Provérbios 30

1 Palavras de Agur, filho de Jaque, o de fala solene; Este homem diz a Itiel; a Itiel e a Ucal:

Comentário de A. R. Fausset

Agur – um nome figurativo, talvez; o colecionador, do hebraico, ‘aagar ( H103 ), para coletar. Filho de Jakeh – semelhante ao hebraico, yikqah, ‘obediência’. Que Agur foi inspirado, resulta da expressão,

o de fala solene – hebraico, masaa ‘ ( H4853 ); o oráculo (cf. ‘Dicionário da Bíblia’ de Smith para a estranha teoria e tradução de Hitzig, ‘filho da rainha de Massa’ ( Gênesis 25:14 ; 1 Crônicas 1:30 ; 1 Crônicas 4:41-43 ).

Este homem diz (hebraico, neum, falou por inspiração) a Itiel; a Itiel e a Ucal. Os nomes, de acordo com Ewald, são simbólicos, significando ‘Deus comigo, e eu sou forte’ (de yacol, ele era forte) . [JFU, aguardando revisão]

2 Certamente eu sou o mais bruto dos homens, e não tenho entendimento humano.

Comentário de A. R. Fausset

Agur se refere à corrupção e cegueira da natureza do homem, nas coisas divinas, em contraste com o conhecimento de Deus que o homem possuía antes da queda, como também com a pureza da Palavra de Deus ( Provérbios 30:4-6 ). Como alguém que, embora de outra forma com visão aguçada, ainda fica deslumbrado e cego se tenta olhar para o sol; assim, aquele que é perspicaz o suficiente em compreender as coisas humanas, ainda é estúpido e estúpido ( Jó 11:12 ; Salmos 49:20 ; Jeremias 10:14) a respeito de contemplar o poderoso Criador, Seu Filho e Suas obras. Compare uma confissão semelhante de incapacidade natural por parte de Amós, quando ele procede a proferir a Palavra inspirada do Senhor, Amós 7:14-15 . [JFU, aguardando revisão]

3 Não aprendi sabedoria, nem tenho conhecimento do Santo Deus.

Comentário de A. R. Fausset

Como em Provérbios 30:2, ele negou o conhecimento original, então neste verso ele nega o conhecimento adquirido pelos humanos dos profundos mistérios de Deus. Um homem deve primeiro “tornar-se um tolo para ser sábio” ( 1 Coríntios 3:18 ). Enquanto ele pensa que sabe, ele é impróprio para ser um vaso do conhecimento recebido de cima ( 1 Coríntios 8:2 ; Isaías 6:5 ). “O santo” (nota, Provérbios 9:10 ), ou tudo o que diz respeito ao Deus santo, ou o Deus santo; qªdoshiym ( H6918 ). Plural, como ‘Elohiym ( H430 ). [JFU, aguardando revisão]

4 Quem subiu ao céu, e desceu? Quem juntou os ventos com suas mãos? Quem amarrou as águas numa capa? Quem estabeleceu todos os limites da terra? Qual é o seu nome? e qual é o nome de seu filho, se tu o sabes?

Comentário de A. R. Fausset

Nem é de se admirar que eu não tenha o conhecimento do Santo; para:

Quem subiu ao céu, e desceu? para entender o que está acontecendo ali, para contar aos mortais o que ele viu. Nós, cristãos, podemos falar de tal pessoa ( João 3:13 ). Embora não tenhamos subido ao céu, ou descido às profundezas; ainda assim, em tudo o que é vital saber, temos ‘a palavra próxima’ para nós ( Romanos 10:6-8 ; Deuteronômio 30:12-13 ).

Quem juntou os ventos com suas mãos? firmemente agarrado.

Quem amarrou as águas numa capa? ( Isaías 40:12 .) Como Israel amarrou a massa em suas roupas ( Êxodo 12:34 ).

Quem estabeleceu todos os limites da terra? os limites da terra e do mar, e dos vários reinos distintos. Ninguém exceto Deus. Portanto, somente Ele conhece completamente os mistérios profundos do universo.

