Bíblia, Revisar

Provérbios 19

1 Melhor é o pobre que anda em sua honestidade do que o perverso de lábios e tolo.

(Veja Pv 28: 6). “Rich” para enganar aqui. A integridade é melhor do que as riquezas (Pv 15:16, Pv 15:17; Pv 16: 8).

2 E não é bom a alma sem conhecimento; e quem tem pés apressados comete erros.

O último ilustra a primeira cláusula. A intensidade, resultado da ignorância, traz problemas.

3 A loucura do homem perverte seu caminho; e seu coração se ira contra o SENHOR.

caminho – vira-o de volta da direita (Pv 13: 6; Tg 1:13); e ele culpa Deus por seus fracassos.

4 A riqueza faz ganhar muitos amigos; mas ao pobre, até seu amigo o abandona.

(Compare Pv 14:20). Tais fatos são frequentemente apresentados com desaprovação implícita.

5 A falsa testemunha não ficará impune; e quem fala mentiras não escapará.

Compare Pv 19: 9, onde perecer não explica escapar aqui (compare Sl 88: 9, Salmo 88:10).

6 Muitos suplicam perante o príncipe; e todos querem ser amigos daquele que dá presentes.
7 Todos os irmãos do pobre o odeiam; ainda mais seus amigos se afastam dele; ele corre atrás deles com palavras, mas eles nada lhe respondem.
8 Quem adquire entendimento ama sua alma; quem guarda a prudência encontrará o bem.

(Compare Margin; Pv 15:32).

ama… alma – ou “ele mesmo”, que ele evidencia ao considerar seus melhores interesses.

keepeth – ou, “cumprimentos”

9 A falsa testemunha não ficará impune; e quem fala mentiras perecerá.
10 O luxo não é adequado ao tolo; muito menos ao servo dominar sobre príncipes.

(Compare Pv 17: 7). O tolo é incapaz de usar corretamente o prazer como conhecimento, mas para ele é menos incongruente do que a elevação indevida de servos. Que cada um permaneça em seu chamado (1Co 7:20).

11 A prudência do homem retém sua ira; e sua glória é ignorar a ofensa.

(Veja Pv 14:29; Pv 16:32). Esta inculcação de um espírito que perdoa mostra que a verdadeira religião é sempre a mesma (Mt 5: 22-24).

12 A fúria do rei é como o rugido de um leão; mas seu favor é como orvalho sobre a erva.

(Veja Pv 16:14, Pv 16:15; Pv 20: 2). Um motivo para a submissão à autoridade legal.

13 O filho tolo é uma desgraça ao seu pai; e brigas da esposa são como uma goteira duradoura.

calamidade – literalmente, “calamidades”, variadas e muitas.

queda contínua – um aborrecimento perpétuo, esgotando a paciência.

14 A casa e as riquezas são a herança dos pais; porém a mulher prudente vem do SENHOR.

Um contraste entre os dons dos homens e os de Deus, que, embora seja autor de ambas as bênçãos, confere o último por Sua providência mais especial.

e – ou, “mas”, implicando que os males de Pv 19:13 são evitados apenas por Seu cuidado.

15 A preguiça faz cair num sono profundo; e a alma desocupada passará fome.

um sono profundo – um estado de absoluta indiferença.

alma ociosa – ou “pessoa” (compare Pv 10: 4; Pv 12:24).

16 Quem guarda o mandamento cuida de sua alma; e quem despreza seus caminhos morrerá.

(Veja Pv 10:17; Pv 13:13).

despreza seus caminhos – opostos a guardar ou observar, negligencia (Pv 16:17) (indignos de consideração) sua conduta moral.

17 Quem faz misericórdia ao pobre empresta ao SENHOR; e ele lhe pagará sua recompensa.

(Veja Pv 14:21; Salmo 37:26).

tem pena – mostrado por atos (compare Margem).

18 Castiga a teu filho enquanto há esperança; mas não levantes tua alma para o matar.

(Compare Pv 13:24; Pv 23:13).

nãolevantes – literalmente, “não levante a tua alma” (Sl 24: 4; Sl 25: 1), isto é, não desejes a sua morte; uma cautela para os pais apaixonados contra o castigo irritado.

19 Aquele que tem grande irá será punido; porque se tu o livrares, terás de fazer o mesmo de novo.

Esforços repetidos de bondade são perdidos em pessoas mal-intencionadas.

20 Ouve o conselho, e recebe a disciplina; para que sejas sábio nos teus últimos dias.

(Compare Pv 13: 18-20).

fim último – (Pv 5:11). Na juventude, prepare-se para a idade.

21 Há muitos pensamentos no coração do homem; porém o conselho do SENHOR prevalecerá.

(Veja Pv 16: 1, Pv 16: 9; Salmo 33:10, Salmo 33:11). O fracasso dos dispositivos do homem está implícito.

22 O que se deseja do homem é sua bondade; porém o pobre é melhor do que o homem mentiroso.

deseja – isto é, fazer o bem, indica uma disposição amável (Pv 11:23); e os pobres assim afetados são melhores que os mentirosos, que dizem e não fazem.

23 O temor ao SENHOR encaminha para a vida; aquele que o tem habitará satisfeito, nem mal algum o visitará.

vida – (compare Pv 3: 2).

permaneça – ou “permaneça contente” (1Tm 4: 8).

não visitado com o mal – (Pv 10: 3; Salmo 37:25), como um julgamento, em que a visita do sentido é usada frequentemente (Sl 89:32; Jr 6:15).

24 O preguiçoso põe sua mão no prato, e nem sequer a leva de volta à boca.

peito – literalmente, um prato largo em que a mão foi mergulhada em comer (Mt 26:23). Compare Pv 26:15, o sentimento expresso com igual ironia e menos exagero.

25 Fere ao zombador, e o ingênuo será precavido; e repreende ao prudente, e ele aprenderá conhecimento.

Tal é o benefício da repreensão; até o lucro simples, muito mais o sábio.

26 Aquele que prejudica ao pai ou afugenta a mãe é filho causador de vergonha e de desgraça.

Conduta sem caráter muitas vezes condenada (Pv 17: 21-25; Pv 20:20; Dt 21:18, Dt 21:21).

27 Filho meu, deixa de ouvir a instrução, então te desviarás das palavras de conhecimento.

Evite qualquer pista da verdade.

28 A má testemunha escarnece do juízo; e a boca dos perversos engole injustiça.

má testemunha – (Compare Margin), um falso por maus princípios (compare Pv 6:12).

despreza o julgamento – dá em nada os ditames da justiça.

devora – literalmente, “engole”, como algo delicioso.

29 Julgamentos estão preparados para zombadores, e açoites para as costas dos tolos.

Sua punição é certa, fixa e pronta (compare Pv 3:34; Pv 10:13).

<Provérbios 18 Provérbios 20>

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.