Romanos 10

1 Irmãos, o bom desejo do meu coração, e a oração que faço a Deus por eles, é que sejam salvos.

Comentário de David Brown

Irmãos, o bom desejo do meu coração – A palavra aqui expressa “total complacência”, aquela em que o coração experimentaria plena satisfação.

e o oração – “súplica”.

a Deus por eles – o assunto é continuado a partir do final do capítulo anterior.

é que sejam salvos – “para a salvação deles”. Tendo antes derramado a angústia de sua alma na descrença geral de sua nação e suas terríveis consequências (Rm 9:1-3), aqui ele expressa nos termos mais enfáticos seu desejo e oração pela sua salvação. [JFB]

2 Pois lhes dou testemunho de que eles têm zelo por Deus, mas não com entendimento.

Comentário de David Brown

Pois lhes dou testemunho – como ele bem podia de sua própria triste experiência.

Deus, mas não com entendimento – (compare At 22:226:9-11; Gl 1:13-14). Ele faz alusão a essa intenção de seu povo, apesar de sua cegueira espiritual, certamente não para desculpar sua rejeição de Cristo e sua ira contra os Seus santos, mas como uma base de esperança em relação a eles (Veja 1Tm 1:13). [JFB]

3 Pois, como ignoraram a justiça de Deus, e procuraram estabelecer a sua própria justiça, eles não se sujeitaram à justiça de Deus.

Comentário de David Brown

como ignoraram a justiça de Deus – isto é, pela justificação do culpado (ver em Rm 1:17).

e procuraram estabelecer a sua própria justiça, eles não se sujeitaram à justiça de Deus – O apóstolo vê a rejeição geral de Cristo pela nação como um ato. [JFB]

4 Porque o fim da Lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê.

Comentário de David Brown

Porque o fim da Lei é Cristo – o objeto ou objetivo.

para justiça de todo aquele que crê – isto é, contém dentro de Si mesmo tudo o que a lei exige para a justificação daqueles que O recebem, sejam Judeus ou Gentios (Gl 3:24). [JFB]

5 Pois Moisés descreve a justiça que é pela Lei: 'A pessoa que praticar estas coisas viverá por elas'.

Comentário de David Brown

A pessoa que praticar estas coisas viverá por elas – (Lv 18:5). Este é o único caminho de justificação e vida – pela “justiça que é (ou, por nossa própria obediência a) da lei”. [JFB]

6 Mas a justiça que é pela fé assim diz: 'Não digas em teu coração:'Quem subirá ao céu?' (Isto é, trazer Cristo abaixo),

Comentário de David Brown

Mas a – justificando.

justiça que é pela fé assim – “fala assim” – sua linguagem ou importância é para esse efeito (citando em substância Dt 30:13-14).

‘Não digas em teu coração:’Quem subirá ao céu?’ (Isto é, trazer Cristo abaixo)… – isto é, “Não deves suspirar pela impossibilidade de alcançar a justificação; como se alguém dissesse, oxalá se eu conseguisse alguém para subir ao céu e me trazer para baixo, poderia haver alguma esperança, mas como isso não pode acontecer, o meu é um caso sem esperança”. [JFB]

7 ou: ‘Quem descerá ao abismo?’” (Isto é, trazer Cristo dentre os mortos).

Comentário de David Brown

ou: ‘Quem descerá… – outro caso de impossibilidade, sugerido por Pv 30:4, e talvez também Am 9:2 – provavelmente expressões proverbiais de impossibilidade (compare com Sl 139:7-10; Pv 24:7, etc. ). [JFB]

8 Porém, o que diz? 'A palavra está perto de ti, na tua boca, e no teu coração'. Esta é a palavra da fé, que pregamos.

Comentário de David Brown

Porém, o que diz? – continuando a citação de Dt 30:14.

A palavra está perto de ti – facilmente acessível.

na tua boca – quando o confessares.

e no teu coração – quando creres nele. Embora seja da lei que Moisés fala mais imediatamente na passagem citada, ainda assim é da lei como Israel será levado a olhar para ela quando o Senhor seu Deus circuncidar seu coração “a amar o Senhor seu Deus com todo seu coração” (Rm 10:6); e assim, ao aplicá-lo, o apóstolo (como Olshausen fielmente observa) não está meramente se apropriando da linguagem de Moisés, mas mantendo-se na linha de seu pensamento mais profundo.