Qual é o seu nome? e qual é o nome de seu filho, se tu o sabes? Os hebreus designam um homem não apenas por seu próprio nome, mas por seus parentes. Em alusão a este uso, mas com uma referência designada ao mistério da geração eterna do Filho de Deus, o Espírito coloca esta questão na boca de Agur, você pode dizer o nome dele (isto é, sua natureza) e o de seu filho ? ( Provérbios 8:22-31 .) Ninguém pode; portanto, naturalmente, ninguém pode “ter o conhecimento do Santo” ( Provérbios 30:3 ; Mateus 11:27 ; Mateus 16:17) O nome de Deus e o de Seu Filho estão aqui unidos, como ambos inefáveis ​​e incompreensíveis. Coexistência e onipresença (pela ascensão ao céu e pela descida), onipotência criativa e sustentadora são atribuídas a ambas. O Filho é representado como distinto do Pai em personalidade, mas um em essência e operação. [JFU, aguardando revisão]

5 Toda palavra de Deus é pura; é escudo para os que nele confiam.

Comentário de A. R. Fausset

Portanto, ( Provérbios 30:4 ) devemos descansar na doutrina divinamente revelada, que é pura e salvadora para todos os que confiam em seu Doador e Objeto Todo-Poderoso.

Toda palavra de Deus é pura – literalmente, derretida no fogo como prata, para ser purificada de todas as impurezas do erro humano, impureza, engano ou supérfluo. A Palavra de Deus fornece o defeito de entendimento humano do qual Agur se queixou ( Provérbios 30:2-4 ).

é escudo para os que nele confiam – por Sua Palavra e Seu Espírito frustrando as investidas de Satanás ( Mateus 4:4 ; Mateus 4:7 ; Mateus 4:10 ). [JFU, aguardando revisão]

6 Nada acrescentes às suas palavras, para que ele não te repreenda, e sejas mostrado como mentiroso.

Comentário de A. R. Fausset

Nada acrescentes às suas palavras – “acima do que está escrito” ( 1 Coríntios 4:6 ), com o objetivo de completar a doutrina divinamente revelada com acréscimos humanas. Roma, ao adicionar à Palavra escrita, a tradição oral e os Padres, transgride este preceito ( Isaías 8:20 ). [JFU, aguardando revisão]

7 Duas coisas eu te pedi; não as negues a mim antes que eu morra.

Comentário de A. R. Fausset

não as negues a mim antes que eu morra – quando devo trocar oração por louvor. Desejo fervoroso está implícito. [JFU, aguardando revisão]

8 Afasta de mim a inutilidade e palavra mentirosa; e não me dês nem pobreza nem riqueza, mantém-me com o pão que me for necessário.

Comentário de A. R. Fausset

Afasta de mim a inutilidade e palavra mentirosa – uma dádiva para a alma. “Vaidade” – tudo auto-engano. “Mentiras” – tudo enganando os outros, incluindo todos os pecados. Vaidade é tudo o que não é o que parece; a vã demonstração, ganho, prazer, ídolos, heresias do mundo ( Salmos 119:37 , nota).

e não me dês nem pobreza nem riqueza – uma dádiva para o corpo.

mantém-me com o pão que me for necessário – comida suficiente para meu sustento. O mesmo que “pão nosso de cada dia” na Oração do Senhor [ ho ( G3588 ) artos ( G740 ) heemoon ( G2257 ) ho ( G3588 ) epiousios ( G1967 ); Mateus 6:11 ]. Como o maná recolhido, ‘uma certa taxa todos os dias’ – hebraico, ‘a porção de um dia no seu dia’ ( Êxodo 16:4 ; cf. 2 Reis 25:30 ; Neemias 12:47 ; Lucas 12:42 ;1 Timóteo 6:8 ). [JFU, aguardando revisão]

9 Para que não aconteça de eu ficar farto e te negar, dizendo:Quem é o SENHOR? Nem também que eu empobreça, e venha a furtar, e desonre o nome do meu Deus.

Comentário de A. R. Fausset

Para que não aconteça de eu ficar farto e te negar, dizendo:Quem é o SENHOR? que necessidade tenho de orar? Tenho ampla suficiência em minha riqueza. O que tenho eu a dizer ao Senhor? ( Jó 21:15 ; Jó 22:17-18 ; cf. o caso de Israel, Deuteronômio 32:15 ; cf. Isaías 59:13 ). Quando cheios dos dons do Senhor, estamos mais propensos a ignorar o Doador:o resultado de isto é, Ele finalmente retira Seus dons daqueles que negam a Sua glória ( Oséias 2:5-9 ). Aprendemos assim:

(1) Quão depravada é a natureza do homem, visto que ele abusa dos dons de Deus;

(2) A causa pela qual Deus freqüentemente nega riquezas aos piedosos;

(3) A loucura dos homens em perseguir tão intensamente o que é tão perigoso para eles (Mede).

