías 6:10). Esta linguagem, também (ver em Isaías 42:19), aplica-se ao Messias como servo de Jeová (Isaías 50:5; Salmo 40:6). [Fausset, aguardando revisão]

21 O SENHOR se agradou, por causa de sua justiça, em engrandecer sua lei, e em fazê -la gloriosa.

Comentário de A. R. Fausset

de sua justiça – não a do seu povo, mas a sua própria; Isaías 42:24 mostra que eles não tinham justiça (Isaías 45:24; 59:16). Deus está bem satisfeito com o Seu Filho (“a quem a minha alma se deleita”, Isaías 42:1), “que cumpre toda a justiça” (Mateus 3:15) por eles e com eles por amor dele (compare Isaías 42:6; Salmo 71:16,19, Mateus 5:17; Romanos 10:3-4, Filipenses 3:9). Talvez na “justiça” de Deus aqui esteja incluída Sua fidelidade às Suas promessas dadas aos antepassados ​​de Israel (Rosenmuller); por isso está bem satisfeito com Israel, ainda que desgostoso com o seu pecado, que Ele aqui reprova; mas essa promessa só poderia ser baseada na justiça do Messias, a semente prometida, que é a justiça de Deus. [Fausset, aguardando revisão]

22 Mas este é um povo roubado e saqueado; todos estão enlaçados em covas, e escondidos em cárceres; são postos como despojos, e ninguém há que os resgate; estão como objetos de roubo, e ninguém diz “Restitui -os ”.

Comentário de A. R. Fausset

buracos – capturados por seus inimigos nas cavernas onde haviam procurado refúgio (Barnes). Ou preso em masmorras subterrâneas (Maurer)

cárceres – ou prisões literais, ou suas próprias casas, de onde não ousam sair por medo do inimigo. A conexão é: Apesar do favor de Deus ao Seu povo por causa da Sua justiça (Isaías 42:21), eles caíram na miséria (os cativeiros babilônicos e romanos e sua presente dispersão), devido à sua desconsideração da lei divina: aprisionamento espiritual está incluído (Isaías 42:7).

Nenhum diz, Restauração – Não há nenhum libertador (Isaías 63:5). [Fausset, aguardando revisão]

23 Quem dentre vós dá ouvidos a isto? Quem presta atenção e ouve o que há de ser no futuro?

Comentário de A. R. Fausset

Quem presta atenção e ouve o que há de ser no futuro? Um chamado para que eles sejam alertados pelos julgamentos passados ​​de Deus para obedecê-lo pelo tempo que virá. [JFU]

24 Quem entregou a Jacó como roubo, e a Israel a ladrões? Por acaso não foi o SENHOR, aquele contra quem pecamos? Pois não queriam andar em seus caminhos, e não deram ouvidos à sua lei.

Comentário de A. R. Fausset

Quem – Sua calamidade não foi obra do acaso, mas o ato imediato de Deus por seus pecados.

Jacó … Israel … nós – mudamos da terceira para a primeira pessoa; Isaías primeiro falando a eles como um profeta, distinto deles; em seguida, identificando-se com eles e reconhecendo sua participação nos pecados da nação (compare com Josué 5:1). [Fausset, aguardando revisão]

25 Por isso ele derramou sobre eles o furor de sua ira, e a força da guerra; e os pôs em labaredas ao redor; porém ainda assim não entenderam; e ele os pôs para queimar, porém ainda assim não puseram nisso o coração.

Comentário de A. R. Fausset

ele – Israel (Isaías 42:24).

força da batalha – violência da guerra.

isto – a batalha ou guerra (compare Isaías 10:16).

não sabia – não conhecia a lição de arrependimento que o julgamento pretendia ensinar (Isaías 5:13; 9:13; Jeremias 5:3). [Fausset, aguardando revisão]

<Isaías 41 Isaías 43>

Visão geral de Isaías

Em Isaías, o profeta “anuncia que o julgamento de Deus irá purificar Israel e preparar o seu povo para a chegada do rei messiânico e de uma nova Jerusalém”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.