Esta é a palavra da fé, que pregamos – isto é, a palavra que os homens têm que crer para a salvação (compare 1Tm 4:6). [JFB]

9 Pois, se com a tua boca declarares que Jesus é Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo.

Comentário de David Brown

com a tua boca declarares que Jesus é Senhor – isto é, provavelmente, “Se confessares a Jesus [ser] o Senhor”, que é a manifestação apropriada ou evidência de fé (Mt 10:32; 1Jo 4:15). Isto é colocado em primeiro lugar apenas para corresponder com a citação anterior – “na tua boca e no teu coração”. Assim, em 1Pe 1:10 o “chamado dos crentes” é colocado antes de sua “eleição”, como o que é primeiro “assegurado”, embora no tempo venha depois dele.

o ressuscitou dos mortos… – (Veja Rm 4:25). Em Rm 10:10 as duas coisas são colocadas em sua ordem natural. [JFB]

10 Pois com o coração se crê para a justiça, e com a boca se confessa para a salvação.

Comentário de David Brown

Pois com o coração se crê – justificando.

para a justiça, e com a boca se confessa para a salvação – Esta confissão do nome de Cristo, especialmente em tempos de perseguição, e sempre que o desleixo está ligado à profissão cristã, é um teste indispensável do discipulado. [JFB]

11 Porque a Escritura diz: 'Todo aquele que nele crê não será envergonhado'.

Porque a Escritura diz – em Is 28:16, uma gloriosa passagem messiânica.

12 Pois não há diferença entre judeu e grego, porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para todos os que o invocam.

Comentário de David Brown

Pois não há diferença – ou “distinção”.

rico – um termo paulino favorito para expressar a exuberância daquela graça salvadora que está em Cristo Jesus.

entre judeu e grego, porque um mesmo é o Senhor de todos – Isto confirma a aplicação das palavras precedentes a Cristo; já que invocar o nome do Senhor Jesus é uma expressão habitual (At 7:59-609:14,2122:16; 1Co 1:2; 2Tm 2:22). [JFB]

13 Pois: 'Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.'

Pois – diz a escritura

que invocar o nome do Senhor será salvo – (Jl 2:32); citado também por Pedro, em seu grande sermão pentecostal (At 2:21), com evidente aplicação a Cristo.

invocar – ou seja, clama por ajuda e, portanto, orar – será salvo. A primeira passagem na qual encontramos esta expressão está em Gênesis 4:26: “Então os homens começaram a invocar o nome do SENHOR”. Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, “invocar o nome do Senhor” significa orar ao verdadeiro Deus, confessando que Ele é SENHOR; isto é, reconhecendo seus atributos essenciais e incomunicáveis. [Cyclopaedia, 1867]

14 Mas como invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, sem haver quem pregue?

Comentário Whedon

como – Por uma sucessão de perguntas, como ondas propulsoras, Paulo declara que a invocação requer fé, fé, ouvir e ouvir um pregador; e coroa o clímax com uma bela canção do velho profeta.

ouviram…pregador. Paulo está aqui defendendo o organismo emergente da nova Igreja Cristã, por meio do qual um sistema mais rápido de proclamação do Evangelho e conversão do mundo estava vindo à existência e ao poder.

pregador – Como toda a Igreja não pode ir, um pregador e uma ordem de pregadores devem ser ordenados. [Whedon]

15 E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: 'Como são agradáveis os pés dos que anunciam as boas novas!'

Comentário de David Brown

Como está escrito – (Is 52:7).

Como são agradáveis os pés dos que anunciam as boas novas!… – Todo o capítulo de Isaías do qual isto é tirado, e os três que seguem, são tão ricamente messiânicos, que não pode haver dúvida “as boas novas” ali se fala de anunciar uma liberação mais gloriosa do que a de Judá do cativeiro babilônico, e os próprios pés de seus pregadores são chamados de “belos” por causa de sua mensagem. [JFB]

16 Mas nem todos obedeceram ao evangelho, pois Isaías diz: 'Senhor, quem creu na nossa pregação?'

Comentário de David Brown

Mas nem todos obedeceram ao evangelho – isto é, as Escrituras nos prepararam para esperar esse triste resultado.

pois Isaías diz: ‘Senhor, quem creu na nossa pregação?’ – isto é, “Onde alguém encontrará um crente?” O profeta fala como se quase ninguém cresse: O apóstolo suaviza isso em “nem todos creram”. [JFB]

17 Portanto, a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo.

“Esta é outra confirmação da verdade de que a fé supõe a audição da Palavra, e isso é uma comissão para pregá-la”.

18 Mas pergunto: por acaso não ouviram? Sim, certamente. Pois: 'Sua voz saiu por toda a terra, e suas palavras até os confins do mundo'.

Comentário de David Brown

Mas pergunto: por acaso não ouviram? – Pode Israel, através de qualquer região de sua dispersão, alegar ignorância dessas boas novas?

por toda a terra, e suas palavras até os confins do mundo – Estas belas palavras são do Salmo 19:4. Se o apóstolo as citou como em sua intenção primária aplicável ao seu assunto (como Olshausen, Alford, etc.), ou apenas “usou linguagem escriturística para expressar suas próprias ideias, como é feito involuntariamente quase por todo pregador em cada sermão” (Hodge), os expositores não estão de acordo. Mas, embora este último pareça mais natural desde “o surgimento do sol da justiça sobre o mundo” (Ml 4:2), “a aurora do alto nos visita, dando luz aos que estavam sentados nas trevas e guiando nossa pés no caminho da paz” (Lc 1:78-79), deve ter sido familiar e agradável ao ouvido do apóstolo, não podemos duvidar que a irradiação do mundo com os raios de um Sol melhor pela difusão universal do Evangelho de Cristo, deve ter um modo de falar bastante natural e, para ele, pouco figurativo. [JFB]

19 Mas pergunto: por acaso Israel não entendeu? Primeiramente Moisés disse: 'Eu vos provocarei ciúmes com os que não são do povo; com uma nação insensata vos provocarei à ira'.