Nem também que eu empobreça, e venha a furtar, e desonre o nome do meu Deus – literalmente, apoderar-me do nome do meu Deus, seja por perjúrio ou falando irreverente, em reclamação de Deus e de Sua providência ( Êxodo 20:7 ) A pobreza pode levar a tentação de se buscar meios ilegais de suprir as necessidades de alguém. Então o roubo é encoberto pelo perjúrio, ao qual havia a maior tentação entre os judeus, pois o ladrão foi colocado sob o juramento de ser culpado ou não ( Êxodo 22:8-11 ; Levítico 6:2 ). Conseqüentemente, o roubo e o perjúrio são freqüentemente associados ( Zacarias 5:3-4) O respeito aos nossos interesses espirituais e eternos deve ser o regulador de nossos desejos quanto às coisas temporais. A oração “Não nos deixes cair em tentação” nos ensina a evitar não apenas pecados, mas incentivos para pecar. [JFU, aguardando revisão]

10 Não difames do servo ao seu senhor, para que ele não te amaldiçoe e fiques culpado.

Comentário do Púlpito

Não difames do servo ao seu senhor. Caluniar, não caluniar; μὴ καταλαλήσης, Theodotion; μὴ διαβάλης, Symmachus. Não apresente secretamente uma acusação contra o escravo de um homem, e faça seu mestre suspeitar dele; tenha um sentimento bom pelos que se encontram em condições inferiores e não torne sua sorte mais insuportável insinuando acusações falsas ou frívolas contra eles. Ewald e outros diriam:”Não incentive um servo a caluniar seu mestre”; mas não há necessidade de tomar a expressão, como o hiph. do verbo é usado no hebraico pós-bíblico no sentido de “caluniar”. A Septuaginta tem, “Não entregue um servo nas mãos de seu mestre”, que parece se referir ao tratamento de escravos fugitivos (Deu 23:15).

para que ele não te amaldiçoe e fiques culpado – e tenha que expiar por isso. O escravo caluniado impreca uma maldição sobre seu caluniador e, como este último incorreu em vingança por sua palavra ou ação, a maldição não cairá inofensiva (Provérbios 26:2); A justa retribuição de Deus o alcançará e ele sofrerá por isso. [Pulpit, aguardando revisão]

11 Há gente que amaldiçoa a seu pai e não bendiz à sua mãe;

Comentário do Púlpito

Há gente que amaldiçoa a seu pai. As palavras, “há”, não são encontradas no hebraico, e os quatro assuntos não têm um predicado. Delitzsch chama o grupo de “um priamel mutilado”, que é explicado como um tipo de poesia gnômica contendo uma série de antecedentes ou assuntos seguidos por uma conclusão epigramática aplicável a todos os antecedentes. No presente caso, falta a conclusão, de modo que ficamos em dúvida se o autor pretendia apenas de. escriba classes de homens em seu próprio tempo ou para afirmar que tais são abomináveis. Septuaginta, “Uma geração perversa amaldiçoa seu pai (ἔκγονον κακόν)”, cuja expressão é repetida em cada um dos quatro versos. O primeiro pecado é aquele que ofende o mandamento de honrar e obedecer aos pais. Este foi julgado digno de morte segundo a antiga Lei (Êxodo 21:17; veja Provérbios 20:20 e observe lá).

e não bendiz à sua mãe. Este é um litotes, “não abençoar” sendo equivalente a “amaldiçoar”. [Pulpit, aguardando revisão]

12 Há gente que é pura aos seus próprios olhos, mas que não foi lavada de sua imundície;

Comentário de A. R. Fausset

mas que não foi lavada de sua imundície – literalmente, excremento:o que é “lançado na correnteza” ( Mateus 15:17 ) [ tsow’ah ( H6675 ), de yaatsaa ‘ ( H3318 ), para sair]. Hipócritas e autojustificadores. [JFU, aguardando revisão]

13 Há gente cujos olhos são arrogantes, e cujas sobrancelhas são levantadas;

Comentário do Púlpito

Há gente cujos olhos são arrogantes – O terceiro pecado é o orgulho e a arrogância (veja Provérbios 6:17; Provérbios 21:4). “Senhor”, disse o salmista, “o meu coração não é altivo, nem os meus olhos são altivos” (Salmos 131:1). O profeta repreende “o coração forte do rei da Assíria e a glória da sua aparência altiva” (Is 10:12). [Pulpit, aguardando revisão]

14 Há gente cujos dentes são espadas, e cujos queixos são facas, para devorarem aos aflitos da terra aos aflitos, e aos necessitados dentre os homens.

Comentário de A. R. Fausset

Há gente cujos dentes são espadaspara devorarem aos aflitos da terra aos aflitos – rapacidade voraz que busca sua satisfação pela calúnia e pela violência, à custa dos mais calculados para mover a compaixão, os pobres e necessitados. [JFU, aguardando revisão]

15 A sanguessuga tem duas filhas:'Dá' e 'Dá'; estas três coisas nunca se fartam, e quatro nunca dizem “É o suficiente”:

Comentário de A. R. Fausset

A sanguessuga tem duas filhas:’Dá’ e ‘Dá’. As duas palavras são, por assim dizer, suas duas filhas, que saem dela. A ganância do ganancioso é descrita em Provérbios 30:14 . Não contentes por terem uma vez “devorado os necessitados”, eles novamente, uma segunda vez, voltam para drenar toda a sua substância, como a lixívia de cavalo.

estas três coisas nunca se fartam, e quatro nunca dizem (cf. Amós 1:3 , no idioma hebraico, “três sim, quatro.”) [JFU, aguardando revisão]

16 O Xeol, o útero estéril, a terra que não se farta de água, e o fogo que nunca diz estar satisfeito.

Comentário de A. R. Fausset

O Xeol ( shª’owl ( H7585 ); cf. Provérbios 27:20 ); o mundo dos espíritos que partiram, sempre ansiando por novos recém-chegados deste mundo),

o útero estéril (cf. Raquel, Gênesis 30:1 );

a terra que não se farta de água (que está sempre pronta para beber mais chuva);

e o fogo que nunca diz estar satisfeito – que está pronto para consumir qualquer quantidade de combustível que você empilhe sobre ele. [JFU, aguardando revisão]

17 Os olhos que zombam do pai ou desprezam obedecer à mãe, os corvos do riacho os arrancarão, e os filhotes de abutre os comerão.

Comentário de A. R. Fausset

Os olhos que zombam do pai ou desprezam obedecer à mãe, os corvos do riacho (que constroem seus ninhos em vales solitários) os arrancarão – ele morrerá de vergonha e sua carcaça se tornará presa de pássaros famintos (Provérbios 20:20; Êxodo 21:15-17). O olho é especialmente atacado por aves de rapina. [JFU, aguardando revisão]

18 Estas três coisas me maravilham, e quatro que não entendo:

Comentário do Púlpito

O grande ponto é o quarto, ao qual conduzem as três coisas anteriores, todas iguais nisso, que não deixam rastros. Os fatos são maravilhosos; Agur se sente como Jó:”Falei o que não entendia, coisas maravilhosas demais para mim, que eu não conhecia” (Jó 42:3). [Pulpit, aguardando revisão]

19 O caminho da águia no céu, o caminho da serpente na rocha, o caminho do navio no meio do mar, e o caminho do homem com uma moça.

Comentário de A. R. Fausset

Visto que todas essas coisas não fornecem nenhuma pista de seu modo de ação. “O caminho de um homem ( geberOs movimentos de todos os quatro são leves, deslizantes, sem ruído, rápidos e o modo desconhecido para nós. Assim, o sentido não dá nenhuma sanção ao uso dos judeus deste versículo para negar a halmah, emIsaías 7:14 , significa uma virgem:se ela não fosse, não haveria milagre nessa passagem. [JFU, aguardando revisão]

20 Assim é o caminho da mulher adúltera:ela come, limpa sua boca, e diz:Não fiz mal algum.

Comentário de A. R. Fausset

Como quem comeu alguma coisa, e depois limpou a boca, diz que não comeu nada (cf. “pão comido às escondidas”, Provérbios 9:17 ; Provérbios 20:17 ). Observe a delicadeza e propriedade da linguagem das Escrituras em atos indelicados. Assim como o “homem” que seduz a “donzela” ( Provérbios 30:19 ) usa artes maravilhosas e variadas para enganá-la, aqui a “mulher adúltera” usa tais artifícios para enganar o marido e ocultar a ofensa contra ele. [JFU, aguardando revisão]

21 Por três coisas a terra se alvoroça, e por quatro que não pode suportar:

Comentário do Púlpito

Por três coisas a terra se alvoroça; melhor, sob três coisas estremece a terra, como se oprimida por uma fronteira avassaladora. A forma de expressão não nos permite pensar em um terremoto. “A terra” é equivalente a “seus habitantes”.