Comentário de David Brown

Mas pergunto: por acaso Israel não entendeu? – a partir de suas próprias Escrituras, da intenção de Deus de trazer os gentios?

Primeiramente – isto é primeiro na linha profética (De Wette).

Moisés disse… – “eu também provocarei os ciúmes com aqueles que não são povo, e com uma nação insensata eu os provocarei à ira” (Dt 32:21). Neste verso Deus adverte Seu povo antigo que, porque eles O haviam (isto é, em tempos posteriores) movido para a invejade seus  “não-deuses”, e O provocaram à ira com suas vaidades, Ele em retribuição os levaria ao ciúme recebendo em Seu favor um “não-povo”, e os provocaria à ira adotando uma nação sem entendimento. [JFB]

20 E Isaías ousou dizer: 'Fui achado pelos que não me buscavam; fui revelado aos que por mim não perguntavam'.

Comentário de David Brown

E Isaías ousou dizer – isto é, ainda é mais claro, e chega a dizer o mesmo.

Fui achado pelos que não me buscavam – até que eu os busquei.

fui revelado aos que por mim não perguntavam – até que o convite de Mim veio a eles. Que o chamado dos gentios foi feito por estas palavras do profeta (Is 65:1) é manifesto a partir do que se segue imediatamente: “uma nação que não se chamava pelo meu nome eu disse: Eis-me aqui! Eis-me aqui!”. [JFB]

21 Mas sobre Israel diz: 'Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e hostil'.

Comentário de David Brown

minhas mãos – a atitude de solicitude graciosa.

a um povo rebelde e hostil – Estas palavras, que imediatamente seguem o anúncio que acabamos de citar do chamado dos gentios, foram o suficiente para advertir os judeus sobre o propósito de Deus de expulsá-los de seus privilégios, em favor dos gentios, e da causa disso por sua própria parte. [JFB]

<Romanos 9 Romanos 11>

Introdução à Romanos 10

Tendo assim mostrado (que a rejeição de Israel não pode ser alegada como um erro por parte de seu Soberano Senhor e Governante, e que as Escrituras contêm muitos exemplos semelhantes lidando com indivíduos, bem como previsões a respeito da rejeição dos judeus; tendo também declarado muito explicitamente que essa rejeição é por causa de sua descrença em relação ao Messias e sua confiança em seus próprios méritos; o apóstolo agora prossegue novamente para testificar (como ele fez em Romanos 9: 1-5) sua força afeto por seus parentes segundo a carne, e seus ardentes desejos e orações por sua salvação. Nada pode ser mais apropriado do que a expressão de tantos sentimentos bondosos e profundamente interessados, de sua parte, pelos judeus, a quem ele é obrigado a denunciar e ameaçar por causa de seu caráter e conduta. Serve para mostrar que ele não o faz por vingança, ou porque ama a denúncia; mas que o faz com o coração pesaroso e os olhos cheios de lágrimas, que suas entranhas anseiam por eles, e que ele retém por eles todo o afeto que uma vez teve quando agia com eles, sim, ainda mais, e também aquele de uma natureza mais elevada e melhor.

Ele tinha acabado de dizer que Israel “buscava a Lei da justiça, não alcançou a Lei”. Aqui ele retoma o tema e se explica mais amplamente. Ele declara a razão pela qual eles não alcançaram a justificação, versículos 2, 3, e continua a mostrar que o próprio Moisés confirma as mesmas ideias que ele havia revelado a eles em relação à fé e às obras, versículos 4-8. O sentimento que a crença em Cristo é necessário para todos, tanto judeus como gregos, é ainda mais confirmado pelos versos 9-12.

O apóstolo a seguir apresenta o judeu como objetando assim: “Se admitimos o que você diz quanto à necessidade de fé ou crença em Cristo, ainda assim, como seremos culpados por rejeitá-lo, caso ele nunca tenha sido pregado ou declarado para nós ?” versículos 13-15.

A isso o apóstolo responde: (1) Nem todos os que ouviram o evangelho creem nele; como o próprio Isaías declara, versículos 16,17. (2) Mas além; a objeção não pode ser feita verdadeiramente, que os judeus não ouviram o evangelho, pelo menos desfrutaram da oportunidade de ouvi-lo; pois pode-se aplicar a eles, a esse respeito, as palavras de Salmos 19:4; ou as palavras de Moisés, em Deuteronômio 32:21; ou de Isaías, em Isaías 65: 1-2; de modo que eles são deixados sem qualquer desculpa por sua descrença, versos 18-21. [Stuart]

Visão geral de Romanos

Na carta aos Romanos, “Paulo mostra como Jesus criou a nova família da aliança com Abraão através da sua morte e ressurreição, e através do envio do Espírito Santo”. Para uma visão geral desta carta, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (10 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Romanos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.