e por quatro que não pode suportar; ou, com menos de quatro anos, não pode resistir (comp. Amo 7:10). Esses quatro males destroem o conforto da vida social, destroem os laços da sociedade e colocam em risco a segurança de uma nação. [Pulpit, aguardando revisão]

22 Pelo servo que governa como rei; pelo tolo que se enche de comida;

Comentário do Púlpito

Pelo servo que governa como rei – ou, sob um escravo quando ele se torna rei. Essa vicissitude surpreendente não era incomum nos estados do Oriente; e mesmo que o escravo não fosse preferido ao poder real, ele era frequentemente promovido por favoritismo imprudente a uma posição elevada, para a qual era totalmente incapaz, e que ele usava apenas para engrandecer a si mesmo às custas e prejuízo de outros. Esta incongruência já foi notado no Pro 19:10 (ver nota).

pelo tolo que se enche de comida. “Tolo” é aqui nabal, um sujeito baixo e perdulário, que é rico e despreocupado. Quando tal pessoa sobe a uma posição elevada, ou tem poder sobre os outros, ela se torna arrogante, egoísta, insuportável (compare Provérbios 19:9; Provérbios 28:12; Provérbios 29:2). [Pulpit, aguardando revisão]

23 Pela mulher odiada, quando se casa; e pela serva quando toma o lugar de sua senhora.

Comentário de A. R. Fausset

Pela mulher odiada, quando se casa – pois por seu mau humor e maneiras ela se torna insuportável para seu marido, seus domésticos e seus vizinhos. Cartwright e Maurer explicam:quando um homem tinha duas esposas, uma amada, a outra comparativamente odiada (cf. Deuteronômio 21:15 ), se esta última fosse feita por seu marido, a esposa amada, ela certamente se comportaria imperiosamente.[JFU, aguardando revisão]

24 Estas quatro coisas são pequenas sobre a terra, porém muito sábias:

Comentário do Púlpito

Estas quatro coisas são pequenas sobre a terra, em contraste com as pretensões intoleráveis do último grupo. A Vulgata tem mínimos; mas o original não é superlativo, o que não seria verdade para algumas das criaturas mencionadas.

porém muito sábias – “rápido de espírito, sábio”, o particípio מְחֻכִּמִים significa “tornado sábio, astuto” (Delitzsch). A Septuaginta e a Vulgata traduzem nos comparativos. “Esses são mais sábios do que os sábios”, sendo os instintos desses animais mais maravilhosos do que a sabedoria humana. [Pulpit, aguardando revisão]

25 as formigas não são criaturas fortes, mas no verão preparam sua comida;

Comentário de A. R. Fausset

não são criaturas fortes – em comparação com o homem – de onde os árabes têm um provérbio:’Mais fraco do que uma formiga ; ‘ mas mais forte em proporção ao seu próprio tamanho, como mostram os grandes fardos que carregam:de onde surge o outro provérbio árabe, ‘Mais forte do que uma formiga.’ Os egípcios fizeram da formiga o hieróglifo do conhecimento; e os árabes colocaram um na mão de um menino em seu nascimento com a prece:’Que ele se torne engenhoso e habilidoso.’ Portanto, ninguém pode se abster do trabalho, alegando que tem um corpo pequeno e fraco.

mas no verão preparam sua comida. Em Zante, é bem comprovado que quantidades de grãos foram retiradas da eira para os ninhos das formigas. [JFU, aguardando revisão]

26 os roedores são um 'povo' fraco, mas fazem suas casas nas rochas;

Comentário do Púlpito

os roedores são um ‘povo’ fraco. O termo “roedores” (cuniculus) é aplicado ao coelho, mas este não é o animal aqui pretendido; e de fato coelhos não são encontrados na Palestina. A palavra shaphan designa o Hyrax Syriacus, chamado por alguns de texugo da rocha. O coney, diz o Dr. Geikie (‘Terra Santa e Bíblia,’ 2.90), “abunda no desfiladeiro do Kedron e ao longo do sopé das montanhas a oeste do Mar Morto. É do tamanho de um coelho, mas pertence a uma ordem de animais muito diferente, sendo colocado pelos naturalistas entre o hipopótamo e o rinoceronte. Seu pelo macio é cinza-acastanhado no dorso, com longos pêlos negros subindo por essa pelagem mais clara, e é quase branco na barriga; a cauda é muito curto. Os judeus, que não eram científicos, enganados pelo movimento de suas mandíbulas ao comer, que é exatamente como o dos animais ruminantes, imaginavam que ruminava, embora não dividisse o casco, e então colocaram seu carne entre o que era proibido. Vive em companhias e escolhe uma fenda pronta nas rochas como seu lar, de modo que, embora as conies sejam apenas um “povo fraco”, seu refúgio nas rochas lhes dá uma segurança além de criaturas mais fortes. Além disso, são “extremamente sábias”, de modo que é muito difícil captar ture one. Na verdade, é dito que eles, em alta autoridade, colocam sentinelas regularmente para vigiar enquanto o resto está se alimentando; um guincho do vigia bastou para mandar o rebanho correndo para suas tocas como coelhos. O coelho é encontrado em muitas partes da Palestina, do Líbano ao Mar Morto.

nas rochas. Esse fato é notado no Salmo 104:18. A Septuaginta os chama de χοιρογρύλλιοι aqui e Salmos 104:18, também no Salmo 11:6 e Deu 14:7. Esta noção do animal como uma espécie de porquinho não é mais precisa do que a de Jerônimo, que traduz o termo por lepusculus. [Pulpit, aguardando revisão]

27 os gafanhotos não têm rei; mas todos saem em bandos;

Comentário do Púlpito

os gafanhotos não têm rei (Pv 6:7) – mas mostram disciplina, orientação e ordem.

mas todos saem em bandos – de modo que o profeta Joel (Jl 2:7-8) fala deles como um exército bem ordenado, como homens de guerra, “não se empurram uns aos outros; cada um marcha sempre em frente. Avançam por entre os dardos sem desfazer a formação” (NVI). [Pulpit, 1895]

28 as lagartixas podem ser pegas com as mãos, e mesmo assim estão nos palácios dos reis.

Comentário de A. R. Fausset

O termo aqui, sªmaamiyt ( H8079 ), diferente daquele em Jó 8:14 `akaabiysh ( H5908) Provavelmente um lagarto se refere aqui. [O grego moderno tem o nome de parentesco, samiaminthos, correspondendo aos antigos askalabootees:uma espécie de lagartixa; Latim, stellio.] Sob a superfície dos dedos dos pés há uma estrutura lamelada pela qual eles podem correr sobre superfícies lisas sem fazer barulho em uma posição invertida, como uma mosca doméstica no teto. A linguagem, “segura com as mãos” (pés anteriores), está de acordo com isso. O trabalho maravilhoso e característico da aranha é tecer uma teia, não se agarrar com as mãos. Ela está mais nas cabanas dos pobres do que “nos palácios dos reis”. Em Levítico 11:30as versões samaritana e caldaica traduzem letaah, o hebraico ali para ‘o lagarto’, por semamitha, a mesma palavra aqui. A derivação confirma isso, de shamam, para estupificar; ou samam, veneno. Ele pega moscas engenhosamente e freqüentemente é encontrado em rachaduras nas paredes e nos pequenos recessos de um teto. Compare com Agostinho, ‘Confesse’, 10:35. Ele e a aranha (como no caso de Robert Bruce da Escócia) nos ensinam que grandes dificuldades podem ser superadas com habilidade, paciência e perseverança. Kirby (‘Bridgewater Treatise,’ 2:186) diz, ‘As garras da aranha ou órgãos giratórios servem como mãos e olhos para o animal.’ [JFU, aguardando revisão]

29 Estes três tem um bom andar, e quatro que se movem muito bem:

Comentário de A. R. Fausset

Como os primeiros exemplos inculcaram prudência e habilidade, os quatro seguintes inculcam progresso firme e destemido em nossos empreendimentos corretos. [JFU, aguardando revisão]

30 O leão, forte entre os animais, que não foge de ninguém;

Comentário de A. R. Fausset

O leão, forte entre os animais, que não foge de ninguém – hebraico ‘da presença de ninguém’; i:e., por medo de qualquer pessoa (cf. Jó 39:22 ). Aristóteles, ‘Histoire’, 9:44, diz do leão, ‘Ele nunca foge nem treme; mas embora seja forçado a retirar-se por causa da multidão, ainda assim ele recua lentamente, passo a passo. ‘ [JFU, aguardando revisão]

31 O galo, o bode, e o rei com seu exército.

Comentário de A. R. Fausset

O galo – hebraico, um cingido nos lombos. Gesenius explica um cavalo de guerra com seus adereços ornamentais nos lombos, como são representados nas esculturas em Persépolis, ‘um cavalo de carruagem enfeitado’ (Martial, 14:86; Bochart, ‘Hierozoica’, 1:103; cf. Jó 39 :19-25 ). O caldeu, siríaco, árabe Septuaginta e Vulgata consideram-no, ‘um galo;’ provavelmente não; como ‘cingido nos lombos’, portanto, não tem sentido. Kimchi, suporta a versão em inglês, “um galgo”. tendo lombos comprimidos. Maurer, ‘um lutador’, cujos lombos estão cingidos para a luta e cujo movimento para avançar é o belo ideal de graça, ousadia e firmeza. Outro, ‘o leopardo’, um tanto similarmente associado com o leão e o bode em Daniel 7:1-28 ; Daniel 8:1-27 . O sentido é duvidoso.

o bode – o líder do rebanho.

e o rei com seu exército. Pocock, Gesenius, etc., traduzem o hebraico, ‘alquwm ( H510 ), do árabe,’ um rei com quem está seu povo. ‘ Assim, a Septuaginta Siríaca e Caldéia. Mas essas versões antigas sem dúvida significam ‘contra quem’, ou ‘com ele’ [ ‘imow ( H5973 )],’ seu povo ‘[ ‘ amow ( H5971 )]:e embora o artigo árabe seja encontrado em hebraico, kum não é encontrado nas pessoas de sentido. A autoridade dos comentaristas hebraicos apóia a versão em inglês. [JFU, aguardando revisão]

32 Se agiste como tolo, exaltando-te, e se planejaste o mal, põe tua mão sobre a boca;

Comentário de A. R. Fausset

Se agiste como tolo, exaltando-te – por orgulho e insolência. A seguinte cláusula –

e se planejaste o mal – ou planejou o mal, implica que a ação suposta foi iniciada, não concluída.

põe tua mão sobre a boca – ( Jó 21:5 ; Jó 40:4. ) Abstenha-se de toda desculpa ou defesa do passado; e impede-te em silêncio de falar e ainda mais de continuar a fazer o mal que tu pensaste. [JFU, aguardando revisão]

33 Porque como o forçar do leite produz manteiga, e o forçar do nariz produz sangue, assim também o forçar da ira produz briga.

Comentário do Púlpito

Porque como o forçar do leite produz manteiga. A mesma palavra, mits, é usada para “agitar”, “torcer” e “forçar”; significa “pressão” em todos os casos, embora com uma aplicação diferente. Hoje em dia, o leite é batido no Oriente, encerrado em uma garrafa de couro, que é então suspensa no ar e sacudida de um lado para outro até que a manteiga seja produzida. Esse processo dificilmente poderia ser chamado de “pressão”, embora, possivelmente, se refira à compressão do úbere, como a Septuaginta e a Vulgata o consideram. Mas muito provavelmente a referência é ao queijo, o termo usado, chemah, sendo aplicado indiferentemente ao leite coalhado e ao queijo. Para produzir essa substância, o leite coalhado é colocado em pequenas cestas de junco ou folhas de palmeira, amarradas com firmeza e depois prensado sob pedras pesadas. O que o provérbio diz é que, assim como a pressão aplicada ao leite produz queijo, e como a pressão aplicada ao nariz produz sangue, a pressão da ira produz conflito; a irritação e a provocação da raiva ocasionam brigas e contendas. Dizem em Malabar, observa Lane, “A raiva é uma pedra lançada no ninho de uma vespa.” Septuaginta:”Extraia o leite e haverá manteiga; e se você apertar violentamente as narinas, o sangue jorrará; e se você disser, surgirão brigas e contendas.” É a terceira cláusula que é importante e à qual as outras conduzem; e o versículo deve ser considerado em conexão com o anterior, como reforçando o dever de autocontenção e silêncio sob certas circunstâncias. Alguns dos Pais, comentando a tradução da Vulgata (Qui fortiter premit ubera ad eliciendum lac, exprimit butyrum; et qui vehementer emungit, elicit sanguinem), aplicam a passagem ao tratamento da Palavra de Deus. Assim São Gregório (‘Moral.’ 21,3), “Frases divinas requerem ora ser vistas externamente, ora ser exploradas internamente. Pois ‘pressionamos fortemente o úbere’ quando pesamos minuciosamente a compreensão da palavra da revelação sagrada, pela qual forma de prensar enquanto buscamos o leite, encontramos manteiga, porque, enquanto procuramos ser alimentados com apenas um pouco de discernimento, somos ungidos com a abundância da riqueza interior. Que, entretanto, não devemos fazer muito, nem todas as vezes, para que, enquanto se busca leite do úbere, haja sangue. Pois muitas vezes, as pessoas, enquanto peneiram as palavras da revelação sagrada mais do que deveriam, caem em apreensão carnal. Pois “ele tira sangue que torce violentamente. ‘ Uma vez que isso é tornado carnal, o que é percebido por uma grande peneiração do espírito “(tradução de Oxford). [Pulpit, aguardando revisão]

<Provérbios 29 Provérbios 31>

Introdução à Provérbios 30

A coleção de provérbios neste capítulo é atribuída a um filósofo, ou professor, chamado Agur, o filho de Jaque, e é dirigida por ele a Itiel e Ucal, presumivelmente seus eruditos ou discípulos. O nome Ithiel ocorre novamente como o de um benjamita em Ne 11:7. Ucal como nome próprio não é encontrado em nenhum outro lugar do Antigo Testamento. Esta e outras considerações levaram a um rearranjo do texto hebraico, que elimina Ithiel e Ucal como nomes próprios, e substitui a leitura (RV marg.):Eu me cansei, ó Deus, me cansei, ó Deus , e estou consumido. O sábio Mestre é, portanto, considerado como dando vazão ao cansaço e desapontamento conseqüentes do vão esforço de “exercitar-se em grandes assuntos que são muito elevados para ele”, e voltando-se no que se segue, com alívio, para a simples busca de práticas sabedoria e dever. Ele está repetindo, por assim dizer, as palavras de Moisés, nas quais tantos humildes buscadores da verdade encontraram descanso e satisfação:“As coisas secretas pertencem ao Senhor nosso Deus; mas as coisas que são reveladas pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que possamos cumprir todas as palavras desta lei ”. Deu 29:29.

Mas, por mais interessante que seja essa visão, ela se encontra sob a objeção de recorrer a emendas conjecturais, que é o último recurso de uma crítica sóbria. As palavras como estão em nosso texto hebraico atual, e são retidas em R.V. texto, dê um significado perfeitamente admissível. Todos os três nomes usados ​​aqui podem ser de estrangeiros. Não há mais dificuldade em supor que uma coleção de provérbios de um dos sábios “filhos do Oriente” (1Rs 4:30), que embora não fosse um israelita adorador do Deus verdadeiro, deva ser adicionada como um apêndice para este Livro da Sabedoria Hebraica, do que o Livro de Jó, que por muitos críticos é atribuído a um autor não israelita, ou as profecias de Balaão, devem ser admitidos no cânon das Escrituras Hebraicas.

O capítulo, que é altamente interessante e em alguns aspectos único, por isso pode ter sido selecionado de outra literatura semelhante para publicação como um apêndice deste livro, consiste em um título ou nota de autoria (Pro 30:1) , seguido por um prólogo, no qual em um espírito de profunda humilhação, que é o espírito da verdadeira sabedoria, o autor confessa sua própria ignorância absoluta em vista das grandes questões que se colocam para solução. O estudo da natureza deixa claro que existe um Deus; mas quem pode dizer quem e o que ele é? (Pro 30:2-4). Somente por revelação Ele pode ser conhecido; e nessa revelação, considerada sagrada por toda a mistura, o homem O encontra e está seguro (Pv 30:5-6). Para o Deus assim encontrado e confiado, o escritor volta-se com uma oração dupla – uma oração para que ele mesmo seja um homem real e verdadeiro; uma oração para que na sua sorte terrena tenha o meio-termo feliz, afastado das tentações que pertencem aos extremos da pobreza e da riqueza (Provérbios 30:7-9). Então, após um provérbio isolado do tipo familiar (Pro 30:10), outra peculiaridade desta Coleção, que pode ter sido uma razão adicional para ela ter sido anexada ao Livro dos Provérbios, é introduzida. Uma série de seis “provérbios numéricos”, ou “quadras”, como são chamadas, grupos de “quatro coisas”, com um único provérbio inserido entre o segundo e o terceiro grupos (Pro 30:17), traz a Coleção a um fechar com exceção de um provérbio final no final do capítulo (Provérbios 30:32-33).

“Quem quer que fosse Agur, ele tinha uma certa individualidade marcante; ele combinou a meditação sobre questões elevadas de teologia com uma teoria sólida da vida prática. Ele foi capaz de dar admoestações valiosas sobre a conduta. Mas seu deleite característico era agrupar em quadras ilustrações visíveis de qualidades ou ideias selecionadas” (Horton). [Cambridge, aguardando revisão]

Visão geral de Provérbios

“O livro de Provérbios convida as pessoas a viverem com sabedoria e temor ao Senhor a fim de experimentarem a boa vida”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – maio de 2020.